domingo, janeiro 20, 2008

Relendo.

Releio-me e vejo que mudei. Também eu cultivo a palavra, intérprete privilegiada que é de sentimentos, raciocínios, fantasias. Privilegiada mas insuficiente, algo se perde no processo de exteriorização, discurso ou escrita ficam sempre aquém da realidade interna. (Não falo dos poetas, que dão às palavras um mote e as deixam inventar mundo próprio em que mergulham o deles.) Porque desde a primeira letra reconheço a inevitabilidade de maior ou menor derrota, emprego-as com parcimónia e rigor, tento mantê-las a salvo da interferência das emoções. Ele é diferente, não lhes pede contas, escreve poesia envergonhada.
Mas contagiosa..., releio-me e vejo que mudei - por entre neurónios e papel esgueirou-se muito coração:(.

70 comentários:

João Brito Sousa disse...

Meu caro DOutor,

Não sei se cabe aqui dizer, que trabalhei com o seu tio CARLOS FERREIRA na PAN AM em Lisboa, um grande mecânico de aviões.

Gostei do seu texto, muito bem escrito, porque o senhor é escritor e obriga-nos a reflectir.

Há os escritores e os que fazem o que podem .. como diz o António Lobo Antunes. O senhor é dos primeiros...

Um escritor, como diz Vergílio Ferreira, é aquele que nos faz pensar e que nos torna melhores seres hmanos.

Concorda?.
Aceite um abraço do

João Brito Sousa

Julio Machado Vaz disse...

Ou não fosse admirador do Vergílio! Obrigado pela referência a meu Tio, que é um homem admirável:). Abraço, Júlio.

Julio Machado Vaz disse...

Ou não fosse admirador do Vergílio! Obrigado pela referência a meu Tio, que é um homem admirável:). Abraço, Júlio.

non! mon amour! disse...

"Há os escritores e os que fazem o que podem .. como diz o António Lobo Antunes. O senhor é dos primeiros...

Um escritor, como diz Vergílio Ferreira, é aquele que nos faz pensar e que nos torna melhores seres hmanos." JBS

Pois é, e ainda lamenta que o coração :) o queira acompanhar nessa missão ~~

como é que pode ???

:)

andorinha disse...

Boa noite.

Estes são, para mim, os melhores posts, os que são escritos por si, nessa sua "poesia envergonhada":)

De escrevinhador não tem nada, de escritor tem tudo:)

"...por entre neurónios e papel esgueirou-se muito coração."

Felizmente!
Abençoado contágio:)

Fragmentos Culturais disse...

Concordo consigo! A palavra ficará sempre muito aquém do que vai no coração de cada um!

Os grandes escritores inventam-nas na plenitude porque raramente falar de suas emoções mais intimistas, apenas tentam aproximar-se dos sentimentos que podem desplotar nos outros.

Peço desculpa de não poder utilizar como termo de comparação Vergílio ou Lobo Antunes [também eu prefiro o primeiro e tanto!!]
Mas sei que transmite algo ao escrever, talvez por ter andado sempre muito perto da literatura... isso é inegável!

É sempre um prazer lê-lo neste seu espaço!

Uma excelente semana para si!

yes! my love! disse...

Quando descobri o Murcon, descobri também a Stella Matutina ~~

não sei o que têm em comum mas tem dias em que ao abri-los ao lê-los e ouvi-los me tiram as palavras da boca ~~ dias como, o hoje ~~

http://stellamatutina2007.blogspot.com/

abraço grato a ambos!

cabecinhapensadora disse...

"O milagre começa aí, na terna vibração do evocar. Mas onde ele se acentua é no sentirmos essa imagem como um incerto e estranho modo de a viver, de estarmos lá sem o futuro que houve depois, sentindo em nós o que então sentíamos." Ou ainda "não morras, existe. Para continuar a haver razão em eu existir" Vergílio Ferreira, escrever
Essa que tu és no penúltimo post, não me interessa, Maria. Fico com a outra. Há uma escolha de tudo.

yes! my love! disse...

~~ dias como, o de hoje ~~ queria eu dizer ~~

Fora-de-Lei disse...

Eu acho até que o Professor, qual Henry Miller, ainda vai ficar na história devido a textos do estilo daquele que surgiu no seu último "intermezzo"... ;-)

CêTê disse...

"tento mantê-las a salvo da interferência das emoções"- a sua profissão exige-o.


"por entre neurónios e papel esgueirou-se muito coração"- a exposição torna-nos frágeis e a emoção/razão dançam em espelho, na vida, muitas vezes- em contradança! A razão e a aprendizagem guiam a mão ao escrever...

Mas não pense que não se sente o pulsar do músculo!;P

andorinha disse...

Boa tarde.

FDL,

Bons olhos te leiam, pá!
A Sirk está com gripe, mas não te preocupes que o vírus não se transmite via net...:)))

Quanto ao teu comment é tipicamente teu...e está tudo dito:)

Cêtê,
"tento mantê-las a salvo da interferência das emoções"- a sua profissão exige-o."

???????
Na escrita?
Não te entendo, moça:)

Quanto ao resto, subscrevo.

Su disse...

eheheheh gostei de ler

jocas maradas de palavras..tantas

CêTê disse...

Acho que adquirimos vícios, tiques, hábitos da ou das profissões que exercemos. (Os tropas caminham de uma forma diferente, mesmo quando não estão fardados, nunca reparaste? ;P tens de reparar... é melhor observá-los quando de costas se não ainda te violam!LOOOOOl;))))))))))))))))
Então... julgo que um psi tenha de evitar envolver-se no acompanhamento dos seus (im)pacientes. Os diagnósticos serão frios. Acho eu. Muito embora já todos tenhamos reparado na encantamento com que o professor relata casos que acompanhou (ainda que mude de sexo e de nome, local, etc)
;P
Sei lá, eu?

vacamalhada disse...

Tsc tsc...
Não é preciso ser psiquiatra para adivinhar que uma sede de elogios (mesmo que inconsciente... vá), foi o motivo desta reflexão auto-complacente...

Ok. Pelo menos os elogios são merecidíssimos. Todos.

Mas páre lá de se armar em "que fraquinho que eu sou", que já não tem idade para essas coisas!

Beijos
;)

andorinha disse...

Cêtê,
Concordo, adquirimos vícios, tiques das nossas profissões.
E quanto a psis também concordo.
Mas o Júlio aqui não é um psi por isso não vejo por que deveria conter as emoções.
Seria uma limitação e empobreceria a escrita, mas isto sou eu a ruminar:)

Quanto aos tropas, quem sabe se eu não gostaria de ser violada por um?
Pode ser uma das minhas fantasias:))) Loooooooooooooool

Até amanhã, malta.

Lord of Erewhon disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lord of Erewhon disse...

Homessa! as coisas com que você se preocupa! :)

«Não falo dos poetas, que dão às palavras um mote e as deixam inventar mundo próprio em que mergulham o deles» [...] «emprego-as com parcimónia e rigor, tento mantê-las a salvo da interferência das emoções»

???? Mergulham, pois, esse magma emocional é a poesia, mas é também a prosa. Mantê-las a salvo? Não troque as tintas... é você que se quer manter a salvo. Mas do quê, meu caro? Matou alguém? :)

E nem vale a pena preocupar-se com nada disso, do que diz e do que não consegue dizer, do que quereria ter dito e não disse, porque no que se perde estaremos sempre nós... E essa é a nossa maior grandeza e o maior sinal da nossa humanidade! Perdemo-nos, perdem-nos as palavras - e recomeçamos, sempre, sempre.

Já sonhei textos que acreditei me dariam a imortalidade, acordei e não me lembrava dum caralho! Já escrevi merdas em guardanapos de café, que depois perdi bêbado pelo caminho - e eram coisas muito boas! E depois ainda temos o fervilhar criativo demasiado rápido para a memória, a mão e o papel!

Que glória há na perda!

Deixe-se disso, eu sei que o frio dá cabo dum gajo... e aquele outro frio que vem de dentro de nós e dos outros... Etc.

Sente-se aí na beira do meu divã... mas não diga nada. O silêncio é uma terapia antiga, existe de antes do ser e da miríade de estrelas.

Abraço.

cabecinhapensadora disse...

"O silêncio é uma terapia antiga". Bem dito. Se for cheio de palavras e do que elas querem dizer e não dizem; quer dizer, também serve para comunicar. Toda a reflexão tem um fim, a comunicação. Fuga ao vácuo e ao caos.

ferdo disse...

Premita-me discordar!

Mas o coração cresce e não se vê!

Sente-se!!

Os simbolos...são coisa... incompátivelmente crescente em relação à outra... ao Sentir do Coração...uma vive tentando manifestar-se numa densidade extraordinária...outra Vive e É!

Perdidos, sem saber medir a verticalidade do tempo...é assim que nos achamos perdidos num Coração Maior que nós mesmos!

andorinha disse...

Boa tarde.

Gostei muito do comentário do Lord, no seu estilo muito peculiar.

"...do que quereria ter dito e não disse, porque no que se perde estaremos sempre nós... E essa é a nossa maior grandeza e o maior sinal da nossa humanidade! Perdemo-nos, perdem-nos as palavras - e recomeçamos, sempre, sempre."

Sublinho este excerto. É belo e, para além disso, bem verdadeiro.

A disse...

Creio ser apropriado comentar com um poema que poderia ser um belo mote para dissertar.

"Não sei se a rede que nabokov usava
para caçar borboletas era a mesma
que usava para caçar lolitas.

Mas entre lolitas e borboletas, nabokov
caçava as cores do campo onde as lolitas
perseguiam as borboletas.

E na colecção de borboletas de nabokov
ainda se podem ver todas as cores do campo,
e uma lolita esquecida."

by Nuno Júdice

lobices disse...

...a palavra é uma ferramenta que lamenta não poder transmitir o que o coração dita...
...nessa desdita, o coração grita e a palavra, por vezes, treme mas não desiste, insiste e se o poeta a inventa é apenas porque ela, a palavra, o tenta e ele a enfrenta sem tentar perceber se é ele ou o seu coração e ditar esse escrevinhar...
...mas nunca, nunca se esgueira!...

fiiury disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
so_she_says disse...

"O que é bonito neste mundo, e anima,
É ver que na vindima
De cada sonho
Fica a cepa a sonhar outra aventura…
E que a doçura
Que se não prova
Se transfigura
Numa doçura
Muito mais pura
E muito mais nova…"

(Miguel Torga)

cabecinhapensadora disse...

Torga e o eterno dele: as palavras. E nelas, a coincidência poética entre querer e dizer. É verdade Sophia, os poetas são "antenas a captar a realidade".

oui! mon amour! disse...

" (...) emprego-as com parcimónia e rigor, tento mantê-las a salvo da interferência das emoções." JMV

Entre o tentar e o fazer, pode ir uma grande distância, e tudo pode acontecer :) é a mais pura verdade ~~

" (...) Ele é diferente, não lhes pede contas, escreve poesia envergonhada. Mas contagiosa..., releio-me e vejo que mudei - por entre neurónios e papel esgueirou-se muito coração:(." JMV

Concordo plenamente, a dimensão emocional :) de seus últimos postes ;) revela em certo priapismo cardíaco contraído :) mui (?) recentemente~~

sua preocupação implícita em lamúria :) :) é por isso, mui :)fundada ~~

com um coração assim, tão eréctil, ainda acaba matando de overdose orgásmica :) um ou até mais coraçõezinhos desprevenidos~~

Muita sorte para os tratamentos :) e um abraço mui optimista ~~

BijouxKa disse...

:o)

CêTê disse...

- ........................................................................................................


Boa noite!;)

fiiury disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
oui! mon amour! disse...

"Concordo plenamente, a dimensão emocional :) de seus últimos postes ;) revela em certo priapismo cardíaco contraído :) mui (?) recentemente~~ sua preocupação implícita em lamúria :) :) é por isso, mui :)fundada ~~"

Em cima, onde escrevi " revela em certo priapismo" queria escrever " revela um certo priapismo" ; só hoje voltei a ler e reparei no lapso! sorry!

gaivota disse...

o coração vai-se esgueirando, por entre neurónios, papel, por aí...
ao sabor da vida, do que ela nos oferece
e todos se vão mudando, sempre de acordo com a batuta da maestrina-vida

Ana Luísa disse...

Bem sei que nada tem a ver com o blog mas foi a forma mais rápida que encontrei de comunicar com o Professor.
Parabéns pelo "Amor é" de hoje... Garanto que se muitas mães o tivesse ouvido poupariam anos de dúvidas existencias e angústias em relação aos filhos... Quanto a mim, foi a melhor 'terapia' que me podia ter 'dado'...
Para que outras mães possam sentir o mesmo, fiz um 'post' sobre este assunto e o vosso programa.
Cumprimentos de quem os ouve todos os dias :)

Olhar disse...

"...releio-me e vejo que mudei - por entre neurónios e papel esgueirou-se muito coração:(."

Gostaria de saber, Professor, se possível...,:) porque é que o entristece o facto?

Mãe&Advogada disse...

"isto está a ficar muito "puxado":)))"

Fiiury,
quando isso acontece, aqui como em qualquer lugar, é só deixar a chuva passar ~~

:)

http://www.youtube.com/watch?v=eBfu8f5pesM

Fora-de-Lei disse...

andorinha 12:21 AM

"Quanto aos tropas, quem sabe se eu não gostaria de ser violada por um? Pode ser uma das minhas fantasias..."

Em frente, marche!

thorazine disse...

you are welcome to elsinore

Entre nós e as palavras há metal fundente
entre nós e as palavras há hélices que andam
e podem dar-nos morte violar-nos tirar
do mais fundo de nós o mais útil segredo
entre nós e as palavras há perfis ardentes
espaços cheios de gente de costas
altas flores venenosas portas por abrir
e escadas e ponteiros e crianças sentadas
à espera do seu tempo e do seu precipício

Ao longo da muralha que habitamos
há palavras de vida há palavras de morte
há palavras imensas, que esperam por nós
e outras, frágeis, que deixaram de esperar
há palavras acesas como barcos
e há palavras homens, palavras que guardam
o seu segredo e a sua posição

Entre nós e as palavras, surdamente,
as mãos e as paredes de Elsenor
E há palavras nocturnas palavras gemidos
palavras que nos sobem ilegíveis à boca
palavras diamantes palavras nunca escritas
palavras impossíveis de escrever
por não termos connosco cordas de violinos
nem todo o sangue do mundo nem todo o amplexo do ar
e os braços dos amantes escrevem muito alto
muito além do azul onde oxidados morrem
palavras maternais só sombra só soluço
só espasmo só amor só solidão desfeita

Entre nós e as palavras, os emparedados
e entre nós e as palavras, o nosso dever falar

Mário Cesariny

PS - "...palavras impossíveis de escrever
por não termos connosco cordas de violinos.."

PILAR disse...

Pois é ...parece mesmo que qualquer coisa da mensagem se perde quando o veículo são as palavras. Se calhar fica sentimento pelo caminho...Mas há aquelas que divinamente organizadas,fazem surgir numa parte incerta de nós emoções desconhecidas!Quando as palavras me tocam, eu porque me sinto enriquecer,guardando em mim mais um Tesouro, AGRADEÇO!

Olhar disse...

A quem interessar...

Emir Kusturica and the No Smoking Orchestra».

Dia 25 Coliseu Porto
Dia 26 Coliseu Lisboa

A preço de saldo...

Ticket 5,00 Euros:))))

andorinha disse...

Boa tarde.

FDL(11.23)

Quando me citares, fáxabor de me citares na totalidade, smileys incluídos:)

E desde quando preciso da tua autorização para fazer seja o que for?:)))) Loooooool

Thora(1.129

Gostei. E assim se comprova, mais uma vez, que tens muito mais juízo que o FDL.

:)

Nuno Guimas disse...

O papel fez-se para suportar a tinta; o coração fez-se para suportar a nossa vida e, em sentido figurado, as emoções. Para quê complicar? Não é uma sequência de simbolos escritos num papel que faz uma emoção, é o modo como olhando para nós mesmos, para os nossos medos, anseios, paixões, mágoas, etc, interpretamos o que está lá escrito. Nunca podemos sentir o mesmo ao ler algo mesmo que tenhamos sido nós a escrevê-lo. Em termos emocionais, o nosso espaço é constituido por inifinitas dimensões cujas coordenadas nunca se repetem.

thorazine disse...

olhar,
5€?????????? Onde viste isso?

thorazine disse...

FDL,
se fosse a Merche não me importava nada de ser troooopa!!! :D

Olhar disse...

Thora...
No JN On-line de hoje
Aqui:

http://jn.sapo.pt/2008/01/25/cultura/um_cocktail_explosivo.html

Mas, como vc desconfiou..., eu, na dúvida, fui noutro sítio confirmar...
E, não há dúvida! Era de desconfiar..., pois era...
Mas ´são apenas mais 22,00 Euritos:))))

thorazine disse...

olhar,
se fosse uma promoção de 5€ era super hiper mega ri-fixe (e não duvidava nada que o freak do kusturika tivesse um esquema desses)...mas era muito mau para quem já tinha "inchado" os 27.. :)

Troco um bilhete para The cure (categoria 1 - 165€) por um camarote para o Kusturica logo à noite!! LOL

CêTê disse...

MALTA! UM DE NÓS ESTÁ A CALCAR O TUBO DE OXIGÉNIO DO PROFESSOR. VAMOS LÁ A LEVANTAR AS PATITAS...


;)

bom fds

andorinha disse...

Thora(3.49)

Então eu fiz-te um elogio e tu alias-te ao FDL?
Nunca vou entender essa cumplicidade masculina....

:)

Su disse...

noc..noc.....prof....está desse lado?????

jocas maradas...sempre

Ricardo S. Reis dos Santos disse...

Seria tão bom dizer tudo aquilo que tenho para dizer apenas com o silêncio do meu corpo e o fogo do meu espírito! Aliás, bom demais para ser verdade.

Ricardo S. Reis dos Santos disse...

"Vazia e calma e livre de si
É a natureza das coisas.
Nenhum ser individual
Na realidade existe.
Não há fim nem princípio,
Nem meio.
Tudo é ilusão,
Como numa visão ou num sonho.
Todos os seres vivos
Estão para além do mundo das palavras.
A sua natureza última, pura e verdadeira,
É como a infinidade do espaço."

(Mantra Sagrado de Buda sobre a essência de tudo...)

Su disse...

prof..eu já decorei este texto.........enfim..........

esgueirou.se,,,,,,,,,,,,,,

jocas maradas

blogico disse...

e não é que a inquisidora ficou sem resposta?...

Klatuu o embuçado disse...

Então, estamos entupidos? Nem sei qual é a maior doença da inteligência: se o sentimento, se o pensamento - a mistura sem mando de ambos? A fractura?

Coma uma francesinha picante e passe por cá, que estou a servir meninas de cu para o ar na sobremesa! :)

Abraço.

Klatuu o embuçado disse...

P. S. Agora vou meditar sobre o meu mantra de Arraiolos! JAJAJAJAJAJAJAJAJAJAJAJAJA!!!

Klatuu o embuçado disse...

P. P. S. Mas não sem antes lhe deixar uma sugestão de leitura: Nova Águia - de amigos... se esquecer as mitosofias de alguidar e alguns chiliques e diarreias de direita cultural serôdia, encontrará coisas de interesse. Depois sairá Revista, com um critério mais apertado, espero bem.

Mãe&Advogada disse...

"e não é que a inquisidora ficou sem resposta?..."

Blogico,

também já tinha reparado :)

por vezes o silêncio é a melhor das respostas!

Ontem, à noite, no TMG ( Teatro Municipal da Guarda )

já não sei em que encore, ouvi este

"silêncio" de um "não sei que dizer" ~~

" O silêncio
deixa-me ileso
e que importância tem?
se assim
tu vês em mim
alguém melhor que alguém
sei que minto
pois o que sinto
não é diferente de ti
não cedo
este segredo
é frágil e é meu
eu não sei tanto sobre tanta coisa
que às vezes tenho medo
de dizer aquelas coisas
que fazem chorar
quem te disse coisas tristes
não era igual a mim
sim eu sei que choro
mas eu posso
querer diferente para ti
eu não sei tanto sobre tanta coisa
que às vezes tenho medo
de dizer aquelas coisas
que fazem chorar
e não me perguntes nada
eu não sei dizer "

que diz mais do que mil palavras !

CêTê disse...

Eu já estou preparada para (quase) tudo!;P

Já nem me vou espantar se o professor regressar contando que foi raptado por umas fulanas esculturais esverdeadas e que seguiu uma luz e assim...;P

fiiury disse...

cêtê
ou estará a dar uns passeios com a bela maria. de qualquer modo se estiver com falta de ar esperemos que não se lembre de ligar para os bombeiros:))))))))

yulunga disse...

Bom dia maralhal.

Gosto de Cezariny.
Obrigadinha, Thorazine.


Ricardo S. Reis dos Santos
Ainda bem que voltaste.
Este blog está a precisar de "cabeças" novas e a tua não me pareceu nada má.

non! mon amour! disse...

"Coma uma francesinha picante e passe por cá, que estou a servir meninas de cu para o ar na sobremesa! :)"

Pobres meninas, Klatuu,
se a ASAE comparece - ou será (?) se uma espécie de " pide " dos costumes e dos sabores :) no dialecto de Mendes Bota - comparece?

andorinha disse...

Boa noite.

Cêtê,

Tu tens uma imaginação diabólica:)
És tu e o FDL...Loooooool

Já li, reli e treli e quero um post novo:)

Uma semana é demasiado tempo sem as suas ruminações....

andorinha disse...

Malta, vamos pedir o livro de reclamações?

:)))

joao de miranda m. disse...

(Não falo dos poetas, que dão às palavras um mote e as deixam inventar mundo próprio em que mergulham o deles.)

É. Os poetas parecem viver dentro de um mundo que as palavras criaram para os aprisionar. E essas palavras não eram deles, já existiam antes deles e sobrevir-lhes-ão, indómitas. O poeta não tem querer. É, mas não manda nisso.

thorazine disse...

Yully,
nada a obrigadar!

Sugestão: acabou de começar o filme Gandhi na RTP1! :)) Não me farto de ver..

Laura disse...

Mmmmm, Professor!
Já sei que em Março estará por Coimbra.

(E pelo meio... o Botânico, como já sugerira)

WELL DONE!
Quero dizer: WELCOME!

CD disse...

"releio-me e vejo que mudei - por entre neurónios e papel esgueirou-se muito coração"

O "coming of age" aparece em várias alturas da vida, não apenas na adolescência.

Palucha disse...

Julio

Venho aqui impulsivamente dizer-lhe que estou a ler o seu livro "olhos nos olhos", que é a primeira vez que leio algo seu e que fiquei apaixonadissima pela sua escrita solta, criativa e pura.
Com ela me identifiquei e confesso que com ele me senti pequenina perante os meus pequenos escritos.
Um grande abraço de mais uma admiradora sua
Palucha Perdigao

nelia disse...

"...por entre os neurónios e o papel esgueirou-se muito coração" e ainda bem que assim é. É bonito.
Quando por acaso escrevo (das poucas vezes que o faço), também se me esgueira muito coração. E é só assim que eu entendo a escrita, como um desnudar da "alma", do eu interior, das emoções, dos sentimentos, das experiências.
Todos mudamos todos os dias e só às vezes nos apercebemos disso.
Mudanças tão grandes e abruptas que quase não nos reconhecemos quando olhamos p'ra dentro de nós, porque nunca nos imaginámos tão mudados. Mudanças muitas vezes dolorosas, outras nem por isso, mas que arrastam consigo crescimento do nosso eu e novas aprendizagens de vida.
Continue a escrever, assim, do mesmo jeito, um jeito doce que me arrasta e envolve nas palavras.
Descobri o blog do "Murcon" há muito pouco tempo e gosto.
Gosto muito.
Aguardo com impaciência a próxima "escrita".
Timmie.

thorazine disse...

Visto o aumento exponencial do consumo de metanfetaminas por parte das donas de casa amaricanas foi desenvolvido um genérico direccionado:

http://youtube.com/watch?v=PHGE7bO6Mg8

PS - http://videos.sapo.pt/Jqim3j5WTIg9lCb2lpf4 :))))

yes! my love! disse...

há tanto tempo Se relendo, não teme a metamorfose de Dali ?

http://www.spiner.com.br/galeria/displayimage.php?pos=-8