quarta-feira, abril 25, 2007

Por "sugestão" do RAM:).

A princípio é simples, anda-se sozinho
passa-se nas ruas bem devagarinho
está-se bem no silêncio e no burburinho
bebe-se as certezas num copo de vinho
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida
Pouco a pouco o passo faz-se vagabundo
dá-se a volta ao medo, dá-se a volta ao mundo
diz-se do passado, que está moribundo
bebe-se o alento num copo sem fundo
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida
E é então que amigos nos oferecem leito
entra-se cansado e sai-se refeito
luta-se por tudo o que se leva a peito
bebe-se, come-se se alguém nos diz: bom proveito
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida
Depois vêm cansaços e o corpo fraqueja
olha-se para dentro e já pouco sobeja
pede-se o descanso, por curto que seja
apagam-se dúvidas num mar de cerveja
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida
Enfim duma escolha faz-se um desafio
enfrenta-se a vida de fio a pavio
navega-se sem mar, sem vela ou navio
bebe-se a coragem até dum copo vazio
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida
Entretanto o tempo fez cinza da brasa
outra maré cheia virá da maré vaza
nasce um novo dia e no braço outra asa
brinda-se aos amores com o vinho da casa
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida...


(e entretanto o tempo fez cinza da brasa!...)


O RAM pôs estes versos no seu blog. Acho-os muito adequados ao dia de hoje...

31 comentários:

Aspásia disse...

PROF. JMV

AS PALAVRAS DO SÉRGIO DIGNIFICAM ESTE DIA.
O RAM FEZ MUITO BEM EM IR BUSCÁ-LAS E O PROF. EM TRAZÊ-LAS PARA AQUI.

O PIOR É QUE NUNCA PASSAMOS DO 1º DIA PARA O 2º, 3º E ASSIM SUCESSIVAMENTE...

O 1º DIA É IMPORTANTE E NADA SE FAZ SEM ELE... MAS SOZINHO NÃO CHEGA.

A VIDA NÃO É UM DIA.

NEM A NOSSA, NEM A DE UM PAÍS.

APESAR DE TUDO, HÁ QUEM TENTE HÁ 33 ANOS MANTER A PROA DO VELEIRO APONTADA AOS IDEAIS DE ABRIL JÁ QUASE INDISTINGUÍVEIS, PERDIDOS NO HORIZONTE LONGÍNQUO DE UM MAR ENCRESPADO.

CÁ CONTINUAMOS CONTRA VENTOS E MARÉS, MAS AS CORRENTES SÃO FORTES E TURVAS E AS BRISAS NÃO SÃO DE FEIÇÃO...

AS SEMENTES DE ABRIL, TÃO DIFICILMENTE LANÇADAS à TERRA, ESTÃO EM RISCO DE NÃO DAR ORIGEM AO JARDIM QUE PROMETIAM...

UM BOM RESTO DE FERIADO PARA TODOS.

yulunga disse...

Hoje é feriado, não é?

Bom dia maralhal.

lobices disse...

...hoje é feriado?
...dizem que está tudo aberto
...

Aspásia disse...

LOBICES

MENOS OS OLHOS DE MUITA GENTE... E NÃO POR ESTAREM A DORMIR A SESTA! :(

BEIJINHOS

Aspásia disse...

YULUNGA

NÃO TE VIA POR AQUI HÃ TEMPOS... ESPERO Q ESTEJAS BEM.
BOM FERIADO.

BEIJINHO

andorinha disse...

Boa tarde.

Grande Sérgio, excelentes versos e óptima canção.

"Enfim duma escolha faz-se um desafio, enfrenta-se a vida de fio a pavio, navega-se sem mar, sem vela ou navio, bebe-se a coragem até dum copo vazio..."

Está aqui tudo dito:)
Mesmo nestes tempos tenebrosos:), temos que continuar a ter desafios e a lutar por eles.

Muitas vezes é bom que na vida haja vários "primeiros dias", é sinal de não estagnação e de rupturas com o passado que nos fazem avançar.

"(e entretanto o tempo fez cinza da brasa!...)"
Pois fez...e esta é a parte triste.

Termino parafraseando Ary: "Ninguém há-de fechar as postas que Abril abriu."

P.S.Quantas vezes ( em relação a este país)eu tento beber a coragem até dum copo vazio...

andorinha disse...

errata: as portas

Fora-de-Lei disse...

25 de Abril SEMPRE !

fiury disse...

lamento não ter vivenciado a brasa,(em idade de a sentir), já só tenho direito ás cinzas. pela primeira vez perco a esperança no futuro deste país e é com muita mágoa que sinto e escrevo isto, (nunca o tinha feito).
alguém que vibrou com a brasa, profundamente traída me dizia hoje: antes não podiamos falar, agora podemos e não adianta nada.

daqui a 10 anos estaremos um género de pequeno brasil segregado socialmente, a transbordar corrupção por todos os poros. poder económico, político e outros de mãos dadas.

não há alternativa, nem à direita nem à esquerda. lamentavelmente perdemos a oportunidade:(((

pronto, pronto, prometo ir dar um giro no verde da montanha ou ao azul do mar para desviar da pinha esta visão distorcida da realidade!)))

CêTê disse...

Viva a liberdade. (a da expressão também- ultimamente beliscada em muitas frentes- não aki, claro!;]])

Poema, música e voz (impossível não ouvi-la) liiiiinda!

Quanto ao fim... é sempre o princípio de outra coisa qualquer.

bjnhs

Aspásia disse...

TV2 - 00:50

NOITES DA 2:

SÉRGIO GODINHO "DE VOLTA AO COLISEU"

JFR disse...

Um dia de aniversário deveria ser, sobretudo, um dia de reflexão.
Observando o passado e a forma como se desenvolveu.
Sentindo o presente. Onde estamos. Com quem estamos. Como estamos.
Idealizando o futuro. Como seremos. Com quem estaremos. Onde chegaremos.
Fazê-lo seria, quanto a mim, tão útil à vida de cada indivíduo, como ao País.

Decorridos 33 anos, se observarmos Portugal, temos um país muito diferente. Para melhor. Alguns dirão não se saber onde estaríamos sem a revolução. Sempre pior, afirmo. Sem liberdade. Esse bem inegociável em troca de bem-estar.

"Extracto do post de hoje no meu blog"

Trebor disse...

No último dia de vida todos os Portugueses deveriam poder dizer:

"Hoje é o último dia
de uma vida bem vivida
num país que me ajudou
a vê-la construída."

A Menina da Lua disse...

Boa noite

Mais um 25 de Abril festejado...

Apesar de o seu espírito ser muitas vezes esquecido é bom sentir que apesar de tudo ele existe como referência e que os seus valores estão vivos e presentes nas nossas vivências.

JFR

"Decorridos 33 anos, se observarmos Portugal, temos um país muito diferente. Para melhor. Alguns dirão não se saber onde estaríamos sem a revolução..."


Subscrevo estas suas palavras e principalmente dou-lhes maior ênfase no que respeita à liberdade e autonomia da mulher; a mudança foi num sentido bem mais justo e equilibrado.

Ontem o meu filho ao ver as imagens do Portugal antes do 25 de Abril no programa do António Barreto dizia-me que gosta do programa mas que as imagens são um pouco dramáticas e tristes...

Pois é!

Era assim que era Portugal:"dramaticamente pobre e triste"...

Letras de Babel disse...

foi o tempo que fez cinza da brasa ou nós que apagámos a fogueira julgando-nos aquecidos para sempre?
e o fogão, guardámos?
não soubemos ver que "para sempre" era muito longe?

(nunca mais páro de fazer perguntas que não levam a nada...)

____________

uma abraço.

[seguia o teu blog ainda não tinha começado o meu ( o blog e a carreira). recomeço agora.]

Fora-de-Lei disse...

A Menina da Lua 11:40 PM

"Subscrevo estas suas palavras e principalmente dou-lhes maior ênfase no que respeita à liberdade e autonomia da mulher..."

Ora aí está um dos grandes erros de Abril... ;-)

A Menina da Lua disse...

Fora-de-lei:)

"Ora aí está um dos grandes erros de Abril... ;-)"


Você é um atrevido provocador!:)

Tomara você que as mulheres sejam sempre autónomas, caso contrário com o seu feitio não as conseguia aguentar...:)

noiseformind disse...

Caso para dizer: se até o Egipto nos ultrapassa, estamos lixados ; )

noiseformind disse...

É oficial... o fim do mundo está para breve!!!

CêTê disse...

O estado "aluado" é mesmo inspirador! É bem de ver que esse gato está a morrer de amores.;]

thorazine disse...

FERNANDO PESSOA

SALAZAR

António de Oliveira Salazar.
Três nomes em sequência regular...
António é António
Oliveira é uma árvore
Salazar é só apelido.
Até aí está bem.
O que não faz sentido
É o sentido que tudo isto tem.

……………………………………

Este senhor Salazar
É feito de sal e azar.
Se um dia chove,
A água dissolve
O sal
E sob o céu
Fica só azar, é natural.

Oh, c'os diabos!
Parece que já choveu...

……………………………………

Coitadinho
Do tiraninho!
Não bebe vinho.
Nem sequer sozinho...

Bebe a verdade
E a liberdade.
E com tal agrado
Que já começam
A escassear no mercado.

Coitadinho
Do tiraninho!
O meu vizinho
Está na Guiné
E o meu padrinho
No Limoeiro
Aqui ao pé.
Mas ninguém sabe porquê.

Mas enfim é
Certo e certeiro
Que isto consola
E nos dá fé.
Que o coitadinho
Do tiraninho
Não bebe vinho
Nem até
Café.

(sequência datada de 29 de Março de 1935, publicada pela primeira vez, enviada por Jorge de Sena, em O Estado de São Paulo, na edição de 20 de Agosto de 1960)

Filomena disse...

“Foi bonita a festa, pá
Fiquei contente
Ainda guardo renitente um velho cravo para mim
Já murcharam tua festa, pá
Mas certamente
Esqueceram uma semente nalgum canto do jardim”

E “por cá”, o presidente de tolos, perdão! todos (os que nele votaram) ainda ontem quis deixar “no ar”a ideia de que as comemorações do 25 de Abril se limitam hoje em dia à Cerimónia na Assembleia da República e ao feriado. Sabendo quão avesso é a feriados (ou será que aprendeu alguma coisa com o Carnaval?) e a comemorações, que saudades tenho do tempo dos “tabus” em que ele se ficava pelo silêncio ou em que enchia a boca de bolo-rei. A isto se chama dar o exemplo. E por isto me lembrei do Chico que já cantou a nossa festa, pá e que também cantava “Que briga é aquela que tem acolá…”

A Menina da Lua disse...

Noise:)))

Que graça!

Nota-se que a gatinha está sensível à musica:)

Já estou como a CÊTÊ diz, deve andar perdida de amores mas por um gatinho pianista:)

maiaToRga disse...

Não dei a volta ao medo,
Não luto por tudo o que levo a peito,
Já não posso apagar dúvidas num mar de cerveja,
Duma escolha errada sucederam-se os desafios, que aparentemente não serei capaz de ultrapassar...

Hoje é o primeiro dia do resto da minha vida...

andorinha disse...

Boa noite.

Como é que o Egipto nos ultrapassa, miúdo?
Lá estás tu a querer enganar-nos a todos.:)))))))))
A Drª Ruth só fala do tipo de sexo permitido pelo Corão, sexo entre marido e mulher.
Nós estamos muito mais à frente!
Basta dar uma olhadela à Maria, Cosmopolitan e quejandas, já para não falar da Marta Crawford:)

Maiatorga,
"Hoje é o primeiro dia do resto da minha vida..."

Está-se sempre a tempo:)

Tangerina disse...

Não é totalmente por acaso que gosto do Sérgio Godinho, ou não me 'chame' Tangerina:)

Mas foi totalmente por acaso que descobri o seu blog.

Rejubilei, caramba!

Agora vou lê-lo, dê licença...

Bjo citrus:)

Cristina Seabra disse...

Essa canção do Sérgio ajudou-me quase de uma forma espiritual, quando tive de lidar com uma ruptura dolorosa há uns anos. Essa e “que força é essa”, entre muitas canções de intervenção do Sérgio e de outros, ainda hoje me encorajam e inspiram em momentos mais penosos. Ao lado do Zeca, o Sérgio é um dos ícones artísticos da revolução (estou a lembrar-me da deliciosa ironia do Casimiro e do "cuidado com as imitações" e da actualidade dessa letra com os autarcas que temos!) e um génio da música ligeira portuguesa.
Revejo-me em muitos dos comentários que acabei de ler…mas acreditem que da geração dos meus pais, miúdos de “pé descalço”, para a minha, demos um monumental salto qualitativo. De crianças que arduamente tiravam a quarta classe e que, apesar de reconhecidamente inteligentes pelos professores na época, não puderem continuar, antes tiveram de começar a trabalhar para comer (trabalho infantil não se questionava), para filhos que nunca souberam o que era ter fome, que tiveram os livros necessários na escola, sapatos (!) e a roupa indispensável, que puderam tirar um curso superior, e destes para netos com aulas privadas de ballet, inglês, música, computadores, viagens de finalistas no liceu ao estrangeiro…não há comparação possível entre o Portugal de hoje e o de há 70 e mesmo 40 anos atrás.
O penúltimo "megapost" do meu blog foi inteiramente dedicado a um ideal que tristemente constato ser quase inexistente, não só nos mais novos, como nos mais velhos, especialmente aqueles que elegeram Salazar como "o maior português de sempre".
Os meus pais, actualmente com 75 anos, oriundos de uma aldeia da província, como muitas crianças da mesma geração, passaram das piores privações que se podem ter (fome, desnutrição, frio, parasitas, etc). Sobreviveram pela lei da selecção natural, começaram a trabalhar ainda crianças e não tiveram hipótese de desenvolver plenamente o seu potencial genético (refiro-me, por exemplo, à estatura) nem as suas potencialidades cognitivas e criativas. A minha bisavó paterna, “juntou-se” com um viúvo abastado, de quem teve 6 filhos que nada herdaram por serem "ilegítimos" apesar de terem o sobrenome dele. O meu bisavô nunca chegou a casar com a minha bisavó, alegadamente por esta ser “de condição social inferior". O meu avô paterno era padre, quis deixar de o ser e fizeram-lhe a vida negra (anos 20-30 do século passado) até desistir por não arranjar trabalho e ser obrigado a deixar a mulher e as três filhas e voltar à santa madre Igreja. Sinais dos tempos de um Portugal pobre e cinzento, ignorante, estagnado e fechado ao mundo. O papel que as mulheres passaram a ter na sociedade portuguesa, também é, de facto, uma conquista fabulosa!
Um email que uma amiga me enviou, com a relação dos presos e mortos pela PIDE, diz muito do resto. Quem fez o 25 de Abril, nomeadamente Salgueiro Maia e seus homens, fê-lo em nome de valores nobres e não por segundas e obscuras intenções. Havia pureza e legitimidade nesta atitude que pretendia resgatar vidas humanas e restaurar a dignidade a um povo miserável, em todos os sentidos. Muitos perverteram o 25 de Abril, quer à esquerda, quer à direita. Também muitos invocam símbolos da revolução para "armar", sem se identificarem minimamente na sua conduta com os ideais de Abril. Isso retirará o mérito a quem fez a revolução? E aos que que tentaram antes e fracassaram?
Haja ESPERANÇA nos homens e mulheres íntegros que os há ainda! É imperfeita e cheia de defeitos a nossa democracia mas saímos da obscuridade há 33 anos. Podemos agora melhor explorar novas oportunidades de SER nós mesmos. Urge talvez repensar a forma como se ensina aos mais novos (?) e como se assinala o 25 de Abril. Cada um que o viva como entender (a mim deu-me uma alegria imensa colocar cravos vermelhos na minha jarra!), mas que os factos históricos sejam do conhecimento de todos. Pelo respeito que nos merecem todos os "guerreiros da luz” que abriram caminho antes de nós. Pela universalidade e intemporalidade dos valores que Abril representa.

25 de Abril SEMPRE

mp disse...

25 de abril sempre
liberdade fraternidade igualdade sempre
é importante que haja muitos primeiros dias no resto das nossas vidas , é sinal que ultrapassamos as barreiras anteriores é preciso é que elas sejam sempre cada dia mais limpidas e floridas como a primavera de abril que nos deu a luz e vontade de viver e lutar

Cristina Seabra disse...

mp: obrigada por rematar a minha "epístola" de forma positiva :-)
Ao Prof, como é "dono" deste espaço tenho de pedir desculpa...exagerei na escrita...excesso de entusiasmo de uma alma inconformada que continua a fervilhar cá por dentro :-(
acho que estamos todos a precisar de reinventar e cultivar afincadamente a ESPERANÇA.
Um abraço a tod@s

isabel victor disse...

FOGUEIRA de multiplos reacendimentos ...

nunca se apagará se soubermos manter a brasa acesa e passar o testemunho !

A magia do fogo SAGRADO é que torna tudo diferente ...é que torna a experiência única e transmissível !

Su disse...

...ops que susto prof qdo li por sugestão do RAM...pensei.....deus meu..ja aqui chegou o ajj???.......

enfim ...afinal era o sergio e o primeiro dia da vida dele.......eheh

opss---- ok pin ok....

jocas maradas