terça-feira, fevereiro 14, 2006

Lá diz o povo: "Quanto mais alto se sobe...".

Casais dão o nó no topo do Empire State Building
2006/02/14 | 00:35
São 14 e de origem norte-americana, alemã e britânica. Querem mostrar o seu amor


Catorze casais norte-americanos, alemães e britânicos vão hoje, Dia dos Namorados, dar o nó ou renovar os votos no topo do Empire State Building, em Nova Iorque, numa altura em que a cidade está coberta de neve.

De acordo com representantes do emblemático arranha-céus nova-iorquino, citados pela agência Lusa, as cerimónias deverão ter lugar no 80º andar do edifício, antes de os casais se juntarem no 86º andar para uma taça de champanhe conjunta.

Estas iniciativas decorrem todos os anos por ocasião do Dia de São Valentim (Dia dos Namorados) e os candidatos são escolhidos pela carta que enviam ao site da Internet do Empire State Building até dia 30 de Novembro do ano anterior.

Os casais vão brindar com champanhe na varanda do 86º andar do arranha-céus, numa altura em que as temperaturas na cidade são negativas e que Nova Iorque regista o recorde de queda de neve dos últimos 137 anos.

Domingo, Nova Iorque atingiu o recorde de queda de neve desde 1869, com o Central Park coberto com 68,3 centímetros de neve e os três aeroportos nova-iorquinos encerrados ao tráfego.

32 comentários:

a sul disse...

que lindo

abençoados

fora-de-lei disse...

De facto, os americanos conservadores não brincam em serviço. É que não é por acaso que estes casamentos se realizam num arranha-céus. Aqueles que, na iminência do casamento, perspectivam poder vir a ter uma vida dupla do tipo ‘cowboy brokeback mountain’, estão sempre tempo de se mandarem do 86º piso cá para baixo. É remédio santo. Muito melhor que a receita prescrita pelo Pe. Nuno Serras Pereira... ;-))

Maite disse...

Feliz dia de S. Valentim para si, Professor e para todos.
Houve tempos que não ligava muito a estas datas (achava-as miseravelmente patéticas). Mas aprendi que, como seres humanos que somos, somos seres de hábitos e que as datas estão cheias de um significado sublime, por isso devem ser, sim, comemoradas :)

Maite disse...

Ah! e o Central Park com 68,3 centímetros de neve, deve estar espectacular.
Mas...coitados dos patos, são ainda presa mais fácil para os falcões que vivem lá perto nos arranha-céus.

Paixão disse...

Acho que sim... é preciso acreditar e aproveitar enquanto duram os espíritos apaixonados e elevados. A felicidade é mesmo assim, é feita destes momentos...não duram para sempre, é verdade, mas ainda bem que existem...! Só temos de ter a esperteza e lucidez para os aproveitar e usufruir deles! Como dizia alguém:"king for a day, fool for a lifetime!" Beijinhos valentinos!!!!

Paixão disse...

Ps. Esperemos que o champanhe não congele...!!! ;-)

CêTê disse...

"Lá diz o povo: "Quanto mais alto se sobe...". "
LOOL, ó professor!!! ;]

Nada como festejar a loucura nos subterrâneos da consciência, a cota negativa, em posição missionária. ;]
\ /
Bo dia para todos! - 0 -
/ \
~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~CCCCC~~~~

Anónimo disse...

Gostei do título deste post. O prof, hoje, está com sentido de humor...
Voltarei para saber notícias do meu ídolo - o Sousa. ;)

Isabel Pietri disse...

... sei lá!... com tamanha exposição mediática até eu casava outra vez!!! ;-)))

Podia ser que a minha cara aparecesse durante 34 centésimos de segundo em todos os canais sérios ;-) do mundo... Já me estou a imaginar uma Grace Kelly!!! :-)))

Don't push me, don't push me... :-)))

Isabel

STU & VJMV- Agente Sindical das Traças Unidas e Viciadas em JMV disse...

Manifesto das traças:

keremos velharias! Keremos velharias! Keremos velharias!keremos velharias!keremos velharias! keremos velharias! keremos velharias! keremos velharias! keremos velharias! keremos velharias! keremos velharias! keremos velharias!

zmsantos disse...

no 86º andar... só mesmo com as cabeças no ar para fazer tamanha asneira!

Anónimo disse...

Na esperança de que com a altura valores mais altos se levantem....apesar do frio.

a-meio-da-noite disse...

Afinal na América ainda se sonha ;)

noiseformind disse...

Já recebi 8 postais (4 por email, 4 por correio expresso)!!!! Mandei 12!!!!!! Vou oferecer 6 prendas e não sei quantas vou receber. Este consumismo é tétrico. S. Valentim deve estar a dar voltas na tumba... com uma freirinha amiga... ; )))))))))))))))))))))))

noiseformind disse...

Este é o dia mais deprimente para milhões de pessoas casadas, ao verem que a recompensa da sua cara metade é tão somente ressonarem 3% menos ou terem a gentiliza de trazerem os pratos para a banca em vez de os deixarem na mesa e irem directamente para a sala. Para muitas miúdas é uma forma de terem telemóveis novos ou sacarem um jantar caro aos respectivos namorados. Para eles por seu lado é dia de obeterem, depois do jantar pago e a prenda dada, o auto-sexo da praxe ; ))))))))))))))))))))

fora-de-lei disse...

A lenda de S. Valentim

As comemorações de 14 de Fevereiro, dia de S. Valentim, como dia dos namorados, têm várias explicações – umas de tradição cristã, outras de tradição romana, pagã. A Igreja Católica reconhece três santos com o nome Valentim, mas o santo dos namorados pensa-se ter vivido no século III, em Roma, tendo morrido como mártir no ano 270. Em 496, o Papa Gelásio reservou o dia 14 de Fevereiro ao culto de S. Valentim.

Valentim era um sacerdote cristão contemporâneo do imperador Cláudio II. Cláudio queria constituir um exército romano grande e forte; não conseguindo levar muitos romanos a alistarem-se, acreditou que tal sucedia porque os homens não se dispunham a abandonar as suas mulheres e famílias para partirem para a guerra. E a solução que encontrou foi proibir os casamentos dos jovens ! Valentim ter-se-á revoltado contra a ordem do imperador e, ajudado por S. Mário, terá casado muitos casais em segredo. Quando foi descoberto, foi preso, torturado e decapitado a 14 de Fevereiro.

A lenda tem ainda algumas variantes que acrescentam pormenores a esta estória. Segundo uma delas, enquanto estava na prisão Valentim era visitado pela filha do seu guarda, com quem mantinha longas conversas e de quem se tornou amigo. No dia da sua morte, ter-lhe-á deixado um bilhete dizendo «Do teu Valentim».

Quanto à tradição pagã, pode fundir-se com a história do mártir cristão: na Roma Antiga, celebrava-se a 15 de Fevereiro (que, no calendário romano, coincidia aproximadamente com o início da Primavera) um festival, os Lupercalia. Na véspera desse dia, eram colocados em recipientes pedaços de papel com o nome das raparigas romanas. Cada rapaz retirava um nome e essa rapariga seria a sua «namorada» durante o festival (ou, eventualmente, durante o ano que se seguia).

Com a cristianização progressiva dos costumes romanos, a festa de Primavera, comemorada a 15 de Fevereiro, deu lugar às comemorações em honra do santo, a 14 de Fevereiro.

Há também quem defenda que o costume de enviar mensagens amorosas neste dia não tem qualquer ligação a S. Valentim, mas deve-se ao facto de assinalar o princípio da época de acasalamento das aves.

Com o decorrer do tempo, o dia 14 de Fevereiro ficou marcado como a data de troca de mensagens amorosas entre namorados, sobretudo em Inglaterra e na França e - mais tarde - nos Estados Unidos. Neste último país, onde a tradição está mais institucionalizada, os cartões de S. Valentim já eram comercializados no início do século XIX. Actualmente, o dia de S. Valentim é comemorado em muitos países do mundo como pretexto para os casais de namorados trocarem presentes.

Sousa disse...

Patrãozinho:
Venho só lembrá-lo que só voltamos para a semana, conforme combinado. Estamos a usufruir as merecidas mini-férias do seu mau génio. Mentira- o patrãozinho é um santo! Os meus sogros estão felississimos com a nossa visita. Prepare a arca... e a adega, claro está! Temos muito para partilhar. Quem tem sido difícil de aturar é a minha sobrinha: imagine! Tem ali uma fã- apoquenta-me o juízo para lhe contar coisas da sua vida: cada pergunta mais disparatada do que a outra! OLhe que até chegou ao cúmulo de me perguntar se o patrão dormia de "slipes"!!!! A rapariga pensa que eu durmo consigo ou quê?- Bem diz o sr. que há para aí umas toleironas...Aquela até arrancava os cabelos por si! (ainda se fossem o das pernas e do buço!- a pobrezinha deve ter aquilo... como é que o sr. doutor diz... "Testiculostezona"?) É claro que eu não lhe falei daquilo (sim daquele assunto que o patrãozinho sabe... sim daquele que o leva a censurar-me as partituras) Falei-lhe só da menina Maria. A rapariga lá se tocou e mudou o assunto para o seu próximo livro. (fique descansado: também não disse mais do que já se sabe). Mas aquilo é da idade...

Vá dando notícias.
Se precisar alguma coisa especial da beira-mar ou da bairrada diga!

Um abraço.


Sousa

C.S.- A patroa não está aqui ao pé de mim mas se estivesse (bem se estivesse nem tinha oportunidade de lhe escrever) mandaria cumprimentos (abraços e beijos). Cuide de si, homem dos "Diabos"!

Aspásia disse...

SONETO

Quanto mais me comoves, mais te amo
e mais me sinto a comover tentado.
Mas se é rude esta voz com que te chamo
e o meu falar não é o falar sonhado;

quanto mais te comoves, mais reclamo
a presença do teu rubor amado
e não canso de mais te ver e clamo
por tudo aquilo que não foi saciado.

E se ergues as húmidas pupilas,
assombradas na trama que criei
(e dentro em mim o fogo já esculpido)

entre o real e o sonho quase oscilas
mas na taça das mãos que acariciei
fazes pousar meu rosto comovido.


Caetano Belliboni (Itália, Brasil)

***
Bom São Valentim (malgré tout), para si, Júlio, e para todos...

Beijinhos

andorinha disse...

Boa tarde.
(Andorinha em coffee break)

Enfim, gostos não se discutem...
Há muita gente que só quer dar nas vistas, que se há-de fazer?:(

Noise,
Retrato fiel de um dia de S.Valentim, que tem que ser comemorado porque sim.

Até mais logo, gente.:)

Anónimo disse...

Há 50 anos atrás a mulher era visto como um objecto. Namoravam vigiadas pela família, em paralelo, os códigos eram completamento diverso, com um intuito definitivo e minado pelo banho judaico cristão.



Há muitas realidades de amor, mas é sobretudo uma dádiva. É preocuparmo-nos com o outro até por motivos egotistas, gostamos e cuidamos do outro porque nos dá prazer.



A definição de casamento que existia institucionalista, mercenário, para o fortalecimento das relações económicas, uma união entre grupos, por poder ou estatuto, foi mudando ao longo dos tempos para a conjugalidade. O mais importante é ser feliz na relação, as formalidades do casar, não acrescentam mais nada. Hoje há uma liberdade que não existia para se escolher o seu próprio modelo de vivência.



A vida familiar tem um impacto naquilo em que pessoa se torna, mas há mais influências. A sociedade de informação, no capítulo dos mercados amorosos, alargou a hipótese de escolha, e a Internet, mais os telefones celulares potenciaram um forte impulso nesse sentido, uma alargamento das opções em larga escala.

Saudações rotárias.

Assina: Luís André Gonçalves

Pamina disse...

Boa noite.

Noise(1.20),
Espero que a esta hora, depois de efectuada uma actualização da contagem dos votos, perdão, das mensagens recebidas, haja, pelo menos, 12 a 12.:))))))

Por acaso não é uma data que me toque afectivamente, mas sendo cinéfila, quando li a referência ao Empire State Building, lembrei-me logo dos filmes "An affair to remember" com o Cary Grant e a Deborah Kerr, o pouco interessante remake com o Warren Beaty e a Annette Benning e o "Sleepless in Seattle" com o Tom Hanks e a Meg Ryan, onde o primeiro é citado.
Embora nos primeiros filmes o destino lhes pregue uma partida e os apaixonados acabem por não se encontrar neste edifício, é provavelmente com estes filmes na lembrança que os pares terão decidido casar-se lá. É um "lugar romântico".
A propósito, no "Sleepless in Seattle" há uma discussão onde o melodrama com o C.Grant/D.Kerr é classificado como um filme tipicamente feminino, enquanto o "Doze indomáveis patifes" seria um filme masculino. Romance versus violência guerreira.
Parece que dei a volta e acabei, mais ou menos, no 2º comentário do Noise: neste dia, a mulher quer o presente e o jantarzinho à luz das velas e o marido, que naturalmente acha isto tudo uma palermice romântica, cumpre o ritual para que ela cumpra o outro ritual. Que cenário deprimente.

Vindo a seguir, isto parece irónico, mas é sincero:
Aos que ligam, desejo bom resto de Dia de S. Valentim.:)

moon disse...

Isto agora é assim?! Vira-se as costas por um bocado e na volta surgem mais não sei quantos posts. Uf... Que produção!:)

A mensagem mais gira que recebi hoje foi da minha mana. No final da manhã ligou para deixar uns beijinhos. Muito divertida justificou que há muitas formas de amor e como está apaixonada por mim uns beijos faziam todo o sentido. Claro que a risota ao telefone foi inevitável. Esta mana...
Agora, pensando bem, até que concordo com ela. Damo-nos super bem, adoro-a e espero que o nosso "namoro" dure muitos e muitos anos.

Quanto ao post de hoje, mas que título tão malandreco...

O Empire State Building faz-me logo lembrar um filme que adoro (protagonizado nos anos 50 pelo Cary Grant e na versão moderna pelo Warren Beatty): "O amor da minha vida".
E claro, escusado será dizer que me derreto com histórias de amor.

Quanto aos casais, é muito bom que acreditem no amor e na instituição -casamento-.
E não podem alegar, de forma alguma, que fizeram as coisas de cabeça quente. Com o frio que deve estar lá em cima...:))))))))
Nova Iorque cheia de neve deve ser super romântica... Ainda assim, é uma pena os aeroportos estarem encerrados e não possibilitarem a "fuga" em lua-de-mel para um local paradísiaco com um mar de àgua quente e cristalina e, claro está, room service...;)))))))))))

moon disse...

Bem, agora que actualizei os comentários e tive tempo de ler os demais estou a ver que a Pamina se lembrou do mesmo que eu. Bom gosto, Pamina. Estou a falar dos filmes.

Quanto ao Noise, bem...
Ò jovem não sabes que a poligamia ainda não é permitida por lei?!
Já estou a imaginar a resposta...(nas que eu me meto).

Pronto, Noise, está bem já sei: é
tudo muito platónico...!:))))))))))))

Julio Machado Vaz disse...

Moon,
Está proibida de comparecer aos jantares do Murcon, o seu post é incestuoso:). O seu marido devia dar-lhe uma polinheira!

moon disse...

Credo professor!
Isso é coisa que se diga?
Estou ofendidíssima!
Agora só lá vamos de pedido de desculpas num dos jornais mais lidos e convite público (aqui no blog serve)para o almoço:)
Quanto à "polinheira" (raio de termo que não conheço e presumindo que pode assumir várias formas) eu vou falar com ele, sim? É já a seguir...:)))))))

andorinha disse...

Júlio,
A meter-se com a Moon??? Loooooool
Discordo, o post dela é uma ternura.:)))

Julio Machado Vaz disse...

Andorinha,
A Moon não precisa de sacristão:).

Moon,
Não conhece polinheira? I purrada belha?:). À moda de Braga, claro!

andorinha disse...

Júlio,
Eu sei, não se zangue:)

E eu também desconhecia o termo "polinheira", só aprendi consigo. Deve ser um termo tripeiro...

Anónimo disse...

Para quem perguntou o que são saudações rotárias é uma forma dos membros do movimento Rotary ou Rotário (de30 anos para cima) ou Rotaract (18 aos 30) ou Interact (13 aos 18) se saudarem. Este movimento de cariz social e sem fins lucrativos tem em vista 3 pontos:
- A prestação de serviços à comunidade;
- A valorização profissional;
- E o aprofundamento das relações humanas;
O seu fundador foi Paul Harris, advogado e empresário, e a 1ª reunião realizou-se no dia 23 de Fevereiro de 1905. Por ocasião da morte de Paul, em Janeiro de 1947, já existiam 6.000 Rotary Clubs havendo hoje mais de 32.000 em mais de 164 países. Através da fundação Rotary Internacional e de patrocínios tem-se levado a cabo acções de erradicação da poliomielite; combate à sida; alfabetização de crianças em países do terceiro mundo; campanhas de sensibilização rodoviária; rastreios dentários e ao cancro da mama; isto para dar apenas alguns exemplos concretos.
Para mais informações vide in http://www.prensarotaria.com.ar/es/informacion_para_futuros_rotario.htm, http://www.rotary.cl/, http://www.rotaryspain.org/,
Assina: Luís André Gonçalves

fora-de-lei disse...

andorinha 12:02 AM

"E eu também desconhecia o termo "polinheira", só aprendi consigo. Deve ser um termo tripeiro..."

Polinheira é um termo registado como minhoto nos dicionários de Cândido de Figueiredo e das "Expressões Populares Portuguesas", de Guilherme Augusto Simões. Significa tareia, sova. (in Ciberdúvidas)

andorinha disse...

Fora de lei
Obrigada pelo esclarecimento.:)
E ainda para mais é um termo minhoto...

Su disse...

anónimo...todos nós sabemos o que são saudações rotárias - companheiro :)))

isso é q é cultura o rotary club...eheheh a bem da nação:))))