quarta-feira, maio 09, 2007

Aclarar dúvidas.

Recebi um mail sobre o O Amor é... Para discordar da minha afirmação, segundo a qual o orgasmo mais violento pode não ser considerado o melhor por parte... do(a) interessado(a):). Aposto que não fui claro. Para decidirmos que "aquele" foi o melhor de x orgasmos (esta parte é dolorosa de escrever na minha idade:() é preciso senti-lo como tal, se me perdoam a lapalissada. Ora o que acontecia nas experiências era a comparação entre a opinião da pessoa e o registo das contracções musculares orgásmicas. Ou seja: nem sempre máquina e mente estavam de acordo, o prazer não é apenas "muscular". E ainda bem!

53 comentários:

Filomena disse...

Eu diria mesmo que no dia em que máquina e mente estiverem de acordo, estaremos mais “lixados” do que o outro do “Cemitério dos barcos sem nome”. E bem menos fascinados.
Porque será que há sempre necessidade de quantificar tudo? Até o prazer?
Escala de Mercalli ou de Richter? Havia de ser bonito, “uns e outros” de bloco em punho:”Querida, quantos graus foram hoje”?

peciscas disse...

Eu ouvi-o hoje de manhã proferir essa afirmação, acho que a entendi e não poderia estar mais de acordo.
Aliás, sempre estive de pé atrás com a moda actual dos rankings, top-ten e quejandos.
Assim como acho absurdo seriar, por exemplo, escolas, de acordo com parâmetros tão pouco fiáveis e significativos como o são os resultados de exames nacionais encarados de modo isolado e frio, também acho que avaliar orgasmos por quaisquer variáveis supostamente mensuráveis é algo de muito esquisito.
Como também é uso dizer, cada caso é um caso e cada coisa no seu contexto próprio. Afirmações que, por sua vez não deixam de ser lugares comuns já batidos.
Mas a gente entende-se...

thorazine disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
thorazine disse...

Já vi um documentário em que mostravam experiências que fizeram para detectar a diferença entre o início da excitação física e da mental. Puseram uma mulher e um homem em salas diferentes, com um aparelho inserido nos orgãos genitais para medir o nível de irrigaçao sanguínea e com uma TV. Primeiro na TV passavam imagens banais, uma cowboyada ou algo do género e depois, bruscamente, mudava para um cenário erótico seguindo para um pornográfico. Deram indicações para que quando ele ou ela se sentissem de algum modo excitados pressionarem um botão.

Na análise os cientistas concluiram que existia uma maior discrepância nas mulheres do que nos homens entre o momento em que o aparelho detectava um aumento da circulação sanguínea e o momento em que elas próprias deduziam que se sentiam excitadas.

Poderá ser por teimosia..ou até orgulho! :P Mas é um caso em que a máquina detecta antes da própria pessoa.. :))

PS - Noise, deve existir um artigo sobre este estudo. Ve se o desencantas ai nas tuas bases de dados! ;))))))))))

andorinha disse...

Boa tarde.

Ouvi agora o Amor é...e não fiquei com dúvidas:)
De resto, faço minhas as palavras dos oradores precedentes, Filomena e Peciscas.

Thora,
" Mas é um caso em que a máquina detecta antes da própria pessoa..."
Mas isso vem precisamente ao encontro do que foi dito no programa e no post: nem sempre máquina e mente estão de acordo.

Tangerina disse...

Já tive muitos orgasmos, todos bons e gloriosos, mas houve uns quantos que tiveram um travo especial...
Mas isto sou eu a falar de paixão, lá está...

Bj citrus:)

Tangerina disse...

Não me expliquei bem, acho.
O que quis dizer é que, sim, está na mente a intensidade do prazer que sentimos.
A máquina responde com o entusiasmo de que é capaz!
Aleluia:)

Pamina disse...

Boa noite.

Tangerina, acho que se explicou muito bem:
..."mas houve uns quantos que tiveram um travo especial...".
Exactamente, também sinto o mesmo (considerando "travo" como sinónimo de "gosto" e sem qualquer conotação negativa).
Não sei se a máquina confirmaria (já parece o outro do detector de mentiras: la machina conferma...ou não). Felizmente não estava ligada, deve ser muito incómodo com os fios pelo meio:))).

JFR disse...

Creio que o diferencial de prazer, para um mesmo estímulo físico, resulta, em boa parte,da dose emocional com que é recebido. Daí a não identidade entre a opinião do sujeito de prazer e a da máquina de teste.

maiaToRga disse...

Professor, mente e máquina? Isso parece-me um dualismo cartesiano encapotado! lol (estou a brincar). Tenho que discordar consigo. Eu encaro os orgasmos como situações de prazer extremo. Às vezes mais intensos, outras vezes menos, mas sempre adequados à situação. Além disso é sempre bom variar... :)

Peciscas

Eu acho, sinceramente, que a quantificação destas coisas é altamente benéfica, nem que seja para que possamos aprender mais sobre a melhor forma de dar prazer. Além disso, é assim que a ciência funciona, com números e estatísticas . Às vezes manipulados, outras vezes não, tudo depende do ponto de vista.

APC disse...

Pareceu-me claríssimo! Íssimo!!!
E, pelo meio, um sorriso! :-)))

thorazine disse...

andorinha,
sim..! Só agora estou a ouvir o amor é..e o professor ja tinha falado nisto. :)

Pamina disse...

Falando muito a sério, já agora, gostaria de acrescentar o seguinte:"o" melhor secedeu quando me tornei a reunir após alguns dias com alguém que pensei que tinha perdido (=perdido mesmo=morto).
Foi uma mistura de alegria, alívio, sofreguidão e todos estes sentimentos juntos, e mais alguns, causaram o maior fogo de artíficio que se possa imaginar, para usar o cliché, o que demonstra realmente a grande importância das circunstâncias externas ao acto em si.
Do ponto de vista científico, até talvez tivesse sido interessante verficar se a intensidade das contracções foi maior ou se se tratou de uma sensação puramente psicológica. Do ponto de vista pessoal, who cares? Sinto-me simplesmente feliz, em primeiro lugar, por esse momento ter sido possível e depois pelo maravilhoso prazer que experimentei.

andorinha disse...

Maiatorga,
Esclarece-me umas dúvidas, se puderes( e quiseres):)

O que são orgasmos adequados à situação???

"A quantificação destas coisas é benéfica"
Em que escala? De zero a vinte?:)

Pessoalmente também não gosto quando a ciência interfere com estas coisas de amor e sexo.

Olhando para trás não consigo precisar qual foi o meu maior orgasmo; situações diferentes, orgasmos diferentes, é complicado comparar, nem isso me interessa, sinceramente.
Aliás, o melhor é sempre o próximo:)

maiaToRga disse...

Andorinha,

Imagine o seguinte...
Está cansada dum dia de trabalho e alguém resolve dar-lhe uns miminhos e puff tem um orgasmo. Se for uma "coisa" menos calma, ou seja menos adequada à situação provavelmente vai acabar por ser desagradável. Logo esta situação requer um orgasmo "light". Fiz-me entender?

Em relação à quantificação e à cientificação da coisa, dado que são precisa e exactamente a mesma coisa esclareço as dúvidas numa só resposta.
Não acho que o sexo seja um assunto tabu. Aliás acho que esta ordinarisse pegada que se assiste em Portugal todos os dias, com as piadas veladas e os sorrisinhos, entre outras coisas, demonstram um profundo mau gosto e uma terrível falta de literacia do povo português. O sexo é uma coisa como outra qualquer! Logo pode e deve ser estudado em benefício da ciência, seja ao nível fisiológico, seja ao nível da patologia, mas também em benefício das populações , que podem informar-se não só para dar prazer, mas também e principalmente para o fazerem de uma forma saudável! Se as pessoas estudassem estas questões provavelmente não teríamos esta terrível falta de literacia sexual! Quando ouvimos jovens de 18 anos confundir o orifício genital com o orifício urinário a situação é grave! Estude-se, investigue-se, ensine-se, divulgue-se para que o sexo deixe de ser um tabu, uma necessidade carnal hedionda e passe a ser aquilo que é realmente uma permuta prazerosa entre pessoas na sua intimidade.

Em relação ao último ponto... Só me lembro do primeiro que tive... E ficarei sempre à espera do próximo tal como a Andorinha... A não ser que seja alvo de um estudo controlado não tenciono comparar todos os que tive.

Julio Machado Vaz disse...

Maiatorga,
A máquina era um registador de contracções musculares, não o corpo humano:).

maiaToRga disse...

Eu percebi, Professor, estava mesmo a brincar... :)

andorinha disse...

Maiatorga,

Vou responder por parágrafos:)

Não sabia que agora os orgasmos são como os iogurtes ou a Coca-cola.:)
Estou a brincar, logicamente.
Percebi essa situação, mas o tipo de interacção física é que pode ser considerado mais "light", não quer dizer que o orgasmo forçosamente o seja. As duas coisas não são directamente proporcionais:)

Claro que o sexo não é um assunto tabu, como dizes, deve ser encarado como outro assunto qualquer e sem dúvida que ainda há muita falta de informação.

"Estude-se, investigue-se, ensine-se, divulgue-se para que o sexo deixe de ser um tabu, uma necessidade carnal hedionda e passe a ser aquilo que é realmente uma permuta prazerosa entre pessoas na sua intimidade."

Não poderia estar mais de acordo.

maiaToRga disse...

Andorinha,

O orgasmo pode ser mais light em termos de contracção muscular, parafraseando o professor, e no entando mais intenso em termos de prazer. Na minha opinião, quando a interacção é mais soft e, principalmente, mais adequada, ao sentirmos empatia por parte do outro, a sensação de cumplicidade ajuda em termos de prazer. Não num prazer originado pela maluqueira de contracções/relaxamentos uterinos, no vosso caso, mas sim pela felicidade e pela paz interior.

A propósito, para além de detestar Coca Cola, conheço poucos "alimentos" que façam pior. Os iogurtes foram "inventados" para que fosse possível beber leite "conservado". Uma é detestável, outro é um substituto, que lá trouxe qualquer coisita de bom, portanto os orgasmos não são como a Coca Cola nem como os iogurtes, para responder à sua pergunta :p

andorinha disse...

Maiatorga,
Há orgasmos e orgasmos assim como há situações e situações; quanto a isso estamos de acordo.

Quanto à Coca Cola e aos iogurtes, parece que também:)
Não bebo Cola e adoro iogurtes, mas distingo-os de um orgasmo:))))

Fora-de-Lei disse...

Maravilha das maravilhas ! Aqui é só mulheres que têm orgasmos com a maior das facilidades. É só pedir por boca e... já estás !

Que é feito das gajas que se vêem à rasca para se virem ? Sim, essas mesmo... aquelas que enchem os consultórios de psicólogos, sexólogos e afins na ilusória esperança de também se poderem vir que nem umas perdidas.

Vá lá, apareçam suas infelizes... não se inibam. Senão o pessoal aqui ainda vai pensar que as que até agora disseram da sua justiça foi só para inglês ver. Inglês sim, mas não daqueles ingleses que deixam os filhotes em casa enquanto vão dar ao serrote...

andorinha disse...

Fora de lei (11.25)

Estava a estranhar a tua ausência!:)

"Aqui é só mulheres que têm orgasmos com a maior das facilidades."

Quem é que disse isso?
Sempre provocador.....:)

Tangerina disse...

Apetece-me chamar imbecil a este fora-de-lei... Só não chamo porque este não é o meu blog, caramba!

(saindo para não me enervar!)

moon disse...

Fogo... (como dizem os adolescentes e não só...)
Tantos orgasmos e eu nunca vi um único ao vivo e a cores:((((((
E agora retiro-me e vou tentar ouvir a famigerada deixa que provocou o mail, este post e não sei quantos comentários:))))))))

Fora-de-Lei disse...

Tangerina 11:36 PM

Ó clementina, tem cuidado... não vás ficar sem impressões digitais.

PS 1: enquanto puto, um amigo meu era "sebastiana" atrás de "sebastiana". De dia para dia, emagrecia a olhos vistos. O pai levou-o ao médico, o qual lhe receitou umas luvas de pele de ouriço. Remédio santo: para além de parar o emagrecimento, deixou de ter calos nas mãos.

PS 2: porque é que um gajo que anda no mar é marujo e um gajo que anda no ar não é araújo ?! Talvez pela mesma razão que uma gaja de Marrocos é marroquina mas uma gaja de Tânger não é tangerina. Ai clementina, clementina...

moon disse...

Fora-de-lei,

agora que li...
Nem todas, na ausência de..., enchem consultórios ou têm crises existenciais ou maus humores e sei lá mais o quê...
O prazer nem sempre vem em forma de orgasmo, penso eu. Senão muita da população estava feita!
Claro que, como boa portuguesa:)), se a vizinha tem, eu também gostava...:))))
Mas não se pode ter tudo e como sou optimista, quem sabe talvez um dia...
Homens... Ó raça...

Fora-de-Lei disse...

moon 11:58 PM

Simplesmente, gostei !

Tangerina disse...

fora-de-lei,han han....

PS 1: O amigo que 'sebastianava' (?!?) eras tu a masturbares-te. Certo? Não sei qual é o problema em chamar as coisas pelos nomes nem o que isso tem a ver com o meu comentário ao teu comentário.

PS 2: Não ouses implicar com os meus gomos!!


[Professor, perdoe esta conversa parva no seu blog, prometo que não descarrilarei outra vez:)]

Tangerina, um pedacinho amarga, agora:(

Fora-de-Lei disse...

Tangerina 12:10 AM

"Tangerina, um pedacinho amarga, agora."

Mas isso é apenas e só uma questão de DNA; o verdadeiro problema é outro: é conseguir as tuas impressões digitais.

Julgo ter aprendido nos vários episódios da série CSI que no teu caso concreto isso é virtualmente impossível...

stella disse...

Existe uma necessidade estranha de quantificar, de comparar, de categorizar... Faz-me algum sentido em certas áreas. Em relação ao prazer? Não a percebo mas também não quero nem me apetece percebê-la...

Cada um satisfaz as suas necessidades como lhe convém...

(escrever um comentário é quase como interromper uma conversa... "quem é esta agora?")

yulunga disse...

Bom dia maralhal.
Pois não estão não e ainda bem.
Segundo Masters and Johnson o orgasmo é uma série de contracções musculares e estimulos eléctricos.
Depois da banhoca metiamos os dedos na tomada e helás a máquina acusaria o orgasmo do século quando não teria sido mais do que o esticão do século.
A nível meramente fisico talvez não difiram muito uns dos outros, mas lá está: ainda bem que não é só muscular. A ambiência, a maior ou menor envolvência, o parceiro, os sentimentos, um toque diferente, a maior ou menor vontade, penso eu que tudo isso e mais uma série de pequenas coisas façam com que a intensidade de um orgasmo varie tanto.

My brother in arms
Tu vai-te lixar, brotha.
"Atão" e os gajos que não têm capacidade de fazer com as tais gajas se venham estão onde? Na outra metade dos consultórios de psicólogos, sexólogos e afins, não achas? Dahhhhh

noiseformind disse...

Continuo sem perceber nada. Estámos a falar de medição de contracções musculares onde? Pubo-cinética? Resposta vaginal de zona externa? Terço vulvar? Sujeitos pré-estruturados como mono ou multi-orgásmicos? Homens? Mulheres? orgasmos induzidos por testers? auto-induzidos? a trigem afastou sujeitos com factores confrontacionais entre o horizonte orgásmico e o prazer do mesmo?

Dos meus 6 aninhos aí pelo feudo só posso dizer uma coisa: era meter os gajos todos num campo de concentração e só os deixar sair quando aguentassem uma erecção por 15 minutos a ritmos elevados. Muitas das barbaridades prévias a este comentário nunca teriam chegado ao ponto de "Publicar Comentário" caso esta medida tivesse sido tomada à 10, 20, 30 ou 40 nos atrás ; )))))))))

Imagino o que diria um sexólogo português no próximo dia 1 de Junho em Hilton Head Island: as portuguesas é que são espertas. Isso de orgasmos é coisa que faz doer e quem sofre mais são as islandesas, que insistem em tê-los quase até aos 80 anos EM MÉDIA!!! COITADINHAS!!! As portuguesas, gajas sábias e prevenidas, limitam ao máximo a possibilidade de terem orgasmos, confiam sempre e acima de tudo no sentimento, instinto e experiências passadas, mesmo que em todas essas experiências nunca tenham tido o dito ou tenham um ou dois sendo multi-orgásmicas. Meus filhos destes 65 países aqui representados: CONVERTEI-VOS!!!! Largai essa porfia, entregai-vos mansamente e por baixo dos vossos parceiros e não os acrimonieis longamente nos seus falhanços da adolescência. Vede o português, que consegue o milagre de ter o trabalho máximo (leia-se tempo máximo) de coito no período logo após o casamento para, logo depois de fomentados os putos no seu útero, passarem para o 'vira do mete'. ; ))))))))))))))))

(ainda bem que eu vou em representação dos catalães...)

noiseformind disse...

No fundo no fundo é um debate surdo pq ninguém tem a coragem de dizer que o Rei vai nú. Ninguém diz que a esmagadora maioria dos homens portugueses a ritmos mais do que entediantes vêm-se e ponto final e que a outra esmagadora maioria, a das portuguesas, nem sequer se conhece em termos sexuais via masturbação o suficiente para ter uma noção de avaliação realista de um parceiro. Enquanto se continuar a insistir numa igualdade de responsabilidades e não se atirar a batata quente para o lado dos homens por via de uma exigência um mínimo de estímulo da parceira Portugal continuará a ser o estranho país das mulheres insatisfeitas sexualmente mas estranhamente sem parceiro que as satisfaça. Mesmo as casadas (ou, pensando melhor, sendo esses os piores casos) ; ))))))))))))

Chega de negativismo, um pouco de praxis de qualidade pra animar a malta!!!!!!!!!!!!!
Oh tempo, volta para trás!!! Faz-me ser preto outra vez!!!

Fora-de-Lei disse...

yulunga 3:00 AM

My syster in arms, mas afinal a maior parte dos acidentes dá-se por causa das estradas ou por causa dos condutores ?

A Menina da Lua disse...

Bom dia!

Não partilho a ideia de que o sexo é "uma coisa como outra qualquer...":)

Será talvez uma interpretação pessoal mas considero que o sexo é muito mais do que uma mera função/actividade física igual a outra qualquer; pois ele tem a tras de si toda uma carga psicológica e até uma conotação cultural que o transforma e lhe dá como todos sabemos uma importância muito elevada.
Mesmo para os que o praticam duma forma "pura e dura" nunca lhes é coisa de menos importância...

No sexo existe o prazer com toda a sua complexidade mas a dimensão de partilha, torna-o ainda mais "rebuscado" e especial...
Temos em presença não só as nossas próprias intimidades e vivências mas tambem as do(a) outro(a): Conjugar tudo isso duma forma sexualmente "virtuosa" em qualidade e intensidade para os dois, é algo que se consegue melhor com uma nuance especial que para mim é a emocão afectiva ou o amor, como quiserem...

Os grandes momentos de prazer estão efectivamente ligados à maior carga afectiva que lhe associo, tendo sempre presente que as componentes física e emocionais interagem complementar e virtuosamente...:)

nina disse...

100% de acordo. O prazer é essencialmente mental - "orgasmos mentais" são sem sombra de dúvida os melhores (pelo menos para mim)

thorazine disse...

Hoje no Sociedade Civil fala-se de disfunção eréctil! :)

Mãe&Advogada disse...

Como mãe&advogada, e não apenas com mulher, acho muito importante que se fale do orgasmo, e em especial do orgasmo feminino !

até para que, de uma vez por todas, as mulheres comecem a aprender a defender-se de muitas acusações/insinuações :) mui injustas de anorgasmia...

( coisa muito diferente, de aprender a defender-se da anorgasmia, propriamente dita )


Ora, como dizem os entendidos:

"A anorgasmia feminina é uma inibição recorrente ou persistente do
orgasmo manifestada por sua ausência mesmo que tenha uma fase de
excitação normal a partir de uma estimulação que poderia ser
considerada adequada em intensidade, duração e tipo." http://boasaude.uol.com.br/lib/ShowDoc.cfm?LibDocID=3888&ReturnCatID=690

Ou seja, só estamos perante situações de anorgasmia feminina, se a ausência de orgasmo ocorrer em situações de

"excitação normal

a partir de uma estimulação

que poderia ser considerada

adequada

em intensidade,

duração

e tipo."

Posto isto, para que uma mulher seja considerada "anorgásmica" -

nada pode ter falhado, ao nível de uma normal excitação - de uma estimulação adequada, em intensidade, duração e tipo!

E perante este quadro de exigências, eu pergunto,

I. quantas mulheres ditas anorgásmicas, serão verdadeiramente anorgásmicas ?

II. quantas mulheres privadas de experiências sexuais em estado de excitação normal, por falta de estimulação adequada, por falta de intensidade, ou de duração, ou de tipo... se encontram por via disso, privadas das condições mínimas para alcançar esse prazer ?

III. e num contexto de normal excitação, de estimulação adequada, pela intensidade e duração, e de tipo ...
quantas mulheres conseguiriam deixar de atingir um ou vários orgasmos seguidos ?


Qualquer uma destas I. II. III. perguntas cabe nesta discussão!


Antes de terminar, gostava apenas de trazer para esta discussão só mais duas coisas !

Não tenho agora aqui nenhum link :) à mão,

mas é certo e sabido, que o orgasmo feminino é possível, sem qualquer estímulo físico, se a mulher já o tiver sentido alguma vez ! e este orgasmo provoca-lhe precisamente as mesmas sensações, porque, o sentimento e o desejo extremos, são, por si só, fontes de excitação poderosíssimos !

Do mesmo modo que, é possível de atingir um orgasmo, sem o concurso de uma multiplicidade de estímulos... - pois um elevado grau de excitação pode resultar de um estímulo mínimo que provoque uma revolução total dos sentidos, tanto num homem, como numa mulher !

Mas há uma coisa que me parece bastante mais importante para a compreensão da sexualidade feminima, do que a anatomia :) dos seus orgasmos... - o prazer sexual feminino sentido durante um coito vaginal prolongado - e bem feito - pode atingir elevados níveis de prazer constantes, e tão ou mais violentos do que os do prazer orgásmico...

Daí que, muitas mulheres que nunca experimentaram um orgasmo, possam sentir em relação a isso mais curiosidade, do que a falta deles, propriamente dita !



Resumindo e concluindo :) em meu entender:

muitas das mulheres que se julgam anorgásmicas... ou que são facilmente rotuladas de anorgásmicas:

I. ou nunca foram correctamente estimuladas para atingir uma excitação dita normal, seja pela falta de estímulo adequado, na intensidade, duração, e tipo... - para usar as palavras da citação supra !

II. ou o prazer constante que retiram dos coitos vaginais prolongados - e bem feitos - é de tal modo intenso, que não lhes permite perceber que o seu problema :)) não é de anorgasmia, mas de pluriorgasmia...


Finalmente, e acima de tudo,

o que eu acho é que
nenhuma mulher saudável, é incapaz de sentir prazer orgásmico, naquele quadro de exigências supra citado ! simplesmente, as coisas, para algumas delas, ainda não se conjugaram todas nesse sentido...

o que tbm não tem que ser encarado como uma tragédia !

A felicidade não pode ficar dependente da sorte de amar e ser amado, e da sorte de se poder celebrar esse amor numa sexualidade inteira e cheia de prazer orgásmico ...

Há mais vida para além disso...

e quem assim não pensar, não se pode considerar uma pessoa absolutamente livre, de corpo e alma !

( asdtg.adv@gmail.com )

thorazine disse...

Gostei de ouvir a Marta Crawford; mudei a impressão que tinha dela daquele programazito rafeiro da TVI! :))

PS- E a Fernanda Barros devia aparecer na publicidade "Novas Oportunidades" pois com apenas o 12º ano mete no bolso muitos licenciados da nossa TV tuga! :)))

Marx disse...

Será que ainda se vai a tempo de sugerir à malta do SIMPLEX a inclusão dos "tempos de erecção" de cada tuga nos novos BI electrónicos?

Marx disse...

Esqueci-me de acrescentar que consiedrei interessantíssimo o contributo para o debate da mãe&advogada.

andorinha disse...

Boa tarde.

Noise,
"Portugal continuará a ser o estranho país das mulheres insatisfeitas sexualmente mas estranhamente sem parceiro que as satisfaça."

Traduz-me esta afirmação, miúdo.
Mesmo conhecendo os caminhos tortuosos da tua mente:))), confesso que não a entendo!

mãe&advogada (3.03)

Assino por baixo.
O comentário está EXCELENTE!

Fora-de-Lei disse...

Mãe&Advogada 3:03 PM

”Há mais vida para além disso...”

Olhe que não, mãezinha... eu não estaria assim tão certo disso.

A atestar a total ausência de carga empírica nesta minha dúvida, atentemos todos neste artigo de John Fodewell extraído da revista científica “WOW... I’m coming”:


Está cientificamente provado que um orgasmo pode ressuscitar uma mulher

Um jovem, acaba de se licenciar em Medicina. O pai, rejubilante de felicidade, dá-lhe de presente um cabriolet, com o qual este realiza uma viagem solitária. Chega a uma aldeia e dirige-se a um posto de abastecimento para atestar o depósito de combustível. Não se via vivalma no posto e apesar de businar várias vezes ninguém vinha atendê-lo. Aparece de repente um rapazinho, que lhe diz:

- Escusa de businar, porque ninguém virá atendê-lo. A filha do dono morreu ontem e está toda a gente no velório...

O jovem médico pensa uns segundos e chega à seguinte conclusão: "se não posso prosseguir e não sei a que horas acabarão, vou até ao velório também, já que não posso fazer mais nada..."

Lá chegado, aproxima-se do esquife por mera curiosidade. De repente, observa algo extremamente raro. Chama o pai da “falecida” e diz-lhe:

- Olhe, eu sou médico. A sua filha não está morta, está em estado catatónico. Parece morta, mas não, está viva...

O pai, nervosíssimo, pregunta:

- Pode fazer alguma coisa?

O jovem médico, explica-lhe que há uma possibilidade remota de a trazer à vida, provocando-lhe uma sensação forte.

Pergunta então ao pai se a filha tinha namorado. Embora estranhando a pergunta, este respondeu que sim e que se encontra ali.

- Bem, então tirem o corpo do caixão, levem-no para uma cama e o namorado que faça amor com ela durante toda a noite.

O pai dá ordens para que se faça tudo o que o doutor disse, ainda que - logicamente - com algumas reservas. Pede-lhe depois para que este fique e comprove ele próprio o resultado.

Passadas quatro horas abre-se a porta do quarto e... aparece a rapariga vivinha da silva!

Grande alegria para todos, que logo ali programam uma festarola e convidam o doutorzinho. Este desculpa-se, alegando que tem de ir visitar um familiar que se encontra doente. Enchem-lhe o depósito de gasolina e o jovem médico promete-lhes passar pela aldeia na viagem de regresso.

15 dias depois, decide regressar e cumprir o que prometera, passar pela aldeia para ver como estava a jovem ex-defunta. Chega ao posto de gasolina e repete-se a mesma cena da primeira vez. Ninguém o atende e, depois de muito businar, aparece o mesmo rapazito que desta vez estava ali a tomar conta do negócio.

Mal viu que era o doutor, este saiu a correr e disse:

- Ainda bem que voltou, Doutor! O Sr. Engrácio, o pai da menina que salvou, morreu há 10 dias... já metade da aldeia lhe foi ao cú mas continua sem ressuscitar!

MORAL DA ESTÓRIA: o mesmo medicamento não serve para todos.

Marx disse...

Fora-da-Lei,

Boa, boa!

Mãe&Advogada disse...

Fora-da-Leizinho !

Acredito que sim,

que para alguns Homens, não haja mais vida... para além disso !


Mas acredite que para muitas Mulheres, há mais vida para além disso...

e se assim não fosse,

estava o Mundo perdido :)) ou ainda mais perdido, do que já está... assim é que é !


Mãezinha&Advogada

Fora-de-Lei disse...

Mãe&Advogada 6:30 PM

Gr8 Woman !!!

Mãe&Advogada disse...

Fora-da-Lei

O falecido não tinha descoberto em vida, o prazer alternativo ! foi pena... agora estaria vivo :))

MORAL DA ESTÓRIA: o mesmo medicamento não serve para todos, quando nem todos sofrem dos mesmos males :))

yulunga disse...

Fora da Lei
Encheram-lhe o depósito de borla, suponho.

A resposta é o homem, claro.

Fora-de-Lei disse...

yulunga 11:05 PM

Qual depósito, milady ?

Fora-de-Lei disse...

Mãe&Advogada 6:52 PM

Errado !

MORAL DA ESTÓRIA: só o orgasmo feminino ressuscita.

Mãe&Advogada disse...

Tirou-me as palavras da boca, F-D-L !

Errado ! e de que maneira :) e contra factos não há argumentos !

Quatro horas de sexo com o namorado, acordam uma namorada profundamente adormecida ! nisto, estamos profundamente de acordo .

Já dez dias de coitos anais, com um morto ! quando muito deixam uma comunidade inteira acordada para sempre :) com os fantasmas da homossexualidade e da necrofilia de meia-aldeia :) a pairar...

Moral da Estória: o conto da bela adormecida está bem como está ! e dispensa bem outros desenvolvimentos com finais tão fantasmagóricos :))

yulunga disse...

AHAHAHAHAHAHAHAH
Moral da Estória: o conto da Bela Adormecida tem-nos sido mal contado, essa é que é essa.

My brotha in arms
Tás tramado com essa Mulher, mãe e ainda por cima advogada. Não lhe faltam argumentos. Vai-te esmifrar todo eheheheheheh.

É bom ler a "imaginação" de cada um :-)

migalha disse...

Incrível! como a palavra "orgasmo" e um figura mediática, geram 52 comments e mais o meu..."53"....E, depois sou eu que sofro de solidão......!