segunda-feira, março 23, 2009

Extraordinário país!

Crise? Mas que crise?
Duas equipas fizeram um jogo paupérrimo; um árbitro coleccionou asneiras sob o ponto de vista disciplinar e cometeu um erro técnico grave; um jogador atirou a medalha ao chão e ofereceu-a ao ladrão do árbitro; um treinador descobre um novo significado para o mais conhecido gesto indicando gamanço da nossa praça; os dirigentes, alimentados pelos media, ocupam a boca de cena há 48 horas e tencionam continuar. Etc...
Crise? mas que crise?

Ainda a propósito de cinema: em 24 horas vi "O Leitor" e o "Quem quer ser Milionário?". Só encontro uma justificação para a chuva de óscares que se abateu sobre o segundo - o mercado indiano. Suponho que o próximo laureado seja chinês...

34 comentários:

LadyAnt disse...

boa noite :))))
(em estreia da cena dos comments, apetece-me rir em estilo muttley XD)

no futebol, fiquei comovida por saber que o nosso menino d'oiro, o nosso ronaldo, que tantas proezas comete em tantos "campos" é o mais chorão de todo o mundo futebolistico (foi a unica coisa que retive, referente ao futebol e comoveu-me, quase chorei também, ao ver as figuras dele nas fotos...)

eu também sou da opinião do Senhor Professor (pk sou graxista XD) e tb vou apostar nos chineses, pra proxima, embora gostasse mais dos japoneses, em questão de comida, nas contra factos não há argumentos e a chinesa é de facto bem mais barata e isto da crise, pesa.
:/

(viram: não falei nem de sexo nem de drogas!!! apesar de quase ter falado, no que se refere ao ronaldo...quando quero, sou BOA) XD

desejos duma noite serena e sem crises hepaticas, renais ou de histerismo

p.s. (já agora) onde se terá metido o Fora de Lei? estará com alguma febre dos fenos, ou assim? ando sempre preocupada com a rapaziada daqui... ou alergia do pó dos pinheiros!!!! é chato, rinite alérgica ou assim... que preocupação, que coisa... espero que não seja nada grave. de qualquer forma, ficam expressos os meus desejos de rápidas melhoras.

LadyAnt disse...

p.s. onde se lê "nas contra ..."
deverá ler-se "mas contra...."

(gralha gravissima, de que me penetencio desde já, fumando um cigarro...)

Tangerina disse...

Ó Formita,


Mas que linda que tu estás! Até me deu vontade de também começar a usar sombra azul.

http://www.youtube.com/watch?v=IATxcQ4qebg


TGN.

cabecinhapensadora disse...

Dado o primeiro parágrafo do post ser absoluta verdade, a crise é estilo noite, invade tudo. Põe-se até a hipótese de ter sido ao contrário e a crise das ideias trazer ou contribuir para o resto. A educação foi sempre um factor. Mas isso não interessa. É tudo muito pobre, Professor.
'The reader': agradou-me a construção da personagem feminina e o seu emaranhado. Gostei do átono que conseguiu em alguns aspectos, como se aparecesse e desaparecesse. Aquela mulher do filme tem fases de penumbra intensa.
'Quem quer ser milionário?', a ser verdadeira a imagem que dá, o retrato social da potência emergente, é estranhíssimo. Uma sociedade de castas, a mais baixa, varria o chão que pisava para não conspurcar o chão dos outros, agora parece que já nem tanto, mudaram-lhes o nome e tudo; mas não sabemos até que ponto a realidade dos harijans é diferente da dos intocáveis. Ou eu não sei.
Pode ser o molde de cinema indiano. Já no tempo da Bobby, se abusava da emoção fácil, cegueiras e assim; e continuam presos ao final feliz. O cinema de qualidade tem qualquer coisa de intemporal e universal que ainda falta. Admito, pode ser preconceito, olhar de europa.

Tangerina disse...

Cabecinha, o final infeliz também pode ser considerado um cliché. Olhe lá o Nicholas Sparks, quanto dólar já não ganhou à custa da lagrimita fácil... ;-)

Além disso, o bilionário foi (não sei se na totalidade) custeado a Euros... nativos... Europeus mesmo. :-) Mas muito British. ;-)

Seja como for, gostei do filme, mas se querem crueza a sério vão ver o "Porcos, feios e maus". Dos deste ano que vi até agora, caiu-me o queixo com o Benjamin Button por duas coisas essencialmente:

1 - Caracterização fa-bu-lo-sa;
2 - A estória mais bonita que, até ao momento, vi sobre a aceitação. Ficou cá dentro.

Também gostei do Vicky Cristina Barcelona, e gostei muito de uma cena que o Woody (I worship him) tem lá inspirada numa outra do Almodovar. Fica-lhe bem o reconhecimento.


TANGOrina ;-))

Tangerina disse...

Feios porcos e maus, sorry...


T

A Menina da Lua disse...

O mercado indiano é sem dúvida muito aliciante e o chinês ainda melhor e ninguem neste e noutros meios do negócio está alheio a isso, no entanto isso não responde a tudo em relação a este filme.Apesar da tónica de romantismo que o realizador deu ao argumento, o filme tem uma construção técnica de realização muito fora do comum:lindíssimas imagens, boa música um ritmo variado e acelerado que lhe permite dar emoção constante ao longo de todo o filme mas e principalmente pela possibilidade de nos induzir para o sentimento positivo e optimista dum futuro melhor que em ambiente de crise se recomenda e agradece.:)

Concordo com o Cabecinha quando diz: "O cinema de qualidade tem qualquer coisa de intemporal e universal que ainda falta" mas tenho de admitir que o filme tocou as pessoas pelo seu melhor lado; a busca da esperança mesmo no pior dos cenários de injustiça, a defesa dos valores humanos e a chamada de atenção para o sentido das escolhas na nossa própria vida em que cada uma corresponde nela a uma determinada resposta, já dá merecimento por si ao filme.:)

cabecinhapensadora disse...

Tangerina
Reconheço: sei pouco sobre o realizador do grande premiado. Não vi sequer outro filme dele. Mas a estrutura não me pareceu tão diferente dos próprios filmes indianos.
Lembro-me do 'feios porcos e maus'. Não conseguimos esquecê-lo.Tem esse mérito. É verdade que os finais felizes são tão cliché como os outros. O Benjamin não é um final infeliz. Nem real. Mas real pelo que sugere. Sendo ficção, nunca abandona a realidade. Tb o prefiro; por muitas coisas. Apesar do título, pareceu-me um filme sobre a mulher. Ou a mulher que o realizador tem na cabeça e quer dar a ver. Mas se calhar não. Há ainda uns por ver:)) Tempo para saborear. Ainda que o esperar a vez também seja aliciante.
Bom Dia

Mar disse...

Já lhe disseram que fica charmoso com um corte de cabelo curto?

lobices disse...

http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Politica/Interior.aspx?content_id=130072

Vicente disse...

sem ser uma obra prima, longe disso, o filme tb não é tão mau quanto isso. digamos talvez que um tão grande numero de nomeações elevou demasiado as expectativas.

andorinha disse...

Qual crise???!!!
A do futebol, homem:)
Ontem por volta das onze da noite 4 ou 5 canais televisivos estavam debruçados sobre a crise que se abateu lá para os lados de Alvalade.
Discutiam, argumentavam, mostravam as imagens do não-penalti até à exaustão...enfim, não há pachorra:)

Quanto a filmes ainda continuam bastantes na minha lista. Como ainda não estou reformada não tenho disponibilidade para ver dois em 24 horas:)
E ainda estou a saborear o Gran Torino.
"The reader" vai ser o próximo, ainda esta semana.
Em lista continuam "Milk", "Vicky Crstina Barcelona"(sou fã do Woody)
e "Adam renascido" de Paul Schroder.
Vêm aí as férias e o tempo acrescido para os saborear.
Quanto a "Quem quer ser bilionário?" não vi nem vou ver. Vi o trailer e não me atrai mesmo nada...
Tenho dito:)

Nuno Guimas disse...

Por acaso gostei bastante do Quem Quer ser Milionário, contudo ainda não vi o Grand Torino e portanto não posso estabelecer uma comparação. Por outro lado, não sou "especialista" de cinema, mas penso que quem viu o filme antes dos óscares, como eu, não terá sofrido aquele efeito que muitas vezes o excesso de expectativa produz, ou seja, a desilusão :).
Quanto à crise... é o normal. Os dois clubes com mais adeptos a serem usados pela imprensa e pela politica. Os primeiros por interesse comercial, os segundos como forma de distracção. E que dizer de António Costa que não falha um joguinho? Mas não era no Norte que havia "promiscuidade entre política e futebol"?
Valha-me Deus :)

Lete´s do it! disse...

A crise da meia idade, mestre!!
Outra não me ocorre... ou melhor, ocorre-me mas,... o apito do L.B. faz com que me esqueça...

LadyAnt disse...

Tanjarina, acertas nas minhas musicas todas preferidas... também lês o tarot? XD tenho umas sombras novas que são um estrondo. vou tirar umas fotos revivalistas, todas de gritos. depois mostro-te (vou tirar as minhas cartas do fundo da gaveta e voltar ao activo, acho que vai ser benéfico para os meus futuros comments aqui.) é que não vou ao cinema e ... depois é isto... ainda me lembro do "feios porcos e maus" marcou-me muito, por acaso. aquilo do esparguete e do veneno dos ratos e mais um ou outro pormenores...
mas agora tenho um problema enorme para resolver. uma amiga faz anos amanhã (21 schuif ainda me lembro quando tinha 21 ....) e pensei em oferecer-lhe um livro (ofereço sempre livros...já tinha 3 em mira..) mas hoje sondei-a ... e ela prefere um estojo de maquilhagem :( (suspiro...) sinto-me um bocado frustrada. e não tenho o comprimido pra frustração...talvez compre o livro pra mim e dois estojos de maquilhagem, um pra ela e outro pra mim XD

(não podia passar sem cá vir)

tinha uma questão importante a colocar ao thorazine que tem a ver com "rodas" acho que é MMDA ou assim. não sei se se pode falar disso aqui ... é uma pergunta simples e directa sem muitos complexos XD se ele puder aparecer ;) (aprendi com o noise rsrsrsrsrsr (riso estilo muttley)

boa noite a todos e obrigada pela musica tangerina (que eu adoro, bem como o filme, por razões próprias)

Laura disse...

Adorei O LEITOR!
O mesmo gene de "As Horas": muito evidente (pareceu-me).
Ralph Fiennes, Kate Winslet, soberbos! (ambos têm aquela força interpretativa que 'vem de dentro' e os transforma).
Como é possível pôr Penelope Cruz (Bafta, etc) ou Angelina Jolie, a competir como a Winslet, como se fossem comparáveis?
Gosto desta nova vaga cinematográfica, que junta o realismo absoluto (sobretudo nas actrizes, sem extreme make over!)a uma poesia indiscritível (mesmo que seja agri-doce, mas essa é a poesia da vida a sério)
Quanto ao Slumdog Millionnaire, muita política, como sempre.
Deviam perceber que o excesso de condecorações ofusca e torna um filme muito mais vulnerável. É um caso parecido com o bolo de noiva: nunca é tão bom como as restantes iguarias;);) Mas Hollywood é assim mesmo (mais lobby que méritos!)

blogico disse...

Concordo completamente com o 1º parágrafo.

Como discordo do 2º, que trata de um tema que me é muito querido, não resisto a fazer um comentário:

Está certo que o tema de "Quem quer ser Bilionário?" não será dos mais interessantes, mas o filme é uma alegria para os sentidos de quem trabalha no mundo do cinema. Durante aquelas duas horas senti como se estivesse a ver Picasso a criar uma das suas telas, tal é a perfeição técnica do argumento, da realização, da fotografia, do som, e acima de tudo da montagem. Este filme de Danny Boyle pode quase ser usado como um manual de como fazer boas películas. Está lá tudo sobre a arte que Chaplin e Eisenstei moldaram. Arrisco-me a dizer que a academia, constituida pelos "pares" da indústria, não tinha outra hipótese senão entregar todo o seu ouro a estes executantes. Ainda por cima o filme resulta muito bem no público americano, que ao contrário do europeu, dá muito mais preferência aos happy endings.

Se fosse eu a escolher teria entregue todos os oscares a Revolutionary Road, de Sam Mendes, que foi um filme que me "marcou" muito mais e quase não teve nomeações, mas à medida a que ia assistindo à cerimónia não pude evitar que o meu sorriso se fosse alargando enquanto os artistas de "Quem quer ser Bilionário?" iam recebendo as suas estatuetas. Foi o elogio dos artistas, e não dos temas das suas obras, que prevaleceu naquela noite.

Cumprimentos a todos

Tangerina disse...

Anty,


Aproveita e compra um estojo de maquilhagem para mim também, que o teu gosto não me parece nada mau... ;-)



Cab,

Ah... les femmes, les femmes... toujours les femmes! :-)
Agora, pensando melhor no assunto, é bem provável que aquela seja a história dela, a olhos dele, claro.

Linda! Encantadora... um cisne... e sempre jovem. Até à morte. Sempre jovem. Sempre jovem. (é obra!)

Agora que fala nisso, não sei se a admiro a ela ou se apenas invejo a devoção que ele lhe dedicava. Assim, sem espera(nça) de retorno. Assim, só.

E aqueles olhos do Benjamin - sejam do Brad Pitt ou de outro qualquer que encarnou a personagem, ou os olhos eram só os do Brad Pitt? - aqueles olhos eram de aceitação total. Nem quando o outro falava dos sete raios que lhe caíram em cima :-), o personagem alguma vez esboçou o mais pequeno gesto de contrariedade. Ele limitava-se a observar, a "tomar conhecimento", sem julgar. Aquilo tocou-me. :-)

T.

A Menina da Lua disse...

Oh Professor!

Então tem o fogo na sua zona de Cantelães?:(

Acabaram de dar a notícia nos telejornais que os fogos que começaram há dias se deslocaram tambem para a zona de Cantelães!

Espero que esteja atento e que possa atempadamente intervir na sua casa.

Como é possível uma zona tão bonita ser assim devastada por incêndios. Que pena:( Lamento por si e por todos os seus vizinhos.

cabecinhapensadora disse...

Tangerina
O que mais gostei foi mesmo do breve dos encontros. Da solidão de todos nós. Do haver um momento para. Da velhice ser uma forma e um ambiente. De, como diz a menina,a vida ser de aceitar. Do espaço de sonho daqueles dois que se encontravam num lugar secreto que não havia e corporizava durante a noite. Das insónias que o tempo traz, ou nós fazemos.Do capitão-pintor. Do simples de um chá ser água quente. Do prazer do caviar, não por ser caviar mas porque o prazer também se aprende. E por aí. Gostar é um nunca acabar de instantes.
E, sobre tudo isso, a força das mulheres. Miguel Sousa Tavares disse um dia de sua mãe, "ela dança". Apesar do Equador, nunca lhe encontrei expressão mais feliz.
Prontos. Bora falar de outra coisa:))

Tangerina disse...

As mulheres são mas é umas meladas!... ;-)

Não vou "bora falar de outra coisa", que o mel também me foge à rima ;-). Vou é andar de bicicleta enquanto ainda é dia.

À bientôt!

Mar disse...

“Só encontro uma justificação para a chuva de óscares que se abateu sobre o segundo - o mercado indiano. Suponho que o próximo laureado seja chinês...”

Dada a população da Índia (prestes a ultrapassar a China) acho que, mais que não fosse pelos números, a Academia fez bem dar este destaque a “Quem quer ser bilionário”. A sétima arte não pode continuar a ser feita à medida dos países ocidentais. É bom que se abram estas janelas. E também gosto de finais felizes.

blogico,

Também concordo com a sua opinião sobre Revolutionary Road. A mim fez-me lembrar “American Beauty” um filme de 1999. Só há pouco é que percebi que é do mesmo Sam Mendes.

EVISTA disse...

Para a Menina da Lua
Como vizinha do Professor agradeço a preocupação. Felizmente segundo me informaram foi só mato (mesmo que tenham ido meia dúzia de árvores) nada que preocupe quemm ateou o fogo. E Como é possível?...a falta de conhecimentos, a falta de sensibilidade e o desconhecimento do perigo. Estes fogos normalmente são provocados pelos proprietários dos terrenos nos montes que não procedem à sua limpeza juntando o mato. Não, a queimada é feita directamente no mato e normalmwente por uma pessoa só com o auxílio de uma enxada (para apagar a chama caso ela se propague para espaços não pretendidos...)Só que quando dão conta o fogo fica incontrolável.Aqui há dias tive uma situação destas junto à minha propriedade e a minha preocupação e observação da situação com o telemóvel em alerta impediu que o indivíduo que estava a queimar prosseguisse nessa tarefa. O Professor já aqui há tempos relatou o susto que apanhou com o fogo junto a casa, só que o fogo foi deixado sòzinho e ao sabor do vento. Felizmente deu conta e teve ajuda para impedir a sua propagação.
Se este espaço arde, tudo perde o seu encanto. É urgente que se façam campanhas de esclarecimento de forma a desmotivar hábitos que não podem mais ser utilizados.
E a chuva que teima em não aparecer!....

Nuno Guimas disse...

Tenho lido aqui criticas à história que Quem quer ser milionário conta, e fico a pensar o que haverá de mal ou oco em tal história. Parece-me a mim que mais do que um elogio a um "Estilo de vida Indiana", a história é uma crítica mordaz e bastante abrangente em termos sociais, políticos e até históricos a uma Índia "next big thing" em que a fachada modernista encerra uma rede muito cerrada de velhos problemas. Será isto oco ou vazio?
Quem me dera a mim que o cinema português, ou melhor, os argumentistas, escrevessem mais histórias do género, em vez de filmes da treta para as actrizes "mostrarem as maminhas".
Quanto ao Happy Ending... porque não? Se não for o cinema a dar-nos finais felizes, onde os vamos procurar? Na vida real? Hummm.

LadyAnt disse...

APAIXONEI-ME!!!!!!!

cabecinhapensadora diz:
..."Do simples de um chá ser água quente. Do prazer do caviar, não por ser caviar mas porque o prazer também se aprende. E por aí. Gostar é um nunca acabar de instantes.E, sobre tudo isso, a força das mulheres."...

sei lá, existem momentos de êxtase. este foi um deles para mim... (ando tão sensível) até parece que já vi o filme! vocês são fabulosos.

Tangerina sem caroços e de casca fofinha, devias ver a minha maquilhagem de hoje. estava estrondosa... deram-me 35 anos (era tanga de homem daqueles sabidões mas agora eu tb aprendi e menti. disse que tinha 36...rsrrsrr) um dia, tab vou enganar um desses bilionários e beber água quente e dizer que o chá de roibos é delicioso...do caviar já gosto, n preciso aprender. mas posso fingir que nem sei o que é beluga e que nunca vi um esturjão ... agora até já fumo sg gigante e finjo que é um brutal dum charro pra ver se me dá o sono (ai as horas...) agora que me apaixonei, não sei como vou gerir a minha vida, daqui pra frente.

boa noite a todos com beijos peganhentos XD

cabecinhapensadora disse...

Lady

não brinque, que é a sério:))

e como quase tudo que é a sérío nas pessoas, é subjectivo (tá, o gosto também se educa).

Tangerina

que tal a voltinha do luscofusco? Com a lua a despontar e tal, e a meninadalua lá na pontinha a espreitar :) ainda que ela quase não se veja, amanhã é lua nova, parece-me (sou muito de isto, luas e assim). As minhas mulheres não são meladas, não me acompanham pelos abraços, não me ligaram a elas pelos beijos ou pela pele. Ainda menos pela lágrima fácil. Esse não é definitivamente o meu género para coisa nenhuma.
Mas a ternura sim. E essa encontrei-a indistinta nos dois sexos. Talvez até mais no masculino. E ressalvo-a. Repito-a de memória. Desanima-me o pensamento de que existam pessoas sem esse benefício. No dar. No receber. Por serem vasos comunicantes :)

Pronto Lady. Tem aqui mais umas coisinhas para a PAIXÃO. Faxavor, o prato tá na mesa; o guardanapo é de papel mas pronto, a casa não dá mais :)) A maquilhagem fica-lhe bem melhor que aquele ar um nadinha "boring", mas caso queira voltar, a imagem é o que menos atrai. A Lady tem uma chave de sentido nas palavras que só lhe fica bem.

Nuno

As nossas não são bem críticas. São mais opiniõs puras, no sentido da inscrição subjectiva. As minhas, sim; não vi 'Trainspotting' ou 'A praia', não conhecia o modo de filmar deste realizador. Não leu comparações com o cinema português. Se quiser comparar, se calha, (e calha?) tem que dizer do nacional "Onde? Onde?". Este foi um bom ano de cinema. E além disso aprendi uma coisa, quando se perde muito tempo a criticar seja o que for, é porque vale :))

Nuno Guimas disse...

Cabecinhapensadora,

É evidente que respeito as opiniões de todos, aliás até gosto que sejam diferentes, pois muitas vezes aprendo algo de novo com elas, e chego a mudar as minhas. Quanto à comparação com o cinema português, ela foi mesmo iniciativa minha :), no entanto tenho de concordar que tenho uma falha de conhecimento de fundo, devido a aqui "à provincia" ;) só chegar o mainstream, que em portuguê é (para mim) muito mau. Vou esperar que a sua sugestão de cinema passe pela RTP2, que é onde ainda se apanha bom cinema em formato TV.

A Menina da Lua disse...

Bom dia!

Evista,

Ainda bem que tudo já passou mas atendendo aos maus hábitos que infelizmente existem nunca se sabe quando é o próximo incêndio a ser ateado:(

Blógico

"mas o filme é uma alegria para os sentidos de quem trabalha no mundo do cinema. Durante aquelas duas horas senti como se estivesse a ver Picasso a criar uma das suas telas, tal é a perfeição técnica do argumento, da realização, da fotografia, do som, e acima de tudo da montagem."

Eu não o consegui dizer com tanta expressão mas foi isso um pouco o que tambem senti :) claro que igualmente considero que o argumento está a cair um pouquinho para o romantismo e até um nadinha para o gosto fácil mas o realizador tornou-o numa forma muito engenhosa e criativa.
Francamente tambem gostei!

Cabecinha! Cabecinha!

Veja lá para onde manda a Tangerina passear, olhe se ela cai daqui a baixo.. Hoje começa a Lua Nova e pouco ou nada se vê por isso nem eu com as minhas asas a apanho:))

A Lua foi sempre um cenário mítico muito atraente principalmente em noites claras de Verão ao sabor de boa companhia, o mar por perto e música a condizer:))

andorinha disse...

Cabecinha

"Mas a ternura sim. E essa encontrei-a indistinta nos dois sexos. Talvez até mais no masculino. E ressalvo-a. Repito-a de memória. Desanima-me o pensamento de que existam pessoas sem esse benefício. No dar. No receber. Por serem vasos comunicantes :)"

Escreves estas coisas e depois não queres que nos apaixonemos por ti:)

Fiquei até com a lagrimita ao canto do olho...
Fica bem!

P.S. Não sou melada, sou sensível:)

Tangerina disse...

Cab, Andorinha e Menina,


Eu é que sou melada. Menti para não me expor aqui nuinha nuinha... ;-)

Das minhas mulheres, só há uma melada e sai à mãe. ;-)

E aqui vai um pedacinho de silêncio para vós:

http://www.tinet.org/~elebro/poe/neruda/neruda22.html

ou

http://www.tinet.org/~elebro/poe/neruda/neruda22.html



Toc Toc :-)

Tangerina disse...

era http://www.youtube.com/watch?v=PipP2kO2RCA

:-)

cabecinhapensadora disse...

Nuno

Parabéns pelo exercício da escuta/leitura:)) Admitir ser capaz de mudar ideias por ouvir outras, considerá-las, chama-se diálogo. Dar ao outro um lugar igual ao nosso. Só parece simples.
Boa Noite :)
PS: Portugal é um país provinciano. Somos todos daí.

Tangerina
je vous remercie

MONALISA disse...

Eu gostei do filme. Não tenho conhecimentos para fazer avaliações profundas e técnicas so bre o assunto, mas achei o filme cheio de ritmo, tanto pela música, como pelo constante avançar/regredir no tempo, inovador naquela amálgama de imagens não tratadas e, por ouro lado, já há muito tempo que não via no cinema uma história de amor assim. Gostei mesmo muito e acho que os Oscares forem merecidos, pois é uma filme que acrescenta algo ao que estamos habituados.

A Menina da Lua disse...

Tangerina

Je vous remercie oussi:)