terça-feira, maio 17, 2011

Da minha varanda.

A parte final do debate de hoje foi penosa para Passos Coelho. A tentativa de "maquilhar" o sound byte sobre a legitimação da ignorância dos portugueses nas Nova Oportunidades foi tudo menos convincente; o lendário receio dos líderes do PSD de desagradar a Alberto João Jardim também nele está presente; e quanto à "moralização" dos desempregados, só faltou dizer que as três tardes de trabalho seriam às Segundas, Quartas e Sextas para - solidariamente! - não estragar o fim-de-semana a ninguém:).

47 comentários:

ana b. disse...

Prof:

Sempre que o vejo fico com uma carga de nervos:)

E pior que tudo isso foi a atitude demagogica de se socorrer da cor da mulher e dos seus familiares para captar votos aos eleitores portugueses de origem africana, intitulando-se o mais africano dos candidatos. Disgusting!

Manuel disse...

O homem parece-me um moço de recados de uma trupe de trauliteiros sabidos.

Há muito que eles têm a agenda bem definida (para deitar a mão ao pote), faltava-lhes o contexto, finalmente conseguido.

Os exemplos da «união fortuita de interesses» estão espelhados na cacofonia das diversas intervenções avulsas e contraditórias. (O Catroga até teve que ser retirado até ao dia 5/6, tal o desvario em que caíra).

Oxalá me engane, mas a coisa vai dar para o torto mal o homem seja ungido como 1.º Ministro pelo «papa» dos pastéis de nata.

ana b. disse...

Manuel:

Deixe os pasteis de nata de fora da congregação que eles (pasteis de nata) não merecem o enxovalho:)))

andorinha disse...

Só vi porque foi com o Louçã:)

Por vezes chego a ter pena de PC e de tanta coisa que diz e desdiz e volta a dizer...

Por que razão a escolha se há-de restringir a PC e JS?
As pessoas ainda não estão fartas de tão má governação?
Não seria de dar oportunidade a outros?
Sinceramente, isto já me cansa...

Cê_Tê ;) disse...

Pois...(Boa análise, prof.)

Mas, para mim tudo o que seja colocar a correr o Sócrates vale. Portanto o PC ainda está no porta-chaves.

Não posso deixar de concordar com a minha ex-amiga ;))) Andorinha ainda que esteja MUITO SENSÍVEL ao chamado "voto (in-)útil"! ;)


É nestas alturas que penso (só nestas) naquela que pode ser a maior valia da regionalização- quando começar a doer-nos mais perto, chegamo-nos à frente.

Agrada-me o conteúdo de alguns discurso de não partidários (infelizmente) que têm tido som estes últimos tempos- a urgente e necessária valorização do campo, da floresta, do mar e do Sol que temos. Mas infelizmente a classe que lida com estas riquezas naturais não pode pagar campanhas e não votam muitas vezes...
´
Acredito, que ainda que não seja no meu tempo, portugal se há.de levantar. A geração que aí está ainda não é a das novas oportunidades que é REALMENTE UM "GANDA" ENGODO para muitos. E tipo aquelas operações que no dia a seguir se morre em casa. ;)))
Sucesso no HOSPITAL;P

Morcão disse...

Ganda Cê_Tê,

Acabei de tomar um cafésinho e 10 vale de espertos. É que esta coisa de correr com Open Source tem uma vantagem; ganhamos tempo para os amigos. Aquilo que deveria levar meia hora a converter; leva uma noite inteira.

Ganda Anfitrite,

O Manel esquece-se e muito bem que já passou à reserva e a partir de agora é só contar cartuchos.

Ganda Pionner,

Cada tiro cada melro; cada cavadela uma minhoca mas o Pápa Soares acredita na alternância de lideres quer no Governo quer no partido. Eu preferiria votar Nobre daqui a 10 anos. Já conheço bem a casa à esquerda da Ferreira Leite. O senhor professor não pára de surpreender: qualquer dia ainda o vemos a livrar-se das rotinas. Será sempre o homem da rádio nas alturas que o sujeito era irrelevante. Parabéns o lado rotineiro nunca fez sombra ao homem do croquete que nos iniciou a todos em fazer justiça; não pelas próprias mãos mas pela própria Palavra.
Quem sai aos seus não degenera e filho de Peixe sabe nadar mas a meu ver só voltou da Suiça para fazer rádio se lá tivesse ficado já seria entrevistado pela Judite de Sousa. E estou como a Ana; por vezes irrita não no mau sentido mas no sentido que o cavalo não come de tanto martelar no cravo e na ferradura; ao mesmo nível só mesmo a publicidade do ecoponto. Vão funcionando! E dar direito de escolha a muita gente; azul/verde/amarelo...

Ganda Bartolomeu,

Além de disléxico; escrevo muito devagar: sou mau a tirar notas, fico-me pelos tostões.

Ganda Andorinha,

Para mim Votar B.E. é como para ti votares P.S.D ou C.D.S.
Estou como a Cê_Tê ainda "guardo" o ultimo do P.C.P. embora descorde que o Sócrates tenha pedalada para mais 5 anos só se for com maioria relativa e uma esquerda bastante forte; assim como 50% e um queijo "Limiano".
Se for ao contrário; uma maioria relativa ou absoluta do P.S.D. também não vai nada mal e o debate parlamentar enriquece.
Se a abstenção subir; que eu não acredito. Nem aquece nem arrefece. Conheço pessoas que não gostam de futebol mas não são indiferentes e tem um lado positivo; quanto maior for a abstenção mais peso politico; ganha cada votante e temos sempre o 4 de Junho em que se vai decidir muita coisa: Hoje Praia/Amanhã Praia ou Hoje estou indeciso/Amanhã tomo uma café; vou votar e praia para descansar.
Ainda me dá uma coisinha e voto na Esquerda Caviar! -- :) --

Boa noite a todos e boas Andanças.

Caidê & companhias:

Vamos ver quem vai apanhar as canas no 4 de Junho porque dia 5 começa a mesma Feira como todas as semanas.

Abraços a todos, vou ver com corre a conversão do outro lado do Equador.

Queria deixar um filme.

Vou procurar pode ser que alguém goste...

http://youtu.be/1oz4ZqsVwhY

E para o Fora-de-Lei já não há palavras entrou completamente dentro da minha cabeça com a anedota da Zebra.

Tudo de Bom

Morcão disse...

Bom, Dia!

Morcão disse...

Boa 4ª Feira!

Bartolomeu disse...

Peter my friend; não referi a dislexia de forma depreciativa. Acho até que os disléxicos, são regra geral mais argutos, talvez até, possuidores de maior acuidade.

Bartolomeu disse...

Ana, fazes bem proteger de ataques aleatorios, o reino dos pastelinhos.
;)

Bartolomeu disse...

Quanto ao assunto do post, em apreço, refiro três impressões pessoais:
- A preocupação generalizada dos candidatos representantes dos partidos a "concurso", em atacar e identificar culpados da crise que se vive, em lugar de apresentar propostas de soluções para combater e recuperar da mesma, e de apresentar aos votantes o seu programa de governo.
- A forma patéticamente vazia de conteúdo intelectual, como se dirigem ao eleitorado, acentuando o vazio intelectual que o caracteriza.
- A forma telepática como conferenciam entre si, deixando espaços vazios que toleram intrepretações desiquivalentes. Ou seja; uma comunicação telepática, que pretende atingir a irracionalidade, ou a alienação.

JoZe disse...

A cada dia que passa, Passos Coelho perde novas oportunidades de estar calado. Tenta, tenta, mas não consegue tirar coelhos da cartola.
http://exiladonomundo.blogspot.com/2010/11/as-novas-oportunidades.html

Morcão disse...

http://fenosburros.com/

sem ironia

Fora-de-Lei disse...

Pessoalmente, estou-me marimbando para a falta de "habilidade coloquial" de Passos Coelho. Sei muito bem o que ele pretende para Portugal e para os Portugueses. Ele e os tubarões que o apoiam...

Mas a verdade é que não podemos pedir à Direita que o deixe de o ser. O pior é termos levado com uma "Esquerda" que só tem servido para fazer a papinha aos mesmos vampiros de sempre.

A mim não me iludem. Sei que tudo o que de muito mau vier a acontecer a este país e a este povo é da inteira responsabilidade de Sócrates e deste P"S".

$hort disse...

Como diziam os outros...

'Só o trabalho liberta'

:(

AQUILES disse...

Revisitando "Os Maias"
«- Então, Cohen, diga-nos você, conte-nos cá... 0 empréstimo faz-se ou não se faz?
E acirrou a curiosidade, dizendo para os lados que aquela questão do empréstimo era grave. Uma operação tremenda, um verdadeiro episódio histórico.
O Cohen colocou uma pitada de sal à beira do prato, e respondeu, com autoridade, que 0 empréstimo tinha de se realizar «absolutamente». Os empréstimos em Portugal constituíam hoje uma das fontes de receita, tão regular, tão indispensável, tão sabida como o imposto. A única ocupação mesmo dos ministérios era esta - «cobrar 0 imposto» e «fazer 0 empréstimo». E assim se havia de continuar...
Carlos não entendia de finanças: mas parecia-lhe que, desse modo, 0 país ia alegremente e lindamente para a bancarrota.
- Num galopezinho muito seguro e muito a direito disse 0 Cohen, sorrindo. - Ah, sobre isso, ninguém tem ilusões, meu caro senhor. Nem os próprios ministros da Fazenda!... A bancarrota é inevitável: é como quem faz uma soma.. ,
Ega mostrou-se impressionado. Olha que brincadeira, hem!
E todos escutavam 0 Cohen. Ega, depois de lhe encher 0 cálice de novo, fincara os cotovelos na mesa para lhe beber melhor as palavras.
- A bancarrota é tão certa, as coisas estão tão dispostas para ela - continuava 0 Cohen - que seria mesmo fácil a qualquer, em dois ou três anos, fazer falir 0 país ... »

Onde também pulula o conde de Steinbroken, representante da Finlândia, tão «estreitamente aliado» de Portugal, e que achava «Bismark assustador».
É uma delicia revisitar "Os Maias"

ana b. disse...

Bart:

Reparou que os pastelinhos de nata apareceram no video que mandamos para os finlandeses?:)))
O mesmo video que eu tão prontamente coloquei aqui e ninguém ligou:( Fiquei mesmo triste com tamanho desinteresse. Juro que fiquei. Até meti um segundo comentário em letras maiusculas a dizer que não se tratava de mais uma musica. Mas qual quê! Nada!:(
Se tivesse sido um video com as profecias do Medina Carreiro era logo uma chusma de comentários:)))

Bartolomeu disse...

O vídeo de Cascais constitui motivo de inibição para os "tuga", ana.... mas os pastelinhos são intemporais.
;)

Morcão disse...

:(

Morcão disse...

http://www.rtp.pt/wportal/popups/player_dalet.php?canal=lusitania

Julio Machado Vaz disse...

Aquiles,

Está lá tudo:))))).

andorinha disse...

Aquiles,

Pois está...e não o digo por o Boss se ter antecipado:)))

Condessa de Til disse...

E isto começou quando?
Para não ir mais atrás na História, no que toca:) a esbanjamento, o D. João V não se contentou com um carrilhão para Mafra, encomendando logo dois. Aliás o ouro vindo do Brasil foi completamente desaproveitado na manutenção de uma corte luxuosa e em gastos sumptuosos, em vez de ter sido utilizado para o que poderia ter sido uma real modernização e progresso do país. Então o mal será genético?

Morcão disse...

Que sorte ter varanda:).

Morcão disse...

E ter sido convidado para um jantar do Murcon. Um luxo!

Morcão disse...

Anfy,

Que livro andas a ler?

Pedro

Morcão disse...

A mim emprestaram-me um romance: "Small World".

Morcão disse...

(David Lodge - Edições Penguin)

Morcão disse...

http://youtu.be/42aGxB6duQo

ana b. disse...

Pedro:

David Lodge é o meu escritor favorito:)
A par com o Philip Roth que acabou de ganhar o prémio Man Booker Internacional 2011. Mais que merecido, sem dúvida!:)

andorinha disse...

Angela Merkel exige menos férias e aumento da idade da reforma em Portugal.

Adoro esta senhora!
Que pena não poder votar nela:))))



Cêtê,

Tu não invoques o meu nome em vão, não gosto.
Quanto às NO concordo, há muita coisa a ser revista. Sei de casos absolutamente surreais.
Como diz Carrilho o que existe é a fast food do ensino.
Mas pronto, deve ser este o país que queremos:(

Manuel disse...

Ana b.

Eu conhecia o vídeo (de promoção junto dos finlandeses) que pôs no blogue, talvez por não ser novidade não o tenha comentado, ou por outra razão qualquer, pois nem sempre consigo dar a devida atenção a tudo. Não foi por desconsideração para consigo.
Tem 2 características bem portuguesas: 1.ª é um panegírico de matriz «nacionaleira» que recorre à distorção histórica para enaltecer os feitos pátrios; 2.ª socialmente não lhe foi atribuída muita importância por não fazer parte da nossa matriz cultural falarmos bem de nós próprios, valorizarmos o que somos capazes de fazer (ou já fizemos).

Fora-da-Lei

Outra das nossas características é a procura permanente do «verdadeiro culpado», só um, sempre só um, para nos desresponsabilizamos das nossas próprias responsabilidades e dormirmos descansados; chame-se o «verdadeiro culpado» Sócrates ou outro nome qualquer. Até há quem delimite com precisão o período das culpas e do desastre, 15 anos (governos socialistas, esquecidos o barrosismo e o santanismo), 10 anos (período sem crescimento da economia), 7 anos (governo Sócrates): há versões para quase todos os gostos, é o que nos vale.
Antes as coisas fossem tão simples, bastaria mudar de protagonista, o que está nas nossas mãos. Infelizmente, as coisas são mais complexas,

Aquiles

O texto de Os Maias, do Medina Carreira literário do século XIX, mostra o que o nosso ADN colectivo transporta ao longo dos séculos. Nem os êxitos são exclusivamente frutos dos seus protagonistas mais imediatos nem os fracassos. As permanências são o que há de mais difícil de vencer.

Condessa de Til

A nosso viver colectivo e a nossa história estão cheios de falácias e de lugares comuns que se vêm repetindo até à exaustão, acabando por ser aceites como bons e verdadeiros.
O ouro do Brasil foi muito bem gasto, 90% ficou lá directamente (por força da lei, e serviu para construir as cidades e o país) e parte dos 10% que vinham para cá ainda regressava ao Brasil indirectamente. De modo que um esbanjamento de menos de 10% não pode ser considerado como tal.
O Prof João Paulo Oliveira e Costa, da Univ. Nova de Lisboa, grande especialista na matéria, explica isso muito bem nos seus livros, e devidamente fundamentado.

Anfitrite disse...

Ana,
Deixai os prémios em paz. Mas na verdade Philip Roth merecia-o.

Pedro,

Agora estou a consumir produtos totalmente portugueses por causa de défice. Assim, ao mesmo tempo, e no tempo disponível, estou a ler um que conheço quase de cor, embora cronologicamente diferente, que se chama "Aqui Entre Nós" da autoria do professor Júlio Machado Vaz, que vale mais por ele próprio, do que pelos pergaminhos que chama à colacção. A modéstia em demasia passa a ser orgulho.
Também estou a ler "Jardim a Grande Fraude" da autoria dum grande e honesto jornalista natural do Porto, e que o professor até é capaz de conhecer, que investigou durante alguns anos, a fraude e a fachada em que se tornou a Madeira de AJJ. Aconselho a todos.

ana b. disse...

Manuel:

Longe de mim pensar ser falta de consideração para comigo:) Apenas lamentei que o video não tivesse suscitado interesse. Eu confesso que, quando o descobri, fiquei exultante. Mas isto sou eu, para quem o Medina Carreira é um chato do caraças:))) Nem é propriamente pelo que diz, visto ele até ter razão em muita coisa. Mas pela forma crispada como o diz.

A propósito de orgulho nacional: adorei a análise feita pelo Perez Metelo no jornal da TVI sobre as declarações da Chanceler. Totalmente de acordo.

Anfitrite disse...

Ana,
Também não comentei o vídeo porque talvez a Ana não tivesse oportunidade de ver, mas na noite anterior, todas as tv's e em todos os telejornais foi passado esse vídeo. Assim como no dia seguinte, mas com menos insistência, passaram a reposta dos finlandeses,
e que sendo simpáticos, referiram que o vídeo não custou um euro ao contribuinte finlândes, enquanto o nosso foi financiado pela CMC.
Agora mesmo vi e ouvi num debate que está a dar na rtp1, onde foi afirmado, que a primeira vinda do FMI a Portugal, foi causada pelo descalabro financeiro a que o País chegou, por causa do Partido Comunista Português.

Anfitrite disse...

Ressalvo: colação. Eu em vez de eliminar até ponho os que não são devidos. Já fui tão gozada neste blogue por causa da minha ignorância ortográfica, que até me sinto aniquilada.
Bem faz o Bart que disfarça a sua dislexia, usando e abusando de uma ortografia própia.

Anfitrite disse...

Manuel,

Desculpe lá mas não se esqueça das arcas cheias de ouro que D. João V, mandava para a santa sé.
--

Realmente é preciso é dizer mal do Governo. Agora até acham bem o que o ressabiado e presunçoso do Carrilho diz, só porque foi afastado do cargo. Antes falavam tanto mal dele porque gastou uma fortuna a restaurar a casa de banho do Ministério da Cultura.

ana b. disse...

Anfi:

Não está em causa a novidade do video mas o facto de ele não ter suscitado um sentimento de jubilo. Se as pessoas tivessem sentido o mesmo entusiasmo que eu, certamente ter-se-iam manifestado. Assim, fiquei eu a bater palmas e a atirar foguetes sozinha:)))
Siceramente, mesmo com as possiveis deturpações que possa ter, interessou-me sobretudo o ato em si. O puxar por aquilo que temos de melhor. Foi fantástica a ideia! E a ideia foi nossa! E quer-me parecer que a Srª Merckel anda a precisar de outro:))) Tivesse eu imaginação e talento para o fazer:)

Tangerina disse...

ana B.,

Eu também já conhecia o vídeo e, sinceramente, não gostei muito dele. Essencialmente por duas razões:

1 - Colocava-nos de mão estendida. Podem obrigar-me, por força da lei, a pagar as contas de outros, mas pedir para as pagar, isso não. O que muitos Finlandeses argumentavam é que não queriam utilizar o dinheiro deles para alimentar o sistema financeiro mundial e eu concordo com eles;

2 - O final do vídeo deixou-me extremamente desconfortável. Os tempos eram outros, o povo português mal tinha possibilidades de se alimentar direito. Muitos esforços se fizeram para ajudar um outro povo. Nobre povo, nação valente, sim senhor. A da altura. Porque vir invocar um gesto de verdadeira e dolorosa solidariedade de um povo que passava mal, muito mal, para agora exigir contrapartidas parece-me, no mínimo, de mau gosto. A solidariedade é, por definição, generosa: não exige contrapartidas. Assim foi a dos nossos avós e assim nós lhes honremos a memória.

... reparei no vídeo - só não queria era comentar. :-)

----

Para todos o que dizem que não há propostas concretas dos partidos de esquerda, deixo aqui algumas do BE que tenho andado a seguir:

http://www.youtube.com/results?search_query=justi%C3%A7a+na+economia&aq=f


A oportunidade de mudança reside nas mãos dos que até agora se têm abstido ou votado em branco, pelo que é muito importante que todos estejamos muito bem informados. Por isso deixo também o link para o Memorando da troika em Português:

http://aventar.eu/2011/05/04/memorando-da-troika-em-portugues/

Boa noite a todos e boas leituras. :-) (Pedro, este smile no fim do parágrafo é para si ;-) )

T.

andorinha disse...

Tangerina,

Tenho exactamente a mesma opinião.
Não gostei do video. Quando o vi pela primeira vez até me senti envergonhada como portuguesa.
E não gostei pelas mesmas razões.
Andarmos de mão estendida a pedinchar é degradante.

"A solidariedade é, por definição, generosa: não exige contrapartidas. Assim foi a dos nossos avós e assim nós lhes honremos a memória."

Subscrevo.

Quanto ao BE também sintonia total.
Considero até que é o único partido que tem apresentado propostas e não se limita a olhar para o passado e a dizer o que está mal.
Não sei por que é que muita gente não vê isso.
As clientelas partidárias estão assim tão fidelizadas?
Somos um povo tão "morno" que temos medo da mudança?

Bons sonhos:)

P.S. Já há novo post, gente.

AQUILES disse...

Tangerina e Andorinha

De acordo em relação ao tal video. Só quero acrescentar que o vídeo que alguém na Finlândia fez, em resposta ao outro, foi mais elegante.E aí, também, perdemos pontos.
Falar mal da Sra Merckel, não adianta muito. Fomos nós que nos pusemos a geito, ninguém nos obrigou. Andarmos de mão estendida e, armados de um orgulho pelintra, querermos impor nós as regras, não me parece muito realista. Digo eu.

andorinha disse...

Ainda aqui estou...:)


Aquiles,

Eu sei que não adianta, mas tenho direito à indignação.
A senhora quer uniformizar o tempo de férias e a idade da reforma em todos os países da UE?
E uniformizar vencimentos, não?

Aliás ouvi na SIC que o período de férias dos alemães é em geral superior ao nosso, devido a acordos que estabelecem com as entidades patronais.
Mas isso nem me interessa, quero lá saber quanto tempo de férias têm os alemães. Que lhes façam bom proveito!

Considero uma forma de ingerência totalmente abusiva; aliás a própria oposição alemã já manifestou o seu repúdio por tais afirmações.

E se vamos aceitar tudo então mais vale desistirmos de ser um país. Passemos simplesmente a ser mais um estado alemão.
Aliás esta UE tem muito que se lhe diga, mas hoje já é tarde...:)

ana b. disse...

Tangerina, Andorinha e Aquiles:

Eu adorei o video por ser bem disposto, positivo e por mostrar que nós, como povo, também temos coisas boas.
Não se trata de pedir contrapartidas. Trata-se de fazer recordar, que as necessidades tocam o todos e que ninguém se julgue imune a elas. Por mais ricos que sejam.
Também não me agrada andar de mão estendida a pedinchar mas , muito sinceramente, não vejo de momento, outra solução. Mas confesso que me agrada ainda menos contrair a divida e não a pagar ou fazê-lo na quantidade e na altura que melhor entender . Também por isso jamais votaria no BE. Para além de que o BE tem culpas no cartório de estarmos de mão estendida.Por não ter votado a favor do PEC4, entenda-se. Poder-me-á dizer que a ajuda era inevitável e que o PEC4 só agravaria a situação do país por retardar o problema. Então não entendo porque se pôs o BE à margem das negociações com a troika. Foi para não se comprometer? Se não foi, parece.
Tal com já aqui disse esperava com alguma curiosidade a posição dos partidos sobre o PEC e a eventual ajuda externa. E ajudou. Pelo menos eliminei o BE, já que CDU estava há muito eliminado por razões já aqui ditas.
Quanto às propostas do BE, elas dizem-me muito pouco. Interessa-me mais ver a maneira como os partidos se comportam em momentos chave para o país. E o do BE deixou muito a desejar. Na minha opinião, claro.
E se quer saber até acho que já me decidi: pela primeira vez vou votar no Sócrates. Decididamente ele conquistou-me com o seu melhor ângulo.:))))

PS: Ah! E como se diz na minha terra, quem muito se baixa o rabo lhe aparece.:)

andorinha disse...

Ana,

Falei essencialmente do video.
Quanto ao resto estou saturadíssima da politiquice à portuguesa, não vou voltar a falar sobre isso.
Mas há coisas que dizes que não são verdade, pareces o Sócrates a falar:)))

"Então não entendo porque se pôs o BE à margem das negociações com a troika. Foi para não se comprometer? Se não foi, parece."

O BE já explicou e de resto houve negociações?
Vamos negociar o que já está negociado? O que vai ser imposto?
Ora, Ana, não te vejo a fazer uma afirmação dessas.

Eu voto BE, tu votas Sócrates, que queres que te diga?

Devemos ser um povo de masoquistas, realmente.

ana b. disse...

Andorinha.

Lá explicar, explicou. Só que naõ me convenceu:)))
E ainda não explicou bem, a modos de eu entender, como é que resolvia o problema atual do país sem pedir ajuda externa. Já que, segundo parece, o PEC também não servia.

andorinha disse...

Ana,

Não sei, não sou economista, há muita coisa que não domino, como é evidente.
Penso que neste momento e dada a situação a que chegámos, tinhamos mesmo que recorrer à ajuda externa. Isso não contesto.
Mas a campanha dos diversos partidos tem-se baseado em "averiguar" de quem é a culpa desta situação e vejo poucas medidas para o futuro. Sócrates repete a cassete de que a culpa é da oposição e esta repete a cassete de que a culpa é de Sócrates.
O BE tem apresentado propostas alternativas, não temos que encarar tudo como um facto consumado. Se assim fosse, eu nem iria votar.
Louçã é economista, deve saber do que fala:)
Quanto a mim tem sido convincente ao mostrar que há outros caminhos.
Votar PS é escolher mais do mesmo, votar PSD é ainda pior, portanto...é altura de tentarmos uma viragem.
Esta é a minha opinião.

alvex disse...

Com Sócrates, continuaremos a pique para o aumento da pobreza; com Passos, será em queda livre.

Vai ser isto o nosso futuro imediato??

Nossa senhora nos valha mais os 3 pastorinhos a cavalo num burro.

Não há uma escol que governe este país?

Merda.