quarta-feira, fevereiro 08, 2006

Começará alguma coisa a mexer?

Sim a preservativos nas escolas
2006/02/08 | 11:53 || Sara Marques


A Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap) concorda com o novo modelo de educação sexual proposto pelo Ministério da Educação, nomeadamente com a distribuição gratuita de preservativos aos alunos do ensino secundário.

«Se estamos a explicar aos jovens os perigos [de uma relação sexual sem protecção], faz todo o sentido muni-los destes meios. Não podemos enterrar a cabeça na areia», disse ao PortugalDiário Albino Almeida, presidente da Confap.

A Confap, que foi ouvida durante o processo de elaboração deste projecto, concorda com o novo modelo de educação sexual apresentado. «A partir dos 15 anos, há uma maior autonomização dos jovens, deixam de ter o à-vontade de falar destas questões com os pais, por isso, é bom que haja este apoio na escola».

Para a associação, também é positivo «ligar a escola à saúde, para promover estilos de vida saudáveis». «Assim, os jovens têm direito a um acompanhamento com a garantia da privacidade», explicou o presidente da Confap.

A Associação Maternidade e Vida também concorda com a medida, desde que a distribuição dos preservativos seja acompanhada «por uma orientação de técnicos especializados» e o sexo «não seja encarado como algo passageiro, sem consideração dos sentimentos».

Em declarações ao PortugalDiário Francisco Coelho da Rocha, presidente da associação, reconheceu que «há muitos jovens com comportamentos de risco» e, nesses casos, dota-los de protecção é «um mal menor».

O Ministério da Educação assinou esta terça-feira um protocolo com o Ministério da Saúde para criar nas escolas gabinetes de apoio aos alunos para aconselhamento sobre educação sexual.

Os gabinetes de apoio aos alunos vão existir apenas no ensino secundário, mas a medida faz parte de um projecto ao nível do ensino básico e secundário que visa revitalizar os currículos sobre educação para a saúde, incluindo a educação sexual. O projecto prevê uma parceria entre escolas e centros de saúde, sendo que os professores e técnicos de saúde vão receber formação nesta área.

A ministra da Educação admitiu a possibilidade de instaurar a distribuição gratuita de preservativos nas escolas aos alunos «com mais de 16 anos», desde que os pais estejam de acordo.

O ministério garante que todas as directivas do modelo de educação sexual estarão definidas até 31 de Março.

8 comentários:

Conserto disse...

Ainda bem que a Confap acorda para a realidade, parabéns também ao M. da Educação.

anónimo disse...

O modelo de educação sexual estará definido até 31 de março. o que vale é que o carnaval ainda é em fins de fevereiro. pode ser que, assim, caiam as máscaras. a ver vamos

Anónimo disse...

Lembro-me de quando se falou do resultado da Comissão presidida por Daniel Sampaio o Noiseformind falou que era uma grande salgalhada. Pois agora reparem. Uma aula que tenha 50 minutos 3 vezes por semana. Peguemos nestes assuntos referidos (7), a dividir por 150 minutos... e temos 20 minutos por semana para cada assunto. Realmente a nível de educação sexual a coisa vai melhorar imenso. Diluindo esta matéria matou-se qualquer hipótese de o ensino nesta área ser relevante para os jovens. Seria dramático se não fosse tão habitual, não deixando porém de ser estúpido.

Alberto

CêTê disse...

Vamos ver. Pior do que está não poderia estar.

Hà já uns anitos acompanhei um grupo de alunos ao Centro de Saúde local. Participaram numa acção de esclarecimento sobre Métodos Contraceptivos. Estiveram muito bem: eram grandinhos,desinibidos, curiosos e a coisa rendeu com a confiança criada entre todos. No final o médico e as enfermeiras sondaram-nos para conhecer a nossa opinião sobre a distribuição de presevativos. Concordámos claro até porque tudo tinha sido muito bem contextualizado. Se regresso à escola (feita a penantes) dou conta de me ter esquecido do casaco. LOOOOOL se não soubesse o caminho ser-me-ia fácil encontrá-lo: de x em x metros um preservativo cheio de ar marcava o trilho. POis fiquem sabendo que nem lhes toquei.LOL


Se forem entregues ao desbarato esperem pelas noticias e pelos procedimentos disciplinares. Que os usem sim nas aulas/ganinetes com modelos para demostrar e treinar a sua correcta colocação/ retirada e a interpretar a Bula. Agora distribuí-los? Para quê? Alguém se acredita que os miudos não os possam adquirir com facilidade?

Raquel V. disse...

"Em declarações ao Portugal Diário Francisco Coelho da Rocha, presidente da associação, reconheceu que «há muitos jovens com comportamentos de risco» e, nesses casos, dota-los de protecção é «um mal menor»."

Quando se usa o termo "mal menor" já me parece um mau caminho...
E quanto a mim se é verdade que existem comportamentos de risco, tb é verdade que há "crianças" pura e simplesmente desinformadas e curiosas!

andorinha disse...

Boa noite.

Quatro posts para comentar é obra.:)))

Em relação ao post, totalmente de acordo com as medidas anunciadas; já não era sem tempo. Sou a favor da criação de gabinetes de apoio aos alunos para esclarecimento de dúvidas e também a favor da distribuição gratuita de preservativos aos alunos do secundário.

Sandra Feliciano disse...

"Antevisão de um diálogo íntimo na era moderna e civilizada da Educação Sexual nas escolas

(ambiente de penumbra, os dois na cama dos pais dela e falando baixinho)

Ela: Hmmm...! Gosto quando me beijas no pescoço...

Ele: No fundo, estou apenas a estimular as tuas zonas erógenas para facilitar o coito, segundo as regras básicas da excitação sexual!

Ela: Eu sei. Agora, vou estimular-te por sexo oral. Parece-me que dois minutos e meio de estimulação é a duração adequada ao teu estado neurológico e sensorial. Que achas?

Ele: Acho bem. Segundo os estudos! de Dickinson, estás certa. Ahhh...! Onde é que aprendeste a fazer isto tão bem?

Ela: Foi no livro obrigatório do 5º. ano, o "1001 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama".

Ele: Sempre gostei de sexo oral. Na escola, tive a melhor nota da turma no teste de cunnilingus...

Ela: Ohh!... Adoro ouvir-te falar Latim...

Ele: Vamos fazer alguns exercícios de Kegel: melhoram o funcionamento do músculo pélvico e facilitam o orgasmo.

Ela: Para além disso, protegem contra a incontinência urinária. É preciso preparar o futuro! Às vezes penso como deve ter sido penosa a vida dos nossos pais, que não sabiam nada disto...

Ele: Podes crer! Eu nem sei como eles conseguiram conceber-nos!

Ela: Ahh!... Pára!... Obtive já uma boa lubrificação vaginal. Estou suficientemente excitada para a chamada penetração peniana. O bastante para sentir prazer e não ter irritação vaginal pós-coito. E tu, que tal o afluxo sanguíneo?

Ele: Vai indo. Queres um orgasmo simultâneo?

Ela: Não sei. Há várias teorias sobre isso. Ahh, continua... Inclino-me mais para as teses de Bancroft, que sustentam que homem e mulher têm tempos diferentes e por isso é muito mais comum que cheguem ao orgasmo em tempos diferentes.

Ele: Como são os teus orgasmos: clitorianos ou vaginais?

Ela: Tu ainda estás nessa? A minha professora diz que o orgasmo, como resposta fisiológica, é basicamente o mesmo, independentemente da área estimulada. É tudo psicológico!

Ele: A p*t* da tua professora deve ser frígida!

Ela: Não brinques com coisas sérias! A frigidez é um problema grave. Pode ter origens orgânicas, como dispareunias ou alterações hormonais, mas na maior parte dos casos tem origens psicológicas. Ahh, não pares!... O que se diz para aí sobre a frigidez é uma treta.

Ele: Não me digas que o Ponto de Grafenberg também é uma treta....!?

Ela: O quê, tu deste isso? Porra, o teu professor ainda segue o programa do ano passado! Desculpa lá que te diga, mas andas a f*d*r pelo método antigo.

Ele: Por acaso não gosto nada do meu professor. Na semana passada, repreendeu-me por não ter feito o T.P.C. (Tocar P*nh*t*s em Casa), prática de que ele não abdica dentro do sistema de avaliação contínua.

Ela: Hmm...! Isso... adoro-te!

Ele: Olha, acabei de ejacular! Agora, vou esperar um bocado para que as artérias contraiam e as veias relaxem. Isso reduzirá a entrada de sangue e aumentará a sua saída, tornando o pénis flácido. Depois voltamos à sala, está bem?

Ela: Sim, mas vê se te despachas - Ainda tenho que apagar as 12 velinhas do meu bolo de aniversário!..."

(para que não restem dúvidas, remeto o texto acima só pela sua piada mesmo! Sou pessoalmente 100% a favor da educação sexual nas escolas)

Pamina disse...

Se não ficar em nada, são boas notícias.
Também destaco o mesmo que a Andorinha: o antepenúltimo bloco ("Os gabinetes...") e o penúltimo ("A ministra..."). Parece-me muito importante que se implementem realmente estas medidas.