terça-feira, março 08, 2005

Pânico:)

Os netos transformando a minha cama ora em baliza de futebol, ora em cama elástica. Eu e o João fascinados por tanta energia, deliciosamente emoldurada por risos que ninguém julgaria efémeros. E de repente o Tiago em voo demasiado ambicioso, que o levou de cabeça ao chão e não à trave. O pânico de avô e tio. O choro com três raízes: dor, susto e orgulho ferido. As mentiras do costume, "isso já passa", "não foi nada", "dou-te um beijo e ficas bom". O drama sem fim à vista, a olhos vistos cresceu o galo. Pensamentos catastróficos, e se... Olhos fixos, o choro já hesitante, o indicador tirânico: "quéquilo?". O meu neto mais novo acabara de descobrir outra pepita na mina ainda pouco explorada que é a casa do avô. E desceu do colo, transformado em irritante empecilho para as suas viagens. O galo acompanhou-o, obediente.
Uf!

32 comentários:

Softy Susana disse...

:)

crack disse...

Soberbo!
Como, em tão poucas palavras, está lá tudo!

Papá Urso disse...

o meu filho fez o primeiro galo, daqueles chefes de capoeira e as consequencias foram bem diferentes de mim para a minha mulher.

a minha mulher não o pode ver desiquilibrar-se, ou cair que vai a correr em pânico ver se ele está bem, eu, depois daquele galo já nada me assusta e ele quando está comigo nem choraminga quando cai, levanta-se e continua a brincar!

mas que custa... lá isso custa.

Bastet disse...

A facilidade de recuperação das crianças é fascinante. Algures perdemo-la e ainda dizemos que somos adultos. Estas sim, são as verdadeiras mentiras :)

Alexandra disse...

Tanta ternura, em tão poucas linhas, comoveu-me.

Belissimo !

lobices disse...

...é um dos meus lamentos: não poder brincar com os meus netos...
abraço Júlio

grzl disse...

aposto que neto tão "descomplicado" não vai precisar nunca dos conselhos profissionais do avô. bem haja!
um abraço

Cristina disse...

E tudo acabou em bem :-)

Marcynha disse...

Descobri este sitio agora, nunca é tarde :)
E esta história encheu-me de ternura. As hormonas da maternidade já borbulham com algum fervor e as experiências com os mais pequenos fazem-me derreter como manteiga!

Gotinha disse...

O meu pimpolho (vulgo KomiKaga) de 20 meses no domingo bateu com os dentes na esquina de um móvel... o meu coração deu um salto e caiu ao chão ao ver a boca cheia de sangue. Depois de um choro lancinante e de uns miminhos ao colinho já corria pela casa em direcção a outras esquinas. O coração das mães, pais e avós é grande!!!
:-)

sofia disse...

Sinto-me como se tivesse acabado de descobrir um tesouro. Fascinante!:)

O Bom Selvagem disse...

A exteriorização da agressão e do trauma não é apenas comportamental, é também fisiológica: veja-se como são os galos dos míudos. Enormes! É como se o corpo e a mente rejeitassem a dor em uníssono de lágrimas, gritos, galos e sangue.
Quando crescem e ficam adultos choram menos quando se magoam. E não têm galos. Raramente se esfolam. E assim têm mais neuroses e fazem fila à porta do Professor para deitar tudo cá para fora outra vez.

PARTILHAS disse...

Gelo, Sr. Dr. Gelo...
Assim do tipo 30 segundos, 1 minuto intervalo. + 30 segundos...
Não há galo que vença

jotakapa disse...

É só energia... com um pouco de mimo para carregar as baterias e lá estão eles de novo preparados para conquistar o mundo!

Didas disse...

Está super, adorei ler :-)

Catty disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Ze da Penalva disse...

Férias no Algarve.
Um galo enorme na testa do puto, fez-me correr para a farmácia com ele ao colo.
Já pôs "GEL"?
Porque raio ia por Gel no galo?
Afinal o que eu não entendia era algarvio, era "gêlo" que a senhora dizia.

Corpos e almas disse...

Que boa descoberta, prenda de uma amiga...
...já guardei nos favoritos ;-)

FDV disse...

com ou sem galo, sempre na crista da onda. os putos.

os melhores cumprimentos.

Lyra disse...

:-)

cris disse...

'Estes' bebés parecem de borracha! Por que raio deixamos de ser assim e começamos a cair a sério? Caramba, era melhor antes. Digo eu.

katraponga disse...

Há uns dias vi um miúdo de cerca de três anos dar uma cabeçada numa porta de vidro de uma loja, não se apercebendo que havia sequer uma porta. A sua reacção ao início foi de incredulidade, depois um quase-riso, ao olhar para mim através do vidro. Mas quando os pais o alcançaram, em pânico e preocupados, procurando alguma ferida ou galo, logo rompeu em choro e lágrimas convulsivas, esquecendo-se da cúmplice testemunha que o mirava do outro lado da porta.


www.katraponga.weblog.com.pt

JRD disse...

O futuro adepto do Glorioso está a iniciar o inevitável périplo, por tudo quanto é esquina e canto, no "estádio" do Avô.

monalisa disse...

"Ao menino e ao borracho,mete Deus a mão por baixo",diz o povo e assim parece,são feitos de borracha estes miúdos,vá-se habituando professor,é bem pior quando eles estão quietinhos a um canto sem quererem fazer nada;aí sim..algo de errado se passa.

eduardo disse...

Quantos sustos desses já eu apanhei...
Mas ainda bem que não foi grave.

Bom dia.

elisa disse...

Quanta energia!!Os miúdos é que a sabem toda: mal as lágrimas secam que já estão prontos para outra:)

margarida disse...

"As mentiras do costume" :))

Anónimo disse...

Temos baby-blog, Professor?
Esses momentos são tão bons, mesmo com galos :D
Cumprimentos
SonecasS do Melhor que Prozac!!!

Anónimo disse...

Que bom encontrá-lo aqui também, quase que o consigo ouvir. É bom ver crianças com galos e joelhos esfolados, os meninos-bolha de hoje em dia assustam-me um bom bocado.

Seja bem-vindo à blogosfera!

Anónima em Lisboa
(não gosto de anonimato mas também não quero o meu blog descoberto)

PS - E obrigada, muito obrigada pelo "por que Diabo" escrito como deve ser, que não há nada mais irritante do que Português mal escrito.

Anónimo disse...

Bom dia, Professor!

Gosto deste blog: bem escrito, sereno, pleno de bom senso e bom gosto. E sim, leio sempre, como fiz com os livros!

Só uma uma "sugestoum-he": "intoum-he" se é um "dragoum-he", "num iscreb'inhazuloum-he? Num precebo nada déisto, carago!"


Um abraço cálido, nortenho, fraternal!


P.S. Toda a serenidade será aclamada (neste meio "blog" algo desgovernado que recorda o sofá do Doutor Freud)!

Anónimo disse...

Tá tudo chanfrado.......

Sara MM disse...

:oD