quinta-feira, junho 28, 2007

Festa não me apetece, mas aceito os presentes:).

'Um em cada quatro britânicos se arrepende do casamento'


Muitos só se casam para aproveitar a festa e os presentes
Um entre quatro britânicos não se casaria novamente com o mesmo parceiro ou parceira, segundo uma pesquisa.
Cerca de 35% dos entrevistados revelaram que o marido ou a esposa não são o melhor parceiro sexual que já tiveram, enquanto outros 23% confessaram que não se casariam com a mesma pessoa novamente se tivessem uma segunda chance.

Mais 20% dos 4 mil entrevistados revela não estar seguros quanto à decisão que fizeram no altar, de acordo com o estudo da companhia especialista em pesquisa de mercado One Poll.com.

Aproximadamente um terço dos entrevistados não se casou por amor e sim porque gostariam de ter filhos, de comprar uma casa ou por medo de ficarem sozinhos; 4% dos entrevistados casaram-se apenas por causa da festa e dos presentes.

Antes de encontrarem seu parceiro ou parceira, a maioria dos britânicos disse ter tido uma média de sete romances e 17% disseram terem saído com 20 ou mais parceiros até se casarem. Aproximadamente um terço confessou que era virgem antes do casamento.

Mentiras e cansaço

Entre os pesquisados 15% confessaram terem mentido para seu parceiro ou parceira sobre seu passado enquanto 2% revelaram que aumentaram o número de parceiros sexuais após o casamento.


Dez razões para o casamento
1. Porque encontrou o verdadeiro amor
2. Porque queria ter filhos
3. Porque o parceiro(a) queria
4. Porque estava na idade de casar
5. Porque compraram uma casa juntos
6. Porque tinha medo de ficar sozinho(a)
7. Porque achava que não teria mais chances
8. Porque a família queria
9. Devido a gravidez
10. Porque queria aproveitar a festa e os presentes
OnePoll.com

Apenas 12% dos entrevistados disseram ter escolhido seu parceiro simplesmente porque estavam cansados de procurar alguém novo.

A pesquisa ainda revelou que 14% dos entrevistados gostariam de ter se casado com outra pessoa que conheceram no passado.

Na busca pelo casamento, 43% freqüentavam bares e casas noturnas, enquanto 22% acreditaram nos encontros planejados por amigos; 12% confessaram escolheram os encontros às escuras e 8% apelaram para os classificados.

Mais de 55% disseram que investiam mais com roupas para impressionar o sexo oposto e outros 60% gastavam mais socializando; 33% confessaram que se divertiam mais quando eram solteiros.

"Nós tendemos a achar que todas as pessoas se casam apenas por causa do amor, mas a pesquisa mostra que pessoas juntam as escovas de dente por vários motivos", disse John Sewell, porta voz da One Poll.

Porém, apesar de muitos se arrependerem de ter se casado, britânicos apontam o amor como o primeiro na lista de motivos para o altar.

17 comentários:

andorinha disse...

Boa noite.

Eu também:)...ou seja, aceito os presentes.
Algumas das razões invocadas para o facto de algumas pessoas se terem casado são caricatas.:)

"Apenas 12% dos entrevistados disseram ter escolhido seu parceiro simplesmente porque estavam cansados de procurar alguém novo."

Deixa-me lá ficar com este/esta que eu sei lá quem me aparece pela frente a seguir:)))))) Looooooool

Por isso cada vez mais esta instituição me diz menos:)
É tão bom as pessoas "simplesmente" estarem juntas porque querem enquanto querem...

irneh disse...

Festa não me apetece, mas aceito os presentes:). - Eis o que aqueles casais que já partilham cama e mesa há anos pensam quando, de repente, convidam meio mundo para a sua festa de casamento, onde fazem questão que a noiva vá de branco, com a flor de laranjeira ao peito e os meninos das alianças são os próprios filhos.
A ganância pelos presentes que vão receber é tão grande que dizem:"ah e tal, já temos tudo, a casa está toda decorada, preferíamos dinheiro...". Mas, como eu dizia , a ganância é tal que há tempos fui a um casamento onde os noivos, durante a noite de núpcias não encontraram nada de mais interessante para fazer do que abrir envelopes e com tal furor que rasgaram alguns cheques. No outro dia, ainda tiveram o descaramento de pedir a quem os havia passado que os substituísse! Se fosse eu, morria de vergonha...!

Fora-de-Lei disse...

Ora aqui está uma prova de que até os ingleses conseguem ser menos trapaceiros que os portugueses. Ao menos os ingleses não se põem com os moralismos farisaicos bem típicos dos portugueses...

Indy_ disse...

Havia uma série inglesa ("Coupling") que retratava a vida de 3 homens e 3 mulheres. Basicamente falavam de relações, basicamente de como muita coisa pode correr mal.
Além de ser uma séria muito divertida, por vezes era ditas algumas pérolas, como por exemplo, que as pessoas só casavam porque ficavam sem tema de conversa no namoro. O casamento dava-lhes a saída pois temas não faltariam daí em diante.
Pergunto-me: casam as pessoas porque estão aborrecidas e vêem no matrimónio uma saída natural. Se sim, quando se deu a mundaça do casamento do amor pelo casamento utilitário?

SOBE E DESCE disse...

Eu não quero os presentes, nem a cerimónia do casamento como a maioria gosta de fazer.
Sem amor, aquilo que eu penso ser amor não casaria.
Já viram o que é aturar um homem ou uma mulher sem amor?...
Eu não aturava.

JFR disse...

O que o estudo revela, parece-me ser independente de haver casamento de facto, ou tão-só uma união de facto.

As 10 razões apontadas podiam, a meu ver, ter por título o seguinte:
"Dez razões para duas pessoas decidirem viver em comum".

Filomena disse...

Assim de repente só me consigo lembrar de 10 razões para não casar.

blogico disse...

alguém me consegue indicar uma época, em toda a história da humanidade, em que a maior parte dos casamentos tenha sido por amor?

porque é que hoje em dia havia de ser diferente?

Carlos II disse...

Essas foram as dez razões para eu ter dado esse passo.
Bem, aos vinte anos talvez sejam essas as razões.
Bem, talvez não seja assim aos quarenta.
Ou melhor, aos 60 talvez, nem sejam essas as razões principais.
Não sei.

PAH, nã sei! disse...

Quais seriam os resultados se a questão fosse: as 10 razões para um SEGUNDO (terceiro, etc) casamento?
Essa sim, interessar-me-ia :)

A Menina da Lua disse...

Bom dia

As razões para a decisão dum casamento são várias e diversificadas no seu sentido; correspondem a orientações de vida cujas prioridades se fazem objectivizar de determinada maneira de acordo com as aspirações de cada um...

Agora eu penso que esses objectivos e essas prioridades vão mudando ao longo da vida e por isso as razões que nos fazem mover para um determinado casamento possam ser diferentes mesmo em relação a nós próprios como sendo o caso dum segundo casamento.

Contudo parece-me que deve haver um denominador comum a todos e que está na base da decisão dum casamento que é o amor e é essa a razão que aparece claramente em primeiro lugar.

Para finalizar considero fundamental conjugar condições para a boa realização dum casamento; que pode passar por compatibilidades de objectivos de vida, por compatibilidades pessoais onde as sexuais me parecem fundamental mas e principalmente ser capaz de acreditar e ter esperança que é aquela e não outra que se quer partilhar uma vida a dois...
Mas claro que isto são apenas condições porque ter certezas é outra coisa diferente:)

Manuel da Gaita disse...

Eu gosto de casar! E se pudesse e não amasse a minha actual mulher, casava-me todos os anos com uma mulher diferente.
Com os casamentos que efectuamos, conhecemos novas pessoas e vivências, ganhamos novos familiares, e se porventura formos vendedores de aspiradores domésticos, iniciamos relações comerciais com os novos amigos e familiares.

Depois há a boda que é sempre um momento especial para todos.E as prendas, e a lua de mel.

E ainda temos direito a 15 dias sem trabalhar por licença de casamento.

Um gajo casar todos os anos com uma mulher diferente só traz vantajens.

Cristina disse...

vou casar por amor... e como estamos em portugal: pra pagar menos impostos.

SF disse...

Faz-me pensar porque é que eu ainda estou sozinha. Devo querer o conto de fadas que não existe. Deve ser isso!
Contudo, podem sempre mandar os presentes lá p'ra casa, que eu agradeço.

Cristina Seabra disse...

...já por aqui não passo há uns dias...mas não posso deixar de comentar esta questão do casamento e do estudo feito no Reino Unido.
Tenho muitos amigos que casaram por um ideal, por razões religiosas, éticas e/ou por quererem constituir família, ie ter filhos.
Não me surpreende o resultado do estudo quando refere que muitos se arrependeram - acho que o que mais há por aí são desencontros, crises conjugais, histórias de feridas de casos extraconjugais, falhas de diálogo e na comunicação, ressentimentos e desconfianças mútuas, ou frustrações caladas. Por outro lado, se as questões económicas podem contribuir para o casamento, também me parece que essas questões e outras de ordem prática pesam muito para manter até os maus casamentos- curiosamente (e reportando-me ao microuniverso que conheço) os homens parecem-me os mais acomodados e as mulheres as mais decididas e independentes, a todos os níveis. Mais facilmente elas acabam com a relação e recomeçam de novo, mesmo ficando sozinhas- ou com os filhos.

Penso que a opção do casamento é uma questão muito pessoal, mas passará sem dúvida por razões práticas e sociais. Também tenho amigos que confessam ter casado (formalizado a relação) por pressão familiar e social, mas estavam todos enamorados, com vontade de crescerem juntos num projecto de vida em comum -
Para terminar, é bom reconhecer que também há pares felizes :-)

E pelos vistos muita gente continua a casar, isso é que me vai surpreendendo...
As vantagens fiscais, a ostentação (festa) e os interesses económicos (prendas et al) já se sabe, sempre foram e continuam a ser um excelente pretexto para muitos, independentemente dos sentimentos em jogo.

Este assunto leva-me ainda a derivar por outro, que é o de conhecer cada vez mais mulheres que estão sozinhas, solteiras ou divorciadas - estas não reincidindo no casamento.
Há dias, em conversa a propósito de várias amigas estarem sozinhas, uma delas dizia que os homens são como as casas de banho (!) - os bons já estão ocupados (!) :-)- Eu não sei se é isso, ou se as vidas que levamos e o acaso simplesmente não permitem que pessoas interessantes e potencialmente interessadas uma na outra se cruzem, mas a verdade é que a pouca disponibilidade de TEMPO que já é crónica na maioria das pessoas hoje em dia, e desproporção estatística (mais mulheres que homens) não ajuda as mulheres, sobretudo se se movem em mundos predominantemente femininos, como são cada vez mais as área do ensino e da saúde, entre outras. A probabilidade de encontrar um indivíduo emocionalmente disponível para uma relação de namoro ou companheirismo assumido é pequena, como é pequena a probabilidade de encontrar um por quem nos apaixonemos e vice-versa.

Se calhar, por esta e por outras, alguns ainda se vão casando porque o relógio biológico (mais ingrato com as mulheres) aperta e pelo tal medo de ficarem sozinhos...confesso que me custa a perceber como conseguem optar assim, pois eu por mim já tenho dificuldade em lidar com o meu próprio lado lunar, não imagino alguém a sujeitar-se a lidar com esse meu lado sem ser por amor...e vice-versa!

Quanto às prendas, toda a gente gosta de receber,mas que diabo, acho que aos poucos quem vive só ou com compnheiro, também vai comprando EXACTAMENTE O QUE QUER E PRECISA- não tem a máquina de lavar XPTO, ou um leitor de DVDs ou LCD da última geração, é pá tem o melhor que conseguir por si no momento. Juntar o útil ao agradável é uma coisa, agora o negócio à volta de casamentos é algo que me repugna-me um bocado, mas enfim, se calhar é porque sou pouco ambiciosa...e porque francamente acho uma grande pobreza oficializar uma junção de trapos apenas para se ter umas quinquilharias mais reluzentes...

suruka disse...

Boa tarde

Tema muito interessante.

Em Portugal,
já estamos ao nível da Inglaterra.

me disse...

existe algum estudo em portugal?
curtia saber os resultados.........