domingo, agosto 29, 2010

A caminho.

Na véspera da estrada o nervoso miudinho faz as malas comigo. A preguiça também... São velhos conhecidos. Como o imponente porteiro do hotel, "prazer em tê-lo connosco outra vez". Do serviço de quartos virá pergunta risonha, "o costume?". Sou um tipo previsível , rotineiro e meticuloso, que dispensaria a ansiedade se pudesse trabalhar sem ela. Não posso, a adrenalina põe-me em guarda e capaz de enfrentar o mais impiedoso dos críticos - o que já saliva dentro de mim. Nunca lhe arranquei uma salva de palmas, já a não espero. Basta-me um quase imperceptível aceno aprovador...

7 comentários:

tereza disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
andorinha disse...

Já é um caso perdido!:)

E que crítico tão pouco realista, esse...
:)

Beijinho.

fiury disse...

os críticos são uns imbejosos:)

Jorge Manuel Brasil Mesquita disse...

O Senhor Doutor devia saber, muito melhor do que eu, do que as pequenas sílabas do sibilino quotidiano, não se amedrontam com o mecanismo disfarçado de férias. Devo recordar-lhe que tudo se conserva imutável no centro da hipófise.
Jorge Manuel Brasil Mesquita
Lisboa, 30/08/2010

Cê_Tê ;) disse...

O professor já tem o seu público!- Milhares de pessoas que já lhe conhecem as idiossincrasias e que o quer TAL como é.
Agora veja lá!!! Não se esqueça de aparecer com uma nova cremalheira à Cristiano Ronaldo, um corte de cabelo à Herman José e sem óculos!
Quanto à "forma intelectual"... toda a gente adora as suas fugas...(porque elas tb nos revelam muitas coisas ;))))... e depois a malta deste lado também envelhece. E é 95% (;P) das vezes brilhante!

Quanto às alterações nervosas associadas as viagens... ( no coments ;()

;*

vanda f. disse...

Nós próprios somos os mais exigentes (auto-)críticos :)

Su disse...

;)