quarta-feira, outubro 19, 2005

Paixão duracell?

A propósito do post do García Márquez: a paixão alberga sementes de auto-destruição. A violência, avidez e exclusividade, como poderiam durar anos e anos? Mas será essa constatação necessariamente uma desistência? Não creio, o tempo esconde enormes potencialidades. O conhecimento íntimo não é possível durante a paixão, ela traduz-se num jogo de imagens e não de "pessoas reais". Mesmo o erotismo ganha com o tempo, que permite o aprofundar das fantasias individuais e a sua integração num "argumento partilhado". Na minha profissão ouço muita gente que o afirma e deseja permanecer na relação. E contudo vê-se obrigada a gerir as saudades da adrenalina da paixão. Lá dizia Freud, no fundo não queremos desistir de nada:).

91 comentários:

lobices disse...

...bem lá no fundo, na verdade, ninguém quer desistir do que quer que seja... ninguém gosta de "perder" e desistir é, de alguma forma, perder a força e a vontade de insistir, de continuar, neste caso, na tal relação...
...por outro lado, sempre ouvi dizer que novos amores cancelam outros amores...
...por isso desistir, nunca

Manolo Heredia disse...

Aqui temos um belo "post" do Prof.
Murcons de todas as terras que achais que os velhinhos devem continuar a "bombar" depois dos 60 como aos 30, atentai nestas belas palavras!
De resto a verdadeira ciência da vida só começa lá prós 50. Estais perdoados!

Su disse...

gostei de ler prof

... e não é que freud conhecia-me bem:)))))

jocas maradas

intimidade indecente disse...

Professor, acho que a maior angústia de todos nós é anteciparmos que vamos permanecer numa relação que não consegue encerrar toda a sede de descoberta do outro inerente à etapa da paixão. Necessariamente as relações de intimidade evoluem no sentido que o Professor tão bem ilustrou, pelo menos a maioria delas, segundo o curso natural das coisas, a bela da crise, nos termos em que Erikson a concebeu, é precisamente desenvolver a capacidade de integrar o êxtase da paixão com a intimidade do amor. Sendo complementares, que mais se pode pedir que permanecer ao lado de quem se ama e deseja com um eterno espírito de criança curiosa e ávida de saber do outro, na certeza de que esse outro nos quer do seu lado tal como nos conhece, com virtudes e, chamemos-lhes assim para não sermos pessimistas, "características menos boas"?
Abraço pleno de admiração!

Débora disse...

Pois é, Prof., como tenho dito, não podemos ter tudo - são as tais opções que temos que fazer, até mesmo no quotidiano(optar entre carne e peixe, água ou vinho, branco ou preto, etc.).
É uma questão de se colocarem os prós e os contras no prato da balança e decidir.
Já sei que não é assim tão linear, mas não me parece haver alternativa.

Então, Prof., não deveria estar a ver o FCP?
Para já, e espero que até ao final, PARABÉNS AO FCP! (de uma benfiquista portuguesa ...)

Saudações,
Débora

Débora disse...

Ah, esqueci-me de dizer:

PARABÉNS AO PORTO, CARAGO!
É assim que se diz, espero ...

Saudações,
Débora

lobices disse...

...BIBÓ Puarto, CARAGO!...

monica disse...

e porque não ter tudo? em fases diferentes / sucessivas da vida? muita muita paixão, sedução e os seus jogos, fúria, euforia, cabeça leve, coração pesado, até à exaustão e, um dia, escolher conhecer o outro lado, o conhecimento lento e vagaroso de outra pessoa, essa coisa já dita do espaço vasto para a fantasia, o companheirismo, um projecto comum. tudo junto, na mesma vida, e ainda o que mais virá, porque não?

andorinha disse...

Júlio,

Assim é outra história, assim já nos entendemos.:)))
Gostei do post e sobretudo desta frase - "O conhecimento íntimo não é possível durante a paixão, ela traduz-se num jogo de imagens e não de "pessoas reais"."
Conviver depois com as pessoas reais com amor, ternura, cumplicidade, companheirismo poderá ser considerado uma desistência?
Claro que não, é apenas uma outra forma de viver a relação.
Aí já acredito que algumas possam durar uma vida, embora mesmo neste caso, tenham que ser pessoas excepcionais para o conseguirem fazer.

Lobices (8.46)

"...novos amores cancelam outros amores..."
Nem sempre, nem sempre...:)))

Anónimo disse...

Há velhadas que vêm aqui quase para se justificarem do que não viveram ou do que viveram e lhes deixa remorsos. Chegam aqui, ouvem o "é natural" do Professor, dizem que viveram exactamente assim a vidinha cinzenta deles sem tirar nem pôr e vão à vidinha deles respeitosamente. E ninguém lhes cobra 60 ouros. Excelente botica o Professor tem aqui, e sem precisar de aprovação do INFARMED. Por isso (e por 20 anos de atitudes lúcidas e fracturantes) os meus Parabéns.

moon disse...

:)))))))))

moon disse...

Ora viva!
Ah, gostei deste "post"!
Adorei o "Também quero:)".
Mas esse teve efeitos secundários.
Reflexos "Pavlovianos"... I guess...

Pegando nas suas palavras:
"...muita gente que o afirma e deseja permanecer na relação."

Pois! Mas o melhor é decidir ficar a "100%" ou então é asneirada pela certa. Um´pé dentro e outro fora da relação é caminho certo para duas cabeças "moídas".

Ps: E eu aqui toda contente a "transgredir" (the dark side of de moon...)
Isto é mesmo terapêutico (arriscava mesmo: viciante). No início para mim foi. Agora estou moderada, na outra fase...Acabou a paixão??? Já?!:(((

Durmam bem. Uma noite de sonho(s)...

Anónimo disse...

Anónimo das 10:45
Estou inteiramente de acordo consigo. Esta gente vem para aqui mostrar que já passou a barreira dos 50, que tem lido umas coisas e plagiado outras. Entretanto, quem ganha com isso?
Deu a resposta no seu comentário.
Logo, os parabéns vão para si ;))))

amok_she disse...

Lá dizia Freud, no fundo não queremos desistir de nada:).


...ainda sem ter lido todos os anteriores...

...o Freud percebia de triangularidades!!!:->

moon disse...

Ia "Zarpar" mas lembrei-de do engraçadinho das 10:22 (do outro dia)

"Nina e Moon, a relação lésbica, era giro... Era!"

Ouça lá, acha mesmo que depois de tão grande "esforço" em manter-me "quietinha e fiel" (a bem do tal respeito)me ia, agora, virar para o "inimigo"?!!
Dãaaaaa!

Anónimo disse...

Eu tb tinha uma duracell por este blog e obviamente por este Dr.que adoro,mas depois de sussecivas tentativas,partilha,convites,
ecos...surdos e mudos,desisti!!
Pena que tenho Dr.,agora é raro aqui vir(e venho sem nome)por tantos e tantos silencios seus e dos seus etcs!
Isto é uma carta aberta á vida,penso,aberta ao desabafo,espaço livre,espero,
mas o que passa,
é que "os outros" que por aqui são caloiros...
simplesmente Chumbam!
Não falo apenas por mim Dr.
entendi que muitos colegas como eu se queixam...Será que deveriamos ser todos iguais?
ou uns são mais iguais que outros?
Desculpe a ruminação!
B.

tiago disse...

Não há nada como um postzinho sobre "paixões" para pôr o pessoal animado. Estimule-se a líbido.
E não terá havido outra espécie de paixões sem serem as do costume?

Anónimo disse...

Só sei aquilo que sinto.
Pensei que tinha casado para toda a vida, apenas porque a forma como decorreram os 14 anos de casamento foram uma continuação da paixão vivida no namoro, mas com maior e mais requintada intimidade, e não por querer viver forçando um qualquer conto de fadas.
Ao fim destes 14 anos descobri que o outro lado tinha metas, tudo bem, o pior é que eu também tinha, sem saber, um prazo para atingir determinadas metas.
Apesar de toda a paixão, química e amor ela mentiu com a boca, mas não com os olhos, dizendo que já não me amava.
Claro queria ser amiga ou muito amiga, como é que não percebeu que era impossível. Da forma que existiamos só casados até velhinhos a babarmo-nos para cima um do outro a fornicar.
Nunca mais falei com ela, já lá vai mais de 1 ano, nem para tratar de assuntos dos nossos meninos, felizmente não preciso.
Agora odeia-me, tudo bem, é só outra forma de amar. Eu não consigo odiar, mas existe uma tristeza nula que não sai do meu peito.
JF

naoseiquenome usar disse...

Sr Anónimo:
entendo as suas ruminações, mas pelo amor de Deus, aprenda a escrever Português!
... não desistir de nada:....
pois! é complicado, tanto na profissão, como na vida, como nos amores. às vezes é imperioso fazer opções. A maior parte das vezes entramos em conflito por termos esolhido isto ou aquilo, aquele ou outro... em vez de....

Pandora disse...

Tiago,
Houve e ainda há outras paixões, pouco acessíveis a peasoas banais.
Apaixão da JUSTIÇA
A paixão da VERDADE
A pixão da LIBERDADE
A paixão do SABER
A paixão da ARTE
A paixão da VIRTUDE

Podem fundar-se em utopias. Mas qual a paixão que não se funda nelas?

pandora disse...

corrijo: pessoas

UGAJU disse...

Paixão e amor... pois! É por isso que eu sou muito conservador com as mulheres. Para mim uma mulher tem de ter entre 20 e 30 anos de idade! Chamem-me tradicional...

fb disse...

Bom dia pessoal,
ugaju 8:32
será que li bem? Ou já descobriram a pilula que não nos deixa envelhecer, e o "menino" comprou o stock todo? Sabe "MULHER" não é coisa.........pense nisso!

Su disse...

há uma coisa que ainda não entendi e nem sou lerda....os anónimos que aqui escrevem, pq o fazem??
afinal tem de ler tudo o q aqui está q os outros escrevem, tem de ficar chateados .... e depois tem de escrever merda... é isso nós aqui fazemos "catarse", para o vosso caso.... químicos... quimicos..tem um resultado mais imediato
tenho dito


jocas maradas cheias de pó e não é pó talco, é pó da vossa mesa de cabeçeira...experimentem snifá-lo logo de manha...podem ser q esqueçam o murcon q tanto vos incomoda, ops vcs insistem e gostam:)))) isso é tara!!!!!!
ou estupidez de tanto insistir

começo bem o dia, começo.....

Pamina disse...

QUANTOS ANOS DURA A PAIXÃO?
DEPOIS DO CASAMENTO O DILÚVIO?

Andei por aí a fazer um inquérito. Deixo aqui algumas declarações:

-Florbela Espanca:"Quem disser que se pode amar alguém/Durante a vida inteira é porque mente!"

-Camões, contando a história de Jacob: "Sete anos de pastor Jacob servia/Labão, pai de Raquel, serrana bela;/mas não servia ao pai, servia a ela,/e a ela só por prémio pretendia…Vendo o triste pastor que com enganos/lhe fora assi negada a sua pastora,/…começa de servir outros sete anos/dizendo:- Mais servira, se não fora/para tão longo amor tão curta a vida."

-Nuno Pereyra, surpreendido com o aumento de intensidade da paixão após o casamento, na "Cantiga de quando casou com Dona Isabel" (C.G. de Garcia de Resende):
"Amor, onde t’escondias/nos tempos que me matavas,/que tão forte parecias,/e o mais bravo guardavas?" (ortografia modernizada)

-Nick Yee (um jovem norte-americano de ascendência asiática c/ uma interessante homepage):
…"human infants cannot cling onto their mothers the way all primate infants can…the only way a human infant can survive in the ancestral environment is if both parents are present. Limerence is perhaps an evolutionary adaptation that creates an irrational emotional attachment to another individual for the likely duration of conception, birth and child care. This duration is around 2-3 years, which is also how long marriages usually last - long enough to bear one child and for that child to be old enough to walk."

-O meu tio, que nunca leu G.G.M., depois da morte da minha tia após 25 anos de casamento, falando das traquinices deles:"Às vezes, parecíamos dois miúdos a correr pela casa um atrás do outro."

-Richard Wilbur no poema "For C.", dedicado à mulher com quem estava casado há 30 anos:
(O poema começa por falar de despedidas de amantes em filmes cujos amores foram intensos e breves)

"We are denied, my love, their fine tristesse
And bittersweet regrets, and cannot share
The frequent vistas of their large despair,
Where love and all are swept to nothingness;
Still, there’s a certain scope in that long love
Which constant spirits are the keepers of,

And which, though taken to be tame and staid,
Is a wild sostenuto of the heart,
A passion joined to courtesy and art
Which has the quality of something made."

Por razões de espaço, não incluo mais respostas. De qualquer modo, acho que o final do poema do Richard Wilbur fecha a lista com chave de ouro. É lindíssimo e bem no espírito do post.

Um bom dia para todos.
Até logo.

Manolo Heredia disse...

pamina,
Eu também tinha essa imagem do Labão e da Raquel. Até que um dia, lendo uma bíblia num quarto de hotel, tropecei nessa história e espantei!
O pai da Raquel era rico e a partir do dote que Labão recebeu pelo casamento, fez uma fortuna muito superior à do pai dela.

E a quantidade de concubinas escravas que ele tinha? das quais teve vários filhos, que a mulher não lhe podia dar!

Nós insistimos em não ver o amor com os pés assentes na terra. Por isso recorremos a tantos mitos!

E os amores de Pedro e Inês? repletos de "sacanagem" por todos os lados!

Florbela Espanca, essa sim, tratou o amor com os pés na terra. E vai-se a ver, vai-se a ver, o verdadeiro amor dela era incestuoso!

Anónimo disse...

su:há uma coisa que ainda não entendi e nem sou lerda....who said so? :-))))))

lobices disse...

...já "publiquei" várias vezes este meu "hino" à paixão
...já vivi muitas vezes a paixão
...por isso repito e me repito a mim mesmo que "Amar é o caminho"
...não, não estou arrependido
...
"...Os meus olhos pousam em ti e todos os meus sentidos te olham num delirar mútuo de atenção... Vejo o teu corpo e deleito-me na tua alvura... Cheiro o teu cheiro e aspiro a tranquilidade da tua paz... Ouço o teu respirar lento, como um lamento que não lamento... As minhas mãos tocam os teus cabelos e envolvem-se neles... Acerco-me de ti e te toco... Te sinto global e ali inteira frente a mim... Beijo a tua boca e tudo se torna como num festim de doces carícias e sabor a sal... Estou inteiro no teu corpo inteiro e me sinto nele como sinto o teu corpo em mim... É apenas um abraço, um enlace de braços que apertam sem apertar, sentindo apenas o teu respirar... Minhas mãos percorrem a tua pele acetinada linda... Fecho os olhos procurando apenas sentir... E sinto o desejo crescer em mim e o teu arfar sobe de tom... Como é bom... A minha boca se cola na tua boca e a minha língua se funde dentro dela como se da tua se tratasse... É apenas mais um enlace... Sinto o teu peito quente junto ao meu e beijo teus mamilos num acto de procura da loucura... Loucura que me invade lentamente, premente ali presente ou então como se tudo mais estivesse ausente... Meus braços te envolvem e se descobrem momento a momento como se fosse a primeira vez que no teu corpo se movem... Sinto o cálido odor do teu corpo quente de amor, oferecendo-se como numa espécie de orgia sem pudor... Minhas mãos tacteiam centímetro a centímetro toda a tua pele, todos os recantos de teus encantos e se encontram, de repente, sobre o teu ventre quente, dolente... Afago tuas coxas e as tuas ancas e as aperto contra mim... Procuro o teu sexo e o acaricio... Beijo-te completamente num único beijo e me torno desejo do teu próprio desejo... Te envolvo num abraço mais e te penetro... És tu que me possuis... Não te tenho, és tu que me tens... Movimentos se entrelaçam como se não fossemos dois mas um só... Os nossos corpos se fundem num arfar profundo de loucura... Já não sei o que sou, apenas em ti estou... Eu sou tu e tu és eu numa fusão de ser e estar... Na verdade és tu que me possuis, eu não te tenho, és tu que me tens, em ti eu me dou...E em ti me eternizo..."
.
.
(republicação dedicada,a todos os que verdadeiramente se amam e tentam eternizar esse amor para além do corpo e para aquém da alma)

Paula Canhão disse...

"O conhecimento íntimo não é possível durante a paixão, ela traduz-se num jogo de imagens e não de "pessoas reais"."

- o mais difícil de esquecer são essas "imagens" que, não sendo reais (e talvez por esse facto), são as que mais desejamos.

básica disse...

Paixão...é maravilhoso e deve viver-se o mais intensamente possivel. Estou em estado de paixão há vários meses, se é duracell não sei mas sei, que está a durar...a durar...a durar!

de© disse...

Um post com muito peso específico. Apenas coloco reservas à alusão a ‘pessoas reais’, dado que JMV refere seguidamente ‘o aprofundar das fantasias individuais’ – é que me parece semos sempre uma ‘ficção’ à deriva, procurando um ‘real’ que nos ilude, ou melhor, que se está permanentemente a reconfigurar.

Congratulo-me com o reconhecimento por JMV de que existe a situação de ‘argumento partilhado’, mas assinalo, novamente, a presença nesta ‘cena’, de um jogo entre aqueles ‘actores’ que todos nós somos desde a infância.

Actores em busca de ‘pessoas reais’, tão difíceis de captar, como miragens.

de©

de© disse...

Nota:
Penso que o texto é de JMV. Se não for que importância isso tem para as minhas ruminações? Nenhuma.
de©

Mário Santos disse...

A paixão não tem de acabar, mas tem de atravessar o deserto da realidade, que felizmente tem muitos oásis.

Quando uma das paixões não sobrevive ao deserto, deixa a outra num vazio enorme.

Um abraço ao JF

Anónimo não desistente, gere bem a paixão e casado há 25 anos:))) disse...

O Judeu foi ao jornal pôr o anúncio da morte da esposa:

- Escreve aí: Sara Morreu.

O escriturário admirado pergunta....

- Mas é só isso ?

- É! diz o judeu... senão fica muito caro !

- Mas paga o mesmo até 5 palavras...

- Então escreve...
Sara Morreu.Vendo Opel Corsa

:)) disse...

:))
lindo

anónimo não desistente, gere bem a paixão e casado há 25 anos :))) disse...

:)))

Nina disse...

O Freud dizia e eu, que sou persistente (que teimosia em chamarem-me teimosa!), não desisto mesmo!

Nina

Anónimo disse...

...mas não desisto mesmo! Perseverante? Rima com amante (aquele ou aquela que ama). Não rima com paixão? Não? Quem disse?

AnonimaMENTE Nina... (sorriso)

Gerûndio disse...

As paixões não sei, mas as relações amorosas ou não, são para serem bem geridas. Como tudo na vida

fb disse...

após tantos comentários, fala-se muito de paixão, amor, relacionamentos, mas mais importante é a pergunta feita por quase todos "como gerir tudo isto", como um negócio.....que dará lucro ou não, duradouro ou instável, tudo levado ao extremo do materialismo. Parece-me que muitos assumem os sentimentos só pelo prazer carnal, ponto final parágrafo, e assim não há amor que resista, dizem "a carne é fraca" penso o contrário, não será "a mente é fraca".

básica disse...

"a mente é fraca"!!!
É isso mesmo fb penso exactamente como tu.

Manolo Heredia disse...

anónimo não desistente...,
Esqueceu-se dizer que também era mentiroso! loool

Manolo Heredia disse...

fb,
eu diria antes que o homem é vaidoso e por isso considera-se um animal superior quando na realidade é um animal como os outros, feito da mesma carne e do mesmo osso. A cultura é uma máscara que está sempre a cair!

Manolo Heredia disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Nem mais nem menos disse...

Já leva 48 anos, o casamento de meus pais. Ainda me faltam e a meus irmãos vários anos na idade para lá chegar.
Nada de paninhos quentes, já vimos todos, por vezes, como entre os dois as discussões estalam. Mas estalos..., alguns, parcimoniosamente distribuidos pela filharada, um no outro, só com com a pontaria das palavras fervendo.:) Engraçado..., fervendo, mas sempre com uma certa? como direi? dose de ternura será?, agora que escrevo lembro: apontam dedos, algumas ciumeiras, desacordos antigos,coisas recentes, mas não os enterram na carne um do outro,pode ser que ande por aí pode Gabriel:) traquinam como coelhinhos e discutem como cachorros...:))))acho que isso depende dos feitios e com aqueles dois parece ter funcionado assim... 48 anos é muito tempo de vida, partilhada...
E também todos vimos,(e comentámos com uma certa dose de inveja, Bolas!!), quase diáriamente, como se mantém cúmplices a malícia e o desejo um do outro no olhar, e nos actos!
Será isto ainda paixão? é amor? é o feliz: The End, tiveram muitos filhos e viveram felizes para sempre? hummm..., não sei.
Filhos tiveram, uma mesa cheia.:))))
Sei que sempre tiveram uma vida própria. Só deles. E tendo sido uns bons Pais são agora uns Óptimos avós. Continuam tendo.

Com um exemplo destes portas dentro, e outros por aqui e por ali semeados..., como é que não "temos" que querer tudo? perguntamos cá em casa uns aos outros...:))))

Nem mais, nem menos.:)

Anónimo disse...

Obrigado Mário.
Penso só que apesar de tantas teorias e declarações, algumas de gente muito ilustre, o que importa, verdadeiramente, é sempre o nosso sentir individual.

Abraço!
José Fonseca

noiseformind disse...

Mesmo dendtro desta Teoria Triangular do Amor (de que não sou apologista mas largamente disseminada na sociedade) Steinbergiana todos os participantes (até ver) esqueceram (convenientemente? Terão de ser eles a responder) um dos vértices: a intimidade emocional. Ora esta é precisamente a intimidade que resulta do conhecimento mútuo. Ouvi aqui à batelada e por quase todos os participantes dizer laudas dos 20, 25, 70 anos passados em conjunto, da até possibilidade de o sexo prevalecer. De se conhecer o outro nada, nem pio. Fala-se do casamento a uma só voz, o outro não é cá chamado. Nem se diz "nós vivemos". Não, "eu vivi", triunfo próprio, egoísta, auto-projecto, e portanto a paixão pode sempre ressurgir, basta estar mutuamente nas agendas dos dois ilustres desconhecidos ; ))))))))))

O próprio Steinberg acabou por chamar ao Amor triangulado (o mais profundo segundo a sua análise) Amor "consumado" ;) usei as aspas pq em raras traduções para o Tugalês vejo a palavra. Consumado pq todas as outras formas de Amor, sem os três vértices, seriam "mancas". Mas o problema da verificabilidade sempre se aplicou a esta teoria, em primeiro lugar pq os factores socio-económicos predominam largamente em relação aos factores da triangulação. Um dos exemplos mais fortes é por exemplo a elevadíssima taxa de casamentos após o início da actividade profissional, o que faria supôr que nessa fase se dá um idílico alinhamento entre os três factores ; ) por outro lado as próprias relação são mixes de necessidades humanas em constante transumância (o exemplo do anónimo de há 2 posts era visceral) e muitas vezes a construção faz-se por acção de um e aceitação de outro.

A Amok_she seria mulher para dizer "Que vulgar, já milhares de tipos pensaram sobre essa questão nos últimos 300 anos, que seca, que bajulice". Mas pronto... já que estámos aqui a falar de algo, ao menos chamemos as amoks pelos nomes.

E para quem quiser conhecer (com esquemas associados e tudo) cá fica uma página bastante simples ; ))))

No entanto, conceptualmente, concordo com muitos dos aspectos de Steinberg, como por exemplo a ideia de "amor vazio". Se ficou o compromisso, as rotinas sociais e familiares e a paixão e a intimidade emocional se perderam então as pessoas podem dizer que continuam perfeitamente casadas. Mas se há mínima opinião de um o outro diz "Que disparate" e por norma ficam os dois entretidos com as revistas próprias, com as compras próprias (dou o exemplo interessante dos casais que levam dois carrinhos para o hipermercado e as listas já feitas. Eficácia 100% na forma de evitar uma discussão ; ))))))))) ), então temos uma rotina que pode ser Amor num contexto de ausência de outras pessoas mas em comparação é sempre uma cúpula de vidro. Pode durar até à morte, pois pode durar até à morte a conveniência.

Uma das coisas que mais gostei na Teoria de Steinberg foi a forma como ele lidou com o sexo. Muito modernamente (e mesmo de forma avant-guard face a um behaviorismo que era, à altura, istriónico) considerou o sexo um elemento exterior a este contexto. Até hoje Steinberg tentou evitar a apropriação do seu triângulo pelos neo-platónicos, com total falta de sucesso como podem ver no link que vos mostro (e precisamente a principal razão para o ter escolhido de tantos). O que Steinbeg quer dizer é que o sexo é uma componente im previsível e não formal, portanto o sexo não pode ser usado como factorização de Amor. Foi preciso esperar pelos anos 90 para que fosse demonstrado que os casais com mais elevada função sexual eram aqueles com maior ligação do triângulo de Steinberg em termos de elos mas já o inverso não era verdade. Nenhum estudo até hoje demonstrou que fores laços no triângulo de Steinberg precederiam resultados elevados em termos de satisfação sexual. ; )))))))))))

As investigações continuam, assim como a vida de muitos casais. O meu brinde a todos eles, desde os "vazios" aos "consumados", pois lutam contra si mesmos e a sua ânsia inerente de serem plenos por si, com todas as rachas que surgem nos egos de cada um (tirando ali o Fora-de-lei ; ))))) ali a mulher está bem adestrada, o triÂngulo é todo dele, afinal quem paga as contas? ; ))))))))) )

Abraço ppl ; )))))))))))

P.S- Aceito que a partir de uma certa idade só o estar quieto seja motivo de apreciação de acção. Afinal estar hoje em dia casado há 25 anos é por si só motivo de claro apartamento em relação a muitos dos que nos rodeiam. E a partir dos 60, já dizia a minha falecida avó "só faz falta mesmo é que ele deixe enrolar ainda os pés nos dele nas noites mais frias" ; )))))))))))))

fb disse...

manolo 2:36

se temos capacidade de análise, como aqui se escreve, porque a perdemos na totalidade, e ficamos reduzidos a uma essência puramente animal, de quando em vez? Não contando com aqueles animais que são fiéis a uma unica/o companheiro

Anónimo disse...

"E a partir dos 60, já dizia a minha falecida avó "só faz falta mesmo é que ele deixe enrolar ainda os pés nos dele nas noites mais frias" ; )))))))))))))"

Noiseformind, e algum de nós se atreve a questionar essa verdade tão sábia e tão desprendida? Afinal você até sabe umas coisas, mais por via da avózinha que por via desses catrapassos que andou a ler ;))

fb disse...

todos estes ?????????sobre o amor e paixão, existem, porque há sempre alguém que tenta justificar a "infidelidade", se fossemos fiéis connosco e com os nossos companheiros/as, 90% de tudo isto não se colocava.

noiseformind disse...

Fb, olhe que nem sempre essa coisa da fidelidade funciona assim... olhe que nem sempre... é que o estudo da Ostertagg foi calado rapidamente mas ainda ninguém o inverosimilou... ; )

anónimo,
A minha avozinha era uma gaja porreira ;) teve azar de viver no tempo que viveu, onde passou por devassa e depois maluca. Ainda me lembro do escândalo de aos 78 anos ter sido "apanhada" com um vizinho (igualmente viúvo) na sua própria casa (onde entretanto passou a viver uma tia minha). Ai as saudades que tenho da senhora. Só me dizia: "Pedrinho, se eu hoje fosse uma rapariga nova era actriz pornográfica: ganham fortunas a fazerem a melhor coisa do mundo com os melhores homens do mundo a fazê-la"

Anónimo disse...

Noise,

ARRASOU.

noiseformind disse...

E olhem que muitas vezes à infidelidade, além do capital com que se fica para o futuro, ainda temos de somar o perdão. Sim, que as pessoas perdoam-se umas ás outras. Mais se a coisa foi "apenas" física, muito menos se a coisa foi amocional, menos se a coisa foi "mista". Alguém um dia vai ter de me explicar como separam isto nos estudos de infidelidade. Eu bem leio, bem leio, mas continuo sem perceber. Até pq aqui estámos sempre dependentes da imagética da pessoa entrevistada. Para alguém emocional pode ser um jantar, para outras pessoas pode ser uma longa conversa ao telefone... ai ai ai... estes difíceis amores ; )))))))))

Já sei, diz a Amokzinha: "se o meu me traísse sem amar então não aceitava, pq eu só tenho outro pq amo outro". Mas e quantas e quantos pensarão ao contrário de nós os dois? ; ))))))))

Anónimo disse...

Noiseformind 3:34PM

"A fidelidade, se não é expontânea, morre.

:)))))

fb disse...

de tudo o que já ouvi, vi, e vivi, quem é ou foi infiel, têm sempre uma dose bem grande de arrependimento quase imediato, no entanto qd repete a dose, o arrendimento só é novamente lembrado depois, e então lá volta a lamechice, do "eu não queria, mas aconteceu, não volta a acontecer, até pq n têm qq valor o q se passou", grande dose de hipócrisia? será?e alguma vez este tema terá explicação lógica? se somos fiéis mentalmente, e a mente comanda o fisico, porquê tanta fraqueza?????????

Anónimo não desistente, gere bem a paixão e casado há 25 anos:))) disse...

Manolo, Manolito

Mentiroso não. São mesmo 25 (VINTE E CINCO !!!) anos de casados. E é isso que me faz sentir digamos "diferente" porque já são poucos os que não desistem :)

Mas como o Noise diz:
Afinal estar hoje em dia casado há 25 anos é por si só motivo de claro apartamento em relação a muitos dos que nos rodeiam.


E para manter um bom casamento também é preciso sentido de humor e boa disposição :))))))

noiseformind disse...

Isso é cruel anónimo... usar palavras do Éme contra mim. Mas quer dizer, se não disse que essas palavras eram do Julinho quer dizer que és o Julinho? Ai malandreco, a atacar o pessoal à falsa-fé ; ))))))))))
A fidelidade pode ser espontânea até uma gravidez ou qq outra mudança que a torne opressora, como um simples encontrão acidental com a secretária que sempre achámos muito interessaante lá no escritório. Ou até o nosso conjugue que adoramos nos deixar 5 meses à seca sem sexo.

Se eu fosse um porco cínico ; )))) (que não sou) eu diria que a fidelidade é um contrato entre dois sexos e respectivas expectativas em relação ao sexo oposto que são expectativas em relação ao sexo em geral? Percebido???

; ))))

fb,
No recanto das nossas mentes somos todos uns porcalhões e porcalhonas ; )))))))) depois há camadas que vão canalizando essa vontade primieva, a inteligência emocional, os traçados mentais, as pré-disponibilidades, as experiências de custo-recompensa, a oportunidade... ; ))))

Piada porca:

Mesmo casado com a Angelina Jolie até a Angelina Jolie traía com a Angelina Jolie!

Pq a Angelina Jolie iria ser preenchida até ao limite e na Anjelina Jolie ainda não tomada ainda existiria expectativa e mistério. As mulheres tornam-se pragmáticas à força. Diante do cinzentismo da performance dos vários machos disponíveis rapidamente passam para factores mais emotivos ; )))))

há prontuário às vezes há disse...

Mas se há´' mínima opinião ele atira chumbadas, como não será à mínima invasão da sua privacidade? Pelo sim pelo não será sempre melhor continuar a usar o `Á´ - ele há cada escola...

Anónimo disse...

Noise said

"Isso é cruel anónimo... usar palavras do Éme contra mim. Mas quer dizer, se não disse que essas palavras eram do Julinho quer dizer que és o Julinho? Ai malandreco, a atacar o pessoal à falsa-fé ; ))))))))))"

Mas, caro Noise, a que anónimo te referes tu ? (Favor indicar hora do post a que te referes) :)))

Morais disse...

"... Para viver um grande amor perfeito, não basta ser apenas bom sujeito; é preciso também ter muito peito - peito de remador. É preciso olhar sempre a bem-amada como a sua primeira namorada e sua viúva também, amortalhada no seu finado amor.

É muito necessário ter em vista um crédito de rosas no florista - muito mais, muito mais que na modista! - para aprazer ao grande amor. Pois do que o grande amor quer saber mesmo, é de amor, é de amor, de amor a esmo; depois, um tutuzinho com torresmo conta ponto a favor..."

[Vinicius de Moraes, Para Viver um Grande Amor]

Tu e Me-ti disse...

"Tu vem procurar Me-ti e diz: quero tomar parte da luta de classes; ensina-me. Me-ti diz: senta-te. Tu senta-se e pergunta: como devo lutar? Me-ti ri-se e diz: estas bem sentado? Não sei, diz Tu admirado, de que outra maneira me sentar? Me-ti explicou-lho. Mas, diz Tu com impaciência, não vim para aprender a sentar-me. Eu sei, queres aprender a lutar, diz pacientemente Me-ti, mas para isso é preciso estares bem sentado, porque de momento estamos sentados e é sentados que queremos aprender. Tu diz: se se procura sempre tomar a posição mais cómoda e tirar o melhor partido do que existe, ou seja se se procura o seu prazer, como lutar? Me-ti respondeu: se se não procura o seu prazer, se se não quer tirar o melhor partido do que existe e se não se quer tomar a melhor posição, para quê lutar?" [Bertolt Brecht]

Ni disse...

noiseformind...
Não lhe ofereço uma fatia do meu bolo de chocolate (só partilhado com amigos, e... e... ) porque estas virtualidades não permitem certas intimidades.(LOL)
Mas obrigada pelas gargalhadas que me proporcionou.
Haja humor, inteligência!

Nina

PortoCroft disse...

Caro Prof. m8,

Sobre as paixões Duracell, falarei mais tarde.

Para já, reconhecendo a nossa, em nome da pluralidade desportiva e das melhores tradições republicanas e a pedido do carissímo RAM... ;))))))

resistente ... sempre :)) disse...

.."É preciso um cuidado permanente não só com o corpo mas também com a mente, pois qualquer "baixo" seu, a amada sente — e esfria um pouco o amor. Há que ser bem cortês sem cortesia; doce e conciliador sem covardia; saber ganhar dinheiro com poesia — para viver um grande amor."


[Vinicius de Moraes, Para Viver um Grande Amor]

nozes disse...

à nossa!

morais cortês disse...

a um@ resistente com cuidado permanente :))

história disse...

Vinicius de Moraes n. 19 Outubro 1913 - m.1980

resistente cortês :)) disse...

a um@ morais cortês:

pois :)
para viver um grande amor é necessário ter um cuidado permanente ;))

Olhar disse...

De: Anonymous das 4:08PM
Para:Noiseformind das 4:21PM
A/C :Anonymous das 4:29PM :))))))


A frase que escrevi de memória, são palavras pensadas do Professor com que concordo e que acho fazem todo o sentido, mesmo depois de todas as suas.:)e o anónimo "nunca" poderia ser o Anfitrião..., lembra-se dele dizer/escrever que, agora;), assina sempre por debaixo?:))))

Mea culpa que o não mencionei em tempo...:(

Ao fim ao cabo, se calhar queremos ter tudo dos outros que achamos/idealizamos (?) capaz de nos fazer felizes, mas, às vezes esquecemos que vivemos, dia e noite, connosco:)

Que andará fazendo o Porty tão caladinho?não pode ser boa..., ou andará, amuado???:)))

Olhar disse...

Afinal o Portocrof vem mais tarde...:)))

Olhar disse...

Favor ler + t onde ele faz falta:))

Vou lanchar.

anónimo cortês disse...

Olhar:

Agradeço a atenção ;))

Duracell emocionado disse...

"Só se ama uma pessoa de cada vez. Nunca duas ao mesmo tempo."

Marguerite Duras, in 'Mundo Exterior '

Ni disse...

Duracell emocionado...
Margueritte Duras, quem lhe conhece a vida e obra, sabe que de amor ela nos deu testemunhos únicos.
Porém, eu deixo aqui uma pergunta que uma aluna colocou numa aula:
É possível amar uma pessoa e estar apaixonada por outra?
Na altura, entreguei-lhe a carta da mulher de um ex-presidente de França, que considerei memorável... mas a pergunta persiste. É?

Nina

Duracell emocionado disse...

Nina said:
É possível amar uma pessoa e estar apaixonada por outra?

É possível sim. Posso estar apaixonado por uma outra pessoa mas não amar essa pessoa.
Também posso amar alguém e não me sentir mais apaixonado por ela querendo no entanto ficar junto dela ...porque não a quero magoar. Porque se eu amo verdadeiramente alguém, eu preocupo-me e sou capaz de sacrificar tudo, mesmo a minha felicidade, para ficar com ela.
Amar duas pessoas ao mesmo tempo é que não é possível.

O ideal seria mesmo estar apaixonado e amar esse mesmo alguém.
Se calhar sou demasiado idealista, quem sabe...mas não seremos todos?

Anónimo disse...

“Quando o político não experimenta o vício, é a política que se transforma no vício. Fenómenos de compensação” - Quitéria Barbuda in “Os Patifes da Esquerda”, Revista “Espírito”, nº 21, 2005.

www.riapa.pt.to

Paulo Pisco disse...

Apesar de a vida ser feita de opções, algumas vezes não o desejamos fazer.

Anónimo disse...

Sr.nao sei q nome usar:
corrige os enganos dos outros e mete o pé na poça..."esolhidos"?
Tb não conheço!Ou foi simples erro distraido?Devia pensar melhor,porque o que lhe acontece,tb pode acontecer aos outros!Barbaridades distraidas e traiçoeiras!:)

Duracell emocionado disse...

correcção:
O ideal mesmo é estar apaixonado e amar esse mesmo alguém.

Fiquem bem

Quem ama nunca desiste disse...

:)

RAM disse...

Caro Anfitrião,

Bem haja por este espaço de democracia desportiva!

Caro Porty,

I'm speachless, old chap!!!! :))

mtc disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
PortoCroft disse...

Caro Prof. m8,

A paixão cega, a tal que nos impede de ver para além das imagens, essa "fade away". Aquela que, numa relação de amor e respeito, é alimentada todos os dias, nos mais pequenos pormenores, é, será eterna, enquanto o amor dure. ;)

Olhar
Que andará fazendo o Porty tão caladinho?não pode ser boa..., ou andará, amuado???:)))

Dirijo-me a um olhar, embora possa ser uma ou outra coisa qualquer. O que quer que seja, não me merece menos respeito por isso. Nem pelo anonimato implícito: Até os anónimos têm o seu espaço mesmo se, como infelizmente a maior parte das vezes acontece, não usarem dessa faculdade para, duma forma rastejante e ignóbil, dizerem o que nunca diriam, dando a cara. Mas, isso é como tudo. Também há aqueles que, aparentemente, dando a cara, por formas subliminares, com alguma arte e engenho, reconheça-se, fazem o mesmo. O curioso é que, regra geral, esses são - geralmente - os que tendo telhados de vidro, atiram pedras ao do vizinho. Enquanto o vizinho repara o seu telhado, pensam eles, a sua disponibilidade para partir as suas telhas é menor. Mas, é evidente, isso depende muito do vizinho. ;)

Isto para lhe dizer que não ando, nem aqui nem na vida, para partir o telhado de ninguém. E, nem duvido que o pudesse fazer. Talvez porque, nunca tenha tido um sentimento de superioridade ou inferioridade relativamente a ninguém. Admiro uns mais do que outros mas, a todos, dedico aquilo que é básico nas relações interpessoais: respeito. A inversa nem sempre é verdadeira mas, é óbvio para mim que, um oleiro, se me atirar barro, antes de me sujar, sujou-se a si próprio. E assim, partindo deste princípio, umas vezes fechando os olhos e rindo, a mais das vezes, e outras limpando a lágrima ao canto do olho, de tristeza, vou andando.

Olhe (já que o seu nick é Olhar), tenho para mim que, as transparências, na vida são, ou podem ser, das coisas mais opacas. E são um mito a que se aspira para se sentir confortável. Para sentir-se bem, quando tudo está mal, podre e prestes a desmoronar-se. Há quem invente a claridade para nao se desintegrar.

Aquele que se preocupa em ser honesto e sincero todo o tempo, nunca o será, porque a transparência torna-se-lhe um tormento. Para se ser honesto e sincero, há simplesmente que sê-lo e não viver preocupado com isso.

Ameninadalua disse...

O sabor e o gosto da adrenalina da paixão é algo difícil de esquecer depois de ter sido experimentado pela primeira vez...
Agora quando da paixão o amor acontece!...e tal como o professor diz- "o tempo pode trazer enormes potencialidades".
Estas potencialidades podem ser não só as do conhecimento mútuo mas de tudo aquilo que sendo resultado e vivência do amor é gerador da Confiança...
Parece-me que num desfecho final em situação de divórcio, a quebra de confiança é uma das perdas mais dolorosas de aceitar...

moon disse...

Portocroft (7:59)
:))))) Gostei!

Noise: Uf...Uf... (bastava a da avózinha):

amok_she disse...

(esta malta está a provocar-me, ai 'tá, 'tá!!!:->]

***

«Amar duas pessoas ao mesmo tempo é que não é possível.»

Que disparate!!!

Mas...eu não amo os meus dois filhos...ao mesmo tempo?!?...não os amo por igual!,mas ñ mais a um q a outro...eles são diferentes, logo o meu amor é diferente!

Ora, em q é q o amor pelos homens deve ter um comportamento diferente? Quem o diz? Quem o ordena?

Duracell emocionado disse...

Amok-she

Claro que há vários tipos de amor mas eu estou a referir-me ao amor Eros em termos afectivo-sexuais.
Entendu, ma chère?

PS-Isto só cá entre nós que ninguém nos ouve (e sem querer provocar-te porque ...até gosto de te ver por aqui e bem-disposta: tenta ser só um nadinha mais moderada nas palavras. Sentir-te-ias melhor...contigo própria. Assim... tipo simpática de vez em quando...sem lamechices...mas uma palavra simpática toda a gente gosta de ler ...mesmo vinda da tua parte.
Beijinhos e até ao meu regresso :>]

amok_she disse...

Duracell emocionado disse...

Amok-she

Claro que há vários tipos de amor mas eu estou a referir-me ao amor Eros em termos afectivo-sexuais.
Entendu, ma chère?


...entendu, má chère, mas....mt limitadu, tb, né!???...e mesmo esse, chère, mesmo esse...se ñ formos ...limitadusssss!:->

...ai, ai, ai, ai!!!...mas pq raio esta gente me quer fazer simpática...à força!???!...e quem te diz a ti como é q eu me sinto bem comigo própria?...tu?...eu até já disse, por aqui, q ñ é para isso q me pagam...q queres q faça???...cada um é pró q nasce...ou pró q lhe pagam...;-)

Duracell disse...

Amok-she

Pois ;-)
Olha, não é querer-te simpática à força porque tu lá à tua maneira de vez em quando até és simpática. Mas é tentares controlar um pouquinho mais esse teu ímpeto que te leva a escrever por vezes palavras que podem, como direi, magoar, ofender.

Não estou a ser lamechas nem gosto de o ser mas depois de tantos meses de "cumbibio" já viste o que seria ver uma Amok bem-disposta logo pela manhã e a cumprimentar o pessoal todo;-)
Vá lá, sorri e leva tudo com mais calma...porque a vida são dois dias.
Hasta la vista amiga :->:->:->:->

amok_she disse...

Duracell disse...
(...)
Não estou a ser lamechas nem gosto de o ser mas depois de tantos meses de "cumbibio" já viste o que seria ver uma Amok bem-disposta logo pela manhã e a cumprimentar o pessoal todo;-)
Vá lá, sorri e leva tudo com mais calma...porque a vida são dois dias.
Hasta la vista amiga :->:->:->:->

2:45 PM


...ñ estás a ser lamechas, mas...estás a querer um impossível, mais impossível q eu querer as bolinhas amarelas no ferrari!, repara q nem é o ferrari em si,mas as bolinhas... amarelas!:->

...e passo a explicar a impossibilidade da coisa...impossível uma amok bem dispostinha logo pela manhã por variadíssimas razões, a saber:

1) esta amok odeia levantar-se logo de manhãzinha!

2) esta amok, apesar de odiar, tem de se levantar pq...trabalha!...só ainda ñ se sabe se para o ferrari amarelo, se para qq outro dos items da lista dos desejos!?!

3)esta amok, logo de manhãzinha só fica bem dispostinha qd mete o pézinho na sua secretária!, é uma coisa q, ainda!, lhe dá mt prazer e aí passa-lhe logo a má disposição!

4) esta amok só volta - ao contrários das leituras generalizadas destes "combibas cá do bairro murconista" - à má disposição qd depara com gente estúpida!, fora isso passa um bom bocado de cada vez q aqui vem... maioritáriamente falando!... e se assim ñ fosse já teria debandado!

...posto isto, fico-me por aqui...pq qt a ofensas e palavras mais agrestes, tenho para mim q a coisa tem mt mais a ver com quem se sente ofendido e/ou magoado do q com a intenção de agredir e/ou ofender...eu, pelo menos, ñ dou esse "prazer" a qq um...mas isso sou eu q sou sulista, snob e elitista!:->

Hasta...siempre!;-)

duracell disse...

Hasta!;-)