segunda-feira, abril 13, 2009

Como teria sido?

Maria,

Páscoa de agnóstico: texto esboçado, saudades de Cantelães, vingança no cabrito. Velho hábito de solitário, a televisão em fundo. A vida de um Cristo "adolescente", quase maroto perante o espanto provocado pelo seu poder. Dei comigo a pensar uma heresia - que pena ter aquele magnífico filho de um homem decidido ser necessário morrer para lavar um pecado transmitido geneticamente e que Agostinho amarraria ao sexo. Quão melhor teria sido vê-lo pregar durante longos anos o amor ao próximo, escutar as mulheres, expulsar os vendilhões; rir. Tê-lo-iam morto de qualquer maneira? Provavelmente. Mas ninguém o poderia invocar para defender uma visão do mundo baseada na culpa inata, no vale de lágrimas que conduz à beatitude post-mortem, nos milhares de páginas escritas por homens de negro assombrados pelo desejo do mundo nos seus conventos.
Preferia que tivesse vivido e não morrido por nós... Mas que sei eu?

75 comentários:

thorazine disse...

" ..no vale de lágrimas que conduz à beatitude post-mortem...."

humm..nunca tinha associado este fenómeno à morte do JC! Bem bem!

A velhice e a morte realmente são vistas como algo tão tenebroso aos olhos humanos que só por si servem para "perdão dos pecados". Veja-se o caso do "perdão" do pinochet qd ele ja estava "acabado"! :S

Ou mesmo ainda hoje a manchet sobre aquele homem que desatou aos tiros para a rua em França era: "Idoso de 65 anos.."! Há homens de 20 anos que assaltam e jovens de 20 anos que reclamam os preços das propinas...

thorazine disse...

Sugestão: "Iam Sam" na RTP! O Sam é um fã da rockalhada beatliana tal como o nosso anfitrião!

thorazine disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
CêTê disse...

"Quão melhor teria sido vê-lo pregar durante longos anos o amor ao próximo, escutar as mulheres, expulsar os vendilhões; rir"

Mesmo assim mata-lo-iam na mesma, provavelmente.

E não seria essa second-life ;P ainda mais penosa? ;)): "Escutar as mulheres" ;)) (Bem, ao Filhos de Deus tudo é possível!)

Eu festejo a Páscoa revendo A vida de Bryan. (Não me acredito que Cristo não tenha este filme na sua "DVD-teca" e não o veja à socapa com Judas).
Á sombra deste meu lado solar comovem-me certos rituais, ambientes de manifestações de fé...e o sofrimento de uma mãe.

Boa Semana para todos (Maria´s incluídas)

cabecinhapensadora disse...

Para quem acredita que Cristo é Deus (e mesmo para quem não): sendo Amor, não vive para si mesmo, mas tudo em si reverte a favor do objecto; na vida, ou na morte. E tb por isso, é Deus. Não se imagina um Deus que comece a ser Deus na morte. Um Deus, é desde sempre. Mas pode imaginar-se que seja também homem o suficiente para desesperar do futuro que sabe. Grito mais humano não existe em toda a paixão divina. Um Deus adora-se, coisa que não sei mesmo o que seja. Mas é fácil amar um deus frágil, feito à medida do homem. Quanto à culpa...a herança é pesada (como pesava o corpo de Agostinho que tanto se esforçou a esquecê-lo). Querendo ou não, a nossa tradição é a judaico-cristã. A TV ofereceu-nos cristos à la carte, morria um e vinha logo uma Maria virginal, sem nos dar o alento de 'espere lá um bocadinho que já cá venho'. assim não vale. Pois. Talvez os monges fossem isso. Talvez a vida lá fora tivesse cantos de sereia. Ou só voz humana. Gosto dos filmes da paixão e dos Ets que sempre aparecem. Acredito que há forças do bem que ficam a pairar. Que de barro somos!

LadyAnt disse...

como se pode amar um deus e matar um filho ao mesmo tempo?

algo está errado na psique pseudo-beatificada.

boa noite.

p.s. tive um excelente domingo de páscoa: os meus filhos e sobrinha divertiram-se à brava, fiz as batatas fritas enquanto fui emborcando uma copázio de ginja, o meu irmão fez o resto, lavei a loiça, bebi mais uns copos da ginja (da boa caseirinha) ficou a garrafa a meio (entretanto, já tinha metido o cocktail dos comprimidos) e, com a bebedeira, dormi no sofá a fingir que estava a ver um filme. acordei às 21h00 com o meu irmão a dizer que o jantar estava servido... ah! e comi uma galinha de chocolate :))

adoro estas épocas festivas :))))

no fim, ainda passei pelas urgencias por causa duma coisa num pé da miuda, mas foi rápido e tal e ficámos a ver traillers de filmes de terror no pc e a jogar ao jogo das palavras. foi cool :)

venham mais páscoas...

C.C. disse...

Às vezes passo por aqui.
Já sou um bocado antiga; fui aluna do Pai deste nosso anfitrião...Mas gosto disto.
E sem Cristo; como é que teria sido?

LadyAnt disse...

não havia páscoa nem natal... nem presépios nem árvores de natal nem as compras dos presentes. nem se discutia isso.

talvez tivessem inventado um ser extra terrestre qqr para esquartejar e inventar um livro sobre coisas mágicas que ele fazia (não desejo ofender os crentes, mas eu não acredito nas pessoas, no geral. acho que todas nos sorriem com um punhal atras das costas pronto para ser desferido ao menor sinal e nós nunca sabemos qual é esse sinal... (só Deus??)

já me fui embora. desculpem o meu momento de lucidez. vou dormir. com licença

boa noite e desculpem qqr coisa...

andorinha disse...

Como teria sido, não sei, mas também preferiria, de longe.

"...para defender uma visão do mundo baseada na culpa inata, no vale de lágrimas que conduz à beatitude post-mortem..."Pois é, dois mil anos depois ainda temos essa visão a condicionar tantos comportamentos. Tenho pena!
Sofrermos neste mundo para vivermos eternamente felizes no outro(?)

Boa semana, gente:)

ox disse...

Para um agnóstico talvez seja difícil de perceber aquilo que vou dizer, mas na Páscoa celebramos um Cristo vivo. Ou seja, Ele viveu por nós.

Claro que o conceito de vida é bem diferente daquele que nos agradaria mais...

A Menina da Lua disse...

Bom dia!

Começo por dizer que gostei muito deste post. Ao lê-lo reparei que existe convergência de ideias na forma de pensar e sentir a questão,(principalmente no aspecto da culpa) só que o Professor as consegue pôr aqui em palavras muito bem expressas...
É engraçado! provavelmente estaríamos com a televisão aberta no mesmo filme à mesma hora e a pensar o mesmo:)

Compreendo que um agnóstico tenha dificuldade em entender que a Páscoa celebra um Cristo vivo ressuscitado mesmo que esta corresponda a uma forma de vida espiritual e não terrena...

Como curiosa do tema, frequentei muito recentemente um curso sobre a história das religiões e espiritualidades e de facto existe um dominador comum em todas ou quase todas as religiões que nos aponta para o princípio de que a vida na Terra é apenas uma passagem para outra forma de vida cuja espiritualidade remete igualmente para a ideia de Deus no que refere à origem e retorno final da vida...(isto mais coisa menos coisa)

Actualmente e principalmente a partir dos movimentos New Age, as pessoas continuam de certo modo a ter necessidade de concretizar a sua espiritualidade mas agora não tanto na colagem ou aceitação de uma e só única religião mas procurando buscar em cada uma aquilo que lhe dá mais sentido ao seu próprio desenvolvimento pessoal.

Espero que todos tenham tido uma "santa" Páscoa com muitos coelhinhos e muitos ovinhos doces :)

cabecinhapensadora disse...

C.C.

sem Cristo, não haveria a Pietá. E nunca tamanha desolação amorosa no cair das pregas. Ou de como a pedra pode ser flutuação da dor.

Mlle. Petite disse...

Até eu tenho saudades de Cantelães... Pelo menos de o ler/ouvir falar de lá...

meditador disse...

Claro que como agnóstico é difícil compreender o verdadeiro motivo da morte de Cristo. Pode-se ver sob uma perspectiva histórica em que os judeus, desiludidos com a ilusão da Missão de Cristo, empunhar a espada contra os Romanos , montaram a armadilha e forçaram aqueles a cruxificá-lo. Numa perspectiva religiosa pode-se dizer que morte serviu para a reconciliação de Deus com o Homem.
Agora, à parte, adoro ouvi-lo na Antena 1 no programa "O Amor é" com a sua frontalidade. Ouço em podcast os programas diários e os de fim-de-semana. Aprendo muito. E posso sugerir criar um blogue associado a tão educativo programa?

Nelson disse...

Será mesmo uma heresia? Ou apenas uma forma de ver o mais simples, aquilo que outros não querem mostrar, e que são os afectos?
A ter existido (ena forma que eventualmente terá existido) ele terá sido uma pessoa de grandes afectos, certamente. Mas a visão catastrófica teve de o matar por razões "que nem ao diabo lembraria" como se diz por aí.

keeper_of_the_pussy disse...

Se a Sua a palavra é Divina como poderiamos nós entendê-la?

keeper_of_the_pussy disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
keeper_of_the_pussy disse...

A de Cristo não a de JMV - LOL

lobices disse...

...um dia escrevi:
----------------------------
Teimosamente, os representantes de Cristo na Terra, mesmo com 2000 anos já passados, como que ainda estando escondidos nas catacumbas de Roma, dizia eu que, teimosamente esses representantes continuam a esconder Cristo dos Homens, através de atitudes que a Igreja Mãe, Católica Apostólica Romana, continua a ter ao não permitir que Cristo seja visto por todos os Homens, como Alguém que está sempre ao nosso lado, sempre presente em todos os actos da nossa vida, dando-nos a Sua mão, dando-nos o Seu amor de paz, dando-se Ele próprio como numa catarse de unidade e amor global. Os representantes de Cristo na Terra continuam a fazer separações no seu rebanho, por vezes não procurando recuperar as tresmalhadas, por vezes não procurando amar as que verdadeiramente precisam de amor, por vezes dando atenção às hipocrisias no templo e ficando desatentos aos que, temerosos, não sentem a coragem de pedir ajuda.
Teimosamente, continuam a não deixar vir a Mim as "criancinhas" cabendo nesta classificação todos aqueles que ainda são "novos" nos caminhos para Deus...
Teimosamente, continuam a tapar Cristo dentro dum Sacrário, num Cofre, para que Ele não saia por aí dando o Seu amor a toda a gente.
Teimosamente, continuam a abrir o Sacrário apenas àqueles que muitas vezes brancos por fora se encontram escuros por dentro.
Teimosamente, continuam a abrir o Sacrário apenas quando entendem que o devem abrir e não quando lhes pedem para que o abram...
Teimosamente, continuam a não dar ouvidos àqueles que ávidos de Amor Divino, lhes pedem tão somente uma palavra de conforto, um ouvir duma lamentação, uma confissão para que o coração se purifique, um pouco do Corpo de Cristo para que as suas Almas sejam salvas...
Teimosamente...continuam a esconder Cristo ao Homem...

Su disse...

somos dois a querer assim.

..but.....


jocas maradas

Tangerina disse...

A minha professora de yoga diz que esta senhora é a re-encarnação de Jesus: http://www.ammachi.org.

A minha professora de yoga é uma pessoa culta e bastante inteligente e diz isto. E diz mais: diz que só pode compreender quem já tiver estado perto dela e sentido a energia dela. Senhora de mais de sessenta anos, a contar-me tudo, com excitação de menina. Diz que esta era a única maneira em como Ele poderia re-encarnar: num país pobre como a Índia, mulher e, ainda por cima, de tez escura. :-)

Eu confesso que não tenho a fé da minha professora de yoga, embora será que... .
Decerto é por nunca ter esta perto da Amma. Decerto é por outras razões. Mas gosto disto: http://www.aquietmind.com/. E foi com este senhor que aprendi a meditar.

:-)


Tanger Anani Ananão pim pam pum

LadyAnt disse...

Adoravelmente bem escrito.

Nada de admirar, vindo de si, claro, lobices. :) um texto extremamente bem explicito e actual.

para quem possa nunca ter lido, atrevo-me a recomendar um livro ligeiro, que considero bastante interessante, não apenas no que respeita ao aspecto teológico, claro. mas que deixa muito a pensar e, sendo de fácil leitura ...

"o Rei, o Sábio e o Bobo" da autoria do Teólogo Shafique Keshavjee

uma noite serena, com toques de sedas negro tinto e umas pinceladas de pó de estrelas para elevar os sonhos :)

Tangerina disse...

... hmmmmm.... pó de estrelas é bom... :-)... sabe a fadas! ;-)

LadyAnt disse...

ahahahahahahahaha ainda não dormes também? vai dormir, tanjarininha que amanhã tens olheiras e acabou-se-te o corrector mágico que as elimina ;) é bom é, sabe sabe looool

beijos maradissimos para ti, queridissima ***

LadyAnt disse...

nota rápida [se visses os pêlos que o bicho da foto do thorazine tem nas patas, passavas-te.

temos que comprar uma daquelas máquinas de derreter cêra para depilar o rapaz rapidamente que vem aí a praia e não queremos vê-lo em publico com aqueles pêlos todos à mostra

(imaginando o thorazine na praia, todo bronzeado, muxclado, com umas pernas até cá acima, todas morenas, a sair da água... a água a xcorrer... em goticulas... ele a fazer "assim" aos cabelos pretos a arranjar com ambas as mãos, por causa da água nos olhos ... a andar em direcção "por acaso" a mim, que estou "distraidamente" sentada na toalha a olhar "as ondas" com os meus óculos escuros discretissimos, e ele, qual felino...)

AS PÁS DO DESFIBRILHADOR???? ALGUÉM MAS TRAGA RAPIDAMENTE!!!!!

logo agora que me ia deitar vêm-me estas coisas à ideia... isto foi culpa tua, tanjarina!!!! tu e as FADAS!!!!!] pensar nestas coisas faz-me sentir uma verdadeira conrin tellado do século xxl

bem, vou fumar um cigarro... (é o que me resta) isso e sonhar ;)

(estava eu a ouvir beethoven, imagine-se... devia era estar a ouvir josé cid "na cabanaaaaaaaaaaaaaaaaaaa" looool)

fuuiiiii *

cabecinhapensadora disse...

Lobices
tens razão,Cristo são todos os homens. És um humanista :))Com pó de estrela, pois. Acho que li isto em qualquer lado. Ou pensei o pensamento da Lady. Ó pá não sei. Prontos

cabecinhapensadora disse...

Desculpem, só uma coisa de nada.
Tangerina,
gosto da hipótese: reencarnar. Não sei se a senhora do yoga tem alguma razão, mas do que conheço de Cristo, ele é homem pa fazer uma coisa dessas. Toda a vida baralhou o esquema. Engraçado...já ouvi pessoas a falarem do Reiki (?) assim. Energia positiva e tal e tal.
Mas o trabalho dessa senhora indiana é extraordinário. As pessoas boas têm uma aura que é de sentir, não de ver :)Desconhecia os suicídios e até essas medidas;obrigada

Lady

o zé cid faz mal a tudo. até à música.

Maria Ribeiro disse...

“Preferia que tivesse vivido e não morrido por nós... Mas que sei eu?”

Desde que o Homem inventou o medo, houve que criar um Deus e já agora um filho…isto tudo no masculino, pois o cromossoma Y é onipotente. E com a expressão deste gene, houve que expiar os erros e a culpa (os pecados). Foi preciso criar um ícone um Libertador, e em Cristo o tivemos (desde há 2000 anos), e quer queremos ou não, foi influenciando e conduzindo várias sociedades, conforme a história nos relata.
Existe aqui na terra algo que o Homem ame mais que a sua liberdade? Quantas guerras pela liberdade ensangüentaram o mundo, quantas revoluções, quantas lutas sociais! O homem deseja escolher livremente a vida que quer levar, e crê que pode fazê-lo.
Mas atenção:- “Aqui surge a influência de Satanás…mas tudo vai ficar equilibrado, porque existe Jesus.”
Mais atenção ainda:- “A liberdade real é aquela de quem escapa do poder de Satanás, e é vista nos desejos de uma natureza que acha seu prazer em cumprir a vontade de Deus.”

Nem a figura de Maria, conseguiu apaziguar a expiação da nossa libertinagem, mantendo-se a nossa liberdade sempre enclausurada, sublimada e contida.

Portanto a vida e a morte complementam-se; apenas a nossa imaginação deixa a flutuar os “ses”. Mas afinal que sabemos nós?

Deixo-vos com um aroma de um café com canela.

LadyAnt disse...

Maria Ribeiro

"Nem a figura de Maria, conseguiu apaziguar a expiação da nossa libertinagem, mantendo-se a nossa liberdade sempre enclausurada, sublimada e contida."

esta frase, em si, (para mim) encerra um (quase) tudo...


____________________________________________________

cabecinhapensadora

a cabana junto à praia ... o thorazine a escorrer água... os bíceps... o cabelo preto... o metro e oitenta e seis de gazela... os olhos negros à joaquin cortés ... desculpe lá beautifulthinkinghead, é impossivel não relacionar tudo e voar, qual gaivota ensandecida... dispensando as pás do desfibrilhador :)

oiça antes esta: http://www.youtube.com/watch?v=jYyvmp_Mvb8

e oiça a letra (se n perceber o inglês, diga-me que eu traduzo no sitio "secreto")

p.s. isto são musicas que se ouvem para contrariar exactamente o estado de espirito que se tem no momento. há quem faça o culto do seu sentir do momento para se afundar ainda mais. eu, sou sempre de exageros e é bom sinal quando me contrario :)

beijos, com sabor a tarte de maçã, quentinha, com canela e um cafézinho servido ali pela menina Maria Ribeiro (a canela faz bem!! doce e café combinam... e a conversa fica sempre mais sorridente) :)

Tangerina disse...

Por falar em estrelas e em pó de estrelas e em fadas e em vida:


"Give me my Romeo; and, when he shall die,
Take him and cut him out in little stars,
And he will make the face of heaven so fine
That all the world will be in love with night
And pay no worship to the garish sun."


William Shakespeare in Romeo and Juliet

:-)

E agora, a sobremesa - Cristo homem-Deus:

http://www.youtube.com/watch?v=Bn7exBrCiUI

http://www.youtube.com/watch?v=LUZIipy4JM4 (para ouvir TODA)

Enjoy!

cabecinhapensadora disse...

Olá Lady
beautiful é uma palavra que aprecio, XXX.
tive a fazer o tpc; obrigadinho; apesar de conhecer os Muse e os ouvir com frequência, faltavam-me essas pessoas distorcidas mais o seu arzinho de cavalo :) O inglês das canções é mais fácil do que o do velhote sem dentes que o Thora me deixou :)); além do que, tenho uma bolsa de explicadores para os Muse, eh,eh,eh...jovens.bonitos. Mas não a escorrer água, só às vezes a escorrer água, não sei se com bíceps tal e tal, mas os caracóis soltos de um deles fazem-me lembrar o Joaquin Cortés; talvez não ele, talvez o ondular do corpo dele, talvez só liberdade o que vejo nos ditos caracóis e joaquin tão bem diz. Um rostinho de Che incauto que eu gostaria que a vida não destruísse e por quem, se for preciso, ajoelho. A cada um os seus altares :))
Agradeço o café com canela; gosto. Também gosto da ginja de óbidos, não me consigo é embebedar com isso. Acho que só se for com um shot. bebido muito depressa e inconcientemente. Ainda não resolvi se vale a pena, tou no princípio, do lado do 'não vale'

Tangerina
"Há quantos anos eu parti chorando deste meu saudoso carinhoso lar.minha velha ama que me estás fitando canta-me cantigas de domir sonhar"; é o que sinto ao repetir o Jesus. Quantos projectos! O certo é que não sei mais hoje que ontem. Mas tudo é diferente do que foi. Por ser essa a natureza das coisas. E dos homens. Um facto que nunca entendi é o episódio da Madalena a enxugar os pés do mestre nos seus cabelos. O cabelo é do pior para enxugar seja o que for...

"A escrita exige solidões e desertos
E coisas que se vêem como quem vê outra coisa"
Sophia de Mello Breyner Andresen

BOM DIA A TODOS!!! Com olhos de ver outra coisa

Magnolia disse...

Twinkle, twinkle, little star,
How I wonder what you are.
Up above the world so high,
Like a diamond in the sky.
Twinkle, twinkle, little star,
How I wonder what you are!

When the blazing sun is gone,
When he nothing shines upon,
Then you show your little light,
Twinkle, twinkle, all the night.
Twinkle, twinkle, little star,
How I wonder what you are!

Then the traveler in the dark
Thanks you for your tiny spark;
He could not see which way to go,
If you did not twinkle so.
Twinkle, twinkle, little star,
How I wonder what you are!

In the dark blue sky you keep,
While you thro' my window peep,
And you never shut your eye,
Till the sun is in the sky,
Twinkle, twinkle, little star,
How I wonder what you are!

Softly shining silver moon,
Peeking at me in my room,
When you're in the sky at night,
The world around me glows so brightly,
Softly shining silver moon,
If you go, please come back soon.

Como também eu nada sei, preferi direccionar as minhas reflexões para as estrelas e ir cantando, em jeito de lullaby, o poemazinho da Jane Taylor, com a melodia que (o então ainda menino) Mozart compôs. E assim, aqui estou eu, pequenina, com todas as vantagens desse estado: conciliada comigo, com os outros, com o Universo e com o meu Deus, centradando-me numa só dúvida: "twinkle, twinkle, little star,how I wonder what you are???!!!!!!!!

lobices disse...

Um poema de M. Virgino:
----------------------------
Basta ficar em pé, deitada,
Desperta, adormecida, de qualquer jeito,
Para recebe-lo.
Ele chega de qualquer parte, do horizonte,
Da noite, da semente das estrelas.
Vestido de vento,
Suas brisas esvoaçam...
Dos lábios emanam chamas perfumadas
E me beija na testa e me marca
Com gravação de candura
Se está na Grécia, ao redor de Safo,
Ao ouvir meu chamado, dali ausenta-se
Suas mãos desabam sobre o meu corpo
Orquídea de carícias em espiral.
E me afaga por dentro.
Alcança cada princípio da raiz dos meus cabelos,
Desliza até a guia dos meus pelos,
Imanta-me e o sangue arrepiado vai e vem.
Tudo gira mas o tino não se desvia.
Nada se obstrui.
A fronte desvela sua aurora.
Ele está na órbita da minha cabeça,
Sua sombra pousa luz nos meus ouvidos,
No nariz, nos olhos; amadurece minhas faces;
Passa pelos dentes esmaltando o sorriso;
Esquenta a língua;
Fere o diapasão da voz;
Faz esticar a pele dos tambores;
Até o limite da atmosfera, confere a afinação dos pássaros;
A acústica das águas;
Repassa o som das conchas;
O silêncio das folhas orvalhadas,
As notas baixas do altivo bambu;
O soprano da haste do capim;
Os sons da chuva caindo por sobre a madeira verde.
Influi na intensidade das vagas na minha aura,
Na rebentação das praias,
Nas pororocas, na piracema;
No tempo propício ao acasalamento dos insetos;
E no cio das gatas no telhado,
Das cadelas cortejadas por matilha rabugenta;
Ajuda na distribuição do pólen para a fecundação das flores;
Despeja seu hálito na masturbação das virgens
E gradua a paixão das noviças, futuras esposas de Cristo.
Suave envolvimento ele permite ocorrer em minha nuca,
Por trás dos lóbulos das orelhas
Massageia meus tímpanos com seus beijos;
Suas aragens incendiadas roçam meu queixo;
Esticam-se até os lábios e esquece ali um beijo;
E desaba pesando como espuma,
Demolindo átomo por átomo...os ombros;
O torso; ateia fogo nos elétrons dos meus mamilos;
Golpeia as costas com a marreta de suas pétalas;
Jasmins, lírios, cravos, rosas e musgos rebentam pelos flancos.
Anticólica desenfernizo a barriga;
Põe lenha na cadeira do meu plexo solar;
Meu coração arfa, contrações da rede pulmonar;
Implosão nas costelas;
A espinha de cobra da coluna vertebral reveste-se de peçonha;
Insinuo sob a pele o rastro de um silvo;
Arremesso a bifurcação da língua como tênue fita de linfa;
Apoia a cabeça da esfinge na maciez pinicante da púbis
Quais cisnes enamorados, entrelaçam-se tesão e pênis
Dentro, cascata e vulcão, iceberg e vapor;
Humores do pântano, galvanização do prepúcio;
Por trás da aurora, súbito mal de parkinson
Concentra-se em minha nádega;
Glândulas fora dos eixos, planetas desalinhados,
Estou completamente a espera;
Adjetivos nas coxas, conectivos dispersos pela vulva;
Uma aliteração apressa o desabrochar do clitóris.
Encavala-se nos meus ombros;
E mexe, e suspira e mexe;
A fenda quente, punhal em mim...
Abre-se mais descendo pelas costas;
Num impulso deixo-me penetrar.
Desde minha coroa;
Como regresso ao útero.
A membrana circular avança pela testa;
Toldo os olhos, cedo um pouco devido ao plano
Inclinado do nariz;
Retorno da onda para ganhar impulso;
O avanço atinge a manhã envolvendo o pescoço.
A partir desse ponto serpente engolindo a presa;
O ato é mais doloroso, inspiração em histeria;
Dificuldade para se encaixar nas omoplatas;
E de graça me rendo pela santa experiência;
Porque já me reveste como casca e luz;
Fonte profunda, termas de súlfur, gás, pureza:
Adianta-se casulo retardando a borboleta.
Já está quase no umbigo.
Mastigação impossível da ausência de gengivas;
Só tecido e húmus;
Ruminação vagarosa da flor carnívora;
Efervescência da pélvis;
E o silêncio amplifica um concerto;
Engole a parte glútea.
Tritura as coxas; desloca as rótulas;
Eteriza fêmur e raízes venais, poros;
Macera canelas, amacia calos e calcanhares...
Para vencer o limite dos pés;
Inteiro me comprime e me espreme;
E jardins escapam pelo hiato das respirações;
O sol enlouquece desejando enforcar a noite;
Ele mexe o tempo, embaralha as estrelas;
Realizamo-nos selo mútuo;
Jamais me libertarei, e ele, por sua vez;
Está fadado a me possuir até que eu morra;
Quando enfim este meu amante me fará imortal;
A que ora engendro e adoro, servo fiel
De quem também sou cativa, senhora sua;
Com quem eu gozo e depois me abraço
Até brotarem glebas de fungos e lodo entre nós;
A luz envelhecida pousa em cada conjunção;
Abandonando a sombra de diamante em cada imagem;
E contas de cristal nos termos de comparação;
Este homem que para falar seu nome;
Preciso perfumar a boca e lustrar as botas da garganta;
Este homem para quem me guardo...
Este homem para quem me entrego...
Este homem, por quem sempre esperei....

David Croquete disse...

oi povão murcão.

yulunga disse...

Maria,
A minha Páscoa:
Páscoa de quem não anda lá muito católica!
Como odeio cabrito, vinguei-me em duas coisas:
Amêndoas de licor "Bonjour"!
Pendurei o Cristo que tenho de cabeça para baixo, para ele saber que comigo não se brinca :-(

Su disse...

"Às vezes apetece-me escrever. Por que Diabo não hei-de partilhar as minhas ruminações convosco?"

.....ok..............
mas agora, uma vez por semana..............????????
brincamos????????????!!!!
ok ok marei

jocas maradas

lobices disse...

...Dói quando vemos um Homem cuja morte foi permitida por seu Pai.
Dói quando sabemos que esse Homem, Filho do Pai e no mistério da Santíssima Trindade, Ele próprio, o Deus, se deixou matar por Amor dos outros homens seus irmãos.
Dói quando sabemos que nunca iremos entender o porquê.
Dói quando olho um crucifixo com Jesus pregado em pose terrível, em se mostrando um Cristo morto.
Dói o não compreender porquê.
Dói amar o símbolo da morte e não amar a vida.
Por isso não tenho crucifixos que me mostrem um Cristo morto.
Tenho Cristo Vivo na minha vida mesmo que Dele não seja digno, mas vejo-O vivo no meu coração e amo-O como esperança e símbolo de paz, de luz e de harmonia... de Amor.
Por isso,
retirem das vossas vidas todos os crucifixos e em vez deles coloquem imagens de um Cristo Vivo, de um Cristo Presente e deixem que Ele vos ame.
O mistério do porquê da Sua morte ficará para sempre no segredo da nossa ignorância pois não temos capacidade para entender.
Aceitemos a status quo e olhemos a Sua Vida e não a Sua morte...

Xelim's Skull disse...

O amor, o amor, o amor... O AMOR É HALF-GAY!

Maria Helena Arroz disse...

O texto é giríssimo. Diz que JC é filho de um homem quando o mesmo é geralmente chamado filho da mulher que o gerou sozinha. Fala dos homens enfiados em celas, sozinhos, cheios de medo do mundo e cheios de desejos de experimentar esse mundo, a escreverem para poderem ir para o céu quando morrerem.
LA

Tangerina disse...

Cabecinha,

É... *Ela* é Homem para fazer uma coisa dessas! ;-)

A história não deixa de ser engraçada, porque quando a minha professora falou nesta questão, deixei escapar, ao de leve, muito ao de leve, um sorriso complacente. Daqueles que nos deixam atrapalhados, quando notamos que saíram à socapa. A professora reparou e compôs: "É a alma, não é? É a mesma alma de Cristo".


:-) Eu acho isto fantástico e fico assim como que. (aprendi consigo)

----

"Lucas 7:40 Dirigiu-se Jesus ao fariseu e lhe disse: Simão, uma coisa tenho a dizer-te. Ele respondeu: Dize-a, Mestre.

Lucas 7:41 Certo credor tinha dois devedores: um lhe devia quinhentos denários, e o outro, cinqüenta.

Lucas 7:42 Não tendo nenhum dos dois com que pagar, perdoou-lhes a ambos. Qual deles, portanto, o amará mais?

Lucas 7:43 Respondeu-lhe Simão: Suponho que aquele a quem mais perdoou. Replicou-lhe: Julgaste bem.

Lucas 7:44 E, voltando-se para a mulher, disse a Simão: Vês esta mulher? Entrei em tua casa, e não me deste água para os pés; esta, porém, regou os meus pés com lágrimas e os enxugou com os seus cabelos.

Lucas 7:45 Não me deste ósculo; ela, entretanto, desde que entrei não cessa de me beijar os pés.

Lucas 7:46 Não me ungiste a cabeça com óleo, mas esta, com bálsamo, ungiu os meus pés.

Lucas 7:47 Por isso, te digo: perdoados lhe são os seus muitos pecados, porque ela muito amou; mas aquele a quem pouco se perdoa, pouco ama.

Lucas 7:48 Então, disse à mulher: Perdoados são os teus pecados."


Acho que a chave do mistério está aqui:

"(...) Lucas 7:42 Não tendo nenhum dos dois com que pagar, perdoou-lhes a ambos. Qual deles, portanto, o amará mais?

Lucas 7:43 Respondeu-lhe Simão: Suponho que aquele a quem mais perdoou. Replicou-lhe: Julgaste bem.

(...)

aquele a quem pouco se perdoa, pouco ama."


Ou teria sido apenas porque os cabelos de Maria Madalena eram macios e massajavam, acompanhados de beijos, os pés d'Aquele que caminha? :-)


Gosto da analogia do caminho e do caminhante. Do pó que se levanta e fica para trás voltando a pousar. E do que pousa no caminhante e com ele segue viagem.

Do caminho de terra batida com areia e curvas, mas largo. Aquele onde Cristo encontrou os caminhantes depois de ter ressuscitado. É esse mesmo que me vem à ideia (ia dizer memória).

Conheço um padre, que muito admiro, que pergunta: "para onde corres?"

Ontem recebi uma "logos quotes" (1) que atribui a Francis Bacon a seguinte frase: "a morte não é a maior perda na vida. A maior perda é aquilo que morre dentro de nós enquanto vivemos".


Com isto o deixo e aos restantes murcanitos.
Com isto não: com o agradecimento pelos votos de bom dia. O meu foi cansativo e só acabou agora, mas soube bem saber do seu desejo.

Boa noite. :-)

T.


(1) http://www.logosquotes.org/

LadyAnt disse...

...tentando recuperar às escrituras do lobices, que me deixaram pálida, muda, praticamente imóvel, parando a cada pequena parte de texto para sentir apenas o bater do meu coração, a minha respiração ritmada, o pestanejar de quando em quando (olhos bem abertos e quase estáticos) e o tocar dos meus dedos no teclado, uma mão quente a outra geladissima... nem o meu raciocinio teve coragem de se acelarar, como é hábito dele. parou, para reflectir nos pequenos pormenores...

não lhe envio um beijo, lobices, que é coisa banal

ofereço-lhe antes a minha mão estendida, para quando a quiser tocar :)

LadyAnt disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
CêTê disse...

(Vim só desejar uma Boa Noite)

;)

LadyAnt disse...

CêTê. que querida :))

uma boa noite para si também, envolta em algodão doce e tranças de prata, feitas de crinas de cavalos selvagens, para um baloiçar à medida dos seus sonhos doces :)

Teresa disse...

Eh láaaa! Mas o que é que se passa com este blogue?
Abriram as portas do Miguel Bombarda?

LadyAnt disse...

agora, um pouco recuperada mas ainda pouco, porque o dia e a noite têm sido conturbadas em certos sentidos para mim (o que me causa, por conseguinte, hiper-fragilidade)(ainda por cima, a minha mente teve o desplante de parar para pensar em direcções diferentes daquelas a que está habituada a estas horas...)

...por falar nisso, vou fumar o ultimo cigarro da noite... (talvez)

yulunga
bela páscoa!!! assim é que se fala. e mai nada :) beijo para si

Magnólia
adorei o ar soft e estelar da magia que as constelações e afins nos proporcionam (digo a nós, atrevidamente...) pelo menos, a mim e a si :) um beijo em estrela cadente para a sua noite *~~~~~~~

Maria Helena Arroz
loira como nasci, não entendi o seu comentário, mas terá o seu quê de razão... porque, no que concerne a gerar filhos, não temos duvidas... uma boa noite para si

Tangerina
sublime!!! muito bem observado, por um certo ponto de vista.

embora eu advogue que amor não tem mesura. não se ama pouco, mais, ou menos. ou se ama no todo ou absolutamente se finge algo, é-se falso, individualista, interesseiro, desonesto, mentiroso, descrente, hipocrita, ignorante, idiota, mau-caracter, you name it... não se perdoa o mais ou o menos. o acto de perdoar em si, não é acto de amor no todo.

outro pormenor que não vou desenvolver ... vou apenas aflorar. limpar os pés com os cabelos, beijar os pés do homem desconhecido a quem permite a entrada na sua casa ... lavar os seus pés com lágrimas ... ungir as suas feridas... para mim, pode ser apenas um acto de submissão, de hábito, de "por amor de ... não me batas, não me violes, não me estupres... trata-me bem... porque até hoje, é assim que todos os homens me têm tratado"...

e não é que não mereça ser perdoada. mas perdoada de quê? das circunstâncias da vida? da sociedade? da necessidade? da fraqueza da carne? da libido? de ser mulher? perdoada por ter sido usada? por ter sido abusada? pelas lágrimas que derramou? perdoada por ter sido maltratada pela sociedade?

e o que são as Maria Madalenas do século 21? depois de cristo? ainda são perdoadas? por quem?

e a mim? quem me perdoa por ter a mesma cor de sangue de toda a gente? daqueles que não são perdoados? a mim? quem me perdoa?

a mim que não sou católica.

preciso ir baptizar-me? ir à igreja? tomar o corpo de cristo e ser absolvida de todos os meus pecados que nem sei quais são? mas antes confessar-me. começar por quando era pequenina até hoje, aos 41 anos e contar todos os meus pecados. um deles será vir à net? será não conceber um Deus e não acreditar na história de adão e eva e da cobra e da maçã e do belzebu e da destruição do paraiso por causa da eva?

será ter uma interpretação diferente da biblia que leio?

ou pior ainda, será pô-la em causa?

quem me vai perdoar a mim?

o amor ...

(fumando mais um cigarro)

beautifullitlethinkinghead
algo se quebrou (frágil, sinto-me frágil...)

que bom que aprecia Muse ... fico muito (como dizer) surpresa e agradada. aos poucos, como se vai revelando numa personagem a 3D... engraçado. mas apanhou-me numa armadilha... :
..."uma bolsa de explicadores para os Muse, h,eh,eh...jovens.bonitos. Mas não a escorrer água, só às vezes a escorrer água, não sei se com bíceps tal e tal, mas os caracóis soltos de um deles fazem-me lembrar o Joaquin Cortés; talvez não ele, talvez o ondular do corpo dele, talvez só liberdade o que vejo nos ditos caracóis e joaquin tão bem diz. Um rostinho de Che incauto que eu gostaria que a vida não destruísse e por quem, se for preciso, ajoelho. A cada um os seus altares :))"

[aqui, baixo o meu olhar... e nem tenho mais o que dizer...]

talvez deva pedir perdão...

a todos, desejos de uma boa noite e um acordar feliz para um dia cheio de boas surpresas a acabar num bem estar repousante, gratificante e merecido, antecipando já o gostinho no céu da boca, do fim de semana que começa...

eu fico-me assim, frágil, a olhar de quando em quando, um lindissimo botão de rosa rubro-negro que me ofereceram hoje, alguém que me diz que o que sente por mim é sincero "é desejo, puro, intenso e incontrolável" mas apenas desejo... talvez um dia esse homem me bata à porta, eu me ajoelhe a seus pés, chore, recue, de gatas enquanto ele entra, lhe retire os sapatos e lhe lave os pés, passando-lhes um balsamo... enquanto choro, para ele não ver.

talvez assim eu me perdoe...

porque a rosa é linda... rubra, só de desejo... sincero...

Mar disse...

Páscoa de agnóstico…

Já toda a gente percebeu que é agnóstico, porque é que passa a vida a repeti-lo? Imagine se eu passasse a vida a dizer ”Creio em Deus”…, ou melhor, como diz Abbé Pierre “Creio no Eterno que é Amor. A Fé não pode ser a conclusão de um raciocínio lógico. Por muito que antes do seu advento tenhamos raciocinado, reflectido, argumentado, ela é acto de Amor, um acto que, sem ser irrazoável, não é do domínio da razão. Chega um momento em que, como no amor humano, há que mergulhar, correr riscos, dar verdadeiro crédito, sem caução. Dizemos: “Eu creio” e, damos o salto.”

Bartolomeu disse...

É-me difícil atribuir uma classificação qualitativa aos post's que publica. Contudo, dentro da minha capacidade de entender, este excede em conceito e contexto aquilo que tenho lido, aqui publicado.
Se certo modo, recorda-me uma frase sua num programa de rádio ha dias, comentando um mail de um filha que pedia conselho para a situação em que a mãe se encontra, por a senhora se achar debilitada físicamente, mas sexualmente muito carente. Neste comentário o Professor referindo a geração de 50, que são os cinquentões de hoje, cognomizava-a de "geração sanduiche". Eu chamar-lhe-ia "geração dos entalados". Não por se acharem entre a situação de amparo aos pais e aos filhos, mas por ser uma geração à qual a revolução social de 60, 70 e 80, prometeu grandes realizações e neste momento sofrer a frustração de nada ter resultado objectivamente.
Comparativamente, desde a existência de Cristo, as sucessivas gerações têm sido quase tiradas a papel-químico, umas pelas outras, resumindo, teêm sido sucessivamente "gerações-sanduiche".

cabecinhapensadora disse...

Tangerina

muito obrigada. Um abraço pelo endereço. Já dei uma vista de olhos. Muito do que penso já foi pensado. E dito. A haver sinceridade, tudo mesmo:) Ó falta de originalidade! Pois. A reencarnação. Gostava de acreditar que a bondade de algumas pessoas não morre com elas. Que há sentimentos tão maiores que cada um é apenas veículo deles. E que o eterno de nós não se limita às representações dos outros, feitas quadro à revelia do modelo. É. Conheço essa passagem dos evangelhos :) Aprendi a ir despindo a religião, a descrer do desinteressante, a ir ficando com o essencial.A minha resposta à questão do Padre: corremos para chegar mais depressa à morte. Mas, haja o que houver, é bom estar vivo.
Uma dúvida: este sinal querdizer um sorriso :) certo?
e este :-)? (ai, não ficou bem igual)
Estamos todos num caminho; e todos os caminhos são de andar. Nem todos largos. O pó é o caminho em nós, prova que se carrega na pele. Perdoa-se mais a quem mais ama? ou quem mais ama é quem mais perdoa? Digo que o perdão instaura uma assimetria perigosa.
E BOM FIM de SEMANA

cabecinhapensadora disse...

Lady, por estar e se sentir frágil, talvez feito cristal a partir-se: a surpresa do frágil chama-se beleza. E mesmo que não concorde, chama-se.
Mau, mau, apanhei-a numa armadilha? Não é uma armadilha. É só o meu anjo cigano. Que guardo mansamente. Agora fiquei a 3D. Tá bem. Acho que aguento. Perdões, lágrimas e recuos de gatas, a uma Lady, ficam mal, não rimam. Não gosto de a imaginar nesses preparos.
Espero que a rubra rosa tenha murchado porque lhe trouxe ideias esquisitas.
E seja feliz, Lady. No fim de semana. E nos outros dias.

lobices disse...

...um bom fds per tutti Murconi
...abreijos

paula disse...

cabecinha, fez-me rir neste fim de tarde.
brinca, brincando com as palavras

cabecinhapensadora disse...

Paula

o riso é saudável. Se a fiz sorrir, isso me alegra. depois de escritas, num espaço destes, as palavras flutuam sobre o acaso de alguém as puxar a si. Obrigada

Mar

"eu creio e damos o salto"? épá isso parece pára-quedismo. E depois...o "eu creio" tem em si mesmo,qualquer coisa de estranho.repare que acreditar é uma palavra veemente, martela as sílabas; integralmente forte, dir-se-ia de malha fechada. "creio", espero que nenhum linguista me leia (ai,ai,ai), é malha aberta, a sequência de vogais torna-a fluida e muito mais móvel, quase volátil. Pode até ser que a fé precise ter essa plasticidade. Para mim falta-lhe o sincopado das sílabas. E depois os exemplos não ajudam: o "creio" das igrejas é dito sem ser pensado; o "creio" normal significa 'penso que'.
e julgo que Deus se está divertindo com esta conversa parva. E lá em cima já alguém nos (me) disse que saímos daonde. E por aí.

fiquem bem. Como não fumo vou...sei lá...talvez olhar as estrelas. Ai não posso, que tá nublado. Então pode ser...comer morangos. Boa! Ou beber sumos em copo de cristal. É do melhor e tudo muito saudavelzinho :))
Um abraço daqueles que se eu soubesse dar era como os do reiki (que os quais não sei como é que são) Como é que dizia o Pessoa? rrrrrrrrrr, está a desaparafusar. Mesmo.

Mar disse...

cabecinhapensadora,

Crente ou não-crente, não tem importância nenhuma. "O que importa é o Amor com que se faz aquilo que se faz".

LadyAnt disse...

para deixar fluir o amor, é preciso ser crente.

crente que nada mais importa na vida, crente que é o certo, crente que vida sem amor não faz sentido... ou nada fluirá, a não ser imbelilidades, desperdicios de sentires todos misturados, despenteados, embezerrados em cabeças de cães perdidos.

porque o amor não existe sózinho dentro do homem. coabita com muita escuridão... por isso há que aprender também a aprender. e deixar fluir, ou diria melhor, partilhar, numa espécie de ósmose, recriando e elevando tudo a um estado cada vez mais belo... sim, a beleza também se vai aprendendo, assim como o amor, que é o seu exponente máximo.

"quando alguém nasce, nasce selvagem ..." recordo estas palavras e aplico-as com outro sentido (ou talvez o mesmo, noutra amplitude de sentires...) leia-se, pela face do cristal que der mais jeito :)

p.s. não há "abraços reikki" há estádios reikki, até ao mestre e as suas práticas. mas é sempre a intenção que conta, mesmo envolta numa certa "marotice" como que se não fosse premeditada... :)))

(não murchou. este botão é daqueles que dura semanas ... mas murchou algo cá dentro. nada que não se remende, como é hábito)

buble bath kisses and a fading smile ....

LadyAnt disse...

osmose está mal escrito, desculpem.

Tangerina disse...

Mar / JMV,


Não acredito no Deus que me pintaram e que ainda pintam por essas igrejas e por esse mundo fora. Mas acredito no Bem puro. E se, nos evangelhos, substituir a palavra "Deus" pela palavra "Bem", compreendo muitas das passagens que antes não compreendia ou que, até, me deixavam incomodada.

A Mar cita Abbé Pierre: “Creio no Eterno que é Amor". Só faria uma pequena alteraçãozinha: substituiria a palavra "Amor" (para mim já demasiado gasta) pela palavra "Bem".




Form / Cab,

O perdão verdadeiro, amoroso, não implica subjugação. Implica humildade do que perdoa e do que é perdoado. Sim, porque aceitar ser perdoado não é fácil de gerir cá dentro. ;-)

O "perdão" do "Bem" ou, se preferirem, de "Deus", tem muito mais a ver com a proximidade relativa a esse "Bem". Essa é, em grande medida (se não em toda), aferida por nós próprios. Assim sendo, o "perdão de Deus" começa na auto-aceitação e é também um acto de amor, desta vez de nós para nós mesmos. E aí é que começam os problemas, porque é muito mais fácil aceitar determinados comportamentos ou atitudes nos outros do que em nós. Mesmo que não pareça... ;-)
Como diz o JMV num post: "Não há pides tão severos como os que acarretamos dentro de nós". :-)


-------

Explicação para os tracinhos: :-) = :) e ;-) = ;). As segundas versões são versões condensadas das primeiras. Como os meus dedos já são velhinhos nestas coisas, quando apareceram as versões condensadas, não se conseguiram habituar. Diz-se que burro velho não toma andadura... :-)

cabecinhapensadora disse...

Mar

Pois é. A vida não é bem fazer o que se gosta. É mais "gostar do que se faz". Como a Tangerina, julgo o termo amor demasiado amplo e gasto. Por, em cada coisa, momento, situação, tomar uma luz diferente, (diria a Lady acerca do luminoso no cristal-apesar de parecer que há qualquer coisita partida e que se calhar fui eu que parti sem querer mas não sei o que).Quase vinte seis séculos depois e tinha razão quem identificou o bem com o amor e a beleza :) isto é que é andar para a frente.
Bom Dia! E que a água seja percurso transparente na nossa natureza.

LADY

Rousseau pensava o mesmo de "quando alguém nasce nasce selvagem". Um optimismo ingénuo. Pouco a conheço,Lady, mas não me parece que. Talvez só outra face do cristal, pronto.
Para tudo é preciso ser crente, Lady. Todos os somos. Só que em objectos diversos. Não se sobrevive sem acreditar. Quanto a "tudo se aprende" concordo. mais ou menos. é o mesmo o objecto, mas diferentes são os sujeitos. E o belo é a diferença que aparece e ainda o poder essa diferença ser ponte de entendimento e interesse.

Abraços reikki (não sabia que KK, obrigada): uma vez uma crente contou-me que o 'mestre´do reikki' dava uns abraços extraordinários que deixavam as pessoas cheias de energia e bem dispostas. Já agora, e visto que de vez em quando me parece que parto alguma coisa sem querer, pode dizer o que é? Quem sabe posso emendar.
Tá. rosas são rosas. O princepezinho tinha uma flor de que nem sabia o nome e a que punha uma redoma todas noites. De quem teve saudade. E por quem voltou a um pequeno planeta com dois vulcões extintos. O que ele queria era o bem da sua flor :))
Um bom-dia Lady

Tangerina
Sobre o perdão podemos escrever rios de palavras. Teorizar. A verdade é que cada situação exige diferenças. Mas que todo o perdão instaura uma assimetria, é verdade. E se baseia num princípio de autoridade, também. Do resto, cada um há-de saber. 'aceitar ser perdoado' não é fácil.
Explicação dos smiles: compreendido. Só sabia este :))Tangerina, a velhice, dantes,era sintoma de sabedoria. não vejo por que não há-de continuar sendo :)
Bom Dia. Com olhos de ver outra coisa. Sempre.

SisinWah disse...

Sempre o poder e a religião, quem os desafia ainda hoje morre… Interessante pensar como seria interpretado se tivesse vivido uma longa vida. Talvez a igreja católica não existisse ou fosse muito diferente, haveria muito menos lacunas a preencher e a usar... Quantos males teriam sido evitados? Teria sido pior ou melhor?

Xelim's Skull disse...

Jesus é um fetiche. E o cristianismo é a sublimação desse fetiche.

Fairy Floss disse...

Não venho deixar nenhuma comentário à publicação. Venho deixar o beijinho de uma seguidora e fã :)

Mar disse...

"Almoço de 15 de Agosto". Uma delícia... Um sorriso de orelha a orelha do princípio ao fim.

Tangerina disse...

Vejam o pickles de hoje: http://comics.com/pickles/


T.

Su disse...

........but...................

jocas maradas, pois

LadyAnt disse...

ora aí está um bom argumento para não se casar, tanjarina. looool


beijos a todos e uma noite doce :)

Mar disse...

T,

Amor, Bem... Entendemo-nos.

cabecinhapensadora disse...

O Earl e a mulher são queridos. E o Earl tem a filosofia de vida necessária: "se a gente não sabe de uma coisa compra outra que é para a primeira aparecer e a gente poder perder a segunda. descansados" (eu é mais à terceira, há sempre uma que sofre um apagão desgraçado e não aparece quando compro a outra). Earl,entendo-te.

E olhe Tangerina, aqui vai uma beijoka, "thanks", vi tudo. Não sabia que tinha alguém tão parecido.

Tangerina disse...

Farto-me de rir com o Earl e a Opal! São os dois muito engraçados. Ele é um pachorrento. Ela nunca lhe dá o desconto. Cobra sempre! ;-)))

Acho que quando tiver a idade dela vou ser assim... ;-)))

Obrigada. A gente fica feliz quando os outros gostam do que fazemos.

Boa noite.

T.

LadyAnt disse...

cabecinhapensadora
sou algumas coisas, uma delas, "mulher de palavra". disse que encerrara as minhas escrituras no espaço abaixo, assim fiz.

"esta ovelhinha" aqui, rebola, e tem olhos muito brilhantes quando o faz. e fica com florzinhas por tudo quanto é canto... não é só nas "patitas" ...

erzipela
"é uma infecção de pele causada, na maior parte das vezes, pela bactéria streptococcus pyogenes grupo A, podendo ser causada também por outros streptotcoccus ou por estafilococcus. Processo infeccioso que pode atingir a gordura do tecido celular subcutâneo que se espalha pelos vasos linfáticos. É adquirida quase sempre pelas frieiras, porém provocadas também por qualquer ferimento. Pessoas de qualquer idade podem ser acometidas, entretanto é mais comum em diabéticos e obesos.

Durante o período de incubação, que é de um a oito dias, os sintomas são mal-estar, desânimo, dor de cabeça, náusea e vômitos acompanhados de febre alta e aparecimento de manchas vermelhas, bolhas pequenas ou grandes nas pernas, face, tronco ou braços. No princípio, a pele se apresenta lisa, brilhosa, vermelha e quente. O inchaço aumenta e surgem as bolhas com o desenvolvimento da infecção.

Exames laboratoriais são usados somente para acompanhar a evolução do paciente, pois o diagnóstico é feito pelo exame clínico através da análise dos sinais e sintomas apresentados pelo paciente.

Patrícia Lopes
Equipe Brasil Escola"

o ar sério, é para me dar credibilidade, cabecinhapensadora. para as pessoas não me imaginarem com a cremalheira toda à mostra sempre que escrevo algo com algum em tom de gracinha e me imaginam incapaz de ter um ar sério, sem andar sempre a fazer publicidade ao pepsodente branqueador... :))

um beijo no esvoaçar duma gaivota ensandecida (sem erzipela) :)

cabecinhapensadora disse...

Ok, Lady. Cá estamos. numanice. ah ah ah ah, isso de 'mulher de palavra' é o quê?, já a li dizendo que não volta...hummmm...de palavra só às vezes, que é o que toda a gente é. Às vezes, de palavra :))A sua personagem é um mimo. comprimidos à fartura e o resto. mesmo quando põe um ar sério (desculpe) estamos(estou) à espera que apareça aquele pouco de loucura que convence do vale tudo no jogo da apanhada. Não se amofine, mas a senhora é o nosso espaço de rrr..rr..rrr...quer dizer, desatino (a sério que admiro, não conseguiria, só tenho uns lampejos vagos; a senhora aguenta-se. com mestria; estou a repetir-me, desculpe). Lá não sei onde, gostei do mar parado e quieto onde um garoto talvez queira mergulhar e assim.
gaivotas: têm um piar um cado parvo, parecem estar a mandar-nos embora,armadas em resmungonas. Mas depois reconciliam-nos, afinal quase se nos abeiram em tardes redondas de praia. E de manhã, chegando cedo, são donas da areia, o trevo das patas em todo o lugar. Invejo as gaivotas. O que será que fazem durante a noite na areia da praia? Talvez voem ensandecidas, mas também poisam onde as marcas; talvez durmam tranquilas ou terão sonhos de andar e andar e andar e são sonâmbulas?! . ficam só a curtir o espaço e o silêncio com mar ao fundo, mundo onde a nossa natureza não entra. 'Amo o longe e a distância', mas talvez mais as palavras que são para nada. Começo a julgar que a beleza também é ser para nada. profundidade do inútil :))
Bom Dia Lady. Com sol. E a imaginação toda que a gente sabe que a senhora tem.
Uns arabescos de patas de gaivota a parecerem escrita chinesa na areia que entender e lhe der jeito

LadyAnt disse...

:) e cá estamos.... no patamar da vizinha (se ela soubesse que quando vai trabalhar nos turnos da noite, nos juntamos as duas à conversa no patamar do apartamento dela, só para não perturbarmos os nossos livros e as telas lá de casa ... e o caroço de maçã roida que eu todas as noites lá deixo, depois de fumar cigarros atras de cigarros, só para provocar (já ouvi comentários indecentes vindos do porteiro do prédio ... queixas da Senhora... também, ninguém a manda trabalhar na noite) rsrrsrrsrrs

sabe, litlethinkinghead, às vezes penso que pensa que tudo o que digo é apenas fruto da minha imaginação, apenas. será que acredita mesmo nisso?

vou ver se vou ali retirar uma coisa para colar aqui e lhe contar uma história que "mete" gaivotas...
(só um "mike")
... foram vários "mikes". não consegui implantar aqui apenas a foto das gaivotas, mas produzi uma "pequena metragem" só pra si, cabecinha :)

http://antfootsteps.blogspot.com/2009/04/as-gaivotas.html

(eu depois falo-lhe de como dormem as dita-cujas gaivotas)

a primeira foto, foi uma alusão a fotos que tive que omitir, pois expunham os meus filhos, por isso, não dá pra ver bem "a coiSa" que lhe queria demonstrar. [é também alusão a imensas outras coisas muito arreigadas dentro de mim, mas não lhas desvendarei ;)]

estas duas fotos, junto com outras precedentes, foram tiradas num belissimo entardecer de outono numa não menos bela praia denominada Paredes de Vitória (entre a Nazaré e S. Pedro de Moel) e que partilho consigo, com prazer.

esta praia tem sempre imensas gaivotas no areal, fora da época balnear, principalmente.

as que se vêem ao longe, foram "corridas" da praia por mim e pelos meus filhos que achámos um autentico desplante as "meninas" terem aquela praia toda só para elas... fomos devagarinho, qual predador qualificado, e, bem pertinho delas (que já se movimentavam em ar de suspeição) lançámo-nos que nem leoas perseguindo as suas gazelas aladas!!!!!!

foi um corropio de asas e gritos doidos, um esbracejar estonteado e a pressa em "sacar" do telemovel e tirar tantas fotos quanto fosse possível conseguir... antes de tropeçar num tronco e esparramejar-me toda ao comprido e virem as cenas das gargalhadas do gozo e o telemovel sabe-se lá já onde... (malvadas....) looool

as patas, foram cuidadosamente seguidas, lado a lado, por pézitos pequenitos e uns um bocado grandes ... dando um código secreto aos arabescos chineses, por causa da Mossad que nunca se sabe, pode estar sempre escondida atras dum tronco dum daqueles pinheiros do D. Dinis, à espera de alguma informação vinda do outro lado dos oceanos.

como vê, estas coisas não são parte do imaginário: vivem-se mesmo. especialmente, quando se está perto de mim :)))

o dormir das gaivotas... ora bem... para mim, que já dormi "debaixo" delas é um tanto desinquietante, especialmente, porque temos que lavar a caca delas no dia seguinte, que aquilo é ácido puro que se pega aos barcos ... nos areais, elas não dormem descansadas. até sinto um certo conforto (confesso) por o saber. sinto-me, como diria... não sendo a "única a olhar o céu" ou algo do género.

se um dia quiser vir roubar figos connosco, também a convido... cantamos o "ali baba e os 40 ladrões" e tudo. só tem uma coisa: eu sou sempre a que fica cá em baixo com a cesta e os vai apanhando (comendo) e guardando. quem quiser que se empoleire... depois, não me importo de ser eu a fazer o doce!!!! rsrsrsrrsr

quando aos comprimidos, vou confessar aqui uma coisa que me surgiu na ideia assim como quem não quer a coisa: estou a pensar em deixar de os tomar todos (até a morfina!!!) e passar a praticar sexo assiduamente, digamos que agora passe a duas vezes por ano se a coisa se proporcionar (risos). ouvi dizer que quem pratica sexo com muita regularidade sofre de menos doenças!!! ou li??? terá sido na revista Maria? ou foi alguém da net? ou no café? hummm... ou uma sms daquelas que rodam pelos telemoveis? (problemas de memória tb devem começar a desaparecer...)

beijo em forma de ametista para si (e não decline, por favor, dizendo que prefere que seja em forma de pedra da calçada portuguesa...ainda me volta a causar erzipela ;)

Tangerina disse...

ihihihihi... ;-))

Que bom estarmos aqui escondidinhas... ;-) Enquanto os adultos falam lá em cima, nós estamos aqui, debaixo das escadas, a ouvir tudo, a cochichar e a rir muuuuuito! ;-))


Shhhhhhh... tudo muito baixinho, pouco barulho... ;-)))

(vocês a conversar cochichando e eu a ouvir, embevecida :-) - http://www.youtube.com/watch?v=maWsN_XsamQ)

LadyAnt disse...

p.s. hoje tirei mais fotos para o post... amanhã haverão novos desenvolvimentos na base de desenvolvimento dos planos de ataque... rsrsrsrsrsr

hasta luego compañera V (simbolo da Vitória, claro)....

cabecinhapensadora disse...

Lady


Reconheço-lhe um jeito de escrita que me agrada. Gosto de conversar consigo. Por dizer parvoíces e ser o meu mundo muito sério e grave. Pensei que nós duas tinhamos em comum uma certa irreverência. Acontece que sou mesmo pedra da calçada dona Lady. E me senti mal por ter feito um post com o nome que uso. Pode apagá-lo? Agradeço
Um abraço

PS: não pretendo voltar, mas sempre lhe digo que me impressionou a imagem ensanguentada.

fiury disse...

Pregos a mais por quem ainda não se quer salvar? Demasiado boa pessoa? Nem assim lá chegaremos?
Eis os mistérios da fé?