quarta-feira, setembro 03, 2008

O admirável mundo novo.

A imprensa fazendo eco de outra descoberta "biologizante" - certos perfis genéticos tornariam os "seus" homens mais capazes de se manterem numa relação afectiva. Já conhecia os estudos sobre roedores que deram origem a esta linha de investigação. (E chamo a atenção da Sociedade Protectora dos Animais para a cruel transformação dum D. Juan felpudo em obsessivo monogâmico com uma injecção:)!). No fim do texto, lá vem o reconhecimento da especificidade dos humanos, bichos de cultura. Mas o artigo recordou-me a famosa desculpa do libertino em As Ligações Perigosas - não consigo impedir-me (ou coisa que o valha). Esta vertigem biológica, a não existir cautela, poderá justificar uma ainda maior patologização e medicalização dos comportamentos. E permitir respostas como "desculpa, querida, eu não queria meter o pé, mas estes meus diabólicos genes:(".
Hum, Júlio, não deixa de ser tentador...
P.S. Não foi esquecimento, não - das mulheres, nem palavra, os homens são mais sensíveis à vasopressina. Mas cheira-me que o genótipo delas vai sair com tendência para a monogamia:).

54 comentários:

moon disse...

Li a notícia do Público.
Estudo Sueco... Nórdicos, nórdicos, mas com as hormonas aos saltos:))) E nem o frio os desmobiliza.

Estudo encomendado pelos machos, pensei...
A estátua (grega?)na primeira página. O escultor também só pode ter sido homem... Assim qualquer comparação com aqueles míseros cm sai triunfante!:)

E quanto a si, deve ser mais:
"Desculpa, Maria, tu continuas a ser a tal mas estes malditos genes..."

Mulheres a pergunta que se impõe ao nosso homem:

Who's gonna ride your wild gennes? :)

oui! mon amour! disse...

De qualquer jeito, a monogamia pode ser voluntária ou involuntária, assim como a poligamia :)) precisamente por causa das especificidades dos bichos humanos !!! quantas destas situações não são situações forçadas por circunstâncias exteriores ? circuntâncias tão poderosas como qualquer químico ? o ideal seria que as pessoas se conhecessem bem ao ponto de saber se preferiam viver em monogamia ou em poligamia, e a partir daí, encontrar quem esteja na mesma onda! para evitar precisamente que um deles tenha de viver em monogamia forçada ou em poligamia forçada! e se por acaso, ao longo da vida, as opções se alteram, que se tenha a coragem de assumir isso, e agir em conformidade!

e para que as pessoas se possam conhecer a esse nível, é preciso que deixe de ser tabu que a monogamia e poligamia sejam vistas como opções de cada um! e investigações como essa, já que mais não façam, levam as pessoas a pensar e a falar sobre o assunto... o que já não é nada pouco...

susana disse...

Ora pois, eu estava mesmo à espera deste post para fazer uma reclamação.
Reclamação: depois de um post nebuloso (o das brumas aqui abaixo), comentado por 65 bloyeurs (termo da Rita Ferro, eu só plagiei!), o Sr. Machado Vaz limita-se, apenas, a mandar cumprimentos para o Bernardino? Então nem uma síntese, uma resposta, um comentário seu à sua própria provocação? E deixa-nos assim? Hum... cá para mim anda à procura de alguém que diga algo apontável à tradição judaico-cristã para depois dizer num pugrama da rádio ou da trevisom.
Estou zangada. Estou mesmo zangada!
Mais uma destas e deixo de ser sua fã.
Nota: dado que sou mulher do Norte não podia deixar de passar isto em branco, não é?
Quanto aos resultados do estudo, não se preocupe, os homens vão continuar na mesma, com ou sem justificação, em busca de donzelas amigas! E as senhoras vão continuar a ter a fama da monogamia, coisa que até pode dar jeito a algumas.
E agora deixe-se de preguiças e toca de fazer um coment decente às brumas.

anfitrite disse...

Façamos as coisas à maneira de Aldous Huxley.
Mais uma vez nos trasporta para o cinema:
O libertino Valmont, a pérfida Isabelle, a ingénua Cécile e a infeliz Madame Tourel. Tudo isto porque quando não se consegue ser feliz, lixa-se a vida dos outros. E há também aqueles que não..., nem saiem de cima.
Quanto ao resultado sobre o genótipo das mulheres, diga-me quem encomendou o estudo que eu dir-lhe-ei qual a conclusão. Mas, para mim, ele não tem nada de monogânico. Só para quem não gosta de vários sabores.
Já imaginou agora, no verão, um saboroso gelado de pistácio, chocolate, baunilha e framboesa para lhe dar mais cor?

Boas maquiavelices.

cabecinhapensadora disse...

Talvez não tenha nada a ver com o epicentro do post, mas a 'tendência' biologiante' lembrou-me as palavras de Elisabeth Badinter "ao fazer-se da diferença biológica o critério último da classificação dos seres humanos, estamos condenados a pensá-los um por oposição ao outro."
O 'regresso em força' do biológico não parece ser caminho para a aceitação da diferença no patamar da igualdade.

oui! mon amour! disse...

Hoje depois de ler o primeiro comment, o da Moon,

reparei :) que podia e talvez devesse completar o meu, assim :

o ideal seria ainda que as pessoas se conhecessem ao ponto de saber,

se optando pela poligamia, continuam a querer que o outro abdique dessa possibilidade, ou nem sequer a pondere,

e a partir daí, encontrar quem não se importe de viver em monogamia, com alguém que " pratica " a poligamia!

sendo certo que, muito embora nos pareça que teoricamente não faz qualquer sentido, e dificilmente se encontre alguém disposto a isto,

a verdade é que, o Amor é um mistério insondável, com desígnios insondáveis, de efeitos imprevistos! e quando se Ama, nada é impossível!

lobices disse...

...EXTRAÍDO do Blogue Blasfémias
...este post traz a foto da capa do Público com a notícia do Paulo pedroso e em baixo a foto da estátua... e o texto diz:
...cito:

"...Não me considero especialmente pérfido por fazer a ligação entre o título e a fotografia que ilustra a capa do Público. A construção da capa de um jornal nunca é aleatória. Se faço aqui este realce (após um amigo me ter chamado a atenção, hesitei bastante) é porque julgo que estas tentativas de fazer ironia não merecem aprovação e devem ser denunciadas.

Há graças que, apesar do seu mau gosto, até poderiam passar em blogues - mas não num jornal que se quer como o Público se diz ser. Esta também é uma das fronteiras entre a imprensa e a blogosfera. A manter...."

...
...na verdade a notícia traz como "chamariz" a foto dessa estátua com o sexo masculino em primeiro plano
...
...marketing?
...
...ou mesmo intenção para o texto sobre o estudo?
...aliás, estudo em cujas conclusões eu não acredito
...
...abreijos
...e, desculpem lá qualquer coisinha :)))

Fora-de-Lei disse...

Afinal os povos islâmicos é que têm razão...

carlos disse...

Pergunto-me: Quem terá subsidiado este estudo?

Laura disse...

Carlos: bingo!
E quantos estudos diferentes há para cada um que é publicitado?
Esta é a biologia que se dá a comer às massas...

yes! my love! disse...

Anfitrite,

porque vc pediu " maquiavelices "

aqui as tem:

http://br.youtube.com/watch?v=Y2qUD54dy4U

( e sabe que, o que diferencia muito as pessoas umas das outras, não é tanto o terem um sabor diferente da outra, mas o facto de umas terem muitos, e outras, nem por isso... )

yes! my love! disse...

Hmn e com a pressa esqueci de colocar este também ~~

http://br.youtube.com/watch?v=BlOpcJpcNB0&feature=related


parece que a estátua fica assim explicada ~~

yes! my love! disse...

E ainda este

http://br.youtube.com/watch?v=IktvetlTWUo&feature=related

andorinha disse...

"O 'regresso em força' do biológico não parece ser caminho para a aceitação da diferença no patamar da igualdade."

Exactamente, cabecinha:)

Eu considero estudos deste género tão tendenciosos que não lhes atribuo qualquer importância.

FDL(12.30)
Será pedir muito esperar que algum dia ganhes juízo?:)

anfitrite disse...

Susana,
permita que esteja de acordo consigo.
Eu sou das pessoas que mais tem batido no professor por ele continuar a assistir de camarote. Mas ele não reaje. Tem arcaboiço de psi. Além disso, nunca o deixaram pular a cerca, porque a família está acima de tudo. Isso está explícito no postal. Só quando lhe tocam nesse ponto é que ele reage.
Mas lá por ser do Norte não tem de ser radical. Eu sou do Sul (mas não tenho genes muçulmanos, porque sou clara, branca, alva, como as outras de "A Casa dos Espíritos"), e até já me afastei temporariamente (para gáudio de alguns), mas como "errar é humano e perdoar é divino" eu continuo a incomodar, de vez em quando.
Volte sempre, porque isto fica mais animado quando há mais gente a discordar.

Perdoe Mestre( eu gosto mais deste tratamento, porque representa um saber de experiência feito), por eu estar a fazer de mestre de cerimónias, sem cerimónia, mas é para lhe poupar trabalho, já que, por opção, resolveu arcar com todo o trabalho de "revisor.

Canseiroso,
Obrigada. Foi difícil, mas consegui arrancar-lhe um comentário.
Prometo que nunca mais o volto a incomodar, a não ser que volte a ser tão redutor e injusto.
Nem parecia seu. Por isso pensei que tivesse apanhado um golpe de sol.
E não se preocupe porque, enquanto me deixarem, eu continuarei a falar e a escrever gratuitamente. Afinal, eu tenho feito tanta coisa de borla!

Yes,
:)
Só agora vi as recomendações, portanto ainda não as posso comentar, nem se o sabor foi agradável e já agora o odor.


Lobices,

Do "Público", ultimamente, é de esperar tudo. Está a querer suplantar o
"Correio da Manhã", apesar de já lá não estar o João Marcelino. Mas ficou a escola, e os truques que eles tão bem conhecem.

Missão cumprida.
Boa noite.

Gonçalo R. disse...

E se as girafas não tivessem pescoço?

Estudos que, lá para o fim, fazem notar a especificidade humana (a tal, do animal cultural) fazem-me sempre sorrir. É que, se por uma lado os objectivos iniciais do dito estudo, mais ou menos claros (começamos nos ratinhos e, no fim, saltamos para os humanos) me parecem algo ingénuos (ok... estou a ser benevolente :) por outro, chegam ao fim a dizer... o biológico (ou químico) já está, agora só falta tratar do cultural (que, em última instância até o conseguiremos reduzir ao biológico ou ao químico... deem-nos mais tempo, e nós resolvemos isso). Como se as coisas estivessem em gavetas, não misturáveis, e a separação fosse simples e fácil de fazer...

Já, nem eu, que sou bastante racional acredito nisso ;)

Gonçalo
PS - A propósito... há um par de meses, passou no Odisseia um programa sobre investigadores que, estimulando distintas partes do cérebro de uma ratazana, a conseguiam teleguiar. Sorridentes, achavam perfeitamente normal e aceitável fazê-lo com humanos, num futuro muito próximo... assustador...!

yes! my love! disse...

" nem se o sabor foi agradável e já agora o odor."

Anfitrite,

agora até me fez lembrar a Passarinha Assada ~~

será que o Mestre, lhe calou o pio ?

Fora-de-Lei disse...

andorinha 9:18 PM

"Será pedir muito esperar que algum dia ganhes juízo?"

Há muitos anos que eu andava a considerar a hipótese de me converter ao Islamismo, quanto mais não fosse para legitimar os meus impulsos poligâmicos. Agora já não preciso... agora já estou legitimado pela Ciência.

lobices disse...

...um dia... Blade Runner será uma realidade... :)

acutilante - frank verlag disse...

Devo confessar que quando tomo conhecimento de alguns "estudos científicos" fico imediatamente de "pé atrás". Na maioria das vezes prefiro chamar-lhes atavismos científicos, mas adiante.
No caso concreto parece-me que o "estudo biologizante" (salvo melhor opinião), não passa de um conjunto de "valores" codificados e cristalizados como algo trágico na história humana, já pronto, definido, estabelecido de um determinismo no contexto em que se vive.
Este "estudo" tão publicitado enferma de um "lapso" primordial: a compreensão dos comportamentos humanos evolui pela rejeição de hipóteses explicativas insuficientes ou erradas. A teoria explica e a observação verifica a validade da reflexão!

susana disse...

anfitrite: se é por isso volto! Se ele não nos diz nada, conversamos nós. Mas Nuorte é Nuorte. Deve ser da Super Bock.
;)

thorazine disse...

Imagino eu que se tratasse do estudo de um gene da epilépsia ou alzheimer a malta nem estrabuchava. Ah..e tal, "regula" os comportamentos e como eu acredito no livre arbítrio humano o estudo tem de ser uma farça! É só treinadores de bancada..hehe

".. vasopressin is related to the "cuddle chemical" oxytocin. Now it seems variations in a section of the gene coding for a vasopressin receptor in people help to determine whether men are serial commitment-phobes or devoted husbands.."

Nada de alienigena! Basta até pensar na importância evolutiva da poligamina, na importância social da monogamia e meter a memética ao barulho com a genética. Basta pensar que a cultura e o ambiente aqui são tão importantes como na activação de outros genes com acção fisiológica!

E aqui vai um videozinho sobre livre arbítrio: http://www.youtube.com/watch?v=_VxQuPBX1_U

Não terão todos os nossos comportamentos justificados? :P

yes! my love! disse...

Sempre as " descobertas " e aquilo que se pretende justificar com elas ~~

http://br.youtube.com/watch?v=-6W2RKheUrE&feature=related

De qualquer modo, eu sempre achei que os homens conseguem amar mais do que uma mulher,

e que as mulheres não sabem amar mais do que um homem,

e que isto resulta em último termo,

da própria Natureza :)

pela necessidade natural de assegurar a continuidade da espécie ~~

quantas mais mulheres um homem tiver ~~

e mais concentrada uma mulher ficar a cuidar dos filhos,

mais assegurada fica essa continuidade!

mas à medida que os seres humanos se afastam do que é natural nos outros animais da Terra,

mulheres e homens têm comportamentos cada vez mais semelhantes,

o que não impede que biologicamente, isso não leve ainda muito tempo a acontecer ~~

ou seja, se o natural seria um homem ter várias mulheres e esta apenas um ( ou um de cada vez - no tal conceito de monogamia seriada - acho que é assim que o Mestre :) lhe chama )

é muito natural que o corpo de um homem ao nível do desejo e da realização sexual, revele exigências,

que o da mulher, não revela!

depois lá vem o " cultural " para tudo mascarar,

mas por ser culturalmente "bem"

que homens e mulheres possam optar livremente ou não pela monogamia ou pela poligamia,

não quer dizer que biologicamente homens e mulheres já se encontrem nesse patamar ( de evolução?)

e isto se,

avançar no sentido de o objectivo dos seres humanos deixar de ser a continuidade da espécie,

ainda se puder chamar de evolução!


( hoje já não tenho tempo para mais, mas se o que é bom para a continuidade da espécie, à partida também, o for para a continuidade da felicidade humana, falta saber se actuando contra natura, essa felicidade continuará a ser possível ! )

Canseiroso disse...

Anfidrite, veja se me entende.
Nada me move contra nada nem ninguém e até sou a favor de tudo. E mais: até estou de acordo consigo, no que ao Murcon diz respeito, sem que daí venha algum mal ao mundo (ou seja, sem que daí eu esteja a criticar toda a gente que bajula Murcon).
Se ele fosse mais interventivo, ou se neste imenso espaço em que com toda a legitimidade todos entramos, ele deixasse sentir o hálito daquele sorriso que nos revela na imagem, todos ficaríamos muito contentes, sobretudo todos aqueles que gostaríamos de ter uma saudável conversa com ele. Assim não é possível e é aí que concordo consigo, só porque como você diz, ele não sorri, tão-pouco sabemos se abandonou definitivamente a cátedra do psiquismo e não está aqui a servir-se de nós como cobaias. (Esta foi forte mas propositada)
Quanto a mim e a si, sendo sulistas temos um enorme espaço de planura onde nos vamos encontrar um dia, pelo que é absolutamente normal que nos desencontremos aqui e ali…Mas não deixe de me ataviar com a sua rebeldia.

lobices disse...

amigo canseiroso:
...cito-o:
"...tão-pouco sabemos se abandonou definitivamente a cátedra do psiquismo e não está aqui a servir-se de nós como cobaias..."
...
...logo no início, quando o Murcon surgiu, eu fui dos primeiros a dizer aqui que muito o nosso amigo Profe se haveria de rir de nós ao ler os nossos comentários...
...não o afirmei em tom jocoso nem em defesa da minha, nossa, honra :)
...afirmei-o porque sempre entendi que este lugar é um dos melhores "Case-Study" (é assim que se diz?...) para o JMV
...e assumo-o como um dos intervenientes e uma das, como o amigo canseiroso diz, "cobaias" sem que isso me cause qualquer problema
...e
...não me causa qualquer problema pelo simples facto de que estou aqui por gosto e com toda a honra por me saber na casa de uma pessoa que eu gosto de ouvir, de ler e de o ter conhecido
...JMV tem toda a minha autorização para me "estudar" sempre que achar que sou digno disso ou sempre que tenha peça válida para ser analisada
...todos gostariam de ser analisados por JMV
...todos gostariam de desabafar e contar coisas ao JMV
...todos gostariam de ser merecedores da sua atenção mas ele não tem tempo para isso e é-lhe totalmente impossível fazê-lo
...daí, ele nem sempre vir aqui e poucas vezes responde ou mantém diálogo; quem não entende isto?
...JMV merece o nosso respeito e se mais não chegasse bastaria o facto de ele nos ter aberto as portas desta sua casa e nos permitir rir, chorar, barafustar, dizer asneiras, contar anedotas e, inclusivé, dizer coisas que não interessam nem ao menino Jesus como é, por exemplo, o caso desta minha intervenção...
...abreijosssssssssssssss
...
...e um bom FDS per tutti
...
...
...ah, e outra coisa;
...contentem-se que agora fazemos parte dos PIGS da Europa
...in:
...Portugal, Italy, Greece, And Spain, The PIGS Of Europe, Are Causing An Ouflow Of Industry And Investment From The Eurozone
...in:
...The Resourceful Bear Blog

PILAR disse...

Mal vai o mundo se for mesmo tentador justificar com os genes, o comportamento poligâmico.Se assim for, não tardará a sugir um mais avançado estudo, concluindo que indivíduos com vocação poligâmica, carecem de personalidade frontal.

Hoje estou má...deve ser da chuva!

Noivo disse...

a genética agora tem sempre as costas largas:)

yes! my love! disse...

Pilar,

tenho de discordar do seu comment,

uma pessoa com tentações :) e ou comportamentos poligâmicos,

só carece de personalidade frontal,

se não encarar a coisa com frontalidade :)

assim é que como ainda há pouco reparei neste post do Noivo,

http://noivo.blogspot.com/2008/09/glamour.html

frontalidade é coisa que NÃo falta em certos "casos-notórios-de-tendências-pró-poligâmicas" ~~

yulunga disse...

Bom dia maralhal.
Não faço ideia que estudo seja esse.
Na 5ª feira comprei uma daquelas revistas que custa 1,50€ e que traz uma mala de oferta, uma amostra de shampoo, um pacote de Canderel, algumas amostras de perfume, muita publicidade e alguns artigos.
Falam lá de de uma coisa a que chamam a neo-monogamia que parece que se sub-divide em duas: a monogamia emocional e a monogamia sexual.
Alguém por lá comenta o seguinte: " Não praticamos a monogamia do ponto de vista sexual, mas assumimo-nos monogâmicos a nível emocional."

*mafinha ^^* disse...

professor (?) Julio, peço desculpa pla minha ignorancia... Mas, "vaso-quê"???
nao faço ideia do q singinfica a palavra "vasopressina"... pode esclarecer-me, por favor? Fiquei curiosa... :D

beijao :**

*mafinha ^^* disse...

professor (?) Julio, peço desculpa pla minha ignorancia... Mas, "vaso-quê"???
nao faço ideia do q singinfica a palavra "vasopressina"... pode esclarecer-me, por favor? Fiquei curiosa... :D

beijao :**

CêTê disse...

Até para se ser rato é preciso ter sorte, safa!

Quanto aos genes não duvido que tenham responsabilidade no "delito" ;))) Agora giro giro era terem concluído que a evolução e a sobrevivência da nossa espécie depende da expressão livre do fenótipo e que a capacidade não está dependente do género.

CêTê disse...

yulunga ;))))))))))))))) também não resisti- convenhamos que a capa tinha títulos apelativos ;P- e comprei a dita cuja(mas devem ter ficado com as promoções ;))))- UMA POBREZA.

Su disse...

passei para deixar jocas maradas..............sem qq tipo de estudos:))))))))))))))))

isabel victor disse...

Tudo é cultura. tudo é construção

Senão ... não existiria monogamia !


________ Assim,somos monogâmicos/monogâmicas por opção, devoção ou conveniência

culturalmente formatados socialmente comprometidos
moralmente convertidos

psicologicamente "equilibrados"



Em debate _________ a monogamia emocional vs poligamia sexual/funcional(the point!)

Partindo da permissa de que somos seres totais. Acho interessante reflectir sobre as estratégias comportamentais, os mecanismos de legitimação social e as operações intlectuais que estão na base deste novo paradigma de relacionamento amoroso ...


(afinal não inventamos nada, nem vivemos fora da História. em que etapa nos encontramos ? )





Dialecticamente falando ...


iv*

cabecinhapensadora disse...

"Je vais t'aimer comme personne n'avait t'aimée...je vais t'aimer d'amour". Ouvi aqui, neste blogue que, 'hélas', também é música. O desejo do único persegue-nos e faz-se concreto;o mesmo da forma é sempre outro no conteúdo, se o imaginário não adoece.

yes! my love! disse...

Cabecinha, amei esse comment ~~

a forma e o conteúdo - assim como o real e o imaginário - complementam-se ~~

nuns casos mais harmoniosamente do que noutros ~~

http://br.youtube.com/watch?v=DkBTJbdRrk8

fiury disse...

claro, agora que elas se estavam a soltar:)))),eles já não acham piada e toca a repor a ordem:)

CêTê disse...

Quem o mantém "ausente"? ;)))
A preguiça (a gozar refastelada e convencida que o tempo pode ser dela) ou as desejadas ninfas?

myana disse...

estudante de psicologia, aspirando ser sexologa, com o caos no pensamento...
é aqui o local certo para trocar umas ideias om o mestre julio?

vacamalhada disse...

Venho desta forma exprimir, relativamente à mãe natureza, ou a quem o valha, o meu mais profundo sentimento de revolta.

Porque não podemos nós mulheres ter uns genesitos que nos arastem para a rameirice e galderice contra a nossa vontade?

E ainda há quem duvide que Deus, se existe, é homem...?

Citando Calimero, "É uma injustiça".

vacamalhada disse...

Luciana Abreu:

"QUERO UMA CRIANÇA QUE SEJA SOFRIDA, QUE TENHA IMENSAS DIFICULDADES, QUE NÃO TENHA ROUPA, ANDE DESCALÇA, COM DOENÇAS E RANHO NO NARIZ"
(a propósito de ir adoptar uma criança...)

!!!!!!

http://ocantinhodavacamalhada.blogspot.com/2008/09/h-gente-to-generosa.html

keeper_of_the_pussy disse...

É apenas mais um fenomeno de transferência da responsabilidade de consequências das nossas decisões para terceiros... e a procura de se encaixar nos estereotipos...

A Menina da Lua disse...

Ai estes estudos! cheiram tanto a esturro...
Por vezes fica-se com a sensação desconfortável de que existe alguem, algumas forças que mexem os devidos cordelinhos para instituir "A Ordem Pública" que é como quem diz os velhos equilíbrios do desiquilíbrio que muito convem...


vacamalhada:))

Teve graça! muita graça!

Mas tambem para que nos servia estarmos na "rameirice" ou qualquer outra "galderice" contra a nossa vontade?:)
O melhor é deixarmo-los "pastar" à vontade ou seja; eles que metem o pé onde quiserem e depois não se queixem porque cada um acaba sempre por ter aquilo que merece...
Quero dizer, às vezes!:))

keeper_of_the_pussy disse...

"Não tema ser corno, chifre é como um fantasma, geralmente aparece pra quem tem medo"

MUAHUAHUAHUAHUAHUHA!!!!

vacamalhada disse...

No outro dia vi uma t-shirt que dizia: "cornos não existem, isso são coisas da tua cabeça...".

terezadapraia disse...

Como é que é possível ? um morenaço assim não gostar de praia ? será que eu ouvi bem ?

thorazine disse...

Foi “para beber cerveja e embriagar-se” que o homem se tornou agricultor

10.09.2008 - 16h19 PÚBLICO
Há dez mil anos ocorreu a chamada revolução do neolítico, quando os seres humanos se tornaram sedentários e começaram a cultivar a terra. Uma nova teoria defende que o homem se tornou agricultor “para beber cerveja e embriagar-se”, contrariando a ideia que tinha sido a procura de uma melhor alimentação o motivo da mudança.

A teoria é da autoria do biólogo e historiador natural alemão, Josef H. Reichholf, e vem publicada no seu livro “Por que é que os homens se tornaram sedentários?”, lançado na Alemanha. A obra explica as causas da revolução que mais tarde estaria na origem dos povos e das religiões.

Josef H. Reichholf parte do pressuposto que “quando os caçadores recolectores abandonaram a sua forma de vida e alimentação tradicional teria que ter uma vantagem inicial”. No princípio, sublinha, “o cultivo de plantas não trouxe nenhuma vantagem visível para a sobrevivência”.

Por esse motivo, o cientista alemão considera que a teoria até hoje defendida, que a humanidade começou a cultivar plantas, abandonou a vida nómada e se estabeleceu de maneira permanente num sítio para se alimentar melhor, está totalmente errada.

Segundo o mesmo livro, as colheitas iniciais eram demasiado reduzidas e o cultivo da terra muito trabalhoso, o que implica que a sobrevivência não podia ser garantida em exclusivo através da agricultura. Josef H. Reichholf defende que o homem do período neolítico continuou a caçar e a ser recolector para subsistir.

"A agricultura surgiu de uma situação de abundância"

Outra das teorias criticada no livro do biólogo alemão é a que indica que nas primeiras regiões onde a humanidade se fixou, situadas entre o Egipto e a Mesopotâmia (actuais zonas não desérticas do território do Iraque), havia pouca caça e muita vegetação.

Josef H. Reichholf diz que essa teoria é absurda ao pressupor que uma zona com muita vegetação possa ao mesmo tempo não ter animais selvagens. O cientista sublinha que “era totalmente diferente” e que a caça não escasseava.

Para o biólogo “a agricultura surgiu de uma situação de abundância” e assegura que “a humanidade experimentou o cultivo dos cereais e usou os grãos como complemento alimentar. A intenção incial não era fazer pão, mas antes fabricar cerveja através da fermentação”.

As declarações de Josef H. Reichholf foram registadas durante a apresentação do seu livro, onde o cientista alemão fez questão de frisar que a humanidade sempre sentiu necessidade de alcançar estados de embriaguez com drogas naturais que lhe “transmitem a sensação de transcendência, de abandono do próprio corpo”.

A importância dos xamãs

Na teoria agora apresentada, os xamãs, espécie de líderes espirituais que entram em transe e manifestam poderes sobrenaturais e invocam espíritos da natureza, teriam tido um papel de destaque na revolução neolítica. Seriam eles que conheceriam os feitos e as dosagens das drogas, ou seja, do álcool, cogumelos e plantas, tomados durante as cerimónias de carácter religioso.Josef H. Reichholf destaca a importância que a cerveja e o vinho terão tido no fomento do sentido de unidade de um povo ou de uma tribo.

Da mesma maneira, defende que o pão só começou a produzir-se quando se conseguiu cultivar cereais em abundância. O cientista sublinhou que a fermentação é um processo mais antigo, “a capacidade de fermentar cerveja não foi algo espontâneo. A humanidade já conhecia antes o processo fermentação da fruta”.

PS - Alguém que faz estudos de jeito... :D :D

keeper_of_the_pussy disse...

Tásse mesmo a ver que também fumavam marijuana...uns pandegos este troglodita(s)magnon...

Canseiroso disse...

Nada me daria maior prazer que ser assediado por uma bióloga de seringa monogâmica na mão…Não sei…gosto delas de bata branca, mesmo que guardadoras de urinóis masculinos… :)

vacamalhada disse...

Será que este estudo terá alguma relação com a mais pertiente e genial criação, em matéria de políticas educativas deste governo, o DIA do DIPLOMA?
desconfio que o Zezito deve andar com vontade de saltar em cima da Lurditas e para mudar de assunto, há que dispersar a malta governativa pelo país fora a entragar diplomas aos putos ranhosos finalistas do secundário...
Menos mal, o Bill Clinton bombardeava comboios de refugiados...

C Valente disse...

Bom fim de semana
Saudações amigas

non! mon amour! disse...

E por que não deixar de matar a cabecinha com estudos que não mudam nada, apenas observam :)

e aproveitar cada instante da vida na Terra,

para gozar o privilégio de viver simplesmente viver...


http://cidadedosprodigios.blogspot.com/2008/09/premonio.html

o privilégio que é não estar num País em guerra, e poder fechar os olhos e sonhar

" que a tarde era um falcão azul, que se perdia nos céus com as suas asas nuas." K.

CêTê disse...

Vim espreitar...

Sabia bem violar uma carta dirigida à Maria...;P



Estou triste. Por onde quer que eu olhe só vejo revoltosos de mãos nos bolsos.
Eu própria ando de braços caídos.

Apetecia-me uma Caravela no cais. Deste país estou FAR-TA.

Os jornalista enojam-me de tão cobardes... Os telejornais são vergonhosos!

Uma onda cresce à nossa frente e "nós todos", "todos nós" parados de mãos nos bolsos no cais.


abraços