quinta-feira, fevereiro 02, 2006

Nunca se esqueçam: o dinheiro não dá felicidade!, só mantém fora de tribunal...

Diocese dos EUA paga para calar vítimas de abusos sexuais

A diocese de Spokane, no Estado de Washington, ofereceu 45,7 milhões de dólares (38,12 milhões de euros) para conseguir um acordo extrajudicial com 75 pessoas que alegam terem sido abusadas sexualmente por sacerdotes daquela igreja.



A notícia vem a público um dia depois de outra diocese norte-americana, a de Civington, no Estado de Kentucky, ter acordado pagar 85 milhões de dólares (70,91 milhões de euros) para indemnizar as vítimas de abusos sexuais cometidos pelos seus sacerdotes.
A diocese de Spokane havia declarado estar falida em finais do mês para se proteger deste tipo de acção legal, e o próprio bispo, William Skylstad, manifestou na altura que a suan igreja enfrenta mais de 120 processos por abusos sexuais, a metade dos quais alegadamente cometidos por dois padres.

Skylstad pediu publicamente perdão às vítimas «pelos terríveis danos» e instou os católicos a aceitar o acordo extrajudicial.

O advogado que representa os queixosos, James Strang, explicou que várias vítimas já decidiram que vão aceitar o acordo extrajudicial.

Spokane é uma das dioceses mais povoadas do Estado ocidental de Washington, com cerca de 70 mil fiéis.

02-02-2006 9:19:12

21 comentários:

fora-de-lei disse...

Ora aqui está... a Igreja Católica no seu melhor !

Manolo Heredia disse...

Com o avançar das mais amplas liberdades democráticas, depois da legislação que permita o casamento entre homossexuais, assistiremos à batalha pela autorização de casamentos quando um dos nubentes (ou os dois, porque não) é menor de 16 anos, desde que com autorização dos pais.
Quando essa batalha for ganha resolve-se grande parte dos escândalos com pedofilia.
Quem aceita dinheiro como compensação de um abuso sexual devia ser considerado cúmplice, e ser condenado, com a mesma bitola penal.

Ana Afonso disse...

Olá a todos
É assim mesmo é como se costuma dizer nunca se é rico demais NUNCA !! faz sempre falta alem disso como dizia aquela modelo que agora não me lembro o nome :) ... toda a gente tem um preço resta saber qual é ele ... ate para calar alguem que foi inocentemente abusado essa regra se aplica !!!
Fiquem bem
Abraços e sorrisos
Ana Afonso :)

Flávio disse...

Bem e qual é o problema? O sistema da 'plea bargain' já demonstrou à saciedade que funciona bem: poupa tempo, dinheiro, recursos e obtém soluções a contento de todos. Um belo exemplo para a Justiça portuguesa, permanentemente atolada nos moralismos, preconceitos idiotas e interesses corporativos do costume.

Conserto disse...

Pelo menos os católicos dos EUA já ficaram a saber para onde é que vai o dinheiro das esmolas.

Para pagar as taras dos padres.

Será que em Portugal gastam menos? (também há menos padres)

a sol disse...

da falência das dioceses,
das propostas irrecusáveis,
dos acordos extrajudiciais,
da santidade ao alcance de todos,
ou de como ordenhar uma vaca:
http://www.ehow.com/how_7437_milk-cow.html

Anónimo disse...

Eu não entendo! Se existe a possibilidade de homens se casarem com Deus (sem propósitos de fertilidade, bem pelo contrário), porque não podem homens casar com homens e mulheres com mulheres? A todos os que consideram a homossexualidade uma depravação moral, ou até uma doença, que pensam então do primeiro exemplo? Que pensam do oblativo voto de castidade (pelos vistos sempre longe de ser respeitado) que a Igreja Católica reserva para o sacerdócio, que pensam da desigualdade de direitos entre homens e mulheres para o lugar de pastor de almas e de orientador espiritual no seio das comunidades? Que gente é esta que nos guia o caminho?

Não vos causa estranheza? Se estranham que um homossexual se entregue a outro, como não estranham que estes homens, pelo sacrifício de não se entregarem aos pecados da carne, mereçam só por isso uma posição na sociedade acima das virtudes terrenas, inquestionável e tão poderosa. De onde vem este poder? Da pureza? Que leis da natureza legitimaram essa abstracção? À luz de que valores de ordem natural, como a procriação, que tem sido o argumento por excelência a favor da união legal entre homem e mulher, viemos nós ao longo dos tempos a aceitar que os nossos sacerdotes só o fossem se renunciassem ao sexo e se tivessem tido a sorte de nascerem homens?

Onde estão os fundamentos lógicos disto? Como é que ainda o aceitamos? Como engolimos depois as notícias de que os padres abusam de inúmeras vítimas nas suas paróquias? Como ainda lhes damos dinheiro para que paguem a essas vítimas pelo silêncio? E como é que podemos achar que a homossexualidade é maior depravação do que isto?

Será que é só por ser tradição? E ninguém vai querer mudar nada?!

A Burra Nas Couves disse...

O DINHEIRO DE S. PEDRO

De tal modo imitou o papa a singeleza
Do mártir do calvário
Que à força de gastar os bens com a pobreza
Tornou-se milionário

Tu hoje podes ver, ó filho de Maria,
O teu vigário humilde
Conversando na Bolsa em fundos da Turquia
Com o barão Rothschild

A cruz da redenção, que deu ao mundo a vida
Por te haver dado a morte
Tem-na no seu bureau o padre santo erguida
Sobre uma caixa forte

E toda essa riqueza imensa, acumulada
Por tantos financeiros
O que é a economia, ó Deus! foi começada
Só com trinta dinheiros!


Guerra Junqueiro in "A Velhice do Padre Eterno"

Angie disse...

Simplesmente escandaloso.
Que estas coisas aconteçam, claro: e refiro-me aos actos perpetrados, e às responsabilidades acrescidas da Igreja face a um cidadão normal.

Embora seja verdade que é preciso entender que a Igreja, como outras instituições, é feita de homens, com pés de barro como todos os outros, que há muito, mas muito tempo não baseia a sua mensagem na infalibilidade dos seus ministros...

Mesmo assim, a natureza dos desvios de conduta é especialmente significativa. Porque toca um dos campos do comportamento em que a Igreja é particularmente exigente.
Pura hipocrisia, podemos dizer, de facto.
E logo na igreja americana: muito mais "corporativa" que a europeia, em muitos aspectos, bem mais atrasada.

Quanto ao acordo, à moeda de troca, pode ser chocante, mas é absolutamente normal.
Também se indemniza o dano da morte, em todo o mundo evoluído. E não deixa por isso de, à primeira vista, parecer um insulto à consciência colectiva.

El Gordo disse...

Quem paga, consente!

Ana Coelho disse...

Gostava que me conseguissem explicar como é que se indemniza prejuízo moral e psicológico! Transcende-me...

Conserto disse...

Para o dinheiro que os padres andam a gastar em sexo seria muito mais racional e compensador que lhes pagassem umas idas às p**** de vez em quando para lhes aplainar a libido.

Anónimo disse...

Esse assunto enoja-me! Profundamente! Todo o tipo de abuso, sobretudo o sexual, e de forma particular a que é exercida sobre crianças, então...
Bem é qualquer coisa que me ultrapassa.
Então em relação ao Clero e Instituições afins...
Nem as patologias nem os abusos dos abusadores me diminui o sentimento de nojo profundo sobre o crime!
Um abraço! Fiquem bem

JG disse...

que paguem..que paguem... se lhes "doer" na caixa de esmolas pode ser que eles deixem essas taradices..1 abraço julio

alma disse...

Atrevo-me a colocar aqui um excerto de um post do JMV de 21 Fev 2005; não tem nada a ver com o post de hoje mas apeteceu-me porque acho que até pode ter a ver, dependendo do prisma "visual"
"Também eu recuaria perante a morte assistida, se considerasse a vida uma entidade generosamente propiciada a cada um de nós por Deus. Não considero. A Vida não existe, mas sim as nossas vidas. E a morte faz parte delas. Podendo inclusivamente "estragá-las", se lhes retirar a dignidade que constitui a coluna vertebral da existência. E nesse caso aceito sem rebuço que alguém, de uma forma lúcida, decida partir. Para preservar o que viveu, não se resignando a simplesmente sobreviver, de forma vegetativa."

Lusco_Fusco disse...

Manolo Heredia,
Concordo consigo, a conivência é crime de igual modo. A Justiça não devia, em casos desses, deixar fazer acordos.

Ana Afonso
Sempre que alguém tem o comentário que fizeste "toda a gente tem um preço resta saber qual é ele" eu fico possessa. Há pessoas com dignidade e honra sem preço. Ainda HÀ!

Como pedofilia é um tema que me tira do sério. Vou limitar-me ao silêncio.
Sobre padres já me pronunciei em comentários anteriores.

andorinha disse...

Boa noite.

Estas notícias já não me escandalizam; acho que já perdi a capacidade de me escandalizar:( de tal forma somos bombardeados diariamente com notícias semelhantes.
Triste tempo o nosso, em que realmente parece que tudo é uma questão de preço.
É triste que as próprias vítimas aceitem este estado de coisas, mas provavelmente acaba por ser o mais fácil e cómodo para as duas partes.

CêTê disse...

Clap, clap, clap! ;]

Sobre a Morte Medicamente Assistida também eu estou de acordo. Tenho pavor de um dia vir a parasitar alguém! Angustia-me sobretudo se esse(s) alguém fosse quem eu não soube amar ou pior quem amei generosamente. Combinei com amigos (por acaso até foi com amigas ;]- por que se fosse com amigos ainda me presenteavam à maneira com um festim de despedida que eu não quereria partir ;P)que se virasse uma alface (ou tripa lol) que me matassem por sufocação com uma almofada.

Escusado será dizer....

Deixei de achar piada a guerra de almofadas com os miúdos! LOOOL

Por acaso há tempos li algures uma reportagem de alguém que fez um trabalho sobre a Eutanásia clandestina: uma coisa horrorosa! Eu que pensava que só os sogros custavam a ir...
Bem vou tricotar mais um xailito cor-de-rosa e descascar as batatas! LOOOOL

Anónimo disse...

Pois, o drama do cristianismo foi não ter sido todo REFORMADO no sec. XVI, pelo Martinho Lutero. Aí acabou-se o "contrabando" sexual, pois o matrimónio deixou de estar vedado aos padres.

Su disse...

opss afinal desde que haja dinheiro vale tudo? nunca entendi... ou melhor entendo, mas desespero com este entendimento
jocas maradas

Kika disse...

A Igreja conseguiu, mais uma vez, aquilo que pretendia: é claro que esta intenção de pagar indemnizações às vítimas é uma manobra muito bem pensada...os holofotes passam a estar virados para esses coitados e eles conseguiram, mais uma vez, voltar para o segundo plano (que tanto lhes convém). E quem os pode condenar por terem aceite o dinheiro? Na sua grande maioria, foram os pais das crianças que o terão aceite e não as próprias vítimas.... uma vítima é uma vítima eternamente. Acredito mesmo que os seus pais, quando os mandavam para a Igreja, sabia para o que iam... mas a Igreja é a Igreja e há que manter respeito. Não é questionada. Provavelmente, agora, alguém lhes disse que esta seria a melhor forma de se "redimirem" por terem manchado o bom nome da Igreja! E eles, coitados, se tivessem de ir a tribunal, teriam de jurar sobre a Bíblia que estariam a falar verdade.... e os sacerdotes fariam o mesmo, e garantiriam o mesmo... e nós sabemos como são os juízes nestas localidadezinhas onde a arrogância e a ignorância jogam lado a lado. O mais certo é o Juíz integrar alguma Organização de Cidadãos Cristãos, o que o torna, inevitavelmente, partidário. Assim sendo, que venha o dinheiro! Não lhes tira o pesadelo de cima...mas será, concerteza, bem pior se ficarem à espera de um julgamento. Pelo menos o dinheiro sempre dá para ajudar os pais a manterem um estilo de vida mais confortável... enfim! e viva a igreja, não é?