quinta-feira, março 31, 2005

Vergonhas matinais

1) O julgamento de Setúbal. Esta via sacra vergonhosa continua...


2) O vídeo, referido por uma de vocês, sobre a selvajaria reservada aos animais que têm a desdita de serem usados ao pescoço pelo "beautiful people". Curioso, não é? Animais sujeitos a tratamento animalesco por parte da "elite" da evolução:(

29 comentários:

noiseformind disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
PortoCroft disse...

1. - E nem há necessidade de referendo sobre o assunto.

2. - Não hei-de morrer sem ver um símio usar um homem ao pescoço.

noiseformind disse...

Ai o aborto, o aborto... e agora outro referendo, Guterres deixou marcas profundas no estilo de fazer política em Portugal: na dúvida sobre as benesses para a imagem do Governo de uma medida, consultar o povo para lavar as mãos como Pôncio Pilatos. Nem datas, nem pergunta, nem decretos-lei a regulamentar o putativo referendo, nada. Mais do mesmo.

Eu e um grupo de pessoas amigas levavamos miúdas adolescentes (por nos parecerem os casos psicologicamente mais graves) a Espanha, depois era-lhes fornecida a RU-486 (que normalmente tínhamos de ser nós a pagar por falta de meios das jovens) e no regresso nunca vi uma só vez choro ou arrependimento. Esgotou-se-nos o pé-de-meia comum (entre nós gastou-se mais de 50.000 euros) que tínhamos para este "pouco fazer" que mesmo assim julgo estar a milhas do "fechar os olhos" que reina por terras lusas.

Prevejo indignações várias (com gritos de bebés incluídos) nesta caixa de comentários da parte dos defensores do "direito à vida", que basicamente exercem um direito (de identidade) que negam a tantas mulheres.

bin_tex disse...

Em minha opinião, de facto não deveria haver referendo nenhum.
O Aborto é um problema de saúde pública, portanto, deverá ser resolvido na Assembleia da República.
Para que raio são mandatados os deputados?

Anna^ disse...

Ora vamos lá andar nós outra vez a "brincar" ao gato e ao rato!

AmigaTeatro disse...

2. parece que “esse” vídeo anda a circular muito pela net e ainda bem. Eu é que não tem a coragem suficiente para o ver. Conheço-me e por isso acho que é um sofrimento desnecessário.
Há gente demasiado cruel, insensível e depois admiram-se que haja quem diga que prefere e tem mais estima por um animal do que por aquele que diz ser um ser humano (que muitas vezes tenho muitas duvidas de quem será o verdadeiro animal ). Tudo pelo sucesso e pela aparência. Os outros que se lixem, então quando os “outros” são pura e simplesmente animais, então qual a preocupação? Eles não pensam; não têm sentimentos. Não são ninguém ao ponto de opinar e… de viver.

Grrrrrrrr, por agora não digo mais nada que este assunto mexe mesmo comigo. E dá-me uma raiva enorme de certas e determinadas pessoas, que acho que agora é melhor ficar por aqui.

Anónimo disse...

Se me permitem uma opinião, que não precisaria de voz sequer (porque de certeza é sentida por todos), mas a sensação que tenho é que os que defendem o "direito à vida" (como todos nós!) parecem pensar que ao ser defendido o direito ao aborto se pensa em matar indiscriminadamente, que o que queremos é uma sociedade sanguinária. Que a liberdade de escolha é igual a incompetência psicológica e insanidade mental! Eis o país que temos! E enquanto isso a taxa de mães adolescentes cresce, só porque sim! a Espanha continua e continuará a ser um recurso, os orfanatos entulham-se, maus tratos, fome, miséria, enfim.... Poderia enumerar tantos, tantos predicados a associar ao tema.
Só me ocorrem dois ou três motivos para continuar por cá, o sol, os meus formandos (paixão!) a mami e o mano!
Portugal é lindo!

Katz

Tão só, um pai disse...

Pode parecer paradoxal, mas aceito e concebo, com naturalidade, o direito ao aborto.

buggy disse...

olá! sou fã antiga do Júlio, ouvia-o ávidamente pela noite adentro, era eu ainda adolescente, no saudoso "Sexo dos Anjos"... fiquei muito contente de o "descobrir" por aqui...

1) sou mãe, e defendo o direito à escolha... o direito de uma mulher ser mãe quando tem disponibilidade emocional, mental e financeira e não quando os "azares" acontecem... antes o interromper de um desenvolvimento, que uma vida sem afectos...

2) será que as pessoas que gostam de usar as peles verdadeiras, alguma vez tiveram um animal de estimação? alguma vez choraram de tristeza pela morte do seu cão/gato - companheiros de brincadeiras, fontes de incondicional afecto? acho que é falta de amor... sentir amor pelos seres que, menos racionais, não deixam de sentir como nós.... (o meu post sobre o tema: http://buggyworld.blogspot.com/2005/03/little-love-please.html)

bertus disse...

...esta "lusitaniedade" tem (até quando?) estes pontos fracos que me envergonham em confronto com outras latitudes...

...a "elite da..." ou o "analfabetismo mascarado de..."?!

Intés!!

Lyra disse...

Deixo-lhe exatamente o mesmo comentario que deixei no Avatares, "Eu fui uma das que votou Sim no primeiro referendo. Eu fui uma das que não foi para a praia para lutar por um direito, para lutar contra uma hipócrisia. Setubal é a minha terra! Espero que no dia do referendo, caia uma valente carga de agua para que ninguem vá para a praia (depois dizem que não votaram porque estava a chover!). Espero que todos aqueles que afinal são tantos, que defendem a IVG desta vez decidam ir votar. E vocês por acaso votaram?"

lobices disse...

...da mesma forma que defendo o direito à Eutanásia, também defendo a despenalização do aborto
...é tudo uma questão de direito de ESCOLHA... nada mais possuímos (estou a repetir-me) a não ser o direito de escolha...
...deixem-me ser eu a escolher o meu caminho (desde que ele não colida com o caminho dos outros, deixem-me ir para onde eu quiser)
...
...quanto ao ponto dos animais e das suas peles... bem... nós é que somos os animais...
...a natureza rege-se pela lei da sobrevivência e vejo uns a comerem os outros mas nunca vi nenhum animal a utilizar a pele do outro para seu deleite pessoal; só o animal Homem o faz...
...o Mundo vai mal
...o Mundo vai bem
...a inexorável Lei do Equilíbrio não necessita do esfolamento de animais para adornarem as damas ditas seres humanos que, quando partem uma unha, gritam aqui dei rei que dei cabo de uma unha, o que vai ser de mim!...
...hipocrisia
...só

Xis disse...

"Visto de fora, há muitas vidas que parecem falhadas, irracionais, loucas. Enquanto se está de fora, é fácil compreender mal as pessoas, as suas relações. Só de dentro, só caminhando durante três luas com os seus mocassins é que se pode compreender as motivações, os sentimentos, aquilo que faz agir uma pessoa de uma forma e não de outra. A compreensão nasce da humildade, não do orgulho de saber".

Sandra

Anónimo disse...

Professor
Pois... o aborto.Será que ''merece''esta urgência, estando o país atolado em problemas?
Considero-me politicamente de esquerda, mas neste assunto....
Se me repugna as ''brilhantes''averiguações da PJ, escutando telefónicamente casais, se me repugna que uma mulher ( e eu do sexo masculino) seja presa por ter abortado, temo que a lei possa originar excessos. aborto como metodo de planeamento NÃO. E sabe eu acho que estamos a atravessar uma grande crise de valores. aos jovens faltam referências, falta família.sobrarão disparates?
E, gosto tanto da vida. dos meus filhos.
Por isso, e com estas duvidas existenciais, votarei sempre em branco.Conscientemente.

Helena Romão disse...

Bem, a questão do referendo é discutível. Eu neste ponto, penso que não devia haver referendo.

Moro em França, e aqui, falar em aborto é tão absurdo como falar em propinas. Na verdade, muitas pessoas pensam que a Lei do Aborto é uma norma europeia. Não passa pela cabeça de ninguém que possa ser proibido!
E como se sabe, não é por falta de extrema-direita nem de fundamentalistas católicos! Simplesmente, é uma questão de saúde pública e de honestidade intelectual e não política ou religiosa...

Bastet disse...

Quanto aos animais é também importante divulgar que há uma lista das empresas que fazem e das que não fazem testes em animais.

informem-se no site: http://www.pelosanimais.com/recursos/lista.php.

Odete disse...

Caro anónimo - claro que a questão do aborto merece toda esta urgência e isto porque é uma questão que já deveria estar resolvida há muito tempo. É inconcebível que as mulheres ainda continuem a ser penalizadas. Trata-se da despenalização do aborto e não de incentivar as pessoas a abortar, como é evidente. Em pleno século XXI como é possível que ainda se possa assistir ao que se assiste em Portugal?
Quem é a favor da despenalização do aborto também é a favor da vida - mas de uma vida que é desejada...
Acho piada aos que dizem "nós defendemos a vida" como se fossem os únicos... Então e nós defendemos o quê? A morte?
Como já foi dito trata-se simplesmente da liberdade de optar - é tão simples quanto isso.

A lei poderá originar excessos? Aborto como método de planeamento?
Por amor de Deus!!!....
Deixe de lado essas desculpas que só servirão para deixar tudo na mesma.

katraponga disse...

O vídeo é de facto horripilante... mas não tanto quanto as declarações da Fátima Lopes...


Katraponga

th disse...

Veja aqui o site sobre os animais maltratados:

http://groups.msn.com/ceuo4bk01r78ugvjasno8fgi83/general.msnw?action=get_message&mview=0&ID_Message=23069&LastModified=4675516199498445594

Depois HOMENS, quando forem, se forem, se houver, ao referendo sobre o aborto, lembrem-se que o mesmo é sobre a "despenalização" do aborto, se disserem que sim, VCS, OU QUEM QUER QUE SEJA, NÃO SERÃO OBRIGADOS A FAZER NENHUM...LOL

th disse...

pODE ENCONTRAR aqui O VIDEO SOBRE OS ANIMAIS

OlhoVivo disse...

De elite têm muito pouco, eu diria que são apenas macacos nus no pior sentido da palavra :/ Abraço.

Anónimo disse...

2. Como é possivel alguem ser capaz de fazer isto aos animais....o video esta horrivel o sofrimento dos animais ainda pior....estou abalada com tanta maldade.
Uma pessoa que diz o que a Fatima Lopes disse (no Video) em relação ás peles não merece ser respeitada, apreciada.
Merecia é que lhe arrancassem o couro cabeludo a sangue frio (como fizeram aos animais que mostra o video) para ver se ela começava a entender.

Carla

grzl disse...

..."uma de vocês.....".Já voltou a vestir a pele do Professor.
O video é impressionante.
O julgamento, ontem já se viu como vai ser.

Orca Ruga Bin disse...

Sim, é uma vergonha, julgar mulheres por aborto. Concordo.

Esquecemo-nos de um pequenito ponto: é ilegal. Ainda por cima, uma ilegalidade validada por um referendo. Não teve a maioria do povo a votar? Certo, mas isso é uma atitude que decorre de cada um. Foi essa a opção de cada um.

Democracia. É assim que funciona.

Faz lembrar o Código de Estrada. Por qualquer motivo, as pessoas cuidam que o Código de Estrada é uma lei tão pouco importante como outra qualquer. Porque "eu sei dominar o meu carro a alta velocidade, a lei não devia ser igual para quem tem ABS". Não devia, mas é. E não há nada a fazer em relação a isso. Podemos não concordar, mas esse é o conceito de democracia. Aceitar o que a maioria (que podem ser "os outros) decide.

E ontem fiquei espantado (ou talvez não) com os comentários da deputada Odete Santos: "se não tivessem feito o referendo, não tínhamos este problema".

Traduzido, isto dá: "Se não tivéssemos dado oportunidade ao povo de exprimir a sua opinião, isto era tudo como eu quero...". Ou estará mal traduzido ?

Anónimo disse...

Quanto ao aborto...considero que todo o ser humano tem o direito a nascer porque é desejado, em 1º lugar, depois que tenha todas as condições necessárias para se desenvolver, quer a nivel material, quer afectivo. Assustam-me aquelas instituições onde são "despejadas" crianças e abandonadas, porque é este o termo, (no outro dia ouvia a provedora da casa pia dizer que ainda hoje não podia garantir que não houvessem abusos dentro da instituição...as crianças continuam a estar entregues "a si próprias"), entregues a uma entidade que é mto abstracta para lhes garantir aquilo que elas mais precisam. Claro que estou a generalizar, porque também sei que há dentro dessas instituições pessoas que zelam escrupulosamente pelas crianças.
Concordo que a legalização do aborto é uma questão de saúde pública...mas discordo, em absoluto, que se torne um acto banal como se está a tornar a pilula do dia seguinte. Acho que o ser humano pagará, mais cedo ou mais tarde, a factura.

Maite

bertus disse...

...bom...esta é "de cabo de esquadra"! Aquela valente moçoila Lyra até pede uma "valente carga d´´agua" pró pessoal que se exime a exercer o dever de votar, "optando" por uma ida à praia!!
Voto no referendo e em ti, Lyra!!
Intés!!

daniel disse...

O verdadeiro confronto que existe na questão do aborto é entre aqueles que vêm a questão sobre um ponto de vista ideológico e os que a olham de um ponto de vista pragmático. Para os primeiros trata-se de um problema de civilização e de princípios, o que atira o debate para um patamar de quase indiscutibilidade. Para os segundos é, antes de mais, um problema da realidade social, sendo nesse plano que se deve encontrar a resposta ao mesmo.

Defendo que, acima de tudo, é importante que os que defendem a criminalização desçam do pedestal dos ideais e dos princípios civilizacionais onde se pretendem colocar e venham para a realidade. Onde mulheres chegam aos hospitais com sangramentos e consequências terríveis por recorrerem a aborto clandestino e ainda são maltratadas (e agora perseguidas) por isso. A realidade que faz de nós o país europeu com maior taxa de gravidez na adolescência. Que faz de nós o país com maior incidência de novos casos de HIV da europa.
Venham então para esta realidade, que é aquela onde vivemos, e venham falar do significado de expressões como “direito à vida”. Porque “contra o aborto” somos todos. O que não vale é defender a educação sexual como argumento contra a descriminalização, e no dia depois do referendo meter a educação sexual na gaveta porque também é tabu. Porque isso não é defender a civilização, é defender a mentira.

Que consolo podem encontrar os que defendem a actual lei, como a que melhor serve essa superior visão civilizacional, se depois vivem na pior realidade europeia. Dá vontade de perguntar: então mas se a lei é tão boa tão boa tão boa, porque é que isto não presta?!

O aborto deve ser combatido, não pela prisão, mas pela cultura, pelo esclarecimento, pela promoção de uma educação sexual integrada numa educação para a saúde, e porque não dizê-lo, numa educação para a cidadania. E nunca esquecer que “informação” não é o mesmo que “conhecimento” que também não é o mesmo que “sabedoria”.

PP disse...

1- Em relação ao aborto, eu, como mulher, gostaria de ver mais homens envolvidos. O aborto não é uma questão do corpo da mulher (se a barriga é dela ou não - claro que é!). Mas onde está o outro responsável pela concepção daquele feto? A primeira lei a ser instituída é que deveria ser obrigatório - e sem vergonhas - saber sempre quem é o pai. Isto primeiro: responsabilizar ambas as pessoas que estiveram "presentes" na concepção do feto. As mulheres não se devem acobardar e devem identificar, sem medo, quem é o pai daquele feto. Quando o aborto deixar de ser uma questão das mulheres (por sermos nós, mulheres, a ser as portadoras de todos os seres humanos durante 9 meses) e passar a ser uma questão da sociedade familiar, talvez se deixem de manifestações que não me parecem servir para nada. Abortar ou não, não pode ser uma decisão tomada por uma pessoa sozinha, porque um filho é feito por duas pessoas.

2- A eterna questão de maltratar os animais para fins de luxo. Isso é voltar ao tempo em que os indígenas norte-americanos escalpelizavam as suas vítimas. É idêntico, só que agora fazem-no nos animais. Há barbárie na mesma! Bom, mas isto, a mim, faz-me pensar, também, nas explorações mineiras para "caçar" diamantes e outras pedras preciosas. Quem vai lá abaixo, aos túneis, vive pouco tempo, adoece rápido. São homens que trabalham para viver (pouco e sem saúde). E para quê? Para que alguém traga pendurado num fio ou num dedo um anel com pedras preciosas.
Vale a pena? Sacrificar vidas para isso? Confesso que não compreendo isto também. Eu não consego usar uma pele animal, nem tão pouco uma pedra preciosa.

Bekx disse...

Estarei enganado quando digo que, mesmo que o sim tivesse ganho, estas senhoras iriam à mesma a tribunal?
A despenalização a votar será sempre só até às 10 ou 12 semanas...