terça-feira, julho 03, 2007

Uma tragédia silenciosa...

Emprego de maiores de 55 anos apoiado
alfredo cunha

Parceiros sociais acolheram com agrado proposta do Governo


A possibilidade de o Estado vir a conceder apoios fiscais às pequenas e médias empresas que empreguem desempregados com mais de 55 anos foi bem acolhida pelos parceiros sociais, embora eles ainda não conheçam a proposta.

O anúncio da medida foi feito na edição de ontem do "Jornal de Negócios", mas nem a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCSP) nem a Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP) tinham recebido qualquer documento.

A Associação das Pequenas e Médias Empresas (APME), que se insere num universo de superior a 320 mil unidades em actividade e ao qual a medida se destina, só a conhece "superficialmente", segundo o seu presidente, Joaquim Rocha.

De acordo com a notícia avançada pelo "Jornal de Negócios", as empresas que contratem a tempo inteiro e por tempo indeterminado desempregados com idades superiores a 55 anos ficarão isentas de taxa social única por um período superior a três anos.

"Trata-se de uma boa medida, pois nas últimas duas décadas apoiou-se a inserção dos jovens e está na altura de perceber que as pessoas com mais de 55 anos não são fardos para o país", declarou ao JN o presidente da APME.

"Muitas dessas pessoas foram vítimas da reestruturação de empresas e da globalização, mas ainda têm muito para dar", acrescentou o dirigente, observando que as multinacionais e as grandes empresas preferem contratar quadros com menos de 40 anos.

Com o aumento da esperança de vida à nascença, argumenta, "a idade não pode ser factor de exclusão social, defende Joaquim Rocha, considerando que o sector do comércio e serviços deverá ser o mais sensível ao programa anunciado, "por ser o que mais está a crescer e o que mais tem a ganhar com a experiência" da mão-de- -obra a reintegrar, utilizando por exemplo antigos bancários. O presidente da CCSP, José António Silva, está de acordo, sublinhando que trabalhadores com experiência nas áreas financeira, contabilidade e administrativa serão úteis ao sector, pelo que apoia a medida, que não conhece em concreto.

"É sempre um incentivo às empresas, que podem aproveitar e ajudar alguns trabalhadores, porque é difícil arranjar emprego com mais de 55 anos e muitas vezes a experiência, só por si, pode não ser suficiente para se decidir pela experiência, explicou ao JN.

A CGTP reconhece que a medida é "louvável" por se dirigir a "um grupo com dificuldades em conseguir emprego", explica Joaquim Casimiro, do Secretariado da central sindical. Mas coloca alguns pontos na discussão.

"Em primeiro lugar, é necessário fazer um balanço de outras políticas de emprego, como as de inserção dos jovens, antes de introduzir novas políticas", enuncia, observando que tal balanço "não está feito".

Depois, "o problema do emprego resolve-se com políticas económicas que geram crescimento e desenvolvimento, criando postos de trabalho", acrescenta, considerando que a medida "reflecte a preocupação do Governo de dar continuidade à política de subsidiodependência das empresas".

"Quem vai beneficiar são as empresas, que vão continuar a ter subsídios e, depois de extraírem os benefícios, acabam por despedir trabalhadores e ir à procura de outros, como já acontece com o programa de inserção de jovens, pois não há fiscalização nem acompanhamento dos programas", acrescenta.


Governo diz investir no emprego qualificado

No âmbito da revisão das políticas activas de emprego, o Governo quer deixar de incentivar a contratação de jovens que não tenham concluído o ensino secundário, pois considera que os apoios actuais estão em contradição com as suas preocupações com as baixas qualificações.



Preservação de idosos na vida profissional

O Governo reconhece que não existem incentivos para o regresso de trabalhadores mais velhos desempregados à vida activa e que a necessidade de criar mais oportunidades se prende com o envelhecimento da população. Essa é uma razão pela qual as reformas em idades anteriores aos 65 anos são penalizadas e são atribuídas bonificações a quem se mantiver activo além dela.

47 comentários:

Fora-de-Lei disse...

Entretanto, os gajos da CIP já trataram de matar a ideia à nascença. Segundo este "parceiro social", para os empregadores portugueses (uau... empregadores... mas que palavra tão politicamente correcta) não há lugar para velhadas nas empresas nacionais.

Mas não sejamos ingénuos. O governo sabia, à partida, que esta seria a patriótica resposta dos patrões e apenas quis ficar bem na fotografia junto de uma certa camada da população. No fundo, seria a mesma coisa que eu passar ali pela Baixa e prometer um Ferrari a um sem-abrigo qualquer, jurando-lhe a pés juntos que desde que ele me aparecesse daí a umas horas vestido de Armani e a falar Inglês pelos cotovelos sairia dali montado no cavalinho. É claro que os sem-abrigo me achariam um gajo do baril, mas resultados práticos niente.

É só merda... de um lado e de outro.

teresa disse...

Bom dia!
Ontem, uma senhora, recepcionista dum consultório médico (refiro a profissão para poderem ter uma ideia do ordenado que ela deve ganhar - muito pequeno...)disse-me uma coisa que me impressionou muito: "eu faço todos os meus exames médicos sem anestesia para não ter que a pagar, porque não tenho dinheiro para isso". Há muitas coisas que têm realmente que mudar, além das políticas de emprego, as políticas de saúde...

Beijos a todos

Teresa

irneh disse...

Concordo com o Fora de Lei. Trata-se, apenas, de uma opera�o de cosm�tica. Ningu�m est� interessado em "velhos"! O Governo muito menos. E, depois, os jovens? Ficam no desemprego? Desde h� uns anos (j� largos)que os chamados velhos deixaram de ter lugar onde quer que seja. Agora, dizem, � necess�rio "esp�rito novo", "iniciativa", "garra". Os velhotes andaram, nos �ltimos anos, a ser chefiados pelos que acabavam de entrar. Tanta asneira que se fez por se ter posto de lado algo que se tem desvalorizado como nunca - a experi�ncia. Os tempos em que a experi�ncia era um posto e em que os mais velhos acompanhavam aqueles que come�avam as suas carreiras est� acabado. N�o venham agora com tretas! Todos sabemos que n�o passa disso!

CêTê disse...

Das duas uma: ou eu ando mesmo de má vontade com as propostas do Governo ou o professor é um crente! (isto porque estamos no seu café ;]).
Estão, uma vez mais, a colocar o lixo de baixo do tapete- não têm uma mentalidade de trabalho projecto/resolução de problemas adequado- tratam das consequências e não das causas. E isto é mais uma prova de falta de QI.
O que fazem eles no serviço público? Sim o que fazem ao pessoal mais velho, com mais anos de formação e prática, hum....?
Pois, se é que me entendem... dá-lhes um jeito do caraças que as empresas públicas venham a recrutar por exemplo a velhada que há-de sair dos serviços do Estado.
Isso sim, como deve estar a preocupá-los. Porque isso mexe com o orçamento do estado. Agora alguém acredita que eles estejam preocupados com os operários com mais de 55 anos? Sim sim...

Manuel da Gaita disse...

Fazendo eu parte de uma associação patronal (como suplente), acho piada quando alguns afirmam que uma pessoa de 50 anos está velha...

O problema do desemprego só se combate com a criação de emprego.

O problema das reformas também só se combate com o aumento da população activa e do número de postos de trabalho. Aqui temos um défice demográfico complicado.

o problema dos salários só se combate com qualidade e qualificação, de todos os meios de produção, inclusivamente a mão-de-obra.

Se o número de empregos em Portugal for sempre o mesmo, não vale a pena este tipo de medidas, que depois, não resultam em nada.

Velhos, novos, homens, mulheres, patrões e empregados estamos todos à deriva numa jangada de pedra que se chama Portugal. Sem rumo nem esperança.

Numa Europa que paga para não se produzir, como é que querem que aumente o número de empregos?

Numa Europa que aceita o dumping económico, social e ambiental da China e de outros países, como é que querem que as nossas empresas sejam competitivas?

Com um sistema educativo que não prepara os nossos jovens para uma vida activa, como é que vamos atingir a qualidade?

Ena pá, tanta coisa ainda por dizer.

CêTê disse...

Manuel (da Gaita) que bem "falou"!

"Com um sistema educativo que não prepara os nossos jovens para uma vida activa, como é que vamos atingir a qualidade?"- nas nossas escolas o modelo continua a ser o "industrial"- trinta alunos como operários ao toque da campaínha- é ridículo!!! 30,31,32...E depois vem com "actividades diferenciadas" como se fosse possível! E depois atiram-nos com a incompetência que a autonomia lhes permite sacudir a àgua do capote- como se a alguma empresa lhes interesse dar em vez de receber ou investir às cegas?! Até dava para rir se não fosse grave!

Marx disse...

Portugal enfrentará, actualmente, a sua primeira depressão de País rico. O que equivalerá a dizer que nada é comparável com situações anteriores. Este nosso processo, chamemos-lhe endógeno, concorre paralelamente com outro, ou outros. Os dois fundamentais, o fim dos incentivos de modernização da UE e o da globalização. Este último, "coincidindo" com uma alteração significativa para nós: o livre acesso dos produtos chineses aos mercados europeus. Que são (eram) os mesmos das nossas PME's. Falências e desemprego, principalmente no ninho nortenho, são consequências que já se previa virem a ocorrer no dealbar do século. Que a falta de "contingentação" nos sectores em que somos (éramos) mais fortes acelerou. Problema, também, do País que preferiu apostar nos fundos para distribuir, do que na protecção dos sectores cruciais para a sustentação da sua economia. «Apanhar porrada de todos os lados» é, agora, a palavra de ordem. A notícia que dá origem a este post, mesmo que levada a sério, seria um mero paliativo. E, como alguém aqui já o referiu, não será para levar a sério. Á boa maneira portuguesa...

certadaduvida disse...

Envelhecer bem ,há uns tempos atrás estava associado a uma benigna tranquilidade.Agora a um desassossego maligno.Será que esses senhores serão tão magnanimos,que aos 55 e ao entrarmos para uma próspera empresa,tb nos oferecerão o kit completo da caridade(p ex.bengala ,fraldas,placa dentária,eventual comparticipação para 1 intervenção cirurgica às "cataratas",etc)Entretanto vamo-nos habituando a estas cascatas e cachoeiras de "ideias"para impressionar os olhos do politicamente correcto.E que fazer da nossa lucidez que cada vez mais nos tenta para o abismo do doce demissionismo...?

Fora-de-Lei disse...

Manuel da Gaita 2:34 PM

"Ena pá, tanta coisa ainda por dizer."

Como por exemplo, as novas camisolas cor-de-rosa do Glorioso. Verdadeiramente preocupante. Por este andar, já só falta um camarote da Opus Gay em plena Catedral... ;-)

Manuel da Gaita disse...

Já viram o novo video de apresentação de um programa comunitário de apoio à exibição e distribuição de filmes europeus? eheheheh.... os polacos ficaram doidos. podem ver aqui

andorinha disse...

Boa tarde.

Qualquer medida que este governo pense implementar, cheira-me logo a esturro, por isso coloco-me ao lado das preocupações da CGTP.:)

Tendo lido agora os comentários, apenas me resta dizer que os subscrevo a todos, FDL, Irneh, Cêtê, Manuel...

"A notícia que dá origem a este post, mesmo que levada a sério, seria um mero paliativo. E, como alguém aqui já o referiu, não será para levar a sério. Á boa maneira portuguesa..."

Este comentário do Marx sintetiza também o que penso.

Cêtê,
:)
"Das duas uma: ou eu ando mesmo de má vontade com as propostas do Governo ou o professor é um crente! (isto porque estamos no seu café ;])."

Não serão as duas coisas juntas?:)
Falo também por mim já que a minha má vontade não deve ser inferior à tua:))))))
Quanto ao sistema educativo e suas consequências disseste tudo.

andorinha disse...

FDL,
Eu quero lá saber da cor das camisolas, embora não goste destas, confesso.
Quero é resultados e, se possível, boas exibições.

Manuel,
Os polacos ficaram doidos?
Ora essa! Porquê???????:)

Marx disse...

Manuel da Gaita,

Embora não sendo polaco, arrastei a sua dica para o meu blog. Obrigado.

Marx disse...

Voltando ao tema. Ontem, as TV's anunciaram haver «actualmente menos de 200 milhões de pobres no mundo». De acordo com um relatório da ONU, creio, e sem que me lembre do ano 0 do «actualmente». Ora, este é um tema que terá uma certa correlação com a notícia do post. Isto é, a globalização estará amudar os «termos de troca» até aqui existentes. Através essencialmente de uma coisa chamada «factor trabalho». Que, sendo mais barato noutras paragens, atrai maiores investimentos. Desde logo os mais intensivos em mão-de-obra. Ou seja, os párias deste mundo que nos faziam nós na garganta durante os jantares frente às TV's são, agora, nossos concorrentes. Que ajudamos a sobreviver, muitas vezes financiados pelas nossas campanhas humanitárias. A globalização, tem-nos vindo a libertar a um ritmo inesperadamente acelerado. Sem que haja necessidade de publicar um novo «O Capital» de Marx (o outro, o verdadeiro.) Por via desta «libertação pelo trabalho», também, estão a transferir muitos dos nossos 50's, bem como mais novos, para zonas cinzentas da sociedade. Alguém falou em Comédia? Mesmo que nada... Divina?

CêTê disse...

;] Esta é para o FDL (lol)

Anedota ainda quentinha do mail:
Um sujeito foi à Casa da Sorte e dirigiu-se à empregada dizendo que queria jogar na lotaria.
- Olhe, não tenho a menor ideia sobre quais números escolher para comprar uma cautela. Pode ajudar-me?
- Claro, respondeu ela, vamos lá. Durante quantos anos frequentou a escola?
-8.
- Perfeito, temos um 8. Quantos filhos tem?
- 2
- Óptimo, já temos um 8 e um 2. Quantos livros você já leu até hoje?
- 9.
- Certo, temos um 8, um 2 e um 9. Quantas vezes por mês faz amor com sua mulher?
- Caramba, isso é uma coisa muito pessoal!
- Mas você não quer ganhar na lotaria?
- Está bem, 2 vezes.
- Só? (É por isso que o Noise não muda de opinião- até nas anedotas)Bom, deixe pra lá. E agora que já temos confiança um com o outro, me diga quantas vezes você já deu o rabo?
- Qual é a sua? - diz o homem, zangado - sou muito macho!
- Não fique chateado. Não se ofenda, por amor de deus! Vamos considerar então zero vezes.
Com isso já temos todos os números: 82920.


O sujeito comprou o bilhete que correspondia ao número escolhido.

No dia seguinte foi conferir o resultado:

O bilhete premiado foi o 82921.

Comentário do sujeito- que só pode ser Benfiquista!lol:
Porra! Por causa de uma MENTIRINHA PARVA não fiquei milionário!

;)lol

Manuel da Gaita disse...

Andorinha:
Os polacos ficaram doidos porque são todos religiosos e têm dois gemeos doidos a mandar naquele país. os deputados polacos no parlamento andam às turras por causa deste video

andorinha disse...

Marx (5.47)
Excelente comentário.

Cêtê,
Loooooooooooooooooooool
Já conhecia, mas o FDL merece-a:)))))))))))))

Só uma pergunta: só pode ser benfiquista porquê?
Os portistas não mentem ou são todos gays?:))))))

Manuel,
Perguntei na brincadeira.
O que tem a religião a ver com o sexo?:))))))))
Os polacos são ainda bastante conservadores, eu sei.
Mas que gémeos doidos?
Não faço a mínima ideia de quem governa aquele país...

Os deputados andam à turras???
Se querem estar na Europa têm que gramar:)

yulunga disse...

Bom dia maralhal.

Pois é tudo muito bonito mas não acredito que funcione.
O Governo lança uma iniciativa destas, fica bem visto e não fez mais do que mandar um punhado de areia aos olhos de todos.
O Governo (este ou outro) não respeitam minimamente quem realmente quer trabalhar.
No texto diz Quem vai beneficiar são as empresas, que vão continuar a ter subsídios e, depois de extraírem os benefícios, acabam por despedir trabalhadores e ir à procura de outros, como já acontece com o programa de inserção de jovens, pois não há fiscalização nem acompanhamento dos programas
Esta falta de controle e acompanhamento não se passa só com a inserção de jovens. Passa-se também com um "magnifico" programa dos centros de emprego: POC - Programa Ocupacional. Inscrevemo-nos (ok é voluntario, ninguem nos obriga) porque estamos fartos de estar em casa a "viver" do subsidio de desemprego, somos chamados, somos colocados e depois pronto! Acaba aqui a intervenção do Estado. Nunca fui chamada ao centro de emprego a saber como esta a correr, nunca o centro de emprego me conseguiu uma entrevisteca de emprego que fosse. Por não nos querermos sentir parasitas não temos privilegios nenhuns.
Com a inserção de pessoal mais "entradote" vai suceder o mesmo.
Não acredito está bem? :-)

yulunga disse...

AHHHHHHH
Neste "maravilhoso" programa é-nos pago por mês por parte da entidade empregadora o subsidio de almoço (+/- 80/85€) e o passe social caso se necessite dele.
O Estado paga do bolso dele 20% mais do nosso subsidio de desemprego.
:-)

A Menina da Lua disse...

Tal como a CÊ TÊ mas ao contrário:) assiste-me a dúvida existencial:):Será que eu sou demasiado optimista ou existe muito desencanto por aqui?:)

Meus caros murcónicos o mundo actualmente apresenta sinais que nos apontam para a vida ser vivida ao momento... em contextualizações que já não se compadecem com modelos de passado mas tambem nem sequer se dislumbram referências para um futuro. Emergimos em realidades onde vale tudo; várias modas que se afirmam dasafectadas sem estarem contra ninguem...violências que se banalizam e vulgarizam nos media,e o consumo como estratégia e matéria de vida que preenche carências e vazios...

Trabalhar e segundo os modelos anteriormente vividos, será no futuro um previlégio e uma realidade que apenas calhará a alguns. Aí o desafio político será de garantir níveis de consumo às pessoas em geral que por sua vez vão permitindo manter o sistema...

Mas! os novos tempos tambem podem ser vistos como oportunidade de liberdade, onde a subjectividade do sonho, da imaginação e da criatividade se tornam a grande potencialidade da realização...

Perante um futuro que se me apresenta com alguma enevitabilidade, eu vejo nesta medida uma certa resistência que me agrada pessoalmente e principalmente a todos os desempregados que com ela possam vir a ser beneficiados...

Agora apetece-me parafrasear o Manuel da Gaita :"Velhos, novos, homens, mulheres, patrões e empregados estamos todos à deriva numa jangada de pedra... apenas lhe retiro o :"que se chama Portugal Sem rumo nem esperança"porque penso que somos todos, não apenas Portugal e quanto à esperança essa será a de cada um...

Laura disse...

Cheira-me que vamos atravessar tempos de desumanização pura e dura.
Aguentemo-nos à bronca...
Não me parece propriamente que deva ser como sindicalistas ferozes (isso só agrava a factura final para quem paga, que é como quem diz, o mexilhão...) mas como cidadãos vigilantes: acho que é a única forma que resta de exercermos a democracia. Os partidos... já deram.
Assim se lembrasse quem manda de encontrar fórmulas adaptadas a um país de pantanas, e não copiar o que outras economias mais sólidas
fizeram, mas noutro contexto.

Vale a pena ler o FSC no Público de ontem:

«...Por outras palavras, o crescimento económico, só por si, não traz a felicidade. Decerto que o subdesenvolvimento ainda menos. Mas não é razoável valorizar apenas as vantagens económicas sem ponderar custos de outra ordem...O fundamentalismo liberal é inaceitável, ao ignorar dimensões essenciais da pessoa. Mas o seu contrário não é mais razoável, pois finge não ver a realidade do mundo de concorrência global em que vivemos...
É um engano opor-se sistematicamente à precariedade de alguns vínculos laborais, quando tudo aponta nesse sentido para o futuro (mudança frequente de emprego e até de profissão, teletrabalho, horários flexíveis, etc.).»

Somos a geração que teve a sorte de viver na juventude o 25 de Abril, agora temos o reverso da moeda: vamos ser as vítimas da crise.
- Haveria "nexexidade" de chegarmos a isto? :):)

CêTê disse...

Andorinha, os Portistas vestem de AZUL&BRANCO e comem "fruta"!;p

vitoscano disse...

A Ideia é boa mas os novos é que se lixam pois os lugares estão ocupados.

thorazine disse...

Andorinha,
"Mas que gémeos doidos?"

O presidente de o primeiro ministro são irmãos gêmeos! Ambos subiram ao poder graças à campanha feita por uma rádio religiosa nacionalista. :|

thorazine disse...

"O presidente e o..." ;))

Fora-de-Lei disse...

CêTê 8:24 PM

Não comem nada. Oferecem-na para que sejam os outros a comê-la...!

CêTê disse...

FDL, Olhe que não, olhe que não!
O meu querido Pinto da Costa até ficou com Hipertensão!;p

thorazine disse...

É da Frutose.. ;))

Manuel da Gaita disse...

Só para vos incutir um pouco de inveja:
Amanhã é feriado em Coimbra! É aqui (em Coimbra) e nos EUA, e vai estar um excelente dia de sol, mas que não gozarei porque esta noite vou beber uns copos com os amigos e acordarei tarde e ressacado. Olharei para a janela, e pensarei que está um lindo dia de sol, bem bonito e que merece ser aproveitado na cama.
Mas estarei solidário convosco e quando for meio dia pensarei em vós e que o 4 de Julho é injusto porque calha a um dia de semana e não a um Domingo como o S. João.
Solidariamente voltar-me-ei para o outro lado da cama, e pesaroso pela vossa condição, dormirei mais meia hora, embora, embaraçado mas convicto, apesar de estar a ressonar que nem um porco, e V. Excias a trabalhar. Porém, o mundo está cheio de injustiças, e vós, injustiçados, labutais para que o país progrida!
Obrigado meus amigos. O país agradece o vosso esforço.
acho que vou fazer um post sobre isso no meu blog.

Manuel da Gaita disse...

Ó Irene:
És uma chata do caraças. Vais meter aquele comentário no meu humilde e pacifico blog? O que vale é que é apenas lido diariamente pela minha mulher, pela minha filha, pela minha sogra e por um senhor que diz que me conhece desde os seis anos de idade mas que não sei quem é. És pior que uma denunciadora pidesca e ainda me vais arranjar problemas!

andorinha disse...

Cêtê,
Comem "fruta"? Lá isso é verdade.
E dão a comer, como diz o FDL.

Thora,
Não fazia ideia:)
Um puto dar lições a uma profe...
Que vergonha!:))))

Concordo totalmente com o que diz a Laura, só mudaria o início do post, diria "Estamos a atravessar tempos de desumanização pura e dura."

Já estamos:(

JFR disse...

Não creio que se trate de uma tragédia silenciosa. Se é tragédia é, em muitos casos, tudo menos silenciosa. Quais as razões para, uma muito significativa, taxa de desemprego naquele escalão etário? Na minha opinião, as principais são as seguintes:

1 – O erro dos governantes de apostarem num país de serviços. Portugal com níveis muito elevados de iliteracia e graves deficiências educacionais não tinha condições para tal. Lentamente foi-se matando a indústria. Este sector foi-se reestruturando pelo encerramento de muitas empresas e a diminuição de dimensão de muitas outras. Por outro lado, a proliferação da informática determinou uma queda substancial de trabalho administrativo. Trabalho que, em muitos casos, não tinha qualquer valor e significado valorativo. O desemprego foi crescendo com pleno conhecimento – Governos, Empresas e Sindicatos - da principal técnica de reestruturação usada. Executá-lo pela forma mais barata, através de acordos com os trabalhadores que contemplavam – indemnização, subsídio de desemprego e posterior reforma. Quais os trabalhadores escolhidos? Os menos competentes? Não. Os que tivessem a idade ideal para aquele sistema funcionar, a custos mínimos: mais de 50 anos. Ideal 57. Mesmo que ainda estivessem aptos para a função.

2 – O erro dos governantes em malbaratar dinheiro através de apoios a investimentos irresponsavelmente controlados pelas entidades competentes. Apoio a programas de formação desadaptados das reais necessidades das empresas que deles beneficiavam e sem controlo pedagógico das entidades educacionais existentes – Universidades e Institutos. Qualquer bicho-careta com um diploma de formador (obtido, nas mais das vezes, de forma ridícula) era considerado apto para formar profissionais já adultos na sua actividade! Pobres professores – que de tantos anos precisam para se sentirem preparados - que viram nascer “colegas” como baratas em despensa quente. Resultado conhecido: muitas empresas investiram mal e fecharam. Muitos trabalhadores aprenderam pouco do que interessava e ficaram sempre no sopé da montanha tecnológica que entretanto foi crescendo a um ritmo muito elevado. Quando falo em tecnologia, não me refiro, apenas, a computadores, software, mas também a processos. Nestes reside, quase sempre, a melhoria da produtividade.

Tenho, como convicção, de que esta proposta do Governo será inócua, em função de:

a) Poucos trabalhadores, a receber subsídio de desemprego e com mais de 55 anos, estarão interessados em voltar ao trabalho. Aguardam, após aquele acabar, a sua reforma sem qualquer penalização ou com penalização mínima;

b) As empresas de uma maneira geral não estão disponíveis para absorver o que, com uma estratégia bem montada, empurraram até à porta;

c) Os sindicatos conhecedores e patrocinadores (mais não seja por omissão) do processo que “fabricou” esses desempregados só hipocritamente podem agora vir apoiar o seu contrário;

d) O Governo, faça-se justiça, terá gente inteligente no seu interior que sabe ser esta medida apenas um fait-divers, sem qualquer resultado prático. Destinada a esconder - enquanto nós portugueses nos vamos entretendo a comentá-la - alguma inoperância na melhoria real do nosso país.

É, pelo que refiro acima que não entendo ser uma tragédia e muito menos silenciosa. Neste caso as partes – todas – têm o mesmo interesse. Que o subsídio de desemprego continue a cumprir a sua função.

Ficarei muito satisfeito se, dentro de 4 anos (mais um do que o apoio concedido em isenção de segurança social), se concluir que estou errado e a medida não tiver sido inócua.

Nota: A palavra "governantes" que refiro acima engloba, Governo, Empresários e suas associações, Sindicalistas e suas confederações.

Julio Machado Vaz disse...

jfr,
Escrevi silenciosa porque a muitos deles já nem passa pela cabeça queixarem-se:(. Também eu não acredito na medida, nenhuma sociedade desprezou tanto os seus velhos como a nossa. Sob a capa de novas palavras: terceira idade, segunda metade da vida, idosos. Basta ver como os transformou em analfabetos informáticos, desprezando o vaor da experiência.

disse...

Antes de mais, parabéns pelo blog!
Gostei especialmente de algumas postagens em particular!

Convido-o a visitar e porque não adicionar à lista de links laterais do seu blog:

http://aguia-de-ouro.blogspot.com/

Obrigado!

andorinha disse...

Júlio,
Velhos????
Eu não considero que pessoas com 55 anos sejam velhas.
Com o aumento da longevidade algumas delas estarão pouco mais do que a meio da vida:)

Analfabetos informáticos alguns só o são se assim o quiserem.
Hoje em dia com tantos cursos de formação, não há motivo para as pessoas não se actualizarem.
É certo e sabido que nestes tempos de tão grande competitividade, quem não se actualiza perde o comboio.
Vê? Já não estou a por as "culpas" só no governo; também temos que assumir as nossas.

Até amanhã a todos.

Mãe&Advogada disse...

Perante medidas como esta, fico sempre dividida, no início :)

Por um lado, acho que entre os 25 e os 55 anos todos deviam - obrigatoriamente - poder trabalhar - se fosse essa a sua opção !

Não para sobreviver ! porque um Estado Moderno devia ter meios para dar o tal " mínimo cultural " de Werner, a todos !

Só assim,
será possível erradicar a pobreza extrema e as dependências entre seres humanos adultos!

Só assim,
as pessoas poderão optar livremente, pela família - sobretudo as mulheres, pela maternidade !

Até à idade adulta,
ninguém devia ser obrigado a trabalhar por necessidade desse "mínimo cultural" !

Por outro lado, toda a gente devia poder deixar de trabalhar, quando ainda tem saúde para gozar a vida -e penso que aos 55, era uma boa idade para deixar de trabalhar por obrigação !

Isto,

além de permitir que as pessoas tenham ainda uns bons anos de merecido descanso,

com a sua saída, os seus lugares ficam para os mais novos - que têm ainda toda uma vida de luta pela frente !

Serei sempre a favor da redução da obrigatoriedade de trabalhar para poder sobreviver ! seja em que idade for - sobretudo, por causa das dependências entre seres humanos adultos -

e não estando em causa a sobrevivência de ninguém,

a ter de se sacrificar o emprego de alguém - para se poder dar emprego a outros - é aos mais velhos que se deve pedir esse sacrifício !

Daí, eu dizer, que fico dividida

I. porque os desempregados em Portugal, independentemente da idade, lutam sem armas pela sua sobrevivência !

II. porque também as empresas, lutam desesperadamente pela sua sobrevivência, e aceitam tudo o que lhes dão, quais bóias de salvação;

III. porque também o Governo, luta para equilibrar as contas, tentando reduzir o tamanho do monstro...

Mas a verdade é que não acredito na eficácia destas medidas !

porque isto não é criar emprego !

é incentivar o jogo da cadeira ! e são meras esmolas por tempo limitado, às empresas !



Sem sacrifícios reais das pessoas, e sem incentivos reais às empresas, não será possível dar a volta a esta situação !

As empresas precisam de muito mais do que d'incentivos "contados" à contratação, que são autênticos presentes envenenados !

precisam sim, de taxas mais baixas de Imposto directo e indirecto ( o que não significa que paguem menos impostos ! pois produzindo mais, acabarão por pagar sempre mais )

precisam sim, de se libertar dos encargos insuportáveis da Segurança Social;

precisam sim, de apoios efectivos à formação permanente dos seus recursos humanos !

e precisam sim, de ver reconhecida, nacional e internacionalmente, a qualidade dos seus produtos e serviços !

Só um Estado rico - com uma economia rica - pode garantir que pessoas com mais de 55 anos, deixem os seus lugares aos mais novos ! sem perdas de rendimento ! compensando-os justamente pelo trabalho feito ! e dando-lhes até outras oportunidades de ocupação menos exigentes em termos de horários ! mas igualmente, gratificantes e reconhecidas pela Sociedade !

Pois do que as pessoas precisam, é de ser reconhecidas e compensadas elas próprias, e não de ver dar incentivos a quem lhes dá o trabalho que faz falta aos mais novos !

Finalmente, eu considero "idosos" p.ex. os meus clientes com mais de oitenta e cinco anos e nem todos(as) ! muitos deles revelam uma energia e uma lucidez que não encontro numa grande parte das pessoas de trinta e quarenta anos que conheço! é isto também, que me faz acreditar que a forma como estes idosos cresceram e viveram lhes deu esta vida toda, cheia de energia e lucidez até aos noventa e mais ! alguns deles tiveram entre seis e doze filhos ! nasceram e viveram sempre pobres ! mas isso não lhes retirou anos de vida nem a felicidade que carregam no brilho daquele olhar sorridente.

Há coisas na vida, que o dinheiro não paga, que o trabalho não dá ! e que as dificuldades não matam ! são essas coisas, que nos dão vida, energia e lucidez ! estas pessoas são a prova viva, disso mesmo !


E em meu entender, ao contrário do que se prega :)hoje em dia,

quanto mais tarde se começar a trabalhar e mais cedo se deixar de trabalhar e, quanto menos horas e dias se for obrigado a trabalhar entretanto, mais emprego haverá, mais riqueza será produzida,

mais felizes serão as nossas famílias, em especial as nossas crianças e jovens, e mais tempo de merecido descanso teremos todos na segunda parte da vida !

Mas para isso, será precisa uma "revolução" dentro de cada um de nós, que nos permita encontrar outras formas de realização pessoal, que não passem forçosamente pelo trabalho remunerado ! nem só, pelas coisas que o dinheiro pode comprar ! há mais vida para além disso !



Um muito Bom Dia a Todos !

Migmaia disse...

Bom dia,

É mais uma prova de pura cosmética, no que este Governo é exímio.

p.s. ainda estou para ver o resto do equipamento alterna(tivo) do SLB. Só vi a camisola, e estou curioso por saber se as meias serão rendadas, e se vão usar fio dental ou mini-saia...

Keops disse...

No mínimo...um esgar! Há cerca de dois anos ao abrigo de uma"lei" fui considerado "dispensável"(tenho mais de 55 anos) Agora,ao abrigo de uma nova lei...sou "reciclável"...mas o mais interessante é que os benefícios e incentivos serão com prejuízo de uma conta em crise, a da Segurança Social! (estas sábias medidas são demasiado para o meu pouco entendimento!!! (é por isso que não sou menbro do governo!)

andorinha disse...

Bom dia.

mâe&advogada,
Escreves sempre cada testamento que até me perco a esta hora da "madrugada":)

"Por um lado, acho que entre os 25 e os 55 anos todos deviam - obrigatoriamente - poder trabalhar - se fosse essa a sua opção !"

Todos deviam ter direito ao trabalho, ponto.
Se fosse essa a sua opção?????????
Então? Ficam a depender dos papás? As mulheres, dos maridos, é isso?
Já sabes que estas coisas me arrepiam, é mais forte do que eu!:)

E o trabalho envolve uma forte componente de realização pessoal, enriquecimento cultural e social a vários níveis, já que do outro é melhor não falar:)

Claro que nem sempre se faz o que se gosta, há trabalhos que se fazem por simples necessidade de sobrevivência, mas vai dizer a essas pessoas que ficam sem trabalho e vês a reacção.

"A ter de se sacrificar o emprego de alguém - para se poder dar emprego a outros - é aos mais velhos que se deve pedir esse sacrifício !"

Essa agora! Estou totalmente em desacordo. Aos "mais velhos" estão a ser pedidos imensos sacrifícios e agora eram pura e simplesmente escorraçados para darem lugar aos mais novos?:(
Os mais novos que façam pela vida, que sejam empreendedores, que arrisquem, que vão lá para fora, sei lá, há muita coisa que podem tentar fazer.
Não lhes vamos servir o futuro numa bandeja, era o que faltava!

E não considero, como já disse, que aos 55 anos se seja velho, existe toda uma vida pela frente que deve ser vivida ao máximo das potencialidades de cada um.


"Há coisas na vida, que o dinheiro não paga, que o trabalho não dá ! e que as dificuldades não matam ! são essas coisas, que nos dão vida, energia e lucidez !"

Não entendo como é que alguém nos dias de hoje pode fazer semelhante afirmação.
Claro que a vida não se esgota no trabalho, mas viver sem trabalho, com imensas dificuldades, ou seja, sobreviver e não mais do que isso é que nos dá energia e lucidez?!
Não entendo...

"...que nos permita encontrar outras formas de realização pessoal, que não passem forçosamente pelo trabalho remunerado ! nem só, pelas coisas que o dinheiro pode comprar ! há mais vida para além disso !"

Há, se tivermos pais ricos, se ganharmos o Euromilhões ou formos ao BES:)))

E pronto, aqui ficam as minhas reflexões matinais a este respeito.


Migmaia,
Comentários jocosos e depreciativos a respeito do Glorioso não são permitidos neste blog:)))

Mãe&Advogada disse...

Andorinha,

no actual quadro legal e de circunstâncias, concordo com quase todas as suas reflexões a este respeito :)

as afirmações que destacou do meu comment, só fazem sentido, com o tal mínimo cultural* garantido pelo Estado !

Pensava que isso tinha ficado claro :( no meu comment

e já agora fica o link e o artigo*:


http://www.invirtus.net/in/story.php?title=Receber-sem-trabalhar

"Receber 800 euros mensais sem trabalhar. É o que deveria auferir pelo menos toda a gente na Alemanha: desde o desempregado até ao director. E que trabalhe quem queira! Quem o defende é Götz W. Werner, o fundador da cadeia de drogarias alemã DM, com 1.600 lojas.

Há anos, Werner enche as salas de conferências com a sua proposta radical de introduzir um salário mínimo não vinculado ao trabalho retribuído. A ideia, que implica uma mudança paradigmática cultural, permitiria eliminar toda a burocracia social do Estado: desde as bolsas de estudo até ao seguro desemprego. Mesmo que seja difícil de levar a cabo - a experiência custaria um trilião de euros, segundo cálculos de peritos - Götz Werner conseguiu que o seu conceito seja analisado em todos os actuais debates sobre política trabalhista.

Empresário de sucesso, filósofo e professor da Universidade de Karlsruhe, Werner acaba de escrever um best seller em literatura económica, de fascinante leitura, sobre as suas teses pouco convencionais cheias de utopia social: uma pensão para todos.

Werner propõe financiar esta pensão universal com impostos ao consumo que considera 'o único encargo que é razoável e justo. Este imposto seria superior ao actual de 19% e poderia ir até 50%. '

Pergunta-me se sou um sonhador? Claro, certamente! Qualquer empresário que empreenda coisas teve um primeiro sonho: os seus primeiros planos e objectivos empresariais', afirma Werner.

Mas, 'não haveria mais um par de milhões de desempregados se todos recebêssemos dinheiro sem trabalhar?', perguntam-lhe nas conferências.

'Se todas as pessoas recebessem uma pensão mínima, não haveria desempregados. Deixa hoje alguém de trabalhar a partir de um salário mensal de 700 ou 800 euros? Não. Porque queremos permitir-nos mais coisas que as estritamente básicas ou necessárias', acrescenta.

Uma provocação? 'Os empresários são também cidadãos que olham à distância e observam se a sociedade cumpre ou não com o que promete. Por exemplo: se todos podemos viver dignamente'. Considera que enquanto a ajuda social 'apouca e tira confiança', um salário básico universal livraria da obrigação de trabalhar e animaria o risco e a iniciativa privada.

A pensão básica não é uma pensão mínima de sobrevivência, mas um mínimo cultural, um direito fundamental que estaria incluído na Constituição

Num momento em que os partidos da coligação no Governo competem na área social, Werner considera que a sociedade alemã que nunca foi tão rica como hoje, divide-se cada vez mais. Os números estão aí a dar-lhe razão. Um em cada cinco alemães trabalha na economia submersa. 1,3 milhões ganha, em horário completo, menos de 1.000 euros. 8% dos alemães e um em cada cinco cidadãos no leste da Alemanha vive em precariedade económico-trabalhista. Entre 10% e 15% das crianças e dos jovens são pobres. E a desigualdade aumenta.

A pensão que Werner propõe deveria possibilitar uma vida digna. Não se trata de um mínimo para sobreviver, mas do que Werner denomina como 'um mínimo cultural', um direito fundamental que deveria estar incluído na Constituição. "

suruka disse...

Boa tarde

Duvido que a media tenha sucesso.

O problema está na mentalidade
dos nossos empresários.

andorinha disse...

mãe&advogada,

"...as afirmações que destacou do meu comment, só fazem sentido, com o tal mínimo cultural* garantido pelo Estado !"

Destaquei essas porque foram aquelas que me suscitaram mais discordância e não por qualquer outra razão oculta:)))

Pergunto: onde e quando teremos aqui esse tal mínimo cultural garantido pelo estado?
Nunca.

Quanto ao artigo, o próprio Werner reconhece que o que propõe é uma utopia...não me parece que muito viável.

andorinha disse...

...não me parece que alguma vez venha a ser viável, melhor dizendo:)

Mãe&Advogada disse...

Andorinha,

para começar :) poder-se-ia pensar em 400 ou 600 euros !

e sem fazer as contas à despesa com as prestações sociais do Estado, bem como, com os da manutenção da estrutura e da própria burocracia associadas a esta função,

nunca saberemos, quão longe ainda estamos
e o que faltaria fazer para o alcançar !

No mais,

tudo o que temos hoje, já foi utopia um dia :))

andorinha disse...

mãe&advogada,

Continuo a achar tudo isso muito inviável, mas oxalá o tempo te dê razão e não a mim.:)

Unknown disse...

Viver sem trabalho?????

MAS QUEM É QUE CONSEGUE VIVER SEM RENDIMENTOS???

E SE AMULHER TB TEM DIFICULDADES, VIVE-SE DO QUE?»

PORTUGAL É SO MERDA, DAO EMPREGO A ESTRANGEIROS ASTUTOS E EMRDOSOS, QUE NAO TRABALHAM, ARRASTAM-SE E O PORTUGUES MORRE. SIM PORQUE SEM DINHEIRO NETSA MERDA DE PAIS, NAO SE CONSEGUE VIUVER.

PORTUGAL É UM BANDO DE CRIMINOSOS, QUE MAIS TARDE OU AMIS CEDO VAO APGAR O QUE ANDAM A FAZER-.

PORTUGAL É UM LOIXO, OS FUNCIOANRIOS PUBLICO, INCOMPETENTES E PORCOS, CHULOS DUM POVO É QUE GOVERNAM ESTA MNERDA.

VE-SE AO ESTADO QUE SITO CHEGOU,

Unknown disse...

VOU ROUBAR E DESTRUIR TUDO,. FILHOS DA PUTAAAA!!!!