terça-feira, outubro 18, 2005

O Brasil..., em polvorosa!

Receberam isto?


Sou Católico: Posso ser contra o Desarmamento?

1. Como todos sabem, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) tomou posição a favor do desarmamento e está fazendo uma campanha intensiva, utilizando-se inclusive dos sermões dos padres nas igrejas, para convencer os católicos a votarem pelo sim, ou seja, pelo desarmamento dos cidadãos.

2. Eu, como católico, estou obrigado a acatar essa orientação da CNBB? Absolutamente, não! A doutrina da Igreja, pelos seus doutores e moralistas, inclusive o grande Santo Tomás de Aquino (cf. S. Th., II-II, q.64, a.7), reconhece o direito à legítima defesa.

3. Até mesmo o recente Catecismo da Igreja Católica reconhece esse direito: "A legítima defesa pode ser não somente um direito, mas um dever grave, para quem é responsável pela vida dos outros, pelo bem comum da família ou da sociedade" (Catecismo da Igreja Catolica, nº 2265 - traduzido do texto em Castelhano do site do Vaticano: www.vatican.va).

4. O Evangelho apresenta passagens que justificam o porte e o uso de armas. Veja-se, nesse sentido, S. Lucas: "Quando um valente armado guarda a entrada da sua casa, estão em segurança os bens que possui" (Lc. 11,21). Podemos citar ainda as seguintes frases de Nosso Senhor Jesus Cristo: "Quem não tem espada, venda sua túnica e compre uma"(Lc. 22,36). Quando S. Pedro feriu a orelha de Malco, Jesus disse-lhe para guardar a sua espada na bainha, não mandou que se desfizesse dela (Jo. 18,11). O próprio Jesus, quando expulsou os vendilhões do Templo, usou um chicote feito por Ele mesmo. O chicote, naquelas circunstâncias, desempenhou o papel de arma.

Verifica-se assim, com o devido respeito, que esses Srs. Bispos não parecem estar reconhecendo o princípio católico da legítima defesa.

5. A quem aproveita o desarmamento? Vocês já observaram que a generalidade dos comunistas, ex-guerrilheiros, esquerdistas radicais, teólogos da libertação, gente do MST etc. são todos favoráveis ao desarmamento?

Notem como muitas dessas pessoas são partidárias do ditador comunista Fidel Castro, de Che Guevara, de Luiz Carlos Prestes e de outros revolucionários sanguinários, e que defendem o MST e outros movimentos invasores de propriedades.

6. Qual será a verdadeira intenção de vários daqueles que querem desarmar os cidadãos honestos deste País, enquanto os criminosos, com certeza, vão continuar armados?

7. Acredito que meu dever de católico e de brasileiro é votar NÃO!

Aguardo vossa valiosa opinião.

Prof. Fernando Gutierres

Núcleo de Estudos sobre a Criminalidade

Rio de Janeiro RJ

127 comentários:

fb disse...

Olá Pessoal,
Gostam de ler? Dois dos livros do D. Murcon, "Estes dificieis amores" e "Olhos nos Olhos" estão á venda com 40% de desconto na loja "http://www.store-book.com".
Aproveitem, vale a pena visitar.

pp disse...

Talvez criar um clima de medo....para assim poderem dominar mais facilmente...

pp disse...

Prof JMV, estranho a ausencia de uma referencia ou comentário ao derby de sabado á noite ;) :)))...

Manolo Heredia disse...

Professor,
Há tempos a revista do jornal Público trazia um artigo sobre o Viagra e sua utilização. Nesse artigo vinha uma entrevista a um casal de octogenários que declaravam ter sexo com pleno prazer duas vezes por semana!!
Isto é contra-informação! É como dar o exemplo da Rosa Mota, que faz a maratona em 4H30 aos 60 anos, numa aula de ginástica para sexagenários.! É vendar gato por lebre

PortoCroft disse...

Caro Prof. m8,

Em condições normais, também eu seria pelo desarmamento incondicional da população. É a opção mais sensata e aquela que nas sociedades europeias perfilhamos. Também porque, na Europa, apesar de existentes, os níveis de criminalidade nem de perto, quer em número ou espécie, se equivalerem aos brasileiros.

No caso do Rio de Janeiro, do Brasil em geral, conhecendo relativamente bem a cidade e as suas realidades sociais, sou a favor.

Não é legítimo exigir a um cidadão que fique impávido e serenamente desarmado, enquanto as autoridades são incapazes de oferecer o minímo de segurança e/ou estão elas próprias minadas por corruptos e marginais.

Paula Canhão disse...

- as armas servem para combater as armas;
- as armas servem para encher os bolsos daqueles que as produzem e as vendem;
- as armas servem para matar inocentes;
- as armas servem para ...
- as armas servem...
- as armas...
- as...
- ...
...
...
- as armas (raramente) são utilizadas como defesa.

Parece-me que o que está mal é o princípio em si.

Paula Canhão disse...

portocroft,
goataria de ouvir como música de fundo Maria Rita? Estou a pedir muito?
Obrigada

Anónimo disse...

Ó Paula, com um nome assim e ainda a dizer mal do armamento? Que diriam os seus paisinhos.

Paula Canhão disse...

anónimo,
"paisinhos"?????
quanto ao nome, bom, o que lhe posso dizer é que não gosto do apelido "anónimo".

HarryHaller disse...

Como católico á moda do vaticano e da igreja institucionalizada, até lhe ficava mal, ser a favor do desarmamento, reconhecer o quanto a teologia da libertação tem do verdadeiro Jesus de Nazaré, e ser a favor da partilha. Assim, como bom católico institucioalizado, subscrevo na íntegra o que ele afirma.

Parabéns atrasados prof. J.M.V e um bom dia aos demais Murcons.

Lobo das Estepes

HarryHaller disse...

PS: Digo institucionalizado.

Lobo das Estepes

Anónimo disse...

Perdoem-me o anonimato mas gostaria só de dar uma sugestão:

Dado que os posts por vezes se mantêm vários dias, creio que facilitaria a leitura dos comentários se constasse a data e não apenas a hora a que os mesmos foram feitos.

Um abraço para todos de alguém que lê (mas não comenta) e não tem disponibilidade para seguir minuto a minuto o desenrolar das "conversas" :)

"ordem e progresso" disse...

Eu só não concordo com este prof FG numa coisa "Qual será a verdadeira intenção de vários daqueles que querem desarmar os cidadãos honestos deste País...?". Disse.... quem????? onde estão eles????? os honestos!!!!!!!

fora-de-lei disse...

Já alguém tentou saber se esse tal Prof. Fernando Gutierres não terá sido um dos mentores dos famigerados "Esquadrões da Morte" ? Eu apostaria que sim...!

(A direita reaccionária resolveu apertar o cerco ao Lula, o homem que, numa lógica contra-natura, pensou poder estar bem com gregos e troianos...)

de© disse...

proteger-se é assim tão valoroso?
desferir uma bala é assim tão eficaz?
morrer é assim tão perigoso?

RAM disse...

Esta não é uma questão religiosa; apesar da utilização falaciosa e descontextualizada de algumas citações biblicas e de obras teológicas, o que o texto reflecte é uma profunda descrença do autor no Estado de Direito.
Não precisamos de ir ao Brasil; olhemos para os Estados Unidos: um dos EStados mais para-militarizados dos EEUU é o Michigan, onde os grupos radicais de direita e ultra-conservadores religiosos constituem a maior força de oposição ao Estado Federal, sendo os maiores apologistas do: "take justice into your own hands".
São os gurdiães do Século XXI do Código de Hamurabi.
Este texto do Prof. Fernando Gutierres somente reflecte, do meu ponto de vista, o nascimento/desenvolvimento crescente de um pradigma das sociedades hodiernas, confrontadas com fenómenos de violência urbana cada vez mais graves - suportados no aprofundamento do hiato sócio-económico-cultural - e em sistemas judiciais ineficazes.

Recordo-me em tempos de uma história/texto - cujo autor desconheço - e que a seguir transcrevo:

"Um grupo de cientistas colocou cinco macacos numa jaula, em cujo centro puseram uma escada e, sobre ela, um cacho de bananas.
Quando um macaco subia a escada para apanhar as bananas, os cientistas lançavam um jacto de água fria nos que estavam no chão.
Depois de certo tempo, quando um macaco ia subir a escada, os outros enchiam-no de pancada.
Passado mais algum tempo, mais nenhum macaco subia a escada, apesar da tentação das bananas.
Então, os cientistas substituíram um dos cinco macacos.
A primeira coisa que ele fez foi subir a escada, dela sendo rapidamente retirado pelos outros, que lhe bateram.
Depois de alguma surras, o novo integrante do grupo não subia mais a escada.
Um segundo foi substituído, e o mesmo ocorreu, tendo o primeiro substituto participado, com entusiasmo, na surra ao novato.
Um terceiro foi trocado, e repetiu-se o facto.
Um quarto e, finalmente, o último dos veteranos foi substituído.
Os cientistas ficaram, então, com um grupo de cinco macacos que, mesmo nunca tendo tomado um banho frio, continuavam a bater naquele que tentasse chegar às bananas.
Se fosse possível perguntar a algum deles porque batiam em quem tentasse subir a escada, com certeza a resposta seria:
"Não sei, as coisas sempre foram assim por aqui..."


"É MAIS FÁCIL DESINTEGRAR UM ÁTOMO DO QUE UM PRECONCEITO" (Albert Einstein) "

lobices disse...

...o desarmamento solicitado faz-me lembrar a célebre "Lei Seca" nos USA... só serviu para que Al Capone e outros como ele imperassem
...daí que, sendo contra a violência não deixo de ser a favor da self-defense

RAM disse...

Caro Lobices,

Acho que ninguém, em consciência, pode ser contra o princípio da auto-defesa.
Não creio ser isso que está em causa.
A questão reside, creio eu, nos meios utilizados na concretização de tal desiderato, e, mais importante, na definição dos limites do direito à auto-defesa.

Julio Machado Vaz disse...

PP,
Sou um gentleman:)))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))). E tenho portistas na família! Mas..., foi do caraças:).

inconfidente disse...

recebi, porquê?

Mário Santos disse...

ram: esta não é uma questão religiosa

Todas as questões não são exclusivamente religiosas, mas todas as questões cruzam de alguma forma a religião porque tocam o Homem.

Esta é uma questão que não é fácil, mas dá-me a sensação que todas as sociedades modernas adoptaram a solução de limitar ao máximo o uso de armas pela população por uma razão simples: o mal que provoca é muito maior que o bem que traz.

Quando me imagino na posse de uma arma vêm logo uma série de condições que necessitaria de cumprir:

- saber usar a arma (imagino que não seja simples)
- ter uma sólida formação humana sobre gestão de conflitos para usar a arma apenas em situações extremas
- saber como usar a arma numa situação real onde ela poderia de facto ser útil

Quer me parecer que isto implica um bom par de horas de investimento antes de estar habilitado a usar uma arma.

Continuo a preferir que sejam uns tantos eleitos a usar as armas (assim limitam-se os estragos)

fora-de-lei disse...

Julio Machado Vaz 1:43 PM

"E tenho portistas na família!"

Não há famílias perfeitas... ;-))

Anónimo disse...

Também se eu tivesse na família alguém que gostasse de ser apelidade de fora-de-lei (mesmo que fosse um morcão), estaria muito infeliz

fb disse...

boa tarde pessoal,
Eu tb tenho um "querido" o meu filhote, PORTISTA, não sei bem porquê.........mas até é engraçado e divertido, como no Domingo, ver o Dragão a engolir o fogo, diferenças tornam a vida + colorida. E então já visitaram a loja virtual www.store-book.com onde podem comprar livros do ProfJMV com 40% de desconto?

andorinha disse...

Boa tarde.

Esta é uma situação controversa, não é de resposta simples.
O que deve prevalecer? O direito do indivíduo a proteger-se ou o direito da sociedade a sentir-se protegida?
Em condições "normais", o direito da sociedade, diria eu.
No caso concreto do Brasil com a enorme violência que por lá grassa, sou contra o desarmamento dos cidadãos, uma vez que estes têm todo o direito a defender-se já que as autoridades não o conseguem fazer.
Os mais fortes continuariam sempre a possuir armas e os mais fracos passariam a estar cada vez mais desprotegidos.
Concordo com o ram(1.25pm) quando afirma que "o texto reflecte uma profunda descrença do autor no Estado de Direito".
Perante essa descrença, sentida pelo comum dos cidadãos, estes têm todo o direito a usarem todos os meios de auto defesa ao seu alcance.
"...confrontados com fenómenos de violência urbana cada vez mais graves...e em sistemas judiciais ineficazes."
É este o fulcro da questão e enquanto este estado de coisas se mantiver, os cidadãos outra coisa não poderão fazer que não seja tentar minimizar os possíveis danos, defendendo-se e para isso não deverá haver desarmamento.

Anónimo disse...

“Foi Salazar quem restaurou a ordem no país, que caíra numa louca e sangrenta anarquia" - Quitéria Barbuda in "Homens de Bem", Revista "Espírito", nº 19, 2005.

www.riapa.pt.to

andorinha disse...

ram (1.33)

"A questão reside, creio eu, nos meios utilizados na concretização de tal desiderato, e, mais importante, na definição dos limites do direito à auto-defesa."

Este é um aspecto importantíssimo.
Quem define esses limites?
Não havendo limites passa-se a cair num outro extremo, em que qualquer um utiliza uma arma sob o pretexto da legítima defesa. Sabemos todos que em muitos casos isso é falso. E ai passa a haver o total desprezo pela vida humana.
Mata-se com o maior calculismo e frieza.
Este é, sem dúvida, um tema complexo, não é daqueles em que se possa ser liminarmente ou contra ou a favor.

Conselho disse...

Boas novidades. Agora o Gigashoping vai passar a vender pistolas e metralhadoras a todos os pacifistas e poetas da vida. Que essa coisa de polícia já deu o que tinha a dar, assim, juntamente com circulos intelectuais irão ser organizados (ou orzaguinados) circulos de vigilantes para a população (e adeptos de futebol) viverem mais tranquilos e felizes :-)))

pp disse...

Prof,

...simplesmente magnifico. :)
compreendo a questão familiar :))))...

Esperemos que hoje se repita o feito....;)..

de© disse...

JMV

Recebi "isto" aqui e

"Aguardo vossa valiosa opinião"

andorinha disse...

pp,

Esperemos que sim.:)))
Não te sabia benfiquista...:)

noiseformind disse...

Tenho e defendo a posse de armas contra terceiros em casa, onde cada um deve ter os meios para se defender a si e a terceiros ou À sua propriedade. À escalada de daí passar para se andar de pistola na rua... vai uma distância que julgo considerável. Dentro de minha casa e face a intrusos tenho todo o direito de usar meios que nivelem e exerçam a minha relação de poder moral face a esses indivíduos. Para mais se morasse num bairro social, esse poder seria mais diversamente exercido e o risco seria mais ainda real. Quanto a meter a Igreja ao barulho, parece-me um típico jogo de "Bispos e ratas", uma opinião pessoal que se procura caucionar apoiando-se (ou indo contra) a Igreja.

Já tive um grupo de várias pessoas a procurar roubarem-me a casa (em Viana) e foi graças a uma arma de fogo que consegui evitar danos na minha pessoa e em outras pessoas que estavam comigo. Só tenho bem a dizer das armas de fogo até hoje, não tendo por hábito assaltar moradias julgo não ter grande coisa a temer de uma.

Quanto a falarem de armas e matar é natural, quem não saiba disparar tanto pode acertar numa árvore como vazar um olho ao antagonista. Por isso é que NSJC criou as carreiras de tiro, para as pessoas aprenderem a disparar.

Boas maralhadelas pessoal...

HarryHaller disse...

Com o devido respeito pela opinião dos restantes comentaristas, a questão aqui, não é de mais ou menos cultura democrática, e sim mais da coerência com os nossas crenças ou ideologias, no caso do senhor brasileiro de crença. Ora, um sujeito que se diz católico, defender a legitima defesa,através da aniquilação fisica do seu semelhante,em situação de suposta agressão à propriedade ou à própria vida(o que só prova o seu apego aos bens materiais),fundamentando a sua posição com excertos do novo testamento, que segundo a minha leitura e interpretação,a interpretação que faz dos mesmos, está nos antipodas daquilo que Jesus histórico advogou, pois, não disse Jesus ao jovem rico, que o reino dos céus(leio na terra)são daqueles que vendem todo o seu património e os distribuem pelos pobres, e que mais facilmente entra um camelo pelo buraco da agulha do que um rico no reino dos céus(isto é, um rico que ama mais o património que o ser humano, jamais fará na terra uma morada agradável)como também Jesus disse que pela espada matarás pela espada morrerás, e não foi o mesmo Jesus que recusou o pedido de Barrabás, para atingir os seus objectivos mediante a luta armada em que ele Jesus seria o lider, e mais exemplos poderia tirar, que esse senhor brasileiro omitiu do novo testamento, logo, como poderá um verdadeiro cristão ser a favor da legitima defesa. Por acaso, esses cristãos e todos aqueles que advogam a luta contra o crime mediante o uso de armas, já pararam para pensar, que combater o crime dessa forma é erradicar os efeitos da doença deixando as causas intactas!?
Não não se trata de uma descrença do Estado de Direito, pois, se a lei permite o uso generalizado de armas, o cidadão que advoga o seu uso nesses casos, está apenas a exercer um direito que o Direito do seu País lhe concede. Também , nos USA. goste-se ou não desse País, e tenha muita coisa de mau que o tem, é a Nação que tem o Estado de Direito mais forte e sólido, e no entanto é a sociedade mais fortemente armada por cidadão.

Lobo das Estepes

de© disse...

lobo das estepes

palmas clap clap

proteger-se não é assim tão valoroso.
desferir uma bala não é assim tão eficaz.
morrer não é assim tão perigoso.

pp disse...

Andorinha, :)

e de fortes convicções ;)....

RAM disse...

Caro Harryhaller ou Lobo das Estepes ou Herman Hesse,

Não sei se concorde ou não consigo.
Comecemos pelo último período do primeiro parágrafo: diz o meu caro: "todos aqueles que advogam a luta contra o crime mediante o uso de armas, já pararam para pensar, que combater o crime dessa forma é erradicar os efeitos da doença deixando as causas intactas!?".
Mas isso é exactamente o que eu disse, quando defendi que a posição do autor reflectia, do meu ponto de vista, "o nascimento/desenvolvimento crescente de um pradigma das sociedades hodiernas, confrontadas com fenómenos de violência urbana cada vez mais graves - suportados no aprofundamento do hiato sócio-económico-cultural - e em sistemas judiciais ineficazes." - essas são as causas que requerem abordagem urgente.
E isso, meu caro, traduz descrença no Estado de Direito, i.e. na capacidade do Estado responder às necessidades do cidadão.
O Estado de Direito não se limita à existência das Instituições que o enformam, mas depende, igualmente, do funcionamento efectivo das mesmas.
E quanto ao Estados Unidos eu não me pronunciei sobre a "solidez" do Estado de Direito; limitei-me a constatar que a extrema-direita religiosa e conservadora renega ao meu Estado de Direito, ao qual não reconhece legitimidade, abrindo a porta ao regresso do "far-west".

andorinha disse...

Harryhaller,

Também com o devido respeito pela tua opinião, só queria deixar aqui uma pergunta.Contestas então o direito à legítima defesa? Então eu sou ameaçada e devo ficar impávida e serena à espera que a ameaça se concretize???
Não faço a mínima ideia do que é dito a este respeito no Novo Testamento, mas qualquer pessoa, seja ela católica ou não tem o direito de se defender.
Isto pode parecer um bocado simplista, mas para mim, o mal está na agressão e não na resposta à agressão.
Se o Estado não garante a protecção dos cidadãos estes têm que arranjar meios de se defenderem.
Pode isso levar a excessos?
Claro, mas não se pode ter o melhor de dois mundos.

dec(3.55)
Não concordo.
Proteger-se é, não só, valoroso como um dever que temos para connosco.
Desferir uma bala é, por vezes, eficaz, embora deva ser o último recurso.
Morrer não é assim tão perigoso. Não será?
A filosofia subjacente a estas tuas ideias não faz, para mim, muito sentido.
Se a violência te batesse à porta, reagirias com toda essa placidez?:)

Anónimo disse...

Não estou nem aí, para o que está neste post. Vim aqui para assediar alguém. Anda por aí alguém que se interesse por gajas?

de© disse...

andorinha

Morreria, sem dúvida; morreria como um amigo, residente em Caracas que, há 1 ano, abrandou num semáforo e foi baleado.

Aprendi judo que nunca utilizei.
Não usaria armas pq seria ineficaz.
Faço estadias em Caracas e no Rio com família e jamais me atreveria a usar aí qualquer dos dois métodos.

Nesses lugares resguardamo-nos o mais possível - é uma solução precária mas a única - não paramos nos sinais de trânsito - vivemos trancados de dia e de noite - não usamos adereços - mas há perigos mais subtis na pacata Lisboa e na virtual blogosfera, que não matam mas moem.

Morre-se muito em todo o lado, com armas ou sem elas :))

Anónimo disse...

Eu queria ser espetada por uma lança. Ninguém quer cometer um homicídio???

de© disse...

ram

olá amigo

bem vindo ao "far-west"

um amorelp para si

....ssszzzzeeeetttt>>>>>>> disse...

anonymous 7:06


....ssszzzzeeeetttt>>>>>>>

olhela disse...

anonymous 7:06


OOOOOO olhela olhela

andorinha disse...

dec,
Foi a posição de princípio que eu "contestei".:)
O que aconteceu com o teu amigo é arrepiante.
Nesses lugares, como dizes, resguardarmo-nos é a posição mais inteligente. Mas se isso for de todo em todo inviável então que tenhamos alguma "arma" de defesa.
"...mas há perigos mais subtis na pacata Lisboa e na virtual blogosfera, que não matam mas moem."
Aí tenho que concordar contigo.:)

de© disse...

andorinha

Fala-se do Brasil no post de JMV e foi aí que me situei porque conheço muito pessoal de lá que não usa nem saberia usar qualquer arma de fogo.

Meu bem, mesmo os que o sabem fazer, calam isso.

Sem estampidos ... fica bem

andorinha disse...

dec,

Fica bem, também...sem detonações.:)

Kit Carson disse...

Tenho um amigo que anda sempre com um revólver. Treina intensamente, ficando com uma óptima pontaria. Quando vou a um pub estou sempre descansado, pois, se fôr atacado já sei que o meu amigo saca da pistola (ele é muito rápido) e estende quem estiver a ser malcriado ( na nossa prespectiva).
Se quiserem estão convidados para irmos discutir futebol uma destas noites a um pub

John Wayne disse...

Quando quiser.
Just name the place...

Ameninadalua disse...

Mete-me imensa confusão defender posições de armamento em sociedades civis mesmo em países ditos de alta criminalidade; por um lado é assumir que as forças de segurança pública são ineficazes e se o são a luta devia começar por aí, segundo considero que o acesso a armas indiscriminado como nos USA, cria a cultura do poder pela força. Nas zonas do sul dos Estados Unidos da América, o divertimento das pessoas ao domingo é irem para recintos enormes construídos para esse efeito, fazer tiro ao alvo. Eu assisti nos USA a enormes concentrações de pessoas que durante a guerra do golgo se dedicaram à pratica das armas.São posturas de força que me desagradam.
O acesso a armas em países de criminalidade elevada pode ser igualmente perigoso porque as situações de instabilidade são tantas, diversas e inesperadas que muitas vezes o uso de arma não leva necessáriamente à defesa pessoal mas ao contrário pode levar pessoas insuspeitas e pacíficas à pratica de crime.
Claro que defendo o uso de armas para defesa pessoal em situações pontuais que deveriam ser excepções e evidentemente nas pessoas cuja actividade é a segurança...

Anónimo disse...

Não é DEC é DECO!
Parem de lhe chamar DEC....
Ainda lhe chamam DE Copyright...
Arre...

os sete anões disse...

kit Carson
Conta connosco também looooooool

-Stardust- disse...

Boa noite!

Apesar de ser, por princípio pessoal, a favor do desarmamento popular, entendo perfeitamente que a essa questão em países como o Brasil é bastante complexa. E isto dava pano para mangas... ou texto para páginas e páginas...
O que eu não consigo entender são os argumentos contra o desarmamento dados pelo Prof. Fernando Gutierrez. Parecem-me no mínimo tristes, sem brio, pouco inteligentes e bastante frágeis (talvez pelo exagero de parcialidade...). Podia ter feito tão melhor(?).

Pamina disse...

Boa noite JMV e Maralhal,

Ainda não tinha lido o panfleto nem sabia que este tema estava em discussão no Brasil, embora faça sentido, claro, devido ao elevado indíce de criminalidade nesse país.
Acho os argumentos baseados na bíblia ridículos e muito "americanizados".

Subscrevo inteiramente o comentário de Ameninadalua(8.43). Acho que ela focou todos os pontos essenciais e é exactamente esta também a minha opinião.
Aproveito para reiterar que sou absolutamente contra quaisquer acções, por parte de gupos/populações, de tipo milícias (vigilante, como dizem nos E.U.).

Fiquem bem e pacificamente tertuliando.

P.S. Quanto à legítima defesa, mesmo dentro da nossa casa, a força empregue tem que ser proporcional à ameaça, ou seja, a lei não considera legítima defesa se alguém der um tiro, sem mais nem menos, num assaltante desarmado. Claro que a pessoa poderá alegar que lhe deu o tiro antes que ele tivesse chance de a atacar e que não seria muito eficaz pedir-lhe gentilmente que se fosse embora, etc., etc., mas se o uso da força pelo assaltado não for inteiramente justificado este poderá ser condenado.

Anónimo disse...

Kit carson, não me queres apresentar ao teu amigo? Gostava de praticar tiro ao alvo.

Ruiva disse...

Já alguém teve a santa paciência de dizer a esse senhor que a Bíblia é um livro metafórico? Mais, que são pessoas como ele que fomentam a violência?
Seguramente para o dito Sr. o mundo é belo como é, os pobrezinhos sempre os houve e haverá (se não, a quem é que os católicos pios como ele dariam a esmolinha, e de certeza que qualquer pessoa justa e pia como o dito Sr. deveria fazer parte de uma melícia também pia que corresse à bala esses façanhudos dos comunistas (e que dizer do MST).
Alguém que o faça, porque eu ñ tenho paciência para gente como esta!O que me deixa triste é saber que esta não é só uma opinião partilhada por um cidadão da America Latina, com ideias tacanhas, terceiro mundistas, infelizmente por cá também existem elementos com a mesma convicção...

Kit Carson disse...

Anônim das 10:31,

Claro que apresento.
E já agora utilizamos-te a ti como alvo, que dizes?

Anónimo disse...

Kit, desde que não hajam pausas para o Kat.

Anónimo disse...

"Para se conseguir que um jornalista escreva um artigo que interessa ao partido, basta agarrá-lo, arrastá-lo para um bom restaurante e pagar-lhe a conta." - Quitéria Barbuda in "As Sopeiras do Poder", Revista "Espírito", nº 19, 2005.

www.riapa.pt.to

Anónimo disse...

Kit Carson, leva também os sete anões, a minha branca de neve ia adorar.

Su disse...

"quem matou foi Deus, eu apenas puxei o gatilho"

jocas maradas

AJFRM disse...

Extremismos , q se opõem!

Só pode dar um ganda clash!

Tanto um como outro lado da questao estao errados, por definiçao. ( se rima é prq é vrdade)

Santissímo!! aflige-me ,sempre, ver algm tentar argumentar e justificar posiçoes de per si insustentáveis.
é ridiculo!
e quase sempre são pessoas q a priori teriam bagagem intelectual e cultural para distinguir o ridiculo da sua propria posiçao ao faze-lo.

Aflitivo.
Como dizia o Ghandi,

Olho por olho , e acabaremos todos cegos.

naoseiquenome usar disse...

... Terá de haver, algures, um ponto de equilíbrio!

Anónimo disse...

O ridículo é esta gente passar a noite a falar do sexo dos anjos, em vez de estar a dar uma queca!!

John Wayne disse...

Anônimo das 11:53,

Ridículo são comentários desses!

sical disse...

Insondáveis são os caminhos do Senhor. Mas eu chamo a atenção para o MEDO. Reflitam sobre o que o medo, muitas vezes associado a cobardia, potencia de barbaridade.

alfinete de peito disse...

Su, essa observação é brilhante ;)

Beijos*

Greta Garbo disse...

Se eu fosse católica, deixava de o ser, ao ler esta pagela nazi, que constitui o post.
Quanto a quecas, dei uma há bocadinho...BEM TREMIDINHA! Há tempo para tudo, meus caros e caras.

Débora disse...

Olá a todos!

Tardio e curto comentário.
Concordo com o Noisy - defendermo-nos em nossas casas é legítimo, mas ainda assim, teríamos que ter licença de porte de arma.
Na rua, é mais complicado - se andarmos de arma no bolso, ainda que para defesa, pode ter efeitos "colaterais"- e os psis sabem melhor que ninguém, que nem todos temos "características" para utilizar uma arma, seja em que circunstâncias fôr - têm que haver requisitos.
Por mim, contento-me com uma pistola de alarme, que não causa danos, mas pode intimidar. (Ainda não tenho, mas já pus a hipótese - às vezes ...)
Saudações.
Débora
Este tema é muito complexo.

Anónimo disse...

Finalmente vou ter o dum 69...loooooooooool

Anónimo disse...

Gripe das aves chega a Portugal

A gripe das aves já chegou ao Porto. Foi uma águia que a trouxe, há 40 mil infectados e um pinto em estado de coma !

noiseformind disse...

Debora,
Na rua faz todo o sentido usar as nossas duas mais poderosas armas: o bom-senso e a inteligência social ; )))
Agora, se um tipo vem para mim dentro da minha própria casa com uma faca não lhe vou pedir "olhe, espere aí, deixe-me ir buscar uma faca desse mesmo comprimento ali à cozinha, lamento, não tenho uma da mesma empresa...". Em minha casa sou eu a autoridade, portanto devo ter os meios para não ser feito refém na minha própria propriedade, para mim é tão simples como isto. Claro que se aponta para o ombro, e claro que se deve usar uma munição de baixa potência (mas de calibre elevado para ter maior poder de paragem do oponente) para evitar danos ao máximo. Mas não tenho de enfrentar quem em está a tentar invadir (nada de piadas gays sobre isto) com os mesmos meios dessa pessoa. Devo sim ter meios À minha disposição para colmatar a ameaça. Tão simples como isso...

lpf disse...

noiseformind, alguma vez te sentiras seguro assim? E se, quem te quiser "invadir" (ri-te para ai com a tua super piada) arranjar melhores meios que tu? Ai, ou tu arranjas mais meios (optimo para o consumo, nao?) ou ja estas novamente inseguro. E uma bola de neve... mas nos, os visionarios achamos que a unica maneira de acabar com isso e nao termos armas. Ninguem! Todos fracos... ao contrario do que o meu homonimo Nietzche queria. Mas e so uma ideia. Mas ja que acabaremos todos por morrer, para que preocupar com isso?

HarryHaller disse...

Andorinha:
Eu não contesto o direito à legitima defesa, o meu comentário pretendeu dar resposta a um senhor que se assume como católico, logo, presume-se que tem Jesus como referência de vida. E Jesus o homem histórico, não o homem teológico, assumiu perante as agressões, contra a vida ou o corpo, ou contra o património, uma postura passiva, branda, e não é utopia, pois ainda no século passado, tivemos um paradigma desse tipo, Ghandi, que aos espancamentos bárbaros dos esbirros do império da coroa inglesa, respondeu com a não agressão, e venceu-os.Assim, quem tem Jesus como referência de vida, só pode ser conta a violência mesmo em legitima defesa(ninguém disse que ser um verdadeiro cristão era tarefa doce), agora no plano moral e face ao Direito português, a legitima defesa é licita, agora convém é delimitar bem o que é a legitima defesa, por exemplo, se um malandrim te roubar o teu veículo automóvel, e tu puxas da Gan e dás-lhe um tiro,e supondo que o matas ou que lhe causas uma lesão grave, ainda estamos no âmbito da legitima defesa? Não, porque a saúde ou a vida , é um bem que não tem equivalente, pois, por mais valioso que seja o nosso património não é mais valioso que a saúde ou a vida de outro ser humano, e portanto nesse caso paradigmático, havia dois criminosos, o que te roubou o veículo automóvel e tu.

Ram:
Meu caro Ram, na cabeça de cada cidadão o conceito de Estado de Direito desejável, no campo da segurança dos cidadãos, seria a existência de um policia para cada cidadão, o que nem nos Estados totalitários é possível.Não tenha dúvidas meu caro Ram.Também, não alinho pelo diapasão, de que as nossas sociedades são as mais violentas da história da humanidade, porque não o são, que dizer das sociedades da era industrial? e das épocas anteriores?Só que existe um pormenor entre a nossa época e as épocas precedentes, que faz toda a diferença, que é a existência da comunicação social. É verdade caro Ram, basta o meu amigo, ler com atenção alguns compêndios de história,olhe para não o maçar muito com leitura de história, basta ler um livro sobre a idade medieval do Jorge Duby ou do Jacques Le Gof, e irá concluir, que a nossa época comparada com essa,diminuiu de violência.

Bom dia Professor Júlio e demais murcons.

Lobo das Estepes

Anónimo disse...

As minhas desculpas Noiseformind mas quem lhe garante, debaixo de pressão, ter a presença de espirito e pontaria necessária para apontar ao ombro?

Débora disse...

Noisy,

Pensava que se deveria atirar para as pernas, porque imobiliza e pode ser menos nocivo.
De facto, de armas não percebo nada, sou apologista da não-violência.

No Brasil, por exemplo, a questão é muito complicada. Uma parte da população está armda, à semelhança dos esquadrões e malandrins afins. O que não deveria acontecer. Mas só não se arma quem não quer, não há controlo eficaz. O uso de porte de arma deveria ser exclusivo das forças da ordem.
Nos EUA é o que se sabe. É necessário licença, mas muitos cidadãos facilmente a obtêm. Não faz nenhum sentido permitir que a população se arme.
Por cá, tenho ouvido que se compram armas facilmente no mercado negro.
Não basta as forças da ordem usarem, por vezes, as armas indevidamente, ainda temos que temer os cidadãos armados. Algumas tristes consequências, são conhecidas. Não concordo.
Saudações,
Débora

andorinha disse...

Bom dia.

Harryhaller,

Esclarecida.:)
Agora o exemplo que dás, desculpa lá, é caricato.
Se alguém me estivesse a assaltar o carro, eu reagia puxando de uma arma e disparando contra o indivíduo???!!!
Em primeiro lugar não tenho qualquer arma, mesmo que tivesse não a saberia usar e por último nunca o faria numa circunstância dessas. Seria sempre responsabilizada criminalmente ( o que convenhamos não seria nada agradável) e de qualquer forma, a minha consciência nunca me permitiria agir desse modo.
Como já disse ontem, tem que haver limites ao conceito de legítima defesa.
E claro que concordo contigo - a vida de qualquer ser humano é mais valiosa do que o nosso património.
Isto não é passível de discussão.

Anónimo disse...

Ai este som!!! Dá para imaginar os murcónicos a comerem os sufixos às murCONAS, a 3000 rotações LOOOOOOOOOOOOOOOOL

Sical disse...

E o Medo? Já repararam que o medo de muitos acaba por legitimar as maiores barabaridades e preceder os totalitarismos?. A cobardia é uma reacção de muitas cores.

Teatro Mágico disse...

Andorinha
Desde que o património não sejam as nossas mulheres, o que já vale andarmos aos tiros

noiseformind disse...

Debbs,
"Não faz nenhum sentido permitir que a população se arme."

Quanto a disparar para a perna não sugiro. Além de aumentar as possibilidades de ricochete também aumenta a possibilidade de falhar, dado que as pernas de um assaltante que está a correr na tua direcção procurando impedir-te de disparar normalmente estão em movimento rápido. E claro, antes de sequer fazer pontaria ao sujeito dispara-se para o ar, diz-se que se está armado e essas coisas todas, que normalmente com pequenos delinquentes até fucnioinam. Agora, se o assaltante está com uma arma na mão não há possibilidade de saber qual o tempo necessário que tens de esperar para levares um tiro. O problema é que me parece que muitos dos que estão aqui a comentar devem viver em condomínios fechados ou então em aldeias dos Strumpfs, em que tudo é belo e doce. Tipo, e acham que ligar para a polícia com um assalto a decorrer vai adiantar alguma coisa (que não adianta). Ou que acham que um assaltante apanhado em flagrante delito, armado e com cúmplices, se satisfaz com uns "olha, por favor, já me estragaram a porta, isso perdoo, mas importam-se de ir embora?" e vira costas.

Claro que para quem vive a sua vida de uma forma idílica falar deste tema tende logo para o preto e o branco. Aliás, não é a primeira nem será a última vez que vejo as pessoas aqui a defenderem uma coisa muito idílica que contrariam totalmente depois em conversas no MSN ou pessoalmente. Em teoria mal um assaltante chega à porta do prédio liga-se logo para a polícia que o prende ainda a meio das escadas. Pois, podem-me dizer em que zona do país é que se vive assim? Fico à espera das vossas respostas.

E já agora, a maior parte dos homícidios na Tuga surgem de discussões entre vizinhos ou familiares, portanto se calhar antes de se preocuparem com desconhecidos a abanarem armas de fogo com intenções despóticas sobre a vossa segurança deveriam começar a pensar como se relacionam com essas duas classes de pessoas ; ))))))))))))
Aliás, com tanto medo que o pessoal tem de mexer em armas fico a pensar se não serão tão contra por causa de alguém a quem fizeram mal ficar com meios para fazer alguma vingançazinha loooooooool ou por serem pessoas tão descontroladas que achem que são todos como eles e portanto mal o pessoal ficasse armado ia andar para aí a brandir os canhões... na minha experiência pessoal em Portugal, que foi o caso de um grupo estar a assaltar-me a casa em Viana, dei dois tiros para o ar que não demoveram os assaltantes, e entretanto dois deles dispararam. Portanto, expliquem-me uma coisa, sumidades aqui de bancada. Neste caso que grau de monstruosidade tem mandar dois tipos para o hospital com ferimentos no ombro e no braço? Para a Polícia e Procurador-adjunto, não teve nenhum. Mas para vocês deveria estar para aí numa cadeia qualquer não? U MAKE ME SICK ; )))))))))))))))



Had sad that,
Le petit,
"E se, quem te quiser "invadir" (ri-te para ai com a tua super piada) arranjar melhores meios que tu? Ai, ou tu arranjas mais meios (optimo para o consumo, nao?) ou ja estas novamente inseguro."

A população já está armada, não temos um rácio de manslaughter diferente dos EUA. Só que em vez de revólveres temos caçadeiras, que a curta distância são totalmente inusáveis como armas de defesa pessoal, dando quase sempre origem a mortes e não a feridos, como os revólveres dão nos EUA.
Não se trata de nenhuma bola de neve, se o governo fizesse o papel dele. Já estive numa casa assaltada em que os donos foram alvejados com calibres de SMG (sub machine gun, ou seja, metralhadoras!!!!!!!!!). O Estado deve permitir que as armas sejam possuídas na medida das pessoas que necessitam de defesa dentro de portas e deve fazer um esforço REAL para manter as armas ilegais fora das mãos das pessoas que não possuem esses quesitos. Aliás, a caçadeira é totalmente indispensável nas aldeias mais isoladas, longe das pequenas esquadras e piquetes da GNR. Claro que se um caçador não pode ter um revólver tem uma caçadeira para caçar, mesmo que já não pague as quotas como caçador, tão simples como isso.

SUGESTÃO DO DIA COMO ARMA DE DEFESA PESSOAL: Remington 870 Marine Magnum 12 ga Shotgun carregada com cartuchos de Sal Gema. Não-letal e totalmente paralizante em sujeitos até 20 metros. Se quiserem conhecê-la melhor (não aconselhável a pessoas que confundam a posse de uma arma com o nazismo)...

noiseformind disse...

E já agora os requisitos para se obter uma caçadeira na Tuga são uma declaração da Câmara, cadastro limpo e um qq "curso" da Segurança Civil. Portanto, não é a lei que impede uma pessoa descompensada portuguesa de ter acesso a um meio letal de violência. E esta hein?

Anónimo disse...

Obrigado noiseformind andava à procura de uma arma de defesa pessoal e já sei qual será. E agora com a chuva vou passar a andar com ela debaixo da gabardina. Espero que não me confundam com um tarado.

Helena disse...

estou quase em estado de choque com estes comentários! nunca me passou pela cabeça que no meu Portugal dos brandos costumes se defendesse tanto o uso de armas de fogo como legítima defesa. Na minha modesta opinião, não há armas de fogo de defesa. São SEMPRE armas de ataque. Uma arma na mão de alguém que se sente ameaçado (quer a ameaça seja real ou não- que é por si só uma questão bastante complexa) confere uma sensação de protecção que muitas vezes potencia o atrito.
Mesmo quando a ameaça é de facto real, quem é que determina a necessidade do uso ou não da arma? Deve-se disparar sobre alguém que entra à noite dentro de uma propriedade privada? E se esse alguém entrar só com o objectivo de roubar umas árvores (dou este exemplo porque há quem entre dentro do meu terreno à noite para roubar árvores!), deve levar com um tiro? É preferivel ficar sem a carteira ou ser responsável pela morte de um carteirista?
Há um ano vivi durante 3 meses no Tennessee onde praticamente todas as pessoas têm uma arma em casa para defesa pessoal. Nos telejornais locais todos os dias havia referencias a mortos ou feridos com "acidentes" com armas, desde crianças que as encontravam e as levavam para a rua para brincar com os amigos a desavenças conjugais que terminavam no hospital (ou na morgue) porque os animos exaltados não combinam com a presença de armas.
Há sempre muitas formas de defesa pessoal muito mais saudáveis, baseadas principalmente da dissuasão e no evitar os riscos.
A partir do momento em que optamos pela via violenta da defesa não podemos esperar que a violência não tome proporções desmesuradas.
O desarmamento é ESSENCIAL em qualquer sociedade democrática.

Helena disse...

já agora, com uma arma em casa, quem nos protege de nós próprios quando descobrimos que o nosso marido está naquele momento a dormir com a vizinha? ou quando chega o presidente da junta dizer mais uma vez que temos que deitar o muro abaixo? ou...

yulunga disse...

Boa tarde maralhal

E pondo a escrita em dia.

Stardust memories
“dificuldade da medicina em lidar com o sofrimento é uma das razões que explicam o florescer de alternativas que vão do absolutamente respeitável ao charlatanismo puro”
Pode até ser, mas a falta de vocação e sensibilidade duma boa maioria dos médicos é outra das razões.

“Se a instituição médica recusar a priori tudo o que não jorra da medicina ocidental perderá recursos terapêuticos”
Assino por baixo
Yulunga Maria

Comunicado da CCL
Oh Dr. Murcon, e não deu um tiro a esse gajo?

À revelia da Comissão
Obrigada por nos permitir soprar cada um para o lado que nos apetece.

Também quero :)
Ahhhh… também quer…
Mas olhe que cá o mulherio esforça-se, olá se esforça…
Pois… só não tem porque não quer!!!

E é possível sim amar sempre.

yulunga disse...

Sobre o tema hoje.
Até agora só vi armas apontadas aos alvos errados.
Vai de apontar o dedo a quem se quer proteger porque a isso é obrigado.
E que tal tirar primeiro as armas aos delinquentes?
A maioria dos governantes são como os delinquentes: só os têm no sitio quando o alvo é fraco e facil de abater.

Ameninadalua disse...

Noise

"E já agora, a maior parte dos homícidios na Tuga surgem de discussões entre vizinhos ou familiares, portanto se calhar antes de se preocuparem com desconhecidos a abanarem armas de fogo com intenções despóticas sobre a vossa segurança deveriam começar a pensar como se relacionam com essas duas classes de pessoas ; ))))))))))))

e ainda

"...já agora os requisitos para se obter uma caçadeira na Tuga são uma declaração da Câmara, cadastro limpo e um qq "curso" da Segurança Civil. Portanto, não é a lei que impede uma pessoa descompensada portuguesa de ter acesso a um meio letal de violência."

Parecem-me ser dois bons argumentos a favor do desarmamento civil...
Contudo compreendo e aceito que a discussão entre o a favor ou contra, não deve quanto a mim descorar o princípio básico do direito que cada um tem de se defender a si e aos seus, nem que para isso tenha de utizar armas sejam elas quais forem. Não podemos escamotear esta verdade sob pena de estarmos a ser hipócritas...
Em sociedades democráticas e sob ponto de vista futuro e em termos de decisão política, parece-me que o desarmamento é uma orientação a cumprir assim como o garantir as condições de segurança e claro a qualidade de vida dos cidadãos....

yulunga disse...

E quase sempre esses mesmos governantes decidem mostrar poder em outras áeras (das de facil resolução) para mostrar serviço esperando que as atenções se desviem.
Tomando como exemplo os EUA, a luta contra os fumadores foi feroz, do mais feroz que se viu nos ultimos tempos. No entanto qualquer um pode entrar numa loja comprar uma metralhadora e sair a disparar por tudo quanto é lado.
Inteligentemente quase todos os paises resolveram imitar esta hipocrisia.
Acho bem sim, que as pessoas tenham armas para se proteger e que os primeiros a conhecer os seus efeitos fossem os governantes

yulunga disse...

Noisie
Para protecção da casa aconselho, para além dos cães, dois ou três gansos.
Depois diz-me quem lá entra dentro.

yulunga disse...

Desculpem o meu discurso.
Tinha-me esquecido que vivemos em Democracia ;-)

Anónimo disse...

Olá yulunga, estou a conhecer a sua cara de qualquer lado. Será que já fomos apresentados?

yulunga disse...

anónimo das 6:27
6:27 PM?
Não será do comboio?

yulunga disse...

anónimo
Ou por acaso está a insinuar que eu tenho cara de cu

Ameninadalua disse...

Yuly
Bem disposta?
Parece que sim!
Faz falta aqui a tua alegria e boa disposição!...

yulunga disse...

ameninadalua
Estou sempre bem disposta.
Obrigada :-)

yulunga disse...

E já dei os meus tirinhos, pronto.
Até à próxima visita.
Despeço-me com amizade ;-)
(O que eu adorava este programa sem perceber patavina do que se dizia por lá. Um comunicador nato o Eng.)
Daria um bom blogger.

Boas blogadas.

Débora disse...

Noisy,

“O problema é que me parece que muitos dos que estão aqui a comentar devem viver em condomínios fechados ou então em aldeias dos Strumpfs, em que tudo é belo e doce.”

Não me parece que seja o caso – as moradias são as que apresentam maiores riscos de serem invadidas …
Cresci sempre em moradias (de bairros sociais de Lisboa, que diga-se de passagem, envergonham as construções da democracia), por isso sei o quanto estão expostas. E sem sistema de alarme. Tínhamos apenas os cães de guarda.
Nesse aspecto, os apartamentos são mais seguros.

“E já agora, a maior parte dos homicídios na Tuga surgem de discussões entre vizinhos ou familiares, portanto se calhar antes de se preocuparem com desconhecidos a abanarem armas de fogo com intenções despóticas sobre a vossa segurança deveriam começar a pensar como se relacionam com essas duas classes de pessoas ; ))))))))))))”

Mais uma razão para não estarmos armados – é que no calor da discussão, nunca se sabe …

“E já agora os requisitos para se obter uma caçadeira na Tuga são uma declaração da Câmara, cadastro limpo e um qq "curso" da Segurança Civil. Portanto, não é a lei que impede uma pessoa descompensada portuguesa de ter acesso a um meio letal de violência. E esta hein? “

Para usar uma arma de fogo, deveria obedecer-se a um perfil! Lamento a falta de rigor! Que aliás, é apanágio deste país, na generalidade.

Saudações,
Débora

Débora disse...

Yulunga,

Bem-vinda!!!

Um beijinho
Débora

escrevinhador disse...

Tanto quanto sei, a tradição da Igreja não é ser "pacifista", se por "pacifismo" entendermos a negação do uso de armas em qualquer situação. Por isso, é verdade a opinião citada de S. Tomás, bem como a do Catecismo. Agora, quanto à questão valorativa. Permitam-me o meu testemunho pessoal: sou Cristão, e não sou "pacifista" (no sentido acima referido). Considero, por isso, que situações há, de legítima defesa, em que o uso das armas é necessário. Um exemplo claro é a Segunda Guerra Mundial: ou o recurso às armas, ou a dominação Nazi/fascista. Não hesito, nestes casos, em defender o recurso às armas. Agora, tanto quanto percebi, este fulano brasileiro apresenta uma visão mais radical do que a da Igreja. Por isso, rejeito-a. Mas não rejeito a posição da Igreja, havendo é que a compreender. É que o assunto presta-se a polémicas, e não custa adivinhar que muitas pessoas pensam que a Igreja diz e defende coisas coisas que a Igreja não diz nem defende. Mas é fácil: basta comprar (ou pedir emprestado, ou outros) o Catecismo, uma boa História da Teologia /Filosofia Cristã, ou uma boa edição de S. Tomás.

escrevinhador disse...

Fazendo um apanhado do que atrás foi dito, subscrevo o primeiro comentário do Portocroft, algures lá para cima.

Anónimo disse...

Esta gente do murcon parece que está num filme dfe cow-boys"Ele é caçadeiras em casa, pistolas na rua...E então os alarmes das residências, o 112,ou outras coisas de gente civilizada, como por exemplo não se relacionar com certo tipo de gente?
Então as pessoas de meia-idade que andam na rua e tantas vêem mal, como não conseguem brandir pistolas, estão feitas!
Vocês andam a ler muitos westerns ou a ler a biografia do Pasolini.
Além de que a realidade brasileira, e o clero brasileiro, têm pouco a ver connosco.

escrevinhador disse...

Ainda relendo comentários anteriores, e sobre a questão mais particular do crescendo de insegurança. Uma vez, um meu prof. da Faculdade perguntou-nos quais as causas da insegurança cresente. Nós lá as fomos desfiando: - aumento das desigualdades sociais; desemprego crescente; diferenciação sócio-cultural entre classes sociais, entre regiões ou entre nações; acaso certo permissivismo, etc. No fim, ele disse (palavras aproximadas): «Pois. Mas,para mim, o essencial é isto: aumento da população mundial. Porque a violência é parte indissociável da natureza humana. De modo que é uma simples questão de probabilidade e escala: mais gente, mais viol~encia, mais insegurança».

notícia disse...

O parolo do Cristiano Ronaldo, parece que também andou a empistolar lá para a Inglaterra.

escrevinhador disse...

E, pondo de parte certas insinuações infelizes, a parte final do arrazoado do homem deixa uma ponte válida: muitos dos "pacifistas" não tem, de facto, autoridade nenhuma para falar no assunto. Basta ver os elogios encomiásticos que alguns fazem ao Sr. Fidel Castro. Aliás, o simples facto de se andar com um guerrilheiro com Che Guevara na camisola em manifestações "pacifistas", diz tudo.

rita disse...

Caro escrevinhador,

Ainda bem que anda por cá. Mas se o Fidelito tem os seus maus "tiques", que dizer do bloqueio económico dos States, que dura há mais de 40 anos? Além de que deu alguma dignidade àquilo, pois Havana antes dele era só putas e casinos para recreio yankee. Não digo que ainda lá não hajam, mas pelo menos há bastantes médicos, que até sobram para mandar para os sismos paquistaneses.
Quanto à teoria, sobre a insegurança, pró-malthusiana, de que há gente a mais:então os tempos do Zé do Telhado e dos assaltos à diligência, em que havia muito menos população? E os tempos do Pina Manique e dos embuçados, onde ao cair da noite, só andavam na rua, os rufiões? E o Jack The Ripper em Londres?
E já agora não será dispiciendo lembrar o caso chinês, com um bilião e novecentos milhões de habitantes, fora uns trocados, apesar da rigorosa política de planeamento familiar. Claro que eles tiram a tosse por ano a alguns 200 "violentos", condenados à pena máxima.O mundo é complicado e vasto e não podemos ficar pela nossa casinha cristã ou católica, se queremos tentar entendê-lo.
Rita

Ameninadalua disse...

Escrivinhador

Claro que a agressividade é inerente ao homem (entenda-se homem e mulher) e todas as civilizações nos deram enormes testemunhos disso...
Mas a passividade tambem faz parte do ser e apesar muitas vezes de haver conflito interno considero que se o contexto for de feição o Homem opta pela paz...
Mas a estas questões o professor saberá muito melhor que eu responder.
O que eu quero dizer é que me parece muito redondante afirmar que por semos muitos a violência é inevitável..

escrevinhador disse...

Cara Rita: realmente, é outra das virtudes de Fidel - conseguir fazer com que os adversários da globalização se tornem acérrimos defensores de mais comércio internacional para Cuba. Quanto ao meu mundo, descanse: ainda não estive em Pequim, mas não andei longe de Havana. Quando lá quiser ir, lembrar-me-ei de si, na esperança que me ofereça um livro vermelho do Castrismo-leninismo. Que um relapso como eu não a faça desistir, camarada: o mundo precisa de revolucionários prontos a exterminar o império do mal. Avante!

escrevinhador disse...

E, por favor, guarde na gaveta essa do "mundo é demasiado complicado". Não ensine o padre-nosso ao Vigário. De resto, experimente: imigre para Cuba, e depois venha contar a experiência. O mundo, visto a vermelho-foice, é uma coisa muito esquelética. Mas não pense que não lhe desejo boa sorte com a Revolução proletária. Não, desejo-lhe, mesmo, muito boa sorte. Mas, por favor, não me incomodem quando o Comunismo triunfar - daqui a 145.970 anos, nas vésperas da Revolução, esperar estar a dormir. Tranquilamente.

escrevinhador disse...

E, já agora, leia com atenção o que os outros realmente escrevem, e não traga Malthuse a despropósito para aqui, ok?

amok_she disse...

Débora disse...

Olá a todos!

Tardio e curto comentário.
Concordo com o Noisy - defendermo-nos em nossas casas é legítimo, mas ainda assim, teríamos que ter licença de porte de arma.(...)


...isso ñ garante - em absoluto! - um erro...de calculo!, de visão!, de lucidez!, de tanta coisa!...q impeça de se errar o alvo e...acertar num filh, por exemplo, q vem a entrar fora de horas e decide tomar ares de ladrão pra ninguém dar por ele!...qd vejo pessoas defenderem o direito de matar quem se atreve a entrar-lhes pela casa...para roubar coisas - coisas senhores!, bens materiais valem mais q uma vida, mesmo de dum ladrão???...ou antes de dispararem perguntam primeiro se ele vem pra roubar ou pra matar? - dizia eu, por vezes gostava de ver estas pessoas errarem assim!, mas depois penso q "estes filhos" ñ têm culpa dos pais q têm...
...combater o crime com outro crime, mesmo se legalizado pela bestialidade da razão da força!, nunca será solução ...se se quer uma sociedade verdadeiramente civilizada e ...humanizada!...advogar o uso de armas, mesmo para defesa, é o mesmo q regredir ao tempo da pedra...do olho por olho...e andamos nós a criticar os terroristas...:->

rita disse...

Caro escrevinhador,

Lamento, que não tenha entendido,que ao invés da sua argumentação, não pretendi fazer proselitismo ou qualquer anti-ismo no meu comentário. Faça o obséquio de ir chamar camarada a outra. Imaginei que tinha uma cultura mais informada e abrangente, se não nem me tinha dado ao trabalho de o comentar. O seu sentido de humor é primário e preconceituoso.
E quanto a padre-nossos e vigários, acho melhor não exercer paternalismos pouco pertinentes só porque me apeteceu usar um nick feminino.

amok_she disse...

...ai, ai...q os deuses me dêem pachorra para aturar pátós q ainda por cima se acham doutores!!!:->

...devo declarar, desde já, q ñ vivo num condomínio fechado, nunca viveria - sou socialmente clautrofóbica!:-> - e desprezo, como ser humano, quem o escolhe fazer!!!:->

...posto isto, só gostaria de ver um desses gajos q se arrogam o direito à auto-defesa armada enfrentar os pais duma criança morta pelo seu próprio filho, digamos pr'ai de 7, 8 anos!, ou talvez pior ainda: o terem morto o seu proprio filho...por erro!

...mas claro!, gajos destes proferem as grandes e costumeiras alarvidades pq da vida sabem (quase) nada!...ou à vida dão pouco valor pq a sua própria pouco ou nada (lhes) vale!...

...e depois, ainda ñ se publicam na net...pensamentos originias e únicos para consumo dos pseudo-cultos dos nossos tempos, pelo q qd desatam a falar pelos seus próprios (e poucos!) neurónios...só sai cáca!:->

...q os deuses nos acudam...pq o futuro está entregue a estas bestas...

...a morte está certa e da vida só sabemos o dia q acabou de correr...enquanto há vida há esperança, mas...para os inocentes mortos - seja pela pena de morte aplicada por erro; seja pelo tiro q saiu ao lado; seja por qq outra razão pq nós nunca conseguimos ter sempre tudo controlado! - não há forma de lhes pedir desculpa e de se lhes devolver a vida...não precisam pensar mais nos outros q nos vossos próprios umbigos, mas...por favor!, usem a força da razão mais q a razão da força, porra!!!

amok_she disse...

...deduzir q quem é contra o uso de armas, por civis, é contra a auto-defesa é duma estúpidez confrangedora! ...parecida com aquela q dizia q quem ñ é por Bush é pelos terrorristas!, ou recuando um pouco mais...quem ñ é por mim é contra mim!:->

...santa pachorra, para tanta alarvidade!

Anónimo disse...

Esta amok só diz parvoíces incoerentes, coitadinha!

amok_she disse...

...estes defensores das auto-defesas armadas parece q já estão esquecidos daqueles grupelhos de cidadãos exemplares(pois...:->) q decidiram sair à rua pra limpar as suas terrinhas de...drógados! pq quem se droga, pra esta gentalha, é o mesmo q criminoso, mas depois...bahhhhh, já q s'está c'a mão na massa (lei-a-se armas!) vai tb de limpar dos maricas, das putas, dos ciganos...e se ñ lhes pusessem cobro se calhar tb iam os feios...e os barrigudos, etc., etc., etc...:->

*****

eh pá, anónimo, desculpa lá se isto é areia a mais prós teus (poucos!) neurónios(zinhos)...daqui a pouco, se ñ m'esquecer, já te faço um resumo mais simplificado, 'tá!?!:->

amok_she disse...

«Aliás, não é a primeira nem será a última vez que vejo as pessoas aqui a defenderem uma coisa muito idílica que contrariam totalmente depois em conversas no MSN ou pessoalmente.»

No geral levo estas (minhas) intervenções mt mais no espírito da brincadeira - sempre crítica, mas sem fazer grandes juizos de valor sobre as pessoas!, já qt às personagens... pois!:-> - mas, devo confessar q esta é daquelas coisas q me fazem dar razão ao q antes neguei!

Tinhas toda a razão, Maite!... todinha!...e neste caso específico eu retiro o q aqui - sim, pq aquilo a q me refiro diz respeito a uma msg da Maite...aqui!!!:-> - te respondi...

Enfim, a boa educação é mais, mt mais!, q ser polido - q nc o foi! - ou do q ter paletes de textos colectados - sem qq filtragem de q se possa retirar sumo pessoal! - ou do q ter conseguido receber o canudo com mais ou menos marranços!...a boa educação tem a ver com valores e princípios éticos q se recebem (quase) do berço e se vão fermentando vida fora...e q raramente estão associados a poder económico ...ou conhecimentos!, coisa muito diferente de...cultura!...haja decoro!!!

amok_she disse...

Aliás, o simples facto de se andar com um guerrilheiro com Che Guevara na camisola em manifestações "pacifistas", diz tudo.

...ai escrevinhador, fazes juz ao nick!!, escrevinhas mt, mas...escreves pouco!:->

...aquela do Che nas t'shirts diz tudo...o quê, caraças????:->...99% do q as usam nem sabem quem foi o Che, pá!, vê lá se arranjas outro tipo de conversa da treta q'essa já 'tá velha!:->

amok_she disse...

escrevinhador disse...
(...)
8:11 PM


...acreditando q o prof disse mesmo isso assim - o q ñ me admiraria!, se as vossas respostas foram as q referiste, tipo cop&pastanço dos manuais e sem qq tipo de raciocínio próprio!:-> - só vem confirmar a ideia q se tem do ensino: uma merda!...daí termos de levar com estas cabecinhas a "vomitar" as alarvidades q vemos, 'tadinhos!, são jovens, ñ pensam!:->

cromoterapia disse...

Isto está um delírio, bem mais cómico, que no post mais recente das paixonetas. Ele é pistoleiros no domicílio, caçadeiras na avenida, escrevinhadores anti-Che. Vigários e padtre-nossos. Aparece aqui cada cromo!

vigilante disse...

AMOK_SHE

Como sabe bem ver alguém a saber defender o seu raciocínio e as suas convicções.

Um abraço vigilante de auto-defesa sem armas.

Sical disse...

Este é o meu ultimo post sobre este assunto. Não comentaram o medo nem a cobardia que se lhe associa. Quando fui pela 1ª vez ao Brasil, directo a S. Paulo, em 1985, fui para um prédio que tinha um logradouro fechado com uma guarita e guarda armado. Isso deixou-me inseguro e apreensivo. Informaram-me que era norma na cidade. Fiquei mais apreensivo. Para se andar de carro tinhamos de nos trancar dentro do carro. Fiquei mais apreensivo. (ainda não havia condominios fechados em Portugal, embora hoje também já seja quase norma). Não encontrei nenhum bandido, mas os defensores fizeram-me medo com os seus cuidados e armas.

amok_she disse...

...pois, sical, a coisa por vezes torna-se difícil, num espaço q ñ esta(ria) destinado a longas e aprofundadas análises das questões...talvez por isso,por mim é mesmo só por isso, se torne difícl abordar a questão focando os pontos q referes e q são importantíssimos, mas...xiiiiii, se isto é assim só pela rama...imagina aprofundar o medo e a cobardia de quem fomenta esse medo...imagina só!?!;-)

...ñ deixes, por isso, de aparecer... pleaseeeee...

Sical disse...

Não deixo de aparecer amok_she. Só disse que neste assunto era o último comentário. O tema é muito denso para ser analisado em pequenas tiradas.

amok_she disse...

...é isso, sical, é isso...

Anónimo disse...

Hi - You have a great blog. I have a webpage about self defense I'd like you to visit. Here's the link

Anónimo disse...

Hi - I trained in judo and karate for many years. I was looking for blogs having to do with judo and came across yours. Nice blog. I have my own have my own mixed style school now that offers most of the traditional judo techniques. Come have a look at it if you want.

Roberto Iza Valdes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.