quarta-feira, outubro 17, 2007

Este fosso que se agrava, é considerado um dos factores de risco para a saúde física e mental das populações de um determinado país.

Pobreza ameaça a classe média

Helena Norte

As famílias atingidas pelo desemprego e endividamento são os novos rostos dos dois milhões de pobres que existem em Portugal. A chamada classe média, esganada pelos créditos ou apanhada nas malhas do desemprego crescente, constitui uma nova forma de pobreza, que desafio os estereótipos associados a esse fenómeno. Hoje, Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza, milhares de pessoas levantam-se para lembrarAs estatísticas do Eurostat revelam que 20% da população portuguesa vive na pobreza. Dois milhões de pessoas, portanto. Na União Europeia, a taxa de pobreza situa-se nos 16%, o que coloca Portugal no top 10 dos estados-membros mais pobres.Os números não são novos. O padre Jardim Moreira, presidente da Rede Europeia Anti-Pobreza/Portugal, diz mesmo que há décadas anos que se fala nessa percentagem. "Com tantos milhões de euros em programas contra a pobreza, porque é que o número de pobres não diminuiu?", questiona.Para perceber, comecemos pela definição técnica de pobre. É considerado pobre quem ganha menos de 60% da mediana dos salários do seu país. Isto é, quem tem rendimentos inferiores a 60% do vencimento auferido por metade da população. No caso de Portugal, corresponde a 360 euros por mês, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística referentes a 2004. O conceito de pobre varia, portanto, de país para país. O que significa que os 68 milhões de pobres que existem na União Europeia têm níveis de vida muito diversos. Um pobre na Suécia viveria confortavelmente em Portugal ou na Lituânia.Ter emprego não significa estar acima do limiar de pobreza. O mito de que só quem não trabalha cai nas malhas da miséria é desmentido pelos números 14% dos portugueses que trabalham estão em risco de pobreza, de acordo com dados da Rede Europeia.Novos pobresO problema é que não ganham o suficiente para pagar as contas. Isabel Jonet, directora do Banco Alimentar (BA), diz mesmo que os novos pobres são aqueles que contraíram créditos ou assumiram responsabilidades financeiras que já não conseguem honrar, seja porque perderam o emprego ou porque o custo de vida está cada vez mais elevado. O BA recebe um número crescente de solicitações , que encaminha para instituições com quem tem protocolos, de pessoas que, vencendo o pudor, pedem ajuda.Estes novos fenómenos desafiam também as classificações tradicionais de classe média. "Se 20% dos portugueses concentram 80% da riqueza, já não há a chamada classe média", explica o padre Jardim Moreira. As desigualdades sociais, em Portugal, são ainda mais chocantes do que no resto da Europa. Segundo dados da Eurostat, referentes a 2004, o grupo com mais rendimentos ganha sete vezes mais do que a franja mais desfavorecida."O que tem sido feito é gerir a pobreza, não resolvê-la", critica o padre Jardim Moreira. Uma das formas de camuflar a real dimensão do problema é aumentar as transferências sociais (subsídios e outras prestações). Se fossem cancelados todos esses apoios, a taxa de pobreza, em Portugal, aumentaria para 38% e na Europa 40%, o que é revelador da "subsidiodependência".Os idosos que vivem sós e as famílias com dois ou mais dependentes apresentam um risco de pobreza substancialmente mais elevado (42%) do que a restante população, de acordo com dados do INE.Para quebrar o ciclo da pobreza, os especialistas são unânimes na necessidade de investir na educação. Neste parâmetro, o nosso país apresenta também indicadores desoladores a taxa de abandono escolar é de 39% (quando na Europa não ultrapassa os 15%).
JN.

27 comentários:

Fora-de-Lei disse...

Em Portugal, a pobreza aumenta em linha com o aumento dos lucros dos banqueiros.

Veja-se a ganância com que os (falsos) cristãos da Opus Dei se degladeiam no seio do BCP e fica explicada a existência de tanta pobreza em Portugal. Por certo que o padre Jardim Moreira sabe isto melhor que eu. Por isso, não percebo o sentido da sua interrogação...

Fora-de-Lei disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bartolomeu disse...

A saber...
Pobreza significa o quê concretamente?
Não ter dinheiro suficiente para comprar alimentos?
Não possuir a razão necessária para conseguir gerir os actos e os pensamentos?
Não ter dinheiro suficiente para manter um nível de vida específico?
Não possuir condições psicológicas que permitam avaliar e gerir o dia-a-dia?
Ter menos dinheiro que o vizinho, que inexplicávelmente, com um trabalho de treta consegue ostentar mundos e fundos?
Não possuir a lucidez necessária para articular os proventos com as efectivas necessidades?
Assumir mais empréstimos, conhecendo a impossibilidade de satisfazer o seu pagamento?
Conheço pessoas muito pobres de bens materiais, mas riquíssimas no seu modo de vida. Conhecem os cíclos das sementeiras, das mondas e das colheitas e... como canta Isabel Silvestre, não lêem, mas sentam-se à soleira, a escutar os ruídos do mundo e a entendê-los à sua maneira.
Não será uma prática excelente, habituarmo-nos a escutar os ruídos e a entendê-los?

Bartolomeu disse...

Desculpem, só mais uma coizinha... baseado na citação da menina Aspásia, no post anterior, lembrei-me que o professor (detesto chamar professor às pessoas, excepto àquelas que já me ensinaram algo, é o caso) Agostinho da Silva, a propósito de carácter, dizia... - É preciso distinguir que coisa é carácter. Carácter é um conjunto de luzes, verdes e vermelhas, para se saber se passa o cruzamento ou não, ou o carácter é uma maneira de ser arreigada, forte, tão de nascimento e natureza que é mesmo aquilo que tem de haver e que ha no mundo?
E pobreza (pergunto eu) é algo esterotipado, impresso na cédula de nascimento, ou algo em que se tropeçou eque nos embarga o passo, sem que dele sejamos capazes do nos livrar sem ajuda externa (dos semáforos?)
;))

borboletinha disse...

Não me vou lamentar... não vou... perante os numeros apresentados! Mas confesso que o faço todos os dias!!! E como todos (salvo excepções!!!)penso:"ai se me saísse o euromilhões". E logo a seguir concluo: que pobreza de espírito, a minha!
Os números são, de facto, preocupantes, mas quem o não vê?! O sistema nacional de saúde está prestes a ser aniquilado (que era das poucas coisas boas que ainda tínhamos!).A mim, particularmente, que sempre vivi no meio de profissionais de saúde, agora, reformados há pouco tempo, dói-me o coração, quando os vejo olhar para os destroços que este tsunami gigante tem deixado, e lembrar o que lutaram para o (SNS) engrandecer!
Privatização de Hospitais Escola?!
Então e os verdadeiramente pobres...Nem direito terão a ser tratados com a dignidade que lhes é merecida?! Hospitais Escola onde irão ficar os verdadeiramente fracos a ensinar os que por defeito lá trabalharão? E quem paga os seguros para se ser tratado pelos realmente bons, que se fartaram e foram para a privada?!

É com tristeza que prevejo o futuro!

Fora-de-Lei disse...

Bartolomeu 1:49 PM

"Pobreza significa o quê concretamente?"

População pobre ou em risco de pobreza é aquela que "vive" com 360 euros por mês (ou menos).

Queria-te ver viver com este dinheiro. Acabavam-se-te logo as filosofias de algibeira...

Entretanto, quarenta e cinco mil portugueses aderem à iniciativa mundial "Levanta-te contra a pobreza". E tudo isto com o patrocínio do BCP, hehehehehe. Gandas farisaicos...

andorinha disse...

Boa tarde.

Que raio de post para um dia lindo como este:)

O fosso agrava-se, há cada vez mais pobreza encapotada, mas isso não é assunto que pareça preocupar os nossos (des)governantes...

E mais não digo...vem já aí o Thora criticar-me por só dizer mal dos políticos...

andorinha disse...

Bartolomeu,

Também existe pobreza de espírito, todos os dias constatamos isso e essa é, aliás, difícil de erradicar.
Mas aqui estamos a falar da outra, da pobreza "tout court".
Como já perguntou o FDL, gostava de saber como é que alguém ou um agregado familiar consegue "sobreviver" com 360 E por mês.
Não consegue...e todos nós somos confrontados diariamente com casos de pessoas que vivem em situações absolutamente degradantes.

Fora-de-Lei disse...

Mas como tristezas não pagam dívidas, aqui vão algumas dicas sobre como obter a reforma por insanidade mental. Aproveitem a ideia!

1. Na sua hora de almoço, sente-se no seu carro estacionado, ponha os óculos escuros e aponte um secador de cabelos para os carros que passam. Veja se eles diminuem a velocidade.

2. Sempre que alguém lhe pedir para fazer alguma coisa, pergunte se quer batatas fritas a acompanhar.

3. Encoraje os seus colegas de gabinete a fazerem uma dança de cadeiras sincronizada consigo.

4. Coloque o seu recipiente do lixo sobre a mesa de trabalho e escreva nele, "Entrada de Documentos".

5. Desenvolva um estranho medo aos agrafadores.

6. Ponha café descafeinado na máquina de café, durante três semanas. Quando todos tiverem perdido o vício da cafeína, mude para café expresso.

7. No verso de todos os seus cheques, escreva, "referente a suborno".

8. Sempre que alguém lhe disser alguma coisa, responda, "isso é o que tu pensas".

9. Termine todas as suas frases com "de acordo com a profecia".

10. Ajuste o brilho do seu monitor para o nível máximo, de forma a iluminar toda a área de trabalho. Insista com os outros de que gosta assim.

11. Não use pontuação nos seus textos.

12. Sempre que possível, salte em vez de andar.

13. Pergunte às pessoas de que sexos são. Ria, histericamente, depois delas responderem.

14. Quando for à Ópera, cante com os actores.

15. Vá a um recital de poesia e pergunte por que é que os poemas não rimam.

16. Descubra onde o seu chefe faz compras e compre exactamente as mesmas roupas. Use-as um dia depois do seu chefe as usar. Tem ainda mais impacto se o seu chefe for do sexo oposto.

17. Mande e-mails para o resto da empresa, dizendo o que está a fazer, em cada momento. Por exemplo: "Se precisarem de mim, estou na casa de banho".

18. Coloque um mosquiteiro à volta da sua secretária e ponha um CD com sons da floresta, durante o dia inteiro.

19. Quando sair dinheiro da caixa Multibanco, grite.

20. Ao sair do jardim zoológico, corra na direcção do parque de estacionamento, gritando, "Salve-se quem puder! Eles estão soltos!"

21. À hora do jantar, anuncie aos seus filhos: "devido à nossa situação económica, teremos de mandar embora um de vós".

22. Todas as vezes que vir uma vassoura, grite, "Amor, a tua mãe chegou!"

23. Mande este texto para todos os seus amigos ou colegas, mesmo que eles já lhe tenham pedido para não lhes mandar mais merdas.

andorinha disse...

FDL (5.35)

Em vez de estares concentrado no trabalho, estás preocupado com a nossa disposição!!!

É por isso que o país não sai da cepa torta.:))))

Brancamar disse...

Caro Professor,
Que posso dizer mais, para além da triste realidade exposta neste texto? É deprimente e realmente não há saúde física e mental que aguente por muito tempo esta pressão!
Na parte final deste relatório está o cerne da questão - investimento na Educação,o principal sector e motor de arranque de um país e no entanto o mais abandonado. Tudo continua por fazer nas áreas principais de ataque à pobreza, a começar por aquela, passando pela saúde, onde se tem regredido e pela própria assistência social.
Curiosamente há dias comentei no site www.jmarquesdacruz.com,
algumas crónicas de outros tempos sobre os temas aqui tratados: pobreza e velhice, ambos tão interligados, crónicas escritas por um ex-jornalista entre 1972 e 1985. Se quiserem passar por lá vão bater na estupefacção de estarem a ler a realidade actual, em alguns casos agravada pelo facto de os sem abrigo já não serem só idosos, mas muitos desempregados de meia-idade e alguns jovens.
Resta-nos não assinalar só hoje este dia, que ele sirva para não ser apenas uma chamada de atenção pontual e de circunstância. É preciso que esteja presente no nosso espírito de uma forma permanente, que nos ajude a actuar como bons cidadãos e a recuperar os princípios da generosidade e da luta pela igualdade de direitos, tão arredada dos nossos actuais hábitos quotidianos, infestados de egoísmo,competitividade, consumismo,indiferença, do"salve-se quem puder", a todo o custo.
Cada um de nós pode ter um pequeno contributo na mudança.
Mãos à obra!
Um abraço

borboletinha disse...

Meu querido!

Aproveitando-me da pobreza que hoje deu o mote a este blog, gostaria de lhe dizer que fiquei estupefacta ao vê-lo, hoje, numa daquelas revistas ricas em cuscuvilhice e paupérrimas em conteúdo!
Apesar de ficar bem em qualquer lado e de posar ao lado de uma agradável companheira... aquilo não é revista para si!! Além de que nem está muito à vontade! Até está meio encolhidito!!!(Não é questão de preconceito, mas quando me apareceram, com aquela feira de vaidades e me disseram: lê que vem aí o teu querido e eu vi o tony carreira na capa, não quis acreditar!)

Espero, porém, que tenha servido, para aumentar a audiência do Serralves fora d'horas, que vai ser transmitido às sextas-feiras no Canal 6 de Tv Cabo, às 22h30!

Xelim's Skull disse...

Extraído de - e o resto em -,

http://www.correiodamanha.pt/noticia.asp?id=256491

«Portugal tem 2,3 milhões de pessoas a sofrer com problemas psicológicos, representando cerca de 28 por cento da população, segundo o último inquérito nacional de saúde.»

Interessante ver a relação (portuguesa):

Por cada pobre, um doente mental.

Eu estou a apresentar isto apenas como uma relação numérica. Mas isto não significa que não haja mais do que a relação numérica apenas!

lobices disse...

...tudo resolvido!!!!!!!!
...Portugal vai receber até 2013, 21.500 M de euros... cerca de 10 milhões de euros por dia
...daria para dar mais cerca de 150 euros por mês a cada um dos 2 milhões de potugueses pobres, ou seja, dos 360 euros/média, passariam para 510 euros
...conclusão:
...continuaria a existir 2 milhões de pobres
...mas
...como isso não resolveria o problema dos pobres, então o dinheiro vai ser canalizado para a Formação e apoio ao investimento produtivo
...espero chegar a 2013 para ver o que mudou

lobices disse...

...uma pergunta inocente (sério):
...amanhã e sexta vai-se realizar uma Cimeira no Pavilhão Atlântico
...com tudo incluido, a despesa deverá ser enormeeeeeeee
...quem é que paga estes eventos? É o País receptor ou é dividido por todos?

Laura disse...

Bartolomeu:
Reconheço que estão para além do caso do post, mas subscrevo os seus comentários a 100%.
Mas olhe que nessa sua outra história, a culpa não é só dos devedores e da iliteracia (inumeracia?) funcional das pessoas. Há mais culpados ao barulho, se vir bem
Porque é escandaloso que o assédio continue, constante e férreo. E pior que isso: cinicamente indiferente, com tantos responsáveis a fazer de conta que não reparam no assunto.
Refiro-me ao caso do "virar a vida de pernas pro ar", e muitas outras réplicas dessa cena.

É como diz o povo "com a verdade me enganas"... Millenium!

Não subscrevo 1 economia de matriz liberal. Nota-se.

Nuno Guimas disse...

Curioso um padre comentar a pobreza quando a igreja católica portuguesa acaba de gastar 80 milhões de euros numa igreja.

Manolo Heredia disse...

Nem todas as pessoas têm bagagem mental para cumprir os mínimos exigíveis para viver nesta sociedade. Grande parte deles vai engrossar as fileiras dos pobres.
O Prof. Agostinho da Silva não tinha B.I. nem Número de Contribuinte; quem experimentar imitá-lo, ou é um filósofo recinhecidona Praça, ou vai directamente para a condição de indigente.
As pessoas que não se aguentam e pedem empréstimos acima das suas posses vão prá lista negra do Banco de Portugal, ficam sem possibilidade de abrir conta bancária, ou de emitir cheques. Qual é a empresa que emprega uma pessoa que só pode receber o salário em numerério?
Os Bolcheviques tentaram... mas deu no que deu...

Fora-de-Lei disse...

Nuno Guimas 10:32 PM

Porra, você é um herege do caraças... ;-)

borboletinha disse...

Nuno Guimas! És o maior!

quem diz a verdade não merece castigo!

Guimaraes disse...

Li, há uns tempos que na China, considerada no ocidente terra de miséria, a percentagem de pobres é de 10%.
Nós estamos no dobro!
É caso para meditar sériamente.....

Julio Machado Vaz disse...

Borboletinha,
Grato pela sua preociupação:). É verdade que não me sinto confortável em sessões fotográficas e isso nota-se. Mas não tenho nada contra a imprensa cor-se-rosa, desde que respeite a minha intimidade, e no geral tem acontecido. Escrevi para a Nova Gente sem problemas até os meus textos serem mutilados. Limito-me a não a comprar, mas não deixo de a ler nas salas de espera :).

anfitrite disse...

O mais pobre é aquele que não é cego mas não quer ver. Só vê o que lhe põem à frente do nariz e mesmo assim interpreta mal.
Os que mais falam na pobreza, muitas vezes, são os que mais tiram partido dela. E não são os membros do Governo, não! Esses até dão o dinheiro, só que não vêem como é que ele é aplicado.
Agora os jornalistas também falam muito na pobreza porque têm medo que lhe tirem as regalias que têm tido até aqui. Escolhem os médicos que querem, compram os medicamentos que lhes apetece, para eles e para a família, não gastam um tostão, e não estão em bichas, nem em filas de espera. E vem a presidente da Comissão Administrativa da Caixa dos jornalistas dizer na televisão, que eles até dão lucro à S. Social, porque morrem cedo e não gozam da reforma, por causa da agitação em que vivem, como se continuassemos num regime corporativo.
Não venham falar da China, nem da Índia, onde a miséria de cá comparada com a de lá, é um luxo.(Não falando de casos-limíte, evidentemente), e vão para os U.S.A. onde há, pelo menos, trinta milhões de pessoas que não tem direito a assistência médica, nem a um comprimido.
Só sabemos criticar, mas não sabemos participar, e eu sei do que falo.
Eu sinto que tenho menos disponibilidades, mas espero que não tenha sido em vão.

P.S. Porque permitem a publicidade, em todo o lado, da facilidade de concessão de empréstimos, a uma T.A.E.G.(taxa anual efectiva global) de trinta por cento, que nem se vê, quando a maioria das pessoas não sabe o que isso significa.

Joaolsd disse...

vergonha. num distanciado pedestal, o esfíngico representante da república Portuguesa mostrou-se deveras agastado e envergonhado com tais estatísticas. falta de vergonha, digo eu, de tão despudorada personagem numa inequívoca desresponsabilização do seu passado enquanto chefe de estado. pois, nada se inscreve, já dizia o outro, tudo se passa num enevoado e conformado (in)consciente colectivo.
só para relembrar: 'pôr a carroça à frente dos bois, é nisto que dá, o País às avessas, sensaborão, com a casa dessarumada mas com a preocupação de arrumar o lixo para debaixo do tapete para as visitas estrangeiras ficarem bem impressionadas.
em nome do progresso: faça-se uma limpeza o mais completa possível. construa-se pela base, enfatize-se a matriz educativa.

thorazine disse...

anfrite,
"O mais pobre é aquele que não é cego mas não quer ver."

Mas se calhar muitos não querem ver porque nunca lhes deixaram abrir os olhos. Eu estou como o FDL, um gajo depois de viver só com o ordenado minimo para o mês deixa de filosofar sobre a pobreza..

lobices,
é a dividir por todos! Agora não ei se no fim o Scrates pede a conta e divide por 27 (bebidas à parte) ou cada um paga o seu! :))

andorinha disse...

Boa tarde.

Joaolsd,

Concordo plenamente com o teu comentário.
E enfatizo o último parágrafo: "...construa-se pela base, enfatize-se a matriz educativa."

Mas isso dá trabalho, leva o seu tempo e por isso nada melhor do que ir varrendo o lixo para debaixo do tapete...

Thora,
Tens toda arazão, miúdo.
Estamos aqui todos a filosofar de barriga cheia...e isso facilita tudo:)

fiiury disse...

é mais que evidente que o segredo está na educação.por isso é que se continua a não se fazer nada por ela. as coisas costumam começar pelo início, mas como as crianças não votam...ao contrário,continua-se a estupidificar as pessoas através da pouca exigência nas escolas superiores de educação,a ignorar a alteração de curriculums. formação dos portugueses?! hehehehe. massa critica?! hehehehehe.não nos gozem!
há 20 anos em paris já me sentia mal por ser a única pessoa a não ler, no metro.a estupidificação não é uma falha, é mesmo um objectivo!