quarta-feira, novembro 28, 2007

Back home.

Lisboa tratou-me bem, como de costume. Avancei para a A1 cheio de um alívio culpado, "devia visitar os alfacinhas mais vezes:)". Mas confesso que é pela estrada de Cantelães que o motor do carro suspira...

No hotel comecei "A mulher certa", de Sándor Márai. A expectativa é muito alta, depois desse extraordinário "As velas ardem até ao fim". Um cheirinho:

"A mim educaram-me na ideia de que era preciso viver. A ele educaram-no na ideia de que, acima de tudo, era preciso viver de modo sofisticado e respeitoso, regular e uniformemente, e isso era o mais importante. Eram diferenças enormes. Mas, ao tempo, eu ainda não sabia."

25 comentários:

andorinha disse...

Bom dia.

Pensei que se tinha perdido por lá:)))

Quem pode/deve contrariar o motor de um carro?
Não convem...:)
E o seu refúgio está sempre lá à sua espera e citando mais uma vez o Guilherme: "Sem abrigo, somos pedras à chuva."
O fim-de-semana está quase à porta:)

Quanto ao livro, o excerto aguçou-me o apetite. Já tenho uma prenda de Natal para mim:)

Fique bem:)

AQUILES disse...

Essas diferenças enormes levam-me sempre a reflectir sobre o que é viver. Simplesmente existir? Cumprir uma missão? Ou um destino? Levar uma rotina certa e evitar percalços? Ter uma ambição? Coexistir de forma egoísta ou altruísta? Alcançar uma meta? Ou viver o dia a dia, aceitando a generosidade cósmica da existência desse dia?
Ser preciso viver soa-me a angústia de velocidade voraz na premência da morte. Inibe a serenidade do descascar dos dias.

GR disse...

Olá Dr.

De o ouvir diariamente e já ter assistido a debates e apresentações dos seus muito necessários livros, parece que estou numa casa conhecida. Visito diariamente este magnifico blog, nunca comentei!
Hoje, atrevo-me a fazê-lo e logo para pedir um favor.
Para mim até amanhã,na rádio bem sintonizada!
Obrigado, não só por este blog mas, sobretudo, pelo que tem ensinado e ajudado a mudar as "duras" mentalidades deste país!

Permita-me divulgar a Petição
"EM DEFESA DAS CRIANÇAS"
http://www.petitiononline.com/criancas/petition.html

GR

saindo-do-armario disse...

Às vezes é nessas diferenças enormes que se funda a relação e a união, desde que se respeite a individualidade. "A causa que nos une é o sol que nos aquece ou a pedra que ambos reconhecemos entre nós. Mas o calor do sol e a resistência da pedra é cada "eu" que a sente e ninguém mais por ele." Vergílio Ferreira in Invocação ao Meu Corpo

Fora-de-Lei disse...

Bolas, Professor... tinha esperado mais umas horitas e aproveitava para ia ver o Benfica - Milan.

Julio Machado Vaz disse...

fdl,
Livra!, desgostos tenho-os confortavelmente:).

Fora-de-Lei disse...

Julio Machado Vaz 5:27 PM

Tenho um amigo meu que esta manhã me disse assim, com a maior das naturalidades:

- Hoje ainda não sei a que horas me vou deitar. Logo à noite vou à Luz ver o jogo e a seguir vou a um velório.

Desatá-mo-nos os dois a rir quando descobrimos que - implicitamente - se colocava a hipótese desse meu amigo ir esta noite a dois "velórios" consecutivos.

Mas há que ter esperança e a esperança hoje tem que ser vermelha...!

thorazine disse...

Aquiles,

"Ou viver o dia a dia, aceitando a generosidade cósmica da existência desse dia?"

Apesar de fazer um esforço por encaminhar a minha vida para este "carpe diem" consigo perder-me sempre nas mesquenhices e banalidades do dia-a-dia.

Se criamos rotinas e vivemos para o futuro, perdemos a noção das engrenagens do sistema..se tentamos saltar fora e viver o momento somos irresponsaveis porque não pensamos no amanha.

Sei que o ideal é o equilibrio..mas isso é o mais difícil. A lei de lavoisir aqui não se aplica.. :(

thorazine disse...

*Lavoisier

andorinha disse...

FDL( 5.43)

Eu acho que esse teu amigo vai mesmo a dois "velórios" consecutivos.
Oxalá me engane, mas já fui contagiada pelo tradicional pessimismo do Júlio:)

Xelim's Skull disse...

Este "gr", outros como ele, e muitos jornalistas, são spammers com uma pedofixação traumática. Já definem mesmo um novo lifestyle!

Veja-se esta notícia,

http://www.tvi.iol.pt/informacao/noticia.php?id=885209

«Crimes sexuais triplicam em cinco anos
Só no ano passado, a Polícia Judiciária registou 1300 casos.

O número de crimes sexuais triplicou em Portugal nos últimos cinco anos. Só no ano passado, a Polícia Judiciária registou 1300 casos. Mais de 80% dos crimes de abuso sexual são cometidos por familiares próximos das vítimas.

Os abusos acontecem quase sempre em casa, nas escolas e nos meios de transporte públicos. A faixa etária mais atingida entre as vítimas é entre os oito e os treze anos. Já entre os agressores há muitos suspeitos acima dos 70 anos de idade.»

Agora são os velhinhos (, que não foram para os lares de idosos!) Eu agora é que estou a ver, os velhinhos vão para os lares como medida preventiva.

andorinha disse...

Aquiles,

Levantas questões pertinentes que dariam para discutir a noite toda à lareira:)
Há pessoas que se limitam a existir e que não "vivem" como já aqui várias vezes tem sido dito.
Só temos esta vida, vamos pura e simplesmente deixarmo-nos levar ao sabor da corrente?
Acho que é essencial termos ambição e objectivos na vida.
Quais, isso dependerá das opções de cada um...
E podemos ir reformulando os objectivos ao longo da vida...e é o que normalmente acontece. Reformulam-se prioridades porque a idade traz sageza.
Nada disto implica que não se viva o dia-a-dia de forma intensa.
Aliás se não vivermos o dia de hoje, hoje, vivêmo-lo quando?
Nisto a vida não dá segunda hipótese, a malvada)

Quanto ao "ser preciso viver" não encaro de forma negativa.
Por vezes é preciso alguém ou então nós mesmos apercebermo-nos de que estamos a descarrilar para uma simples existência.

Voltando ao excerto do livro, a forma como o educaram a ele é que me arrepia: "...de modo sofisticado e respeitoso, regular e uniformemente..."
À excepção de "respeitoso", tudo o resto é castrador.

E pronto, isto foram as minhas ruminações suscitadas pelas tuas.

andorinha disse...

Thora,

Estas questões metafísicas ainda não te devem apoquentar, miúdo:)
Com 20 anos "limita-te" a viver a vida a 200%...tens tempo de acalmar.

"Se criamos rotinas e vivemos para o futuro, perdemos a noção das engrenagens do sistema..."

Como assim? Não entendi o teu raciocínio tortuoso:))))

thorazine disse...

Andorinha,
não faço parte do departamento de triagem das questões metafísicas. :))

O que penso é que entrando na vida rotineira, dia após dia a trabalhar para "o objectivo", paramos de nos questionar. Por exemplo, para que é necessário ralmente ter um objectivo? A tua vida seguiu o rumo que tu apostavas qd eras mais nova? ...

andorinha disse...

Thora,
:)
Não sei se estamos a falar das mesmas coisas...
Trabalhar para um "objectivo" não significa ter uma vida rotineira.

Eu não entendo objectivos como um acumular de bens materiais: ter uma bela mansão, bons carros, casacos de peles, jóias, enfim tudo o que tenha a ver com ostentação.

Continuo a ter objectivos a nível pessoal e profissional; nem sei como poderia viver se não os tivesse. Há tanta coisa que nos enriquee a vida...

Em relação à tua última pergunta, eivada de uma enorme curiosidade infanto-juvenil:))))))))) posso-te dizer que numas coisas sim, noutras não.

O meu sonho sempre foi o de ser tradutora/intérprete de tradução simultânea na ONU.
Não estou a brincar.
Quando andava no liceu penei que isso fosse um objectivo possível.
Santa ingenuidade!!!!:)

Esse ficou, mas concretizei muitos outros e tenho conseguido viver a minha vida de acordo com os rumos que vou estabelecendo.
Os objectivos vão-se reformulando ao longo da vida, como eu disse, mas considero importante, até em termos de saúde mental que os tenhamos.

P.S. Mas aos 20, miúdo, o futuro era algo que ficava lá muito longe...:)

andorinha disse...

Desculpa as gralhas, ainda não me habituei a este teclado:) Looool

Su disse...

as velas ardem até ao fim......
sempre...sem comparação......mesmo com a mulher certa:))))))))

jocas maradas de leituras

Fernanda disse...

Boa noite Dr!
Sou de Braga, sua grande admiradora, já pensei descobrir Cantelães, descobri hoje este blog e sexta feira vou ouvi-lo a Famalicão! Até que enfim!...

Tou feliz!

Julio Machado Vaz disse...

Su,
Tem razão, é um romance luminoso!


Fernanda,
Melhor do que me ouvir será ver Depardieu como Cyrano:).

Xelim's Skull disse...

Na verdade, o que eu escrevi em cima não é exactamente correcto. E não me refiro a ter usado «muitos jornalistas», pois podem ser poucos mas bastante activos. Omiti uma causa típica no jornalismo: o sensacionalismo. Algo que acontece também nas notícias sobre a extrema direita. Como uma que vi, «Extrema-Direita estará infiltrada no Partido de Monteiro»,

http://www.tvi.iol.pt/informacao/noticia.php?id=884478

onde se refere um blogue «Estado Novo», e o autor tem apenas 1/6 dos profiles views que a Yulunga tem!

AQUILES disse...

thora

Se for um entendimento cósmico, Lavoisier aplica-se.

Andorinha
Viver a 200% é ter mais olhos que barriga, e é muito diferente de viver a 200 à hora, que também não faz nada bem à tensão arterial, nem à harmonia da existência

madame la Palisse disse...

Pois é quantas vezes os opostos se atraem . E o pior é que , muitas vezes quando damos conta , é tarde

aviador disse...

Por favor!

Então LX haveria de o tratar mal?

Pensava que o senhor não tinha esse tipo de "complexos"?

Ainda por cima um "tipo" como o professor!

Será sempre bem-vindo.

~pi disse...

:)

redonda disse...

Também comecei a ler A Mulher Certa, mas com interrupções. Antes li As Velas Ardem Até ao Fim e A Herança de Eszter.