terça-feira, março 21, 2006

Sábado à tarde.

Maria,
Perguntas-me pelo fim-de-semana em Cantelães. Choveu a cântaros. E eu esfreguei as mãos, tinha de trabalhar e o sol não me piscava o olho cá fora. Depois o Gaspar enroscou-se no meu colo e sorriu. Não trabalhei. Não saí. Não arredei pé do tapete. Senta-te, para evitar um desmaio às cavalitas do gargalhar - vi o canal Panda! Que é sinistro... Para onde fugiram os desenhos animados do meu tempo? Porque reinam criancinhas cruéis e ululantes, com traços faciais a meio-caminho entre Washington e Tóquio? Que se dane, o miúdo sorria, abraçado a mim:).

32 comentários:

andorinha disse...

Júlio,
Quanto aos desenhos animados, não sei, não costumo ver.:)
Mas se o neto está ao colo, sorri e está feliz, que mais pode um avô babado desejar?:)

Fique bem.:)

Aspásia disse...

Ó Professor, e não lhes deixe passar a primeira infância sem verem a Fantasia de Walt Disney...e veja também ou reveja.
Um dos melhores filmes de todos os tempos e para todas as idades...

Beijos

moon disse...

Puxa...
Até apetece enroscar a ver o canal Panda:))))))
Uma ternura!

moon disse...

P.S. Não ligue, a Primavera tem efeitos secundários "graves" em mim.
Beijinho

piscoiso disse...

O que é que o seu avô diria das malvadas perseguições de Tom e Jerry, ou do gozo a um invisual no mr.Magoo ?

Luzinha disse...

Deixo só um sorriso, deliciei-me com o colorido das palabras...

Ameninadalua disse...

Bom dia!

Professor e Maralhal

Devo dizer que ja estava mesmo com saudades de vos ler...a ausência foi prolongada e não me foi possível consultar o Murcon.

Em primeiro lugar gostaria de dizer que o almoço junto a Cantelães foi muito agradável; divertido, bem comido e vivido em clima de quase ambiente familiar que eu aprecio, apesar da saída repentina do anfitrião:)))
Nestes encontros, a diferença de idades e de "estilos" não tem sido motivo de reserva ou afastamento entre as pessoas. Senti mais uma vez que as diferenças são aceites a até desejáveis para alem da oportunidade de conhecer novas caras...

Professor gostava imenso de o ir ver hoje na bibilioteca de Beja mas estou sem oportunidade de o fazer. Espero e tenho a certeza que vai ser muito interessante a sua apresentação até pelas suas belíssimas "Escolhas":)).

cê tê
Reparei que "andou à minha procura" por aqui. Fiquei sensibilizada:))

Andorinha
Obrigado pelas tuas boas vindas.
Beijinhos tambem para ti.

Noise
Agradeço o carinho das tuas atenções que mais uma vez manifestaste durante a estadia pelas terras do Norte...

CêTê disse...

Professor:
Invista em pelo menos 2 DVDs de animação: "A Idade do Gelo" e "Shreck". Eu simplesmente adoro-os! Garanto que se vai divertir "buéeees" e vai partilhar o gosto de os rever nx!
bjnhs
(Safa até pensei que o "Gaspar" era um gato felpudo. A Maria vai derreter perante esta sua manifestação de ternura... até eu!);P

Tão só, um pai disse...

... pois é, habitue-se a eses desenhos animados de agora, porque será o que o netinho vai querer ver, de preferência com a sua companhia.

noiseformind disse...

Meu caro Ju,
; ) Bem-vindos são esses cartoons. Ensinam-nos desde cedo a lidar com os fantasmas que temos (e vamos tendo mais com o tempo, é certo) cá dentro ; )))))))))

maloud disse...

Vá à pesca de DVDs e passe tardes enroscado com o neto. Se um dia o neto não estiver, enrosque-se e veja sózinho e sonhe com o neto.

Angie disse...

O Gaspar é aquele doce que foi aos Difíceis Amores inspeccionar os cenários?
Hummm...parece-me que já não terá idade para isto.
Mas uma das melhores colecções de desenhos animados que conheço é a "Peter Rabbit and Friends", da BEATRIX POTTER (legendado, claro).
Uma beleza.
E uma boa iniciação à estética do cinema para os sub 10: cor, ritmo, enredo, figuração.
Autênticas pinturas animadas.

Pamina disse...

Boa tarde.

Em miúda preferia o good old Bugs Bunny, em adolecescente apaixonei-me pelo Kimba e com o Viktor compartilhei o Muttley. Não conheço bem os modernos, mas acredito que sejam "sinistros".
Apesar de não ser um desenho animado, ao ler o post, veio-me à ideia um filme que vi pela 1ª vez nos princípios da televisão, com um primo 17 anos mais velho, em cujos dedos enrolei os meus nos momentos mais dramáticos, e que me disse "quem me dera que ainda passem este filme, quando eu tiver um filho." Nessa altura, claro que não se sonhava com vídeos e DVDs. O filme chama-se "The Yearling", com um magnífico Gregory Peck, um adolescente e um veadinho (não confundir com o Bambi). O Gaspar ainda é muito novinho, mas daqui a uns anitos...Acho um belo filme para avós e netos verem assim enroscadinhos.:)

Sandra Feliciano disse...

Ainda há dias, por causa de um comentário semelhante que fiz - no caso, questionei-me onde andavam, para os miúdos de hoje, os livros da Enid Blyton, cheios de referências morais descritas em tom de aventura, tão apropriadas para a compreensão da criançada - chamaram-me cota...

Provavelmente sou... cota... mas continuo a achar que a Enid era útil como coadjuvante a pais e educadores e que faz falta hoje em dia.

Angie disse...

Tb não podemos dizer mal de Portugal em tudo!!!
Temos até bons escritores para infantis e adolescentes, acho eu.
Leitores, isso....é que teremos poucos.

Há a dupla Isabel Alçada e AM Magalhães.
E o João Aguiar, que escreve para adultos (adoro) e para sub 14, livros de enredo policial.
Há uns 10 anos o meu filho teve de fazer 1 ficha de leitura para Português e como era fã do "Bando dos Quatro" escolheu-o. Teve de investigar alguma coisa sobre ele para o apresentar e um dia comentou comigo que a irmã de 1 colega escrevera à dupla AMM e IA e elas lhe tinham respondido e tudo!
Sem imaginar o desfecho, mas mais apostada em investir na experiência de envolvimento com a escrita, propus-lhe que escrevese tb ao seu ídolo João Aguiar.
E ele assim fez, contando tudo sobre a ficha da escola, os livros que já lera e fazendo-lhe 2 ou 3 perguntas.
Mandámos aquilo para a editora, a ASA.
E esquecemos, claro.
E então não é que um belo dia chegou mesmo pelo correio 1 carta do João Aguiar, escrita pelo próprio punho?
Foi a coroa de glória da criança, escusado será dizer.

E agora, até o MST já se estreou nestas andanças!

Não, eu acho que esta geração está melhor servida do que nós, que só tínhamos a Odete de Saint Maurice...

Julio Machado Vaz disse...

Angie,
O Gaspar está quase a fazer cinco:).

memory disse...

Júlio,
os desenhos animados do nosso tempo eram deliciosos.
Mas actualmente há uns espantosos, shrek, a idade do gelo, entre outros. Experimenta ir com o teu neto, vais divertir-te tanto como ele:).

CêTê disse...

(estou aki ... estou a amuar)

CêTê disse...

Quando o Panda chatear...
- bolinhas de detergente da loiça;
- cabanas e barcos feitos com edredons, sofás e muita desarrumação
- duas cadeiras viradas uma para a outra dão um cavalo perfeito (mais divertido do que os da Chico)
- Massa de moldar com farinha e água é fixe (já estou a ver a D. Gerturdes ;P) e se juntar fermento em quantidades industriais vai ver a explosão de alegria que não vai ser!)
- Simplesmente balões: muuuuuuuuuitos

Há umns kits de experiências muito boas... da Ciência Viva que qq criança adora.
Bons sábados 100Panda

Respeitosamente CT ;]

Lusco_Fusco disse...

(esta é a terceira tentativa :(((( )


Está muito "fofinha" esta imagem pintada a ternura.

Confirmo a chuva intensa :)))

Os adultos muitas vezes descoram esse lado da partilha dos interesses infantis. Quanto a mim, o maior erro. Esta partilha sedimenta outras e ajuda a ajudá-los.

Este quadro reportou-me ao passado. Sem televisão, mas com livros infantis. Um colo (partido a meio, como dizia a minha irmã) um braço a enlaçar-me e outro pousado na outra perna que suportava o livro, uma cara meiga que me lia livros infantis e que me olhava com expressões faciais e vozes de acordo com o enredo. Pai. Não era avô.
Imagem doce que não apaga...


As crianças são o que temos de melhor. Foi um desenho animado, como podia ter sido a leitura, um jogo de futebol, um esconde/esconde ou outra qualquer brincadeira... Se nos conseguem atrair a atenção para um dos seus interesses rejubilam... Repartir com um adulto um interesse é para eles uma conquista.
São estes "pequenos nadas" que ajudam a aproximação entre adultos e crianças e assim se constroem confianças e apoios. Partilhas inocentes, pequenas sementes que germinarão lado a lado com o afecto já existente e que no futuro podem ser suporte de ajuda e orientação, mais próximas.

Para nós senti-los perto, e, por momentos só nossos hummmm melhor ainda.
Juntaram a fome com a vontade de comer :))))
Parabéns Mahatma! Nem todos os adultos são convidados para uma tão íntima partilha. Já fez por merecê-la ;-) ou não a teria

MJ

ulkyi disse...

experiencia

ulkyi disse...

boa noite a todos

a propósito do artigo... li algures que o nosso cérebro é diferente do das crianças. estão os americanos a tentar provar que as diferentes "áreas cerebrais" estão fisicamente alteradas em função das diferentes estimualações ( visuais e auditivas) e rapidez das mesmas. O que muito contribuiu para essa lógica e provavel mudança foi a tv e o pc. alheios a tudo isto e como noutras coisas continuamos a moralizar os comportamentos das crianças. Mais grave doque isso é a falta de motivação e a inadequação dos processos de ensino dos professores.Também li que se um médico do séc. XVIII viesse a este mundo ficaria espantado com a evolução da medicina e se o mesmo acontecesse a um professor pensaria que tinha adormecido uns dias.
Se há bébes que já nascem com os dedos dos pés unidos e outros com dentes porque não nascer com a área da atenção a fracos estímulos reduzida???Afinal hoje é tudo mais rápido porque não as mudanças que demoravam séculos? Será melhor escolher bem os livros do ensino ...se não vão preferir o pokemon, claro!

CêTê disse...

Sobre o ensino... O maior pecado é deixar de perguntar o porquê das coisas- pior: temer revelar fragilidade em não saber responder, silenciar os porquês deles alunos, ignorá-los.

Porque nos juntamos nós aqui todos os dias?

CêTê disse...

Porquê?
... escreve aqui o professor à Maria?
... existe sempre um mail (imaginário ou não) a solicitar resposta?
... Maria?
... o azul dos olhos, sempre?
... Cantelães e não a beira-mar?
...um blogue?
... não publica imagens?
... sim?
... não?

andorinha disse...

Ulkyi,
És professor por acaso? Se és lá saberás por que estás desmotivado, se não és, não fales do que não sabes.
Já cá faltava aparecerem novamente os professores como bodes expiatórios.

Cêtê,
Concordo contigo. Incentivar sempre as perguntas dos alunos, incutir neles um espírito crítico sem receio de que possamos não ter resposta para tudo é o caminho. Muitos de nós fazemos isso...

memory disse...

agora vem aí um muito giro:))).

mtc disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Ameninadalua disse...

Vejo muito pouca televisão mas por vezes acontece deparar com programas infantis que ao contrário dos desenhos animados "made in Japon" me parecem muito educativos e me deixam com naquele sentimento progressista de que no meu tempo não havia nada disto. Fico até admirada com as possibilidades que eles permitem em termos de desenvolvimento mental das crianças ao nível da criatividade, do raciocínio e até do enquadramento de valores que de alguma forma eles apontam.

Contudo e apesar disso considero que as crianças hoje brincam e experienciam muito menos que num passado onde apesar de pouquíssimos recursos se davam a descobertas e a brincadeiras que não "lembram ao diabo".
Saliento em particular aquelas que por viverem em proximidade com a natureza se dotavam de capacidades que as faziam extravar muito para alem daquilo que hoje uma criança muitas vezes consegue chegar...
O espírito de liberdade em que viviam em contraponto com a proximidade que sentiam ao ter as mães em casa eram talvez condições favoráveis para isso.

Vanda Baltazar disse...

Cá está mais um escrito a tinta de ternura.... e que saudades tenho da m/neta algarvia aninhada no meu colo!

Só minha pelo tempo de um desenho animado!

CT já somos duas agarradas à cafeína ;)

Aspásia disse...

Maria mandou dizer...

London (as always)

Dear Júlio,

Comoveste-me com a descrição da tarde passada com o Gaspar, mas só espero que ele não se torne um “pândita”… vocês próprios também podem representar um desenho animado, um teatrinho... e porque não fazer uns fantoches?

Às dúvidas sobre mim levantadas na assembleia, esclareço: claro, eu não sou de carne e osso, senão o meu curso em Londres já durava há 44 anos e aqui não se admitem tetra-repetentes… bem, não será tanto, pois quando tinhas 12 anos, eu ainda não tinha vindo para Londres, ainda estava no Colégio de freiras aí no Porto e tu saías a correr das tuas aulas (no João de Deus, não era?) para me vir ver à saída das minhas…

De qualquer modo, o nosso amor tem belos ingredientes para ser eterno:
não o corrói a ferrugem da realidade… e a distância idealiza-o.

Queria escrever mais, mas a hora e o cansaço não o permitem.

Fica bem.

Maria

Mário Santos disse...

É fantástico termos as nossas crianças enroscadas em nós! Com Panda ou sem ele :)

É engraçado que é diferente ter um filho ou uma filha enroscados. Igualmente fantástico, mas diferente.

Ao fim de 3 filhas e quando já me preparava para a 4ª a natureza pregou-a a partida de me mandar um rapaz e tem sido deliciosamente diferente. O pilantrinha é um terrorista, mas é uma delícia.

M em Campanhã disse...

professor: procure no Cartoon Network, costuma ser perto do Panda. mesmo sem falar inglês (não é traduzido) o meu filho adora!