segunda-feira, fevereiro 28, 2005

Fuga

Por vezes, quando o cansaço faz valer os seus direitos, "repouso" numa actividade automática - jogo gamão na Net. A identificação é impossível, para lá da nacionalidade do oponente. E no entanto um padrão emerge: quando pressentem a iminência de uma derrota, muitos adversários desaparecem. Sem uma palavra de adeus. A minha deformação profissional alerta para os sinais de intolerância à frustração - "Vou perder? Nem pensar! Piro-me e regresso à estaca zero". Encontro este modo de funcionamento todos os dias nos toxicodependentes. Que boa gente prefere considerar "extraterrestres", se comparados aos "normais e respeitáveis". Não penso assim. Os toxicodependentes são exemplos acabados de uma lógica consumista levada ao extremo, surda à chaveta legal/ilegal. Mas não só. A avidez pelas drogas traduz também a tal intolerância à frustração, ao menor sinal de angústia ou depressão o indivíduo "medica-se" através da anestesia dos afectos. Que não passa de uma fuga quieta...

40 comentários:

Duke disse...

Bem vindo á blogosfera. Partilhe as suas ruminações connosco. Nós estamos aqui para isso.abraço

Rui MCB disse...

Bons olhos o vejam/leiam (ora aqui expressão curiosa).

Também me atrevo a um "Bemvindo".
Abraço.

João Mãos de Tesoura disse...

Curioso, jogo xadrez no Yahoo e o padrão é o mesmo! Muitos deles criam novos nicks só para manter scores elvados. Enfim, fugazes!
Abraço de um anónimo da praia Maria Luísa ... by the way, o Grande Real de St. Eulália merece uma visita, um SPA com massagem de pedras a não perder. Depois é descansar e beber um chá! ok! Pode pensar "Eu mereço isto!" porque até merece!
¡Abrazo e bien venido!

Patrícia disse...

Que bom encontrá-lo por aqui :)

MRF disse...

Visito as crónicas de um sucesso anunciado! E já é um prazer!

Pintelho disse...

Antes de mais, muitos parabéns por se ter rendido aos encantos de este magnífico meio de comunicação. É muito bem-vindo.
Em segundo lugar, gostaria de comentar este post, em particular.
Eu jogo Damas e Chadrez pela net,e o padrão é o mesmo.
Aliás, seja em que for, é sempre o mesmo.
E na toxicodependência também.
E urge combater este padrão de comportamentos.
Um texto fabulosode um autor fabuloso. Parabéns.

pandora disse...

Como disse o duke, estamos aqui para isso, para partilhar ruminações...

a fuga é tão mais fácil, ou será que não? não tenho por hábito fugir, e costumo exigir que não me fujam... mas nem sempre sou bem sucedida :(

São Rosas disse...

Ó Pandora, o Júlio chega aqui ao mundo dos blogs e tu recebe-lo com o teu rabiosque?!
Isso é que é marketing, rapariga!
(sim, Júlio, que aquele rabiosque é mesmo dela, que eu não ando aqui para jogar gamão na net)
Ao menos eu não mostro o rabo :)
Convido-o é a visitar a cobra cuspideira.

Gotinha disse...

Epá... vocês não podem saber nada.... bastou eu falar do Blog do Menino Júlio e vieram logo todos cá na esperança de conselhos "Sexológicos" à borliu... ai ai... que cambada....
;-)

Anónimo disse...

Obrigada PROF. (escrito e dito assim mesmo)por poder ouvi-lo/lê-lo todos os dias, mesmo à distância de um Porto-Lisboa. Por agora, e por também ter alunos (e uma tese "às costas"), digo-lhe apenas um "olá" de boas vindas (também é a primeira vez que visito um blog)e um muito obrigada por me deixar a pensar naquilo a que chama a "anestesia dos afectos" - fico a pensar e a perguntar(-lhe) se não será desse mal que sofre hoje a nossa cultura que ou omite os afectos (por ter "vergonha" de os mostrar) ou transforma tudo em "-inho", fazendo um uso maléfico do chamado "valor afectivo do diminutivo" (não sou linguísta, mas às vezes ela dá jeito), o que nos transforma cada vez mais em seres incapazes de dizer «Amor», por estarmos habituados culturalmente a dizer "amorzinho" (até o grande Pessoa sofreu desse mal; para mal dele e da "Ofélinha").
Adeus, PROF. E continue a fazer-me pensar.
Espero continuar a lê-lo. Faz bem à saúde!
M.

lobices disse...

...parto do princípio que todos somos iguais... e isso me alegra pois não me permite julgar-me superior ou inferior aos outros; é por isso que me alegro bastante verificar que o Prof. (permita-me chamar-lhe profe pois é assim que eu sempre o vi e ouvi)pensa de igual forma... sorrio... admiro-o e gosto das suas "crónicas" na tv; por isso, porque razão não haveria um conhecido Júlio vir para os blogues partilhar as suas palavras tal como todos os outros o fazem?... Claro que sim, claro que queremos ler as suas ruminações e queremos também que leia as nossas, que partilhe as suas palavras com as nossas e que permita que partilhemos as nossas com as suas... quanto ao título deste seu post "Fuga" apenas pergunto a mim mesmo se não será isso que todos fazem quando vêm aqui debitar umas quantas palavras que mais não são que fugas ao quotidiano macabro da existência rotineira neste espaço tempo que nos é concedido viver... um abraço e um pedido: aqui não existem senhores para cá e senhores para lá; aqui é tu cá tu lá: terás de viver aqui com isso, amigo Vaz!... Um abraço de boas vindas e, já agora, psiquiatria-me o meu blog...

thegoldenaura disse...

Lobices, permita-me comentar algo.
Acredito que possam ser vários os motivos que nos levam a "postar", a "fuga" ao quotidiano pode ser uma delas, contudo o prazer de ser lido desempenha um papel muito importante.
O reconhecimento social (ainda que na blogosfera) é um "reforço positivo" de grande força. A vaidade.

Papá Urso disse...

o que me deixa contente é que pelo menos não é só um defeito português! também já fiquei a jogar sozinho várias vezes, mas no xadrez.

gamão não sei jogar, é para gamar peças ao adversário, n é?

lobices disse...

...To: TheGoldenNaura: aceito como é evidente a tua achega; claro que não vimos aqui "debitar" apenas para "fugir" ao quotidiano; claro que a grande verdade é a real NECESSIDADE de comunicação e de RECONHECIMENTO... o ser humano PRECISA de ser "reconhecido", ser "ouvido", ser "entendido"... não diria tanto por vaidade por por vontade de dar ao mundo a "foto" do ser existir; um blog, por exemplo, sem comentários (que os há) são blogs fechados que não permitem uma interacção, não permitem um tu cá tu lá, um "lutar" por uma razão, uma lógica ou até mesmo por uma simples birra insana... claro que bem lá no fundo de cada um de nós, o que pretendemos é sermos ouvidos!... Daí que, quando digo que vimos aqui numa fuga macabra ao quotidiano, afirmação que mantenho, não deixo de aceitar que o faço na expectativa dum feedback; caso contrário, silenciaria a minha "voz" e calaria a minha dor ou a minha alegria... mas não, vimos aqui GRITAR como quem diz: "ena pá, tás bom? Eu também estou aqui. Diz algo para eu saber que não estou só neste universo de solidão onde na maior parte das vezes estamos muito mais sós do que aquilo que aceitamos estar..."
...Há um grito imenso em todos nós
...Há que exorcisar o que se cala
...Há que comunicar
...Sem comunicação, vegetamos...
abraço

Papo-seco disse...

Serei certamente um visitante assíduo, com o prazer que tenho em o ouvir, complementarei com o prazer, que já constatei, terei em o ler

nokas disse...

Eu também subscrevo o "Benvindo à Blogosfera!!"
Beijinhos de uma grande fã!!

p disse...

Estimado Sr. Professor,

Estará no meu percurso de leitura obrigatória.
Bem haja por vir ruminar connosco nesta cultura freudiana dos blogs. Por cá, o prazer da escrita usa bastantes mais dedos que os que seguram uma caneta...

http://educaropovao.blogspot.com/

Porque uma esquerdilhice libidinosa nunca caiu mal a ninguem!

De um fã
PSM

grzl disse...

gosto de o ouvir ruminar em todos os locais por onde tem ruminado, este é só mais um.
a "blogequipa" foi reforçada com um elemento de peso.
um abraço

O Vizinho disse...

Bem vindo à aldeia, Professor!
Aplaudo a sua decisão de se juntar ao mundo cibernético mas também o facto de não se ter deixado tentar pelo refugio, abrupto, de não nos permitir opinar acerca dos seus posts através dos comentários.
É também por aí, principalmente por aí digo eu, que se mede o pretenciosismo de um blogger, pela sua disposição para aceitar os aplausos mas também as críticas desfavoráveis.
No seu caso diria que acabou de subir mais uns quantos degraus na minha consideração por si... mas tendo em conta o patamar elevadíssimo em que se encontra temo que tal lhe cause vertigens.

Mi casa es su casa! Apareça quando, e se, quiser.
Um abraço do
O Vizinho

th disse...

Isto é só um olá, pois soube do blog agora mesmo por uma amiga que sabe que sou sua fã, e antiga, pelo menos desde as "Sexualidades". Tenho todos os programas gravados em cassettes. Você vai gostar de saber a minha história, prometo...lol...vou continuar a "theodorar" em breve.
th

Cientista disse...

Um singelo "benvindo"!

manuel disse...

também aqui, caro professor, ninguém "joga a tremoços", acredite!

basta observar as "estratégias" de (re)conhecimento face à sua "aproximação"! vai ser devorado... eheheheh

Didas disse...

Oh Júlio, francamente! Mais um a fazer concorrência nisto?

Ok, pronto. É que eu na net só costumo jogar sozinha. Só aceito perder com máquinas.

:-)

R/B Estação disse...

É bem verdade isso, infelizmente.
Bem vindo!

tounalua disse...

Sem fugas, seja bem vindo quem fala bem. :)

Marta disse...

Ora viva professor, seja bem vindo a esta comunidade. Gostei do seu discurso no Estoril!
Um abraço

li_belinha disse...

Oh Doutor.
Benvindo....a este lado, onde se escreve tanto de afectos.
Felicidades para a nova experiencia !

Mitsou disse...

Bem vindo! Já gostava muito de si, agora ainda gosto mais porque tem um blog aberto a comentários, o que não é habitual nas ditas figuras públicas. Como já viu pelo número de visitas, agora é obrigado a escrever todos os dias! E nós cá estaremos à sua espera :))

Cristina disse...

Bem vindo :-)

taz disse...

Upssss. Eu sou um dos que fugi quando vi que ia perder. Por isso decidi, nunca mais...

Bem-vindo à blogosfera.

pandora disse...

ó menina São Rosas... a menina não mostra o seu rabiosque, mas deleita-se a chamar a atenção para os rabiosques alheios! o professor não levará a mal, digo eu, porque depressa vai perceber como funciona esta comunidade que fala de coisas sérias e brinca consigo mesma de forma que considero saudável.
e não é marketing, não... mas se o Júlio quiser juntar-se à "latest craze" blogueira (o famoso CUBEMBOM) será um prazer recebê-lo! ;)

pagbranco disse...

E assim se desencontra a vida... ou a vida "desencontra-se"????

mónica disse...

não sou capaz de deixar escapar a oportunidade de um comentário ao meu ex-idolo é que deixei de gostar do livro amor em tempos de cólera ;-) prefiro viver o amor já e não esperar pelo fim da vida! mas agora que se fala de drogados tenho a convicção (com conhecimento de causa muito próxima) que o que eles também querem é ser de alguma forma diferentes/importantes, uma espécie de um sinal que os distinga dos outros. acredito que quando a droga for despenalizada deixará de ser o sinal escolhido, talvez outra coisa ilegal :-))

Sara MM disse...

...não só quieta, parece-me!?

Anónimo disse...

Great blog

Please visit our site at Misspelledauctions.com
you can find great deals on all items at eBay

eva jasmim disse...

Admiro-o muito!

dKin disse...

Xiiiiiiii....! Obrigado Professor, ainda ñ tinha feito esse paralelismo, era a pecinha q me faltava!
Beijooo!

Mossoila disse...

"A avidez pelas drogas traduz também a tal intolerância à frustração, ao menor sinal de angústia ou depressão o indivíduo "medica-se" através da anestesia dos afectos. Que não passa de uma fuga quieta..."

...

Esta frase colocou-me a pensar. Será que isto se passa apenas com os toxicodependentes?

Não me parece, os outros "normais", também tem os seus vicios.

Será pela dita intolerância à frustração que a nossa sociedade está doente? Talvez, pois tudo se quer em extremos.

As "nights" que se prolongam pelas manhãs, os "copos" para alegrar as mesmas que passam a comas alcoolicos.

A tv que é consumida sem conta nem medida por algumas crianças (e adultos), para as manter "quietas e caladas".

Adolescentes e universitários que faltam às aulas para ficarem a teclar na internet.

Os que comem desmesuradamente para colmatar a falta de afecto e afectos. Não conseguindo controlar a sua frustração e não utilizando a fuga para o encontro consigo mesmos, mas sim aprofundado a sua dor, o seu mau estar e a aniquilação psicologica de si mesmo.

Uns e umas mais frustrados, outros ou outras menos.
Umas e uns com mais controlo, outras e outros menos.
Uns e umas com mais conhecimento de si mesmos, outros e outras menos.
Umas e uns com mais inseguranças, outras e outros com menos.

Enfim, Todos e Todas estamos cá, em que condições, faz a diferença.

PS - Estou a ler e digerir o "olhos nos olhos". Parabéns por ser quem é. Não sei distinguir o autor do homem, mas acho o autor FABULOSO! Por consequencia, parece-me que o homem também.
Bem-haja pelas palavras que diz.

Pedro Vaquero dos Santos disse...

Concordo plenamente que a intolerância à frustração que aponta, chamando-lhe eu a não tolerância..., provoque a necessidade de anestesiar os afectos ou a capacidade de sentir. Diagnóstico feito, porque insistem tanto os psis em recusar o isolamento consciente do mundo social, diria apenas público, para que possam re-estruturar o seu pensamento? Terão receio de que não estejam em posição de comandar para não dizer manipular a mente humana ou por outro lado, não acreditarão na recuperação autónoma do ser humano?...

Jo ão disse...

"Ó tempo volta para trás"

"As eleições legislativas portuguesas de 2005 realizaram-se a 20 de Fevereiro de 2005, e delas resultaram a vitória da maioria do Partido Socialista, liderado por José Sócrates, o que levou à formação do XVII Governo Constitucional de Portugal."

E uma esmagadora maioria de esquerda:)