segunda-feira, junho 09, 2008

À sombra dos Alpilles.

Mesmo carrancudo, o céu da Provença continua a derramar uma luz inigualável. Pego no jornal e leio que o Presidente da Câmara de Paris, Bertrand Delanoë, preconiza um aumento dos impostos à Total, cujos dirigentes se enchem de dinheiro enquanto a crise se agrava. Sugere uma fiscalidade "mais agressiva" para as grandes companhias. Parece impossível, ninguém lhe explicou as quase inexistentes margens de lucro delas?:(. Esta mania de fazer os ricos participarem nos custos da crise... Ainda me lembro de um slogan arrepiante!: eles que a pagassem. Há gente capaz das ideias mais absurdas, postas na prática assassinariam a ordem social como a conhecemos - lógica: bancos e grandes empresas necessitam de sossego para produzirem riqueza, posteriormente distribuída com justiça por todos nós. Quem duvida disto é um cínico sem esperança ou perdão!

27 comentários:

AQUILES disse...

Boa estadia.

Mas quantas ideias absurdas não surgem de falta de esperança. Lembrei-me, a propósito do seu texto, de Lawrence Grossberg, na Actual do Expresso.

Mãe&Advogada disse...

Bancos e Grandes Empresas altamente protegidos, não conseguiram evitar que alguns poucos ficassem cada vez mais ricos, e os muitos que restam, todos cada vez mais pobres.

No dia em que todos os homens tenham um mínimo garantido que lhes permita viver com dignidade,

porque muitos que nunca passaram fome, se revoltaram por eles, e lutaram por eles,

então sim, poderemos pensar em proteger a riqueza sem corar de vergonha...

Todos a lutar contra a pobreza, ainda somos poucos!

E à espera que a riqueza que gera riqueza, seja distribuída de forma justa pelos pobres, muitas vidas nascem e se apagam sem nunca saber o que é VIVER!

É preciso pensar de forma livre - e só quando nada tiveres serás completamente livre!

Ser feliz!!! escreve-se com o verbo ser e não com o verbo ter!

No dia, em que as pessoas perceberem que estão cada vez mais sós e mais pobres porque se fecham entre quatro paredes;

as quatro paredes, que lhes absorvem grande parte dos rendimentos aforros heranças poupanças;

rendimentos aforros heranças e poupanças que podiam aplicar a viajar a conviver a dar emprego para poderem descansar e VIVER mais;

quando perceberem que trabalham e não vivem, que compram e não vivem que saiem e não vivem, tudo por causa daquelas quatro paredes...

no dia em que deixarem de investir toda a sua vida num apartamento numa moradia, que os separa do mundo,

e passarem a investir apenas (?) num lugar seguro para dormir,

e apenas num lugar seguro para dormir/descansar,

e passarem a estar o resto do tempo juntas, partilhando alegrias e tristezas, enfrentando problemas,

passando efectivamente tempo com os outros, fora do trabalho, nos seus tempos livres, sem que para isso precisem das suas muito suas e só suas quatro paredes;

as quatro paredes, que engordam os Bancos e as Construtoras cobrindo de Cimento um Planeta vivo...

Quando as pessoas perceberem que o problema está no seu autismo social e humanitário... e que só serão completamente livres quando de seu nada tiverem, sem que lhes falte nada! - e não, não estou a falar de comunismo!!!

Nesse dia, talvez o seu esforço o seu desempenho, as suas capacidades, os seus valores máximos (?) deixem de se medir ao
m2 de betão armado, em cavalos e cilindrada,

mas antes, em sorrisos e abraços efectivamente sentidos e partilhados fora das suas muito suas quatro paredes, dos seus muito seus investimentos i/mobiliários...

Talvez então, as cidades mudem por dentro e por fora, porque as pessoas mudaram e aprenderam a dar-se umas com as outras, a dar-se umas às outras, fora das tão habituais quatro paredes...

Só para ficarem com uma ideia, daquilo em que estava a pensar, imaginem o que seria uma casa,

em que em vez de uma famíla, vivem dez famílias,

com uma big cozinha, uma big biblioteca, um big estacionamento vigiado, um big jardim, muitos quartos, poucas salas mas grandes, uma só lavandaria, um big quarto dos brinquedos :) para todas as crianças da casa, usn bigs salões de jogos para todas as idades...

sem ser um hotel...

simplesmente, uma solução habitacional, contra a solidão, contra o endividamento com crédito à habitação, e ainda uma solução amiga do ambiente...

Sei que estou a divagar, mas às vezes também apetece...

Chá de Tília disse...

Pensei que tinha um problema de inteligência… afinal a causa é o cinismo sem esperança nem perdão! antes isso!

lobices disse...

...em boa verdade vos digo (já lá dizia o nosso Cristo) que este mundo é mesmo cruel...
...em boa verdade vos digo que, aquando da revolução dos cravos, e durante muito tempo, o slogan "Os ricos que paguem a crise" se fez ouvir com acutilância...
...depois, os pobres foram-se acomodando e começaram estes a serem os pagadores da crise...
...lentamente a classe média começou também ela a sentir o peso da crise e hoje há mais pobres e os ricos cada vez mais ricos...
...estes, os ricos, não pagam a crise, aproveitam-se dela e enchem os bolsos com os fabulosos lucros que são do conhecimento público...
...a ironia do post do Profe tem o seu cabimento: na verdade, e em boa verdade vos digo, que deveriam ser os ricos a pagar a crise...
...a riqueza acumulada por meia dúzia de "Senhores" dava para aliviar as dores de muitos milhares de "reais pagadores"...
...mas o mundo em que vivemos é cruel e não adianta lutar contra o estado de coisas...
...o dinheiro é a mola real do mundo e só quem sabe manejar bem o "aço" que forma essa mola é que se vai enchendo enquanto os outros se esvaziam de tudo, muitas vezes, da própria vida...
...sabendo, como toda a gente sabe, que parte da riqueza de meia dúzia de Países dava para parar a fome no Mundo; quando como toda a gente sabe, a riqueza ostentada por alguns é um crime contra a Humanidade ostentando-a perante os desgraçados que vemos morrer dia a dia sem nada poderem fazer do que estender a mão na expectativa de obter um pedaço de pão; quando os "Senhores do Mundo" se debatem sobre mesas de abundância, a fome, encapotada, envergonhada, vive ao lado deles e eles olham como se "aquilo" não lhes dissesse respeito... e, se calhar, até nem lhes diz respeito
...mas
...quando eu sei, quando eu vejo, quando eu ouço, quando eu leio que se gastam biliões em armas para matar os homens; quando se gastam biliões em riqueza esbanjada, etc e existe ainda quem tenha apenas um euro por mês para viver... meu Deus (meu Deus?... que faz Ele?), algo está mal neste mundo em que vivo, em que sobrevivo (porque também faço parte daquela parte dos que fazem contas às migalhas do seu orçamento para viver), em que me debato com os biliões virtuais que vejo à minha frente e me sinto incapaz de sequer chorar por quem não tem um pão para matar a fome...
...sim, taxem a Total e todas as outras e os outros que ganham fortunas e declaram o ordenado mínimo nacional como sua única fonte de receita (e sabemos que isto é verdade)
...mas nada fazemos
...ainda há quem faça algo mas esse algo fica pelo grito, pelo berro, pela indignação, último acto de que não desisto de usar: o meu direito a me indignar!...

PASSARINHO FRITO disse...

Sou "um cínico sem esperança ou perdão!".
Estou frito. Fritíssimo! Sou só mais um...
E detesto este "DIA DA RAÇA" em que se medalhavam "heróis" a título póstumo. Quem recebia a condecoração era a viúva, de preferência com uma criança de calçõezinhos, pela mão. Um órfão a quem a medalhinha iria mais tarde servir para pôr no prego. Frito. Fritíssimo. VALEU A PENA??? Hoje tenho a alma frita e mirrada.
Que venha o Santo António, que venha o São João, que venha a selecção e marque golos! Para esquecer que tenho muito vergonha de ser Português, nesta Europa decadente. Neste país em que os caciques sobem ao poder, nesta velha Europa em que no poder estão caciques.

CêTê disse...

;P
O professor está a pedi-las... ;)))

Está a apurar, sim senhor! ;)

Mas veja lá que textos desses publicados e assinados por alguém do governo passariam bem por convicções genuínas.
(Se conhecesse as do meu Ministério!!! )

Su disse...

cinica...eu:)

jocas maradas de bom tempo

Nuno Guimas disse...

Caro Professor,

Não faltaram por aí umas aspas em "cujos dirigentes se enchem de dinheiro enquanto a crise se agrava", ou um "passo a citar"?
É que senão pode-se ficar com a impressão, com certeza errada ;-), de que também é um daqueles "cínicos sem esperança ou perdão" :)

loool

cabecinhapensadora disse...

Bingo. Sou "um cínico sem esperança ou perdão"; Na Provença ou em qualquer lugar do mundo :)))) A distribuição equitativa e a equidade são, por enquanto, sonhos, formas de teorizar a suposta redução da desigualdade social.E já como princípios teóricos são passíveis de ampla contestação. As doenças, se existem, não se erradicam pela consequência, mas pela causa. Talvez os ideais sejam imprescindíveis, não houve revoluções sem eles. Mas, na política neoliberal, Bancos e grandes empresas não visam a distribuição da riqueza que produzem. "os ricos que paguem a crise" é apenas o desabafo de quem se reconhece espoliado desde sempre. E tem a mesma eficácia que o meu suspiro por escrito. Como é que se suspira por escrito?!

Silent Wings disse...

Coitados dos grandes senhores. Que absurdo seria se tivessem de sofrer na pele as vicissitudes dos pobres e reles mortais!!!

fiury disse...

resta romanciar.que nos deixem ir ao som de violinos e muitas histórias de amor:)

Belica disse...

Olá professor
Tenho acompanhado com alguma inquietação o desenrolar da crise dos transportes. De repente o que costuma acontecer aos outros e bem longe está aqui à nossa porta.
É isto o principio do fim?
Até breve

CêTê disse...

Boa noite!;)

Não sei se também repararam mas o publicitário sobre o apoio da Galp à selecção foi premonitório!lol Quem quer que o tenha feito ou está lixado ou se sente vingado.;)))) É que de facto andar de caminioneta (ou de carro) qualquer dia só como os pobres (que somos a maioria de nós) a empurrar.
Agora, com a evolução dos transportes já nem se sabe onde está o burro e onde está o passageiro!


;*

Lúcia disse...

Prof:
Texto acutilante - lembra o Eça - até na actualidade da coisa.
E isto nunca mais se endireita. Falta só coragem porque o grande poder é o capital? Nem sei se é isso. Às vezes custa-me a crer.

TheImpossiblePrince disse...

Parabéns pelo seu blog. Visito sempre que posso, quanto ao tema do post, "é a vida", "siga a marinha".. LOL que isto já é o costume, em nada surpreende. Abraço.

oui! mon amour! disse...

"Como é que se suspira por escrito?!" CP

^^^^^^ ^o^ ^^^^^^

:)

yes! my love! disse...

" Estou frito. "

Não se preocupe Passarinho Frito, que esse ;) é o seu estado normal :)))

andorinha disse...

Boa tarde

Chegou mais uma cínica sem esperança ou perdão.
Mas estou em boa companhia: a sua, a do chá de tília, do Lobices, da Su, da Cêtê e da Cabecinhapensadora.
Não posso pedir mais nada aos deuses:)

cabecinhapensadora disse...

Vamos fazer uma roda* bem redonda todos juntos (eu, Andorinha, Professor, Chá de Tília, Lobices, Su, Cêtê...)* ora aperta ora alarga*quando nós já somos muitos*(Barata Moura)

cabecinhapensadora disse...

Já ia ali à frente mas tinha que voltar atrás. Andorinha, peço desculpa, mas não há rodas de primavera sem andorinhas; é o que dá copiar :)
Mas não me esqueci de mim...bad, bad, Mary

Passarinha.Assada disse...

Frita? Não Senhor Doutor!, assada e mal paga. ;)

lobices disse...

...e viva o F.C.P............

ASPÁSIA disse...

PROFESSOR

JÁ VIU O TÍTULO ALGUÉM DEU AO SEU "AMOR É" DE DIA 11?

SE NÃO, AQUI FICA!

O AMOR É... (2ª a 6ª Feira)
Usurários da intente mais egoístas
2008-06-11 7m16s



NATURALMENTE O SR. QUE COLOCA OS PODCASTS PENSOU "JÁ QUE OS SUJEITOS (USUÁRIOS DA INTERNET) SÁO EGOÍSTAS, PORQUE NÃO TAMBÉM USURÁRIOS?"

UM ABRAÇO DIVERTIDO :)

Nuno Guimas disse...

Lobices...

Apoiado :) Embora pense que a "pressão" e o jogo sujo possam ainda infelizmente dar frutos. É que 6 milhões de pessoas contentes vende muito jornal, distrai de más politicas e enche muito horário televisivo. Entretanto as atitudes de agressões impunes e insultos por parte do presidente do Benfica continuam a não ser sequer referidos nos mesmos orgãos de comunicação social que quando é conveniente lhe fazem honras quase dignas de altos dirigentes de um qualquer país europeu.
É o país que temos... resta-nos a esperança que o centralismo exarcebado não arraste também o nosso FC Porto para o fundo, pois o Boavista já conseguiram "tramar".
Abro aqui um parentesis para pedir desculpa ao Prof. por pela primeira vez me desviar do assunto do post que colocou, mas desta vez foi mesmo mais forte do que eu :)
(é a força do futebol :)).

non! mon amour! disse...

Aspásia,

na volta, quem escolheu este título, estava com o pensamento nos queixosos ;)e lá lhe fugiu a tecla para a verdade :)

E por falar em deixar fugir os dedos ou a boca para a verdade,

lembrei-me logo da mais recente reacção do nosso Primeiro a esta frase :)

tudo a propósito de uns alegados efeitos - negativos - do resultado do referendo Irlandês, para a carreira política de JS !

A sua reacção foi imperdível!!!

Retirando os tiros políticos no pé, ou, perdão, no porta-aviões,

se alguém se lembra de criar um Clube de Fãs deste jovem governante, eu estou lá caída...

Canseiroso disse...

Sou do tempo em que apesar de chavalo, jogava futebol com os mais velhos.
Assim se aprendia a ser homem. Vivendo e aprendendo.
Certo dia, eu que jogava ao ataque, falhei um remate de baliza aberta e logo um dos companheiros de contenda, daqueles mais velhos, me gritou: - É pá!…Até parece que não f….!…(Queria ele dizer que até parecia, que eu não praticava sexo como os homens). Porque se o fizesse obviamente teria raça para meter a bola na baliza…
Ainda hoje me recordo daquelas palavras, para, aplicadas ao que aqui me traz, dizer que, lendo grande parte dos comentários que aqui lhe fazem ao que aqui escreve, bem me apetece dizer: É pá!…francamente!…
O senhor que sabe do assunto , diga-me, será mesmo muito importante dar umas quecas, para não passar a vida a dar pontapés em seco?

non! mon amour! disse...

Eu bem digo ;)

"Livro: «Sócrates, O Menino de Ouro do PS»
Estórias desconhecidas do Primeiro-Ministro
Para os portugueses mais curiosos está aí o livro que conta um pouco mais da história do primeiro-ministro que governa Portugal, com estórias desconhecidas que vão desde a sua preferência pelos carrinhos da Dinky Toys, que levava da Covilhã para a aldeia natal - Vilar da Maçada -, até à alta política com a presidência europeia de 2007, passando por todas as polémicas que o fizeram notícia na comunicação social.

São 350 páginas fruto de uma investigação realizada pela jornalista Eduarda Maio durante dois anos e que contou mesmo no final com uma entrevista de dez horas do visado para aparar as dúvidas que foram surgindo durante a recolha dos muitos depoimentos de amigos e conhecidos de José Sócrates sobre a sua vida."

"http://www.kaminhos.com/destaque.asp?id_artigo=8055

e ainda

http://www.kaminhos.com/destaque.asp?id_artigo=8054