quinta-feira, setembro 20, 2007

Aquilino.

A discussão sobre a ida de Aquilino para o Panteão trouxe-me velhas recordações. Ele foi casado com uma irmã de minha Avó paterna e gozava de sólida reputação de mau feitio na tribo. Aquando de uma sua vinda ao Ateneu Comercial, meu Pai decidiu que já era tempo de lhe apresentar o rebento. Que ele ignorou, olímpico, até o velho deixar escapar, melífluo, que este vosso humilde servo já lhe tinha posto o dente na prosa. Aquilino curvou-se para mim, num misto de surpresa e troça - "Com que então já me leste, menino? E que achaste?". Eu não devia ter mais de dez anos e contudo o talento para me enterrar até às orelhas por erro de boca já despontava, triunfalmente suicidário - "Gostei, mas o Tio usa palavras muito complicadas, não percebo tudo". Ele endireitou-se num ápice, trocando o estatuto de familiar caprichoso pelo de Padre Eterno furibundo - "Não percebes porque nunca deixaste a cidade, eu escrevo as palavras do povo". Embatuquei e só não desatei a chorar porque o meu Pai me pôs a mão pelos ombros e acalmou a zanga divina:). Aquilino teve uma noite triunfal e do reviralho no Ateneu! Alguns dias depois escrevia a minha Avó: "Querida Manuela, todas estas homenagens me soam a dobre a finados". Pouco tempo depois morria... Lembro-me do Eugénio de Andrade pegar no seu Malhadinhas, ler a primeira frase e decretar: "A melhor prosa portuguesa". E o Eugénio não tinha o elogio fácil!

17 comentários:

Sirk disse...

Ora muito me conta, profe.

Se o seu tio visse que coloca pontuação num título - «Aquilino.» -, era capaz de aparecer para lhe dar uns puxões de orelhas... LOOOOOOOL

It's a joke, teacher.

Olhe que subiu uns pontitos na minha consideração, profe. O "Malhadinhas" foi um dos meus livros de cabeceira.

andorinha disse...

Boa noite.

As recordações...
É bom ter um baú a abarrotar...

Em relação à reprimenda vejo-me dividida: não concordo que se traumatize um miúdo de 10 anos, mas, por outro lado, Aquilino tinha uma certa razão...

:)

Marx disse...

Tanto quanto sei, o Malhadinhas terá sido trocado, nas escolas, pelos personagens de algumas tele-novelas. Que ninguém se admire se se passar a ouvir, à noite, como conveniente, uns rugidos no Panteão...

Miosotis disse...

Não tinha mesmo e não era lá muito cordial para com as pessoas que visitavam a sua Fundação, até mesmo crianças!

Admiro muito Eugénio de Andrade pela poesia, mas não pela 'pessoa'...

Parabéns por ter tido o privilégio de conhecer e falar com o grande Aquilino!

Carlos II disse...

Li o Malhadinhas e gostei. Fiquei admirado com esta homenagem do Estado ao transladar os seus restos mortais para o panteão. Quando me disseram que ele pertencia à Maçonaria, disse, pronto, já está explicada a situação. Desculpem defendo a monarquia para Portugal.

Laura disse...

carlos ii
- "Desculpem" porquê? Vivemos numa democracia. E eu por sinal tb. defendo.
Stop.

Sobre Aquilino, não há dúvida: um dos nossos tops. Não digo O maior,como o Miguel Veiga, porque acho que Torga e outros (poucos) ombreiam com o vulto do grande escritor.
Mas ainda bem que Portugal tem tanta riqueza na área das letras, digo eu.

Agora, top também é a "casa de Romarigães", "grande", ao que parece, não pelo edifício mas pela propriedade circundante (rara no Minho).
É é um estrondo! Faço votos, Prof. , para que a "raiz" ainda esteja na família Machado (era do seu Bisavô, segundo percebi, e depois herdada pela mulher de Aquilino).
É bom quando estas coisas permanecem com os fundadores. Mas é tb. mto. raro e difícil que isso seja viável.

thorazine disse...

laura,
também referiu no documentário que o proprietário actual era o Ladislau da Silva.. :))

Fora-de-Lei disse...

Miosotis 1:32 AM

"Admiro muito Eugénio de Andrade pela poesia, mas não pela 'pessoa'..."

Porquê, Miositis Burburinhus ? Por "atracar de popa" ? E depois a Andorinha ainda tem a lata de me rotular de homofóbico... ;-)

andorinha disse...

FDL (10.18)

Chega uma tipa a casa toda feliz da vida por ter passado umas horas em amena cavaqueira com um amigo e vens-me tu com provocações gratuitas, baratas, de mau gosto e a pretenderes arranjar sarilhos?
Não estou para aí virada, vai provocar outra...

:))))))))

APC disse...

"Eu não devia ter mais de dez anos e contudo o talento para me enterrar até às orelhas por erro de boca já despontava, triunfalmente suicidário"...
- A estas horas da matina, uma sonora gargalhada cá por casa pode ser fatal, mas foi inevitável! :-)
Brilhante!

Fora-de-Lei disse...

andorinha 2:13 AM

Mas como é que é possível um homem ser (meramente) amigo de uma mulher ??? Depois dá nisso: amena cavaqueira. Se ele não fosse teu amigo, teriam - por certo - ido muito para além da mera amena cavaqueira.

Eu até tento, mas tu nunca mais aprendes... ;-)

andorinha disse...

FDL (4.05)

Coincidência pura! Vim só até aqui espreitar e cá estás tu....

Já estás a querer saber demais:))))
Looooooooooool

Quem não te conhecer, que te compre, amigo e companheiro:)

Sirk disse...

Boa noite.

Andorinha, os mails que nos mandaste àquela hora da manhã sobre futebol comprovam que estavas, de facto, muito descontraída.

:D

(não te preocupes que eu não conto que também mandaste belas paisagens tibetanas)

LOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL

Sirk disse...

CêTê, where are you?

isabel victor disse...

FANTÁSTICO !!! Gostei ...

Abraço

Ti disse...

Pois eu também achei genial o:

"Eu não devia ter mais de dez anos e contudo o talento para me enterrar até às orelhas por erro de boca já despontava, triunfalmente suicidário"

E quando mostrei a "puto" que prezo ele sentenciou, depois de demorada leitura:
"O gajo é bom..."

CêTê disse...

Boas noites, atrasadas.
Confesso, não me lembrava do Aquilino- é por essas e por outras que nunca irei a um concurso!;P e SÓ ESPERO que não haja nenhum min-edu que venha propor um exame de cultura geral para vir a ter sopinha do pobres lá pelos 69!

Mas gostei de assitir pela TV à homenagem ! Achei suspeito o atraso do nosso 1º;/;
Gostei da reencarnação na presença do Rui de Carvalho, do tiro no pé (ou seria entre os dedos) sobre o elogio à liberdade de expressão do Presidente da Assembleia da República; comecei a gostar do Baptista Bastos e arrepiou-me o "choro" dos monárquicos - deu ao acto a magia que os imortais têm nas despedidas conscientes do povo!
(vou.me mas é deitar...)
;p