terça-feira, novembro 25, 2008

O tipo que os selvagens dos meus netos adoram:).

Ontem à noite os Machado Vaz partiram em romaria a dar um abraço ao Octávio Cunha, que apresentava o seu último livro na Árvore. Belo jantar no Uma Rosa nas Virtudes, o prazer de tropeçar numa sala... à cunha:). E sobretudo pela criançada, alegremente desprezando toques de recolher para dar beijos repenicados num grande amigo disfarçado de competentíssimo pediatra. O Octávio é um homem bom e cidadão exemplar. Por isso me dão tanto gozo as suas visitas a Cantelães, as palavras apaziguadas de dois homens para lá da curva da vida não ferem a magnífica e silenciosa moldura natural. Ambos já vivemos o suficiente para lhe dar o justo valor...

28 comentários:

Laura disse...

Também já começo a chegar à mesma conclusão (tão batida que quando temos 20 ou 30 anos a consideramos um cliché absolutamente retórico).
Que diabo, alguma coisa de bom a idade haveria de nos trazer de presente:)
Mas a verdade é essa: há mesmo "novidades" que só os anos revelam. E o melhor é conseguir estar bem acordado para elas, gozando-as com a frescura dos 20 e a capacidade de prazer dos "entas".
Acho mesmo que se vivessemos mais de 100 anos saberíamos tanto da vida que começaríamos a ser intocáveis:)
Afinal a Natureza é muito mais sábia do que se possa pensar, tudo deve ter mesmo um sentido que não descortinamos...

lobices disse...

...a curva da vida, um dia, fecha-se num círculo mas, no entretanto, é tão bom fazer essa curvatura.....
...em novo nunca pensei que ser "velho" (ou seja, ter mais uns anos dos que tinha quando me julgava novo) era melhor do que quando se é novo: sabe-se mais e só pela experiência adquirida e pela vivência que vou tendo, acho que não sou "velho", sou apenas e só um ser com mais algumas coisas para contar e dar mais umas curvas :) com todo o prazer e a jovialidade que, em novo, não se sentia e não se usava...
...viva essa curva :)

Teófilo M. disse...

Ah! O Dr. Octávio, ainda me lembro bem dele, jovem, quer no HSA, quer no consultório - bem próximo do Gambamar - a tratar do meu filho, sempre com um ar falsamente distante, empenhado e cuidadoso, sem um alarme na voz.

Já não o vejo há uns anos, folgo que esteja bem e activo.

cabecinhapensadora disse...

Os amigos são a nossa natureza, mistério de estarmos presos em liberdade.

Nuno Guimas disse...

Deve ser bom chegar a uma idade mais "avançada" :) e ter amigos "para as curvas". Às vezes penso que na minha geração e nas subsequentes isso já não poderá vir a ser assim. Estarei enganado? Bem, venham essas curvas que eu cá vou pondo o pé no acelerador.

A Menina da Lua disse...

Tambem concordo que as palavras apaziguadas casam muito bem com o sereno e silenciador olhar sobre a natureza...
Existem outras versões igualmente interessantes:) como o olhar anestesiado sobre o crepitar da lareira ou mesmo o ouvir manso do cair dum rio...
Talvez tudo isso faça parte do tal mistério harmoniozo quando colocamos em simbiose com os outros e a natureza...:)

Nuno Guimas

"Às vezes penso que na minha geração e nas subsequentes isso já não poderá vir a ser assim" :)

Pois! por vezes, em amizade estranha-se a pouca espontaneidade para a partilha e para a procura do outro mas acredito que os amigos constróiem-se, não caem do céu e estamos sempre a tempo de o fazer...:)

andorinha disse...

Essas romarias dão um sabor tão especial à vida!
Só não entendi o que é "a curva da vida":)
Não tem ela tantas curvas?
E estamos todos cá para elas, independentemente da idade.

"Mas a verdade é essa: há mesmo "novidades" que só os anos revelam. E o melhor é conseguir estar bem acordado para elas, gozando-as com a frescura dos 20 e a capacidade de prazer dos "entas"."

Subscrevo.

thorazine disse...

Nuno Guimas,
"Às vezes penso que na minha geração e nas subsequentes isso já não poderá vir a ser assim"

Há por ai um video onde se ouve:

"Accept certain inalienable truths, prices will rise, politicians will
philander, you too will get old, and when you do you’ll fantasize
that when you were young prices were reasonable, politicians were
noble and children respected their elders".

O mundo muda, é verdade! Mas a perspectiva do mundo permanece, saudosista. Talvez seja diferente, no futuro, mas amizade será sempre amizade. Os seres humanos são muito bons a arranjar e manter coisas que lhes dão prazer, e a amizade é uma delas.. :)

andorinha disse...

Thora,

Admiro a tua maturidade, puto:)
Tens toda a razão no que dizes...

Beijocas.
:)

yulunga disse...

Dr. Murcon

Imagino a conversa de "dois homens para lá da curva da vida".
Juntaram-se "duas comadres" portanto ;-)

Sandyblue disse...

Sobre os amigos, costumo dizer que são a familia que temos o direito de escolher e esses resistem a tudo, mesmo a distância, porque quando a vida nos faz cruzar novamente com eles parece que foi ontem a ultima vez que nos abraçamos e isso não se explica, sente-se...
Os netos...bom eu ainda não tenho filhos mas tenho sobrinhos e assisto todos os dias com alguma "inveja" ao deleite que a minha mãe tem em os ter lá casa..., os quatro terroristas dos meus sobrinhos! Embora só em "regime diurno" ela voltou a ser mãe, mas sem o imenso peso da educação deles; os pais educam, os avós disfrutam; eu adorava um dia sentir esse prazer, ser uma "mãe-levezinha" :)
Por falar nisso está na hora de ir levar as meninas ao ballet...as tias também têm as suas obrigações! ;)

Beijinhos
Sandy

Nuno Guimas disse...

Obrigado Menina da Lua e Thorazine :)

Eu tentava referir-me a uma actualidade em que as pessoas parecem construír "amizades" - que, de facto no verdadeiro sentido não o são - segundo interesses pessoais, e não com a saudável espontaneidade de apenas gostar de outrém, seja em que sentido fôr.
Contudo registo as vossas mui sábias palavras, e daí o meu agradecimento :). Foram amigos ;D.

Fora-de-Lei disse...

Nuno Guimas 10:22 PM

Aquilo que sempre caracterizou os ingleses, ou seja, serem uns interesseiros, não era uma questão rácica / cultural. Tudo indica que era já uma questão de sociedade.

Hoje em dia, os portugueses - tal como os ingleses - são amigos de alguém enquanto esse alguém lhes é necessário, por qualquer razão. No dia em que esse alguém deixa de lhes ser necessário, adeus "amizade"...

A Menina da Lua disse...

Fora-de-Lei

"No dia em que esse alguém deixa de lhes ser necessário, adeus "amizade"...

Mas isso será alguma vez amizade?

Para mim a amizade primeiro nasce naturalmente, como que de magia se tratasse, em forma de empatia não descritível nos manuais da racionalidade. Depois constróie-se no dia a dia ou mesmo à distância do tempo,com sinceridade, despojamento e voluntarismo mas tendo por permanência a vontade, a alegria e o prazer de estar...

Como tudo na vida, acontece que as pessoas mudam em sentidos e direcções opostas nem sempre compatíveis com as amizades que se querem livres, espontâneas mas naturalmente exigentes no rigor da troca...

Por vezes fica e resta aquilo por onde começou; que é uma atracção e um brilhozinho que como nos outros amores se pode prolongar no tempo... e como dizia o poeta: "para tão longo amor tão curta a vida"...:)

Fora-de-Lei disse...

A Menina da Lua 10:27 AM

"Mas isso será alguma vez amizade?"

Claro que não. Daí eu ter escrito a palavra entre aspas, caso não tenha reparado.

Menina da Lua, faça o seguinte exercício: liste aqueles que considera serem seus amigos e imagine-os como seus colegas de trabalho, muito próximos da sua função. Depois deste "teste", quantos permanecem amigos ?

A Menina da Lua disse...

Fora-de-lei

Claro que eu reparei que você reparou... aliás todos reparámos que não era amizade! :))

Tratou-se apenas dum exercício de ênfase meu...

"liste aqueles que considera serem seus amigos e imagine-os como seus colegas de trabalho, muito próximos da sua função."

Penso que tudo pode acontecer...ou seja uns poderiam continuar como amigos outros talvez não. As dinâmicas da amizade não são lineares; há amizades que se aprofundam e surgem em partilha de situações difíceis onde alguem se revê e encontra espaço para se melhor manifestar. Outras há que por insegurança incapacidade ou medo não se aguentam tão bem com elas proprias e ainda muito menos na relação com os outros apesar de amigos.
Saber e entender isso nos amigos é meio caminho para os preservar pois é arriscado exigir deles aquilo que eles próprios não são capazes de dar...

Mas o que vale é que todos valem...e como diz o poeta ( mas o outro) " tudo vale a pena se a alma não é pequena" ...

Hoje estou assim muito virada para a poesia:)) é o que vale!:)

Nuno Guimas

Eu é que lhe agradeço a gentileza mas tambem não era preciso exagerar com essa das "palavras sábias" :)

Fora-de-Lei disse...

A Menina da Lua 11:37 AM

"... há amizades que se aprofundam e surgem em partilha de situações difíceis onde alguém se revê e encontra espaço para se melhor manifestar. Outras há que por insegurança incapacidade ou medo não se aguentam tão bem..."

Acho que, também aqui, o chamado Princípio ou Lei de Pareto mostraria a sua "cientificidade". Ou seja, não tenha dúvidas que - pelo menos - 80% da sua lista de amigos ardia enquanto o diabo esfrega o olho.

A Menina da Lua disse...

Fora-de-lei:)

As suas estimativas têm graça e compreendem-se vindas dum engenheiro:)
Mas já reparou com certeza que os "filhas da mãe" tambem têm amigos!
Penso que a razão está na tal "não razão" que nos faz combinar de tal modo com algumas pessoas que têm o dom de nos fazer valorizar e chamar ao de cima aquilo que de melhor temos... e por vezes o contrário tambem é válido.

E agora vou de viagem antes que se faça tarde:)

Eduardo disse...

Saudação especial desde as Terras de Paredes de Coura.

Abraço

www.paredesdecoura.blogs.sapo.pt

anfitrite disse...

¿¿!! "WHAT A WONDERFUL WORLD"!!??

Só a minha curvatura é tamanha que não aguenta com o Gauss às costas!

Têm sido tantas as curvas, as travagens, as derrapagens e os desvios que, neste momento, me encontro resvalando na berma da estrada até ao abismo.

Antigamente era: "olho por olho, dente por dente". Agora será do ADN (vulgo PDI), ou das nanopartículas?!

Toda a gente dizia: "abençoados os pobres de es.....".
Como é que tanta Sabedoria nos pode trazer paz de espírito?
Será uma casa em Cantelães, com piscina no terraço e o crepitar nas lareiras das salas, quando há tanto estômago a crepitar de fome e sede?

-É a noção do dever cumprido, minha cara!-

Ou será a carapaça de psi?!

Há quem diga que os conformados e os apaziguados, já estão meio-mortos. E os indiferentes, como estão?
Será que tudo isto é conversa fiada?

Sonhem com as estrelas...mas, cuidado com o frio.

Julio Machado Vaz disse...

Yulunga,
Exactamente!:).

Sandy,

Os amigos são as jóias da coroa da tribo, cada vez desconfio mais das "garantias" do sangue.

Eduardo,

O mesmo para si. Paredes de Coura era o paraíso que meu Pai contava, revoltado pela retirada da família:(.

CêTê disse...

Boa noite.

Vim deixar um abraço com saudades saudades de passar por aqui todas as noites entre pesquisas feitas por devoção, paixão e genuína sede de saber.

Gostei do que li- do que escreveu sobre o estado da Nação. Acredite que é tudo mais grave do que lhe parece.

O prazer que tenho de imaginar quantas serão as teses de mestrado e de doutoramento que virão para "a" deixar na história para sempre... pelas razões que nunca pensou.

Só espero que o povo vote e vote bem.

abraços para quem os quiser levantar

Laura disse...

"liste aqueles que considera serem seus amigos e imagine-os como seus colegas de trabalho, muito próximos da sua função. Depois deste "teste", quantos permanecem amigos ?"
É isso mesmo:)

Fazendo o exercício ao contrário, não me lembro já se era ou não Churchill ou Roosevelt quem dizia (mais ou menos isto):
- "Antes de aceitares um cargo de poder, afasta-te por uns minutos e escreve num papel o nome dos teus amigos até esse momento.
Depois vais precisar de o consultar para ver claro, tal será o tamanho da lista dos teus novos amigos"...

anfitrite disse...

Mais doloroso será contar os amigos, iniciais, que restam, quando eles tiverem de optar entre as suas conveniências e as nossos problemas.

"Tudo vale a pena...". Para o Fernando Pessoa não valeu. Talvez para os herdeiros que, agora até venderam, em leilão, como sendo deles, parte do espólio que já era pertença da CMLx.
Continue a sonhar Menina da Lua se isso a faz feliz, porque eu até gosto dos seus comentários e até senti a sua falta, quando voluntariamente se afastou, por estar a ser agredida.
Ainda bem que regressou. É daquelas pessoas que vem aqui mas não vem para adular, nem para ofender alguém.
É bom gostar de pessoas que sonham, mas olhe o que aconteceu à Elis Regina, que me parece que gosta muito. Como eu também. O "Romaria" está sempre dentro do leitor do meu carro.

A Menina da Lua disse...

Anfitrite:)

Olhe que não!...

Para o Fernando, afinal valeu bem a pena...quem nos dera a nós tal sorte:)

(eu entendo o que quer dizer:)...só que estou noutro registo ou seja coloquei-o a ele no lugar que não é apenas dele mas de todos nós).

L´excessive disse...

O Octávio Cunha! Não me lembro do seu rosto (apenas pela foto que vejo nas crónicas que escreve na NS se não estou em erro) mas lembro-me tão bem de mim sentada na marquesa tão alta e do martelo com que me batia (salvo seja) nos joelhos para ver os reflexos. E também dos brinquedos. Adorava ir ao pediatra por causa dos brinquedos. Recordo-me também de ter aí à volta de 6 anos e estar na sala de espera e encontrar um rapaz da minha turma. Lembro-me de ele se portar muito mal, de estar deitado no chão, fazer birras e chorar muito alto e do meu espanto! Era muito bem comportadinha nessa época. Mais do que agora. :-)
Sou uma leitora recente deste blog, ouço-o todas as manhãs na Antena 1, e estou a gostar MUITO do que leio por aqui.
Parabéns.
Beijinhos,
Diana

NiNa Tuga disse...

Então foi o encontro de duas personagens que admiro, o Pediatra Paternal e o "Sexologista" dos Adolescentes dos anos 90;)

Grande Jóia disse...

Júlio, vou roubar uma das suas respostas nesta caixa de comentários. Ela é tão certeira que até dói.
E quanto ao Octávio Cunha há homens que nunca se esquecem. Ele é uma pessoa excepcional e de uma dedicação exemplar aos seus meninos à sua cidade às suas causas.