terça-feira, janeiro 27, 2015

Procuro-te

Procuro a ternura súbita, 
os olhos ou o sol por nascer 
do tamanho do mundo, 
o sangue que nenhuma espada viu, 
o ar onde a respiração é doce, 
um pássaro no bosque 
com a forma de um grito de alegria. 

Oh, a carícia da terra, 
a juventude suspensa, 
a fugidia voz da água entre o azul 
do prado e de um corpo estendido. 

Procuro-te: fruto ou nuvem ou música. 
Chamo por ti, e o teu nome ilumina 
as coisas mais simples: 
o pão e a água, 
a cama e a mesa, 
os pequenos e dóceis animais, 
onde também quero que chegue 
o meu canto e a manhã de maio. 

Um pássaro e um navio são a mesma coisa 
quando te procuro de rosto cravado na luz. 
Eu sei que há diferenças, 
mas não quando se ama, 
não quando apertamos contra o peito 
uma flor ávida de orvalho. 

Ter só dedos e dentes é muito triste: 
dedos para amortalhar crianças, 
dentes para roer a solidão, 
enquanto o verão pinta de azul o céu 
e o mar é devassado pelas estrelas. 

Porém eu procuro-te. 
Antes que a morte se aproxime, procuro-te. 
Nas ruas, nos barcos, na cama, 
com amor, com ódio, ao sol, à chuva, 
de noite, de dia, triste, alegre — procuro-te. 

Eugénio de Andrade, in "As Palavras Interditas" 

6 comentários:

rainbow disse...


Poesia no murcon:)


Depois da notícia ternurenta e linda do Thora, a quem dou os parabéns, da alegria que foi o resultado das eleições na Grécia, de rever o filme "Zorba, o Grego", é bom vir aqui e ver este lindíssimo poema de Eugénio de Andrade.
E sobre poesia, também tenho uma novidade. Lá terei que escolher, tal como no ano passado, um poema para fazer parte da VI Antologia de Poesia Portuguesa da Chiado Editora.
Um dos últimos, certamente:)

Abraços

bea disse...

Os poetas, esses insubmissos da vida, sabem como alimentar-nos; encolhem o vasto comprimento dos dias quezilentos e frios e da sua mão de seda escapa-se, a direito, a luz de primavera.

Rain:)

Grande poeta! Parabéns.

Boa Noite e óptima semana para todos

andorinha disse...



Bom vir aqui e encontrar Eugénio:)


Sabem, Bea...


Parabéns, Rainbow:)
Já sabes que vou querer ler...


Beijinhos, meninas. Foi bom ter-vos encontrado aqui.
Beijinhos ao "menino", também:)

Boa semana.


golden.bee disse...

E agora é bom rever este filme de novo, para verem o que os alemães são capazes de fazer. Os tempos não estão muito diferentes da parte deles: https://www.youtube.com/watch?v=r5AoLJ_3R1I-A

Serão sempre bárbaros!

Este programa passou hoje na RTP1-"A noite Cairá".

bea disse...

Anphy

Impressiona como um povo que foi capaz destas atrocidades e a quem foi dada a hipótese de recomeçar - e uma hipótese suave, bem mais exequível do que a que impõem agora - esquece tudo isso e de novo se instaura no podium, a ditar, inclemente, as leis sobre outros povos. Que não mataram e torturaram como eles, mediante objectivos retirados ao fundo mais perverso do animal homem. Talvez este fenómeno dê pelo nome de vontade de poder morando na deformação do espírito, não nos verdadeiros espíritos fortes.

A comoção de alguns testemunhos é o bastante para imaginar - que não podemos saber - o terror em que viviam e quanto sofreram.

Isto é o que não podemos deixar acontecer. Porque a história tende à repetição, a alma humana é muito ela mesma.

João Pedro Barbosa disse...

Bea? Eu nem dei pela sua entrada! Se alguém tem que reconhecer. Não sou eu...