segunda-feira, março 07, 2005

Cassandra Wilson

"You don't know what love is". Mas quem assim canta sabe de certeza!

Frase do dia - "- A tua teologia diz isso?
- Não sei se o diz ou não, mas sei o que devo pensar. Tire o senhor o diabo do mundo e verá que nada melhora". Ballester, Don Juan.

E tuso se torna mais chato, acrescentaria eu...

14 comentários:

Dora disse...

O diabo, enquanto símbolo do que pode ferir a sociedade é funcional.
Será lúdico? Talvez... :-)

bin_tex disse...

O diabo ou não, não sei, mas um dia viveremos num mundo melhor.

jotakapa disse...

Juntar no mesmo post o amor e o diabo não é totalmente despropositado! :)
Há diabruras deliciosas que acontecem nos amores intensos!

Luis Moutinho disse...

Uma delícia esse Don Juan do Torrente Ballester.
Obrigado pela recordatória. Acho que o vou reler...

Elisa disse...

Gosto muito da Cassandra Wilson, mas posso sugerir outras versões do You don't know what love is? um pouco mais sublimes? Art Blackey por exemplo, um saxofone de arrepiar... ou mesmo as várias versões do Coltrane ou ainda a Billie? A Cassandra não se importa com certeza que se prefiram outras versões... «e eu que nunca principio nem acabo, nasci do amor que há entre deus e o diabo». Voilá

O Bom Selvagem disse...

Ora, o Professor diz isso porque é a personificação do chifrudo. Pois sim, um homem que nunca tem um conselho lapidar em prol do sagrado matrimónio, que relativiza sempre o compromisso moral e ético inerente ao casamento. Eu fico sempre profundamente deprimido quando o oiço. Alguém escreve a dizer que engana a mulher e tal e ele, o Professor, diz «pois, é compreensível, é errado, mas é compreensível e humano, já vi muitos casos assim na minhas consultas». Ora isto é mau porque eu vou com a minha namorada no carro e ouvimos os dois isto e depois eu tenho de lhe pedir desculpa por uma coisa que ainda não fiz e nem sequer pensei em fazer. Eu gostava que um dia ele se mostrasse menos céptico em relação à monogamia. Por favor.
Eu sei que podia ouvir antes a RR mas....

Bastet disse...

Ah, pois é! O diabo serve muitas vezes de bode expiatório. E se alguém tem de cumprir essa função que seja ele, provavelmente o único conhecedor da verdade e da mentira do amor.

blimunda disse...

repare bem que no fim nem sequer disse tudo!... eheheheheh coisas que o diabo tece!...

Panasca-Mor disse...

Por falar em Cassandra Wilson, a sua versão de "Águas de Março" no recém-lançado "Blue Note plays Jobim" é de ouvir e chorar por mais. Sugiro ao vizinho Murcon que seja a banda-sonora deste mês. *piscar de olho*

Welcome a bord, JMV. Que este pasquim online seja (também, e porque naum) um "difícil amor". :=)

Bejos.

lena disse...

interessante o lapso do prof

"tudo" por "tuso"


ihih ;D

Lenine disse...

Que gente convencida!!!!!!!!!! Ouçam mas é o Tony Carreira. Estejam ao lado do povo.

Alexandra disse...

Perguntar não ofende (digo eu):
A troca de "tudo" por "tuso" não será um "freudian slip"?
O Senhor é que o Psi (not me)...
:)

dK disse...

Sem o diabo, é como se ficassemos sem os cinco sentidos... Eles serviriam para pouca coisa! ;)

João Pedro Barbosa disse...

O Nativo Prometeu O Buda Ao Hindu
O Buda Prometeu O Hindu Ao Maomé
O Hindu Prometeu O Maomé Ao Moisés
O Maomé Prometeu O Moisés Ao Cristo
O Moisés Prometeu O Cristo Ao Nativo