segunda-feira, janeiro 30, 2012

A Madonna dos olhos verdes.

Mãe,

A surpresa dos teus machos em face das tuas palavras - "vou-me deitar, tenho uma dorzita de cabeça". Nem um ponto dado? Nem uma página de Veríssimo relida? Nem a Antena 2 no rádio de pilhas - a propósito, adoravas o Veloso e o Tê... -, fazendo desabrochar o sorriso e cerrar os olhos? Por uma vez eu e o Pai firmes perante olhos verdes que nos fuzilavam - "Não é nada". Ambos recordados que já fôramos clínicos, o brilho deles permanecia inigualável, mas era diverso, rápida visita ao termómetro - 39,5! (Eu e ele éramos iguais, ao roçar os trinta e oito já não nos segurávamos de pé...). Como gerações e gerações de mulheres, não te oferecias luxos desses, olhar em redor, tudo em ordem, "vou-me deitar...". E nós em procissão atarantada rumo ao quarto, impossível, tu à mercê da doença? Eu na ombreira, ele afagando-te a mão e tu a sossegares os dois, "não é nada". E adormeceste.
Um silêncio pesado na sala. "A Senhora sua Mãe é a razão de ser desta família", disse. Mais uma vez... Nunca me ofendeu, ciúmes tinha, mas fui-me apercebendo do privilégio que tinha sido ver-vos lado a lado. Os homens morrem mais cedo, ele era catorze anos mais velho..., lérias!, foi primeiro porque jamais saberia viver sem ti.

79 comentários:

andorinha disse...

Belo e ternurento!
Mais um daqueles textos que me fazem ficar calada...

Cê_Tê ;) disse...

E como podemos nós agradecer por "nos confidenciar" coisas tão belas?

"lérias!, foi primeiro porque jamais saberia viver sem ti."

xi-coração virtual

A Luz a Sombra disse...

Olhos verdes...!
E que bonitos eram...!

Ricardo disse...

Caro Júlio amanhã quero ver estes pontos defendidos, não se deixe enganar, e rectifique os Anti em relação ás mentiras que querem fazer passar. Grande Abraço e tudo pelo Benfica!





Mensagem aos representantes do Benfica nas televisões
Era importante alguém preparar os nossos Rui, Seara e Machado Vaz para o ataque de que o Benfica vai ser vitima nos vários “trios” da TV.

Assim devem questionar:

– Porque é que a camara de TV que mostra o lance do golo “anulado” ao Feirense (pé em riste sobre o Luisão) não mostra o fora de jogo no lance que dá o canto do golo do Feirense???

– Porque inventam (TVI) um possível penalti num lance ocorrido junto á lateral que é “transportado” para dentro da área do Benfica?

– Porque repetiram 4 vezes(!!!) uma mão do Maxi nas costas de um adversário dentro da área do Benfica e só deram uma repetição do empurrão nas costas do Xavi e já na fase final do lance?

– Porque quase não repetiram o lance do corte com o braço do jogador do Feirense dentro da área?

– Se até o incrível “Tribunal” de O NOJO foi unânime a afirmar que um jogador do Gil devia ter visto 2º amarelo e expulsão por falta sobre o Maxi porque é que ninguém fala nisso?

– Porque quase não repetiram o corte com a mão dentro da área do Porko (penalti) e repetiram algumas 16 vezes o hipotético penalti do Gil quando parece haver unicamente um movimento do braço do jogador do Gil a ganhar posição (obviamente não tem culpa de o Dafour ser baixo e estar com a cara ao nível do braço do outro…

– Mesmo tendo havido um eventual fora de jogo de que resultou o penalti contra o Porko e um possível penalti provocado pelo guarda redes do Gil nem assim o Porto ganhava (quanto muito
empatava…)

– Quando na 1ª volta contra o mesmo Gil o arbitro não expulsou directamente o Otamendi e marcou um penalti inexistente contra o Gil o vitinho também veio dizer que “era melhor encomendar as faixas”?
-Se o problema do Porko no jogo foi o arbitro porque é que os Supercagões lhe fizeram uma espera à entrada do autocarro e à chegada ao estádio???
Se questionarem tudo isto “com crença” estou convencido que o Benfica ficará bem defendido... leitor anónimo, in "João Abreu e Rui Santos aldrabões!"

rainbow disse...

É muito bonito ser-se o fruto de um grande amor.

Pedro disse...

Manuel,

Esta é para si:

Devotchka - The Clockwise Witness

http://youtu.be/PvpJdVhTwhg

Pedro disse...

E esta também:

http://youtu.be/GatT-q5VBGc

Pedro disse...

Professor,

Muito bonito. É um previlégio poder ler assim. Confesso que durante a tarde ainda tentei ler mas não consegui. O rodopio fazia-me ver uma grelha de sudoku. Agora com a escuridão da noite consegui ver esse brilho que tantas vezes o sol deixa na sombra.

Anfitrite disse...

Bonito e sensível texto. Comigo nunca ninguém se preocupará porque nunca tive temperatura elevada.
Subiu-me muitas vezes a tensão, quando tive de prestar ajuda e me encontrei sempre só. Ainda me sinto mais triste, porque enquanto alguém não saberia viver sem outro, todos os dias os nossos velhotes vão morrendo sós e abandonados, por pessoas sem memória, ficando a apodrecer sem ninguém dar por isso. Uma delas à fome, porque acamada, morreu-lhe primeiro a irmã que tratava dela. Que quadro Dantesco! Só se lembram dos velhos quando têm pensões.

Anfitrite disse...

RainboW,

Pelo menos devo-lhe um agradecimento, que por associação de ideias lembrei-me de alguém que já foi, que também fazia uma rica dupla.

http://www.youtube.com/watch?v=hEawXd48JZk

Cê_Tê ;) disse...

Anfi, essa imagem de perfil, sim!;)

Tristes factos esse que refere de pessoas a apodrecerem em casa sem que aparentemente tenham deixado saudades entre vivos.
E pensar que foram em tempos o motivo do sorriso rasgado de alguém.

;(

Eu que sou a favor da eutanásia começo a temê-la como uma estratégia ditada pela economia de recursos de todo o tipo.

xxx disse...

Fiquei completamente fascinada a ler este blog.
Sou grande fã sua, Júlio!
Tentava não perder os programas de tv, mesmo quando passavam às duas da manhã de sábado (quando o sábado era dia de ressaca era mais fácil)e sempre que posso ouço-o no "O amor é...."
os livros li todos, acho eu!

Pedro disse...

Os eskimós, quando lhe restam as ultimas forças para caminhar seguem um rumo sem retorno e assim jazem.

Uma Boa Noite Para Todos

andorinha disse...

Cêtê e Anfitrite,

É verdadeiramente vergonhoso o que está a acontecer com tantos idosos no nosso país. Abandonados por todos, assim partem...:(
Raio de sociedade que despreza e maltrata quem devia ser mais acompanhado e acarinhado.
Não temos redes de apoio, não temos nada. Tristeza de país!

Mas pronto, se calhar estamos a sobrevalorizar tudo isto.
Bom é quem tem um parafuso a menos, como o Ricardo, para quem tudo isto deve passar ao lado.

Pedro disse...

:) E mais uma noite com um bilhete para a Lua mas não me esqueci de vocês:

http://youtu.be/v2FMZuEf8eU

Desde que conheço o catalão fico com a impressão que há uma sonoridade comum. Como se fosse um português arcaico.

Algures o sol está a nascer. Por isso dou-me á liberdade de desejar um bom dia;)

Impio Blasfemo disse...

Explicaram-me quando comecei a interessar-me pelas artes da pintura que as cores podiam jogar tanto em contraste quanto pelas suas afenidades. Assim ao amarelo opõe-se o verde, ao azul o vermelho , mas se misturarmos amarelo com vermelho obtemos laranja, porque o amarelo está perto do vermelho como está perto do azul razão pela qual quando misturado com o azul dá verde. Concluindo, há cores que contrastam e outras que se aproximam.
Tal como as cores, a alegria de alguns portugueses contrasta com a tristeza de uma sua grande maioria. Porque a alegria opõe-se a tristeza e quando misturada com tristeza não dá um suave alegre-triste. E sobre essa mesma tristeza Miguel Esteves Cardoso (MEC) escreveu o seguinte.“O homem vive muito sujeito. Está sujeito ao seu tempo, à sua condição e ao seu meio de uma maneira tal que quase nada fica para ele poder fazer como quer. Para se afirmar, como agora se diz, tão mal. Sobre nós mandam tanto a saúde e o dinheiro que temos, o sítio onde nascemos, o sangue que herdámos, os hábitos que aprendemos, a raça, a idade que temos, o feitio, a disposição, a cara e o corpo com que nascemos, as verdades que achamos; mandam tanto em nós estas coisas que nos dão que ficamos com pouco mais do que a vontade. A vontade e um coração acordado e estúpido, que pede como se tudo pudéssemos. Um coração cego e estúpido, que não vê que não podemos quase nada.
Aí está a razão da nossa tristeza permanente. Cada homem tem o corpo de um homem e o coração de um deus. E na diferença entre aquilo que sentimos e aquilo que acontece, entre o que pede o coração e não pode a vida, que muito cedo encontramos o hábito da tristeza….”

Saravá
Ímpio

bea disse...

Bom Dia!!!

por cá. E por aí. Onde estejam.

Professor

estou assim um bocadinho como a andorinha, sinto-me como quem pára na porta entreaberta: ainda que assim, não sabemos se é de entrar. É um pouco invasivo discorrer sobre. Mas ainda assim, digo que como será ser filho de alguém que, no fundo, bem o sentimos, é o ser de todas as coisas? e como se pode suspender essa harmonia sem que o excesso da falta nos torture. Não sei, o certo é que vivemos na mesma, alinhavamos formas, como o professor costuma dizer, idealizamos.
São assim as mulheres de verdade, pouco se queixam. A sua mãe não era apenas forte de caráter, fisicamente também aguentava bastante. Admiro-a mais pelo que o professor conta, do que por cantar. Porque me interessam as pessoas por detrás do seu ser público e a elas me prendo por empatias inexplicáveis. Julgo que neste blogue é presença e companhia. E quem sabe não nos sustenta um pouco a todos.

Dos velhos falo mais tarde. Vou pensar no assunto. Mas não me importaria de morrer assim. Morre-se sempre só. E dessa forma não se dá trabalho a ninguém; exceto a quem nos encontra e tem de ir de máscara:) Sou um bocadinho esquimó. Vou em frente.

Manuel disse...

Pedro:

Obrigado, especialmente pelo Habib Koite.
Retribuo (é para os restantes também).

«Quando o dia entardeceu»: Márcia & JP Simões (A pele que há em mim)
http://youtu.be/LrNz37uc7kc

«Nunca parto inteiramente»: Manuel Cruz
http://youtu.be/iTkB4XotYZY

Pedro disse...

Manuel,

Obrigada. O JP Simões parece ter um timbre africano que me agrada.

Interessada disse...

CT

Peço desculpa pela observação, mas há que distinguir "Eutanásia" de "Suicídio assistido".
Mas irra!, que este último é caríssimo.
É sabido que, até na morte, os ricos são uns privilegiados.

Impio

Obrigada pelo belíssimo texto do MEC.


Uma boa tarde para todos :D

Impio Blasfemo disse...

Interessada

Já que gostou do anterior texto do MEC e porque se fala da velhice deixo aqui também este texto também do MEC que aborda este tema. "Os velhos são os verdadeiros rebeldes. Os jovens, por muito rasgados que estejam os blusões de cabedal, querem sempre conformar-se com qualquer coisa. Querem fazer parte dum movimento. Querem fazer parte de uma revolução ou de uma comunidade. Os velhos só querem fazer partes. De preferência gagas. Os velhos não têm nada a perder. Podem dizer e fazer o que lhes apetece. É por isso que os velhos, mais do que os novos, dizem quase sempre a verdade. Nós é que podemos não querer ouvi-la. Há-de reparar-se que aquilo que os velhos dizem é que «a vida é uma chatice». Nós dizemos que eles estão senis. Mas eles é que têm razão."

Saravá
Ímpio

andorinha disse...

Pedro,

Até quando vais para a lua não te esqueces de nós:)))
São assim os amigos...


Impio,

Não aprecio particularmente o MEC, mas gostei deste texto.


"...mandam tanto em nós estas coisas que nos dão que ficamos com pouco mais do que a vontade. A vontade e um coração acordado e estúpido, que pede como se tudo pudéssemos. Um coração cego e estúpido, que não vê que não podemos quase nada."

Concordo. Mas se conseguirmos controlar um pouco a cegueira do coração, talvez possamos exercer a vontade com alguma racionalidade. E a vontade é fundamental. Sem vontade somos o quê?


Bea,

"E dessa forma não se dá trabalho a ninguém; exceto a quem nos encontra e tem de ir de máscara:)"

Tu és doida!:))))))))

Manuel,

Obrigada pelas músicas. Vou saboreá-las ao serão.
Inté...

Pedro disse...

:)Andorinha,

Pelo caminho ainda encontrei o Newton e ele deu-me a sua famosa maça:

http://natureofcolors.blogspot.com/

Pedro disse...

O "Amor é..." de sábado foi uma autêntica tareia. Por um lado, este lado do mundo onde há motivações para os movimentos feministas. Por outro a descrição de uma tribo matriacal em que os homens lutam por mais direitos. Quando se fala em pessoas tudo fica mais claro. Claro que perde aquele efeito magnético mas resguardamos-nos de taquicardias.

http://youtu.be/xOOLVlseLnI

Impio Blasfemo disse...

Andorinha

Razão e Emoção, ambas precisam estar presentes e alinhadas para uma correcta tomada de decisão tal qual como na parelha cavalo e cavaleiro tem de haver um entendimento para saltar o obstáculo, partindo do princípio que o cavaleiro quer sentir a emoção de saltar e o cavalo tem a "racionalidade" de definir o tempo certo para formar o pulo, ganhar a impulsão necessária e conseguir fazer tudo sem estatelar o seu estimado cavaleiro no chão; os animais são muito inteligentes e muito tolerantes. Quero dizer que quando o cavaleiro "se engana" na altura certa de abordar o obstáculo, o cavalo "recusa-se" e o cavaleiro "salta sozinho" o obstáculo.


Um abração
Ímpio

bea disse...

Anphy

eu ainda não li nada, mas ofende-me que diga que ninguém se preocupa consigo, ouviu? preocupo-me consigo sim. Quero lá saber se tem febre ou não tem,e se é alta ou se é baixa. As preocupações são com as pessoas de quem gostamos, tá? E não tem que estar doente para que nos preocupemos. Mau. Temos de fazer uma excursão a sua casa para a convencer?
Tá muito roxa, mas gira.
agora vou ler o resto, ok?

bea disse...

Ímpio

Gostei do primeiro texto do MEC (ele detesta ser chamado assim, li numa crónica, é só para avisar). Digamos que é uma verdade comum dita por melhores palavras :) mas não conhecia, obrigada.

Andorinha

detesto a ideia de morrer num hospital caso esteja com conhecimento e quero saber o momento exato em que tudo termina e como. Os portugueses não são muito dados a ver morrer os velhos, mandam-se para o hospital uns 8 dias antes e depois não se vê nada. Não sou apologista, queres o quê?
Claro que entendo mais que solidão nessas mortes. Entendo o quanto os velhos estão dispensados de existir. Tornaram-se transparentes, para o corpo social estão mortos já. Podes dizer "não é sempre assim". Respondo, pois não, mas é muito.

bea disse...

E para que não digam que sou muito amarga e por aí.

"Quem são os velhos? Não sei. Nada sei dos velhos em género. Só existem este e aquele velho. É por isso que mais sei de ti. Da tua idade na mão de aquário onde a minha nadava. Por eu ser já crescida,vínhamos de mão dada, mas de repente erguias-me ao alto e punhas-me às cavalitas. Descíamos os dois num ritual só nosso, e o mundo parecia-me completo. E era um quadro feliz que ninguém reproduziu. Tagarelava sem parar enquanto rias baixo e de vez em quando uma inflexão que oiço ainda; e fazias-me festas nos pés à solta no teu peito e eu divertida de cócegas. Era o tempo em que tudo tinha o sentido de não ser preciso procurá-lo. E eras velho de neve, sentavas-te cansado e pulava-te para o colo, e penteava-te porque usavas franja e ficavas tão bonito; a avó tirava-me, e nós dois ríamos e voltávamos. E havia o teu andar bamboleante e a bengala pressurosa que te tirava das mãos e arrumava num canto, em minúcias de padre a compor o relicário. E ela a adormecer sem mistério, como um cajado qualquer que te puxava as pernas de engolir quilómetros. E para mim os velhos são os teus dedos pensativos no pêlo da bibi, a forma repousada como olhavas o lume a soprá-lo com um canudo que também punhas nos meus cabelos, o teu jeito manso que não debotou e bebeu o cálice até ao fim."

Interessada disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Interessada disse...

Impio

Gostava mais da outra imagem, não tão óbvia, de um ímpio ;)
Todos nós, novos e velhos, necessitamos desse sentimento de pertença de que fala o Miguel.
E é falso que os velhos não tenham nada a perder; a ganhar, é que já se vai tornando mais difícil :), mas possível.
Também é mentira que digamos sempre a verdade. Antes pelo contrário, a vida ensina-nos que nem sempre o devemos fazer, e por razões diversas.
Penso que ele está mais a falar de fósseis do que de velhos,
pois que estes ainda têm vida e sabem bem que ela pode ser bela e desejável, ainda que por vezes nos troque as voltas. Não o faz também aos novos?
Era o que faltava, deixarmo-nos arrastar pelo indesejável. Toca a mexer, que só temos a ganhar!
Este é o testemunho de uma velha (e pessimista, dizem alguns Looool)que nem de perto se julga única, mas velha sim! Ou será que sou jovem?
Agradeço o texto, que me facultou a oportunidade de pensar sobre o assunto.
Um abraço.

Deixo-vos duas máximas de um cantor português sem igual, apesar de não ter nem os olhos, nem as pernas da Madona. Mas tinha atributos que eu invejo:

Nem a morte quebra a força do mais forte.

Enquanto há força no braço que vinga.

andorinha disse...

Pedro,

Obrigada pela maçã:)
Ainda não tinha ido até ao Nature of colors e gostei.
Dizem que não és artista? Não ligues...vai em frente:)


Impio,

Razão e emoção deviam estar sempre alinhadas em todas as decisões, digo eu...sei lá..mas quem consegue isso?
Tentemos...

Fica bem, seu pessimista de serviço:))))))))))

Abração

Interessada disse...

Parece
que João Lopes e Julio Machado Vaz estão em perfeita sintonia. :D

Pedro disse...

Interessada,

Se percorrermos o mundo dos sonhos ou agora a internet. Encontramos sempre surpresas:

Temos o Blogue "Me Too"

http://metoo.blogspot.com/



E este que nem precisa de legendas.

http://bigpicture.ru/?p=247204


:D

Interessada disse...

João Pedro

Novos trabalhos de que gostei; mais um para os meus favoritos.
E felizmente que este me permite seguir-te ;) - (não estou no Facebook, e tu és xenófobo)
Mais uma vez, os meus parabéns pelo trabalho que tens desenvolvido.
Não sou especialiista na matéria, mas o sentido estético educa-se. E a verdade é que tenho gostado bastante.
Um abraço.

Pedro disse...

Sem sentido nenhum!

Quando se gosta muito de uma coisa. Há pessoas que gostariam de morrer a fazer isso ou dentro disso.

Confuso mas muito comum. Pessoas que não morrem no hospital porque não estavam doentes apenas lhes faltaram forças para se levantar.

Boas Caminhadas!

:)

Fora-de-Lei disse...

Entretanto, um sem-abrigo do Porto foi condenado a 250 euros de multa por ter palmado um polvo congelado e um shampoo de um supermercado.

Para além da teimosia (com a pretensão de se tornar exemplar) do grupo detentor do super-mercado em que a sua queixa chegasse formalmente a tribunal, fica o ridículo da decisão do(a) juíz(a). Eu agora quero ver como é que esse infeliz vai pagar a multa a que foi condenado...

Pedro disse...

Ainda no outro dia pensava mas parece um pouco estranho e volta-me outra vez ao meu avô Manel. É verdade que se morre mas continua-se a existir. Como na altura senti e o vi sem "vida" era mais um dia na sua companhia!

Pedro disse...

Interessada:

Tenho que ter cuidado com oque digo que depois de alguém ir a tribunal por um polvo. Ainda sou acusado de ser xefonobo por comentar aqui no Murcon!

Pedro disse...

Sabem qual é a segunda melhor coisa da vida?

Comer!

E a Primeira?

O resultado da segunda!

E a terceira?

Não ter nada melhor que fazer!

rainbow disse...

Boa noite aqui do Polo Sul:)

Anfi,

Obrigada pelo link. Excelente guitarrista.

FDL,

O grupo detentor do supermercado fez questão de avançar com a queixa contra o sem-abrigo e o tribunal condenou-o a uma multa por considerar que um polvo e um
champôo não são bens de primeira necessidade. Uma vergonha.
Quem rouba pouco, tem que pagar. Quem rouba muito...

Interessada disse...

João Pedro

O bigpicture tem fotografias já conhecidas, mas muito boas.
É pena serem tão poucas.

andorinha disse...

Bea,

Claro que não advogo que se depositem as pessoas nos hospitais à espera que morram.
Mas estas pessoas viveram e morreram na mais completa solidão os ultimos dias das suas vidas e isso é pavoroso.
Deixámos de cuidar dos velhos:(

FDL,

Isso é para o sem abrigo aprender que é melhor pagar pelo que consome do que roubar; fica mais barato.
Parece-me uma atitude muito pedagógica da parte de quem a ditou.

Pedro,

Quem comenta aqui é xenofobo??????
Mas deixa lá, se fores vais em boa companhia...:)

rainbow disse...

http://www.youtube.com/watch?v=leI7sfmipuI

Bons sonhos para todos

Pedro disse...

Interessda,

Não sei porquê mas estava á pouco a ver umas coisas que tinha feito e lembrei-me de si;)

Xefonobo, foi propositado. Porque se haverá de proibir determinados simbolos e não determinadas palavras.

Bons Sonhos e Bons Momentos para quem aí vem...

Pedro disse...

"proibido" era a primeira. Passava a ser "poríbido"

bea disse...

É muito estúpido (desculpem) um país onde no mesmo telejornal se diz que o processo de Isaltino Morais prescreveu, mas se multa com 250€ um sem abrigo - que nem se sabe onde anda e nunca apareceu no tribunal - por roubar uma ninharia que devia estar a fazer-lhe falta.asqueroso.

Onde a gente veio nascer! (pareço um cântico de Natal "logo vieste nascer, na noite do caramelo", esta letra também tem que se lhe diga, a noite do caramelo! sabíamos lá o que isso era, para mim rebuçados que se pegavam ao céu da boca e não percebia por que havia uma noite de rebuçados, no meu otimismo achava que podia bem ser que fosse de dá-los às crianças, mas a minha mãe que era só frio e pronto. Os adultos têm grandes respostas, não haja dúvida. ai onde é que eu ia, Afonso Henriques não pagou as bulas ao papa, começou logo a furar o esquema,e pronto, isto começou logo mal; mas ao menos lutava, era mauzinho e tudo. E estou um bocadinho atrasada com o macramé por isso amanhã há mais.fiquem bem. biépi

Interessada disse...

FDL

Acedem ao seu património, ou seja, levam-lhe o cobertor e o colchão de cartão.
Triste sociedade que pune aqueles que exclui, por vezes depois de os explorar até ao tutano.

Bea

Asquerosa, é realmente a palavra mais apropriada para esta sociedade.
Pobres de espírito, os falsos moralistas que impiedosamente lhes fazem exigências, preconizando certos juízos de valor, enquanto comodamente esquecem outros.

Interessada disse...

@Pedro "Porque se haverá de proibir determinados simbolos e não determinadas palavras."

Concordo inteiramente contigo, e proponho de imediato que seja proibida a "suástica", e qualquer tipo de "prepotência".
Que me dizes? Vamos criar o nosso dicionário? ^_^

Todos os dias batemos um novo record, o do desemprego - nobre povo; nação valente!

Interessada disse...

Rain

Grata pelo Donovan.Soube bem.
Provavelmente somos da mesma geração :D

João Pedro

É sempre agradável saber que te lembraste de mim. Espero que por bons motivos :))

Impio Blasfemo disse...

Para alegrar as hostes deixo mais umas blasfemices, desta vez do Guerra Junqueiro (?poeta de mérito duvidoso?) que escreveu a Velhice do Padre Eterno.
Aconselho o Melro que não transcrevi por ser muito longo mas está no link abaixo.

A Benção da Locomotiva


A obra está completa. A máquina flameja,
Desenrolando o fumo em ondas pelo ar.
Mas, antes de partir mandem chamar a Igreja,
Que é preciso que um bispo a venha baptizar.

Como ela é concerteza o fruto de Caím,
A filha da razão, da independência humana,
Botem-lhe na fornalha uns trechos em latim,
E convertam-na à fé Católica Romana.

Devem nela existir diabólicos pecados,
Porque é feita de cobre e ferro; e estes metais
Saem da natureza, ímpios, excomungados,
Como saímos nós dos ventres maternais!

Vamos, esconjurai-lhes o demo que ela encerra,
Extraí a heresia ao aço lampejante!
Ela acaba de vir das forjas d'Inglaterra,
E há-de ser com certeza um pouco protestante.

Para que o monstro corra em férvido galope,
Como um sonho febril, num doido turbilhão,
Além do maquinista é necessário o hissope,
E muita teologia... além de algum carvão.

Atirem-lhe uma hóstia à boca fumarenta,
Preguem-lhe alguns sermões, ensinem-lhe a rezar,
E lancem na caldeira um jorro d'água benta,
Que com água do céu talvez não possa andar.

In (http://www.arlindo-correia.com/130700.html)

Boas noites
Ímpio

Manuel disse...

Pedro e restantes murcónicos:

Curtam o último de Leonard Cohen, «Old Ideas», gravado aos 77 ano, mas sempre fresquinho.

http://www.npr.org/2012/01/22/145340430/first-listen-leonard-cohen-old-ideas?sc=tw&cc=twmp

Pedro disse...

Manuel,

Obrigada! Realmente a voz de Leonard Cohen, não cresce e como tu dizes: "sempre fresquinho"

bea disse...

Anphy

essa guitarrista é de estalo. Sem idade.

Pedro
Habib Koite. Não conhecia. Há músicas que vocês aqui deixam que, vendo as imagens, não consigo ouvi-las. Esta foi ao contrário.

O que eu gosto do Rui e do Tê… a tua lista de preferências das 10,05...

Manuel

Gostei da música de “nunca parto inteiramente”.
Obrigada pelo Cohen; o timbre permite-lhe isso, manter o registo. Mas vi-o cantar há uns dois anos e pareceu-me fisicamente bastante cansado.

Interessada

Se a madona por inteiro for comparada com o Zeca, ele ganha.

Rain

Não é bonita a ideia de Atlântida afundada na sua beleza? Se pensarmos por alto, sim; se pensamos por baixo, é capaz de haver muito esqueleto por lá. Mas podemos imaginar que se transformaram em peixes e vivem contentes, a abrir e fechar a boca e a olhar tudo com olhos diferentes

Ímpio

São gostos. A verve de Guerra Junqueiro faz o meu género. obrigada pelo poema remordente:)

Fora-de-Lei disse...

andorinha 10:13 PM

"FDL, iIsso é para o sem abrigo aprender que é melhor pagar pelo que consome do que roubar; fica mais barato. Parece-me uma atitude muito pedagógica da parte de quem a ditou."

Tás a gozar, não tás ?!

Impio Blasfemo disse...

BEA

Já que gostas de textos que remordem, no link que deixei sobre o Guerra Junqueira dá uma olhada ao poema do Monstro.

Continuando na blasfemice, o termo hissope está ligado a uma obra António Dinis da Cruz e Silva "O Hissope". O mais que consegui foi um PDF do qual extraí uma parte que falava sobre a justiça portuguesa.
Tendo em conta que este texto surgiu em 1774 e que foi inspirado num texto de Nicolas Boileau "Lutrin" de 1683, diremos que este problema comum da justiça parece já vir de longa data e não ter tido solução à altura.

http://z3950.crb.ucp.pt/Biblioteca/mathesis/Mat19/Mathesis19_55.pdf


Uma coisa me lembra de substância
De juízes venais e corrompidos
Tudo esperar se deve... (p.133)



Dois rábulas famosos trabalhavam
Em ofuscar das partes o direito.
Quanto rançosos livros, que jaziam
Sepultados em pó, meios comidos
Da cruel e voraz, maligna traça
Tornaram outra vez a ver o dia!
A Excelência, a Discórdia, a Senhoria,
Cada uma de per si os excitava;
E, sobretudo, a fome devorante
Do luzente metal que o mundo encanta.
De papel muita resma, em letra grifa,
Onde, a montões, os textos e os doutores,
Sem ordem e sem tempo, se alegavam,
Cada qual, de si pago, tinha escrito. (p.208)



Há d'Elvas na cidade um escritório,
Onde assiste a Trapaça e o Pedantismo.
Ali os feios monstros, consultados
Do gritador Fernandes pela boca,
Suas respostas dão à rude plebe.
Aqui o reverendo prebendado
Seus passos encaminha, e aqui chega,
A tempo que, de chambre, o novo Caio
A um rude camponês, que o consultava
Duma fraca jumenta sobre o encaimbo
Com outro seu vizinho, respondia:
Mil livros tem abertos, e mil textos
Em latim, ad formalia lhe repete;
Mas se o rústico deles nada entende
O doutor muito menos entendia:
«O seu caso (lhe diz) próprio, escarrado
Neste livro que temos; vá seguro;
Que, a seu favor, terá final sentença.» (p.129-130)

Saravá
Ímpio

Interessada disse...

@Bea “Se a madona por inteiro for comparada com o Zeca, ele ganha.”
Não necessariamente para toda a gente!
Mas eu sabia que não estava só ;)

Ímpio e Manuel

Não sei se merecemos que nos presenteiem assim :))))
O meu agradecimento é para ambos. Há homens e mulheres que não têm prazo de validade.

andorinha disse...

FDL(5.02)


Precisas de perguntar?:)

Manuel,

Obrigada pelo Cohen. Para mim é intemporal.

Impio,

Continua a blasfemar que as tuas blasfémias fazem aqui falta.

Interessada disse...

Não porque seja uma pessoa com interesse, mas porque é uma figura pública,deixo-vos o link para uma análise bem concebida sobre Judite Sousa, a boneca de feira.

bea disse...

Ìmpio

pois eu tentei ver o link mas não deu.

Interessada

pois...não desgosto assim da Judite. Os defeitos que tem são os de todos os apresentadores da TV em geral, e agradou-me a imagem, ainda que na verdade esteja preparada para ver a judite qualquer dia de bibe e trancinhas. Parece-me mais jovem do que quando saiu dos estúdios do Porto, o que é um bem e não um mal. É verdade que na TVI faz demais, mas será parte de um contrato que...

o facto de não ligar aos blogues também aceito de bom grado e não acho a opinião insultuosa. Os interesses das pessoas não são todos iguais.

há uns anos, encontrei mais palerma a menina do streap na meteorologia.

Interessada disse...

Bea

O que eu acho muito mal é que ela seja uma péssima profissional.
O facto de não ser única não abona a favor dela.

Manuel disse...

António Pinho Vargas acaba de ser agraciado com o prémio Universidade de Coimbra 2012.

Boas músicas:

«Tom Waits»: António Pinho Vargas
http://youtu.be/Uj4j-iV-iak

«Dança dos pássaros»: António Pinho Vargas
http://youtu.be/6y_Jc4EIjp8

«Fado negro»: António Pinho Vargas
http://youtu.be/GnWX58nu4ts

«Vilas morenas»: António Pinho Vargas
http://youtu.be/FqxJcnotvm8

Pedro disse...

António Pinho Vargas, primeiro. Depois, Sam the Kid que aqui deixo do Porto para Lisboa:

http://youtu.be/3KjhU6piddU

Impio Blasfemo disse...

BEA. Vamos lá a ver se me arranjo com o HTML. Então aqui vai:
O Melro
FIEL
A Benção da Locomotiva

Como se faz um Monstro

Aos Simples
Parasitas
O Papão
E chega de blasfémia,
Saravá,
Ímpio

bea disse...

Interessada

não será extraordinária, mas há gente bem pior e encontro-a educada. Tb ouvi algumas pessoas dizerem-lhe que só tinham ido à entrevista por ser ela a conduzi-la. Sei, não a torna melhor. Mas por acaso a meus olhos sim. Gostei de ouvir Lobo Antunes dizê-lo. Olhe, e hoje está fixe :) mudou de novo o penteado. Pena é que as notícias não sejam simétricas.

Ímpio
obrigada. Vou ver.

Bonne nuit

bea disse...

Ímpio

Só nos poemas pequenos Guerra Junqueiro me parece melhor. Embora um anti clerical, a sua poesia é cheia de altares de talha dourada :), fica a gente sem espaço para imaginar no meio de tanto adereço folhudo.

Vou ali. fiquem bem

rainbow disse...

http://www.youtube.com/watch?v=8lc5lKg6ZHM&feature=related

Fora-de-Lei disse...

Para o bem ou para o mal, o Egipto é hoje um país sem rei nem roque. Daí acontecerem monstruosidades como aquela que se despoletou hoje em Port Said, num mero jogo de futebol.

De um momento para o outro, Portugal também poderá ser um país sem rei nem roque. Está tudo dependente da sensibilidade (ou falta dela) dos nossos governantes. Por isso, os nossos dirigentes desportivos que tenham muito cuidado e não se lembrem de começar a deitar achas para a fogueira em torno de questões que só poderão interessar a quem tiver muito más intenções...

Pedro disse...

FDL,

Ontem deixas-te aqui mais uma revolta no Egipto. Violência!

Hoje deixo-te aqui isto. Resistência!

http://geaphotowords.com/blog/?p=12591

Pedro disse...

Para quem leu ou vai ler o Link que deixei. Percebe a força que os fracos podem ter. Sem aspas.

Um Bom Dia Mundo

Pedro disse...

http://youtu.be/p7zDSSIXJCg

Pedro disse...

Bea:)

Nem sempre a assimetria é uma desvantagem:

http://en.wikipedia.org/wiki/Fiddler_crab

Não querendo te tirar a razão sobre o que escreveste.

Pedro disse...

Bea,

Uns anos atráz havia quem dizia que as ferramentas eram um prolongamento do nosso corpo. Passado o tempo. Interrogo-me! Se não seremos nós um prolongamento das ferramentas que usamos?

(...)

Pedro disse...

(...)

Bea,

Tem razão quando me dá a neura. Endureço mas não azedo(?)

http://youtu.be/uXnJVkEX8O4

Pedro disse...

Mas basta um pouco de sol para me derreter:

http://llocdeparaules.wordpress.com/

Uma Boa Tarde...

Princesa Isabel disse...

Muito lindo Professor!
Também me encantou, de forma especial, a frase:
"lérias!, foi primeiro porque jamais saberia viver sem ti."
Que a inspiração se mantenha e o sentido poético destas pequenas histórias, também.
Bem haja!

bea disse...

Pedro

a realidade não é simétrica:)

Endureces sem azedar? é o que espero nos aconteça a todos, a laranja é mais doce quando a época está no fim. É esse o esforço sempre incompleto.

A lição dos caranguejos não sei se entendi :) mas a vida dá a alguns seres essa capacidade de renovação surpreendente.

Anfitrite disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anfitrite disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fios de Seda disse...

Caro Professor,

Mais um texto belíssimo para os tantos outros a que já nos habituou.

Estes amores que nunca viravam desamores, eram simplesmente espantosos.

Também tenho a sorte de ter uns Pais que nem os seus! E faz toda a diferença...

Um abraço agradecido desta Bruxelas com menos muitos graus... por dentro e por fora.

P.S. Gostei particularmente do reconhecimento do Senhor seu Pai! Razões de ser como estas são precisam-se!