quinta-feira, novembro 15, 2007

Esses poetas...

Gilberto Gil falando de Vinicius, revejo o documentário no TVC4: "Ele trabalhava no cerne dos afectos." Bela frase, carago! Ainda por cima verdadeira:).

23 comentários:

Fora-de-Lei disse...

Frase verdadeira ou apenas de acordo com aquilo que percepcionamos ?!

CêTê disse...

De facto! (Se bem que goste mais de Caetano e Chico Buarque)
O V Morais é mais "purista" algumas letras têm tanto de "realismo" que quase dá para sentir os aromas e as texturas.
O Caetano brinca mais com as palavras... lembra-me até no carácter de intervenção dele o nosso Sérgio G.

(Amanhã já é sexta, pessoal!;))

Blogogamico disse...

Sou novo por estas andanças, mas queria deixar aqui o meu registo, gosto muito do blogue, também como o programa que vejo na sic mulheres.
Foi sempre um mundo que me interessou, pensar e aprender com outras mentes outros olhos que não os meus.

Abraço grande.

Ti disse...

Bom dia!
Peço desculpa pelo despropósito do meu "comentário", mas não posso deixar de falar da inauguração do livro "O amor é...", à qual assisti em Serralves.
Quando cheguei dei com o professor sentado numa cadeira do bar, com a cabeça enterrada nos ombros apoiada pelas mãos, numa "pose" que o fazia parecer um puto de dez anos.
Depois, enquanto esperava pelo inicio dos "discursos", folheei brevemente o livro e dei de caras com o agradecimento aos "murcónicos" - confesso que fiquei inchado e orgulhoso - e assim percebi que me considero um de vós (de nós).
As palavras de todos os oradores foram bonitas, mas as do livro (que estou agora a ler) são brilhantes! Tive pena de não podido ficar para o convivio que se seguiu à apresentação - er aí que planeava confessar-me um murcon ao professor...
Saldou-se esta minha demanda num exemplar autografado do livro, o que dá ainda mais valor a um livro excelente já de si, e na confirmação de que o "nosso" professor é mesmo bom - quer em qualidade, quer em bondade...
Obrigado prof!

KRIEG disse...

Grande Júlio, foste cuscado!

Julio Machado Vaz disse...

krieg,
Já nem na apresentação do nosso próprio livro podemos estar anónimos:).
ti,
Muito obrigado:). Segundo dizem alguns murcónicos, perdeu uns canapés de truz!

andorinha disse...

Boa tarde.

Bela frase, sem dúvida.
Poderia ser dirigida a si, Júlio:)
E devia poder ser endereçada a todos nós...the world would be a better place to live in...

Ti,
Só vejo uma solução.
Para a próxima levamos um crachá para nos identificarmos e podermos tagarelar uns com os outros.

AQUILES disse...

Também vi o documentário. E também me chamou a atenção um velho amigo do Vinicius, cujo nome não me ocorre agora, afirmar que o povo brasileiro deve-lhe muita da alegria de viver que têm. Um optimismo e uma crença na vida que ele esbanjava em seu redor. A vida era paixão e ele vivia uma paixão como um único amor, em cada tempo, claro. destaco este poema dele:


Amor em paz


Eu amei
Eu amei, ai de mim, muito mais
Do que devia amar
E chorei
Ao sentir que iria sofrer
E me desesperar

Foi então
Que da minha infinita tristeza
Aconteceu você
Encontrei em você a razão de viver
E de amar em paz
E não sofrer mais
Nunca mais
Porque o amor é a coisa mais triste
Quando se desfaz

andorinha disse...

Perdeu e é muito bem feito!
Ninguém o manda ser murcon...:)))))

yulunga disse...

Não sei porquê mas não gosto da expressão cerne misturada com afectos.

Xelim's Skull disse...

Notícia:

Casa Pia
«Joaquina Madeira admite que pode haver novos abusos»

Comentário:

Mas quem é que quer trabalhar na Casa Pia? Ninguém quer trabalhar na Casa Pia! A Casa Pia cheia de crianças lindaaaaaaaas, e só os pedófilos é que querem trabalhar lá!

Smiley:

;-)

Fora-de-Lei disse...

andorinha 4:12 PM

"Bela frase, sem dúvida. E devia poder ser endereçada a todos nós... the world would be a better place to live in."

Ultimamente andas muito pretensisosa... ;-)

Laura disse...

Também já tenho O AMOR É há uns dias, mas infelizmente não autografado... snif, snif...
Achei super ternurenta a dedicatória aos murcónicos, foi assim como comprovar a surpresa de que a coisa é de facto real e não se fica por um exercício informático inconsequente!
Quanto aos autógrafos, que nem costumo cultivar mas neste caso adoraria ter, levam-me a outra declaração: - Por causa da geografia, há uns murcónicos "mais iguais que outros" :(:(:(
Tenho dito.

E nem por acaso isto leva-me ao Vinicius, que com o Torga e o Christian Barnard (maluqueiras da pré-adolescência...) constam dos poucos livros que tenho autografados. Tudo foi, mais uma vez, por causa da tal geografia: - estiveram por cá e não foi preciso andar em histeria nem aos empurrões ao próximo para conseguir a assinaturazita!

Ora, e se Vinicius jorrava afectos! Era no cerne, no acessório, no fortuito, no acidental, de frente, de perfil, de manhã e à noite, eu sei lá! Ele era a encarnação da doçura, em genero masculino (coisa mais rara, pois é...)
Um dos meus CD's "de mão" é justamente o «VINICIUS EM CASA DE AMÁLIA», imperdível. Recomendo a quem não tenha.
Ouve-se-lhe a voz, bem sensual; pressente-se o eterno copo de whisky; e mesmo quando ele canta o "saudades do Brasil em Portugal" lhe perdoamos que o faça tão mal!
É puro sentimento, e basta.
Tive-o em vinyl, tenho-o em CD, nunca nos cansamos de ouvir. Porque "ouvir" é entrar na roda do serão, fazer parte de, estar sentado no sofá em casa da Amália!
David Mourão Ferreira é o narrador, e a tertúlia junta ainda Vinicius, Ary dos Santos, Natália Correia. Uns cantam, outros dizem os seus poemas em jeito tão natural como quem conversa.
FADO (de bom texto) + POESIA = um cocktail letal...
É que é tal qual diz Natália, no dito serão: «A POESIA É PARA COMER!»

Afectos: sim senhor, é A palavra!
Até os "copos" que o levavam a curas de intoxicação periódicas não eram senão efeitos colaterais de uma doçura desmedida...

andorinha disse...

FDL (8.02)

Tu tás bem, amigo e companheiro?:)
Essa tua observação é totalmente desprovida de fundamento...
Detesto gente pretensiosa, ia-me detestar a mim própria?

E não seria bom se todos trabalhássemos no cerne dos afectos?
Começando por ti...:)))))

Fora-de-Lei disse...

andorinha 9:41 PM

Nós trabalhamos naquilo que os outros percepcionam. Por exemplo, tu percepcionas que eu "tou nem aí"... ;-)

thorazine disse...

Videobiografia .

O uísque é o melhor amigo do homem, ele é o cachorro engarrafado.

Viva à sexta!!! :)))

andorinha disse...

FDL (10.30)

Não percepciono nada disso.
Gosto é de te "picar", como muito bem sabes:)))

thorazine disse...

FDL, andaste a ler o livro do Santana? Ou foi "As portas" do A. Huxley? :)))

Fora-de-Lei disse...

thorazine 10:55 PM

Andei numa de helvéticas... ;-)

thorazine disse...

Temos marujo!!! :D

Cleopatra disse...

Pois eu porque sou Moura, não tive direito a autógrafo . É injusto!

E fica aqui uma das muitas provas de que essa frase não é feita. É verdadeira.



Podem me chamar
E me pedir e me rogar
E podem mesmo falar mal
Ficar de mal que não faz mal
Podem preparar
Milhões de festas ao luar
Que eu não vou ir
Melhor nem pedir
Eu não vou ir, não quero ir
E também podem me obrigar
Até sorrir, até chorar
e podem mesmo imaginar
O que melhor lhes parecer
Podem espalhar
Que eu estou cansado de viver
E que é uma pena
Para quem me conheceu
Eu sou mais você
E... eu

VINICIUS

saindo-do-armario disse...

É a primeira vez que venho ao blog e gostei muito do que vi. Antes de mais gostaria de agradecer ao Prof o excelente trabalho que tem feito na mudança de mentalidades.
Quanto à frase, é verdadeira e maravilhosa, como o é a poesia de Vinicius.

Mulher mais adorada!
Agora que não estás, deixa que rompa
O meu peito em soluços! Te enrustiste
Em minha vida; e cada hora que passa
É mais por que te amar, a hora derrama
O seu óleo de amor, em mim, amada...
E sabes de uma coisa? Cada vez
Que o sofrimento vem, essa saudade
De estar perto, se longe, ou estar mais perto
Se perto, – que é que eu sei! Essa agonia
De viver fraco, o peito extravasado
O mel correndo; essa incapacidade
De me sentir mais eu, Orfeu; tudo isso
Que é bem capaz de confundir o espírito
De um homem – nada disso tem importância
Quando tu chegas com essa charla antiga
Esse contentamento, essa harmonia
Esse corpo! E me dizes essas coisas
Que me dão essa força, essa coragem
Esse orgulho de rei. Ah, minha Eurídice
Meu verso, meu silêncio, minha música!
Nunca fujas de mim! Sem ti sou nada
Sou coisa sem razão, jogada, sou
Pedra rolada. Orfeu menos Eurídice...
Coisa incompreensível! A existência
Sem ti é como olhar para um relógio
Só com o ponteiro dos minutos. Tu
És a hora, és o que dá sentido
E direção ao tempo, minha amiga
Mais querida! Qual mãe, qual pai, qual nada!
A beleza da vida és tu, amada
Milhões amada! Ah! Criatura! Quem
Poderia pensar que Orfeu: Orfeu
Cujo violão é a vida da cidade
E cuja fala, como o vento à flor
Despetala as mulheres - que ele, Orfeu
Ficasse assim rendido aos teus encantos!
Mulata, pele escura, dente branco
Vai teu caminho que eu vou te seguindo
No pensamento e aqui me deixo rente
Quando voltares, pela lua cheia
Para os braços sem fim do teu amigo!
Vai tua vida, pássaro contente
Vai tua vida que estarei contigo!

Vinicius de Moraes

Cleopatra disse...

Nem à provocação de ser Moura e não ter direito a autógrafo responde????
Bah
Que chato!
( Com a devida vénia!)