sábado, novembro 09, 2013

Coliseu, Sábado à noite.

Maria,
Não deixa de ser caricato, pedir desculpa pelo atraso de uma carta que nada me garante ser lida. E no entanto faço-o. Como se tivesses perguntado “que tal correu?” e o silêncio vivesse, culpado e arrependido, uma longa semana depois. Correu bem é curto, a vida plena é cheia de pormenores. Que os Machado Vaz fazem gala de entregar nas mãos da última hora... Resultado –  polvilhámos o Coliseu à distância de números e filas, que não de afectos, as duas cadeiras de orquestra reservadas para os meninos, afinal são vanguarda e hospital de rectaguarda da família.
Sabes que vi Os Azeitonas muitas vezes, mas esta foi diferente, havia sabor a festa no ar e um aconchego todo portuense nos corações; foi diferente. Perigoso também!, a senhora a meu lado dançava de cotovelos bem abertos, mantive o entusiasmo sentado com receio de um grand final na Urgência do Santo António. Espectáculo terminado, banda e filarmónica já desaguando em Passos Manuel, fui em busca dos petizes. E de imediato me dediquei a tarefa obrigatória de Avô, acrescentar um verso à lenda familiar. “Vocês têm sorte”, disse, “Pai e Tio artistas”. Os putos duvidosos, habituados como estão às minhas loucuras, “mas só o Tio João é músico”. Era a deixa que esperava para dissertar com abundante ignorância sobre o estatuto da arquitectura, “voilà” (guardei o q.e.d. para mim, presumo que terão escapado ao rosae, rosarum, pois se nem o meu amado francês dominamL).
E o Gaspar, sorriso maroto em punho, ripostou – “a Psicologia também é uma Arte, Avô Júlio”. Imaginas o que aconteceu – o nome voou para quem mo legou, o miúdo exibia elegância ternurenta que parecia jorrar dos neurónios florentinos de meu Pai, fiz-lhe um afago no cabelo para compensar a greve de palavras que o nó na garganta decretara. Na rua a festa continuava,  desci rumo a automóvel e noite de sono antecedida de memórias, vi “O dia mais longo” naquela sala com minha Mãe segredando, encantada – “o teu Pai no cinema, é um milagre”. Não era, o  velho estudava a Segunda Guerra Mundial com desvelo de coleccionador, abrira uma excepção em rotina de noites caseiras para confirmar suspeitas, “o livro é melhor”.

 Imerso no passado, notei o presente à queima-roupa, o João aflorava-me o ombro, um descia e outro subia, rua e vida!, a imagem é adequada. Chamei-o, a medo e envergonhado, a rua era de todos, mas à festa não pertencíamos eu e a minha nostalgia. Abençoada surdez o feriu, egoísta desconsolo se me pendurou ao pescoço por breves instantes, miúda eufórica o substituiu, “deve estar tão orgulhoso, gosto muito do seu filho”. E seguiu-o, corrente acima, amantes da pop e salmões devem ter algo em comum! De novo meu Pai, afectuosamente irónico – “sou marido e pai de vedetas”. Divorciado, a frase inteira está-me vedada, mas quando olho os meus rapazes, entendo, reivindico e saboreio a segunda parte dela...    

54 comentários:

Moon disse...

:) Pai de vedetas e com estatuto de Deus...
Sim, porque se a imortalidade está vedada aos comuns, para si já é uma garantia.
Agora e para sempre no coração e memória de muitos!:)

Cê_Tê ;) disse...


Não pediu para ir ao palco???? ;) Tsts ;)

Têm temas muito bonitos
e este último tema tem uma apresentação muito criativa e fica no ouvido.

http://www.youtube.com/watch?v=QO93uQN7ox0

Parabéns! ;)

bea disse...

tão bonito, senhor professor!
Espero que os seus filhos tenham reparado no quanto o pai se transfigura se fala neles. Ganha alma e no inteiro do corpo um ritmo de ternura a saltitar.

todos os filhos são as vedetas dos pais.

Moon

eh lá...estatuto de Deus é abuso....apesar do aspecto respeitável, das barbas brancas, faltam as prerrogativas omni. Além do que os deuses - excepto os gregos que tinham defeitos como nós - são pouco interessantes.

João Pedro Barbosa disse...

Bea? Não duvide! Que ela também sente a metade dele.

bea disse...

os azeitonas estão com boa batida. parabéns.

bea disse...

para quando chegue a andorinha:

gostaste do jogo. vá diz que não, a ver se acredito. estás toda contentinha.

e acho que tenho de ir. fiquem na paz

João Pedro Barbosa disse...

Estaremos perante um achada arqueológico?

andorinha disse...

Estas cartas deixam-me sempre assim...
Tanta coisa poderia dizer mas nada sai.

Digo apenas: Uma delícia, toda ela.

"...fiz-lhe um afago no cabelo para compensar a greve de palavras que o nó na garganta decretara."

Tão lindo! Tão ternurento!:)

Parabéns! Pelos rapazes! Pelos petizes! Pela tribo!

Concordo com a Cêtê, o tema Ray-dee-oh é "buédafixe":)



Bea,

Claro que estou toda contentinha:)))
Mas sofri muito...

Durmam bem.

João Pedro Barbosa disse...

Murconese. Make me a favor! Help yourself?

João Pedro Barbosa disse...

Professor,

Ontem a prosa deixou-me desprevenido! Continuo a fazer o fim de semana português e ainda uma manhã me espera pela frente. Longe vão os tempos do fim de semana inglês e da febre de sábado à noite, esfolo-me mais nas outras noites para poder estar operacional ao raiar do dia! E pergunto-me - Porque ponta lhe havemos de pegar? - Só na virtude de um fim com reticências.

Há livros melhores que as pessoas que os escrevem
Há filmes melhores que os livros que são editados
Há quadros que são melhores que os lugares
Há relacionamentos que são melhores que a consciência que destes temos

bea disse...

Pois é, João Pedro. Há mesmo. Mas também o inverso é verdade. Coisas. De sermos humanos.

Hoje ouvi o amor é de fim de semana:)

e tanto concordo com a Inês! entra a gente num comboio e todos estão apressados a conectar-se a alguém ou alguma coisa. Oh, não acho mal de todo. Mas também eu fiz algumas viagens longas de comboio. E sabem o que vi? outras coisas (vejo sempre outras coisas). Vi uma jovem senhora - sentade na minha frente -, por certo professora universitária, que trabalhou todo o tempo. Reviu uma tese quase de fio a pavio com anotações e tudo, fez vários telefonemas que me permitiram concluir que ia ser oradora em conferência no dia seguinte, leu parte de um livro em inglês. Não olhou uma única vez para a janela nem para quem quer que fosse. Saiu como entrou, sem tocar no ambiente. Seria workaolick? seria o que fosse. Até uma pessoa muito ocupada. Mas não viu a preguiça langorosa do Mondego, guardado em sombras de tela natural, não sentiu a tristeza das gares desertas de gente, não soube as aflições da cal a desprender, mas que é isto, em casas confusas, a perderem o ser, e para onde foram as pessoas, que é das crianças e dos cães. Que perdeu as diferenças na batida à chegada, a beleza da cidade em cacho, o sonho de abraço que há em cada arco de ponte.

O tempo corre, é certo. E por vezes o trabalho envolve-nos, como diria Marx, aliena-nos do que somos. Mas as pessoas e as coisas estão sempre à nossa volta. Sempre.

E o professor tem razão, é preciso deixar ouvir o silêncio. É nele que a verdade é próxima.

Peço desculpa, deu-me para aqui.

rainbow disse...


É bom ter os filhos perto, poder vê-los, sem ser através da tecnologia, poder abraçá-los.
Parabéns aos Azeitonas, que são o máximo em palco.
Que a ternura, a cumplicidade e o amor sejam sempre uma chama acesa entre todos vós.

Bea

"entra a gente num comboio e todos estão apressados a conectar-se a alguém ou alguma coisa"

Não ouvi o "O Amor é..." mas da última vez que fiz uma longa viagem de camioneta, fiquei surpreendida com isso mesmo. Todos a se conectarem com alguma coisa, através de telemóveis, de computadores. Não houve espaço nem tempo para o silêncio. As vozes cruzavam-se, os constantes toques dos telemóveis, o ruído dos jogos. O rádio, legitimamente ligado pelo motorista mal se ouvia, na TV um filme qualquer.
Foi perturbador. Salvou-me a paisagem, que fui olhando pela janela, os campos, as nuvens, o céu.
E a propósito de silêncio:

Silêncio

No silêncio cabe tudo
Música e afectos
Recordações
Saudades
Janelas abertas
Abrigos
Emoções a rebentar
Escuridão
Esperança infinita
Paz
Raios de Sol
Céu azul
Luz

Bom domingo para todos

bea disse...

Obrigada pela companhia, Rain. Por vezes julgo-me um aleijão qualquer nesta incapacidade de acompanhar o sentir dos tempos. Tudo se faz de auscultadores para ficarmos " na nossa" e quase não vermos quem está à volta; ver, vê-se, mas falta a atenção. E tenho mesmo dúvidas, se apreciarão tanto a música quanto eu ou quem não a ouve a todo o instante. As pessoas não chegam a sair à rua, estão sempre dentro do mesmo que lhes barra o fundo de tudo. Mas sentirmo-nos na rua é tão bom. Tão bom andar no meio das pessoas a ser apenas mais alguém.

enternece-me o teu poema.
um beijinho pati

Impio Blasfemo disse...

Belo texto, e muito cheio de ternura, uma coisa que talvez a crise em que vivemos nos tenha obrigado a reganhar, a ternura e o saber olhar para quem nos rodeia.
Contribuo no tema de pai e do avô com um poema que me diz bastante.
Abraços

IMPIO

“Pai, a Minha Sombra és Tu

a cadeira está vazia, um corpo ausente
não aquece a madeira que lhe dá forma

e não ouço o recado que me quiseste dar
nem a tua voz forte que grita meninos
na hora de acordar
ouço o teu abraço, no corredor em gaia
e os olhos molhados pela inusitada despedida

o sol foge
mas o crepúsculo desenha a sombra que
tenho colada aos pés
ou o espelho, coberto com a tua face

pai, digo-te
a minha sombra és tu

Jorge Reis-Sá, in "A Palavra no Cimo das Águas"

bea disse...

bonito poema, Ímpio. Obrigada.

João Pedro Barbosa disse...

"Stary Stary Night"

don mccullin shaped by war...

http://www.amazon.co.uk/Shaped-War-Don-McCullin/dp/0224090267

noiseformind disse...

Hoje em visita à túgica nação enquanto aguardava a boleia que me levaria a ver o FCP ganhar ao VSC encontrei 8 exemplares d'"O Tempo dos Espelhos" à venda numa feira "discount" da Livraria Bertrand do Centro Comercial Dolce Vita, no Porto. A 3 euros. Ora sabe-se que é mau para qualquer marca quando esta começa a ser vendida ao desbarato portanto resolvi comprá-los todos mantendo assim a marca imune a queda de bolsa enquanto não sai o sucessor de "M[o]uros". Pelo que me dizem as estatísticas da simpática menina Teresa da feira do Dolce Vita ainda faltam 3 "O tempo dos Espelhos" noutra Feira do Livro Bertrand. 3 no Colégio Luso Inglês de Braga. Dado que amanhã de madrugada já estarei por outras paragens sugiro que até ao dia 13 de Novembro murcónicos dignos de tal nome salvem esses livros de irem parar a mãos imerecedoras...

andorinha disse...

Bea ( 11.33)

E deu-te muito bem:)))

"E o professor tem razão, é preciso deixar ouvir o silêncio. É nele que a verdade é próxima."

Concordo em absoluto. Mas constato que realmente cada vez há mais pessoas com medo dele. Ou com aversão, sei lá...
Vou por vezes ao Porto de comboio e apercebo-me exactamente do mesmo que tu e a Rainbow disseram. Cada um vai "ligado" no seu mundo.
Eu normalmente ou leio ou vejo a paisagem. E deixo a mente vaguear...


Rainbow,

Gosto dos teus poemas, miga:)
Simples, mas que tanto dizem...


Impio,

Não conhecia esse poema. Tocou-me fundo...

Boa semana, malta:)

João Pedro Barbosa disse...

Noiseformaind? E que tal o emprego! Foste muito mal empregue.

João Pedro Barbosa disse...

"De livros estamos falados. Os que mudam com a idade! Ora ouçam?"

http://www.youtube.com/watch?v=8-1GZdSdEgo

bea disse...

hummm...joão Pedro, a senhora está numa desgraça das grandes, coitada.
tás neura a brincar ou é a sério?

boa noite a todos.vou-me ausentar

João Pedro Barbosa disse...

"Bea? Se está confuso! É porque existe"

http://www.youtube.com/watch?v=dipFMJckZOM

bea disse...

Tão bonita esta canção a Van Gogh, talvez o meu pintor preferido. ok, há outros que também. É como se Don MacLean lhe estendesse um caminho de vem por aqui e ele alheado, perdido na sua loucura de ver o mundo como ninguém. Sozinho na paisagem. O pintor morreu de exagero, como tinha de ser. Não há e nem pode haver outra forma para quem assimila em si a condição humana, mastigada até ao fim, deglutida e depois transfigurada em cores e pinceladas. O que lhe floresce das mãos não é das mãos que vem. e nem é flor.

Bom Dia para todinhus.

Van Gogh eu gosto de ti até debaixo de água. a faltar-me o respirar.

João Pedro Barbosa disse...

Madagascar Olodum

http://www.youtube.com/watch?v=PzOtPwZDKW8

João Pedro Barbosa disse...

"E assim se deveria dizer em bom português"

http://pt.wikipedia.org/wiki/Zang%C3%A3o

João Pedro Barbosa disse...

"E assim se deveria dizer em bom português"

http://pt.wikipedia.org/wiki/Zang%C3%A3o

João Pedro Barbosa disse...

Bea! A melhor forma de agradecer. E os outros não? Claro e transparente...

bea disse...

João Pedro (12:10)

Dotado de excepcional visão e olfato, é capaz de detetar rainhas virgens até dez quilômetros de distância.

isto é que é um olfacto a sério. Caramba! O corpo dos animais está muito bem feito. Louvado seja Deus:))

João Pedro Barbosa disse...

"Louvado seja Deus? E principalmente! Quando faz o dinheiro cair do céu"

https://www.youtube.com/watch?v=H6mWPYF8e5w

bea disse...

levas o tempo a ganhar o totoloto?

com tanto dinheiro bem podias tirar esses ruídos.

Vou ali que tenho ouvidos sensíveis

João Pedro Barbosa disse...

Bea? Eu não jogo! Mas acredito que um dia vou ganhar.

João Pedro Barbosa disse...

Bea? Hoje em dia a perseguição é ideológica ou como sempre foi! A religiosa e económica a para pôr os ceguinhos a cantar.

João Pedro Barbosa disse...

Musica Portuguesa 16 GNR Dunas

http://www.youtube.com/watch?v=xMcAAxhTVxw

andorinha disse...

Pura arte. Vejam:)


http://memolition.com/2013/02/02/the-best-examples-of-street-art-in-2012-48-pictures/

bea disse...

uppsss...esqueci-me de assar as castanhas. Bolas.

vou ali beber uma ginginha de Óbidos. Não é o mesmo? ora, mas é mais doce

João Pedro Barbosa disse...

"Vai tocar ferrinhos"

https://www.youtube.com/watch?v=bTosfycRmAA

andorinha disse...

Nas Filipinas...


"A agência francesa encontrou Edward Gualberto nos arredores da cidade. "Vestido apenas com uns calções vermelhos, o pai de quatro filhos e conselheiro municipal pede desculpa pela sua aparência, e também por estar a roubar aos mortos", conta o jornalista. Gualberto diz que é "uma pessoa decente" e lamenta as coisas "vergonhosas" que teve de fazer para sobreviver. "É muito fácil esquecer a dignidade quando não se come há três dias", justifica. Entre os destroços, encontrou latas de comida e de cerveja, um pacote de esparguete, biscoitos, detergente e velas: a família já não passará fome."

Todos faríamos o mesmo, penso eu...

bea disse...

Claro que faríamos. Sem hesitar.

como a vida muda repentina. perde-se tudo, família, casa, lugares nossos. A força que é preciso fazer para começar tudo outra vez. E a pena que tenho daquela gente sempre tão sacrificada. Temos que os ajudar.

Boa noite:)

andorinha disse...


É isso, Bea, são situações limite em que somos postos à prova de uma maneira que não consigo imaginar.

Boa noite:)

João Pedro Barbosa disse...

Nas Filipinas. Não é preciso ir tão longe para não olhar a meios para chegar aos finalmente! Querem fazer uma visita ao Planeta Terra?

João Pedro Barbosa disse...

Não obstante de lugares onde os meios de comunicação não fazem chegar até nós outras catástrofes naturais! Para quem está dispostos a contribuir na ultima de muitas catástrofes? Aqui fica.

"UNICEF está trabajando en Filipinas para llegar a los 4 millones de niños que están sufriendo las consecuencias del devastador tifón Haiyan. Haz un donativo para Filipinas"

http://www.unicef.es/

bea disse...

Boa ideia Pedro:)

bea disse...

Bom Dia:) Sorry, nem cumprimentei. E vou ali que tenho os bicharocos com a boquinha a abrir e a fechar.

Fiquem bem

http://www.youtube.com/watch?v=5lndoewNiI0&NR=1&feature=endscreen

João Pedro Barbosa disse...

Lá Em Baixo - Clã e Sérgio Godinho

http://www.youtube.com/watch?v=Z7o9OkE4t4U

João Pedro Barbosa disse...

Ninguém fez pausa para o almoço? Ou ainda estão a pensar no jantar de sábado! Já são horas de dar corda ao relógio.

bea disse...

O nosso relógio é muito alto temos de subir tanto degrau, depois as horas estão erradas e não podemos com os ponteiros. Já fui buscar uma vara comprida com um gancho na ponta e estou a ver se acerto isto mas o ponteiro dos minutos está teimoso, não quer andar. De cada vez que passa no número doze cola ali feito múmia e é um apego que não arreda um milímetro de maneira ou feitio. De modo que estou pendurada na ponta do ponteiro - desisti da engenhoca da vara, quem sabe ele tem medo dela - e nada. Já me caiu um sapato lá em baixo, esta terminação de seta gigante assusta-me a valer, tem um bico muito aguçado e ainda por cima é incómodo estar pendurado na direcção do meio-dia ou meia-noite, consoante queiram chamar-lhe; dava-me jeito uma saliência qualquer, nem que fosse um tijolo, mas os meus pés já estão por tudo - ainda por cima um está descalcinho e já vi que tenho a meia rota mas também quem é que se importa, desta altura nem se deve ver. E se isto desanda de repente, com estrondo, vou em voo até ao número seis e não sei se me aguento na descida, que já ia morrendo de susto na space mountain.

E pronto. Se eu não volte mais tarde, é que morri pendurada num ponteiro, que isto de alturas não é comigo, vejo tudo à roda e estou agoniada qb. Ó sorte malvada.

PS: se virem o homem ou a mulher aranha façam favor que me dava jeito a boleiazinha. Também pode ser outro qualquer desde que saiba voar e me leve a casa que ainda por cima o relógio fica longe como o c...Ora bolas. Mas quem é que me mandou meter onde não sou chamada.

João Pedro Barbosa disse...

Bea? Teve uma chamada para si! Tocou uns segundos e depois desligou.

andorinha disse...

Bea,

Belo dueto! Gosto imenso de duetos, como já aqui disse.
Não conhecia este. Bigada:)



A imaginação que tu tens, miúda:)
Delirante!


Jota Pê,

"Bea? Teve uma chamada para si! Tocou uns segundos e depois desligou."

Pois, a Bea ainda está pendurada, não desceu a tempo:) lol

A ouvir Clã e Sérgio Godinho...

Bom chegar a casa e encontrar aqui amigos que nos deixam miminhos:)))

bea disse...

Olá:)


pois é João Pedro não se perdeu nada que nem gosto de atender telefones.

Andorinha, vê tu a minha cabeça que tive de ir ouvir o que deixei para compreender o que escreveste:)
não, não é delirante; chama-se dar guita (ou gás) e deixá-la ir onde quer. Uma espécie de passeio higiénico da mente:))

João Pedro Barbosa disse...

Bea? É uma seca! Ter que sobreviver na escrita.

andorinha disse...

Bea,

:)))

andorinha disse...



http://www.publico.pt/mundo/noticia/coreia-do-norte-executou-80-pessoas-por-verem-filmes-ou-lerem-a-biblia-diz-imprensa-sulcoreana-1612177

Como é possível tal barbárie?

andorinha disse...

http://www.publico.pt/sociedade/noticia/ministerio-esta-a-recrutar-classificadores-para-prova-de-avaliacao-dos-professores-1612230

É incrível! Estão a tentar recrutar professores de Português que habitualmente corrigem os exames de 12º ano.

E haverá professores tão mesquinhos, tão sem consciência de classe que vão aceitar?
A resposta, infelizmente, é sim. Por isso o NC pode fazer tudo o que quer e lhe apetece.

Pqp esta gente que não se consegue unir nem por nada...:(

Fiquem bem:)

João Pedro Barbosa disse...

Tão bonitinho que está o quatro no franganito!