quinta-feira, Julho 31, 2014

Noite serena, gente.

Noite serena, gente.

quarta-feira, Julho 30, 2014

Uma noite serena, gente.

God forbid.

Maria,
Vestir essa nudez que alimenta as fantasias de mirones de talho, pendurados em esquinas sujas por eles. Devagar; peça a peça. Oferecer-me o capricho de  pedir meias tão apaixonadas pelas tuas coxas que nelas se detenham, rendadas e rendidas, seria um crime de lesa-desejo cobrir as longas pernas que apontas ao céu, uma de cada vez, alisando o negro que lhes assenta como uma luva e desafia as minhas mãos. Como a tua voz, em aliança irónica e esquiva com os olhos, “que sapatos?” Também negros, sabes a resposta, mas gostas de ma escutar, enrouquecido. A lingerie e mais um toque de risonha crueldade, “ajudas-me?”. E eu faço-o, os dedos debatem-se com o fecho, o mesmo não acontece ao teu pescoço com os meus lábios, aceita-lhes o beijo leve com a naturalidade do senhor feudal que estende o anel ao  vassalo, a imagem, de tão espontânea e imediata, não pode ser casual. O vestido mini-neiro, mais adulto a cada passo pelo corredor, com um gesto rápido o cabelo cobre-te o rosto e volta a escorrer pelas costas que me viram as costas, eis-nos face a face e junto à porta, “escolhes tu o restaurante”, a tua mão entreabre e a minha fecha, “posso escolher a mesa?”.
E sobre ela nos perdermos tão longamente que a noite acabe em assalto ao frigorífico, roupas espalhadas pelo chão e adormecer exausto, mas tranquilo. Não porque tudo está bem quando acaba bem, o sono entrelaçado não é o fim de nada, apenas o tempo que nos separa do abraço matinal. Mas por ambos sabermos que, em ocasiões como esta, raios de luz no cinzento do quotidiano, jamais te ocorrerá dizer “por que me deixaste vestir?”, seria o fim do erotismo e o começo do sexo melancólico e suicidário.

God forbid, Mary.  

terça-feira, Julho 29, 2014

Pois...

Construtores do caos
por VIRIATO SOROMENHO MARQUESHoje

DN.

O caso GES-BES tem suscitado uma pergunta simples: como foi possível que gravíssimas práticas fraudulentas tivessem escapado durante anos à vigilância das autoridades de regulação, incluindo à vigilância da troika sobre o setor bancário? A resposta é tão dura quanto simples: nos últimos 30 anos muitos governos (de direita e de esquerda) foram responsáveis pela criação dos alçapões e das opacidades que transformaram o sistema financeiro europeu (e mundial) num campo minado onde aventureiros põem em perigo a segurança de milhões de pessoas. Em 1933, em plena Grande Depressão, o Congresso dos EUA produziu uma lei (Glass-Steagall Act) que restaurou a confiança no sistema financeiro: separou e protegeu os bancos comerciais, face aos bancos de investimento. Por outras palavras: os bancos que recebiam as poupanças dos depositantes e que emprestavam às empresas na economia real não podiam fazer operações especulativas com produtos financeiros. Durante décadas essa higiénica distância permitiu prosperidade económica, a par de visibilidade e eficácia no trabalho dos reguladores. Contudo, o lóbi financista, embalado pelo mantra do neoliberalismo, não descansou enquanto não meteu no bolso os governos e os parlamentos necessários para misturar tudo de novo. Em 1999, o Congresso americano revogou a lei de 1933, regressando à promiscuidade especulativa. Por todo o lado, incluindo a UE, as leis "liberalizaram-se", no sentido de criar obscuridade, onde antes havia transparência. Criaram-se condições para mascarar a exposição da poupança das famílias, no labirinto arriscado das ações, das obrigações e de uma miríade de derivados toxicamente imaginativos. Os políticos que se queixam dos banqueiros deveriam ter vergonha. O caos habita nas leis que eles próprios assinaram. Seria interessante saber como e porquê...

sábado, Julho 26, 2014

Boa noite, gente.

sexta-feira, Julho 25, 2014

Forças de bloqueio e vistas curtas, seguramente.

A Plataforma Portuguesa das Organizações Não Governamentais para o Desenvolvimento anunciou nesta sexta-feira a suspensão das funções de observadora consultiva da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), na sequência da adesão da Guiné Equatorial.
Em carta dirigida ao secretário executivo da CPLP, com conhecimento do secretário de Estado da Cooperação, dos embaixadores dos Estados-membros da CPLP e dos restantes observadores consultivos, a Plataforma comunica ainda que, na próxima assembleia-geral, "será levada a votação a proposta de exclusão definitiva como observadora consultiva" da organização lusófona.
"A CPLP não é – nem pode converter-se – num clube de negócios, em que os interesses estritamente económicos de uma elite se sobrepõem aos direitos humanos e à dignidade de muitos", considera a Plataforma, presidida por Pedro Krupenski e que integra várias organizações.
A Plataforma "lamenta profundamente a deliberação unânime sobre a adesão da Guiné Equatorial como membro de pleno direito na CPLP", que, em seu entender, viola os estatutos da organização, regidos pelos princípios do primado da paz, da democracia, do Estado de Direito, dos direitos humanos e da justiça social.
Ora, "os objectivos e princípios orientadores da CPLP são agora – na prática – outros, para os quais não estamos dispostos a contribuir", asseveram os signatários da carta.
Esses princípios "são outros" porque – enumeram – a Guiné Equatorial "mantém a pena de morte no seu ordenamento jurídico"; "executa arbitrariamente os seus cidadãos"; "tem um presidente que cumula o poder presidencial, o executivo, o judicial e o militar"; "encontra-se no topo da lista dos países mais corruptos do mundo, concentrando a riqueza nas suas mãos do presidente, da família e da elite que o rodeia"; e "não tem qualquer abertura à dissidência de opinião, à liberdade de manifestação e associação".
Ao mesmo tempo, e apesar de ser o "terceiro maior produtor de petróleo e o país com o maior PIB per capita do continente africano", a Guiné Equatorial permite que "cerca de 80 por cento da sua população viva abaixo da pobreza", denuncia a Plataforma.
Público.

quinta-feira, Julho 24, 2014

Ou seja: esteve sempre em aberto a hipótese do pedido de adesão não ser aceite!... Deve ter sido por isso que a decisão foi tomada "por consenso". O desplante com que fazem de nós estúpidos:(.

Portugal "surpreendido" por "incidência protocolar"

por LUSA

O Presidente da República e o primeiro-ministro declararam quarta feira que foram "surpreendidos" pelo anúncio antecipado da adesão da Guiné Equatorial à CPLP e que desvalorizaram essa "incidência protocolar" em nome do sucesso da Cimeira.
O presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Odiang, foi chamado à mesa pelo protocolo timorense como membro de pleno direito da CPLP, antes da aprovação formal desta adesão, na abertura da Cimeira de Chefes de Estado e de Governo realizada quarta feira em Díli, Timor-Leste.
Questionado sobre este episódio, o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, afirmou: "Fomos surpreendidos. Mas o que nós queríamos, acima de tudo, era ajudar Timor-Leste para que esta Cimeira fosse um sucesso, e Portugal deveria ter sempre em mente no seu comportamento e nas suas atitudes quão importante era o sucesso desta cimeira para Timor".
O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, subscreveu as palavras do Presidente da República, acrescentando: "Creio que não há nenhuma necessidade de estar a hipervalorizar um aspeto de incidência protocolar. Nós atribuímos importância às questões de natureza protocolar, evidentemente, mas, como o senhor Presidente aqui referiu, não quereríamos com certeza, do nosso lado, um outro incidente protocolar que criasse uma dificuldade grande a quem está a gerir os trabalhos e tem a presidência da Cimeira".
O chefe do executivo PSD/CDS-PP rejeitou, contudo, que a adesão da Guiné Equatorial à CPLP fosse um facto consumado no início da Cimeira de Díli: "Ficou muito claro, em todo o caso, que uma decisão só foi adotada após uma discussão importante que foi realizada entre os chefes de Estado e de Governo e que foi justamente motivada por uma intervenção do senhor Presidente da República Portuguesa".

quarta-feira, Julho 23, 2014

Boa noite, gente.