terça-feira, abril 15, 2008

A tribo.

O Tiago afirmou solenemente adorar o Yellow Submarine! É uma boa notícia, afinal adormeci-lhe pai e tio ao som do velho refrão - "in the town were I was born...; we all live...". Não por acaso, depois das minhas pindéricas histórias, quando ele e o Gaspar se entregam pouco a pouco ao João Pestana, arrisco a lenga-lenga que atravessou gerações da família - "nã, na, ni, nu, nã, o menino é da Mamã...". Nem só as cartas de amor são ridículas; ternurentas; indispensáveis ao contínuo tecer da lenda familiar:).

18 comentários:

luisinha disse...

QUANTA BELEZA NA PASSAGEM DO TESTEMUNHO DA TERNURA E DO AMOR!...

andorinha disse...

Bom dia.

Esta sua faceta de avô babadíssimo deixa-me sem palavras...
A ternura atravessa o monitor.

:)))

Laura disse...

E por isso é que eu pasmarei sempre!
Como é que gerações e gerações de homens (presumivelmente detentores do monopólio dos dotes de espírito e intelecto, ahahah...) prescindiram deste envolvimento com os rituais da ternura, passaram ao lado da sedução dos mimos, desistiram de construir estas pontes com os filhos e renunciaram aos incomensuráveis dividendos que arrecadam quando sabem demonstrar isso em público (muito particularmente o feminino?!

thorazine disse...

Andei a tentar sincronizar o video mas nada feito: o delay não é constante ao longo do video! Mas descobri que andei a trabalhar para aquecer, já que a RTP anda a por os video do "sexta à noite" no utube!!bahh

Aqui está: http://www.rtp.pt/wportal/sites/tv/sextanoite/

:)

Laura,
olhe que não..olhe que não..acho que os rituais de ternura sempre existiram mas nunca foram falados como tais! :))
Ainda onte tive a ver o documentário sobre a "mensageira" Maria Estefânia Anacoreta, que levava gravações de familiares aos homens da guerra colonial e fiquei estupefacto com as palavras de ternura que ia ouvindo! Foi um documentário muito rico, começando pelo espírito e vitalidade da senhora..:))

O meu pai é do tempos dos "machos" do antigamente e raramente tecia elogios..ou lhe saia palavras de carinho! No entanto ia diariamente demonstrando a sua atenção, carinho, amor..blá blá blá :) por outros meios! Ela existir existia..agora não era preciso falar muito sobre isso! :)

thorazine disse...

PS - Referi o documentário porque queria mostrar que em situações de "desespero" (ou seja, tinha-se de falar pois não se poderia exprimir de outras formas) os "machos" deitavam cá para fora.. :)))

yes! my love! disse...

eu não acredito no que se está a passar em Alvalade o que foi que lhes deu ?

PILAR disse...

Se calhar construir laços é das coisas mais doces da vida! Saber mantê-los sem quebrar, ou sem que se transformem em amarras que magoam é mesmo a felicidade!

andorinha disse...

Santo Deus!
O que uma mulher sofre para nada...
E eu que já me estava a ver no Jamor:(

Thora,
Claro que ternura sempre existiu; quanto a rituais tenho as minhas dúvidas.
Os "machos" sempre foram muito reservados.
E não me contradigas, olha que estou com os azeites.
:)

thorazine disse...

andorinha,
estás completamente errada! :)))

Não existiram rituais "verbais", mas eles sempre existiram..acredito!

Fora-de-Lei disse...

Laura 8:00 PM

"Como é que gerações e gerações de homens..."

Isso é desconhecer os homens por completo...!

Fora-de-Lei disse...

andorinha 10:43 PM

Eu já não sofro... já sei o que é que a casa gasta.

yes! my love! disse...

Mudando de assunto :)

" Nem só as cartas de amor são ridículas;" JMV

hoje talvez AC tivesse feito um poema sobre mails posts e smsss :)

http://www.youtube.com/watch?v=ngYPGWvf8XI

e talvez a explicação para a dificuldade que muitas pessoas têm em dizer o Amor, escrevendo-o na primeira pessoa do singular,

resida precisamente, no ridículo destas mensagens, que podem, e quase sempre são, guardadas para memória futura!

Sobretudo quem tem dificuldade em rir de si mesmo, não deve voltar a ler o que escreveu :)

Não escrever, querendo-o, é o impossível :)

até porque este Amor que nos põe a fazer coisas ridículas, é uma força da Natureza, superior a qualquer forma de controlo inventado pela inteligência humana!

É assim, um pouco como uma bola rolando em Alvalade fugindo a qualquer forma de controlo inventado pela inteligência humana...

e no final uns ganham outros perdem, quando não empatam :)

mas o Amor, perdão, o Futebol,

esse nunca perde com as emoções fortes que nos provoca,

porque é isso que nos mantém vivos e nos dá forças para enfrentar cada novo Campeonato!

andorinha disse...

Thora,
Percebi. Fazes exactamente o contrário do que te peço:)))
Para a próxima já sei...

FDL,
Mas estávamos a ganhar 2-0, caraças...
Ainda custa mais assim.

Marginal disse...

:) bom sabê-lo assim!

Que bom é termos memórias "ridiculas" de amores intemporais :) filiais, umbilicais :)

Estavamos Andorinha :( estavamos :(

"...no alto da montanha pertinho lá do céu...havia um castelinho...onde um rei viveu..."

Embalemos as mágoas :)

Fragmentos Culturais disse...

...suponho que a ternura nunca é ridícula!

Nem o Pessoa teve medo desse conceito que 'os outros' criticam, por vezes, mas no fundo, têm os mesmos gestos!

Boa semana de 'lullaby'... ou melhor 'berceuse' que músicos consagrados cultivaram

http://en.wikipedia.org/wiki/Lullaby

:)

MT disse...

É muito bonita essa sua passagem de testemunho, devo acrescentar-lhe que não me parece em nada ridiculo.

Beijinhos

Tetea disse...

Hummm... Sou uma das enésimas fás do Prof., mas é a primeira vez que aqui venho..apesar de o ler, ouvir, sempre que posso..

Efectivamente a passagem de testemunho deveria ser uma coisa tipo o mais natural possível.. Vou "tentar", também, fazer a "minha passagem" com muito carinho...
Beijinho

Nuno Guimas disse...

O meu Gonçalo, tinha apenas uns meses e já adormecia ao som de Desperado (Eagles), Wild Horses (Stones), Vincent (Don McLean), Knockin' on heaven's door (Dylan), MLK e Running to Stand Still(U2) etc...
Como diz a carrinha hippy do filme favorito dele (Cars da Disney) "Há que respeitar os clássicos, men!!!"
É uma herança cultural que temos mesmo de transmitir.

:)