sexta-feira, dezembro 23, 2005

Fiquem bem.

Presumo que muitos estarão a aquecer motores para rumarem a Natais fora de portas. Por isso vos deixo já um abraço sincero. Não sou um fã do Natal, há demasiados fantasmas pela casa, embora se tenham apiedado de mim depois do nascimento dos meus netos:). Quem resiste à alegria das crianças? Nela renasce a nossa, que por vezes julgámos exilada para sempre.


Deixo ao Miguel as coisas da manhã -
a luz (se não estiver já corrompida)
a caminho do sul,
o chão limpo das dunas desertas,
um verso onde os seixos são
de porcelana,
o ardor quase animal
duma romã aberta.


Eugénio de Andrade, O Peso da Sombra.


Herança complicada, mas "obrigatória" - deixar-lhes o melhor do mundo e de nós.

54 comentários:

isola disse...

'obrigatório'
deixar-lhes o melhor de nós e (d)o mundo"
"e ele não pesa mais que a mão de uma criança....."

alice disse...

Prof, maralhal, a todos desejo um bom Natal! (se me descuido ainda vou para poeta, isto rimou!)
Apesar de, também por aqui, pairar um grande fantasma...
há crianças e jovens, promessas de novas vidas e isso basta para a alegria ser obrigada a comparecer!
beijinhos
e, isola, sou fã de Drummond

lobices disse...

...é...
...um abraço

isola disse...

alice
;)

nascitura disse...

...pois sim

Raquel V. disse...

Porque ainda que o mundo
Não seja perfeito como desejaríamos
Mas cada ser humano é único
E encerra em si todo o potencial
Da humanidade…

Um Belíssimo Natal e Melhor 2006
Beijos e um Postal de Natal,
Raquel

Lusco_Fusco disse...

Prof.J.M.V.
Já desejei feliz Natal, mas que o Natal seja sempre.Faço meus os desejos de Drumond


"DESEJOS

Desejo a vocês...
Fruto do mato
Cheiro de jardim
Namoro no portão
Domingo sem chuva
Segunda sem mau humor
Sábado com seu amor
Filme do Carlitos
Chope com amigos
Crônica de Rubem Braga
Viver sem inimigos
Filme antigo na TV
Ter uma pessoa especial
E que ela goste de você
Música de Tom com letra de Chico
Frango caipira em pensão do interior
Ouvir uma palavra amável
Ter uma surpresa agradável
Ver a Banda passar
Noite de lua cheia
Rever uma velha amizade
Ter fé em Deus
Não ter que ouvir a palavra não
Nem nunca, nem jamais e adeus.
Rir como criança
Ouvir canto de passarinho.
Sarar de resfriado
Escrever um poema de Amor
Que nunca será rasgado
Formar um par ideal
Tomar banho de cachoeira
Pegar um bronzeado legal
Aprender um nova canção
Esperar alguém na estação
Queijo com goiabada
Pôr-do-Sol na roça
Uma festa
Um violão
Uma seresta
Recordar um amor antigo
Ter um ombro sempre amigo
Bater palmas de alegria
Uma tarde amena
Calçar um velho chinelo
Sentar numa velha poltrona
Tocar violão para alguém
Ouvir a chuva no telhado
Vinho branco
Bolero de Ravel
E muito carinho meu."

Um beijo a todos.
MJ

Mia disse...

Feliz Natal JMV e Maralhal!

Conserto disse...

Este fim-de-semana vai ser o máximo.

Se morressem no Afeganistão metade dos que vão morrer nos próximos dois dias o Gerónimo tinha um ataque cardíaco, mas, desde que seja por boa vontade...

Mando daqui um agradecimento à República Popular da China que nos fornece todos os nossos ícones mais queridos: bandeiras nacionais, presépios, pais natais e luzinhas.

Espero que todas as mensagens natalícias sejam iguais às dos anos anteriores, pois também não estou a vêr a diferença.

Mitsou disse...

Feliz Natal, Prof. JMV e Maralhal!

Sical disse...

Vou ruminar esta das heranças, porque agora tenho de ir trabalhar.
Mas isto tem sido aflorado de vez em quando. As culpas das gerações anteriores faces às novas. Depois porei aqui as minhas reflexões.
UM BOM NATAL A TODOS.

Gerûndio disse...

Passei agora por aqui e reparei que sim. yak yak yak

eva jasmim disse...

Um Santo Natal!

Anónimo disse...

Não fique triste Prof.
Sacuda esse peso dos ombros, sorria mesmo q lhe custe.
Evite olhar para trás para adormecer sossegado e lembre-se 26 é outro dia.

Um Natal tranquilo e em paz.

Mariana

andorinha disse...

Júlio e restantes companheiros de tertúlia,
FELIZ NATAL!

maria_arvore disse...

Não podia deixar passar esta aberta sem lhe desejar um Bom Natal(boas partilhas), Senhor Doutor! :)

JG disse...

para o mais bacano..charmoso..inteligente.. tudo de bom Julio Machado Vaz um homem como já não se faz...e para todos também... não quero rancores de ninguem..

(Chinezzinha) disse...

Obrigatório vir aqui...Um Natal muito feliz para JMV e resto do pessoal.

Muitos beijos

AB

Maite disse...

Professor, não poderia deixar de vir desejar-lhe um feliz Natal e o mesmo desejo se estende a todo o Maralhal.

Um abraço

stellamaris disse...

Deixar-lhes algo é sempre complicado, pecaremos afinal por excesso ou por defeito algures, mas o que interessa é deixar-lhes algo que lhes marque o sorriso, as lembranças. Pecaria tb se aqui não viesse lavar os olhos e esquecer por momentos a prendinha que me calhou em azar este Natal... Um Natal tranquilo para si, e para todos os outros que aqui depositam os olhos.

Abraço

amok_she disse...

Dado que para mim o Natal pouco, ou nada, me diz - passadas as magias da infância e os deslumbramentos consumistas da juventude, sobra pouco qd se olha o mundo com alguma lucidez - e...

- porque cada vez mais se vive de faz_de contas - faz de conta q durante uns dias somos todos maravilhosos, quando se anda o ano inteiro em guerrinhas_de_faca_e_alguidar; faz de conta q se é amigo até de quem ñ se conhece; faz de conta q é fácil esquecer a estupidez; faz de conta q a imbecilidade intervala por uns dias;

- porque os fantasmas não me assombram, não pq não existam, mas porque encontrei "formulas" de lidar com eles que me tranquilizam o espírito;

- porque o Natal é a época, por excelência, para se deitar para debaixo do tapete toda a porcaria humana;

...enfim, por td isto o Natal, para mim, faz cada vez menos sentido...que não seja mesmo o do consumismo!...e o da hipocrisia!

No entanto, porque é ao Prof que se deve a existência deste espaço que, duma forma ou de outra, se torna pontualmente interessante...só posso mesmo agradecer-lhe...os votos e o espaço!

...e que seja possível, mesmo, ressalvar-se 'o melhor do mundo e de nós'...

Su disse...

prof, um feliz natal (mesmo com fantasmas)
jocas natalicias (mas sempre maradas)

Cláudia disse...

Tenho andado desaparecida por falta de tempo, mas não podia deixar de passar por cá hoje para desejar a todo o maralhal e ao Professor um NATAL fantástico, de paz, harmonia e felicidade...

Fiquem bem. Muitos beijinhos para todos.***

jose_pardal_diabrete_jr disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
fad disse...

aproveita o natal pois pode ser o ultimo...Lol
Fad

jose_pardal_diabrete_jr disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
papeldeparede disse...

O Natal, por aqui, é mais um pretexto, - tal como a Páscoa, o Carnaval e o Verão - , para pôr a conversa em dia com os familiares que moram longe.
Os fantasmas, esses, vão de férias e só voltam lá para Fevereiro, quando começamos a perceber que não vamos fazer nada do que tínhamos prometido durante a contagem decrescente da passagem de ano...
Mas só pela conversa já vale a pena sair de casa, descer a rua, enfrentar a confusão das lojas, bater claras em castelo, espalhar presentes em cima da cama, recortar papel, fazer embrulhos... Mesmo que as crianças já tenham crescido e a roda da vida tenha já dado a volta completa... ou quase...
Mesmo que já não se façam presépios, nem se enfeitem árvores...
Mesmo que a palavra Natal seja apenas mais uma, entre tantas outras...
Enquanto houver gente à volta da mesa, por aqui será sempre festa...

Bom Natal a todos e uma boa passagem de ano.

Lena b

Pamina disse...

Boa noite,

Como disse o Lobices:"é.." tarefa complicada, mas aliciante.

Desejo também a todos vós, autor e companheiros comentadores, um feliz Natal.
Cuidado na estrada e até depois.

yulunga disse...

Boa noite maralhal.
Esta foi a imagem que encontrei que melhor transmite o espírito natalício que desejo a todos sem excepção: Boa disposição!!!
Um Natal muito, muito feliz para todos.

Ameninadalua disse...

Pois é!

É o nosso primeiro Natal no Murcon!:)))
É bom ter mais amigos...e tambem mais Boas Festas para desejar...

Quanto aos fantasmas, eles andam por aí sim e não os esquecemos...mas o Natal é Natal e manda a tradição que seja tambem de muita alegria e ainda como diz a Amok:

"...e que seja possível, mesmo, ressalvar-se 'o melhor do mundo e de nós'...

Um Bom Natal para todos!...

Angie disse...

FELIZ NATAL PARA TODOS TAMBÉM.

O meu não vai ser tão feliz como costumava ser. Vai ser tristonho, embora rodeado de gente.
(Vive-se a alegria levianamente até ao dia em que se aprende a verdadeira tristeza, e aí...é tarde para reviver esses momentos que passaram).

Mas como tristezas não pagam dívidas (e créditos também não), vivamos o Natal que se tem!

Na ausência do tal comprimido real, vou tomar 1 imaginário, e assim vou suportar melhor o meu Natal com a minha companhia secreta: os meus fantasmas.


Ô Ô Õ O


º\/||\/º\/||\/º\/||\/º /||\
/\ /\ /|\ /\
_/ \_ _/ \_ _/|||\_ _/ \_


São feios e desconjuntados, não é?
Não são como as memórias...

FELIZ NATAL, GENTE!

Bom bacalhau amanhã, e no dia 25, claro, bom perú e boa "roupa velha" (o meu pelo menos é assim!)
Não comam muitos doces...olhem os quilos e a diabetes: mas ai! Ai os velhós, os coscurões, as filhós, as rabanadas, os matrafões, os borrachões, os mexidos, o pão de ló, a barriga de freira, os papos de anjo, os fios de ovos...Hummmmm....
Numa coisa somos 1 povo glorioso: na doçaria!!!
Na sua fúria anti-lusitana, este segredo não descobriu o Unamuno!

Débora disse...

Olá a todos,

Tenho andado ausente, por motivo de um grave problema de saúde de um dos meus irmãos.
No entanto, não queria deixar de desejar a todos UM FELIZ NATAL, em especial com MUITA SAÚDE, facto que, por vezes não valorizamos o suficiente.

Um abraço.
Débora

MT disse...

Um Feliz Natal a todos!

JMV espero que os netinhos o ajudem a reencontrar o espirito natalicio!

Beijinhos a todos

henrique doria disse...

AO PROFESSOR JÚLIO E FAMÍLIA e a todos os leitores, comentadores, poetas, filósofos,artistas, políticos (estes são menos)e todos mais que aqui mostram a sua murconice: Natal significa ressurreição, mais do que nascimento, e que todos renasçam, mulheres e homens jovens e felizes.
AQUELE ABRAÇO, PARA TODOS.

abox disse...

ama muito... hoje e sempre! FELIZ NATAL! :)

Sofia disse...

Senhor Professor Júlio Machado Vaz,

Desejo-lhe um doce e quentinho Natal.

Receba um abraço terno,

Sofia

Feliz Natal para todos!

CêTê disse...

**»»Um Bom Natal, para todos!««**

Cavacas1)- Não se esqueçam de apaziguar os fantasmas, nunca fiando, nunca fiando ;]

1) em x de "PS" que já chateia

CêTê disse...

AH, AH!

virar do avesso disse...

Caro Julio, Feliz Natal para si e para os seus, cheio da vida de felicidade que o enche de felicidade.
Um abraço

Manolo Heredia disse...

"Deus nos livre da peste dos psiquiatras" é o título a toda a largura da página 8 do suplemento do Público.
Quem ler o artigo vai concordar!

Passem o Natal como desejarem.

gonçalo disse...

Desejo um Bom Natal para todos.

luisa disse...

Caro Professor,
O poema de Gedeão que lhe envio é um desejo para que, um dia, o Natal deixe de ser consumismo e alienação e possa ser:
«Dia de Confraternização Universal,
Dia de Amor, de Paz, de Felicidade,
de Sonhos e Venturas.»
«É dia de Natal.
Paz na Terra aos Homens de Boa Vontade.
Glória a Deus nas Alturas.»

Dia de Natal

Hoje é dia de ser bom.
É dia de passar a mão pelo rosto das crianças,
de falar e de ouvir com mavioso tom,
de abraçar toda a gente e de oferecer lembranças.

É dia de pensar nos outros — coitadinhos— nos que padecem,
de lhes darmos coragem para poderem continuar a aceitar a sua
miséria,
de perdoar aos nossos inimigos, mesmo aos que não merecem,
de meditar sobre a nossa existência, tão efémera e tão séria.

Comove tanta fraternidade universal.
É só abrir o rádio e logo um coro de anjos,
como se de anjos fosse,
numa toada doce,
de violas e banjos,
Entoa gravemente um hino ao Criador.
E mal se extinguem os clamores plangentes,
a voz do locutor
anuncia o melhor dos detergentes.

De novo a melopeia inunda a Terra e o Céu
e as vozes crescem num fervor patético.
(Vossa Excelência verificou a hora exacta em que o Menino Jesus
nasceu?
Não seja estúpido! Compre imediatamente um relógio de pulso
antimagnético.)

Torna-se difícil caminhar nas preciosas ruas.
Toda a gente se acotovela, se multiplica em gestos, esfuziante.
Todos participam nas alegrias dos outros como se fossem suas
e fazem adeuses enluvados aos bons amigos que passam mais distante.

Nas lojas, na luxúria das montras e dos escaparates,
com subtis requintes de bom gosto e de engenhosa dinâmica,
cintilam, sob o intenso fluxo de milhares de quilovates,
as belas coisas inúteis de plástico, de metal, de vidro e de
cerâmica.

Os olhos acorrem, num alvoroço liquefeito,
ao chamamento voluptuoso dos brilhos e das cores.
É como se tudo aquilo nos dissesse directamente respeito,
como se o Céu olhasse para nós e nos cobrisse de bênçãos e favores.

A Oratória de Bach embruxa a atmosfera do arruamento.
Adivinha-se uma roupagem diáfana a desembrulhar-se no ar.
E a gente, mesmo sem querer, entra no estabelecimento
e compra— louvado seja o Senhor!— o que nunca tinha pensado comprar.

Mas a maior felicidade é a da gente pequena.
Naquela véspera santa
a sua comoção é tanta, tanta, tanta,
que nem dorme serena.

Cada menino
abre um olhinho
na noite incerta
para ver se a aurora
já está desperta.
De manhãzinha,
salta da cama,
corre à cozinha
mesmo em pijama.

Ah!!!!!!!!!!
Na branda macieza
da matutina luz
aguarda-o a surpresa
do Menino Jesus.

Jesus
o doce Jesus,
o mesmo que nasceu na manjedoura,
veio pôr no sapatinho
do Pedrinho
uma metralhadora.

Que alegria
reinou naquela casa em todo o santo dia!
O Pedrinho, estrategicamente escondido atrás das portas,
fuzilava tudo com devastadoras rajadas
e obrigava as criadas

a caírem no chão como se fossem mortas:
Tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá
Já está!
E fazia-as erguer para de novo matá-las.
E até mesmo a mamã e o sisudo papá
fingiam
que caíam
crivados de balas.

Dia de Confraternização Universal,
Dia de Amor, de Paz, de Felicidade,
de Sonhos e Venturas.

É dia de Natal.
Paz na Terra aos Homens de Boa Vontade.
Glória a Deus nas Alturas.
ANTÓNIO GEDEÃO

Paula disse...

Murcons e Murconetes!!

Tenham um óptimo Natal (ou umas óptimas férias ;-))) e um 2006 melhor que os 2000... e 1900... anteriores.

PS: O Pai Natal na época da globalização

yulunga disse...

Dr. Murcon
Um Feliz Natal para si e familia.
Acho que lhe entupi o mail com a catrefada de fotos ;-) Peço desculpa :-)
Passando as festas reenvio tudo novamente.

lena disse...

beijos, júlio e maralhal!
:)*************************

Anónimo disse...

Um Bom Natal, onde quer que esteja!

Carlos Proença disse...

Júlio, por estas bandas?
Ou melhor... sem estar por estas bandas, que esta noite é de celebração. Nós, os desgraçados ainda sem netos e já com filhos não iludíveis, vamos sobrevivendo. A pílula mágica ainda não foi inventada, continuo claramente acordado e perseguido por fantasmas e fantasminhas ; )))
Mas oh diacho! Então não é que aqui na tua rádio começou a tocar "Why Worry?" dos Straits? Será coincidência? Aproveito e imagino-te aí desse lado embalando-me como um DJ da saudade.
Um abraço e obrigado por este cantinho que descobri hoje mas que já toca por toda a casa (tb... é tão pequena, tinha de tocar mesmo ; )

NUNO FERREIRA disse...

UM Feliz natal

papeldeparede disse...

Ameninadalua disse...
Pois é!

É o nosso primeiro Natal no Murcon!:)))


Assim sendo, o Murcon merece um presentinho. Vou deixar aqui um pouco de Rimbaud, que me ofereceram hoje:

AURORA (por causa da hora :) )

"Tive nos braços a aurora de estio.
Ainda nada abrira a porta dos palácios. A água estava morta. As zonas de sombra não abandonavam a entrada do bosque. Caminhei, despertando os hálitos vivos e tépidos, e as pedrarias olharam, e as asas ergueram-se sem ruído.
A primeira aventura foi, no caminho já cheio de frescos e lívidos clarões, uma flor que me disse o seu nome.
Ri-me para a wasserfall loura que se encaracolou através dos abetos: no cimo prateado reconheci a deusa.
Então, um a um, tirei-lhe os véus. Na alameda, agitando os braços. Na planície, onde a denunciei ao galo. Na cidade, ela fugia entre as torres e as cúpulas, e, correndo como um mendigo sobre os cais de mármore, eu persegui-a.
No alto da estrada, perto do bosque de loureiros, cobri-a com os véus desordenadamente recuperados, e senti um pouco o seu imenso corpo. A aurora e a criança caíram na orla do bosque.
Ao acordar era meio-dia."

Jean-Arthur Rimbaut - "Iluminações" - trad. Mário Cesariny

E mais uma frase irresistível, de Göethe (bem a propósito de fantasmas :) ):
"Conhece-te a ti mesmo? Se eu me conhecesse a mim mesmo, fugia."

Lena b

green eyes disse...

Para si e para todos os que visitam este espectacular blog desejo 365 dias de Natal.
Fique bem

Anónimo disse...

Bámos a vir práki - os fantasmas to exigem! (os nosssos, pois então: ainda não estão senis-LOolL)

CêTê disse...

- Estamos a cumprir algum ritual?;]
...
OK. Também só cá vim para abrir as janelas. Podem continuar mudos e quedos, não se incomodem! ;P

Volto para os legos e demais "maçadas" Heeeeeeeeeeeeeelp!

Helena Thadeu disse...

Complicada ou impossivel?

eva jasmim disse...

Boa noite!

Hoje deu-me para escrever. Gostava de partilhá-lo.
Começa assim:

"Abriste rápido. Terá sido o desejo ou o nervosismo?
Olho para ti e nunca sei se estás a sorrir ou se é um tique, acto involuntário, que expressas sem te aperceberes.
Quando me vês sorris.
Quando te vejo ri-o.
Vejo em ti a espontaneidade e pureza que eu não tenho. As amarras a que estou presa num quotidiano repetido permitem-me, paralelamente ao teu sorriso aberto, sentir que hoje sou livre. Estás na minha mente. Hoje procuro inspiração em ti.
Aliás, era importante que o fosses para todos. Sabes porquê? Eu digo-te.

Ouves uma música na rádio, gostas dela e qual é o teu ímpeto? Dançar.
Estejas onde estiveres, seja no consultório ou a ver e-mail, seja a almoçar em família, ou na escola, ou no banho e supermercado.
Vem de dentro de ti a "música do coração".
Danças sem pudor, sem preconceitos, como se não houvesse mundo em teu redor.
Eu. Eu observo-te e tento acompanhar-te. Gesticulo timidamente. Olho desconfiada para a multidão e penso que todos deviamos ser como tu: pura.

Hoje vens um pouco triste? Meto conversa contigo e tu encolhida, apenas me olhas...
O que tens?- pergunto-te preocupada.
Respondes que não consegues contrariar a passagem do tempo. Respondes que és feliz. Que te sentes feliz.
Envoltas num silêncio perturbador deixo-te reflectir. Tento entender o teu olhar. Não sei descrevê-lo. Desculpa.

Partes sem nada dizer e se eras libertação e espontaneidade outrora, hoje representas a prisão dos meus movimentos.
Temos pouco tempo para estar aqui. É necessário este trajecto para que um dia mais tarde possa entender que no teu silêncio, outrora cálido e reconfortante, existem agora palavras sem eco, sem sentido, confusas...

Deixaste de aparecer. Deixaste-me aqui, presa ao tempo de ilusões sem cor.
Deixaste o teu rasto e energia. Eras incansável. Onde estás?

Tic-Tac.
Tic-Tac.
Tic-Tac.
É este o som que dizias ouvir sem fim dentro de ti. E que a cada passo que davas querias pará-lo.
Dizias estar farta, que passava muito rápido...

Estás a tremer de euforia porque parou. "Parou" - dizes-me.
Deixaste de ouvir e agora está tudo mais calmo e saboroso. Fico feliz por ti. Estavas demasiado perturbada.
Tic- Tac.
Tic-Tac.
Tic-Tac.
Ecoam em ti os ponteiros da vida.

Na brevidade de mais um momento, tocas na garganta e sentes o teu coração bater mais rápido que o ponteiro dos segundos e nesse segundo, nesse mesmo segundo parou... quando então, muito baixinho, sussuraste ao meu ouvido:

-"ouvir dizer que a morte está escondida nos relógios". -
Chiiiiu!!!