quarta-feira, fevereiro 16, 2011

O jornal ao balcão da manhã.

Como tantas outras vezes, li com prazer a crónica de Rui Tavares no Público. A sua análise do anúncio da moção de censura do BE parece-me correcta. Pouco me importa em que percentagens se misturaram os condimentos: antecipar-se ao PCP ou marcar distâncias com os (improváveis e dolorosos) compagnons de route na campanha presidencial, leia-se, o PS. O resultado em termos de imagem pública é catastrófico – tacticismo político puro e duro, em nada devedor ao exercício do mesmo “acto cívico” pela Direita, que só aguarda sondagens mais reconfortantes, revolta social aberta ou o jackpot de uma intervenção presidencial. Companheiro do BE em várias lutas, seu votante “oportunista” nas últimas Legislativas, por enfado com um PS que não jogou limpo, prevejo-lhe um futuro difícil, a maturidade tarda. Iniciativas como esta dão armas a quem nota a ausência de uma estratégia global e cola o Bloco a “meras” iniciativas parcelares, por mais justas e necessárias que tenham sido. (E foram!) Os sinais de desconforto interno são evidentes. O modo como serão resolvidos, e a resultante programática do confronto das diversas opiniões, dirão muito sobre a capacidade de auto-crítica de quem é mais igual do que os outros e terá reflexos na fixação de eleitorado. Porque um dia o PS pode lembrar-se que é um partido de esquerda e agir em conformidade – eu sei, eu sei, pareço um John Lennon de vão de escada e demenciado: you may say I’m a dreamer, but I’m the only one:)))) –, colocando o Bloco perante uma evidência - não é só ao Centro que existe eleitorado flutuante! Juntem-lhe o voto útil contra uma Direita unida e homogeneizada por lancinantes saudades do Poder e o espectro de um Partido do Táxi à esquerda é menos surrealista do que parece…

54 comentários:

Bartolomeu disse...

o título do post é estranho... que raio de coisa será o "balcão da manhã"?
Apesar da estranheza, (agora refiro-me às notícias) percebemos perfeitamente que pagamos principescamente a umas centenas de meninos para andarem a brincar ao "toca-e-foge" nos corredores de S. Bento. Diria muito provávelmente o bisavô de V.Exª se no seu tempo as coisas se assemelhassem de algum modo ``as de hoje: Finalmente justifica-se uma revolução militar, capaz de meter este bando de irresponsáveis, a banhos... na Berlenga.

Manuel Henrique Figueira disse...

Caro Prof. J. M. Vaz:
Pessimista como sou, quando o BE surgiu não alimentei grandes esperanças, concedi-lhe apenas um «beneficiosinho» da dúvida; mas mesmo para isso tive de «tapar os olhos» para não ver aquela (demasiada) gente que habitava agora a «nova casa», com a qual as coisas nunca poderiam dar certo (exceptuando uma ou outra causa social). Por isso nunca contaram com o meu voto.
Infelizmente não me enganei.
Infelizmente, também, continuamos a não ter alternativa num espectro de 5 partidos que se autoperpectuam cada vez mais iguais a si próprios, sem a mínima capacidade de um «golpezinho de asa» que nos dê alguma esperança.
E quando olhamos ali para o lado, para Espanha, e vemos um partido minoritário que vai a caminho de cumprir a 2.ª legislatura, numa conjuntura interna de nacionalismos e regionalismos complexa, acrescida da actual conjuntura mundial não menos complexa, vemos como é possível fazer diferente, mesmo não vivendo nuestros hermanos propriamente no Paraíso.
Em período homólogo (pós 25A em Portugal e normalização democrática em Espanha), tiveram 6 PM e 8 ou 9 governos contra 11 PM e XVII governos entre nós.
Estes números dão-nos a dimensão da capacidade de negociar e de ceder mutuamente, primordial hoje em política, que nós estamos longe de atingir.
Também por isso, mas não só, temos já cá o FMI (informalmente) pela 3.ª vez em 30 anos, em breve lhe estenderemos a passadeira vermelha em Figo Maduro.

Anfitrite disse...

Professor,

Todos nós conhecemos o lúcido e sonso Rui Tavares. Por isso passou de comentador político da SIC a deputado
europeu "independente" pelo BE. Agora com o dinheiro roubado aos europeus(incluindo nós, por enquanto), até criou uma bolsa de estudo
de 1500€, que pode ser atribuída a qq um.
Por agora não digo mais nada, para não ser mais inconveniente porque se lê os meus comentários já lhe "bati" o suficiente pelo seu voto flutuante.
Por isso é que já tivemos tantos governos e trabalho muito pOuco. Companheiros de estrada?! Só se por serem senhores muito importantes da área da
sociologia, psicologia, etc. AOs da área de economia é preciso serem nojentos para falarem em certas medidas, que sabem de todo serem impossíveis
nas actuais circunstâncias. Nem mesmo um alucinado sonhador!

bea disse...

O PS que não é, vai perder o mando concerteza. Há uma ideologia que é sua e deitou fora, que se vai ter de apanhar do chão com alguma delicadeza de mãos, tão espezinhada ficou.Esse é o trabalho que espera os socialistas de verdade. E não por sonho quimérico, mas por ser assim mesmo. Ao BE, sem matriz ideológica, mais cuidados competiam;só que o perfume é intenso, embota-lhe o olfacto político. O PSD está na sala de espera a tricotar a lisieuse. Trivial.

Cê_Tê ;) disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cê_Tê ;) disse...

Os manhosos e os corruptos (há muito quem acumule os dois dons- "bidõs")aida têm muito para roibar: o povo é sereno (?) Sereno até, quem sabe, os professores voltarem às ruas. É que por mim já não me está a apetecer ir propriamente cantalorar para as ruas desertas de Lisboa- quem sabe agora não é a valer? Quem sabe se não nos estala o verniz... INCOMPETENTES que conduziram e CONDUZEM o país dos meus filhos e dos meus alunos à falência a quererem pseudoavaliar QUEM?????

Cê_Tê ;) disse...

"roibar" deveria aparecer escrito assim ;P

ana b. disse...

É caso para dizer que deram um tiro no próprio pé!
Qualquer que tenha sido a, ou as razões que motivaram este absurdo, jogará sempre contra o BE.
E acima de tudo, favorecerá o nosso primeiro que a esta hora deve estar a esfregar as mãos de contente...
Este homem tem sete vidas como os gatos. Quando parece que é desta que se vai enterrar de vez, lá surge um volte face que o deixa de novo na crista da onda.
Que tonteria!

andorinha disse...

Pela primeira vez apanhei uma valente desilusão com o BE.
Sinceramente, por esta não esperava eu...
É como diz, a maturidade tarda e quando assim é...:(

Caidê disse...

Que grande alarde por ter sido o BE a propor uma moção de censura! Era de ver que o PSD se sente confortável o bastante para confortavelmente vir dizer que se abstém dessa pretensão. Por um lado, não iria, tão fresco, juntar a sua voz à voz dos que apoiaram o seu rival. Por outro lado, quer ouvir dizer que se tal viesse a suceder o governo ficaria nas suas mãos. E tem tempo para lá chegar - está a consolidar-se, por ora. A vitória não é para já, mas é nossa - não temos pressa.

O problema continua a ser o PS, que tem um projecto de governo mais à direita do que alguma vez o PSD foi capaz de exercer(nem no tempo da dupla Ferreira Leite e Cavaco).

Greves? Enquanto fabricarem leis e interpretações de leis que lhes permitam sem polícia de choque retomar os direitos sociais antes conquistados não tremem.
Moções de censura? Riem-se, porque são infantilidades dos que ainda são uns bebés no assento que têm na Assembleia.

É caso para perguntar - então e se fosse Sinédrio? Não me digam, agora, que também não dá porque é uma solução burguesa e paga direitos de autoria!

yulunga disse...

Finalmente justifica-se uma revolução?
Ao tempo, mas ao tempo que se justifica outro qualquer dia de Abril, ou outro 25 de qualquer outro mês; o outro, o de Abril está gasto, velho, ultrapassado e morto.

Canseiroso disse...

Boa,(vírgula)yulunga...

-Sai uma revolução para a mesa do canto!..
-Deseja com muito gás mostarda.menos torpedos, mais cavalaria,menos Bloco...é como voxência desejar...
Sabe, é que temos ali uns cozinheiros e moços de copa do povo tá a ver??Sádios, corpulentos e mais não sei quê... que é gente indicada para lhe preparar o «acepipe»...

Já agora, yulunga, não estou esquecido das sardinhas...

Anfitrite disse...

Caidê,
Um dos que criticou a moção de censura foi Rui Tavares, deputado do BE, a cuja crónica o prof. se refere.

http://www.publico.pt/Política/rui-tavares-mocao-de-censura-nao-tem-ponta-por-onde-se-lhe-pegue_1480577

ana b. disse...

Anfi:

e o Daniel Oliveira num excelente artigo publicado no Expresso online: "Cinco más razões para um disparate".

Caidê disse...

Anfi e Ana b.

Eu li os artigos. Continuo na minha: a esquerda sabe que a moção não passa. Ainda assim, apresenta-a. A posição do PSD parece óbvia - até pode esperar, até porque se quer organizar e quer que o PS de Sócrates deixe a casa mais "arrumada" ainda.

Acrescento que posso não perceber nada de política, nem de economia, mas ficava ainda mais infeliz se me pusesse numa de tabuada de somar - viagem ao passado do 1º Ciclo? Somados os votos na Assembleia o que é que dá? A problemática é só essa? Vistas muito curtas.

É uma moção com valor simbólico? E então? Que valor têm tido as greves? Valor pragmático? Estratégico? Mudaram alguma coisa ao pacote de medidas socratiano? Só conseguiram revelar o descontentamento popular de alguns grupos sócio-profissionais. Quando muito, organizaram descontentamentos e tentaram que os sofrentes com as medidas do pacote dessem sentido político e colectivo ao seu descontentamento. E então? Não se deviam ter feito?

Com um regime político autocrático, de medidas repressivas, de assalto completo aos direitos sociais adquiridos no último quartel do século XX em Portugal, para mim já não há alternância de poder que nos baste. Seria mofo, pela certa. Mude-se a maneira de pensar. Mudar de partido está a ficar bolorento e até que se chegue à penicilina...

Sabemos que o controle ideológico e sócio-político exercido e a cultura de obscurantismo herdada não vão dar maiorias eleitorais de esquerda aos poderes legislativo e executivo. Não vão! E se dessem? Que sintonia teriam? Que haveria como consensos nas novas cabecinhas? Os nossos políticos estão todos viciados com as mesmas estruturas mentais.Até porque fabricámos nas últimas 3 décadas uma noblesse enchargé, umas famelgas novo-riquentas que primeiro estão concertadas para não abrir mão dos usufrutos em prol próprio.

É Portugal, um Portugal cada vez mais encapuzado nas maningâncias da UE e dos USA. É um Portugal bruto que nem sequer tem acordos bilaterais com outros Mercados Comuns que se vejam. É um Portugal que não tirou, nem está a tirar grande partido do facto de ter exportado gente desde o século XV para todos os continentes.

Este Portugal não tira a cabeça do buraco em termos políticos, enquanto se não resolver economicamente. Ou expande para lá dos fundilhos da UE e dos USA em termos de dinamismo produtivo e comercial ou dá as costas para levar mais vergastada.

Eu acho é que devíamos encher mais caravelas, depois naus, nem que fosse com as tripas à moda do Porto, de Aveiro, de Lisboa, de Setúbal, do Algarve - da Portela ou de Alcochete, em táxi aéreo ou TGV - pedíamos separação conjugal dos parceiros que temos (sem divórcio)e íamos amantizar-nos em relação aberta para outras terras - formar a coligação dos Estados à rasca e dos que estão em vias de sair do à rasca. Quem sabe se não seria uma forma de sairmos developpés?

Internamente não derrubem a pequena iniciativa privada. Tão grandes e tão medrosos os monopólios que temos - porquê? Devia haver lugar real para a inovação e a empresa surgisse à escala a que surgisse. E os tributos? E a burocracia? Entraves completos - o Estado tem entesourado sem precisar ter iniciativa e dinamismo. Isto é país que se veja? Tem sido Estado que se preze?

Arre burrinho
Vamos a Belém
prá eleição
do ano que vem.

ana b. disse...

"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousamos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos" - Fernando Pessoa

Excelente citação que abre o livro que tenho, de momento, em mãos:
"Portugal - E agora? Que fazer?"
50 Reflexões de Personalidades de Referência da Vida Universitária, Económica, Empresarial e Social.

Magnífica coleção de textos que contribuem para uma melhor avaliação do estado do nosso país.
Recomendo-o vivamente.

Fora-de-Lei disse...

No que respeita às posições mais recentes do BdE, não vejo - pessoalmente - quaisquer motivos para desilusão. Talvez porque eu nunca tive tendência para grandes expectativas em relação a organizações sem um projecto, sejam quais forem essas organizações.

A verdade é que enquanto andou numa de defesa do aborto, dos homossexuais, etc, etc, o BdE até era um partido do baril. Era uma autêntica festa. Entretanto mudaram-se os tempos e, consequentemente, mudaram-se as vontades...

andorinha disse...

Caidê,

Não concordo com o paralelismo que estabeleces entre esta moção de censura e as greves.
Quem faz greve luta por um/vários objectivos concretos, em defesa de valores profissionais, sociais, económicos ou outros.
Nem sempre com as greves os trabalhadores conseguem os objectivos pretendidos, dir-me-ás. É verdade, mas sem lutar perde-se sempre e já houve greves que foram plenamente conseguidas.
Ao contrário, esta moção do BE é pura infantiliadde política, na minha opinião é mesmo uma burrice de todo o tamanho. Se o próprio Louçã havia dito dois dias antes de ela ser apresentada que uma moção neste momento ´não era viável e só iria abrir caminho à direita!...
Dois dias depois ei-lo a contradizer-se. Para além da burrice, desgostou-me esta incongruência. Vai ser um partido como os outros? O que é hoje verdade, é amanhã mentira?
Para que serve a moção? Em princípio moções de censura deviam servir para derrubar governos...
Mas esta serve para quê?
Serve para mostrar um cartão vermelho ao governo?
Mas isso não é necessário, já todos sabemos a posição do BE.



FDL,

O BE não defendeu só essas causas, atenção!
Muitas outras, várias vezes em conjunto com o PCP.

Fora-de-Lei disse...

andorinha 10:30 PM

"FDL, o BE não defendeu só essas causas, atenção! Muitas outras, várias vezes em conjunto com o PCP."

Mas o problema é mesmo esse. Se o BdE tivesse só defendido essas causas, continuaria na maior. Podes crer...

andorinha disse...

FDL,

Um partido político não se pode limitar a defender só essas causas, tem de ter uma perspectiva mais global para o país.
Eu acho mesmo que o problema é a "porcaria" da moção nesta altura, ainda para mais com tantas divergências internas.
Não entendo o que passou pela cabeça daquela gente.
Se eu lá estivesse, tinha-os metido na linha:)

Cê_Tê ;) disse...

Ou
alguém anda a adulterar o produto do BE,
ou o Manuel Alegre já está senil e o pessoal com o fumo ainda não o topou,
ou os agentes duplos que lá se meteram são os pivots do Sócrates- daqueles que se metem em todos os serviços para criarem o caos.
;)

Nuno Guimas disse...

O BE podia ser um grande partido de esquerda, pois tem muita gente jovem e menos jovem de grande valor e de valores, algo que falta hoje na politica. No entanto, a ala mais oportunista é composta por pessoas que à minima oportunidade dariam de bom grado o "salto" para um dos dois partidos que regularmente dividem o poder. Além deste aspecto negativo, também é preciso não esquecer os partidos que compõem o BE, ou seja, PSR e UDP, e aqueles desses partidos que significam uma herança de ideias mofentas, ultrapassadas e radicais. Também concordei com o artigo em questão. Aliás, a coluna é sempre muito interessante. Também lhe acontece como a mim, que quando compro o Público me sinto um ET no meio de gente àvida pelo Correio da Manhã ou A Bola?

Caidê disse...

Não me ponham mais a falar de política que, nos tempos que correm, isso me faz sair de órbita e praguejar. Já viram!

Por isso

Ana b.
Sugestão para o filme deste fim-de-semana, if you please.....

ana b. disse...

Caidê:

"True Grit - Indomável", dos irmãos Coen (Fargo; Este país não é para velhos; O Barbeiro;Destruir depois de ler, etc).
Uma pérola como muito poucos fazem!
E é claro que já o vi!!!:)))

Outro imperdível:
"Winter`s Bone" - Despojos de Inverno, da Debra Granik, do melhor do cinema indie americano. Fez enorme sucesso no Sundance. Obrigatório!
Infelizmente ainda não o vi.

Ambos estrearam ontem.
Bom fim de semana, sempre com muito cinema!

andorinha disse...

Caidê,

Está bem, embora praguejar seja benéfico para a saúde mental...:)


Ana,

Vou ver amanhã precisamente "True Grit".

Bom fds, malta:)

Caidê disse...

Ah, fadista!
http://www.youtube.com/watch?v=kmgwvXssm50&feature=related

golden.bee disse...

Votar
6 votos

João Paiva . 19.02.2011 00:40
Via Facebook
A geração caviar pisca o olho à geração
Agora agarram-se aos Deolinda, mas geração parva é aquela que pensa que o Bloco pode ser a solução de alguma coisa.

Ti disse...

Caro Júlio:
É um deleite lê-lo!
Está cada vez melhor!
Não mude nada, ...

continue.

RAM disse...

Sinceramente não compreendo a surpresa/estupefacção que grassa por aqui e por outros blogs e redes sociais.
Sinceramente, alguém esperava algo de diferente?
Basta olhar para a substância BE na sua essência e nos que foi revelado nas últimas legislativas. Estava lá tudo. Bastou misturar, levar ao forno, deixar "cozer" - não muito para não deixar queimar - et voilá...

A Menina da Lua disse...

RAM

:)
Pois! da minha parte tambem não houve grandes surpresas!...
Por outro lado é pena porque fazia falta um partido que fosse um pouco a consciência dos nossos problemas mas sem ceder à tentação de oportunismo e conquista de Poder.

Se calhar estou a pedir muito! :)

Bom fim de semana para todos.

A Menina da Lua disse...

E ainda

Um partido que fosse um pouco a consciência dos nossos problemas mas evidentemente com sentido de responsabilidade que neste caso me parece ter faltado.

Fora-de-Lei disse...

Está visto que para alguns, ou para muitos, o BdE era uma espécie de ICAR que lhes permitia estar de boa consciência com o (culpado) voto que, invariavelmente, depositam nas urnas eleitorais. Mas, tal como em relação à ICAR, o problema surge quando a instituição faz apelo aos seus princípios doutrinários.

De facto, é muito bonito ser-se católico mas é uma chatice do caraças quando a ICAR se revela contra o uso do preservativo, contra o casamento gay, etc, etc. Aí, a ICAR passa logo a ser uma Igreja desligada da realidade. Assim como é muito fino ser-se da "esquerda caviar" mas é uma chatice do caraças quando esta apela à queda do governo que, até hoje, mais atentou contra os direitos de quem trabalha. Aí, o BdE passa logo a ser um partido com resquícios ideológicos dos perigosíssimos grupelhos de extrema-esquerda UDP e/ou PSR.

Mas, afinal de contas, onde está a pretensa irresponsabilidade do BdE ao apresentar uma moção de censura ? Muito sinceramente, acho que verdadeira irresponsabilidade é a deste governo - e da direita que o apoia - ao fazerem com que o país chegasse ao ponto onde chegou. Mas a isso ninguém se refere. Quais vítimas do síndrome de Estocolmo, preferem ir na canção do bandido que a máquina do P"S" construiu na Comunicação social contra a moção de censura do BdE.

Porque estão todos agora a fingir (?) um medo medonho pela direita poder chegar ao poder por via da tal moção de censura ? Não será verdade que a direita chegará ao poder, seja agora, seja daqui a uns meses ? E quem foi abrindo as portas a essa direita ? Foi o irresponsável BdE ? Não. Foi o muito responsável P"S" ! Tanto medo para quê, se a política que tem sido seguida nestes últimos anos é uma política de direita...?!

Se alguém se pode realmente queixar do sentido de oportunidade do BdE é o PCP, o qual já tinha primeiramente aventado a hipótese de apresentar uma moção de censura. Mas, em boa verdade, ninguém vê o PCP zangado com o BdE em virtude dessa hipotética atitude oportunista. Daí, todo o fogo de artifício que rebentou instantaneamente contra o BdE não passar de lágrimas de crocodilo por um governo que não merece a mínima consideração dos portugueses, nomeadamente daqueles que trabalham por conta doutrém.

ana b. disse...

Caidê:

Prefiro mil vezes a Mísia

http://www.youtube.com/watch?v=jjnyOmJaZKU

Fora-de-Lei disse...

ana b. 5:51 PM

"Prefiro mil vezes a Mísia"

Não querendo meter a foice em seara alheia, e pese embora a aparente falta de sentimento nacionalista da minha parte, eu prefiro estes um milhão de vezes... ;-)

ana b. disse...

Fora-de-Lei:

Referia-me ao fado: Gosto muito mais da Mísia. Não só a voz, que considero muito melhor, como a qualidade do reportório. Acima de tudo, o sentimento e a alma com que canta o fado.
Não sei porquê mas sempre que ouço a Marisa recordo-me deste sketch:

http://www.youtube.com/watch?v=jjnyOmJaZKU

Que saudades dos bichanos...

Eu também gosto muito dos Pink Floyd. São a banda de culto de toda a minha adolescência e juventude "inconsequente", fase na qual ainda me encontro, apesar do BI ser de opinião contrária...
A propósito: O Roger Waters vem a Lisboa, dias 21 e 22 de Março, com o espetaculo "The Wall", no Pavilhão Atlantico. Imperdível para os aficionados.

Anfitrite disse...

FDL,
Se todos acrescentássemos um tijolo
na nossa construção, em vez de só deitar abaixo, talvez isto tivesse um pouco melhor.

Ana,
Ninguém gosta de gente que quebra as regras, como a Mísia.
Para mim, apesar da voz, a Mariza parece um palhaço(no mau sentido) com as suas coreografias. É uma
coisa híbrida, que faz lembrar a
Amália no seu periodo de decadência. Mas, mesmo assim esta era mais autêntica.

Cete,
Como acho que está um pouco baralhada com as suas cadeias, e que não consegue encontrar o fio à meada, pois parece-me que para si o mal neste país começou há dez anos, envio-lhe este vídeo para relaxar um pouco. Claro que, quem não conhece, também vai apreciar, se tiver bom gosto.

http://www.flixxy.com/zeus-and-roxanne-dolphin-and-dog.htm

Bfs para todos.

RAM disse...

Caro Fora-da-Lei,

Não se é daquilo que designa como ICAR da mesma forma que se é militante de um qualquer partido político.
Pessoalmente considero-me católico e, consequentemente, parte integrante de uma comunidade suficientemente aberta para permitir a convivência de opiniões diferentes no seu interior, mas simultaneamente coesa para não se dissolver nos Sinais dos Tempos.
Aquilo que aqui importa não é a moção de censura. Essa não é a questão substantiva; trata-se somente de um fait-diver.
Porque não me surpreende a posição do Bloco? Por isto: http://porto-fragil.blogspot.com/2009/09/eleicoes-iv.html e por isto: http://porto-fragil.blogspot.com/2009/09/eleicoes-v.html

ana b. disse...

Anfi:

É por isso que me recordo sempre do boneco dos Gatos.
Eu também não gosto nada dela.
Nem tão pouco da sua pretensa excentricidade. Para mim, não passa de mau gosto.
Eh pá! Eu hoje estou um bocado viperina...

Fora-de-Lei disse...

ana b. 8:31 PM

"A propósito: O Roger Waters vem a Lisboa, dias 21 e 22 de Março, com o espetaculo "The Wall", no Pavilhão Atlantico. Imperdível para os aficionados."

Vou ver se não falto. Isto se ainda conseguir arranjar um ingresso...


Anfitrite 8:41 PM

"FDL, se todos acrescentássemos um tijolo na nossa construção, em vez de só deitar abaixo, talvez isto tivesse um pouco melhor."

Vamos então ficar à espera que o governo "socialista" de Portugal obrigue os banqueiros a acrescentarem - um tijolinho que seja - ao esforço patriótico que todos os portugueses estão a fazer.


RAM 9:34 PM

"Porque não me surpreende a posição do Bloco? Por isto:..."

Fui ler os posts que indicou através dos dois links e gostaria de comentar algumas passagens:

"… a força partidária mais votada encontra-se refém de uma estranha mescla estalinisto-trotskista, a qual…”

Parece-me haver aqui um certo preconceito ideológico da sua parte, geradora de uma contradição que até acaba por ser por si posta a nú ao usar o termo "estranha" para adjectivar a palavra "mescla". É que, na verdade, todos sabemos que estalinistas e trotskistas são como água e azeite. Por isso, diabolizar uma mescla impossível parece-me um exercício algo descuidado.

“Contudo, importa dizer que se nada tenho, por exemplo, contra a eleição do líder do PNR para a Assembleia da República…”

Para quem acha que o BdE apenas pretende o "quanto pior, melhor", esta afirmação é, no mínimo, ingénua. Acredite-me que não existe ninguém mais nacionalista que eu (para mim, os portugueses - numa lógica jus sanguinis - estão sempre primeiro) mas um deputado do PNR na Assembleia da República é a última coisa a que eu quero assistir neste país.

“E fê-lo, no meu entender, bem: despenalização da IVG, despenalização do consumo de drogas, uniões de facto, fim das (múltiplas) discriminações ainda existente em função da orientação sexual, defesa dos direitos das minorias, etc.”

E, consequentemente, só deixou de fazer bem quando a tal "estranha mescla" que tomou conta do BdE achou que já chegava de governos "socialistas"...

“Foi o período das causas. Depois destas (incluindo-as), impera o PSR e a UDP. É o período do velhinho "quanto pior melhor".

O período do "quanto pior, melhor" é aquele que vivemos desde que Sócrates conduz a governação deste país, com o (agradecido) apoio da direita. Dizer que é o BdE quem persegue esse desiderato reflecte uma certa vontade em ocultar a identidade de quem tem realmente culpas no cartório...

RAM disse...

Caro Fora-da-Lei,

Contrariamente ao seu comentário, a minha análise nada tem de preconceituosa. A mescla não é de todo impossível. A prova disso mesmo é a sua existência. Porventura o PSR abandonou os princípios da 4ª Internacional? Terá a UDP renegado o seu passado estalinista, que fez desta força partidária uma das principais apoiantes do regime de Hoxha?
Por isto, e apenas por isto, é que a designo como estranha.
Porque, como bem refere, historicamente Estalinistas e Trotskistas são como água e azeite.
Quanto à citação que faz da minha referência ao PNR, desculpe!, mas a sua descontextualização parece-me intelectualmente desonesta, pelo que me vejo obrigado a continuar onde você entendeu optar pelas reticências: "..., já me preocupa a possibilidade (actualmente remota) do mesmo poder condicionar as políticas do País a diversos níveis."
Com efeito, contrariamente aquilo que você deixa patente no seu comentário, eu não padeço de preconceitos ideológicos. Daí ter escrito algo que reitero: "A diversidade de pensamento deve ter tradução nas opções eleitorais dos cidadãos que não abdicam de um direito que custou a vida de muitos (alguns, mesmo, no sentido estrito do termo)."
Meu caro, em matéria de democracia não aceito lições de ninguém!
E quanto ao "bem" que o Bloco "deixou de fazer", nada tem a ver com o facto de criticar as políticas de Sócrates.
Contra isso: NADA!
Mas, conforme refiro nos links que leu - e dos quais teve a amabilidade de proceder à recolha cirúrgica de alguns excerptos - a evolução operada no Bloco nas últimas legislativas revelou um partido desprovido de maturidade politica e muito menos de sentido de Estado.
"A praxis partidária, ainda que por vezes sujeita a condicionantes que obrigam a ajustes na acção política, é, no essencial, a tradução de um "substrato" intelectual que lhe serve de orientação. No caso do Bloco, é bom não esquecer, esse "substrato" esteve na génese de desastres históricos mundiais."
E não! não considero que a solução passa por políticas neo-liberais cujo único desiderato é a alavancagem do sistema financeiro, em detrimento da economia real e que estiveram, elas próprias, na origem de um desastre cujas consequências estão à vista de todos!
Disse!

Fora-de-Lei disse...

RAM 12:06 AM

"Quanto à citação que faz da minha referência ao PNR, desculpe!, mas a sua descontextualização parece-me intelectualmente desonesta..."

Sinceramente, não foi minha intenção descontextualizar a citação em questão até porque a parte que complementa a frase era, para mim, pouco relevante para a tolerância demonstrada. Isto porque me choca que haja alguém que não se importe que o PNR elegesse um ou mais deputados, independentemente de estes poderem ou não condicionar as políticas do país. E isto é dito por alguém que até seria capaz de votar num partido nacionalista que não sofresse de fascizite aguda...

Anfitrite disse...

Imaginem se fosse o Sócrates, tinhamos assunto para os media nos próximos anos.

http://www.spiegel.de/international/germany/0,1518,746132,00.html

FDL,

Mais cego é aquele que não quer ver.
Todos estamos felizes a falar de espectáculos. Esquecem-se que Mário Soares obrigou a cancelar um concerto de Júlio Iglésias, porque não havia divisas para pagar e nem deviam sair do país.
Apesar dos erros cometidos, é evidente que nunca poderá haver um governo que promova uma > justiça económica e social. O nosso PCP
continua a ser o messmo estalinista(que tão bem tratou o trabalhadores) de sempre, que defende a política da terra queimada. Destruiu e distribuiu
tudo o que havia, e não criou nada de novo. Até os que dizem defender os trabalhadores apenas têm vivido à custa deles. O BE é um saco de gatos que congrega todas as ideologias de extrema-esquerda, que nunca se poderão entender, nem contribuir para nada de bom neste país. Para já, neste momento, nem nos próximos dez anos, mesmo que sejam tomadas as nedidas necessárias, alguma coisa poderá melhorar. Só temos dívidas criadas no tempo de cavaco, cravinho, durão e pp e que se começaram a vencer.
O governo inicialmente tentou acabar com muitos privilégios, mas as corporações não deixaram, porque ninguém quer ceder um pouco daquilo que tem.
Nem vale a pena estar a chover no molhado, toda a gente sabe, ou devia saber isto. Eu é que sou estúpida porque sempre defendi uma > justiça social, em prejuízo próprio.
A verdadeira direita só está à espera que se tomem mais umas drásticas medidas, que é para chegar ao poder, mas nada vai poder fazer se não lixar ainda mais o zé povinho.
Depois será a vez da extrema-direita chegar ao parlamento, como em vários países da Europa.
Eu sinto nojo de ouvir certas pessoas a falar, apetecia-me estar ao pé delas para lhes partir os queixos e descobrir a careca.

o rei vai nu disse...

Fora-de-Lei disse

"Acredite-me que não existe ninguém mais nacionalista que eu (para mim, os portugueses - numa lógica jus sanguinis - estão sempre primeiro)"

Parabéns! De certeza vai ganhar o próximo prémio Nobel da medicina pela descoberta deste novo tipo de sangue: PT extra virgem.

ana b. disse...

Peace and Love:!:))

http://www.youtube.com/watch?v=3wsYM1GgQLU

http://www.youtube.com/watch?v=bch1_Ep5M1s

http://www.youtube.com/watch?v=N-aK6JnyFmk

Caidê disse...

Ana b.

O fado são raízes, mas acima não passou de um estado de alma (meu).

Soube-me bem ouvir os imortais que sugeriste e os do Fora.

E acabei por ir ver Otelo, que já vira com outra encenação.

ana b. disse...

Acabei de ouvir o Prof.
Até que enfim que aparece alguma lucidez a tratar o caso da morte solitária dos velhos, no domicílio.
A realidade é bem mais vasta e matizada do que o preto e branco que vende jornais.
Não só há idosos que optaram voluntariamente por viverem sozinhos, como há outros que não têm familia.
E há ainda outros,que o Prof não falou, que pura e simplesmente não investiram nas relações afetivas, quer com amigos quer com familiares. Foram sempre pessoas esquivas, de díficil trato, pouco afetuosas, e que não raras vezes maltrataram a própria família.
Idealizar os velhos e diabolizar os novos é que me parece demasiado redutor.
Não quero com isso dizer que não sinto compaixão pelo idoso desprotregido e que há muito egoismo à solta. De todo. Se há coisa que mais me toca a alma é o suicidio do velho. Muito mais do que no jovem. Este teria ainda a possibilidade da esperança de melhorar a vida. Ao velho já não resta tempo para a mudança.
O que me desagrada é essa mania do preto e branco, esquecendo as variadíssimas tonalidades do cinzento.
E estou convencida, que só tendo uma visão clara e realista deste problema, é que se poderá minorá-la.
De contrário, andaremos de Herodes para Pilatos, cada um a lavar as mãos, e nada irá acontecer, poque se partiu de premissas nubladas e duvidosas.
Infelizmente é o que temo que possa vir a acontecer. Desde que apareça outro assunto tão ou mais escabroso que este.

Pedro disse...

Os ataques inflamados ao B.E. não me parecem democraticos. Cada partido define a sua linha estratégica,sem ter de se submeter`´a fogueira das opiniões,sempre ensombradas pela filiação partidária ou
ódios de estimação.

Se for penalizado,de quem é o problema.se não dele próprio?

Tomar por nossas as dores alheias é no mínimo ridículo.

Voto P.S. e parece-me estranho os socialistas assumirem posições tão conservadoras.

O ps deve governar e, na hora de sair, deve faz~e-lo com a certeza de que fez o melhor que podia.

Fora-de-Lei disse...

Anfitrite 1:15 AM

"Eu sinto nojo de ouvir certas pessoas a falar, apetecia-me estar ao pé delas para lhes partir os queixos e descobrir a careca."

Hehehehehe... Se a Anfitrite vivesse no Egipto, o Mubarak agarrava em si, enfiava-lhe uma burka, montava-a em cima dum camelo e mandava-a para a Praça Tahrir para dar porrada na populaça.


o rei vai nu 1:33 AM

"De certeza vai ganhar o próximo prémio Nobel da medicina pela descoberta deste novo tipo de sangue: PT extra virgem."

Nessa mesma lógica de raciocínio, o Prémio Nobel da Cretinice já é seu. Parabéns !!!

o rei vai nu disse...

Antes cretino que racista!

Encontrei uma preta
que estava a chorar,
pedi-lhe uma lágrima
para a analisar.

Recolhi a lágrima
com todo o cuidado
num tubo de ensaio
bem esterilizado.

Olhei-a de um lado,
do outro e de frente:
tinha um ar de gota
muito transparente.

Mandei vir os ácidos,
as bases e os sais,
as drogas usadas
em casos que tais.

Ensaiei a frio,
experimentei ao lume,
de todas as vezes
deu-me o que é costume:

Nem sinais de negro,
nem vestígios de ódio.
Água (quase tudo)
e cloreto de sódio.
Lágrima de preta, António Gedeão

bea disse...

Fora de Lei
Fanatismos à parte, sempre se pensa no proposto antes de anuir ou contrariar; até aos burros têm que ser postas umas palas para se conformarem ao caminho previsto por outrém. Seja quem for a chamada esquerda caviar, não é um escândalo nem propriamente uma irresponsabilidade o que o BE fez. As responsabilidades ainda que maiores em quem nos governa (ou des) e demais membros da assembleia, são de todos nós cidadãos e das autarquias de que somos parte quase sem nos lembrarmos. O BE criou um estatuto de oposição coerente que, desculpa, lhe vai bem.
Medo, Fora de Lei? A viragem à direita tem sido tão propalada que os portugueses se estão a habituar à ideia quase como boa; é a crónica de uma morte anunciada, esperando-se que, de tão anunciada, aconteça. Este governo socialista tem uma política de direita dizes, e concordo em n aspectos. Mas não é ainda um governo de direita: não quer alterações na constituição, não pretende terminar com o serviço nacional de saúde…
Quanto aos Pink Floyd…achei um bocadito triste.


Ana
Não ouvi o professor, mas lamentável é a burocracia que tanto demora a pôr ombros à porta. Morreu em sua casa? Sorte dela. A maioria das mortes são assépticas e desumanizadas. Vida e morte são à unidade; casa cheia ou sozinho, sou eu e a morte, o resto é público no escuro. Lembro-me das pessoas chegarem a casa para morrer, de sentir-lhes a morte próxima no tom da pele, os olhos a desligarem-se passavam por mim e alguma coisa a chamá-los noutro lado, as mãos frias que tocava e não me respondiam; e os corvos que sobrevoavam as casas sem erro. Agora vão morrer ao hospital. Criámos medo à morte, expulsamo-la como facto não natural. E esta estranha relação, marca-nos a vida. Que amor é este que temos que não consegue despedir-se, e não acompanha a vida até final? Não sabemos senão desta falta de coragem.

ana b. disse...

Fora-de Lei:

O Rei Vai Nú já levava uma nomeação pelo seu comentário ao post anterior.
É caso para dizer: cada tiro cada melro...

Fora-de-Lei disse...

o rei vai nu 9:36 PM

"Antes cretino que racista!"

Racista, eu ??? Hehehehehehehehe... agora é que já não lhe foge o referido Prémio Nobel.

alvex disse...

Com tanta gente a querer abater esta iniciativa do BE, mais nada me resta concluir que com certeza é um acto político inteligente.

É bom não confundirmos a realidade com a interpretação que fazemos dela; e o Louça jáká and'há muitos anos.

ana b. disse...

Bea:

A questão não está na morte ser no hospital ou no domícilio. Está na solidão e indiferença em que alguns idosos vivem.
Concordo consigo quando diz que também se pode morrer muito sozinho com gente à volta. Incluindo o hospital.
A morte é sem dúvida uma viagem solitária. Mas julgo que saberá bem ter alguém a quem acenar, quando se parte, rumo à última estação.

Já agora aproveito para fazer mais uma sugestão cinéfila: "Lisboa Domiciliária". Excelente documentário realizado por Marta Pessoa, que esteve há poucos meses em exibição.

http://www.youtube.com/watch?v=gNGfN4U6csU