quarta-feira, fevereiro 08, 2006

Em Itália não eram dois anos:)?

Sexo: bife com batatas é bom
2006/02/08 | 16:05
Desde que não seja todos os dias. Como na cozinha, sexo requer criatividade

O desejo sexual diminui ao fim de quatro anos de vida em comum, mas um dos truques para manter a libido é utilizar no sexo a mesma criatividade que na cozinha, defendeu hoje uma especialista.

"Por mais que se goste de bife com batatas, comer sempre o mesmo prato da mesma maneira enjoa", disse hoje a ginecologista Maria do Céu Santo durante a apresentação do estudo da Sociedade Portuguesa de Andrologia (SPA) sobre a Epidemiologia das Disfunções Sexuais em Portugal.

O estudo concluiu que a maioria das mulheres portuguesas sofre ou já sofreu um problema de disfunção sexual e que oito em cada cem fingem o orgasmo sem que o parceiro se aperceba.

A especialista da Sociedade Portuguesa de Ginecologia (SPG) lembrou que, ao fim de quatro anos de vida em comum, o desejo sexual diminui.

Um facto que tem outras explicações, além das hormonais.

"Quando estamos apaixonados arranjamo-nos para o parceiro, mas depois de estarmos juntos pomo-nos bonitas para os colegas de trabalho e muitas vezes chegamos a casa e vestimos roupa prática e desarranjamos o cabelo", disse.

Os homens, prosseguiu a ginecologista, optam por não fazer a barba durante o fim-de-semana e parecem porcos- espinhos que picam ao dar beijinhos.

Por outro lado, a rotina e o stress leva muitas vezes os casais a terem menos sexo ou a fazê-lo sempre da mesma forma.

Segundo Maria do Céu Santo, a resposta passa pela cozinha, ou seja, por utilizar no sexo a mesma criatividade que se aplica para transformar um simples bife num verdadeiro manjar.

Outra solução é não deixar o sexo para o final do dia quando "não há força nem para puxar o lençol", disse, recomendando a manhã ou o período anterior ao jantar para as relações sexuais.

Maria do Céu Santo assegura que "a sexualidade altera- se ao longo do tempo e essa mudança é mais acentuada nas mulheres".

Talvez por isso, o ginecologista seja o especialista que mais trata as dores de cabeça, tantas vezes invocadas para recusar uma relação sexual.

Uma situação que afecta cada vez mais os casais mais novos, que "têm menos relações sexuais".

A ginecologista defende um investimento no sexo, pois este transforma as pessoas: "As pessoas bem amadas são felizes e têm um brilho na alma", concluiu.

PortugalDiário.

16 comentários:

Anónimo disse...

Isto é que é (inter)actividade Professor:))))))

Proponho juntarmos a esses, mais estes, números...

Sociedade Portuguesa de Andrologia


A Linha SOS Dificuldades Sexuais, um serviço público que se assume da maior importância entre nós, destina-se à população em geral e pretende dar resposta às necessidades das pessoas que afectadas, directa ou indirectamente, por alguma forma de disfunção sexual, que desconhecem as unidades de saúde existentes e não encontram uma organização que lhes preste apoio ou, pura e simplesmente, necessitam de esclarecimentos sobre uma qualquer forma de perturbação sexual.

O atendimento é profissional, especializado, anónimo e rigorosamente confidencial. Os utentes da Linha SOS Dificuldades Sexuais, sempre que necessário, são encaminhados para consultas de Andrologia, Sexologia, Psicologia ou Urologia, em serviços públicos.

Ao longo dos últimos anos a Linha SOS Dificuldades Sexuais, através de um grupo de Psicólogas, tem dado resposta às necessidades das pessoas que afectadas directa ou indirectamente por alguma forma de disfunção sexual pedem ajuda, esclarecimentos e orientações sobre os seus problemas sexuais.

Conforme os dados estatísticos divulgados em 28 de Março de 2005 pela Sociedade Portuguesa de Andrologia, das 15.101 chamadas recebidas cerca de 80% foram feitas por homens, 13% por mulheres e os restantes 7% correspondem a telefonemas em que a pessoa ou não quis identificar o seu género, ou acabou por não falar.

No que diz respeito às temáticas abordadas, 44% do total das chamadas até então recebidas focaram a temática da disfunção eréctil, 13% foram sobre a ejaculação, 10% foram pedidos de encaminhamento para consultas da especialidade, 6% recaíram acerca das características físicas do pénis, 4% diziam respeito ao desejo feminino, 3% à homossexualidade, 3% ao desejo sexual masculino, 2% à contracepção, e os restantes a outras temáticas.

Os estudos epidemiológicos realizados têm vindo a demonstrar que pelo menos cerca de 20% da população portuguesa sofre de perturbações sexuais, podendo este número ser maior no caso específico de algumas disfunções. A Linha SOS Dificuldades Sexuais é por isso, no entender da sua coordenadora, Drª Patrícia Pascoal, "um serviço que se assume da maior importância e que tem vindo a dar resposta a uma necessidade de uma parte significativa da população portuguesa que não sabe ou não encontre outra forma de ajuda".

A disfunção sexual, tanto no homem como na mulher, é apenas um problema - que, como tantos outros, pode ser solucionado desde que se procure ajuda especializada. E marcar o nº 808 206 206 (custo de chamada local) aos dias úteis, entre as 18h00 e as 22h00 pode muito bem ser o primeiro passo.

Anónimo disse...

Agora não me sai da cabela a Maria de Lurdes Modesto... estou tramada!!! :))))

a sol disse...

'Com um brilhozinho nos olhos
e a saia rodada
escancaraste a porta do bar
trazias o cabelo aos ombros ...'

e com calma travessa
serviste-me um sushi
com maracujá

alice disse...

Ó chefe Professor
assim, a três posts por dia, não há dinossaura que consiga dar vazão!
AP

Antonio Almeida Felizes disse...

..
Sinceramente não vejo nada de novo neste estudo, limita-se a confirmar aquilo que a maioria de nós está farto de saber.

Cumprimentos,

Antonio Felizes
http://regioes.blogspot.com
..

Manolo Heredia disse...

Quando a carteira está sempre recheada, por mais variada que seja a ementa, o prazer de almoçar nunca pode ser muito grande. Falta a vontade (intensa) de comer, falta a FOME. Que é o principal factor para um almoço com prazer.
Com o sexo é o mesmo, e não vejo os profissionais do aconselhamento sexual falarem disto.

Olhar disse...

"A ginecologista defende um investimento no sexo, pois este transforma as pessoas: "As pessoas bem amadas são felizes e têm um brilho na alma", concluiu."

Hmm..., será que aqui, a investigadora não estará também a confundir, ou p'lo menos, a omitir palavras? Parece-me a mim, que ela quer concluir que ficam brilhantes as pessoas bem amadas, sexualmente! E não é que ficamos mesmo? Orgulhosamente resplandecentes!!!:)))))) Bom..., e existem sempre os números de estudos que o comprovam..., com claras melhorias ao nivel da pele, auto-estima elevada, baixa dos níveis de stress..., etc, etc.

Olhar disse...

Ó Diabo...! mas então para onde foi o 4º. Post que eu estava lendo?:)))))))

Angie disse...

Bolas, Professor!!!
Para a sua hiper actividade "postativa"...
mas também para a descrição dos efeitos nefastos da coabitação no brio pelo cultivo da imagem física!
Parece uma cena do "Feios, Porcos e Maus"!!!
Pessoalmente, não concordo com a generalização.
Casadinhos, de anel no dedo, e pronto? Está caçado(a) e desenxovalhamo-nos em 3 tempos?
Não acho que seja sempre assim!
Pelo menos, há muito quem não seja assim e pessoalmente não me revejo na caricatura.
Agora, se falarmos em que passamos a acordar 365 dias no ano ao pé do outro, nem sempre frescos como uma alface; se falarmos em que gramamos diariamente, no mínimo meia hora (antes do duche) nós a barba dele, e ele a nossa tez exposta sem truques, antes da maquilhagem (posta com arte ancestral, para parecermos "en nature" sem estar propriamente "au naturel"...);
se falarmos em ver (mais vezes do que desejaríamos) aquelas adiposidades que os whiskies ou a boa mesa vão deixando nele, e que a camisa disfarça...
ou aquela indisfarçável prova da lei da gravidade, que o "bra" suaviza...
Enfim!
Se falarmos em milhares e milhares de pequenos almoços apressados, sempre a gramar os mesmos tiques e pequenas manias... ( só o cheirinho bom da eau de toilette nos impede de levantar e mudar de poiso)...
Isso, sim!
A rotina!
Mata-nos a nós, como não havia de matar "o outro"?!

Nunca pensei dizer isto...Mas acho que as vitorianas eram umas sabidonas:):):)
A história dos quartos separados era uma grande truque...

CêTê disse...

LOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL o que eu me ri!"vestimos roupa prática e desarranjamos o cabelo" e ainda" Os homens, (...)parecem porcos- espinhos que picam ao dar beijinhos".

Ó professor já está a tomar oxitocina? Sim que esta produção denuncia uma densidade sináptica elevadíssima- até fui ver se estava a consultar algum arquivo! "Tchiça"- Bem.....

Angie disse...

Bolas, Professor!!!
Para a sua hiper actividade "postativa"...
mas também para a descrição dos efeitos nefastos da coabitação no brio pelo cultivo da imagem física!
Parece uma cena do "Feios, Porcos e Maus"!!!
Pessoalmente, não concordo com a generalização.
Casadinhos, de anel no dedo, e pronto? Está caçado(a) e desenxovalhamo-nos em 3 tempos?
Não acho que seja sempre assim!
Pelo menos, há muito quem não seja assim e pessoalmente não me revejo na caricatura.
Agora, se falarmos em que passamos a acordar 365 dias no ano ao pé do outro, nem sempre frescos como uma alface; se falarmos em que gramamos diariamente, no mínimo meia hora (antes do duche) nós a barba dele, e ele a nossa tez exposta sem truques, antes da maquilhagem (posta com arte ancestral, para parecermos "en nature" sem estar propriamente "au naturel"...);
se falarmos em ver (mais vezes do que desejaríamos) aquelas adiposidades que os whiskies ou a boa mesa vão deixando nele, e que a camisa disfarça...
ou aquela indisfarçável prova da lei da gravidade, que o "bra" suaviza...
Enfim!
Se falarmos em milhares e milhares de pequenos almoços apressados, sempre a gramar os mesmos tiques e pequenas manias... ( só o cheirinho bom da eau de toilette nos impede de levantar e mudar de poiso)...
Isso, sim!
A rotina!
Mata-nos a nós, como não havia de matar "o outro"?!

Nunca pensei dizer isto...Mas acho que as vitorianas eram umas sabidonas:):):)
A história dos quartos separados era uma grande truque...

Raquel V. disse...

"Os homens, prosseguiu a ginecologista, optam por não fazer a barba durante o fim-de-semana e parecem porcos- espinhos que picam ao dar beijinhos."


Ah! Mas esta é uma batalha quase perdida! Curioso que os homens parecem não entender que também mexe com a sexualidade.

Costumava dizer meio na brincadeira ao meu ex.m que lá no trabalho é que elas o viam todo perfumadinho, barba feita e gel no cabelo...
Ao fim de semana parecia "qq coisa estranha" com mais uns 7 anos em cima e nada apetecível...

Nunca levou as directas ou indirectas a sério... mais umas gotas de água a acumular às restantes.

Paula Raposo disse...

Eu não sou ginecologista, mas bom, não me parece que ela tenha muita razão. Deve ter-se baseado em algo.

andorinha disse...

Júlio,

O que é que lhe deu???:)))))))
Realmente a postar a este ritmo não há gaja:) que aguente. Loooool
Cheguei agora a casa e deparo-me com quatro posts novos numa tarde!!!!

Quanto ao assunto em questão, também acho que o segredo está na criatividade e variedade de menús.:)

E agora vamos torcer pelo Glorioso. Volto aqui mais tarde, espero que bem disposta.:)

moon disse...

"A ginecologista defende um investimento no sexo..."

Estou interessadíssima!

I Wonder...a que OPA é que me devo dirigir?:)))))))))))))

soshesays disse...

Por essas e por outras é que eu, agora, só namoro.
Quando passa a paixão, adeus e amigos como sempre :)