domingo, dezembro 26, 2010

Porque alguém pode não ler os comentários!

...Em meados do ano passado tive um sonho. Era a continuação, eu e ele estávamos a acabar a bancada da oficina. As mãos dele eram mesmo as mãos dele, fortes, morenas, dedos compridos e nas palmas as linhas eram fundas. Nesse dia acordei com a ideia de acabar a bancada. Estava decidido o meu novo projecto: resolver o antigo. Fui comprando material, tomadas, parafusos, dobradiças.. Nas férias grandes construí a bancada, pintei-a com uma tinta de epoxy, organizei as ferramentas, pintei o tecto e as paredes, instalei umas luzes novas. No fim faltava o torno, igual ao dele que eu parti com uma investida de marreta enquanto me armava em serralheiro. Talvez um dia compre, quando estiver mais folgado. Acho que ele ia gostar do resultado final, no entanto só lhe ia sacar um "Tiveste bem, moço!" :)

Thora.

96 comentários:

pedro disse...

:)

A Menina da Lua disse...

:)

Paula disse...

Agora é que me baralharam toda... vou já sair de fininho antes que alguém me veja.
Thora?

FUUUUIIII..............

Paula disse...

Já voltei. Bem sabia que já tinha lido isto e, comentado também. Ai que cena. Tou cada vez pior.
Bart, bora lá aliviar a tensão!

Caidê disse...

O sentimento e o gesto não têm tradução literal: é fácil ficarmos abandonados pelas palavras. O meu pai falava pouco. Com 9 anos veio sozinho para Lisboa e já se sentia chefe-de-família. Era preciso ganhar uns magros escudos para prometer uma magra vida por aqui à mãe e às irmãs, que aguardavam a notícia numa aldeiazinha perdida de Coimbra.Do pai, só herdara a capa da guitarra e a memória de quando o punham em cima de uma mesa na adega a cantar o fado,enquanto o pai dedilhava as cordas. A tuberculose grassava, então. O Estado Novo,a 2ª guerra, os resquícios em isolamento.O pão escuro,as azeitonas, o fio de azeite.
O menino foi acolhido, como servo, suponho.Punha brio nos sapatos que engraxava. Punha brio, depois, assistindo aos cortes de cabelo e à manicure dos fidalgos que iam à barbearia na R. dos Fanqueiros. Punha brio na caligrafia, depois. Na escola, a geometria, o desenho geométrico e a pintura deviam colocá-lo também como o melhor .O fado, continuou a cantá-lo. Aventurou-se pelo teatro.
E os meus Excelentes eram tão suficientes para ele. Nunca soube cantar,nunca tive arte para pintar, não me aventurei pelo teatro.
Educou-me em poucas palavras: pedia-lhe 2 e 500 ao Domingo e ele dava-me vinte escudos. Eu ficava muito tempo sem lhe voltar a fazer pedidos.
Ensinou-me a nadar, por isso eu não tinha medo de ir até ao pontão no Estoril.
Mas quando escrever o meu primeiro livro, que seja autobiográfico, para que ele tome parte.
Como disse Yasunari Kawabata: "O tempo e o rio não fluem para trás". Despedimo-nos, um dia, corpo a corpo, a 24 de Dezembro. "Eu tinha (pouco mais de) 20 anos".

Cê_Tê ;) disse...

Muito bonito, thora.
Bonito sonho o teu.

Paula disse...

Caidê, além de ensinar a nadar pelos oceanos das palavras, ensinou-o que a HUMILDADE é fantástica. Parabéns!
Beijinho grande.
Paulinha

andorinha disse...

Não ler os comentários, neste caso, seria um "crime".

O Thora é um miúdo espectacular, sempre o disse.

E ele sabe que isto não é bajulação nem hipocrisia, não sabes, miúdo?:)))

Jinhos natalícios, de novo.

Canseiroso disse...

Então se Thora diz que o moço no seu sonho, elogiava as mãos fortes do pai (?)até se percebe.

Todavia, Thora, poderá narrar o sonho que lhe terá sido confidenciado por um dos homens,que tiveram como projecto construir uma bancada gay.

Gay, na medida em que o elogio por parte do moço, às mãos do homem, no mínimo, é sinal de mariquice.

Ou será Thora, um travesti?

(Digo isto na esperança de que ninguem leia os comentários...)

há com cada maluco.....

Anfitrite disse...

Não leram os comentários porque o senhor não deu tempo. É que às vezes as pessoas não vêm aqui só para ler os postais. E assim ficou descontextualizado. Parece que foi mais uma manobra de catedrático de um qualquer júri.

Já estava farto de música, não é? Era preferível aquela do que a execrável "jingle bells".


Caidê,
Mais uma vez parabéns por ter regressado. Sabe, eu despedi-me do meu, em vida, para todo o sempre, tinha eu nove anos, numa sexta-feira 13.

ana b. disse...

Achei o texto do Thora muito bonito;foi um sonho de uma enorme ternura e revela um grande amor pelo pai.
Apesar da,na última frase,haver qualquer coisa que incomoda,que destoa, desponta uma espécie de mágua,parece-me.
Como o compreendo Thora.
O meu pai também era parco em elogios,embora eu hoje saiba que ele tinha um enorme orgulho em mim.
O importante é perceber que a dificuldade em expressar os afetos em nada impede o sentir do coração.

Prof.

com as dicas da Anfi e umas googlagens na net,estou aqui estou formada em Juliologia.

Bartolomeu disse...

Bou-bos explicar, murcuões do ca... do ca... do carrapito da Dona Árora, quera pestiço e ninguem sabia!
Um gajo é parco em elogios para com os filhos, porque, tal como o Thora descreve, é um poeta e... não exterioriza essa poesia, ou seja, o amor paternal que sente, para não "descompor" o ramalhete.
Esta cena, vem desde o ancestral.
Gajo que é macho, viril, que "os" tem negros, sabe que este, é um mundo que assenta na competição, na lei do mais forte, do mais duro, e que, preparar um filho para estar à altura dessa competição, implica, para além do ensinamento no manejo de "armas" para que esteja habilitado a caçar, provindo desse modo as necessidades básicas do clã, que fique apto também a enfrentar com valentia os revezes da vida.
É claro que um homem também sofre e, que nesse sofrimento, também chora, mas, exigesse-lhe que mantenha sempre o sangue frio e a racionalidade, mesmo quando a vida o pontapea e toda a merda do mundo lhe caia em cima.
Entretanto... «Muito mais que o produto final, importa o processo.»
Porreiro, pá!

bea disse...

Thora
não sei se gostei do teu sonho. Foi um sonho e pronto. Os sonhos não se escolhem. Do que gostei foi do que não entendi como tal. A parte em que tu entras a sério - acabares o que era de acabar e te esperava à tempo na impassibilidade das coisas; e de teres posto tudo em palavras de mostrar. E muito obrigada por teres mostrado.
Sem projectos a vida vale nada, Thora.O que me pareceu do teu pai foi que projectava e cumpria com amor; não apenas a ti. A tudo o que cabia em tais planos. Não há economia de palavras, é comedimento, estariam por excesso.

Mas, como disse Anphy, não se excerta, enxerta-se e saem limões de uma tangerineira;

Senhor Professor

Não vai assim um escuro tão grande dentro de nós; a gente lê.
Mas o Thora e o pai merecem

A Menina da Lua disse...

Bartolomeu:)

Hoje as coisas mudaram um pouco... mas era de facto assim ou seja o papel paternal no passado, implicava distância afectiva e rigidez que fazia parte da preparação para a dureza da vida...

Contudo havia os que conseguiam ultrapassar as conveniências e eram naturalmente doces e meigos no trato, como o caso do meu pai que apesar de ter morrido muito cedo nos tratava a todos individualmente como meu querido(a) filhinho(a)e eu sentia-lhe a ternura na fala a transbordar...

Tambem era poeta com livros escritos e um deles é uma espécie de diário em que relata toda a sua vida privada; onde fala tambem dos filhos e hoje é muito bom ler aquilo que ele via e sentia em relação ao mundo mas principalmente ao que ele escrevia em relação aos que lhe eram queridos e a mim em particular...:)

Para terminar penso que apesar da dificuldade, existem muitas formas de manifestar carinho e amor mas hoje, em geral, continua-se a manifestar pouco e explicitamente os afectos.

Deixo aqui para reflexão uma frase dum antropólogo que me está adicionado no facebook e que é a seguinte:

"As pessoas que estão mais próximas de nós raramente nos dão o devido valor. A proximidade banaliza. Daí que quando alguns morrem, apareça todo um coro e elogios e lamentos, que parece ter sabor a remorso. Remorso de uma pessoa não ter sido mais apreciada (=estimulada) enquanto viva, isto é, enquanto existente. Parece que somos todos um pouco arqueólogos (ou tanatólogos...).

Bom dia para todos

Bartolomeu disse...

É verdade, Menina da Lua... hoje, todas as "coisas" são diferentes no "processo", do que foram.
Os métudos, adaptaram-se ás exigências sociais e quem teimosamente os quiser seguir, vai esbarrar com um muro de inadaptação e desenquadramento.
Contudo, mantem-se lactente no íntimo de cada um, desde os mais tenros anos, o instinto da perservação, o qual, inclui uma certa dose de violência, intrínseca a um sentido de auto-defesa, o qual, em alguns particulares se manifesta no gosto por brinquedos que expressam esse sentimento.
Quando eu fui criança e não existiam os action man e os transformer e mais não sei o quê, deliciava-me com os livros de banda desenhada com as estórietas do major alvega, do fantasma e as cóboiadas do david crockett e outros que afinfavam sempre nos malandros, em defesa dos xóninhas!
Cést la vie... uns têm de possuir um coração doce, mente justa e punhos rijos, para que possam impedir outros, que só possuem punhos fortes, dominem aqueles que só possuem o coração doce e a mente justa.
Hmmm?
Não percebeste népia?!
Xalá, eu tãobein nõe!!!
;)))

Paula disse...

Bom dia,
Ai Bart, tás cada vez pior meu.
Esta do Cèst la vie...uns tem...
demonstra bem aquilo que és. Isso! Para que uns possam ser os donos do mundo?... outros...Boa Bart.
Xalá teijas melhore.
Beijos murcoen.
Paulinha

Bartolomeu disse...

A "coisa" tá brába Paulinha... será debido ao frio?!
Bais ber qué isso...

Fora-de-Lei disse...

"Talvez um dia compre, quando estiver mais folgado."

Thora: estou convencido que tu és um tótó que nem numa chave de fendas sabes pegar. De qualquer forma, e já que não tens tempo para comprar um torno de bancada, o melhor é comprá-lo online... ;-)

ana b. disse...

Bartolomeu,

não o sabia da Arruda dos Vinhos.
Vai na volta já nos encontramos no restaurante do bacalhau... O Fuso,será?

ana b. disse...

FDL,

o Thora pode não saber pegar numa chave de fendas, mas sabe escrever e bem!

thorazine disse...

Ei pá, o meu comentário foi promovido a post! Ena ena! :D

Amphy, tens razão, é enxertos! Mais valia ter dito "clones", que é a nomenclatura actual e estava feito.. Excerto foi o que o prof tirou do meu texto.. :))

Ana B.,
Eu também sei que o meu velho tinha orgulho em mim, mas que demorei tempo a perceber isso é também verdade! :)



Bea,
"O que me pareceu do teu pai foi que projectava e cumpria com amor; não apenas a ti. A tudo o que cabia em tais planos. Não há economia de palavras, é comedimento, estariam por excesso."

Maybe, maybe..mas sabes que quando estás a crescer procuras sempre aprovação, e se não encontrares nos teus pais/educadores vais procurar em qlq outro lado! Por isso acho que palavras nunca são a mais, na adolescência somos um bocado nabos e mesmo o que está de forma evidente à frente dos nossos olhos têm de ser dito para o percebermos. Eu pelo menos senti isso, e só anos mais tarde começo a perceber certas coisas que na altura não eram tão claras..

FDL,
Pash! Se quiseres dou-te umas aulas de carpintaria ou serralharia para poderes pôr o teu miúdo a brincar como um HOMEM! :)))

Ires ao Aki comprar um torno é a mesma coisa que ires à pizza hut comer comida italiana..ehehehe! É que folgado não era de tempo, era mesmo de guito!

http://www.manutan.pt/tornos-paralelos-de-bancada_M1728-40.html

A Menina da Lua disse...

Bartolomeu:)

Percebi assim assim:) mas isso tambem não interessa pra nada ou melhor interessa saber que é uma pessoa muito bem disposta:)

Fora-de-Lei:)

Como sempre com o seu pragmatismo de estimação:) enfim! tem as suas vantagens...é um conselho prático não há dúvida!:)

Eu tambem desconfio um pouco das capacidades rústicas de carpinteirice do Thora, pois parece-me uma pessoa muito urbana...mas quem sabe! talvez a lembrança do pai o tenha feito esmerar-se...:)

Bartolomeu disse...

ana b.;
sou capaz de jurar, que em todos os restaurantes que existem em Arruda dos Vinhos, servem bacalhau.
;)
Mas sim, o Fuso é aquele ícone que, para grande surpresa minha, identifica mais a terra, que o seu próprio topónimo.
Já agora, toma lá uma "dica". Quando coltares ao Fuso, quer escolhas o bacalhau, ou o costeletão, se aprecias vinho tinto, pede o "Erva Pata" colheita de 2006.
Quando saíres a porta do Fuso, olha à tua direita, por cima dos telhados, verás um monte... é meu!
Quer dizer... é do mundo, mas pronto, comprei-o o que me dá a falsa ilusão de me pertencer.
Pfhhh... os humanos são mesmo aparvalhados... passam por aqui uma fracção irrisória de tempo e já acham que tudo lhes pertence...

Bartolomeu disse...

Tem dias, Menina... uns mais que outros, comos os interruptores mas, o saldo apresenta-se positivo.
;)

thorazine disse...

ameninadalua,
também você a duvidar das minhas capacidades artisticó-carpinteiras? :))

Fora-de-Lei disse...

thorazine 1:24 PM

"Se quiseres dou-te umas aulas de carpintaria ou serralharia para poderes pôr o teu miúdo a brincar como um HOMEM! :)))"

Para tua informação, posso dizer-te que o meu puto já fez algumas peças num torno mecânico para madeira que eu tenho em casa. E foi aqui o pai - o je - que o ensinou a mexer naquilo, como é óbvio.

Quanto à$ tua$ folga$, a malta do murcon pode fazer uma vaquinha para tu poderes comprar o torno... ;-)

A Menina da Lua 1:28 PM

"Eu tambem desconfio um pouco das capacidades rústicas de carpinteirice do Thora..."

Eu desconfio doutras coisas... Quanto à sua (dele) rusticidade, acho estranho a menina da lua ainda não ter topado que ele é um bimbo de primeira... ;-

thorazine disse...

FDL,
Quando chegar a casa vou tirar umas fotos à bancada da garagem e até te mostro o laboratório que construí (a pia e os móveis)..ahah :)

Vais engolir esse "bimbo".. :)))

A Menina da Lua disse...

Thora

:)

Vai ver que ele vai adorar...e fica cheio de inveja:)

ana b. disse...

Força Thora!

estou a torcer por si.

Bartolomeu,

aceito de imediato a sua sugestão para acompanhar o bacalhau. Parece-me bem!
E prometo ficar de olho no monte...
para ver se o vejo,claro!

Não estou num monte,mas garanto-lhe que estou num sítio bem bonito. Ora espreite:

http://www.youtube.com/watch?v=vr_1woABiwU

http://www.youtube.com/watch?v=AoHlj_-8Wh0

era aqui que passava os fins de semana e as ferias de verão durante a minha infância e adolescência...
embora muitas vezes contrariada, devo dizer.

Paula disse...

És sacanoide Bart, apanhas-me fora de cena e fazes logo o convite á outra.
Quando chegares ao monte, diga-se onde estou, vou mostrar-te o caminho para o MONTE DOS INFERNOS, tás a ver? Agora não te esqueças de trazer a outra atrelada...Podes trazer o Thora, que já vi que tem parlapier. Compraste os jesuitas? Se o saldo se apresenta positivo?... compra lá umas de "erva pata" para deixares de estar aparvalhado.

Jorge Manuel Brasil Mesquita disse...

Tanto vigor, para se construir uma vida, na bigorna de um instante...
Jorge Manuel Brasil Mesquita
Lisboa, 27/12/2010

Bartolomeu disse...

ana b. estive 5 dias em S. Miguel ha pouco mais de um mês. Percorri a ilha toda, em 3 dias fiz cerca de 600 km com um carro alugado, é maravilhosa. Tive sorte, no dia da chegada o tempo estava mau, mas nos restantes esteve óptimo. Acho que conseguia viver aí.

Bartolomeu disse...

Sacanoide é o quê concretamente, Paulinha?
Sabes muito bem que a minha ideologia é a diversidade e o tudo ao molho... não ha nada que estranhar!!!
;)

Caidê disse...

Ana b., vc está no paraíso? Paulinha, agora deu-lhe prá inveja? Bart, vc vê Vénus daí desse monte? É que com a sua sugestão e a da Ana podemos sempre reencaminhar o nosso destino.
Thora, espero que não tenhas ouvido "O amor é..." de hoje da RTP-N. Prof., discordo totalmente: os homens, o sexo fraco? Então, e as mãos? Além do mais, devo aos homens da minha vida a mulher que sou. Duvida da complementaridade? Que discurso machista! Não o esperava de um sexólogo. Esperava outro género :-)

Caidê disse...

É ou não a voz de um homem? Eu não dizia?!
http://www.youtube.com/watch?v=QWCzhNRzOhU

Bartolomeu disse...

Sempre, com vénus presente no meu caminho, Caidê. Intreposta entre mim e o prazer infinito do cósmus, sempre complementar, sempre colaborante!
Gosto desse "reencaminhar" Caidê, deixa-me acreditar que possuis uma alma aventureira e intrépida, destinada a grandes conquistas e à descoberta de novos mundos!
;)

ana b. disse...

Bart,
Acima de tudo,a Caidê revela jogo de cintura e essa qualidade fantástica de se permitir mudar de rumo.
Não há nada pior que as ideias fixas.

Folgo em saber que gostou da minha terra.
Nasci e vivi aqui até aos 18 anos, altura em que fui estudar para Lisboa e me quedei por lá...mas sempre com visitas regulares à casa da mamã!
Gosto de toda a ilha mas as Sete Cidades tem uma magia própria;ali o tempo parece suspenso,e às margens das suas lagoas não chega o barulho do mundo.

Ainda bem que apanhou bom tempo; o clima aqui é muito húmido e chuvoso,por isso é tudo tão verdejante.
Mas eu gosto dessa espécie de bruma que paira sobre a ilha; confere-lhe uma aura mística...

thorazine disse...

FDL,
checka aí: http://picasaweb.google.com/phenothiazine/Garagem?authkey=Gv1sRgCP_Lwd6Q05ye6AE&feat=directlink

A estrutura da bancada foi feita em madeira e o tampo em MDF revestido a epoxy.. :) É resistente à abrasão, por isso é que é metade oficina e metade laboratório! Só tirei um dúzia de fotos porque está um briol do caraças e eu estou gripado, mas já dá para ter uma noção..

http://picasaweb.google.com/phenothiazine/ChemistryHomeLAB?authkey=Gv1sRgCNaqrLnquOT17AE&feat=directlink

As fotos do lab são mais antiguinhas. Comcei a monta-lo com a ideia de desenvolver uns projectos em química orgânica/inorgânica, no entanto agora estou mais numas de fazer uns vídeos de química didática. Mas só dá no verão, no inverno rapo um frio do catano qd me ponho lá a trabalhar.. :)))

thorazine disse...

Ah..o armário laranja tb foi contruído por mim, fiz a instalação de água e esgoto. O branco da parte de baixo também, mas esse foi com restos de madeira que tinha por aqui, por isso é que tem um acabamento foleirote. :)

Quem é o bimbo, pá? :)))

ana b. disse...

Thora,

parabéns pelo laboratório.
Nunca duvidei da sua existência mas não o imaginava tão completo.
É um rapaz muito talentoso.Felicito-o por isso.

Canseiroso disse...

O meu era igualmente forte e acreditava eu,que só ele podia com a espada do D. Afonso Henriques.

Um dia pintou uma bola de ferro, do tamanho das de futebol e no lusco fusco do sítio onde tinha a bancada,pediu-me que rematasse à baliza.

Tomei balanço e antes de rematar com quanta força tinha, lembrei-me se a bola teria pipo...

Parei, tentei pegar na bola e verifiquei que a mesma não se movia.

Desisti de acreditar que o meu pai pudesse alguma vez com a espada do nosso primeiro rei.

Caidê disse...

Thora, é um espaço de trabalho e peras! Até para desenvolver a Química é preciso ter arte e mãos carpinteiras. Uauhhhh!

Ah,Bart! Às vezes, temos de nos desviar de Quibir, mas porque não abrir uma Passagem para a Índia?

Paulinha, em privado, o Bart confessionou-me que já tem a reserva de 2006 da tal erva. E já que ele é tão generoso a aceitar complementaridade e colaboração, bora ajudá-lo com o molho da dita erva?

Já acabei de ler "a identidade", e agora divido-me entre Augusto Cury e D. Afonso Henriques, enquanto o professor João dos Santos assiste em silêncio, de cima da minha bancada de trabalho, à espera de um recomeço. "Chego para todos!" - digo eu. "Ainda tenho uma semana para acabar o trabalho de casa".

E não quer dizer que não me divida pelo cinema. Sozinha não digo: as salas de cinema costumam ser povoadas.Não importa nada como se lá chega, se o estacionamento não for difícil :-)!

Canseiroso disse...

João dos Santos, o Coménio dos dias de hoje, que de bancadas pedagógicas e meninos percebem bué, mas de mãos sujas ... nem por isso.

Caidê disse...

Os professores são sempre melhores quando percebem de meninos. Fracos são quando só conhecem alunos. E os melhores professores serão certamente os que entendem os meninos que chegam à escola com as mãos por lavar, o nariz por assoar e o sonho por embalar.É com esses meninos que o bom professor se dispõe mais rapidamente a ter lições, pois quem sabe se no dia seguinte esses meninos irão à escola.

Paula disse...

Caidê, já estou por aqui, na estrada à espera. Como é, o Bart cortou-se outra vez? Sempre o mesmo, esse... deve andar a procurar os azulinhos, só pode. Olha vem com o Thora, gosto de conversa- A seguir a... nada melhor que uma boa partidinha de palavras, inspira para a próxima conversa?...
Beijos muita loucos. Paulinha

PS- agora dá lá um intervalinho... estou a queimar calorias. Tás aver o Natal, não tás? Barrigas e estômagos, não aprecio muito.

Fora-de-Lei disse...

thorazine 6:24 PM

As "carpinteirices", incluindo a bancada, mereciam mais atenção e profissionalismo da tua parte.

Quanto ao lab, not bad. Com excepção do microscópio que mais parece daqueles que se compram no Toys R Us para os putos brincarem aos cientistas.

Para além disso, se a judite o descobre é capaz de te fazer uma visitinha só para ver o que é que tu andas por lá a processar... ;-)

Anfitrite disse...

Caidê,

Voltando ao basement, não sei se se lembra que "O Império dos Sentidos" é baseado num caso verídico, portanto só podia ter aquele fim.
Para eles o HaraKiri é considerado um acto sublime.

Canseiroso,

Ou você na altura não tinha os conhecimentos, que tem hoje, de História, ou a confiança no seu pai já não era muito grande, porque o D. Afonso Henriques, era um desgraçado dum aleijadinho, diminuido físico, que foi abandonado pela mãe e foi o D. Egas Moniz que tomou conta dele e o criou.

Ana b.
Em sua consideração mudei a minha foto de perfil, temporariamente, para que vejam as lindas Cattleyas, que me foram oferecidas, e que estiveram a aguardar viagem dentro de um bidé.
Também tenho uma yuca, estrelícias, uma largestroémia índica e muitas mais, de que não consigo mostrar imagens porque não tenho a arte do Thora. Ainda trouxe um saco carregado de ananases, que me deu a minha amiga Fátima Coimbra e que já se foi num ápice com um caranguejo. Mais as morcelas feitas de encomenda, que me rebenteram a asa dum saco, e que só não paguei excesso de bagagem porque foi feita a pesagem em conjunto e foi uma pessou de propósito ao aeroporto, falar com alguém. Até tive a sorte de me cruzar no portão com o Mota
Amaral, a quem estive a mostrar as
flores, e que também serviu de check-in. Não é só a ilha que é linda, são as pessoas. Que belos fondues comi. que ricos pequenos almoços tomei no mercado, ou na praça, não sei como vocês lhe chamam, com uns queijos (traidores), que chegavam todos dias de manhã.
Mas tal como o João de Melo e o Onésimo Teotónio de Almeida, acho que não conseguiria estar muito tempo, porque eu tenho de estar num lugar de onde possa sair pelos meus pés, ou então ir para o abismo de vez(por isso adoro andar de avião).

FDL,
não há torno, nem garrote que o façam ser menos acutilante. Se a Judite também viesse ao meu jardim encontrava umas lindas popoilas repolhudas e que são lindas. Pena é durarem tão pouco tempo. E o viço é tal que tenho de ajudar no nascimento para que a corola brote.

Canseiroso disse...

Caidê

«Os professores são sempre melhores quando percebem de meninos»

De acordo.O problema é quando, as professoras maioritariamente, eternizam a meninice nos jovens,projectando neles a sua própria dificuldade de «crescimento».

Mas que longa seria esta discussão...multidisciplinar.

Paula disse...

Prontos, fim de festa- hoje estou com a Carissima Anfitrite e as suas lindas papoilas repolhudas.
Caidê, bora lá dormir que já se faz cedo.
Canseiroso, toca a ir dormir- Bora? Então vamos, deixemos essas discussões para oqueles com dificuldades de crescimento. Isto não é para nós.
See you soon Babies...........
Paulinha

ana b. disse...

Anfi,

fico feliz por saber que gosta da minha ilha.
Eu vivo em Lisboa por opção,embora não me incomode ter mar à volta.O que me incomoda mesmo é a falta de cinemas.Fico logo a ressacar...

Falou no Onésimo. Conhece-o?
Small world...

thorazine disse...

:))

FDL,
e o microscópio é mesmo do Toys'R'us :)))..recebi-o com 8/9 anos! Encontrei-o intacto no sotão praí há dois anos, com preparações de plantas e bicharada dos idos 90's! Agora uso-o para ver cristais, colóides e essas cenas mais a grosso, um dia vou ter um a sério.. (vem com o torno..eheh).

thorazine disse...

Quanto ap prefeccionismo é verdade, podia ter sido mais cuidada. Mas primeiro falta-me as ferramentas e segundo falta-me a prática. Mas está de pé há um ano, estou contente.. :)))

Caidê disse...

Paulinha, um intervalinho merecido, diga-se. Que soninho regalado e com histórias infantis à cabeceira.

Oh, Canseira ... finalmente ficámos de acordo. Tou contigo Meu! E que saia um buerere para todos os murcónicozitos.

Anfi, papoilas? Opiáceos?! Carago, ganda cana! Não dá para e-mailar um ananás prós amigos? Já cá tenho a picanha.

E ainda não fui ao cinema. Doença crónica: muito espreguiças, está na cara.

Vi O Império dos Sentidos tv em 1990. É forte, mas sublime. Códigos de honra e dignidade. Acho que o Durkheim não deixou o suicídio ritual dos japoneses muito bem tratado. É egoísta ou altruísta, esse?

Já Cury diz que o suícida não quer libertar-se da vida, mas da dor. Da vida, ele tem, afinal, fome e sede. Mas Cury é Psi: quer saber da alma. Mas não é que passe ao largo dos fenómenos colectivos!

Paulinha, Ana b., Amphi, Andorinha, Menina da Lua, Bart, Thora, Canseiras, RAM, etc, etc então onde é que rumamos virtualmente na Passagem de década qu'aí vem? Não muda nada?

Fico com o Afonso, pelo menos até chegar o Sancho nº 1. Ou até ter notícias vossas.

Sestas baris.

Caidê disse...

Oh,oh.. que belo acordar.
http://www.youtube.com/results?search_query=pablo+neruda+si+tu+me+olvidas&aq=f

bea disse...

Thora
maybe. Como a andorinha disse ao professor, "és um sortudo". É certo que até a memória funciona um pouco à nossa revelia, mas reli o que escreveste - e não só o excerto - e o que descreves são gratas lembranças. Até eu fiquei a gostar do teu pai :) Mas também existem más memórias. E falta delas.
Não concordo muito com essa dos jovens quererem a aprovação dos pais e irem procurá-la fora se a não encontram em casa. Interessa que tu - se fores pai - estejas, que saibas (e nem pouco mais ou menos de tudo), não tanto que aproves.

ana b. disse...

Caros Murcons,

Eis-me de novo na capital.
E já pronta para uma fitinha...

Thora,

não ligue a comentários maldosos;aquilo parece ser só cotovelite aguda...

Caidê,

eu já estou de volta, mas não me incomodo nada de partir outra vez!

Caidê disse...

Querida ana b., seja bem-vida! Não há cá canseiras, nem alibis para elas - que as partidas podem bem ser felizes.

Ai, agora é que eu ia a Paris. Pois a Roma só vou para a Páscoa. Dizem...

Tá ou não na hora do ritual?
Cedo? Os bebés já dormem!... Ah, pois é: este é o canal dos crescidos.

E onde andará o nosso maestro?
Para as Caraíbas? Sem nos contar patavina antes? Perfídia.

Mas Cury diz que perdoar é a forma mais simples. É que o Registo da Memória Automática é que manda. Vou reeditar. Memórias como essas dispenso.

Thora, então e as tuas habituadas sugestões? Costumava gostar. Criaste um vazio rapaz. Não! Não tiveste bem. Deixaste o pessoal com saudades.

thorazine disse...

bea, :)

ana b.,
maldosos? Toda a gente sabe que aqui o FDL é só garganta, falou no torno mecânico mas mostrar o que faz nele nem vê-lo! É o cromo cá do place! Fala, fala..mas nunca se chega à frente..

caidê,
que não seja por isso, aqui vai o Ricardo Gervásio a falar da arca de Noé: http://www.youtube.com/watch?v=sDeJEtHZ-KU

thorazine disse...

Sugestão musical: http://www.youtube.com/watch?v=gproa6vzgws

"I take one one one cause you left me and /two two two for my family and /three three three for my heartache and /four four four for my headaches and /five five five for my lonely and /six six six for my sorrow and /seven seven for no tomorrow and /eight eight I forget what eight was for and /nine nine nine for the lost gods /ten ten ten ten for everything everything everything.."

;)

Caidê disse...

Thora, grande contador de histórias! Eu bem dizia que fazias cá falta, boy!

Bart, tás a ver no que é que deu aquela do embarcar aos pares? Isto está crowded, man. And desolated!

Da tua sugestão musical também gramei. E do poema que excertaste devo dizer que faz todo o sentido. E porque é que eu me lembrei dos Black Sabath? Tem nada a ver.

Bom malta, esta tb não tem nada a ver, mas que é giraça é:

http://www.youtube.com/watch?v=bFXQOGJn_gE

Nanem fofos.

Paula disse...

Ai Caidê, poes-me T. Ouve lá a melhor cena que se fez até hoje... nem acredito que não conheças!
Bora lá- U2- ONE!
Dorme bem e, não esqueças de levar...
Beijos Murconsitos Babies.
Paulinha.
Fora isso, só mesmo uma mini com tremoços e coisas parecidas.

Fora-de-Lei disse...

thorazine 1:59 AM, 2:02 AM

Thora, o que interessa é teres um sítio onde possas fazer os teus "trabalhos manuais". E, já agora, os meus parabéns por não teres problemas em "sujar as mãos" com carpinteireices, serralheirices e afins.

Anfitrite disse...

Caidê,
Eu estou mais com o Cury do que com o Émile.
Até estou a pensar inscrever-me na tal clínica suiça, antes de perder a consciência.

Anfitrite disse...

Ana b.
Eu só vi o O.T.A. uma vez, porque fui ao falecido "Diário de Lisboa" porque me avisaram que ele estava cá e ía lá tratar de qualquer assunto, porque eu queria que ele me autografasse um livro dele, que eu acho precioso. Chama-se o livro
"(Sapa)teia Americana". Nunca vi um relato tão perfeito do que é a emigração Açoreana. Chorei de riso e de sentires. É uma peça preciosa que eu não empresto a ninguém, porque além de ser 1ª e penso que única edição e autografada, não se pode perder. Tal como "O Gente Feliz com Lágrimas" do João de Melo. Acho que só quem visitou uma comunidade de emigrantes, nos eua ou no Canadá, consegue realmente sentir o que eles dizem. Não sei porquê no segundo até me lembrei dos "Cem Anos de Solidão". E por causa disso se gostou deste livro e ainda não leu, recomendo-lhe "O Deus das Pequenas Coisas" de Arundhati Roy, que é um drama semelhante mas passado na Índia, saído das mãos sensíveis duma mulher.
Peço desculpa por esta recomendação, porque eu já fui insultada neste blogue precisamente porque recomendei os livros citados a alguém e o melhor que me disseram
foi "que não aceitavam conselhos de ninguém". Eu tenho a mania de ser muito sincera e muito franca naquilo que digo, e pelo menos acho que algumas vezes já pus as pessoas a falar de si e não só a tudosofar, como diz o Bartolo.

Paulinha,
se quiser umas sementes eu tenho, porque elas proliferam que se fartam.

Neste final de ano desejo que todos sejam Felizes para sempre.
☺♫♫♫♫♫♫♫☺
A.B.

A Menina da Lua disse...

Thora:)

Está a ver como o FDL gostou!

Engenheirices é com ele!:)

ana b. disse...

Anfitrite,

eu até gosto de sugestões e com frequência as sigo.Não há nada pior do que estar fechada ao mundo.
À laia disso já li/ouvi/vi verdadeiras pérolas, que de contrário perderia. Comigo está à vontade.
Em relaçao aos livros que mencionou, eu já os li todos, com exceção(eu já estou a tentar escrever segundo o novo acordo ortográfico, mas há palavras que me parecem muito mal) do (Sapa)Teia que me está prometido pelo autor.
Se gostou do Sapateia irá certamente gostar do "Monin dum corisco".É uma peça de teatro hilariante que retrata magistralmente as colonias açorianas na América.Tem partes que é de partir a rir...
Aliás,uma das coisas que eu mais admiro no Onésimo é precisamente o seu sentido de humor.
Grande parte da minha familia paterna emigrou para o Canadá e para a América, por isso aquela realidade me é tão familiar, embora eu nunca tenha lá estado.
A propósito, se gosta de o ler, espreite as crónicas que ele publica mensalmente na revista LER: são imperdíveis. É a primeira coisa que eu leio mal abro a revista.

Anfi, só mais uma sugestão: o filme de animação "O Ilusionista" do mesmo autor do "Belleville Rende-vous",baseado numa historia do Tati.Acabei de chegar do cinema: Imperdível!!
E o "Persépolis",viu?
E a "Valsa com Bashir?
Todos imperdíveis!!
Oh Meu Deus, tanto fime e tanto livro nesta mundo e eu sem tempo.

Paula disse...

Anfi, estou só de passagem. Obrigada pelas sementes, aprecio mais coisitas bem e já criadas.
Bj
A MINHA DROGA SOU EU PROPRIA/ Narcisica, eatá a ver?...embora goste de outros- já alguns AMO!

Caidê disse...

Volto ao fim do dia para dizer o que já sabem: sou particularmente sensível.

Os noticiários não param de noticiar a falta de futuro para tantos portugueses. O ano da Peste Negra parece vir aí a cavalo no desalento.Mas que vento, Deus meu!

Já tratei de idosos. Era a solidão. Era a violência passiva - a negligência. Era a falta de dinheiro para se aquecerem nas noites e dias frios. Era a falta de nutrientes à mesa. Eram as dores - crónicas.Eram as contas por pagar na farmácia. Por vezes, era a pena dos que não podiam compreender aquelas dores - não as sentiram, não lhes tocaram, nem as viram com os olhos da beleza, da ternura, da empatia e da urgência.

Tanta gente à espera de morrer.

Já entrei em casas sem pão, sem móveis, e com crianças. Já vi cabeças infantis com piolhos e famílias sem dinheiro para um shampoo.

Cai neve na minha montanha. Ai se ela pudesse ser mágica!

Chamam democracia a esta crueldade de falta de valores?

Haviam de ter "Um dia após outro dia na vida de quem assim sofre".

Isto já não precisa cavaco de políticos por mais alegres. Precisa de nos fazermos uma igreja apenas.

http://www.youtube.com/watch?v=UuHDceDUSyU&feature=related

Desculpem ter hoje acordado com a boca amarga por falta de tantos beijos.

Paula disse...

Caidê, esteja como se em casa. Por vezes temos que desabafar. Deixe que o poderio, precisa de eleitorado. Qualquer dia estão a falar para os ET. Algo tem mudar, beijinho grande para si.

Caros murconsitos,

A proposito de trabalho que estou a fazer, aceito sugestões/opiniões sobre: Maçonaria/ e ou Opus Dei.Não me confundam, ham pessoal?...
Obrigada.
Paulinha

Anfitrite disse...

Caidê,

há vezes há beijos de fel ou de Judas.

Eu sei que às vezes com um beijo também se esquecem as dores, ou as cólicas no estômago. Um dos maiores males deste paía é a falta de solariedade. E infelizmente para mim não acredito em
ninguém que vejo na TV. Até os srs. abades das Uniões das Misericórdias ou IPSS, só falam para o Zé povinho ouvir, porque "em casa de ferreiro espeto de pau".

Tome lá esta linda canção para relaxar e para provar que em Portugal, afinal, ainda há vozes lindas.

http://www.youtube.com/watch?v=KFeNARvBfrM


Ana b.,
Quando vim ver o seu comentário, tinha acabado de ler um artigo antigo na revista LER, sobre Piteira Santos, escrito por PP.
Ainda bem que eu disse antes que não emprestava o livro, mas agora até estou comm remorsos.

Caidê disse...

Anfi, as suas sugestões são sempre pérolas, qual beijos.
Paula, essa matéria também me interessa, quem dera saber mais. Agora ando numa de Templários.
Nanem fofos

Bartolomeu disse...

Que bonito cavalinho, Caidê...

ana b. disse...

Anfi,

não fique com remorsos;mais dia menos dia o livro está a bater-me à porta...
Já agora recomendo-lhe um outro, que estou neste momento a degustar: "Que nome é esse ó nézimo?" É um conjunto de crónicas deliciosas, escritas entre o final da década de 70 e inicios da de 90,que terminam invariavelmente com uma nota de humor à Onésimo. Excelente!

A Menina da Lua disse...

Caidê:)

Tambem gostei do cavalinho! é giro! e a dona tambem...:)

Caidê disse...

Bart e Menina
Depois da minha Petra (com quem falo bué) o cavalinho é o animal com quem mais simpatizo. E nunca me deram essa prenda de Natal...mas eu pedi.Até os de pau são encantadores e também dão para viajar. Já os marinhos são um exemplo da Natureza - os papás é que são mamãs. Adoro contar a história do Agualusa aos meus meninos. Os homens só podem mimetizar (pela couvade).

thorazine disse...

Prof,
http://www.publico.pt/Sociedade/aprendemos-que-nao-era-uma-loucura-descriminalizar-a-droga_1472909

Obrigado pelo seu contributo neste excelente trabalho feito na comissão! Foi um grande primeiro passo para o trabalho que actualmente se pode desenvolver nesta área.. ;))

Xelim's Skull disse...

Demasiado acriançado...

Fora-de-Lei disse...

A Menina da Lua 12:01 PM

"Thora:) Está a ver como o FDL gostou! Engenheirices é com ele!:)

Ora nem mais...!


Paula 11:14 PM

"Caros murconsitos, a proposito de trabalho que estou a fazer, aceito sugestões/opiniões sobre: Maçonaria/ e ou Opus Dei..."

O segredo da Maçonaria

Uns putos estão a jogar à bola mesmo em frente a um templo maçónico. Um chuto marado na bola faz com que esta entre por uma das janelas e caia em plena reunião de maçons. Quase de imediato, um dos putos resolve saltar pela janela para ir buscar a bola. Os maçons, indignados com tamanho desrespeito, agarram o puto, violam-no e mandam-no pela janela fora. Quando o puto cai no meio da rua, os seus amiguinhos cercam-no e, cheios de curiosidade, perguntam:
- Afinal o que é existe lá dentro do templo ?
E o puto responde:
- Agora sou maçon, não posso responder !

Opus Dei, junto a Franco y Pinochet

La "Obra de Dios", que acompañó de la mano a próceres del mundo como Franco (España) y Pinochet (Chile), te invita a formar parte de sus filas... Una larga tradición de dictaduras y violaciones a los derechos humanos está asociada a nosotros desde nuestro fundador Escrivá de Balaguer, santificado por Juan Pablo II.
No dudes en acercarte a nosotros y sigue los pasos de San Josemaría Escrivá de Balaguer.

(Aprovechamos de invitarte a ser numerario o supernumerario y vivir con nosotros... Habrá una serie de servicios domésticos sin tener que encontrarte con las nanas, y sin recibir de ellas, por ende, ningún tipo de reproche...)

ana b. disse...

Caro Prof. e restantes Murcons,

Tem sido um enorme prazer, partilhar convosco este final de ano.
Tropecei acidentalmente neste blogue. Recomendaram-se a leitura de um post do BlogOperatorio , e ao fazê-lo, encontrei uma referência ao Prof. e ao seu blogue.
Por curiosidade e por o Prof. me inspirar credibilidade e simpatia, abri-o.
A principio, devo confessar, senti-me um pouco perdida mas, como rapidamente me apercebi, tal devia-se ao facto de funcionar como uma espécie de comunidade restrita, já com historial.
Agradou-me essencialmente a ausência do "botaabaixo" gratuito e da maledicência rude e mal-educada, infelizmente tão comum na blogosfera.
Atrevi-me a participar.
E encontrei um grupo de pessoas inteligentes, simpaticas e cordiais no discordar, raro nos dias que correm.
Obrigada por me terem acolhido.
Um feliz 2011 para todos.

Paula disse...

Boa tarde,
Fora da Lei, obrigada por ter respondido. Até deu para rir.

A todos, entrem o ano com os 2 pés.
Beijinhos a todos e até para o ano.
Paulinha

Caidê disse...

To whom it may concern :-) !

Não! Agora a sério, é mesmo para todos. Dos mais aos menos palradores, vamos continuar em amenos "puxa-sacos" por 2011, bora lá? Não muda nada :-)! "E precisa"????

Em primeiro lugar, uma homenagem ao nosso anfitrião:
http://www.youtube.com/watch?v=U6tV11acSRk&feature=related

Em segundo lugar, por um mundo mais sensato, podemos cantar a muitas vozes:
http://www.youtube.com/watch?v=CnzmPrsLXn8

Em terceiro lugar, ou não fossem as sexualidades somehow important, indeed, não nos fica mal uma canção de ternurinha, daqueles amores à antiga, dizem...

http://www.youtube.com/watch?v=a_csEEI4PFE&feature=related

Que 2011 traga surpresa, futuro, vitalidade e muito amor para todos vós.

Assim seja.

Hoje e mais 365 noites que aí vêm

Nanem felizes.

AQUILES disse...

GOSTARIA QUE FOSSEIS BONS PARA O ANO DE 2011.

Fora-de-Lei disse...

thorazine 10:03 PM

"Maldosos? Toda a gente sabe que aqui o FDL é só garganta, falou no torno mecânico mas mostrar o que faz nele nem vê-lo! É o cromo cá do place! Fala, fala..mas nunca se chega à frente.."

Thora, normalmente ofereço as peças que me entretenho a fazer. Mesmo assim, descobri algumas que tinha aqui em casa. Como poderás verificar, não é tanga - ó bimbalhão do caraças !… ;-)

Votos de um 2011 feliz para todos, de preferência sem Sócrates e/ou sem Passos Coelho.

Condessa de Til disse...

Cher Fora,
Não é pauvre no pedir. Sem ambos só com uma intervenção muito especial.
Já contratou le hitman? Ou em alternativa, em vez de tornear no seu atelier será melhor passar a bombear.

Bom Ano à tous.

Cê_Tê ;) disse...

Votos de Bom Ano para todos.
Bjnhs
(Todos menos um- que o meu vai direitinho para o Fernando Nobre;)

A Menina da Lua disse...

Cê TÊ :)

Mas há mais a votar o mesmo:)

Como estou mesmo mesmo de saída desejo a todos um BOM ANO e em especial para o Professor.

Beijinhos e cá nos encontramos para o ano...:)

andorinha disse...

Desejo a toda a maltinha e ao nosso murcon-mor um Bom Ano de 2011.

Beijinhos.

Até para o ano...

Caidê disse...

E Dilma abre portas...

Su disse...

gostei de ler....:)

prof é obvio q não leio todos os comentários!!!!!!!!!!!!não lhe explico o obvio...



estamos em 2011 ainda não dei conta da diferença
jocas maradas....sempre

Anfitrite disse...

UM ANO BOM E JUSTO PARA TODOS.


É verdade Caidê. Com mulheres à frente, ou nos lugares cimeiros, nas grandes democracias, talvez isto melhor um pouco. Quem diria que a maior colónia portuguesa, viria tão cedo a ser governada por uma mulher. Foi porque alguém lhe deu a independência, em vez de ter mantido a guerra para explorar e conservar as outras.

E para alertar consciências aqui vai mais uma pérola feita de lágrimas. Oiçam a voz e vejam as imagens.

http://www.youtube.com/watch?v=RV_QGRIvMSk&feature=related

e já agora:

http://www.youtube.com/watch?v=c4RO9QiwvTM&feature=related

Mas porque na vida nem tudo são tristezas, que tal ser-mos dedilhadas por uma mãos assim, pois como disse Amália:"Uma mulher é como uma guitarra, não é qualquer que a abraça e faz vibrar."
http://www.youtube.com/watch?v=RYkz30RL_GU&feature=related


FDL.

Sei onde nendem esses objectos de madeira.


Paulinha,

Nunca se deve começar um trabalho de pé atrás, preocupada com os possíveis comentários.Eu sei q tem a mente aberta.
Quanto à maçonaria talvez o professor pudesse dar uma ajuda.
Mas como exemplificou o FDL eles sabem guardar segredo.
Em relação à Opus Dei apenas tenho um livrinho, chamado "Caminho" com 999 conselhos, espécie de uma mini biblia de consulta, escrito por Monsenhor Josemaría Escribá de Balaguer Y Albás, que me foi oferecido por um jovem que poderia ter à sua frente uma brilhante carreira de engenheiro, pq mal acabou o curso, foi logo convidado para professor no Técnico e para trabalhar no antigo ISQualidade, mas preferiu ir dar aulas para um colégio da OD, e fiel aos seus princípios, aos 30 e poucos anos já tinha 9 fihos.
Assim como o M. Amaral é dos poucos políticos dignos que ainda restam, que penso que não se aproveitou do cargo.Se o fez foi para ajudar alguém e teve de receber uma galinha em troca.

Ana,
Vou procurar seguir os seus conselhos.


BEIJOS.
AB

Anfitrite disse...

Gente!

Para quem não viu está a dar o CINEMA PARAÍSO na tv1

Paula disse...

Obrigada Anfitrite pelo livrinho. Não é com pé atrás, já são 2 muito para a frente, uma vez que quase ninguém aborda estes temas. Só por isto lhe garanto que pelo menos um 17, terei. Só temos que o saber debater, com bué energia.
Beijinho.

Fora-de-Lei disse...

Anfitrite 10:42 PM

"FDL, sei onde vendem esses objectos de madeira."

Pois, só que estes foram feitos (por mim) e não comprados. Embora eu gostasse muito de não fazer nada e de comprar tudo feito... ;-)


"Paulinha, quanto à maçonaria talvez o professor pudesse dar uma ajuda."

Malandrice...


Paula 11:05 PM

"Só por isto lhe garanto que pelo menos um 17, terei. Só temos que o saber debater, com bué energia."

Se esse trabalho é para ser debatido a nível superior, aviso-a solenemente para ter muito cuidado com as palavras a usar dado que, à semelhança do universo judicial, o mundo universitário está cheiinho de maçons. I do mean it...!

Caidê disse...

http://www.youtube.com/watch?v=RkZC7sqImaM&feature=related

ana b. disse...

Anfi,

e eu os seus.
Vou já amanhã à Fnac procurar CDs da Yasmin Levi. Desconheci-a.Que voz, que sensibilidade...Soberba!!

Paulinha,

os trabalhos que tem de fazer,despertou a minha curiosidade para a sua atividade profissional.
Apenas se se sentir confortável a fazê-lo, e se não for demasiado abusador da minha parte, poderia dar umas dicas sobre o que faz?
(não se sinta intimidada; o seu silêncio será compreendido).

Paula disse...

FDL,
A quem o diz que vivo no meio da lei...e ao lado também. Eheh!
Obrigada pelo AVISO, bem pertinente- sei quem são os animais( muitos deles, espécies raras- tipo cromos difíceis).
Será a nível superior, sim. Tem que ver com o aumento dessa camada versus crise. Uns fogem para para as lojas, outros de si proprios, outros da crise e outros nem sabem bem para onde fugir, fiz-me entender FDL?
Olhe, eu refugio-me por aqui.
Beijinho