segunda-feira, junho 21, 2010

Das agruras do desejo.

Há no desejo uma violência ingénua que nos remete para infância e terra. Claro que o podemos negar, carpir, sublimar, conter, mas a céu aberto ou nas profundezas dos neurónios exilados a que chamamos coração, ele resiste. E de tão espontâneo e fiel a si mesmo, em vida que a cultura não cessa de impregnar, merece respeito e cuidado. Ao contrário do prazer, que agradece a tantalização, por a adivinhar falsa e degrau para girândola final, ao desejo acontece mirar quem o atrai com gula já derrotada de criança e nariz pregados à montra de confeitaria proibida. E vai-se embora triste, é demasiado primitivo para se satisfazer com o window shopping:).

26 comentários:

Fora-de-Lei disse...

Isto não é nenhuma teorização conducente a argumentos de desculpa, pois não ?!

Julio Machado Vaz disse...

FDL,

Não lhe escapa nada:).

bea disse...

Importa mais o miraculoso de desejar que a resposta que se dê ao desejo 

GONÇALO disse...

http://www.youtube.com/watch?v=TBrD1Pl5UAw

Esta dedido a toda a malta do Murcon, mas em especial ao JMV. O homem vai derreter-se:-)))

GONÇALO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
GONÇALO disse...

"mesmo nas polémicas com a Igreja e com os Católicos, por vezes mais parecidas com um "ressentimento de Deus", Saramago era importante. Num país de religião oficiosa e de grande conformismo religioso, as suas provocações eram isso mesmo "vocações", chamadas, para que os crentes e os cristãos, em especial, não adormeçam nas suas confortáveis poltronas da certeza..." Paulo Rangel

Cê_Tê ;) disse...

Eu gosto de desejar, de escolher, de imaginar como me ficaria bem, se combinaria ou não comigo,... tudo: desde os adereços, à roupa, a material de escritório, de papelaria, informático, mobiliário,... a um outro sitio para ir ou viver.
Há coisas que "deveriam" pertencer-me porque me assentariam como uma luva Contudo às vezes ou o preço é demasiado elevado ou o artigo não está à venda ou não estou de facto a precisar.
Quando acontece adquirir algo assim parece que sempre me pertenceu... e há uma estranheza nesse ajuste perfeito que me leva à contemplação risonha. Outras vezes de tanto imaginar atrás da montra... já alguém levou...;P
Não sou- acho eu- de consumir sem sonho... sem identificação.
Por vezes é dificil agradar-me e demoro a dar...
Gosto de observar atrás da montra...
(;))) às vezes apuro valor das coisas questionando com o maior desprendimento amigas sobre o que me interessa- sobretudo quando é "peça e tamanho único" ;P
(Apeteceu-em "debitar" a propósito do que escreveu. Se calhar não tem qq relação mas apeteceu-me neste intervalinho... apalermar...)

fiquem bem ;P

fiury disse...

Cêtê

Estou ainda sem conseguir fechar a boca. A parte das amigas e do tamanho único deitou-me ao tapete:))))
Imaginava-te mais a falar da lua,do sol e longe dos centros comerciais, tás a ver?
Jamais algum sexólogo ousará desafiar a tua noção de desejo:)))))
hi hi hi
(Tens um piadão)!

fiury disse...

cêtê

define " material de escritório"." contemplação risonha", " identificação" e já agora demoras a dar o quê?
hi hi hi
nota:ainda não fechei a boca

Cê_Tê ;) disse...

Fiury,
;P
Seguramente daria pano para mangas;))) mas põe-te em "off" "faxabor" e não me apoquentes. ;P

E que raio fazes tu a certo material de escritório para lhe estares a atribuir um significado libidinoso?;)))
Por acaso estava a pensar na ergonomia de um simples furador de papel, de uma caneta... (aiaiaia;PP)

Cê_Tê ;) disse...

E agora que reparo...
Terá ido muita gente para férias, estarão todos agarrados ao Caim, estarão a trabalhar arduamente como eu (;) ou a multidão que se foi... era apenas uma pessoa?

Cê_Tê ;) disse...

Gonçalo- bem escolhido.;)

fiury disse...

cêtê,

Não atribuí nada, achei graça ao pormenor de material de escritório, mas tens razão :tudo agora tem por trás um designer.
Estou off:(

Anfitrite disse...

Esta também dedico ao professor

http://www.youtube.com/watch?v=rqwf9bYBcM4

Espero que não tenha trazido nehum recuerdo de Londres, só pelo prazer de olhar as montras:).

yes! my love! disse...

Com ou sem recuerdo de Londres, voltou inteirinho amais as agruras do desejo ~~

e iso é o qu'importa :)

Fora-de-Lei disse...

GONÇALO 10:04 AM

"http://www.youtube.com/watch?v=TBrD1Pl5UAw"

Há anos que não ouvia os Aguaviva. Foi bom recordá-los.


Anfitrite 4:41 PM

"http://www.youtube.com/watch?v=rqwf9bYBcM4"

Uma boa dose de penicilina e o problema está resolvido. Infelizmente, há outras DSTs bem piores...

Fora-de-Lei disse...

Já que estive a ouvir os youtubes acima sugeridos, agora é a minha vez de - em noite de S. João - deixar aqui uma sugestão musical, de certo modo alinhada com a "alma tripeira"...

Cê_Tê ;) disse...

Mas afinal o professor está para Londres ou para Amesterdão?:P

Anfitrite disse...

FDL,

Já agora, porque não

http://www.youtube.com/watch?v=jTfPYsX7WTA&feature=aprelated

E para o professor, uma que lhe recordará as suas estadas por países francófonos

http://www.youtube.com/watch?v=PnkJVL76dnQ

Tempo de mulheres lindas, sem silicones.

GONÇALO disse...

Meus caros,

Logo à noite, a partir das 22h na RTPN e mais não digo:))))

Mas vale a pena!...

andorinha disse...

Gonçalo,

Há coisas do caraças!
Vim aqui às 21.58, não poderia portanto tê-lo feito em melhor hora:)

Nem sempre vejo o programa...
Gostei, é um ambiente descontraído e divertido.
Quanto ao "nosso" Júlio gostei da participação, sobretudo quando se referiu às mulheres amantes ( e conhecedoras) de futebol de forma elogiosa.
Não esperava tanto.:)))))))))))

madame bovary disse...

Caro Professor,

Ao ler as suas palavras vieram-me à lembrança umas outras que tão bem conhece...
"A sede de uma espera só se estanca na torrente". Que mais é a sede para além do ímpeto do desejo? Que mais é a espera além da crença no prazer?

Pedro disse...

Olá professor queria lhe deixar aqui um nome caso lhe interesse - Jiddu Krishnamurti.

Ele dizia assim:
"Reprimir o desejo, ou a ele ceder, é a mesma coisa, porque o desejo continua ainda existente. Podeis reprimir o desejo de uma mulher, de um carro, de uma posição; mas o próprio estímulo a não ter essas coisas é, em si, uma forma de desejo. Assim, ao vos verdes presos na rede do desejo, deveis compreendê-lo, em vez de dizer que ele é correto ou errado, justo ou injusto".

"Eis a primeira coisa que importa compreender: o desejo não é em si contraditório; há, porém, contradição entre os objetos de seu preenchimento. Entendeis? Satisfaço o meu desejo numa certa direção, mais tarde desejo satisfazê-lo noutra direção. Essas duas direções, ou estados, é que são contraditórios. Desejo ser um homem rico e ao mesmo tempo viver santamente (…) Muito mais difícil, porém, porque requer extraordinária inteligência e compreensão, é investigar o desejo e libertar-se do conflito que os objetos do desejo provocam"

GONÇALO disse...

Andorinha,

Esteve bem, embora discreto de mais para o meu gosto, mas isso passa-me com a idade:-))))))

andorinha disse...

Gonçalo,

É, acho que é só uma questão de dares tempo ao tempo...:)))

thenewdo disse...

Como no luto, também no amor as emoções oscilam entre momentos de angústia ou encantamento e uma apatia que nos desconcerta. Como se tudo o que sentíamos momentos antes, subitamente, desaparecesse. Mas logo a seguir, tudo volta, por vezes, com uma intensidade ainda maior. A alma alucina, mas o corpo defende-se. A permanente exaltação da dor ou do amor poderia ser desastrosa. É a luta pela sobrevivência.