quinta-feira, fevereiro 10, 2011

Que majestoso ralhete...

"Não foi nenhum tipo de vocação que me fez, jovem rapariga, aceitar a austeridade do claustro, mas apenas a vossa ordem, e se não mereço gratidão por isso, podeis avaliar como os meus esforços foram em vão. Não posso esperar de Deus recompensa por eles, porque é certo que até agora nada fiz por amor Dele. Quando vos apressásteis na Sua direcção, segui-vos, na realidade, fui a primeira a tomar o véu - talvez estivésseis a pensar como a mulher de Lot olhou para trás quando me obrigásteis a vestir o hábito religioso e tomar os votos antes de vos oferecerdes a Deus. Esta vossa falta de confiança em mim, confesso, encheu-me de dor e vergonha. Eu não teria hesitado, sabe-o Deus, em seguir-vos, ou, a ordem vossa, ser a primeira dos dois a afrontar as chamas do Inferno... Peço-vos, pensai no que me deveis, escutai os meus apelos, e eu terminarei uma longa carta com um breve epílogo: adeus, meu único amor. "

Heloísa a Abelardo.

80 comentários:

ana b. disse...

Que grande tragédia!
E que mágoa tem a Heloisa pelo seu amante ter duvidado da sua fidelidade.
Castrado ou não, ela tê-lo-ia seguido para onde ele fosse.
Curiosa a associação à mulher de Lot. A tentação do prazer...
E o castigo por se ceder a ele.

Caidê disse...

Sem palavras... face a duas palavras "único amor".

Pouco posso acrescentar, porque acredito que há um limiar para a intensidade de um sentimento. Para além desse limiar é inimaginável passar. Como já disse que creio não haver espaço interior para muitas relações sagradamente fortes, não me custa crer num "amor único", porque nenhum outro com grande grau de probabilidade lhe virá a chegar perto.

Apenas que há pessoas que terão tido ou virão a ter o seu "amor único", mas nem todas passarão por essa experiência. Até porque colocado desta forma é um amor que se enraiza plenamente nos sentidos.

Julgo que uma cultura de monogamia sequencial não invalida que certas pessoas possam ter tido ou vir a ter essa vivência. Vivemos emersos na cultura, mas somos natureza de raíz.

A mulher de Lot não estava preparada para a urgência - congelou. Não fez a ruptura necessária à passagem. Há quem tenha uma criança dentro de si muito congelada, por exemplo. Ela não foi capaz de passar ao estádio de sogra. Mas as suas filhas não congelaram adolescentes - tornaram-se mulheres e matrizes de reprodução e multiplicaram a linha patrilinear - a do seu grupo.

Em Abelardo penso que irrompe o sentimento de inferioridade. Uma parte de si fica sublimada tragicamente.E ele duvida da capacidade de sublimação de uma parte de si do lado de Heloísa.

Vêem-se, estão corpo a corpo, mas negam reconhecer-se pelos corpos - não mais se falam.Escrevem-se longamente, apenas.E escrevem-se porque também a sua história deve perdurar - o amor tem de ser regulado, os sentidos domesticados. Afinal, a cultura não iria deixá-los ao livre arbítrio.

Caidê disse...

Como diz o Thora,
sugestão:http://www.youtube.com/watch?v=AJ8Rd3jwjvE&feature=related

ana b. disse...

Caidê,

eu vejo a associação à mulher de Lot, como o medo que Abelardo tem, que também ela, Heloísa, não resista ao desejo e desista da vida monástica. Daí a necessidade de ela entrar primeiro para o convento.E a mágoa de Heloisa de ele não acreditar no amor incondicional, dela.
Acho esta história de Sodoma e Gomorra curiosa, porque mais uma vez aparece na Bíblia, a mulher como fraca perante as tentações e desobediente a Deus. E é castigada por isso. A mulher de Lot, embora avisada,que não deveria olhar para trás, desobedeceu (saudades da vida desregrada, da luxúria?), ficando assim transformado numa estátua de sal.O homem obedeceu e por isso foi salvo.
Já Eva tambem não resistiu à tentação e arrastou Adão e toda a humanidade para o pecado.
As mulheres são umas perdidas...
E parece-me que foi isto que mais magoou Heloisa: o medo de Abelardo do desejo dela. Ele tinha sido castrado, não se esqueçam disso!

andorinha disse...

Eu diria mais...magnífico!

Alguém que ama e não confia na pessoa amada merece este ralhete e muito mais:)
É difícil aceitar que alguém possa amar outra pessoa incondicionalmente?
Ai os homens, sempre desconfiados em relação às mulheres!
Quanta insegurança isso demonstra!

Nem sabia quem era a mulher de Lot, tive que ir pesquisar...


Ana, é verdade, nós somos umas perdidas e as responsáveis por todas as desgraças desde o pecado original...:)

Nuno Guimas disse...

"a mulher como fraca perante as tentações e desobediente a Deus"

Isto pode querer dizer tanta coisa... como por exemplo, que talvez a mulher coloque mais paixão quando procura algo que muito quer (fraca perante as tentações) e talvez seja mais crente em si mesmo e na sua própria força, cerrando fileiras sem depender da opinião de outros (desobediente a Deus). Será :) ?

andorinha disse...

Nuno,

Cada caso é um caso:), mas essa parece-me uma boa perspectiva.

yulunga disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
yulunga disse...

As tentações existem para não se resistir a elas.

Bartolomeu disse...

Para tudo, é preciso vocação.
Namorei uma donzela, que na altura de atingir o clímax, gritava plenamente cheia de fé; «Ai meu Deus!... ai meu Deus!... ai meu Deus!»

ana b. disse...

Yulunga,

se desatassemos todos a ceder às tentações ia ser bonito de se ver...

bea disse...

Cartas de Heloísa e Abelardo, que a editora Guimarães publicava, e até pode que ainda. É "único enquanto dura"? Para Heloísa é apenas único. E durou. Não se ama um deus sozinho, ama-se deus nos outros - pode dizer-se como Alberto/Pessoa, se são outros, porque não chamar-lhes só isso? - O que não me parece em nada incompatível com o amor destes dois, se bem que o que Heloísa diz seja o inverso.
A bíblia católica trata mal as mulheres, pune-as pela sedução e pela mesma as torna heroínas, lembre-se o caso de Judite. O pior de si, não é si, mas a tradição mental que nem tempo temos ainda para dizer que sacudimos. Os poços da mente são insondáveis :) Podemos mudar para a religião no feminino que a Índia propõe...
E Bom Fim de Semana

Andorinha (resposta ao post anterior)
:)não reflecti. Constatei. E constato.

Ana b.
quis dizer que é um mundo a que não pertenço, ou pertenço sem consciência de pertencer; isso mesmo, "os outros dos outros"; felizmente há muitos outros :) admito não ter pensado muito nisso e estar demasiado por fora. Aprecio o passo lesto com que defende convicções.

Mena disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mena disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
joao de miranda m. disse...

Conheço isto. É literatura barafundística... :)

Cê_Tê ;) disse...

(Uma mulher não deve comentar com picos de LH ;P)

andorinha disse...

Yulunga,

Se eu sentir uma enorme tentação de me "atirar" ao teu homem, devo ceder à tentação?!
Pela tua lógica...:)



Bea,

Reflexão ou constatação, gostei:)
E podemos sempre reflectir sobre o que constatamos...

Já tinha sentido a tua falta por aqui...

ana b. disse...

CêTê,

Desculpe a minha ignorância mas
qual a relação entre a fase ovulatória e os comentários aqui produzidos?
Provavelmente por defeito profissional, só me ocorre ser a hormona luteinizante...
Haverá outro significado que a minha pobre mente condicionada não vislumbre?

pedro disse...

Ana B.

Não deixas de ser mais bonita por isso. "não é assim que se estrelam os ovos" / "sai que tu demoras muito tempo" / (as esposas não são as mamas dos meninos e os esposos tambem não são os papas das meninas) -é um desinteresse comum- E agora com B de babáda-se isto não é o paraiso é algo muito parecido-(fajã grande na minha primeira vez) os acores são assim. temos essa noção(é tudo para o continente)(é tudo para s.miguel)(chegas ao corvo e possa "tenho que ser simpático com todos"). E acores tem bonito é o cheiro e as noites estreladas. Em S. Miguel, conheço melhor a Ribeira Quente; na Terceira, a Baía das Contendas; no Pico, una enorme recta no centro da ilha; no Faial, as vistas do Pico, em S. Jorge, Fajã dos Cubres; Graciosa, os touros á corda que vem da Terceira; Flores, o ilhéu de Machique; Corvo, a travessia; Sta. Maria, vista de S. Miguel. (uma curiosidade; nas Baleares as previsões vem da Peninsula nas ilhas vem do Continente-a primeira analise que fiz dos Açores, "que sorte falam português e tudo, não pensava que portugal fosse tão bonito e houvesse um lugar de patriotismo sereno"- porque o mundo nasceu por tráz da Horta, que de um canal fez-se um rio num dia de luar. E agora algo pessoal: ( 41°48'29.77"N 8°43'44.10"W )-preservem e não escolham as primeiras chuvas, vem bába á mistura. Anfi, gostavas de ver vais mesmo que ir lá; tem dois caminhos, um pelos Viveiros de trutas outro Pela estrada da Nossa Senhora do Minho. Pelo Viveiro de Trutas é mais bonito para quem gosta de caminhar. Para tainar "Café Serra D´Arga (por encomenda)" e nada de fricalhada porque os melhores lugares só eu e outro é que sabemos. Anfi(;

pedro disse...

CêTê, nuns "instantes" entende-se noutros não. Bons Apetites(:

pedro disse...

Anfi asseguir a um cão vem outro.

yulunga disse...

ana b.
Ia ser o "paradise" ;-)
Há duas frases que se dizem por aí que são as seguintes:
Não me arrependo do que fiz mas, sim, daquilo que não fiz.
Não sei bem aquilo que quero, mas tenho a certeza daquilo que não quero para mim.

Se uma tentação parecer boa ou eu achar que pode valer a pena não lhe resisto. Se for má, não a promovo a proibição porque não gosto muito de proibições, mas promovo-a a coisas sem interesse e passo-lhe ao lado.


Andorinha
É lógico que a ideia não me agrada, mas... deves ir em frente.

Caidê disse...

Puxa! Acabei de perder um post. Um requentado vai perder qualidade.

Falava eu do desejo - sensual. Imaginem!Sim, porque li os vossos posts. Eu juro que não estou no pico. É só o tema que me interessa. Posso comentar?

Nunca me aconteceu querer atirar-me ao homem da amiga. Deve ser porque catalogo tudo por papéis. (Civilizadinha!)

Já me aconteceu foi recear perder um amigo, se o caso desse para o torto.

Porque é que temos click por alguém e por alguém nunca teríamos? Impulsos e memórias?

Temos um top mais nos circuitos que cataloga e inibe ou liberta - será? E se nos tornamos muito exigentes, quer dizer, muito circunscritos?

Não sei se a fantasia vem em socorro e resolve!...

Caidê disse...

Nem a propósito!
http://healthland.time.com/2011/02/11/should-the-love-hormone-oxytocin-be-used-in-couples-therapy/

Caidê disse...

Mas ainda!
http://healthland.time.com/2011/02/11/the-science-of-smooching-why-men-and-women-kiss-differently/

ana b. disse...

Yulunga:

As tentações são todas apelativas e atraentes. As sua consequências é que podem revelar-se inconvenientes ou até amargas.
Ao contrário do que diz, eu já me arrependi do que não fiz, mas também do fiz. Helás!

Caidê:

Deixe lá a ocitocina em paz, senão o nosso Prof. ainda acaba no desemprego.

ana b. disse...

http://www.youtube.com/watch?v=6Nx_ADVLADo

Cê_Tê ;) disse...

Caidê;))))

Andorinha e Yulunga espero que se riam tanto quanto eu com o que escreveram.
Andorinha, NUNCA peças a opinião à Yulunga. ;P

fiquem bem

ana b. disse...

Yulunga:

http://www.youtube.com/watch?v=v5XsBsoYkfA

pedro disse...

ct, vai-te beijar ao espelho. comentario 30. problema mensual. feicho-eclair. leitaria do quinta do paço. ups

pedro disse...

anphy, ainda nã percebeste. estramos todos a alimentar o teu blog. murcona!beijinhos/espelhados(como numa coisa tão pequena pode caber tanta coisa E com duas pontas? cotonete. Vá-lá abre os comentários anónimos. ou juguemos uma partida de dóminó especial:::/:::

pedro disse...

as bolas de berlim são muito boas

pedro disse...

ana tragédia dequee nao sabes fritar meia rabanada. yulunga estaas proibido de te fazer passar pelo dumbo. ok

pedro disse...

meninas agora são todas rainhas de copas e os reis são reis (reis e rainhas)

pedro disse...

eu tambem não entendo

ana b. disse...

Prof.

Permita-me uma modesta sugestão:
se a ocitocina vier estragar-lhe o negócio, pode sempre subespecializar-se nouto ramo da psiquiatria. Clientes não hão-de faltar, seguramente...

ana b. disse...

Murcons:

Se ainda não viram o "Discurso do Rei",despachem-se! É excelente!!!
Vi-o na 5ªf, na estreia das estreias!

pedro disse...

ana b e o joão é burro!. é casa com muito ano.

pedro disse...

"lendas do rei tadinho" não sei se é bem, este o titulo.

joao de miranda m. disse...

Ah, mas eu não. Eu fui sempre feliz no amor. Todos os meus casos amorosos tiveram sempre finais felizes, à excepção dos dois últimos, em que tive que casar...

pedro disse...

j d m m muito bom mas como estamos no inicio ficamos por um suf +

pedro disse...

anphy, eu tb não faço batota. mas quando se sentam dois na mesma mesa. o resto do pessoal começa a tripar. is it possible? (estou aqui com uma amiga e falar dos amiguinhos tambem é irmandade)

Anfitrite disse...

Só acredita na paixão louca que se transforma em único amor, quem não conhece o ser humano, e não teve hipóteses de passar da imaginaçao à realidade.
É certo que há sempre a excepção( a tal alma gémea), para confirmar a regra.
Eu, ainda hoje, tenho a tal paixão do "A petite fleur", que se tranformou em amor platónico, mas que se hoje a visse nem a conhecia(nada de confusões,
paixão é feminino), apesar de ter chegado a ser chamada de Rosabianca com se fosse a personagem do livro "A Cidade das Flores" de Augusto Abelaira.
E falando de aparências aqui vai uma mensagem, que recebi esta semana, para puxar um sorriso.

"Colegas de Liceu

Já lhe aconteceu, ao olhar para pessoas da sua idade, pensar: não posso estar assim tão velho(a)?!!!!

Veja o que conta uma amiga:

- Estava sentada na sala de espera para a minha primeira consulta com um novo dentista, quando observei que o seu diploma estava exposto na parede.

Estava escrito o seu nome e, de repente, recordei-me de um moreno alto, que tinha esse mesmo nome.

Era da minha turma do Liceu, uns 25 anos atrás, e eu perguntei-me: poderia ser o mesmo rapaz por quem eu tinha me apaixonado à época?

Quando entrei na sala de atendimento, imediatamente afastei esse pensamento do meu espírito. Este homem grisalho, quase calvo, gordo, com um rosto marcado, profundamente enrugado... era demasiadamente velho para ter sido a minha paixão secreta.

Depois de ele ter examinado o meu dente, perguntei-lhe se ele tinha estudado no Colégio Sacré Coeur.

- Sim, respondeu-me.
- Quando se formou? Perguntei.
- 1965. Por que pergunta? Respondeu.

- É que... bem... o senhor era da minha turma! Exclamei eu.

E então, este velho horrível, cretino, careca, barrigudo, flácido, filho da puta lazarento perguntou-me:

- A Sra. era professora de quê?"




Pedro,

Não me diga que é o dono do famoso bar do Pico? Bora lá desinfectar a garganta?
Não dá gozo nenhum tripar à mesa. Qua tal numa chaise-longue?

esteve santo disse...

valha-me um convento....grande, muito grande,para me perder e poder me encontrar....se for por terras de verde minho tanto melhor .....

ana b. disse...

Anfi,

O Peter´s fica na Horta, ilha do Faial. E tem uns gins tónicos fantásticos!

ana b. disse...

Prof,

Percebo-o lindamente. O Woody tosse e eu também acho que ninguém tosse como ele!

A Menina da Lua disse...

Bom dia:)

Ao ver-se não compreendida, Heloisa enche-se não só de dor como de vergonha...o que denuncia quebra de confiança mas tambem o seu próprio engano ao sentir e ver cair do pedestal o amor que ela pensava não só ser único(porque o era) como alto em ambições e alto em intensidade...
O desfasamento de ideais e a diferença entre a natureza e a forma de amar dos homens e das mulheres talvez justifique assim o majestoso ralhete...

Hoje este sentimento de desencanto mantem-se actualíssimo mas o que mudou são as nossas respostas; já não se vai para o convento e sobretudo começámos a aceitar melhor que afinal o amor pode não ser para sempre... e mesmo quando o queremos único, sabemos que a dois, nunca estará garantido... Claro com os custos e as vulnerabilidades para onde os voos de cada um os leva...

Ana B:)

já fui ver o "Discurso Do Rei" e achei-o irrepreensível, deu-me imenso prazer e gosto vê-lo.

Ah e afinal o Professor tambem não se deixou deslumbrar lá muito com o último filme do Woody Allen:). Então já somos pelo menos dois:)

A Menina da Lua disse...

Michel Martins

Já lá fui espreitar!:)

A minha curiosidade já me levou a procurar o blog La Griffe Noire,de de Patrick De Fune, aqui sugerido por si.
Mesmo sendo numa visita rápida, gostei do ar super descontraído e até brincalhão com que ele se apresenta ao fazer as suas "crónicas culturais". Faz-se acompanhar inclusive junto dos seus "companheiros" como por exemplo o gato, o jardineiro, etc:)
É o que se pode dizer falar a brincar, dizendo coisas sérias...que é uma das maneiras mais saudáveis e inteligentes de o fazer.

Bom domingo!

ana b. disse...

Menina da Lua,

Se ele não viu, como é que sabe que não presta?

Prof:
Já agora relembro-lhe que o nome do outro filme é "Hollywood Ending". Delicioso!
Quanto ao Paul, deixe-me que lhe diga, que também já teve melhores dias...Ou julga que ele tem a mesma graça do que quando andava em bando?

Canseiroso disse...

Ò Ode de clamor e dormência

Ó homem que já foste e já tiveste

Ó mulher de crer no que acreditaste

Ó clemência pelo que de amor vos iludistes


Falta cumprir-se o amor...

Anfitrite disse...

Ana,
Obtrigada pela correcção.
Eu sei que é no Faial, aliás está em qualquer sítio da net. Só que esta semana foi drasticamente alucinante para mim e eu nem sei o que digo. Normalmente tambem nem leio o que esvrevo, porque fico arrepiada, e também não serve para nada, porque quando a gente tem uma coisa na cabeça só vê o que quer.

Já tinha posto este vídeo aqui, mas como não sei se o conheçe volto a pô-lo pq acho piada.

http://www.youtube.com/watch?v=sAFI1i5FIBc

pedro disse...

"ás de trunfo, bart recolhe"

A Menina da Lua disse...

Ana B:)

Eu entrei já um pouco atrasada no programa de hoje manhã do Professor e entendi que ele falava deste filme do Woody Allen, o qual não lhe tinha agradado o filme tanto como outros anteriores. Será que ele estava a referir-se a outro?
Referiu ainda que apesar de não o ter achado nada de especial, o Woody Allen como realizador lhe merece crédito e agradecimento por todo o seu trabalho anterior.
Foi assim que eu entendi e cuja opinião eu tambem partilho.

A Menina da Lua disse...

Ana B

Quanto a mim, vi o filme claro e julgo que já aqui o tinha dito.

ana b. disse...

Anfi:

Excelente video!! Não conhecia. Deve ter sido anterior à minha entrada aqui.

Menina da Lua:

Errado! Ele não viu porque alguém, não sei quem, não interessa, mas cuja opinião ele muito considera, acha que o filme não vale nada ou valerá muito pouco.
O Prof acha que o W.A. não está ao nivel dele próprio (ele, Woody Allen). Ele terá colocado a fasquia demasiado alta. Ter-nos-á habituado a filmes de grande qualidade, sem paralelo com os atuais. Concordo totalmente com ele. Discordo apenas na dispensabilidade do seu visionamento. Para mim, continuam a ser obrigatórios. São divertidos, inteligentes e corrosivos. E gosto de me rever sempre algures por ali.

Caidê disse...

Cisne negro - agora já posso comentar.

Muito intimista.

Uma mulher que não pode tornar-se completa, enquanto não elaborar o seu eros. Óbvio!

O bloqueio é muito psicanalista - muito radicado nas marcas de uma mãe terrivelmente invasiva e repressiva que mutila a sexualidade da filha, de quem se diz ser frígida.

Irrompe a necessidade de amar com todas as letras e a sua fuga é o platonismo (pelo encenador).

Transpõe para outra mulher através da erotização os sentimentos que a mãe lhe proíbe. Quer descobrir um erotismo liberto em si através do erotismo de outra mulher.

É sempre em oposição a um obstáculo que se descobre ou encostando-se a uma muleta (por intermédio, sem animus próprio)- mau, muito mau para a saúde de uma identidade.

Quase até ao fim quer matar a mulher cujo eros está elaborado. Pouco antes do fim percebe que a não tem de matar.

Consegue viver com a verdade de ter de elaborar seu eros - o que seria perfeito!

Não tem ainda maturidade para chegar tão longe, apesar de já ter compreendido.

Sai, ainda, insucedida desta tentativa.

Seria perfeita se tivesse conseguido continuá-lo e não apenas sê-lo por uma vez.

Caidê disse...

Anfi
O vídeo deixado acima é um mimo de arte!
Bom, muito bom :-) pARA PREPARAR A CENA DA SEMANA!...

Caidê disse...

Ana b.
Eu sei que já vem de um post anterior. Ia esquecendo, mas oh!....
A companhia no filme esteve boa. Melhor que no anterior.
Nada a ver com ralhete, mais com ramalhete - vai-se compondo. Brinco, né?!!!!!!!!!

ana b. disse...

Caidê:)

Ou muito me engano ou temos mouro na costa...:)

Anfitrite disse...

htmp://sic.sapo.pt/online/video/informacao/Jornal+da+Noite/2011/2/edicao-de-13-02-2011-1-parte-mocao-de-censura-ao-governo-solidao-na-3-idade-egipto13-02-2011-204212.htm

Vejam a partir do minuto 15º. para ver os resultados da revolução jasmim.

Ana,

Cuidado ao falar de mouros.

Por falar nisso lembrei-me dos novos muculmanos.

http://www.youtube.com/watch?v=e0TInLOJuUM&feature=related

Para os mais idosos sabe sempre bem ouvir.

Caidê disse...

Ana b.
Nem sim, nem não. Respondi? :-)

ana b. disse...

Caidê:

Nem precisa de dizer mais nada:)
Está tudo mais que dito!

http://www.youtube.com/watch?v=vaLLxPtmyPI

ana b. disse...

Credo!!

Ainda agora cheguei ao trabalho e já estou completamente nauseada com tantos corações encarnados e músicas xaroposas na rádio.
Não há pachorra! Que raiva!
Como tenho parte da tarde livre, acho que vou aproveitar para ir ao cinema ver o outro filme com a Natalie Portman "Sexo sem compromisso". Parece-me apropriado.

Caidê disse...

Ana b.

"Sexo sem compromisso"? Já viu? Gostou? Também vim do Cisne a pensar nesse. Mas... se não se gostar não tem devolução, pois não? Não há reward, aposto! Nada é perfeito, claro! Os milagres não acontecem só porque é dia do dito Santo.

Recebi ums msg da Luísa Ducla Soares (no Face...) que dizia que por ela votava no António (e não no Valentim) - por patriotismo. Pensando bem, eu também!

Já no meu G-mail tinha uma msg de uma empresa espanhola a querer vender-me Viagra. "Que abuso!": pensei. E logo hoje? E porquê para mim? De onde é que julgam que me conhecem?! Que irritação!....:-))))))!... Estive mesmo para enviar resposta dizendo "O amor é o melhor remédio!".

Bartolomeu disse...

Da mesma forma que não existem "almoços grátis", também "sexo sem compromisso" é algo impossível de suceder.
Em primeiro lugar, porque para que aconteça sexo, é necessário que aconteça o conciliar de duas vontades diferentes, e depois, porque essas vontades pretencem a dois seres humanos, que por o serem estão sujeitos a diversos condicionalismos, alguns de ordem emocional e até...espiritual.

andorinha disse...

Ana,

A raiva é má conselheira!
E raiva porquê? Isso era assunto para ser analisado por psis:)))

Eu também não festejo a data, é-me totalmente indiferente. Aliás nem gosto de datas pré definidas para comemorar o que quer que seja.
Mas se outros a querem comemorar que o façam. É o marketing a funcionar no seu melhor...

andorinha disse...

Caidê,

Vi o "Sexo sem compromisso" e não posso dizer que tenha gostado. Achei um filme banal, que passa uma imagem estereotipada das relações eróticas.
No início os dois concluem, mais por pressão dela que o sexo que têm , "with no strings attached" é o melhor, e decidem continuar assim.
Ao fim de um certo tempo este tipo de relação não o satisfaz mas como ela não pretende outra, tudo acaba.
Há mais umas peripeciazitas pelo meio, depois é ela que vê, chorando baba e ranho que não pode viver sem ele; reencontram-se, vão festejar o S.Valentim e ser felizes para sempre. Possívelmente ter um rancho de filhos.
(Esta última parte é pura invenção da minha mente maldosa):)

Mas saí frustrada do cinema, já me aborrece que quase sempre haja este happy ending. Parece que não há margem para outro tipo de situações...



Bart,

É impossível de acontecer porquê?
Se duas pessoas se encontram só para sexo qual é o "mal"?
Desde que os dois sejam adultos e estejam de acordo, não me parece que daí venha qualquer mal ao mundo:)

Claro que isso acarreta riscos. Digo riscos no sentido em que as coisas podem evoluir de forma diferente para um e para outro.
Mas riscos existem em qualquer relação, portanto...

Bartolomeu disse...

Mas eu não escrevi em lado nenhum que existe mal, ou maldade no sexo só pelo sexo, Andorinha...
Mesmo que não sejam riscos, serão, em minha opinião, condicionalismos... pelas razões que enumerei, e mais algumas... físicas, inclusivé.

andorinha disse...

Bart,

Disseste que é impossível e foi disso que discordei.
Desculpa, ando a exprimir-me mal, é do cansaço de aturar a "canalha":)))

Caidê disse...

Andorinha

Afinal, a relação ligou-os a ambos. Mas é um filme simplex - not my style, also.

O sexo pode ser bom, mas só o erotismo será muito bom. Às vezes leva tempo até ser excelente.

Quando toda a parte sensorial e emocional entra no jogo erótico, o risco é a prazo longo - pode acabar essa paixão e a um primeiro que ao outro. Se a boa comunicação entre ambos se ficava por essa fogueira acesa, secalhar a brasa ardeu até ao fim e não há mais brasas. Pode seguir-se um Inverno frio.

Quando dois sabem que não têm entrosamento em mais nenhuma área da sua privacidade, mas querem ter uma experiência erótica perderiam se a não tivessem. Porquê refrear? Só se houver impedimento que se conheça.Concordo, Andorinha.

Bart, as pessoas não se ligam sempre para lá dos momentos em que são presenciais. Às vezes ambas vivem só o momento, uns vários, muitos momentos.E vivem com essa noção pacificamente. Podem chegar a ter encontros muito satisfatórios para ambos.Depois partem.

Há alguma diversidade no campo das relações afectivo-sexuais, parece-me.

ana b. disse...

Já estava admirada com tanto silêncio.
Afinal o meu comentário não passou incolume...:)

Andorinha:

Está a ver porque tem um ar cândido?:)

Caidê:

A Andorinha está a ser muito generosa para com o filme. Ele não vale nada. É uma xaropada do principio ao fim. Cheio de lugares comuns.
Só não saí frustrada do filme, porque aproveitei para pôr o sono em dia.

Bart:

O "sem compromisso" refere-se apenas ao facto de não exitir uma relação amorosa estável. É claro que terá que haver concordância de parte a parte. Embora muitas vezes saia o tiro pela culatra...
Mas que existe, existe!

andorinha disse...

Ana,

Não, não estou. Ao responderes dessa forma ligeira, parecendo que não levas a sério o que eu digo, estás simplesmente a evitar responder a uma pergunta que te fiz.

Porquê? Mais uma questão para ser analisada por psis...

Condessa de Til disse...

Ainda não vi o "Sexo sem compromisso" mas pelo que vocês dizem parece-me um remake rasca dum filme francês chamado "Une liaison pornographique", com a Nathalie Baye. Já vi este filme há bastante tempo portanto não me recordo de todas as cenas com exactidão, mas lembro-me da história e do magnífico final, por sinal nada hollywoodesco.

Neste filme francês há uma mulher chamada simplesmente "Elle" que conhece um homem chamado "Lui", através de um anúncio no jornal e a partir daí os dois encontram-se regularmente para fazer sexo, ou amor, conforme preferirem. Ela aliás diz que pode ter sido apenas sexo - este apenas entre aspas - principalmente no início, mas que foi sempre um acto de amor.

O desenrolar da história é apresentado através de reflexões que ambos fazem, na forma de respostas às perguntas de um entrevistador em voz off. Deste modo assistimos ao desenrolar da relação do princípio ao fim.
Contado assim é capaz de dar a impressão que é um filme chato, mas asseguro-vos que não é, antes pelo contrário, e não me importava nada de o rever.

Encontrei algumas cenas no youtube, esta dá uma boa ideia das interpretações e do conteúdo:

http://www.youtube.com/watch?v=6j-Q3NHuixA

No meu computador estava sempre a parar e arrancar, o que irrita um bocado, mas a Nathalie Baye merece bem a nossa paciência.

Condessa de Til disse...

Para quem estiver interessado o link directo é:

http://www.youtube.com/watch?v=6j-Q3NHuixA

ana b. disse...

Andorinha:

acha mesmo que eu às 8.30 da manhã já estava farta de corações encarnados e musicas xaroposas???
E que estava mesmo com raiva???
Se isso me perturbasse tanto não teria escolhido uma comédia romantica para ver. Maior cliché não existe!
Escusado será dizer que o cinema estava pejado de casalinhos aos beijinhos e até as arrumadoras do cinema tinham um coração de cartolina pregado ao peito.
Enquanto aguardava pelo inicio do filme pus-me a pensar que musica xaroposa iria ilustrar o meu comentário noturno. Aqui vai:

http://www.youtube.com/watch?v=AnFxAnbJD8A

andorinha disse...

Condessa,

Aguçou-me a curiosidade. Vou tentar ver o filme, já que gostei bastante desse bocadinho:)

Ana,

Sei lá, não te conheço de parte nenhuma...
Estranhei um pouco, é verdade, que alguém chegasse ao emprego e viesse logo aqui descarregar a raiva contra os milhares de apaixonados por esse mundo fora.:)

E agora vais por uma música xaroposa? És masoquista?:)))

ana b. disse...

Andorinha:

Diga lá se o "fellings" não faz lembrar os bailes de garagem do nosso tempo.
Fui tão feliz ao som daquela música...

andorinha disse...

Só consegui ouvir o início do "Fellings", já estava a ficar enojada, a sério.

Na altura adorei a canção, essa e muitas outras do género. Era a adolescência, os sonhos e esses bailes em que tudo desaparecia à minha volta e ficava só eu e "ele".
Várias músicas, vários "eles".
São boas recordações que perduram, sem dúvida.

E agora vou dormir, não consigo dormir tão pouco como tu:)))))))

Bartolomeu disse...

É vasto e multi-genérico, este tema, no entanto deixo-vos um pensamento para reflexão; "one night stand", "passar uma noite" é uma expressão importada, que tem ganho popularidade, contudo não se substitui nunca por uma outra "one day stand", "passar um dia".
Será porque, ou porquê?
;)
E porque se instituiu que a noite é sempre mais favorável à prática do sexo, que o dia?
Será porque quando nos referimos a "dia" pensamos instintivamente num período de 24 horas?
E... 24 horas de sexo é excessivo?
;))))

yulunga disse...

Nunca gostei da música "Feelings".
Está no baú das músicas que sempre me irritou e continua a irritar.
O filme não vi.

Pedro
Passar pelo Dumbo?
LOL
Tens piada tu ;-)