quinta-feira, julho 17, 2014

A colega tem razão...

Capa do JN.

A grande maioria das crianças de quatro anos come doces diariamente e snacks salgados várias vezes por semana. Um estudo concluiu também que apenas 40% ingerem quantidades adequadas de frutas e hortícolas.

As conclusões sobre a alimentação das crianças com quatro anos fazem parte de uma investigação mais abrangente, designada Geração XXI, que está a estudar, desde o nascimento, em 2005, cerca de 8700 crianças, e as respetivas famílias, da região do Grande Porto.

O elevado consumo de alimentos fortemente açucarados - 65% comem bolos ou doces todos os dias - é uma das evidências mais preocupantes, segundo Carla Lopes, investigadora do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) e uma das autoras do estudo. "O adequado seria que os doces fossem consumidos uma ou duas vezes por semana", sublinha a nutricionista.

Outro indicador da ingestão excessiva de açúcares é a frequência com que as crianças bebem refrigerantes e néctares: 52% fazem-no todos os dias. O ice tea é o mais popular porque há a ideia, falsa, sublinha Carla Lopes, de que é chá, quando na realidade é um refrigerante cheio de açúcar e de calorias vazias de valor nutricional.

Ler mais na versão e-paper ou na edição impressa

31 comentários:

bea disse...

Pois é, tem razão a jornalista e o estudo, as nossas crianças estão mesmo a ingerir o que não devem. Somos pouco cuidadosos a cumprir a roda dos alimentos.

É um ciclo vicioso. Os pais trabalham longe de casa- e tb. as mães; chegam tarde; têm os banhos para dar e o jantar para fazer; além disso, muitos de nós - pais - não gostamos de sopa e não queremos comê-la nem por nada; e não há tempo para fazer sopas aos pimpolhos e ensinar a gostar dos vegetais. Resumindo e concluindo: eram dois jantares e nem há tempo para um.

E depois, o supermercado está a abarrotar de sumos e néctares, de pizzas por atacado que custam um ou dois euros e a carteira toda sorri, de refeições calóricas que os olhos apetecem, já confecionadas e baratas, de pão quente - ainda que na maioria meio crú -, bolos e folhados, salgados e doces, mornos, num aroma sempre melhor que o sabor...

Como é que uma pessoa apressada, cansada e outras coisas, se impede das tentações?! (são piores que as de Santo Antão, não dão é um quadro tão portentosamente monstro; mas arremedam, que as crianças - e nós - desfiguram de gordura, todas papudas)

Ah! E quando temos de levar os filhos para o super, porque a creche já fechou e eles fazem birra e pedem mundos e fundos, a apontar e virar o pescoço como se fosse de atarrachar, querem isto e mais aquilo de dedo esticado - só apetece dar-lhe uma dentada -, num berreiro de buzina, e até satisfazemos um dos pedidos para ver se se calam e não incomoda o pessoal?!

Ah, pois é. Temos de ser fortes com as crianças de quatro anos (e menores; e tb maiores). Perseverantes e insistentes. Com a sopa; as alfaces e os legumes; os sumos de fruta natural; o peixe e a carne frescos; não os deixar comer demais; ensinar a higiene todinha; pôr-lhes na mochila do lanche leites dos mais puros e iogurtes naturais pouco açucarados e sem natas, nada de pão com nuttela, bolachas crocantes ou croissants com chocolate. E chocolates só aos sábados domingos e feriados - e mesmo assim nos feriados já estão a exceder. Pôr-lhes uma maçã riscada para mordiscarem (o pior é se a atiram à cabeça do colega, aquilo dói). E termos confiança neles, que não comem o lanche dos outros, as nuttelas modernas, as bolachinhas e etc; temos de pensar que os nossos filhos são fortes e não vão pôr a mão para tirar os chocolates ou o néctar que não lhes pertence. Porque os ensinámos BEM. Não se toca no que é dos outros.

No fim de tudo isto, das sopas diárias e frescas, da carne e do peixe que eles cospem pela cozinha sem destino fixo, garanto: nós, pais, estamos doentes, maluquinhos do toutiço de tanta corrida que mete varinha mágica e pedra de peixe, porcos quase inteiros de orelha a espreitar na porta frigorífica, rabos de boi que fazem uma sopa de trás da orelha - que não é de porco -, gritos para o guardanapo que submerge os nossos anjinhos com um jeitaço para a esgrima de colher e garfo, que só nos não arrancam um olho porque a sobrevivência se sobrepõe à maluqueira e desviamo-nos mais lestos que guarda redes da primeira divisão a defender um penalti.

Parafraseando uma senhora que toda a gente conhece, "Ai os nossos ricos filhos!"

Agora a sério: é preocupante, sim.

João Pedro Barbosa disse...

Isto De Ser O Terceiro Só Me Contenta

Anfitrite disse...

Também vi esse artigo e fico fora de mim, porque hoje já não é falta de informação. As pessoas não se querem chatear. Fartam-se de dizer para os pais não levarem as crianças supermercados, entre outras coisas. Eu próprio, quando vejo uma birra intervenho e ainda ninguém me respondeu torto. No outro dia, quando fui a uma consulta, como era tarde e estava sem almoçar, e quando tenho falta de hidratos de carbono, começo a sentir a cabeça. Então entrei numa telepiza, que era a única coisa que estava por perto, pedi qualquer coisa para beber, um sumo ou sei lá quê. Não tinham nada. Só porcarias de refrigerantes e ice teas. Acabei de beber uma lata verde de não sei de quê. Olhei para a composição. Era apenas hidratos de carbono cuja totalidade era açúcar e água. Mais nada. Disse logo ao empregado: por isso é que as pessoas dizem qundo alguém está mal disposto para beber um copo de água com açúcar, e às vezes também é necessário sal. E o fabricante era mais nem menos do que a Unilever do senhor Jerónimo Martins, dono dos Pingos-amargos. Por isso não admira a sua fortuna. A vender água com açúcar por aquele preço. Antes da segunda GG, na maioria das casa não entrava açúcar. Só se passou a tomar o café com açucar, para enganar o estômago porque não havia mais nada para comer, sobretudo nas cidades. Depois tirou-se o leite materno das mães para eles venderem as farinhas e papas a preços milionários. Por isso é que os chineses hoje todos usam óculos, porque lhes passaram a refinar o arroz, que era a base da sua alimentação. Malditos sejam os interesseiros. Eu não consigo dizer só uma frase. por isso é que também detesto o Face. Serei eu a imbecil?! Ninguém quer saber. E o professor não é com palavrinhas mansas que vai lá. Talvez por isso tenha tido o tal desgosto no futebol. Eles querem é lavar roupa suja. Mas talvez o responsável já tenha pago. Ou talvez não. Recebeu ma rica indemnização. Mas o senhor fica todo comovido com palavrinhas doces, esquece-se da selva onde vivemos.
Professor não se esqueça de informar-se sobre o artigo 4º. da Lei 11/2014. que revogou, entre muitas outras coisas, os atigos 78 e 79 do D/L 498/72 e tirou uma alínea a outra, que faz toda a diferença e passou despercebida a toda a gente, com excepção de quem fez a lei, de propósito, e dos senhores que trabalhavam, com boas intenções e fora postos na ilegalidade. Até a tal IPSS que o senhor tem referido, pode estar abrangida. Mas eu não conheço os estatutos, nem sou advogada. É só um aviso de amiga e de borla, porque o professor diz que é muito despassarado nessas coisas.


Bea,

Agora há muita gente de férias e outras que perderam o hábito. E é muito difícil reconstruir o que se deixar desfalecer.

Prontos!

Já está feita a salada, agora vou comer. Fiquem bem.

julio vaz disse...

Anfitrite,

Muito obrigado, vou mesmo. Abraço.

João Pedro Barbosa disse...

Se Aquele Verde Esperança Ou Verde Água Não Estiver Ajustado Posso Amanhã Trocar Por Castanho Mais Franciscano

andorinha disse...

Anfy,

Vês que quando queres és boa pessoa?
Porque não queres sempre?:))))))))

Vou também à minha salada...


Fiquem bem:)

bea disse...

Ora, Anphy, foi apenas uma tentativa de ajudar o professor a ter gente em casa. Mas sim, não me lembrei que há momentos em que ela apetece deserta. E pode que fosse o caso.

Certo, não se mexe em desfalecimentos por opção.

Pode esclarecer os leigos sobre a tal dita lei sem alínea que torna ilegal o trabalho dos reformados (não será bem isto)? e o professor que tanto trabalha...e tb abrange as IPSS?!

Toda a gente gosta de palavras doces e pessoas simpáticas, Anphy. Porque existem cada vez menos mas continuam a fazer falta a todos.

Vou, por exemplo, pensar noutra coisa:)

Fiquem na paz.

rainbow disse...


Bea

Lol!(Já pareço a Andorinha)

Mas, apesar do assunto ser sério, fizeste-me rir, porque "dissertaste" mui bien sobre os hábitos alimentares (e não só) da garotada.
Mas é assim mesmo como dizes.

Anfi

Muitos miúdos só ingerem uma refeição saudável e completa por dia no refeitório da escola. São múltiplas as razões e cada caso é um caso.
Mas este ano tivemos um menino sui generis. Só gosta de comida saudável. Palavras dele: sopa verde, sopa amarela, sardinhas, besugos,robalos, cavalas, carapaus, às vezes uma carne com batatas originais:)

Aposto que ficou a pensar nos besugos grelhados...

Andorinha
Continuação de boas férias!:)

Abraços a todos
Sweet dreams

Impio Blasfemo disse...

Ah as crianças, pois há que mantê-las saudáveis, senão como sobrevive o SNS? Digo isto baseado num discurso “clarividente” de um qualquer subsecretário do PPC que dizia uma frase do tipo “ Não podemos querer o SNS ao almoço e ao jantar matar as crianças, queria dizer usar contraceptivos a mais”. Obviamente não foi isto que ele disse, mas já sabem que tenho o péssimo defeito de tentar resumir os discursos alheios. Ah pois as crianças, divergia, isto da idade é uma chatice, não dá para ter discursos lúcidos e consequentes, pois isso das crianças andarem a comerem o que não devem é muito importante, tal qual é importante não se meterem em drogas (nem leves nem pesadas), terem relações sexuais desprotegidas, terem fome, entregarem-se à prostituição por que as famílias de suporte não têm dinheiro para as manter, enfim, as Etelvinas que o Sérgio cantou. Pois tudo isto é mesmo importante. Mas enquanto quisermos suavemente viver sobre este manto diáfano de hipocrisia que tão subtilmente o Eça nos descreveu, então talvez este centrão que nos governa, encontre as suas melhores adesões para prosseguir nas políticas que nos trouxeram até aqui. E por aqui fico que hoje, para variar , ando azedo.

Abraços e saravá
IMPIO

Anfitrite disse...

Rainzita,

Eu não estou a falar dos tempos de crise. O mal já começou há muitos anos. Basta olhar para os pais e para as suas figuras. Dantes eram as mulheres que eram descaradas e andavam de mini-saia. Agora são os homens que andam de calções, tronco nu e romanas com unhas encravadas...( mais um desvio). E se hoje muitos vão à escolha para comer uma refeição decente, isso é "apenas" uma pequena parte do problema. Pois foi nas escolas e com os amigos que se criaram os maus hábitos. Os papás davam dinheiro para os meninos comerem uma refeição e os fedelhos, porque alguém interesseiro tinha lá posto umas máquinas automáticas para fornecerem bebidas de merda, ou misturas de bolachas e chocolates com gorduras saturadas e era aí que eles gastavam o dinheiro. No outro dia, por uma razão que não vale a pena explicar, entrei num super à hora de almoço. Fiquei espantada por ver tanto adolescente e os caixas cheias. Reparei que só tinham ido comprar chocolates e todas essas porcarias. Pensei: mas que raio é que aconteceu? Fez-se luz! Mesmo em frente há uma escola pública 2+3. Então os meninos tinham ido comprar o seu almoço que já não devem vender nas escolas.
Não fiquei só a pensar nos besugos grelhados, fiquei também a pensar naqueles lindos tomates algarvios de cor carmim. Já estou a salivar...

Bea,

A coisa mais fácil de fazer é uma sopa. Até já há legumes prontos preparados para cozinhar.E se meter lá um repolho e ou uma lata de grão já cozinhado, passar a varinha mágica, todas as crianças comem. Sobretudo se os país tiverem o cuidado de não ter o frigorífico e as prateleiras cheias de porcaria. Há tanto desempregado e não há ninguém que tenha tempo para cozinhar? Gaita! Mas porque raio estão os cafés e as praias sempre cheias? O nosso maior mal é a falta de preparação cívica e dos pais também se darem ao luxo de dizer que não gostam disto ou daquilo. E a maioria nem sabe que um rissol, ou croquete tem o dobro das calorias que um pastel de nata.
Fico-me por aqui. Não percebi as suas dúvidas. As IPSS são privadas, mas pode haver muitas misturas. Se por acaso leu a lei que referi, com certeza que viu o número de leis que ela altera, portanto tem de ser mais sucinta, não vai querer que eu ponha aqui o PDF todos.

Andy,

Eu sempre fui boa e demais. Esse é o meu grande mal. Mas tenho de me armar em besta para que alguém repare nas minhas intenções. E garanto que já tenho conseguido uns pequenos resultados.

Boas férias.
Fazem-me perder o tempo aqui e depois não posso pôr a minha correspondência em dia.

Fiquem bem.

Anfitrite disse...

Bea,

Eu não gosto de pessoas doces, gosto de pessoas sinceras. E uma coisa que eu reparo sempre é com se esvai um sorriso quando uma pessoa vira a cara. Educação a mais também me soa a falsidade. Nos tempos que correm ninguém pode ser doce. Por isso o Ímpio diz que está azedo. Ele não está azedo. Está lúcido e um pouco ácido. E eu podia mostrar-lhe aqui um gráfico que prova onde começou o nosso mal. Não foi só no centrão. Foram nos ladrões, que foram muitos, e por coisas que não foram feitas. E embora haja quem diga que nós não estávamos preparados é mesmo verdade. Ainda hoje somos o país com menor índice de escolaridade, em relação à UE. Em Portugal acho que apenas só 20% da população tem o segundo ciclo completo. Posso estar a errar na %, mas agora não me apetece ir confirmar. E os desmandos que foram feitos logo a seguir também ninguém conta com isso, para além de incorporarmos tanta gente em que não houve país que tivesse menos sequelas do que nós.
Quanto a uma das perguntas que fez sobre uma alínea, que li com mais calma, a diferença é que antes as pessoas podiam exercer actividades pro bonum, para o bem público, sem remuneração, agora não podem nem fazer isso, mesmo que não recebam nada, porque caiu a remuneração. Por muito que você saiba nem pode pertencer a um Conselho Cientifico, nem de borla!

João Pedro Barbosa disse...

Não Nos Podemos Queixar Do Ar Que Respiramos E Quem Tudo Quer Tudo Perde

Impio Blasfemo disse...

E continuando a falar sobre o problema das crianças, esqueci-me acima de referir, que quando nascem já devem vir, nalguns casos, mal alimentadas. Digo isto baseado numa notícia que ouvi na rádio, em que se denunciava a situação de mães parturientes, com nítidos sinais de subnutrição e fome. Portugal bateu mesmo no fundo, e no outro lado da balança, no outro prato encontramos, apenas a título de um exemplo que por aí anda, um Espírito Santo que leva um prémio de 19 milhões por serviços prestados ao BES para além de um reforma de 1 milhão/ano. A vida tem destas “assimetrias”, queria dizer, Portugal tem estas “assimetrias fortes”. Estranhas e duradouras e persistentes “assimetrias”. Porque será? Porque será este Portugal, o país das “infindas burricadas”?

Saravá
IMPIO

João Pedro Barbosa disse...

Ímpio... Está ali uma barricada. Vai ver! Se tiveres, tempo?

João Pedro Barbosa disse...

Sozinho É Que Trabalha Bem

bea disse...

Ora bem...agora que consegui chegar, vamos lá por partes.

Primeiro agradeço-te, Rain a simpatia das palavras. Há outro factor importante e que não referi: a miséria e privações que muitos pais e mais os avós sofreram, leva a que, hoje, se dê tudo às crianças, nas horas mais inconvenientes. Os avós compram chocolates a pensar neles mesmos que tanto os desejavam e só os viam nas montras ou na mão de outras crianças. A sociedade e consumo, claro, tem o seu papel muito activo, ms há em cada português mais idoso uma fome de doces que não morre. Deve ser por isso que existe tanto diabético. A pastelaria perto de mim vende sobretudo a velhos e crianças (e a grande fatia dos bolos que os velhos compram é para os filhos e netos).

Agora nós Anphy!

Venha aqui pertinho que lhe aperto o papo se se atira a estragar-me a boa disposição.

As sopas são fáceis?!...Olha para ela...sim, se comprar tudo já embalado, são. Mas não é a mesma coisa. O caldo verde migado é só talos e couves de há três quinze dias, as abóboras estavam podres e por isso é que as vendem aos bocados; as cenouras são muito duras. e etc porque não me apetece escrever sobre este tema apesar de até nem ser mau de todo. "Eu e as sopas" e punha-me a inventar coisas, desde a primeira canja que fiz e nem sabia como começar:)), até hoje.

Mas sempre lhe digo que poucas crianças apreciam o sabor do repolho; e depois de passado, fica muito pior. Ou as suas crianças são uma "boquinha santa", como diz um amigo.

Os desempregados têm pouco dinheiro e o fast food sai mais barato. Mas acredito que muitos façam sopa.
Avante, pois.

Não quero nada que ponha aqui o PDF; a lei e a alínea desconhecida que, mesmo grátis, não me deixa fazer nada:) Ok. Então talvez já tenha terminado aquela palermice de os professores reformados irem de novo para a escola ajudar os que ficaram - suponho que fosse tb sem salário, em regime de voluntariado. Então, Anphy, os voluntariados acabaram para os reformados? ou é a única actividade que subsiste?

É assim: reformas-te? Deixas de ter valor, passas a moeda que não corre nas transacções da vida. Aí país mais estúpido! a deitar tudo fora como os que muito têm não fazem. (cont)

bea disse...

(continuação)
Quanto à doçura e aos seus gostos, não têm de ser afins. Quando digo "toda a gente" tenho o cuidado de não a incluir, a Anphy é uma excepção em quase tudo, uma espécie de parentesis recto. Cai a 90 graus:). Reconheço, é outra classe. Mas cai na mesma.

Pode-se ser doce em qualquer tempo. Sou da opinião contrária: em tempos de guerra e privação se não sejam os sentimentos e as relações humanas a salvar-nos ficamos bons para fazer limonada. Apesar do meu ar lunático que me faz torcer pés e assim, também compreendo e já vi há muito tempo que Portugal é afinal um coio de ladrões engravatados e criminosos enluvados e de sobretudo daqueles tecidos a que a maioria nunca chega (não lhes dar uma traça nas cashemiras e pelo de camelo que os deixasse nus, que despidos seremos todos muito semelhantes (aparte os gordos de bolas de berlim, chocolates gigantes e outros etecetras). E nã sei porque me refiro apenas aos homens que as mulheres também fazem a sua parte. Bom, talvez seja porque eles pouco confiam nelas e postos de chefia pertencem-lhes. Mandam no mundo. E veja-se a boa bodega que fizeram (note-se que não sei se as mulheres teriam feito melhor; a natureza humana não distingue entre géneros, é una (haja deus que ao menos aqui...)

E não me faça falar dos índices de escolaridade e da forma como se adquiriram que vou logo dar uns sopapos no seu menino que eu hoje comecei o trabalho muito cedo e estou lançada de braços; se o apanhasse aqui à mão - a ele, ao seu Sócrates que é José e não nasceu grego mas às vezes deve ter pena - e ele não se esquivasse a tempo, puxava-lhe as orelhas e dava-lhe uns açoites no rabo; baixava-lhe os boxers - não acredito que use cuecas por baixo do Armani, até o Armani desfalecia, o tecido rasgava, sei lá...

Melhor acabar por aqui, olha onde cheguei...Tché...

bea disse...

desculpem os parentesis curvos a mais. se calhar devia ter posto uns rectos, a cair a direito. Mas esqueci-me e como a Anphy, só agora reli e já está, pronto.

Ímpio

Tanto sonhámos Abril e deu nada senão as assimetrias para as quais nem de Abril precisávamos.

No entanto, Abril deu outras coisas, a vida do povo mudou muito e para melhor. Vamos ver até onde somos capazes de retroceder. Mesmo que o não queiramos, vamos ver.

João Pedro Barbosa disse...

Já se acabou... Com tanta, coisa. E! O Murcon?

Moon disse...

Eh lá... tanta legislação aos saltos aqui no Murcon :)

Moon disse...

Devia haver mais legislação, devia, para um tema tão subjectivo como são os doces.

Olhem, é o caso, por exemplo, do nosso Prof...
É um doce :) mas o consumo é proibido, embora não haja legislação...

Uma desgraça!:)

Moon disse...

P.S.

Andorinha,
juro que não bebi nem me aconteceu nada aquando dos comentários ao post do dia 8.
Estava bem disposta apenas.
E hoje também não snifei nada :)

Bea,
agradeço ainformação dos selins de gel, mas nem assim lá vamos.
Eu adora ter o pé no chão. E fé em Deus :)

Moon disse...

Posto isto,

Beijinhos, abraçinhos e nada de docinhos! :)

João Pedro Barbosa disse...

Obrigada... Moon? Nem lhes toquei! Estou à espera, de serem descobertas.

Anfitrite disse...

Ímpio,

Com certeza não ouviu as notícias da mama Rosa na Colômbia. Hoje resolvi fazer de advogada do diabo. E as assimetrias de Portugal, já vêm de há milénios. Sabe que a maioria dos genes de antecedentes de escravos, passaram todos por Portugal e península ibérica. É que nos tempos dos glaciares a malta refugiou-se toda aqui e nós e os bascos somos os que temos os cromossomas dos homens mais antigos. Depois fomos aumentando e importando escravos do norte de África que depois se foram espalhando pela Europa. Isto é um resumo muito baralhado. Mas não é só com criticas que as coisas se resolvem. Ainda este trimestre fomos dos europeus que mais carros ligeiros comprou. E se temos dinheiro para comprar doces também temos para comprar comida saudável, não temos é cabeça. Nem gostamos de dizer o que pensamos , gostamos é de falar mal e não agir. O Belmiro também começou por ser empregado bancário, depois foi para a comissão de trabalhadores, como representante da UDP, depois ficou com a parte dos contraplacados, do Pinto de Magalhães, porque tinham de pagar a pronto, e a partir daí foi um ver se te avias. E fico-me por aqui.

Hoje quase que me apetece dizer que os judeus mereceram tudo o que lhes aconteceu. Em seis dias tiraram o território a um povo, deixaram-no aos montes, sem contar com a ocupação pelos colunatos, e agora invadiram outra vez, mas ninguém fala disso, pois o lobby judeu tem muita força na América e por isso se deram ao luxo de nunca cumprir um resolução na ONU, que também é uma fantochada por causa do direito de veto.
Vou espalhar o ácido para outro lado.

Anfitrite disse...


Aqui está uma pessoa que fala como eu. Diz as coisas ao contrário para para pôr as pessoas a pensar.

http://jumento.blogspot.pt/2014/07/passos-e-natalidade.html

Já agora um desabafo, para vos provar que sou livre, que penso pela minha cabeça e que faço aquilo que posso para limpar este país. Inscrevi-me nas primárias do PS, que mais não seja para tentar ajudar a tirar de lá aquele espantalho, que até hoje não fez nada pelo país, só tem vivido à sua custa. O outro ao menos teve um avô que contribuiu para o regicídio e que tem alguma obra feita. De qualquer modo fico sempre livre para nas eleições legislativas votar em quem me parecer melhor. Depois não me venham dizer que gostam do BE, porque estava lá a Ana Drago. Quanto maior for a divisão maior será a desgraça. Todos sabemos que há um partido que nunca irá para o governo porque não quer perder votos.
Fiquem bem.

Anfitrite disse...

Bea,

Só agiora reparei que falta aqui um comentário que escrevi ontem à noite. Era a esclarecer as suas dúvidas e muitas outras coisa. Gaita!
Agora não tenho paciência para falar de assuntos sérios, tão específicos.
Mas é isso mesmo. Eles retiraram a alínea da remuneração, e agora nem o mais laureado professor, pode fazer parte dum Conselho Geral, mesmo de borla, nem fazer voluntariado. Dantes ainda se podia trabalhar para aumentar tempo à reforma. Tudo acabou. Os reformados são para abater, por isso lhe vão retirando as reformas e os cuidados de saúde. Aqui as tribos são de outra raça. Não se dá valor à Sabedoria dos velhos, nem se houve o conselho dos cidadãos como por exemplo os Masai. A nossa peste grisalha está toda afectada, dum mal descoberto por um malvado alemão.

Anfitrite disse...


Mais uma carta de amigo que vale a pena ler:

http://tvmais.sapo.pt/tv/tv_cronicas/2014/07/14/cronica-de-rodrigo-guedes-de-carvalho-carta-a-judite

bea disse...

Moon

faz mal. Andar de bicicleta é uma coisa boa:) e perde.

Anphy

está muito bem o jumento:) muito engraçado. Temos que sorrir da desgraça própria.


Quanto à carta do amigo da Judite...sim.

Sou reformada, Anphy. Mas juro que não gosto que me abatam a contragosto.

E agora a minha acidez está a esvair. Eu mesma. a deixar de pensar.

Fiquem bem. Uma noite sem pensar, que tal?

João Pedro Barbosa disse...

Se Não Me Explicam Procuro Perceber E Se Não Entendo Procuro Compreender

João Pedro Barbosa disse...

Bea? Nem tanto! À terra. Nem tanto, ao mar...