sábado, dezembro 20, 2008

Domingo à noite.

Maria,



A severidade risonha que eu amava, por o ralhete já esconder o afago e o "nem penses" o "porque esperas?":).
Cheguei de Cantelães e saboreei uma vez mais Mystic River. Tudo o que me rodeia desagua em ti... O bar, os amigos, o comentário de alguém, "adorei As Pontes de Madison County". O meu vício pelos consensos fáceis e as frases feitas por outros - "É o último dos grandes". Aquele sorriso com que me fazias sentir um puto superficial, o meu amuo, o esquecimento. E um outro filme do velho Clint, a minha provocação, "mais um silêncio snob, querida?". E tu, manipulando a minha frase -´"É o único dos grandes que se tornou grande". Tinhas razão, claro, ambos o pressentíramos, extasiados, depois de ver o espantoso e inesperado Bird. O homem passou para trás da câmara e deixou de ser um ícone, "entreteve-se" a realizar obras-primas. Como Mystic River: uma história, a narração, os actores e o absurdo da vida, quem precisa de efeitos especiais?
A severidade risonha que eu amava. Este desejo apressado, a cumplicidade obediente do comando. O sobrolho franzido, "terás reparado que estava a ver o filme?". E a minha resposta, digna de uma daquelas vozes mecânicas que anunciam os pacotes da TVCabo: "Não há problema, estão sempre a repetir". O teu riso maroto, a voz já misturada com o meu pescoço, "és capaz de fazer o mesmo?".
O sim da minha paixão adolescente:).
A prece humilde do meu corpo envelhecido...

26 comentários:

Fora-de-Lei disse...

Um Natal feliz para todos!

andorinha disse...

:)))

Porque, em certas ocasiões, um sorriso vale mais que mil palavras...

anfitrite disse...

Não é só o Clint que é grande aqui. O Sean Penn, a quem chamavam o chulo de Madonna, aqui também é bem grande. E espero que não seja o último dos últimos.
Acho que não é um filme para esta altura, apesar de lindo e belo, é doloroso demais, para esta época festiva, para alguns. As Pontes eram bem mais aconchegantes, se não fosse tão conservador. Além disso, não precisa de estar sujeito a pacotes, a gente compra e vê quando quiser e as vezes que quiser, porque este também não é um filme para ser visto uma só vez. Não se esqueça que foi por acaso, que o professor viu o Cinema Paraiso. Pelo menos, foi o que afirmou no programa "O Sexo dos Anjos" quando disse que, na altura, teve uma agradável surpresa ao ver o filme, só porque ofereceram, por esta época, os bilhetes aos seus putos.
Com tanto branco e verde à sua volta, não percebo porque está tão cinzento e engelhado?!
E apesar de não estar engelhada, mas porque os lugares estão vazios, aqui vai, mais uma vez, este belíssimo poema, do Grande Poeta e charmoso professor:

"Ladainha dos póstumos natais

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que se veja à mesa o meu lugar vazio

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que hão-de me lembrar de modo menos nítido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que só uma voz me evoque a sós consigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que não viva já ninguém meu conhecido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem vivo esteja um verso deste livro

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que terei de novo o Nada a sós comigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem o Natal terá qualquer sentido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que o Nada retome a cor do Infinito"
David Mourão Ferreira

Boas Festas para todos e, que o calor das lareiras derreta, um pouco, os corações mais frios e demasiado lúcidos.

CêTê disse...

Deve haver qualquer coisinha no cromossoma Y que vos segura no sofá de olhos postos nos DVDS devorando os ídolos...
Dos filmes referidos só vi as Pontes,... (tocante)

Há uma versão (o que vou dizer será para muitos uma autêntica heresia ;P) das "pontes" digamos que muito menos romântica "A Infiel" que não deixa de ser um filme interessante (Com Richard Gere)

Boa noite

lobices disse...

...Clint...o meu "velho" ídolo

AQUILES disse...

A prece humilde do corpo envelhecido! Eu acho que aqui temos de fazer uma conexão com o envelhecimento de espírito e com o envelhecimento da mente. Se houver um desfazamento entre as velocidades de envelhecimento desses 3 parâmetros, aí é coisa para prece. Agora se as velocidades estiverem em harmonia, então há que envelhecer com gosto!

Mar disse...

As severidades risonhas...os ralhetes a esconder o afago..., os sorrisos com que o faziam sentir um puto, ...os seus amuos, ...a paixão adolecescente.... Não leve a mal,mas isto parece mais coisa de mães e de filhos. Será Édipo aqui a falar? Ou será apenas porque é Natal?

Laura disse...

Vá lá, Maria, percebo lindamente a tua snobeira **, mas não sejas tão severa pra esse Manel;););)

* epíteto mauzinho para aquela atitude que tomamos quando não queremos mandar recado expresso... (que raio, será mesmo preciso dizer-lhes tudinho?)

fiury disse...

Um Bom Natal

para todos

A. disse...

JMV,
Um excelente Natal para si, aí em Cantelães e para todos os murcóticos.
:)))
Beijinhos

CêTê disse...

Um excelente Natal para toooooodos!

(Obrigada, professor por manter este cantinho aberto ;) Espero que nunca trespasse este lugar ou deixe qq explorá-lo ;)))

E que história é essa que me passou despercebida... ;))) de "corpo envelhecido"? A menos que andem a fazer Photoshop a torto e direito por aí...;D
Além do mais, mesmo possa ser verdade e como deve saber ;))) há gostos para tudo! ;))) e depois o 1º sentido a ir à viola é o da visão ;)


bjnhs doces para todos

cabecinhapensadora disse...

Clint foi crescendo sempre. Sem alarde, ao som da qualidade que ia construindo. Serenamente. O certo é ter ficado em nós como actor e realizador. Soube criar-nos o gosto de bons registos marcados pelo contraditório, do papel de duro sensível ao vulnerável e tangível das Pontes de. No cinema, como na vida, as pessoas fazem a diferença, e também isso transferiu para a realização. É um homem de princípios, aposta em quem os sabe falar. Percurso de integridade e inteireza, Sem época ou idade.
Todos temos a nossa Cantelães a que regressar. Não a viveremos da mesma forma, mas, só por tê-la e haver nela gente de quem gostamos, vale a pena haver Natal e agradecer.
BOM NATAL!!!

A Menina da Lua disse...

Bom Professor! esses filmes são e por razões diferentes, particularmente tocantes mas no caso do Mystic River, deixou-me de rastos:). O filme, para alem de ser especialíssimo em realização (pois senti-me em plena contemplação ao vê-lo) é duro! muito duro! e quanto a mim, insiste num olhar talvez demasiado pessimista da vida que não coincide com o meu e por isso me deixou chocada! porem atenta...:)

"O sim da minha paixão adolescente:).
A prece humilde do meu corpo envelhecido..."

Pois! penso que essa é uma grande questão para quem começa a estar na fase adiantada da caminhada; sentimo-nos meninos na graça, na alegria e nos sonhos mas entretanto sabemos que o corpo nos pode deixar de acompanhar...
O que vale é que ainda me consigo rir das rugas que atrevidamente me vão aparecendo no espelho quando o olho.:)

Muito Bom Natal para todos os murcónicos e que o consigam sentir na magia e na doçura para onde este dia e apesar de tudo sempre nos remete...

Beijinhos

lobices disse...

...um FELIZ NATAL para todos
...abreijos

andorinha disse...

"Todos temos a nossa Cantelães a que regressar. Não a viveremos da mesma forma, mas, só por tê-la e haver nela gente de quem gostamos, vale a pena haver Natal e agradecer."

Cabecinha, 'roubei-te' estas palavras. Não te importas, pois não?
Gostei delas...:)

FELIZ NATAL, malta.

Teófilo M. disse...

Antes de partie para o meu Natal, não quis deixar de dar aqui um saltinho... fiz bem.

Um Santo Natal para todos, e um muito especial para si professor, por me ter recordado onde ficava o local onde tinha esquecido uma das chaves do meu baú de recordações.

Mar disse...

"mais um silêncio snob, querida?"

O silêncio de “Tirem-me daqui”
O silêncio de “Não consigo fazer de conta”
O silêncio de ”Que decepção”
O silêncio de “É melhor não dizer nada”
O silêncio de “Espero que a telepatia não exista”
O silêncio da dor nos gemidos.
O silêncio de “Se ao menos existissem palavras”
O silêncio impaciente da espera.
O silêncio de “Será recíproco?”
O silêncio de “Se falo agora, desfaço-me”
O silêncio do cheiro do mar.
O silêncio do calor na madeira a crepitar.
O silêncio urgente dos amantes.
O silêncio da comunhão.
O transcendente silêncio do soninho dos anjos.
Porque é que não te calas?
Porque é que te calaste?

Para todos, em especial para o Professor JMV,um Natal cheio de doces risos e de quentes silêncios.

PAH, nã sei! disse...

Querido chefinho.... Santo Natal para si!!!

Beijoca da pah!!!

thorazine disse...

No fim do texto até parece que começa a "Let's Get It On" do Marvin Gaye..hehe

pietà disse...

Bom dia de Natal Professor, adoro a sua Maria.

Feliz Natal para todos

Laura disse...

Como não vou nesta coisa do Pai Natal e insisto em que o centro da festa é o Menino Jesus...
- uiiiiiiiii, parem de me atirar sapatos(; (;( …;);)
deixo aqui os votos que essa criança (me) transmite:
- uma vida nova, com uma esperança nos homens do tamanho da solicitude que Ele nos dispensa, permanentemente e sem reservas.
Então este ano... há no ar uma triste sintonia entre a malvadez da vida real e simplicidade e a força do despojo que aquelas 3 figuras de barro nos querem recordar, sem grande sucesso...
Deve ser por isso que quando olho para o meu presépio, em vez da legenda clássica do "Gloria in excelsis Deo", este ano sou tentada a ler uma frase subversiva que das palhinhas me chega com um olhar malandrete :
- "Yes, we can!"!

Feliz Natal para todos...

mariam disse...

Júlio,
Adoro estes escritos a "Maria", sou leitora assídua, mas não tenho comentado...

Para si e os que mais ama, Felicidades e Afectos nesta quadra Natalícia, prolongando-se por todo o ano 2009, são os meus votos.

um abraço
:)
mariam

Su disse...

gostei dessa cumplicidade.............

feliz natal...sempre.....todos os dias



jocas maradas e natalicias:)

noiseformind disse...

Feliz NAtal para todos, especialmente para o dono do tasco. Que este tenha sido o melhor dos passados e o pior dos vindouros : )

MONALISA disse...

A cumplicidade é uma coisa tão bonita.

Mitsou disse...

"por que estranho fenómeno químico
cheiro agora sempre a ti?
o que sabe a pele
o que sabe o corpo
o que sabe o íntimo
que à palavra não chega?
todas, talvez respostas
a perguntas que já não ouves"


(Ana Saraiva)

Bom ano, Professor!