quinta-feira, novembro 08, 2007

Check-ups periódicos:).

Casamentos promovidos pela web duram menos

Os casamentos promovidos pela Internet duram menos que os tradicionais. É a conclusão de um estudo realizado nos Estados Unidos, onde sites de encontro já originaram em torno de 3 milhões de uniões.

Apesar de faltarem estatísticas mais precisas o estudo, citado pela agência Ansa, diz que "pode-se racionalmente julgar que os casamentos gerados pela Internet têm uma possibilidade maior de chegar ao divórcio em relação aos casamentos gerados por encontros tradicionais", baseando-se em opiniões de especialistas do setor.
Uma prova de que uniões começadas online funcionam menos do que as outras é o fato de sites que há dez anos promovem encontros via Internet, como o Mary.com e o eharmony.com, estarem usando novas estratégias para ter certeza de que os casamentos prometidos durem mais do que a simples lua-de-mel.

O site Mary.com, por exemplo, está se especializando em promover "a qualidade e a longevidade" das relações. Já o eharmony.com criou uma espécie de laboratório de relacionamentos: alguns casais são monitorados por pelo menos cinco anos. É uma maneira, segundo o estudo, de tentar prevenir os divórcios. Afinal, como diz o dono de um dos sites de relacionamento, "a química que funciona, mesmo, é aquela dos encontros ofline".

25 comentários:

yulunga disse...

Acho eu que os casamentos duram menos de um modo geral.
Com o evoluir dos tempos a Net é apenas mais uma forma de interacção pessoal.
Agora também lhes dá mais para os estudos. Estudam tudo e mais um par de botas. Enjoa um bocadinho :-)
Já agora andavam um bocadinho para trás e estudavam, dentro dos casamentos tradicionais, quais os que mais duram. Se os que tinham começado num baile, num café, numa apresentação através de amigos, no emprego, na paragem de autocarro.

thorazine disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
thorazine disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
thorazine disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
thorazine disse...

Professor, é melhor começar a pôr as fontes dos textos senão qualquer dia acreditam-se mesmo que é o autor daquele post sobre electromagnetismo. :P

PS - O que hoje gostei mesmo de ver foi a trunfa d João qd era mais novo! ;))))))

PS2 - Sorry pela murconisse!

thorazine disse...

PS3- Está safo em caso de ter estatudo de jornalista! :)

andorinha disse...

Boa noite.

Eu já nem ligo...fazem-se estudos para todos os gostos e feitios:)
Mas já agora, como será que um site promove a "qualidade e longevidade" das relações?
Obriga-os a permanecerem casados?:)))))))
"Alguns casais são monitorados durante cinco anos." Loooooooooooooooooooooooooooool

4ever disse...

Afinal, a tradição ainda é o que era...:)!

Lua dos Açores disse...

Pois eu acho que as pessoas "investem" pouco nas relações. É tudo light, conhecem-se agora, dormem juntos daqui a meia hora, juntam os trapos e à primeira contrariedade, ala que andar que se faz tarde. Não há tolerância, partem para outra à velocidade "de uma loja de barbeiro". Eu acredito no amor, no seremos felizes para sempre. Tenho falhado nas tentativas de e sei que muita da culpa dos falhanços é minha que tenho mau feitio e deposito "demasiadas" expectativas, mas ainda tenho esperança de tropeçar no homem da minha vida...eu sei q ele existe...não sei é onde está.

Beijos a todos e a todas e para Vc, Júlio

Nuno Guimas disse...

O problema talvez passe pela questão do "casamento prometido". Ou seja, as pessoas já utilizam estes serviços e se conhecem com o (suposto) objectivo de casar. Não se deveriam conhecer pela simples razão de quererem conhecer pessoas novas, diferentes, com outras perspectivas e ideias, por quem eventualmente se pudessem vir a interessar?
Com a pressão do "agarra já este/a senão não casas" os sentimentos verdadeiros, puros e espontâneos são encobertos/toldados pela ansiedade e medo de solidão. Quando as pessoas acordam desta "realidade virtual" tudo desaba.

Julio Machado Vaz disse...

Thora,
O tipo com a trunfa era o Guilherme:).

AQUILES disse...

E off record

Manolo Heredia disse...

a instituição casamento está é decrépita. acabemos com ela! façamos como em certas zonas de áfrica em que só a mulher tem a responsabilidade de criar os filhos. mas, como somos mais civilizados, instituimos que a mãe tenha direito à pensão de alimentos automáticamente, após o nascimento do filho, e que a pensão seja retirada ao salário do pai, por lei! viva a liberdade!

casa.da.ponte disse...

Só tive pena de não poder assistir ao programa na totalidade. A intervenção do Gaspar foi muito engraçada..."o Avô fala muito!(ainda bem que não percebeu bem o que lhe perguntavam...lá ficava o nosso Doutor com a reputação manchada!ehehe...mais uma prova que as crianças não mentem e são tão espontâneas. Gostei das estórias adaptadas à actualidade por causa dos dragões!
Um abraço Professor e é sempre um prazer ouvi-lo e ontem vê-lo também.
M.Dores

noiseformind disse...

Quanto aos follow-ups penso que são necessários. Quando na Tuga mandava inquéritos a 3 meses, 6 meses e um ano ao fim da última sessão. Regra geral os casais que tinham aguentado até aos 6 meses mantinham-se juntos ao fim de um ano após o fim da terapia independentemente do nro de anos que estavam casados. N sei até que ponto estes dados são comparáveis aos da comunidade sex-psi lusa, n há dados de resultados de inquéritos de follow-ups individuais ou em grupo. Em relação ás relações começarem por aqui ou por acolá penso que faz sentido a net ser um terreno propócio a finais mais rápidos. E n é pelo "pântano" ou pela facilidade com que s casa e descasa, essa facilidade só pode ser bem-vinda entre adutos numa sociedade de direito e igualitária. O facto é que muitas das relação que começam na net são entre pessoas sem tempo... para relações. Mães divorciadas com filhos, solteirões dos dois géneros altmente empenhados nas suas carreiras e mesmo matrimonializados com vontade de dar uma voltinha (leia-se queca) por fora do carrocel conjugal. Sendo assim n me admira uma maior volatilidade média das relações propiciadas online.

Há uma coisa engraçada neste post, que é sobre o post que n está aqui ; )))))))))))) ontem foi divulgado o resultado do inquérito anual sobre igualdade de género mundial (tipo IDH do género). Portugal resvala da 33 para a 37ª posição. Nós por aqui tudo bem, Espanha este ano entrou no Top 10 e a Catalunha, se fosse considerada como um país, seria o primeiro não-nórdico da lista ; )))) mas a forma como na blogosfera lusa, blogs de acérrimas feministas incluídas, passou silencioso e manso, mostra bem o país em que n se quer muitas ondas ; )))) e onde a igualdade feminina em relação ás suas congéneres europeias passa por pouco mais que lhes copiar os estilos de moda.

(isto acaba por ser uma farpazita ao Boss no seu papel de Provedor para o Ano da Igualdade... ; )))) mas o que seria deste mundo sem umas farpazitas de quando em vez?????????????????)

noiseformind disse...

Um "Amor é..." diferente, mas muito, muito estimulante ; )))))))))) e que já ouvi várias vezes ao vivo

noiseformind disse...

E um nro particular que me chocou: Portugal é o único país da União europeia a 37 que n tem estatísticas (pelos menos assertivas o suficiente para serem usadas neste ranking) sobre contracepção das mulheres casadas. E pelo que é dito nos detalhes do estudo, este dado é fundamental para a percepção do envolvimento do Estado em políticas de informação sobre sexualidade e intervenção na fertilidade dos seus cidadãos... mas isso são coisas que só interessam a esses estranjas, malta ; )))) Daniel Sampaio, continua com o teu bom não-trabalho!!!!!!!!!!!!!!!!

Para quem estiver numa de se rir cá fica a notícia com menos de um mês em que afinal "Em Fevereiro do ano passado, 186 escolas apresentaram projectos na área da Educação para a Saúde em resposta a um edital lançado pela tutela, recebendo apoio técnico-científico do grupo de trabalho, a quem compete avaliar a experiência até Julho." Isto quando há um ano Daniel Sampaio dizia que já mais de metade das escolas secundárias tinham a disciplina implementada...

cdgabinete disse...

Ouvi nas noticias aqui há uns tempos que na Alemanha vozes se levantavam para fazer casamentos com uma validade de apenas 7 anos.... ao final de 7 anos o prazo expirava e as pessoas estavam automaticamente libertas dos compromissos maritais. Se os quisessem manter.... teriam que casar novamente e renovar o contrato por mais 7 anos....
Se calhar... quando os noivos se tivessem conhecido pela net, os contratos teriam que ser mais curtos!

Sunshine disse...

Estatísticas !!!! Há-as sobre tudo e com resultados muitas vezes opostos!!! Quais os casamentos que duram mais? Isto faz-me confusão! Num país em que há mais divórcios que casamentos (outro resultado estatístico que vi não sei onde - é sempre bom ocultar as nossas fontes de informação!)ainda existem pessoas casadas? Não me digam!!!
E não me venham dizer que a única razão para o decrépito desta instituição são os "relacionamentos light" e aqueles casamentos que se desmoronam e até eram bons casamentos!!!
Acho que sim, vamos entregar os filhos `a mãe à nascença com todas as coisas boas e más que daí vêm e deixar os pais livres de encargos...a não ser uma contribuiçãozinha monetária no final do mês!!!
Deixemo-nos de preocupar com aquilo que é importante.... Que sociedade é esta em que vivemos?
Como veêm o sol hoje não brilha aqui, em S. Miguel.

andorinha disse...

Sunshine,

Não podemos ligar a todos os disparates que lemos.

O Manolo Heredia não bate bem da bola, mas já há muito tempo.
São hilariantes e completamente espatafúrdios, quase sempre, os comentários dele.

Espero que não tenha sido por isso que o sol não brilhou aí em S. Miguel.
Não é qualquer manolo que nos tira o sol:)

Sunshine disse...

Não, de modo algum, o sol não brilha lá fora, é verdade, mas principalmente não brilha cá dentro... e, por isso, escrevi aquele post.
É muito difícil um desconhecido irritar-me.

andorinha disse...

Sunshine,

Eu só escrevi porque citaste parte das palavras dele.
Precipitação minha, está visto:)
E ainda bem que não te irritas com desconhecidos. És mais sensata do que eu.
:)

Su disse...

ena pá o prof contem tanta informação:)))



jocas maradas de ironia:))))

humberto disse...

Não será que todos nós precisamos das nossas relações monitorizada? Eu acho que precisamos!

Devia de existir um impresso tipo, vendido na casa da moeda onde pudéssemos indicar os objectivos gerais, os específicos, de cada um e dos dois em comum, Um modelo qualquer coisa, onde constasse também, as metas a atingir, metodologia e exercícios. Tendo em anexo, uma check-list de preenchimento periódico, onde acompanharíamos a evolução. Assim quando chegasse o momento, estávamos preparados para ultrapassar as dificuldades de uma relação. Nunca temos noção de quando saímos da linha! Nunca temos noção de que, naquele momento e daquela maneira, não atingiremos o objectivo comum. Seria bom de vez em quando levar um safanão. Para parar, pensar e reflectir de facto sobre o desvio ao percurso traçado.

Os chineses deveriam ter inventado isso! Seria barato! Porra! a falta que isso me fez!

ferdo disse...

"Eu Acredito no Amor Verdadeiro"

para saber mais sobre amor verdadeiro...haja como se amasse... não pense que ama... isso só existe dentro da sua cabeça...haja de agir ... de acção ... de vontade ... haja com amor...próprio... e pelos outros...Lhe garanto encontrará o Amor...e quem sabe o Amor Verdadeiro!

Abreeijos...ondé que ja ouvi isto!!!