sexta-feira, maio 09, 2008

Um país de analfabetos malévolos!

Leio, ouço e pasmo - um país inteiro afirmando que o Primeiro-Ministro cometeu uma gaffe no debate parlamentar de ontem. De acordo com essa versão - ingénua, ignorante ou malévola... -, o Engenheiro Sócrates teria afirmado existirem razões para censurar o Governo, mas não as apontadas pelo PCP, assim traindo e revelando a verdade, aferrolhada nos seus neurónios e escondida do povo português. Lamentável interpretação:(. Os factos são outros, e admiráveis! Fontes geralmente bem informadas asseguraram-me que o Primeiro-Ministro já entregou ao Dr.Alberto Martins a lista das razões que justificam uma moção de censura adulta, eficaz, DE-FI-NI-TI-VA. O grupo parlamentar do PS apresentará a sua própria moção de censura, que será aprovada, se necessário, apenas com os votos do PS, atendendo à falta de honestidade intelectual de toda a Oposição, capaz de votar contra por mero despeito perante tal prova de desapego ao poder. O Presidente da República tentará demover o Primeiro-Ministro, com o tacto que tão bons resultados obteve no recente diálogo com o Dr. Alberto João Jardim, mas falhará. Serão convocadas eleições e o povo português, sábio e apreciador da auto-crítica, dará ao PS um resultado inovador: uma super-maioria absoluta! Existe até a possibilidade de a Assembleia da República ser constituída apenas por deputados do PS e pelo Dr.Francisco Louçã, este por intercessão do próprio Primeiro-Ministro.

59 comentários:

Fora-de-Lei disse...

Contextualizando:

MOÇÃO DE CENSURA

- São muitas as razões que justificam a apresentação neste momento de uma moção de censura ao Governo e à política do PS e de José Sócrates.
- Nos últimos três anos, prosseguindo e acentuando orientações anteriores, a política do Governo PS foi uma política de empobrecimento, de injustiça e de desigualdade. Uma política de claro benefício dos grandes interesses e de pesados sacrifícios para a generalidade da população. Uma sucessão de promessas não cumpridas !
- A apresentação pelo Governo de um conjunto de propostas de alteração do Código de Trabalho, em articulação com a alteração da legislação laboral na Administração Pública, tornou imprescindível a apresentação de uma moção de censura que agora anunciamos.
- As propostas apresentadas, envolvidas numa mistificadora operação de propaganda, constituem um ataque frontal aos direitos dos trabalhadores uma formal declaração de guerra aos trabalhadores portugueses e, a não ser derrotada, uma profunda regressão social.
- Trata-se de facilitar os despedimentos individuais, tornando precários todos os trabalhadores e aumentando a fragilidade dos que já o são. Trata-se e de desregulamentar ainda mais o horário de trabalho colocando a arbitrariedade patronal a decidir.
- Trata-se de promover a redução dos salários e das remunerações.
- Trata-se de manter a eliminação do princípio do tratamento mais favorável, aumentando as armas do patronato para a compressão de direitos laborais.
- Trata-se de tentar liquidar a contratação colectiva pela caducidade, questionando direitos conquistados durante anos.
- Trata-se de a pretexto de combater a precariedade conduzir à sua legitimação e legalização.
- Trata-se de comprometer a compatibilização entre a vida profissional e a vida pessoal e familiar, de dificultar o apoio aos filhos ao longo da sua vida de crianças e jovens, como se este apoio só fosse necessário até aos 9 meses de idade.
- Trata-se de fragilizar e enfraquecer a organização sindical deixando campo livre aos patrões.
- Trata-se de fazer o contrário do que o PS prometeu na oposição e aprofundar o caminho iniciado por Bagão Félix e pelo Governo PSD/CDS-PP.
- E se estas razões, justificam por si só uma fortíssima resposta política e social e uma não menos forte censura, existem muitas outras razões que para o PCP tornam obrigatória e incontornável esta moção de censura.
- Ao longo destes três anos os salários da generalidade dos trabalhadores diminuíram, com destaque para os da administração pública. As pensões e reformas mantiveram-se a um nível inaceitavelmente baixo, sendo que em vários momentos sofreram diminuições reais face ao valor da inflação.
- Os jovens vêm a sua situação agravada e o futuro cheio de incertezas com os baixos salários, a precariedade dos vínculos de trabalho (contratos a prazo, recibos verdes, trabalho temporário, bolsas de investigação e estágios) que comprometem a organização e estabilidade de vida, dificultam o acesso à habitação e ameaçam os direitos laborais.
- Ao mesmo tempo que os lucros da banca e dos grandes grupos económicos aumentaram sistematicamente.
- Nestes três anos aumentaram os impostos directos e indirectos para os trabalhadores e até para os reformados, enquanto se mantiveram amplos benefícios fiscais para os sectores financeiros e escandalosas possibilidades de planeamento fiscal para os grandes grupos económicos em geral.
- Ao mesmo tempo diminuíram os impostos pagos pelo sector financeiro, mesmo com o aumento dos lucros.
- Mantém-se um modelo de desenvolvimento assente em baixos salários e na exploração dos trabalhadores, que se traduz igualmente no abandono do sector produtivo nacional.
- Os preços dos bens e serviços essenciais aumentaram.
- O Governo determinou o encerramento de milhares de serviços públicos por todo o país
- A Administração Pública e os seus trabalhadores foram um alvo preferencial das políticas do Governo, visando a degradação dos direitos, do acesso e da qualidade do serviço prestado e abrindo caminho à sua submissão a interesses privados ou partidários.
- A saúde está mais distante das populações e cada vez mais cara. Enquanto o Serviço Nacional de Saúde é sistematicamente sujeito a restrições financeiras e à escassez de profissionais, o sector privado floresce à custa do erário público e da redução da resposta dos serviços públicos.
- A escola pública está sujeita a um ataque cerrado, com a falta de meios, a penalização dos professores e dos restantes profissionais a fragilização dos direitos dos estudantes e a degradação geral das condições de ensino e aprendizagem.
- O ensino superior é crescentemente subordinado a orientações mercantis e elitistas, afastando-se dos objectivos de formação e desenvolvimento que o deveriam marcar.
- A política científica acentua a subordinação a interesses externos em lugar dos interesses nacionais, transferindo crescentes recursos para instituições estrangeiras, enquanto as nacionais definham sem financiamento ou pessoal científico suficientes
- O Estado está cada vez mais refém dos grandes interesses económicos. A dança de ministros e outros responsáveis entre funções no Estado e nos grupos económicos agrava-se.
- A soberania nacional cede em favor dos ditames da União Europeia ou da NATO.
- Estamos conscientes da composição actual da Assembleia da República. Sabemos que a apresentação de uma moção de censura é uma iniciativa parlamentar que não pode nem deve ser banalizada. Mas a situação para a qual a política do Governo tem arrastado o País torna imperativa a apresentação da Moção de Censura. Não é possível ignorar nem a gravíssima situação política, económica e social que o país vive, nem a ofensiva do Governo contra os direitos e a dignidade dos trabalhadores e da generalidade da população.Com esta Moção de Censura queremos dar expressão a uma firme condenação de políticas contrárias aos interesses dos trabalhadores e do povo.
- Com esta Moção de Censura queremos dar expressão à vasta frente de luta, protesto ao descontentamento à angústia e revolta sentidos por centenas de milhar de portugueses.
- Com esta Moção de Censura queremos afirmar a exigência de ruptura com a política de direita e um rumo diferente para um País mais justo!
- Estamos certos de que esta moção de censura corresponde ao mais profundo sentimento da maioria do povo português.

Lúcia disse...

Professor
Há muito tempo que não leio crítica política com tanta qualidade! Ri-me que me fartei. Coberto de razão, ainda por cima. Sendo sua leitora habitual, vejo que o julguei mal: não o sabia capaz de tamanho sarcasmo na linguagem!

lobices disse...

...sem palavras :)

andorinha disse...

:)))) Looooooooooooooooooool
Ainda não parei de rir.

O post está espectacular!
Daria uma boa rábula para os Gato Fedorento.

"O grupo parlamentar do PS apresentará a sua própria moção de censura,(...)perante tal prova de desapego ao poder."

Loooooooooooooooooooooooooooool
Não consigo mesmo parar...
Só a tentativa de imaginar este cenário...

Resumindo e concluindo: ADOREI!

P.S. Sabe tão bem poder gozar com o P.S.:)

carlos disse...

Para um psi esse lapso do nosso primeiro deve ser um mimo.
Abraço.

(im)Paciente disse...

Não estamos na altura das Feiras do Livro? Alguém podia oferecer ao nosso 1º «O Conde de Abranhos»...
Leitura importantíssima, para pesquisa de discursos políticos ajaezados (à andaluza...)a cada ocasião!
Vá lá, Professor, com as boas relações editoriais que certamente terá, consegue um descontinho...
Ou melhor! Uma versão abreviada, tipo «contado às crianças»...é que a original para o Senhor Primeiro se calhar «é muita letra junta»....

Xelim's Skull disse...

Isso aconteceu?! Nem dei por ela.

Mas tenho algo a acrescentar:

É que hoje em dia, devido às directrizes impostas pela União Europeia, os governos têm menos margem de manobra. Daí resulta naturalmente um aproximar, quando no exercício do poder, das políticas defendidas pelos diversos partidos políticos.

Por isso, hoje em dia já não há grande diferença do PS para o PSD. A diferença será mais nas individualidades do que nas ideias políticas postas em prática. E a maior diferença é que o PSD ainda consegue suportar o Paulo Portas.

E "um país inteiro" não é um pais inteiro, e o sensacionalismo é uma forma de marketing político e entretenimento. Eu explico isto melhor:

1. O povo quer entretenimento;
2. Os jornalistas procuram notícias sensacionalistas para dar o entretenimento ao povo;
3. O marketing político constrói então as notícias em forma sensacionalista, que é o que o jornalismo normalmente procura, pois vende mais.

O truque do marketing político está em misturar algumas verdades com o sensacionalismo.

andorinha disse...

Que vendaval que deve estar aí no Porto:))))))))))

AQUILES disse...

E a minha frase favorita é:
«mais cedo ou mais tarde, esta mistura explosiva de ignorância e de poder vai rebentar-nos na cara.» de CARL SAGAN

AQUILES disse...

E a minha frase favorita é:
«mais cedo ou mais tarde, esta mistura explosiva de ignorância e de poder vai rebentar-nos na cara.» de CARL SAGAN

andorinha disse...

FDL(5.25)

Fiquei sem palavras....
Isso é já treino para uma possível incursão na política?
Vai em frente, tens o meu apoio, amigo e companheiro:)

Juntos venceremos!
:)

Xelim,
Andas distraído...

JFR disse...

O homem pensa tão pouco no que diz que justifica o provérbio popular: "quem muito fala, pouco acerta".

É, ao ouvi-lo, uma permanente sensação de frieza e de arte de representar que, desde sempre, me manteve longe e pouco crédulo em José Sócrates.

Mas a rábula descrita (brilhante) acerta no lado mais negativo do homem: o seu enorme umbigo.

E digo isto, eu, que nunca o vi na praia em calções!:)

yulunga disse...

Bom dia maralhal.

Ponho-me às cavalitas do Xelim porque ando a reboque dos distraídos.

As eleições são neste ou no próximo Domingo?

cabecinhapensadora disse...

O riso é o outro lado da tragédia. Não à grega. À portuguesa. Não temos um Sócrates, mas um José. E o Sr. José tem nariz de pinóquio. Ainda por cima a história não tem grilo falante. Tá tudo a faltar. Assim já não brinco :))))

CêTê disse...

Não percebi à primeira, confesso. ;#

Até pensei- veja lá professor na conta que o tenho! (Veja daí a penitência que eu cumpro-a)- o estupor (entenda-se o professor)está comprado e cego!
Afinal... é dos que não pertence à lista dos sondáveis.

Mas, meus amigos, estejamos conscientes: a centralização de poderes é tanta e em tantos domínios que servirá quem para lá for. Portanto ou fazemos a exigência de saber o que farão deste chorrilho de lei ditaturiais quem se candidata e repartimos por muitos o poder eleito...
A última concentração de poderes visa resolver quanto antes decisões pendentes nos tribunais ou sou eu que sou uma ignorante malévola? E a abstenção de uns e os compadrios entre outros, revela o quê?
Para mim que sempre tinha visto os comunistas e os de esquerda como uma ameaça (usufrui aliás de uma viagem didáctica a Berlim muito antes do muro cair...)constato hoje que o mal está no poder contido nas duas mãos, na falta de necessária negociação- mesmo quando quem detém o poder absoluto está cheio de boas intenões.

"Disse"!;P


Ser socialista não é como ser Benfiquista, Portista,Sportinguista... no domínio desportista admito a falta de tino. ;)

abraços

CêTê disse...

Todos os elegíveis deveriam passar por exames Psiquicos rigorosos, não acham? O rastreio começaria pelo uso do polígrafo para apurar psicopatia grave e/ou elevada apetência para polítiquices (mentira descarada).

;)

maribete disse...

Se já muito o admirava e em muitas coisas me sentia em sintonia consigo (talvez por sermos do mesmo ano!)com este post ainda subiu mais uns pontos na minha consideração. O texto está um espanto e muito adequado ao governo que temos. será que o "Eng" José Sócrates o compreenderia se o lesse? Não sei como não sei sequer qual o objectivo do modo de (des)governo que temos. Será que os membros do governo, começando pelo 1º ministro acham que vão estar no poder vitaliciamente (como Salazar)? porque caso não pensem que país estão a criar para os cidadãos comuns que um dia serão? o que mais me incomoda mesmo é a incompetência ou como soe dizer-se a "santa ignorância".
É só pena que não tenhamos à frente do nosso país pesoas com a sua sensibilidade e bom senso.

yes! my love! disse...

Do que eu mais gostei, foi mesmo do título, que diz precisamente(!) o contrário do que diz o poste ;)

O Senhor Professor não pára de me surpreender!

Mas a minha atenção neste momento, vai toda para as eleições dentro do PSD, porque o que eu quero agora é que Pedro Santana Lopes consiga ganhar ao caruncho ( de espírito ;) do Partido e ao cheirinho a colónia de bebé ;) que por lá anda em espírito também ~~

E aproveitando que a passarada.frita.e.assada deu às asas ~~ e voou ~~

aqui deixo um grande beijinho de solidariedade e muita saudade, para a Anfitrite - a grande censurada :) :) :)

CêTê disse...

A nossa sorte é a votação nas próximas eleições não ser electrónica. Sim porque os programas informáticos que este governo cria para "facilitar" a vida do povinho são como aqueles árbitros que todos ouvimos falar.
Na função pública,por exemplo, fomos todos surpreendidos: de facto muitos seriam os que mudavam de escalão este ano depois de anos congelados no mesmo- surpresa: o ministério "bota" cá para fora o programa e agora fico mais 3 aninhos à espera. Erro do programa: diagnosticaram todos, rindo. NÃO: erro do ministério: o programa aplca a nova legislação e atrasa mais uma vez e de forma escandalosa todo o processo de progressão de carreiras. Imaginem uma coisa destas a apoiar as eleições!!!


(Comentar com corrector ortográfico livrava.me de alguns erros, professor!;)))) Não dá para instalar aqui essa funcionalidade? É que passar os cometários para o Word e caçá-los lá é coisa para a qual não tenho a menor pachorra.)
Bom Domingo para todos;)))

Passarinha.Assada disse...

Ó Senhor Doutor, olhe que nem seria má ideia. O P.S. apanharia a oposição coxa.


P.S. - Faz-me um favor, faz? Tire lá essa coisa do "moderado" que a minha bifanita é claustrofóbica. ;)

thorazine disse...

O 5º elemento dos Beatles: http://www.youtube.com/watch?v=fqXYwNDrU8k

E um live: http://www.youtube.com/watch?v=upseGWt2foY

Canseiroso disse...

Ora quebrando a rotina deste atavio de papagaios, que a tudo lhe dizem (a si) que sim,
e referindo-me a este seu post, cá vai:

Quantas vezes eu não quero ser simpático em relação a alguém, sem razão aparente, só porque me apetece e sou bom rapaz, e acabo por pôr a nu as minhas próprias fragilidades?…Sujeito-me assim a que me coloquem uma casca de banana, na esperança de que me estatele com um ar distraído.
Pois na minha opinião, foi o que aconteceu com o senhor primeiro ministro. Confundiu generosamente o seu papel de primeiro ministro com o de cidadão comum.
Cidadão comum como muitos dos que aqui vieram rapidamente concordar consigo, caro Murcon, na esperança de que a sua (deles) falta de sentido de humor, possa ser obviada com uma consulta ao psiquiatra que o senhor é, e que com certeza não lhes regatearia, por ser igualmente uma pessoa simpática, a ver pela literatura inclusa neste blog.

Acho que nunca ouvi outro primeiro ministro, com tão bom coração e tão próximo da mediania, que é ao mesmo tempo a nossa falta de rigor em tudo que fazemos, porque o que pensamos é claro…é o que se sabe e o senhor saberá melhor que ninguém.
Minto. Houve outro igualmente socialista utópico que fez uma figura giríssima, quando procurou fazer uma conta de multiplicar em directo para uma das televisões que tanto educam o povo.

Por isso caro Murcon, não se altere, não deixe que os meus companheiros de tertúlia neste seu blogue sejam influenciados à boca das urnas, porque maus, maus, foram os obreiros da 1ª república, que em 16 anos deram um péssimo exemplo de alterne, que para mim significa alternância no poder governativo, a troco de grande rebaldaria.
Agora que temos um senhor que fala, como fala o povo, e que vai aguentando a legislatura toda, estamos aqui a denunciar-lhe os meus pensamentos?
Ò professor, ateste lá absolvição do homem por ser tão genuíno e ter tão pouca sorte…
Porque, sorte sorte, teve o camarada Mário Soares, que entrou imaculado e saiu consagrado sem saber porquê. Nem eu…

yes! my love! disse...

Passaroca.assadita,

isto que eu vou dizer, não é para ser entendido como um "kiss me" :))

que o único " kiss me oh kiss me " que neste momento me tira do sério,
é este que aqui deixo, e nem tenho ouvidos para mais nenhum :)

http://www.youtube.com/watch?v=xTVQCrTjqKY

mas a verdade, é que já somos duas ;) a não achar piada nenhuma a esta decisão de última hora, do Senhor Professor,
em nos sindicar o pio ~~

e ainda que mal pergunte:

- ter-se-á deixado encantar pelo canto ditatuuuurial ;) das sereias ?

ou simplesmente, deixado contagiar pelo regime ditatorial de JS ? hmn ?

Passarinha.Assada disse...

Yes! My love!, minha querida... em primeiro lugar um pequeno reparo a um seu comentário anterior: a minha bifanita não tem asas. Marina! mas, não em vinhas d'alho, se me entende. ;)

Ó querida, não entendi nada do que o rapaz estava a cantar mas, atendendo às muitas papoilas que aparecem no vídeo, fiquei suspeitando de duas coisas: primeiro que o rapaz deve ser adepto do Benfica; segunda que a compôs com intenção dos jogadores do Benfica a cantarem, aos adversários, nos jogos em que usam aquele equipamento rosa desmaiado que, por acaso, até acho muito "à la carte". ;)

A querida também tem esta sensação de bifanita espartilhada num papo-seco da semana passada? Olhe que eu chego a ter afrontamentos e, se o Senhor Doutor não mudar isto rapidamente, estou tentada a por-lhe um processo em tribunal por bifanicídio. ;)

Querida, não me fale em "pulítica" que eu babo-me toda a imaginar os debates, no Parlamento, entre o JS e a MFL. ;)

Su disse...

um país de anal.fa.betos e com memoria curta








jocas maradas

andorinha disse...

Cêtê,

Tu muito mal pensas das pessoas, sinceramente.

"Ser socialista não é como ser Benfiquista, Portista,Sportinguista... no domínio desportista admito a falta de tino. ;)"

E onde está a falta de tino?
Em todos o que não são portistas, não é?
Vamo-nos dar mal...
:)

Quanto ao resto, ainda esperas algo de bom deste governo?!!!

Nuno Guimas disse...

Ainda me estou a rir da sua magnifica e cheia de ironia pequena crónica. Infelizmente a politica actual deixa-nos ficar naquele estado do "rio para não chorar" e a ironia e o sarcasmo são as armas que nos restam. É o tal "poder da caneta", ao qual eu acrescentaria o "poder da clarividência". Ainda tenho neurónios a dar umas gargalhadinhas nervosas. Obrigado por isso :)

CêTê disse...

Já Salazar usava o medo da mudança e da sorte coxa para assustar o país.

Os pensantes deste país (os que não esperam do PS nem tachos e mordomias) sabem bem a quem serve o mito da estabilidade e da maioria.

Queremos sim uma oposição coxa mas com este desgoverno amputado do sonho que tinha de castrar a liberdade de pensar e ser conquistada em Abril.

yes! my love! disse...

Passarita.marinada,

como é que se pode dizer tanto mal das "conversas de bordel" e bater tantas palmas na entrega de um "Globo de Ouro" a "Call Girl" ?

Sem dizer uma única palavra das que disse no filme, eu acho que Soraia Chaves merecia todos os "Globos de Ouro" disponíveis na entrega de prémios desta noite ~~

Mas a Maria foi uma grande desilusão ~~ mas isso dava outro filme ;)

E Passarita, não é Púlitica que se escreve! Púlitica não eiezxziste! A Política vem de Pólis! E a Púlitica, não vem, Passarita! há(-)de vir, um dia, num acordo ohortográfico do futuro! 'tás muito à frente, querida!

Púlhitica sim! eiezxziste! porque vem de "pulhas" que rima com "trafulhas" mas quer dizer sovinas e somíticos; e tem tudo a ver com o nosso PM e a nossa ex-MF-ME! Diz a própria MFL que só se distinguem no fazer ~~ e ainda acha pouco!

E mais não digo que me falta o ar!

Tem toda a razão, Passarinha, não se está nada bem aqui, com o ar tão viciado, de tão fraca ventilação!

E até me dói o coração, só de pensar no que a Anfitrite, a Oui MA e a Non MA devem estar a sofrer com este afunilamento das Liberdades~~

A Deus Maio de 68, A Deus Abril de 74~~ O que será de nós Crentes ???

( já tive de recuperar este comment umas duas vezes :( já não chegava a moderação, ainda parece que estamos a escrever numa zona de altas pressões ;)

anfitrite disse...

Yes,

obrigada pelas palavras.
Eu não sou censurada porque eu não deixo.
Não admito que aquilo que eu possa escrever seja escarafunchado por um senhor de lápis azul e óculos de aros grossos de tartaruga.
Quando eu era menina e moça, violaram o meu diário e, a partir daí, eu nunca consegui violar nada de ninguém. Nem que daí dependesse a minha salvação.
Pena é que, como quase sempre, os menos capazes consigam o que querem, não por mérito próprio, mas por modos ínvios e, sempre com a cumplicidade de alguém.
Alguém se esqueceu do seu postal "intermezzo" e dos comentários a que o mesmo deu origem, mas como foi feito com saber, e não havia nada explícito, não houve problema.
Eu só escrevo estas palavras para não pensarem que eu fui censurada sem o ser, no caso de ele chegar aos vossos olhos. É tarde e o censor podo estar ensonado.

Boa sorte a todos!

yes! my love! disse...

Passarinha, sou eu :) novamente~~

Deixe lá o bifanicídio... era cá uma benção!!!

Quero saber é do que achou do menino David :)

diga-me lá se conhece algum sorriso mais sensual num apreciador de papoilas benfiquistas ~~ boas laranjas ~~ boas letras ~~ boas músicas ~~

Confesse lá, Passarinha ~~ dá ou não dá gosto ouvi-lo? hmn ?

Tangerina disse...

Anfitriiiite!

Olhe, estou como a Yes (ou terá sido a passarinha frita?): fora uns (poucos) apartes menos interessantes, mas compreensíveis, há muita gente que gosta de ler os seus comentários...

... e tem saudades suas.

Apareça lá, senhora!

Tangerina de Marrocos

andorinha disse...

Cêtê (12.41)

Eu não te devia dirigir a palavra, mas pronto...não me consigo zangar contigo:)

Falas em estabilidade e maioria. Também eu pensei que um governo de maioria absoluta seria um factor de estabilidade e boa governação.
Como fui ingénua!
Depois desta, oxalá não voltemos a ter outra. Os nossos políticos não têm espírito democrático que lhes permita governar com tal maioria. Ficam inebriados pelo poder.
Maioria passa a ser ditadura e ponto.
Diálogo? Para quê? Que desperdício de tempo!

Tristes, muito tristes, os tempos que estamos a viver:(

yes! my love! disse...

"Alguém se esqueceu do seu postal "intermezzo" e dos comentários a que o mesmo deu origem, mas como foi feito com saber, e não havia nada explícito, não houve problema."

Anfitrite,
estou a Leste ~~ acabo de chegar de uma intensa tarde de trabalho no exterior ~~

o que foi que aconteceu ~? que não foi problema ?

thorazine disse...

"Dicionário de Calão" no centro da polémica
Representante das associações de pais acusa site do IDT de incentivar consumo de droga
12.05.2008 - 16h04 Lusa
O site do Instituto da Droga e da Toxicodependência (IDT) destinado a crianças e jovens a partir dos 11 anos contém um "Dicionário de Calão" que as associações de pais temem poder incentivar o consumo.

A questão divide especialistas em Psicologia: há quem alerte para o perigo de a página electrónica poder "fomentar um estilo de vida pouco saudável" e quem considere a questão "hipócrita".

No dicionário do site infanto-juvenil www.tu-alinhas.pt pode aprender-se que "betinho", “cocó” ou “careta” é “aquele que não consome droga e, por isso, é considerado conservador, desprezível e desinteressante”.

Existem ainda definições que os encarregados de educação consideram ser “quase um manual de instruções”. Diz o dicionário que "Queimar" é "aquecer com o isqueiro a heroína ou cocaína, até fazer a bolha brilhante, cativante e vaporosa cujo fumo será inalado com a ajuda de uma nota enrolada em tubo”.

A Confederação Nacional Independente de Pais e Encarregados de Educação (CNIPE) considera “muito preocupante” que seja transmitida uma “imagem convidativa das drogas” nomeadamente através da utilização de adjectivos como “brilhante” ou “cativante”. Nesse sentido, vai esta semana pedir ao IDT a reformulação imediata do site. “É fundamental que os jovens sejam informados, mas a forma como a informação está disponibilizada aumenta seguramente a curiosidade dos miúdos em relação às drogas. Pode fazer com que eles não queiram ser os betinhos que não consomem”, afirma a responsável da CNIPE, que representa cerca de 600 associações de pais.

Também a Confederação Nacional das Associações de Pais (CONFAP) entende que a consulta deste dicionário por parte dos jovens “pode induzir a curiosidade por algumas experiências, em vez de ser preventora de comportamentos desviantes”, se for feita sem a intermediação de um adulto.

“Pode haver a tentação do 'faça você mesmo'”, alertou Albino Almeida, presidente da CONFAP, referindo-se a conceitos como “Base”: “Cocaína pronta para fumar. Mistura de cocaína com bicarbonato de sódio ou amoníaco e água. É aquecida e posteriormente arrefecida. Por filtragem, obtêm-se cristais, pedrinha branca pronta para snifar na caneca ou na prata com uma nota enrolada”.

Confrontada com estas preocupações, a coordenadora do Núcleo de Atendimento e Informação do IDT, responsável pelo projecto, explicou que o dicionário de calão "é uma área de apoio a todo o site, que não pode ser visto de forma isolada e que não contém informação descontextualizada".

Em resposta, Patrícia Pissarra, a responsável pela página criada há um ano, justificou que o “Tu Alinhas?” tem de utilizar linguagem própria dos “miúdos”, sem esconder qualquer informação de forma a captar a atenção dos jovens: “Perdíamos credibilidade se as respostas não fossem claras e sem tabus”. Só este ano, desde Janeiro, salientou, a página já recebeu 20.500 visitas, o que corresponde a um aumento de 70 por cento relativamente a 2007.

As opiniões dos psicólogos divergem
De acordo com Patrícia Pissarra, a criação deste sítio na Internet surgiu para dar resposta às muitas dúvidas que os jovens colocavam através da linha SOS Droga, colmatando uma lacuna sentida pelo IDT na abordagem aos mais novos. A divulgação de informação clara sobre droga é aplaudida por todos, mas o consenso acaba quando se analisam alguns dos conteúdos do dicionário

Confrontados com as preocupações dos encarregados de educação, três especialistas da área da Psicologia não são unânimes. Ressalvando que, no geral, o site “procura responder a todas as questões, mostrando-se transparente e sem tabus”, a psicopedagoga Joana Sarmento Moreira considera que “algumas definições podem ser criticadas, não só pela linguagem como pelo conteúdo", podendo "incentivar o consumo e fomentar um estilo de vida pouco saudável”. “Não vejo necessidade em muitas destas definições aparecerem num site pertencente a uma instituição como o IDT. Informar os jovens sim, mas com bom-senso”, frisou.

Também a psicóloga clínica Isabel Consciência admite que o dicionário possa ser
“perigoso para uma faixa vulnerável de jovens, que narcisicamente não se sentem bem consigo próprios e que têm toda uma história para trás”. Nestes casos, alerta, “pode ser a gota de água de um copo já cheio”.

“Se queremos dizer aos jovens que o mundo não é só droga, então temos de alargar os horizontes. Não podemos fechar toda a área semântica ao universo das drogas”, criticou, referindo-se a definições como “Algodão”, que no dicionário é apenas um “filtro na preparação da dose injectável de droga, que pode ser usado para fazer uma lavagem e recuperar resíduos para uma nova dose”.

Já o psicólogo Eduardo Sá, especialista no acompanhamento de crianças e adolescentes, desdramatiza, considerando que as preocupações dos pais não têm fundamento. “Dizer que um site como este pode ser o empurrãozinho é uma perspectiva hipócrita. O perigo tanto pode estar num site como numa notícia qualquer”, afirmou o especialista, considerando "importante que a gíria tenha uma tradução”.

Perante a polémica, a coordenadora do IDT está consciente que “não se pode agradar a Gregos e Troianos” quando está em causa um projecto dirigido a uma faixa etária muito alargada, que vai dos 11 e os 20 anos. “Fazer o 'Tu Alinhas' é muito complicado. Já foram e continuam a ser feitos muitos ajustes”, reconheceu Patrícia Pissarra, sublinhando que “antes de ser posto on-line, o site passou por imensos crivos, desde o Ministério da Educação ao Ministério da Saúde”. Além de certificado pelo Governo, o projecto foi concebido com base em pesquisas a páginas internacionais e em "focus-groups" realizados em escolas públicas e privadas."


PS- Esta reacção da associação mostra a falta de reflexão por parte dos pais, neste caso, sobre conceitos tais como "informar bem" ou "boa informação"! Informação sobre onde comprar, como preparar ou como chutar encontra-se em qualquer canto na net! Agora informação factual, como é o caso deste site, é uma arma muito mais poderosa para a redução de riscos do que qualquer campanha anti-droga, onde são utilizadas mentiras para dissuadir os jovens da "droga-loucura-morte". É preciso que as entidades informadoras criem laços e estabeleçam relações de confiança para que num futuro quando alguma dúvida surgir "eles" saberem onde se podem dirigir, e se isso passa por utilizar uma linguagem mais soft que assim seja.. ;))

CêTê disse...

Thora, convenhamos que lendo o extracto que referes: "aquecer com o isqueiro a heroína ou cocaína, até fazer a bolha brilhante, cativante e vaporosa cujo fumo será inalado com a ajuda de uma nota enrolada em tubo”. até parece ser escrito por um toxicodependente. ;))) Porque objectiva é que a descrição NÃO É!
Faz-me lembrar o efeito desigual que tem a visualização de levar na veia por um consumidor e por um não consumidor. E a deduzir isto é MUITO GRAVE.
Mas de resto é como dizes depende também da formação de quem lê e da susceptabilidade de cada um- eu por exemplo o que me lembro do livro "Viagem ao Mundo da Droga" é dos Abutres, vê tu!

Sou muito pouco tolerante, confesso, ao pessoal que se "mete na droga". Os que se meteram na droga da minha geração meteram-se numa operação de charme e de narcisismo. Acabaram todos mal- os que sobreviveram e os que vão sobrevivendo à custa de parasitismo social-económico-emocional,.... Sei que existe uma predisposição genética que será complexa. Mas conhecendo cada um de nós as suas fragilidades a inteligência está em não nos expôrmos ao risco. Está na cara que a droga é boa se não não haveria drama em a abandonar. Agora... vale a pena? Não me parece.
Eu se alguma vez a experimentar há-de ser quando o reumático me fazer ganir ou um cancro me dissolver as entranhas. Mas aí há.de ser em dose cavalar. Agora experimentar uma coisa que vai fazer sofrer exponencialmente os que mais me querem ainda que não o demostrem da forma lírica e romântica que idealizei? Ná! Vida mesmo só há esta- não vale a pena fazer papel de mimada.
bjc "miúdo"

CêTê disse...

E tu andorinha... confessa lá que inalas fundo o fumo das incineradoras que sobrevoas. Só assim se explica esse teu apego ao MKANHkjabhskflgfvb nem me atrevo a repetir.

Razão tem o Manel Ferrão: esta coisa do "Juízo final" é coisa do Governo- pois toda a gente ouviu o 1ª dizer que era Benfiquista- TUDO ESTÁ EXPLICADO.

(Então vamos começar a pagar as acções de formação que nos são exigidas para passar (um destes próximos dez anos) de escalão? Estou a pensar pedir um empréstimo mas primeiro vou mudar para "angolana". Topas?;P)

yes! my love! disse...

Anfitrite,

se ambas sabemos o mesmo :) e estamos a falar do mesmo " intermezzo " ~~

não aconteceu nada com que eu infelizmente não estivesse já a contar!

A surpresa seria não acontecer ~~

Olhe, talvez por isso, o nosso Anfitrião se tenha conseguido manter afastado da Política, por não conseguir fazer coisas dessas, nem nos conseguir supreender no pior dos sentidos ~~

E isso, numa Pessoa, não tem preço!

thorazine disse...

cêtê,
pertences à tal associação de pais? :))) É que pela tua resposta parece que eu tive a defender um site que incentiva o consumo de drogas!

O excerto que referiste é uma definição do dicionário jargão do site! Um definição objectiva como seria? Tirava-se "a droga" não era? :P Podia-se pôr tipo: "destruir pelo fogo" ou "embrasear".. :)) Se não for um site a explicar..os pais pelos vistos também não ser!

Quando à tua tolerância à minha malta :) só te tenho a dizer que o fenómeno "droga" que afectou a tua geração não é a mesma de agora. Os novos casos de adicção a drogas tipo heroína e cocaína reduziram-se MUITO e mesmo estes têm um padrão diferente. Agora são outros tipos de drogas, sintéticas especialmente, em que o problema não é a adicção mas sim o mau uso e o abuso em conjunto com a enorme facilidade de adulteração no mercado negro. E para combater isto, acredita, só mesmo informação e mecanismos de drugtesting. Boa informação. Porque até mesmo os "putos drógados" querem ter atenção à sua saúde e aos riscos que correm..e se tiverem informação factual eles usam-na! ;)

PS - Dá uma vista de olhos no site só para teres uma ideia do que estamos a falar..

anfitrite disse...

Para que os mais novos recordem, porque os velhos já perderam a memória, e para poderem imaginar
o que me custa escrever nestas condições, vou contar-lhes uma pequena história (esta eu sei que vai passar, apesar de até o atraso na sua publicação me fazer sofrer; parece que voltei a tempos que não mais existiriam),que se passou comigo, quando eu andava no ensino secundário:
Era uma vez uma menina irreverente, mas tímida, quando várias colegas lhe vieram dizer:-A professora de religião e moral quer falar contigo.
Fiquei aflita pensando: Meu Deus o que será que eu fiz?
Tive a resposta quando, na aula, a d. Julieta (era este o seu nome) com uma carta na mão (já não me lembro se estava aberta ou não, mas devia estar para poder confirmar as minhas declarações) me perguntava:
Quem é fulano de tal? E eu respondia: eu não conheço, não faço a mínima ideia.
De que se tratava afinal: Um colega (nunca mais me esquecerei do nome, nem da morada) aqui da zona de Lisboa, estava organizando uma excursão de alunos ao Algarve e como não connhecia ninguém, resolveu escrever para mim e para o estabelecimento de ensino, porque não sabia a minha morada, porque viu o meu nome na lista dos alunos do quadro de honra, numa publicação qualquer, para que eu arranjasse maneira de os orientar na sua digressão pelo Algarve.


Vejam lá o que a censura num blogue me fez lembar?! Foi mexer no meu arquivo histórico, que eu diria quase morto!


"Abensoados" todos os palavrões que possam existir para serem ditos, porque eles representam o que há de mais genuíno, no momento do nosso sentir. Não são as palavras impostas por "líderes de respeito". Nem são as palavras, agora copiadas do estrangeiro, que não nos dizem nada.


Yes,

Intermezzo foi um postal colocado no murcon no dia 8/01/2008.

Como avdogada deve ser uma pessoa de calibre. Consegue fazer frente em todas as valências.
A "call girl" não ía despida mas deixava ver todo o corpo. E o vestido foi considerado pelo estilista que ganhou o prémio como o mais simples e bonito da festa.

Boa noite.

thorazine disse...

"esbrasear", assim é que é! :))

Com a mania da regra do "m" antes do "b" até uso quando não é preciso..haha :D

anfitrite disse...

44 DAS TRINCHEIRAS, COM SAUDADE


"Yae consumar-se a grande tragedia! O maior de todos crimes que a historia de Portugal poderá registar vae ter o seu epílogo !

Vencem os partidarios da nossa participação na guerra: Bernardino Machado esse estrangeiro a quem a perfidia de Guerra Junqueiro fez eleger Presidente da Republica; Afonso Costa, Norton de Matos, Leote do Rego, Antonio Maria da Silva, General Correia Barreto, Vasconcelos Dias e toda a canalha que em volta dêstes gira, a formiga, Antonio José d'Almeida, Coronel Coelho, Mesquita de Carvalho, Pedro Martins, Eduardo de Sousa, etc, conseguem contra a vontade da nossa a1ia­da, mandar soldados para a morte! Para defender o solo patrio? Alguma ofensa á Republica? A pedido da Inglaterra ? Não, não e não.


Vão morrer de fome, de frio e de vergonha os nossos irmãos porque isso convêm aos empresarios da guerra que esperam, assim, com o sacrifício de milhares de compatriotas, com a dôr que alcanceará os velhos, as mulheres e as crianças que escaparem á hecatombe, fazer esquecer e deixar na impunidade todos os roubos, todas as traficancias, todos os crimes que cometeram para se encherem de dinheiro, para depois, como cinicos e devassos gosadores, viverem onde não sejam conhecidos, a vida dos bordeis, das casas de jogo, dos antros do vicio e do deboche.

Vão partir soldados portugueses. Vão mostrar ao mundo inteiro que são valentes, que são dos mais destemidos. Vão sem fatos, sem botas, sem armas e sem munições! Vão só com as suas grandes almas de heroes provar ao mundo inteiro que não ha cobardes no exercito português. Mas antes de partir para o campo da honra, antes de deixar o sólo patrio, antes de dar o ultimo beijo aos entes queridos, aqueles que nos venderam como carneiros, aqueles que por vaidade senil e parva, aqueles que por criminosos interesses tão de rastos solicitaram a nossa carnificina, terão que pagar com a vida, com a retaliação das suas carnes e a de todos os seus, o maior crime que a historía de Portugal poderá jámais registar.


Um grupo dos que partem

Folha volante distribuída em 1917 pela propaganda antiguerrista. (A.H.M.)"


Este teste inserido no livro " DAS TRINCHEIRAS COM SAUDADE" publicado em Março deste ano pela "a esfera dos livros" e da autoria da Historiadora Isabel Pestana Marques, feito após vinte anos de investigação, mostra o que foi a primeira república, o que os portugueses pensavam dela e dos seus mandantes e, que talvez hoje não tenhamos assim tanta razão para falar, apesar do que vai por esse mundo fora. O MEU AVÔ FOI UM DOS QUE LÁ FICOU.
E ainda me lembro das cartas que a minha avó me lia e onde ele geralmente terminava com uma quadra. Aqui vai uma da autoria do meu Avô:

Vai-te carta, vai-te carta,
Às mãos do meu Bem parar,
Já que eu não posso lá ir,
Vai-te carta em meu lugar.

yes! my love! disse...

"Alguém se esqueceu do seu postal "intermezzo" e dos comentários a que o mesmo deu origem, mas como foi feito com saber, e não havia nada explícito, não houve problema."

Anfitrite,
seu conceito de "nada explícito" deixa-me curiosa :) pedia-lhe apenas que volte a ler, querendo, o " Intermezzo " de 08.01.08 no Murcon :) e me diga, querendo, o que foi que ficou por explicitar~~

Não estamos a falar do mesmo, pois não ?

E não me tente ;) a revelar a minha profissão~~

ah e por falar nisso, ainda gostava de saber o que a levou a pensar que posso ser advogada ~~

eu também já achei que a Anfitrite, era advogada, mas hoje quase apostava que é psi ;)

Mas o mais certo, é andarmos ambas enganadas :) :)

Ah e quanto ao vestido que tudo revela, não se iluda, meu amor! os vestidos que tudo revelam são desenhados/pensados e com toda a certeza :) vestidos por quem os usa, precisamente com essa finalidade tão reveladora ~~ para conseguir chegar ao que um vestido não revela numa Mulher, é preciso muito mais do que olhar para ela ;) mas isso dá muito trabalho~~ e nem sempre vale a pena!!!

oui! mon amour! disse...

Fui ler o post de oito de Janeiro de dois mil e oito,

e ao ler, Maria, lembrei-me,

que estamos a treze de Maio...

e de como somos uns privilegiados (...) por ter o coração livre para escrever sobre coisas que nos fazem felizes por poder brincar e rir enquanto tantos choram e temem pela sua vida ou dos que mais amam; e este ciclone agora na Birmânia e o terramoto de ontem em Pequim, tanto sofrimento e nós aqui a salvo... e por vezes nem nos damos conta do privilégio que é ter condições para poder amar e rir porque não estamos a sofrer...

Tangerina disse...

“Às vezes apetece-me escrever. Por que Diabo não hei-de partilhar as minhas ruminações convosco?”

Ora aí está, caro Júlio: este sítio já não é esse.

Passo a explicar: este blog já há muito tempo que não é um sítio dedicado apenas à partilha das suas ruminações. Lamento, mas vai ter de enfrentar a dura realidade ;-) : este blog é uma sala de conversa, vulgo chat room, onde as pessoas se encontram, publicam as suas próprias ruminações :-), se zangam e insultam (acontece... como muito bem diz o Thora, ser humano é isto), se abraçam e elogiam, etc.

Este blog já se tornou um bem público. É uma sala de partilha de vivências, perspectivas e emoções em que o Júlio não passa do regedor, do maestro - se quiser, daquele que dá o mote. E nem sempre o dá. Veja lá quantas vezes os comentários derivam bastante do seu post, com comentadores a utilizar a caixa de comentários para, eles próprios, postarem. Mas, pergunto, afinal não é essa a riqueza deste blog?

Há coisas menos boas, concordo, mas, olhe, quem quer o bom tem também de aceitar o menos bom. Com limites, claro, mas penso que estes já foram convenientemente entendidos pela comunidade.

Assim sendo, meu caro amigo, abra lá isso outra vez. Uma das passarinhas está com os bofes de fora e a bifanita espartilhada :-) :-). Há gente a falar de lápis azul e de falta de ar. Isto é uma responsabilidade muito grande! Já viu bem a desgraça que por aí anda? ;-))

A.Mello-Alter disse...

Por favor,professor.
Interceda junto de alguem para arranjarem um lugar para o Lopes.

andorinha disse...

Cêtê (11.46)

Tu andas-me a provocar demais, moça.
Depois tenho que te responder em conformidade.:)))))
Ao insultares-me por causa da minha paixão pelo Glorioso estás a insultar seis milhões de portugueses, já viste bem o que estás a fazer?

Vi a festa do Rui Costa. Foi linda e claro que chorei, como lamechas que sou:)

Quanto ao resto, moça, qualquer dia até vamos ter que pagar para trabalhar, só falta mesmo isso:)

andorinha disse...

Tangerina (1.50)

É evidente que o blog não tem as características iniciais. Na minha opinião modificou-se para pior, mas a maior dose de "culpa" nem é do Júlio.
Ele tem alguma porque dificilmente rumina/interage connosco.
Tudo o resto é culpa nossa.
Durante uns tempos houve aqui uma tertúlia, em que todos trocávamos opiniões uns com os outros e isso foi do mais gratificante que aqui vivi.
Agora não. O blog quase parece uma sala de chat privada o que dificulta a tertúlia. E isso empobrece-o sobremaneira.
As pessoas têm direito a conversarem só entre elas mas para isso existem mails, telemóveis, etc.
Se o que as move não é a partilha de argumentos com os outros não faz sentido a participação em blogs, na minha opinião.

"Assim sendo, meu caro amigo, abra lá isso outra vez."

Tu não estás a ver bem a coisa, pois não?:)
Deus me livre!
Se assim já é o que se vê!
E os limites ainda não foram entendidos pela comunidade, como dizes. Sabes muito bem disso.

Assim sendo, meu caro amigo, deixe ficar tudo como está.:)

Se aqui há falta de ar, há muitos espaços ao ar livre.:)

andorinha disse...

ONDE NOS LEVA O PASSAR DOS ANOS?

O passar dos anos leva-nos sempre a olhar para a nossa juventude. À idade dos sonhos, da esperança e da crença na vida. Todos nós sonhávamos com uma vida. Julgávamos que iríamos ter uma vida que objectivássemos. Todos tínhamos quimeras para além dos amores idílicos. Eu ainda passei a minha juventude no tempo da dita "outra senhora". E acho esta expressão aberrante. Que raio de senhora. Vivi a minha juventude no fim da 2ª República. Com sonhos e com amores. Como todos os da minha geração. Que era uma geração insatisfeita. Com a República, não com o país. Mas tínhamos esperança num futuro melhor, até já íamos vivendo melhor.Depois veio o 25 de Abril e esta 3ª República. Uma explosão energética de esperança. Eu acreditei piamente que iríamos ter um país melhor, não rico, mas melhor. Muitos acreditaram. Muitos viveram em esperança. Mas depois começou-se a perceber que muitos queriam acreditar que iríamos ter um país rico e que isso é que era o melhor. De repente destapou-se uma caixa de Pandora. A cupidez saltou no seio dos portugueses. O civismo e a solidariedade eram inexistentes. Passaram todos a tentar ser ricos à custa de qualquer coisa ou à custa de qualquer valor. A grande maioria, como é óbvio, não o conseguiu, bem pelo contrário. Mas admira secretamente, ou mesmo publicamente, os que enriqueceram, sabe Deus como, mas sempre apoiados no erário público, no compadrio, no tráfico de influências, na corrupção, em que todos colaboram nem que seja pela omissão gerada pelo seu silêncio. A subserviência reinstalou-se há muito. Só que se antes ela era imposta, permitia a manutenção de uma dignidade enclausurada. Hoje, num país que se julga livre, essa subserviência ou é cobarde ou interesseira à espera de colher dividendos. Em melhor análise é cobarde e interesseira ao mesmo tempo.Os portugueses expuseram-se como cidadãos sem carácter. Como cidadãos predispostos a qualquer coisa para alcançarem algo. Nem que seja para trepar por cima doutros. Só que neste caldo ambiental de cidadania tosca só os piores de todos, os mais medíocres se safam. Porque são os piores de todos. Despidos de escrúpulos, de barreiras morais, minaram para destruir o país a um ponto tal que ele ficasse indolente e lerdo, de forma a que o possam sugar do interior, tal como o fazem aqueles insectos que sugam os sucos das suas presas. É neste estado e sugado por medíocres que o país se encontra. E por culpa de todos nós.Passados todos estes anos onde estão os sonhos? Diluídos na agrura. Mas a ESPERANÇA onde ficou? Perdida ao longo destes meandros todos. E que se diz à juventude de hoje? Que esperança temos nós onde eles possam reflectir? Nenhuma. Nenhuma. As gerações anteriores tinham esperança, e nela nos embebemos. Mas nós onde claudicámos?No espaço que demos aos medíocres sem carácter.Os medíocres conseguiram ocupar os lugares todos. Ignorantes, incompetentes, mesmo imbecis, mas estão lá. Só se escolhem uns aos outros. Quantos mais medíocres mais úteis são uns aos outros. Protegem-se, e essa é sem dúvida a sua força. Mas nunca deixam de ser medíocres.De que resulta que Portugal é um país medíocre.E os sonhos e os amores? Os sonhos são a alma da nossa descrença e os amores são memórias fotográficas, das que restaram, criando uma ilusão de vida, que teria sido tão amarga como a real, pois os medíocres sempre se encarregaram disso.E nós cá andamos a cuidar dos medíocres. Devíamos expulsá-los do templo à chicotada, mas em vez disso apaparicamo-los, chamamos-lhes doutores mesmo que só tenham o 11 º ano ou uma licenciatura comprada, veneramo-los, atenciosamente, acatamo-los e tememo-los.Um país livre? Cheio de medrosos e merdosos?O olhar para a nossa juventude, já nos magoa. Não porque a perdemos ou porque ficou lá para trás. Mas porque desiludimos. A nós próprios e aos que vieram depois de nós. Afinal os portugueses não passam de uma cambada de sacanas, tentando viver da Chico-espertice (o presidente Sampaio homologou o conceito num seu discurso). E que tentam sempre sacar alguma vantagem, mesmo lambendo os medíocres que os pisam.Os nossos sonhos, hoje, já não são futuro, já são passado.

posted by AQUILES at 2/21/2008
http://divagan.blogspot.com

Porque se relaciona, de algum modo, com o post, porque reli e mais uma vez subscrevo e porque penso que merece ser lido pelos demais murcónicos.
Sobretudo, porque nos deve levar a pensar...

anfitrite disse...

Yes,

de facto às vezes é preciso falar de modo que não nos entendam. É preciso passar despercebido.
Ao que isto chegou, depois de haver tão pouca gente que nos entende.

Sou como os vestidos opacos, aqueles que mais deixam transparecer.

É uma pena. Eu que estava a pensar contratar os seus serviços.


Tangerina marroquina,

não chame por mim, se não será também amaldiçoada.
Eu sou apenas uma laranja, amarga e doce, algarvia.
Se calhar já nem sou. A patente já deve ter sido registada pelos espanhóis,ou então pelos ingleses, que por onde andaram roubaram tudo. Sabe que oitenta por cento dos terrenos da África do Sul estão registados em nome de súbditos britânicos?

Mudando de assunto, porque isto dava pano para mangas,( hoje a Yes vai achar que eu sou costureira)
e já estou a ficar com falta de ar, embora tenha um jardim lá fora, onde irei falar com as flores daqui a pouco, porque a lua crescente já se pôs e está raiando a aurora.

Não é presunção minha mas, com os meus comentários azedos, consegui que algumas pessoas falassem um pouco, mais de dentro de si.

E quando eu disse que era preciso pôr ordem no caos, e para me declararem persona non grata, todos se riram de mim.
Embora não sendo bruxa, prevejo tudo o que se vai passar.
Afinal aconteceu o que sempre acontece neste país. Paga o justo pelo pecador.
-Quando alguém não cumpre o horário de trabalho, instala-se o relógio de ponto para todos;
-Quando alguém abusa de um subsídio, cortam-se os subsídios a todos;
E por aí fora...

Ninguém gosta de assumir ser o mau da fita! É preciso que todos nos considerem mansinhos. Não podemos ser chefes autoritários, nem conseguimos ser líderes respeitados (este assunto diz respeito ao postal do blogue).

Ciao

Tangerina disse...

Andorinha,


Houve exageros, é certo, mas foram de parte a parte (Andorinha incluída).

(Também precisamos de reconhecer que temos uns dias melhores do que os outros... ;-))

Já vi aqui muita coisa porque já sigo o blog há muito tempo. Melhor: vou seguindo. Passo tempos sem cá vir, retorno, vou embora outra vez. E a verdade é que nada do que vejo agora me é estranho, nada do que vejo agora é novo.

Neste momento só me acorrem duas razões para a não existência de conflitos onde há gente: 1) Estamos no Paraíso; e 2) Estamos sujeitos a clima de repressão. Nenhuma destas condições se verifica neste caso... parece-me... :-)

Houve exageros, sim, mas, arghhh...., a alternativa é olharmos todos na mesma direcção
e falarmos apenas com o nosso amigo comum. Se isso não acontece, e as pessoas começam a conversar umas com as outras, nada mais natural no mundo real, e ainda mais no virtual, que de vez em quando se faça uma troca de galhardetes.

E apesar de correr risco de hipertensão, sempre prefiro comer a minha sopa com um bocadinho mais de sal e saltar numa francesinha especial de vez em quando... ;-)) Acho que até é mais do que de vez em quando, mas, ai ai, quem quer morrer saudável? ;-))

Fora-de-Lei disse...

andorinha 9:17 PM

Não te iludas quanto ao sentir da geração mais jovem. Eu sei que eles foram condicionados / formatados, mas eles são como são e - na realidade - até nem são lá grande coisa... A propósito de uma recolha de opiniões sobre a abertura dos hipermercados aos Domingos que vi na TV, ainda há pouco tempo, cheguei à conclusão que os mais “jovens de espírito” são precisamente os mais velhos de idade.

Quando o avião aqui chegou
quando o mês de Maio começou
eu olhei para ti
então entendi
foi um sonho mau que já passou
foi um mau bocado que acabou

Tinha esta viola numa mão
uma flor vermelha n'outra mão
tinha um grande amor
marcado pela dor
e quando a fronteira me abraçou
foi esta bagagem que encontrou

Eu vim de longe
de muito longe
o que eu andei p'ra'qui chegar
Eu vou p'ra longe
p'ra muito longe
onde nos vamos encontrar
com o que temos p'ra nos dar

E então olhei à minha volta
vi tanta esperança andar à solta
que não exitei
e os hinos cantei
foram feitos do meu coração
feitos de alegria e de paixão

Quando a nossa festa s'estragou
e o mês de Novembro se vingou
eu olhei p'ra ti
e então entendi
foi um sonho lindo que acabou
houve aqui alguém que se enganou

Tinha esta viola numa mão
coisas começadas noutra mão
tinha um grande amor
marcado pela dor
e quando a espingarda se virou
foi p'ra esta força que apontou

andorinha disse...

Tangerina (10.04)

Exageros de parte a parte?
Sim, até posso concordar. Não sou santa e estou muito longe da perfeição. E ainda bem que assim é, que tenho emoções e as expresso, não sou uma múmia num altar.
Não posso deixar de reagir quando sou sistematica e diariamente atacada pelos mesmos nicks, cujo objectivo neste blog parece ser, unica e exclusivamente esse.
Ao agirem assim, até me atribuem mais importância do que a que eu aqui tenho, vê tu...
Mas pronto, não perco mais tempo com gente que não existe.

Quanto ao resto, conflito e picardias existem sempre e em todo o lado. Aqui o Murcon é exemplo disso.
Nada contra, também gosto de um bom conflito ou de uma boa picardia:)
Não gosto de má-educação e de "peixeiradas", isso não gosto.

"...a alternativa é olharmos todos na mesma direcção..."

Não, não é. Isso é redutor, vês?Podemos olhar em direcções diferentes e não nos insultarmos.
Há uma grande diferença entre uma discussão acesa e o insulto cobarde puro e duro.

E pronto, é a minha opinião, moderada como convem:)

P.S. E falo também com o "inimigo"(neste caso tu):) sem problema nenhum.
Podemos ter opiniões diferentes, mas nem tu me insultaste nem eu te insultei, portanto o diálogo é sempre possível.

Tenho dito:)

FDL(11.12)
Não, não me iludo, mas também não caio em generalizações. Há jovens e jovens, não os meço a todos pela mesma bitola.

Mas o enfoque do texto é muito mais na nossa geração, em todo o desencanto que corre aí à solta e na mediocridade não só de quem nos governa, mas também de quem connosco convive diariamente, em locais de trabalho e por aí fora...

P.S. Essa belíssima canção é um óptimo complemento ao post do Aquiles.

yes! my love! disse...

Anfitrite,

noto-a mais calminha e relaxada, será do luar ? ou do perfume das flores no jardim, hmn ? se assim for, ta mém quero :)

Gosto muito de a ler, mas não me parece que alguém aqui tenha de se explicar por dizer o que pensa ou o que sente~~

Se bem que a Blogosfera, não deva poder funcionar como um "paraíso criminal", acredito bem que uma grande parte dos infractores "sofram" de inimputabilidade, ou pelo menos, de imputabilidade diminuída, e quando assim é, dar-lhes crédito pode ser uma pura perda de tempo, já não falando numa coisa :) chamada CCJ, que logo à partida coloca os injuriados difamados e outras vítimas de crime dito particular, a pagar ao Estado para que seja feita Justiça, sem qualquer garantia de que ela venha a ser feita, ou porque a prova é exígua, ou porque em julgamento a mais pequena dúvida impõe a absolvição ao abrigo da regra " in dubio pro reo" - não havendo como recuperar todo o investimento feito em taxas de justiça, diligências de prova, nomeadamente, documental, e os honorários dos respectivos mandatários.

Vivemos num País em que o CCJ viola todos os dias o Direito de Acesso ao Direito e à Justiça ( Tribunais )! um Direito Fundamental dos Cidadãos, consagrado na nossa CRP, sem o qual - em exercício efectivo - se pode dizer que vivemos numa verdadeira Democracia! e se e quando um Advogado se revolta e indigna com as consequências práticas da sua aplicação - do CCJ - associada a um deficiente e ineficiente regime de concessão de Apoio Judiciário, normalmente, a resposta vem com tradução em UCs à razão de 96/UC!

Anfitrite, infelizmente - ou será que é um felizmente ? - não poderei ajudá-la como Advogada :( mas se precisar de desabafar :) :) pode contar com isso ~~ às vezes ajuda mais do que a litigância propriamente dita :( e fica muito mais barato ~~ ah e promove a pacificação das relações humanas, também :)

yes! my love! disse...

Vou me repetir :) porque me esqueci dos " euros "* :) sorry !

" Vivemos num País em que o CCJ viola todos os dias o Direito de Acesso ao Direito e à Justiça ( Tribunais )! um Direito Fundamental dos Cidadãos, consagrado na nossa CRP, sem o qual - em exercício efectivo - se pode dizer que vivemos numa verdadeira Democracia! e se e quando um Advogado se revolta e indigna com as consequências práticas da sua aplicação - do CCJ - associada a um deficiente e ineficiente regime de concessão de Apoio Judiciário, normalmente, a resposta vem com tradução em UCs à razão de 96 euros* /UC! "

CêTê disse...

Thora, TU NÃO ME INSULTES! ;D Achas? Achas que pertenço a essa COISA encabeçada por ....


Só comentei o que comentaste- de facto não consultei o site- e acho que não vou ter tempo de ir lá tão cedo.;))))

Quanto à definição bastava substituir adefinição dada por:
"aquecer com a heroína ou cocaína, até fazer a bolha brilhante fumegante fumo que é inalado ”


Aposto contigo que o conteúdo do site foi traduzido de um qualquer país da América do Sul.
Quando o sistema de avaliação dos professores é uma r~eplica de má qualidade do modelo chileno (este pelo menos com um boa apresentação gráfica- ;)))) o que não hã-de ser de tudo o resto!;)))

Quanto aos "aditivos", confesso a minha ignorância quanto aos novos químicos mas sinceramente não me convencem os que dizem que não têm efeitos 2º perigosos e dependência. Eu sou viciada em cafeína o que é uma sorte em termos sociais- o que não será o mesmo que dizer que é inofensiva (nas doses que tomo) em termos biológicos. Como é socialmente aceite e barata não justifica estudos.



Andorinha, o Rui Costa é um homem muito interesante. Desejo-lhe sorte sinceramente. ;)

Klatuu o embuçado disse...

Já não consigo rir. As Forças Armadas já não andam aos tiros nas ruas, porque ninguém sabe para onde disparar.

Isto está a ficar mau, meu caro. Mais duas décadas nisto, e ainda vamos ver voltar coisas tristíssimas do passado recente.

joao de miranda m. disse...

heeheheheheheeheheheheh

Joaninha disse...

Muito, muito bom.

Prof, não conhecia o Blog mas conhecia-o a si, da radio, é um prazer!