segunda-feira, novembro 17, 2008

Gentileza do Luís!

"Nada deve ser mais importante nem mais desejável (…) do que preservar a boa disposição dos professores (…). É nisso que reside o maior segredo do bom funcionamento das escolas (…)."

"Com amargura de espírito, os professores não poderão prestar um bom serviço, nem responder convenientemente às [suas] obrigações."

Recomenda-se a todos os professores um dia de repouso semanal: "A solicitude por parte dos superiores anima muito os súbditos e reconforta-os no trabalho."

"Quando um professor desempenha o seu ministério com zelo e diligência, não seja esse o pretexto para o sobrecarregar ainda mais e o manter por mais tempo naquele encargo. De outro modo os professores começarão a desempenhar os seus deveres com mais indiferença e negligência, para que não lhes suceda o mesmo."

Incentivar e valorizar a sua produção literária: porque "a honra eleva as artes."

"Em meses alternados, pelo menos, o reitor deverá chamar os professores (…) e perguntar-lhes-á, com benevolência, se lhes falta alguma coisa, se algo os impede de avançar nos estudos e outras coisas do género. Isto se aplique não só com todos os professores em geral, nas reuniões habituais, mas também com cada um em particular, a fim de que o reitor possa dar-lhes mais livremente sinais da sua benevolência, e eles próprios possam confessar as suas necessidades, com maior liberdade e confiança. Todas estas coisas concorrem grandemente para o amor e a união dos mestres com o seu superior. Além disso, o superior tem assim possibilidade de fazer com maior proveito algum reparo aos professores, se disso houver necessidade."

"I. 22. Para as letras, preparem-se professores de excelência
Para conservar (…) um bom nível de conhecimento de letras e de humanidades, e para assegurar como que uma escola de mestres, o provincial deverá garantir a existência de pelo menos dois ou três indivíduos que se distingam notoriamente em matéria de letras e de eloquência. Para que assim seja, alguns dos que revelarem maior aptidão ou inclinação para estes estudos serão designados pelo provincial para se dedicarem imediatamente àquelas matérias – desde que já possuam, nas restantes disciplinas, uma formação que se considere adequada. Com o seu trabalho e dedicação, poder-se-á manter e perpetuar como que uma espécie de viveiro para uma estirpe de bons professores.

II. 20. Manter o entusiasmo dos professores
O reitor terá o cuidado de estimular o entusiasmo dos professores com diligência e com religiosa afeição. Evite que eles sejam demasiado sobrecarregados pelos trabalhos domésticos."
Ratio Studiorum da Companhia de Jesus (1599).


P.S. A tentativa de redução de danos já começou: simplex para a avaliação, legislação ao Domingo, muita, muita abertura, flexibilidade, recados de um PS dentro do PS que não desdenharia o papel de mediador... Receio que seja tarde - vai haver vencedores e vencidos, mesmo com a habitual oratória cosmética que se seguirá.

18 comentários:

Teka disse...

Nas escolas, a energia vai-se esvaindo por todos os nossos poros, a cada toque de campainha, a cada conversa trocada, a cada tarefa cumprida, a cada intervalo que não repõe forças.
Perde-se o bom clima que sempre nos caracterizou, dissipando-se entre lágrimas, risos nervosos, encolheres de ombros, suspiros profundos, falsas indiferenças e normalidade forçada.
A solidariedade já não tem apenas um significado, passou a ter nuances.
As escadas erguem-se à minha frente como paredes de escalada.
Até as árvores mais antigas foram derrubadas e já não as vejo da minha janela.
Lá muito ao longe o mar, inderrubável, umas vezes calmo outras vezes revolto, mas sempre lá, como que a ensinar-nos uma lição.
Fecho o armário, a porta, desço as escadas, entro no carro.
Um dia frio e solarengo... sem sentido!
Estamos todos MALFERIDOS!

andorinha disse...

Espantoso!
Quem me dera ter vivido no século XVI...

Não quer enviar um e-mail à Lurdinhas?:)))))

Quanto ao seu P.S.também acho que já é tarde. As posições estão extremadas e não vamos ceder.
Recuar agora seria morrer na praia...e está muita coisa em jogo: a nossa dignidade e o direito dos alunos a um ensino de qualidade feito por professores motivados.

maribete disse...

Teka e andorinha, como eu vos compreendo! Espero que ainda se possa ver "alegria no trabalho" no que aos professores diz respeito. Já não para mim que me aposentei o mês passado com as penalizações todas mas já não tenho energia nem saúde para aguentar o tempo que me acrescentaram em fim de carreira. Mas estou de corpo e alma com todos os professores que lutam por melhores condições de trabalho e por uma avaliação justa e correta que permita reconhecer os muitos milhares que deram e dão a vida pelos alunos. Talvez se os nossos governantes se dignassem a ler este post vissem a importância que se dava noutros tempos a este ministério agora tão desprezado, senão amaldiçoado.
Obrigada professor por nos recordar como noutros tempos o professor foi considerado.

andorinha disse...

Sabe o que lhe digo? Mande pelo menos este parágrafo para a Lurdinhas:)
Tá bem que a mulher não vai perceber, mas pode ser que alguém lhe explique:))))

"Nada deve ser mais importante nem mais desejável (…) do que preservar a boa disposição dos professores (…). É nisso que reside o maior segredo do bom funcionamento das escolas (…)."

Canseiroso disse...

Pena é que a boa disposição dos professores,(de muitos professores), (será da maioria dos professores?)tenha terminado desta forma. Eu como um deles, preferiria que nos fosse proposto reciclar o nosso conforto, o nosso comodismo intelectual, o nosso desprezo galupante pela inovação, descoberta, interesse e entusiasmo pela Escola, que estava a acontecer diáriamente.
Claro que há muito a mudar no processo de avaliação, mas colegas...era tempo de acabar com a rebaldaria e voçês sabem do que estou a falar...
PS-Não papo xuxas nem outras comedorias.É só para que se saiba.

susana disse...

A escola está engraçada. Na escola sempre houve bons e maus professores. A ideia da ministra era acabar com os maus. Aproveitou-se de uns tiros nos pés que os (maus) ditos foram dando ao longo dos anos de ensino e toca a carregar-lhes com chumbo para cima, acertando sempre nos bons. Os maus, esses, que bem continuam a andar no meio desta confusão!

cabecinhapensadora disse...

António Vieira não foi um acaso, agradeço ao Luís :). A inteligência é também a arte de fazer o simples, compreendendo que o complexo, na maioria dos casos, disfarça inépcias e desconhecimento. Não havendo interesse e amor pelo que se faz, produz-se mediocridade. A intenção tem que ser boa em si mesma. E não ser boa para alguma coisa. E a alegria não são apenas gargalhadas, antes cria um espírito activo e emppreendedor que se sente e sabe necessário num processo e parte dele. Os jesuítas sabiam o fundamental do 'reitor'. Maria de Lurdes Rodrigues não bebeu dessa água quando concebeu o papel de director das escolas.

Ti disse...

Também me parece que vai haver vencedores e derrotados, mas isto porque nenhuma das partes conseguiu ver além do próprio umbigo.
Quando uma das partes ganhar, vai ficar feliz, vitoriosa e talvez até tenha a "grandeza" de não esmagar a outra parte, só para mostrar o quão magnânime é; mas depois desses sempre breves momentos começar-se-á a ver os buracos que ficaram por tapar, porque todos quiseram mostrar que tinham razão, em vez de procurarem confluência de opiniões...

Fora-de-Lei disse...

andorinha 12:01 AM

"Quem me dera ter vivido no século XVI..."

Sim, nessa altura tinhas homens da estirpe dos Jesuítas que sabiam como organizar um sistema de educação. Mas os tempos evoluiram e vieram as mulheres para dar cabo de tudo... ;-)

Fora-de-Lei disse...

Canseiroso 1:06 AM / Susana 2:20 AM

Vocês têm razão. E os sindicatos estão a ir a reboque daqueles professores que - para sua comodidade - nada querem que mude e que, regra geral, sempre estiveram a marimbar-se para o movimento sindical.

Ou seja, a sra. ministra - eivada de mercantilismo e má fé - acabou por arranjar maneira de safar aqueles que sempre fizeram da profissão de professor um verdadeiro forrobodó...

andorinha disse...

Cabecinha,
Mais um vez subscrevo as tuas palavras.
É o que eu digo, se todas as cabecinhas pensassem assim...
:)

FDL(10.57)

"Mas os tempos evoluiram e vieram as mulheres para dar cabo de tudo... ;-)"

:)))) Looooooooooooooooooool
Até já vou trabalhar melhor com esta tua provocação machista, amigo e companheiro:)

Fora-de-Lei disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fora-de-Lei disse...

Todos temos coisas boas e coisas menos boas... Para vos provar que ainda existem pessoas que reconhecem na Ministra da Educação sensibilidade e capacidade para amar o próximo, vejam esta carta que lhe foi enviada por um jovem da Cidade Invicta.

Carta endereçada à Ministra da Educação

"Estou com um problema e preciso da sua ajuda. Sou um rapaz na força da vida, neste momento sem trabalho e, infelizmente, seropositivo. Tenho dois irmãos, um é sócio do F.C. Porto e o outro foi condenado a 25 anos de prisão por homicídio. A minha mãe morreu de insanidade mental quando eu tinha 3 anos. Tenho duas irmãs prostitutas e o meu pai vende estupefacientes e outras drogas em dois dos bairros degradados do Porto. Recentemente conheci uma rapariga acabada de sair de um reformatório por ter tentado afogar o seu filho ilegítimo recém-nascido. Amo essa rapariga e quero casar com ela. Só concebo uma relação de transparência e amor verdadeiro, para que possamos ser felizes.

A minha questão é: acha que devo falar-lhe no meu irmão que é sócio do F.C. Porto ?"

lobices disse...

fora-de-lei
7.07
-----------------
LOLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL

Nuno Guimas disse...

Fora-de-lei,

re-LOOOL

:)

cabecinhapensadora disse...

Fora-de-lei
Fica-te bem o nome. E a carta :) um fora de lei tem sempre razões que não lembram aos outros.

Ouvi`há pouco a Sra Ministra, senhora que muito trabalha. E a comunicação social o que faz?
e o que investiga sobre as verdades da Dra Maria de Lurdes Rodrigues??? por que razão não se publica, por exemplo, a lei que os professores 'interpretaram mal'?

andorinha disse...

FDL(7.07)

Re-Loooooooooooooooooooooooooooool
És mesmo doido:)))

Fragmentos Culturais disse...

'A primeira fase do saber,
é amar os nossos professores.'

Erasmo de Roterdão

... quase uma enorme desilusão, Lisa Ekdahl ao vivo :(