terça-feira, maio 15, 2007

Estas mulheres...:(.

Estamos

Adormecer a luz e senti-lo acordar. Cruel, de tão gentil e vagaroso. Não me posso queixar, fui eu que lhe ensinei o gozo de gozar antes do gozo. Encabritar-se nas minhas costas sem resposta, prefiro outras embaixadas. As mãos; as mãos dele – suaves como a pele que lhes ofereço, cuidada a pensar nestes momentos. No escuro é ainda mais fácil imaginar-lhe os dedos longos, amei-os desde o primeiro ajeitar de cabelos. Tantos anos volvidos, continuam a desenhar mapas virgens no meu corpo, que se vira para acolher o seu. E conseguem o milagre de sobreviver ao estreito abraço, onde um alfinete sufocaria, elas continuam, marotas, a semear fogueiras. Orlam-me as coxas, arrepiadas e clamando por vingança, que chega de bosque e fonte. Afogo-lhe dedos que subirão, subirão, ao longo de ventre liso, busto arqueado e montes rijos, até à boca, ansiosa pelo sabor do meu prazer. Secá-los um por um, entreabrir os lábios, senti-los fugir, o cabelo espera-os, feliz pelo turbilhão que prometem. Partir rumo ao impossível esgueirar – às dele juntar as minhas. Tocarmo-nos a quatro mãos. Viajar em sentido contrário, gosto de lhe partir do peito e esquivar-me à impaciência do mastro que espera velas e brisa para abandonar o porto. Não há pressa, a maré-cheia é garantida. Chegar. Manter um diálogo mudo e esquivo entre a rijeza dele e o borboletear da minha língua, cuidado!, não despertar o vulcão… Cobri-lo eu. Todo. Porque do meu corpo minúsculo se desprendem as asas do desejo, que o rodeiam em voo picado. Erguer-me, cavalgando-o. E vê-lo sorrir de mansinho, olhos fechados, as ancas em busca do meu ritmo, numa volúpia preguiçosa e abandonada, que os homens desejam muito e receiam mais, ele também era assim. A explosão; os gemidos; adoro alimentar o meu prazer no seu. Um de regresso, outro a levantar voo, é chegada a minha vez. O espasmo repetido, febril, ausente. O peito dele, acolhedor, escuto o coração, que passa da desfilada ao pé ante pé. O silêncio. Estamos. Bem. Saciados, mas com a selvagem certeza desta fome não ter fim.

90 comentários:

lobices disse...

Saciados, mas com a selvagem certeza desta fome não ter fim.
...
...belo "poema"

Tangerina disse...

Isto é uma ode ao sexo, à paixão, à carne, à entrega, à tesão, à vida, caramba!

Gostei muito.

Bj com sumo de Tangerina:)

Tangerina disse...

Ah, e gostei de perceber que não são amantes recentes, estes dois.
Gosto de acreditar que há paixões que duram há mais de mil e uma noites...
Talvez seja isso o amor, essa fome que se sacia mas que não tem fim.


Pronto, agora fiquei um pedacinho romântica...humn...(weird!)

deeper disse...

....deliciosamente belo:))).

Tangerina disse...

Não percebi foi o título com a carinha triste...

Mulher amada e desjada assim, pode lá fazer beicinho!

Humn, eu vou ler isto tudo outra vez, com mais calma, algo me está a passar ao lado.

A ter sido o Professor quem escreveu isto, ocorre-me dizer que conhece bem o que uma mulher quer, espera, deseja de um homem...

Continua a não fazer sentido, o título.

Vou reler, então. E calo-me que já vou no terceiro comentário.
Sorry, sorry.

Julio Machado Vaz disse...

Tangerina,
Desculpe:(. Era eu a meter-me com a falta de pudor da "mulher" que escreveu o texto:).

Tangerina disse...

Ahhhh, ele há mulheres tão descaradas, senhores!

Obrigada pela resposta esclarecedora:)

Laura disse...

In fact, sorte a dela:)
E talvez não tanto pela sinfonia perfeita, com todos os "andamentos" certinhos como manda a lei (prelúdio, largo, allegro, adágio, molto allegro, finale, entre outros não verbalizáveis ;) mas porque o relato "dela"é feito pela boca...dele :):) (não há wordsmileys para surpresa, "saia" 1 sorriso incrédulo)

Só pode ser literário!
(?)

Fora-de-Lei disse...

Laura 8:10 PM

"In fact, sorte a dela."

Concerteza que a merece. Como todos nós - e como em tudo na vida - a mulher também tem que fazer pela sorte. Caso contrário, escusa de vir depois queixar-se que anda com azar a mais...

PS: eu cá para mim não há ai não, maior prazer que o celim e a mulher.

Sirk disse...

«...onde um alfinete sufocaria...»
Era um abraço mesmo apertadinho, apre! ;)

Uma mulher abraçada desta forma é, com certeza, muito feliz.

Laura disse...

FDL

Selim, não celim.
Sempre considerei a ortografia reveladora…
E quem escreve assim a palavra…pelos vistos desconhece por completo A Arte...
Por isso, não moralize.

(Explico melhor para que perceba: -aquela arte sobre a qual escreveu D. Duarte. Foi pena mesmo, porque de caminho, quem sabe, talvez tivesse folheado o Leal Conselheiro ? •:)

PS- Mesmo sem saber escrever o léxico básico, o fado assenta-lhe bem.

PAH, nã sei! disse...

Inspirador...

andorinha disse...

Boa noite.

Já tinha saudades desta escrita deliciosa.:)
Tal como disse o Lobices, é um belíssimo "poema", não preciso de dizer mais nada até porque nestas alturas as palavras são supérfluas.

Júlio,
Deliciosa também a sua resposta à Tangerina:)

Hoje cheguei mais tarde mas valeu a pena.

AQUILES disse...

Sintonia

A Menina da Lua disse...

Hummmmm!!!

Muito estimulante sim senhor:))

Muito inspirado e inspirador!!

Não lhe falta nada neste "privado" mas claro nunca comparável à intensidade da emoção das nossas próprias intimidades:)

Recomenda-se portanto:))

CêTê disse...

A capacidade de "mudar de sexo"-pele enquanto se faz amor é uma dádiva ao outro que têm efeito boomerang- (acho eu- que não sei se me expressei bem!? estou assim meia aturdida com o texto- coradita mesmo ;#...;])

fiquem bem

thorazine disse...

É este o palavreado - vulgo coro - que um(a) gajo(a) vai precisar "mais tarde"? :)))

Gostei!


PS - "..onde um alfinete sufocaria.."; Lembrei-me da frase "Mais apertadinho que os rebites de um submarino"! ;))))

Henrique Dória disse...

Esta fome não ter fim? Prof., o seu optimismo consegue ultrapassar o de Mário Soares.

andorinha disse...

Henrique,
Não acho que seja optimismo exagerado da parte do Júlio.
Sacia-se a fome na altura, mas voltamos a tê-la, ou não?
Não te sabia tão pessimista:)

AQUILES disse...

Muita fome ou gula?

AQUILES disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ti disse...

Muito bem!
Realmente bonito.

Fora-de-Lei disse...

Laura 9:35 PM

Laurinha, é caso para dizer que o seu nível cultural tem montes de absolutamente. Sempre considerei isso como algo muito revelador...

noiseformind disse...

O texto demora 1 minuto e qualquer coisa a ser lido e é contínuo sem referências a lapsos de tempo. Portanto está dentro dos parâmetros do coito matrimonial luso ; ))))
Prosa bastante realista, portanto...

Fora-de-Lei disse...

thorazine 10:48 PM

Lembrei-me da frase "Mais apertadinho que os rebites de um submarino"

Então e que tal esta frase (penso que criada por António Botto) "Mais apertadinho do que pixa em cú de frade" ?!

Fora-de-Lei disse...

noiseformind 10:33 AM

Bolas, só te falta dizer que o texto sofre de ejaculação prematura... ;-)

Fora-de-Lei disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fora-de-Lei disse...

Laura 9:35 PM

Laurinha, já ia lá longe mas voltei atrás de propósito só pela enorme consideração que sempre me mereceu qualquer mulher culta. Nomeadamente quando essa condição é, de todo, paradigmática - o que é o seu caso.

Como parece andar com azar na vida e isso lhe deve causar um stress do caraças, deixo-lhe aqui este link para que - à tromba estendida - se possa libertar de toda essa sua carga de angústia recalcada:

http://www.counterfeitmini.com/main.swf

lobices disse...

...permitam-me transcrever um dos mais belos poemas de amor, da autoria da Adélia Prado:
...
Para o meu Zé:
Eu te amo, homem, hoje como
Toda a vida quis e não sabia,
Eu que já amava de extremoso amor
O peixe, a mala velha, o papel de seda e os riscos
De bordado, onde tem
O desenho cómico de um peixe – os
Lábios carnudos como os de uma negra.
Divago quando o que quero é só dizer
Te amo. Teço as curvas, as mistas
E as quebradas, industriosa como uma abelha,
Alegrinha como florinha amarela, desejando
As finuras, violoncelo, violino, menestrel
E fazendo o que sei, o ouvido no teu peito
Para escutar o que bate. Eu te amo, homem, amo
O teu coração, o que é, a carne de que é feito,
Amo sua matéria, fauna e flora,
Seu poder de perecer, as aparas de tuas unhas
Perdidas nas casas que habitamos, os fios
De tua barba. Esmero. Pego tua mão, me afasto, viajo
Pra ter saudade, me calo, falo em latim porá requintar meu gosto:
“Dize-me, ó amado da minha alma, onde apascentas
o teu gado, onde repousas ao meio-dia, para que eu não
ande vagueando atrás dos rebanhos de teus companheiros”.
Aprendo. Te aprendo, homem. O que a memória ama
Fica eterno. Te amo com a memória, imperecível.
Te alinho junto das coisas que falam
Uma coisa só: Deus é amor. Você me espicaça como
O desenho do peixe da guarnição de cozinha, você me guarnece,
Tira de mim o ar desnudo, me faz bonita
De olhar-me, me dá uma tarefa, me emprega,
Me dá um filho, comida, enche minhas mãos.
Eu te amo, homem, exatamente como amo o que
Acontece quando escuto oboé. Meu coração vai desdobrando
Os panos, se alargando aquecido, dando
A volta do mundo, estalando os dedos pra pessoa e bicho.
Amo até a barata, quando descubro que assim te amo,
O que não queria dizer amo também, o piolho. Assim,
Te amo do modo mais natural, vero-romântico,
Homem meu, particular homem universal.
Tudo o que não é mulher está em ti, maravilha.
Como grande senhora vou te amar, os alvos linhos,
A luz na cabeceira, o abajur de prata;
Como criada ama, vou te amar, o delicioso amor:
Com água tépida, toalha seca e sabonete cheiroso,
Me abaixo e lavo teus pés, o dorso e a planta deles
Eu beijo.



ADÉLIA PRADO. Poema “Para o Zé” in Poesia Reunida, São Paulo: Siciliano, 1991

A Menina da Lua disse...

FDL:(

FDL:(

Pelo "ar" ou seja pelo "tom" agressivo da sua resposta à Laura, será que não conseguiu entender a ironia apenas brincalhona dela?

Ou será que afinal tambem não tem poder de encaixe?

Sorry!:(

A Menina da Lua disse...

Noise:)

Lá vens tu dizer mal dos homens lusos:))

Francamente! tu falas assim porque nunca soubeste como eles são na realidade, só sabes na teoria:))))))))

Fora-de-Lei disse...

A Menina da Lua 12:04 PM

Ai eu é que não tenho poder de encaixe !? Isso é mesmo uma visão muito pouco imparcial da problemática em questão... :(

Filomena disse...

"Está-se bem", Professor!
Saia daí um sorriso :)

A Menina da Lua disse...

FDL:)

Nisso tem toda a razão; o meu "pé a trás" é muito maior em relação a si o que à Laura:)

Sorry again!

Vá lá seja simpático e cavalheiro para as meninas!!.Olhe que depois vem logo o Noise dizer mal dos homens lusos!

Ai ai :)))

Tangerina disse...

Julio Machado Vaz escreve e oferece-nos um texto lindíssimo. Por troca, os cometários não passam, na maioria, de grandes tolices e toma-lá-dá-cá de galhardetes pessoais que nada têm a ver com o post.
Dá vontade de dizer "The play was a great success but the audience was a disaster"

Eu, no lugar dele, mandava o público à fava.

A Menina da Lua disse...

Tangerina:)

Pode, até porque é merecedor e muito...gostar do texto do professor, aliás quem é que não gostou!! mas o que não pode ou melhor não deve é monesprezar "the audience" e assim deixar a liberdade a cada um de o fazer nem que eles o façam apenas com o silêncio...

Pessoalmente já deixei muitas vezes aqui o meu "manifesto" de que estes textos do professor são de tal maneira digamos intensos e "acabados" no seu conteúdo e forma que é quase pecado mexer...
Digamos que há coisas tão delicadas que se tocar podem partir:))

Normalmente, com estes textos não consigo acrescentar muitas palavras ao que já foi dito sob pena de me sentir até um pouco "arrogante".

CêTê disse...

(Haverá uma diferença abissal entre uma "precoce" e uma "rapidinha" que parece ou por projecção ou por desconhecimento ser confundida vastas vezes nestas conversas. ;[)

deeper disse...

começando por si claro, não é tangerina!

Tangerina disse...

Peço desculpa, fui arrogante.

[Ando a tentar deixar de fumar, isto é dos nervos!]

Alguém me arranja um Slims Mentol? :)

Fora-de-Lei disse...

Tangerina 4:47 PM

"Alguém me arranja um Slims Mentol?"

Mas isso é pergunta que se faça ?


A Menina da Lua 1:53 PM

"Nisso tem toda a razão; o meu "pé a trás" é muito maior em relação a si do que à Laura."

That's ok. No hard feelings !


"... mas o que não pode ou melhor não deve é monesprezar "the audience"..."

You ain't seen her crazy yet... ;-)

Fora-de-Lei disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fora-de-Lei disse...

Como o ambiente aqui está um pouco conflituoso (mea culpa) e isso pode - no limite - levar alguém a recorrer aos serviços jurídicos de algum profissional, deixo aqui um aviso sério sob a forma de uma estória verídica:

Amit era um alto funcionário da corte do Rei Akbar. Há muito tempo, nutria um desejo incontrolável de chupar os voluptuosos seios da Rainha até se fartar. Todas as vezes que tentou, deu-se mal. Um dia, ele revelou seu desejo a Birbal, principal advogado da região e pediu que ele fizesse algo para ajudá-lo. Birbal - depois de muito pensar e estudar o assunto - concordou, sob a condição de Amit lhe pagar mil moedas de ouro. Amit aceitou o acordo, todavia, não formalizado por escrito.

No dia seguinte, Birbal preparou um líquido que causava comichões e derramou-o no soutien da Rainha, enquanto esta tomava banho. Logo a comichão começou e aumentou de intensidade, deixando o Rei preocupado e a Rainha desesperada. A corte fazia consultas a médicos, quando Birbal disse que apenas uma saliva especial, se aplicada por quatro horas, curaria o mal. Birbal também disse que essa saliva só poderia ser encontrada na boca de Amit.

O Rei Akbar ficou muito feliz e então chamou Amit que - pelas quatro horas seguintes - se fartou de gozar, chupando à vontade as suculentas e deliciosas mamas da Rainha. Lambendo, mordendo, apertando e passando a mão, ele fez finalmente o que sempre desejou.

Satisfeito, encontrou-se no dia seguinte com o advogado Birbal. Com o seu desejo plenamente realizado e a sua libido satisfeita, Amit recusou-se a pagar ao advogado. Amit sabia que, naturalmente, Birbal nunca poderia contar o facto ao Rei.

Mas Amit subestimou o advogado. No dia seguinte, Birbal colocou o mesmo líquido nas cuecas do Rei. E o Rei mandou chamar Amit...

Moral da estória: nunca, nunca mesmo, deixem de pagar ao vosso advogado.

andorinha disse...

Boa tarde.

Isto de vez em quando "aquece" um bocadinho, mas não é nada a que já não estejamos habituados:)

Noise (10.33)

Que é feito da tua sensibilidade, miúdo?:)
Não a percas pela estranja...

Já quanto à troca de galhardetes entre o FDL e a Laura por que não pode esta também entender que o FDL respondeu com ironia brincalhona?
A ironia brincalhona quando nasce é para os dois lados.:))))) Looool

Mas como não somos parvos, todos percebemos que aqui não há ironia nenhuma, há sim picardia.
Continuo a ter dificuldade em perceber porque não se chamam as coisas pelos nomes:(

Fora de lei(5.28)

Loooooooooooooooooooooooool
Tu e as tuas estórias verídicas:)

Maroska disse...

Que lindo texto, que beleza tão voluptuosa e ao mesmo tempo amorosa, apaixonada. É tão bom sentirmo-nos assim...

Noise, lá tás tua menosprezar...uma andorinha não faz a Primavera!

thorazine disse...

FDL,
;))))))))))


Desculpa lá mas eu acho que tu és dos que gostam de dar uma de duro mas por dentro é pior que "Becel"! :P

Andorinha,
olha quem fala..:)))
Quando alguém fora daqui se pica contigo és a primeira a mandar-te ao ar..:))

Ana Paula Moreira disse...

que sorte a dela e a minha por O estar a ler

andorinha disse...

Thora,
"Desculpa lá mas eu acho que tu és dos que gostam de dar uma de duro mas por dentro é pior que "Becel"!"

Também acho que o FDL é exactamente assim:)


"Quando alguém fora daqui se pica contigo és a primeira a mandar-te ao ar..:))"

Claro e tenciono continuar a reagir assim porque é assim que eu sou. Não vou ser diferente só por estar na Net.

Mas há uma grande diferença, miúdo:)
Nessas alturas eu assumo que são picardias, nunca me ouviste "desculpas" dizendo que era uma ironia brincalhona.
Foi esse o sentido do meu comentário, mainada:))))

Fora-de-Lei disse...

thorazine 6:23 PM

Becel talvez, mas um bocado rançosa... ;-)

disse...

http://aguia-de-ouro.blogspot.com/

Parabéns pelo blog!

Visitem!

Fora-de-Lei disse...

andorinha 6:16 PM

"Continuo a ter dificuldade em perceber porque não se chamam as coisas pelos nomes."

Ora aí está um exemplo acabado de picardia. Gotch ya... ;-)

Quanto ao resto dos teus "considerandos" sobre o tema, fünf Sterne für Ihren Gesichtspunkt !

andorinha disse...

Fora de lei (6.59)
:)
Danke schön!
Wir verstehen uns sehr gut. Das freut mich:)))

CêTê disse...

Andorinha, :D que é lá isso a chilrear em Alemão? Até ao agradecimento ainda se chega sem tradução online...;[ Bem mas não temos/tenho nada com isso. Mas que a lenga lenga do FDL carece de rigor histórico, carece- a não ser que se reporte à Realeza actual.;]
Abraços e boas blogadas

thorazine disse...

andorinha,
;)))

É bem! Nisso tens razão..nunca enganas ninguém! O que não quer dizer que se "levasses algumas coisas mais na boa" não ias deixar de ser tu; aliás, não te imagino com uma crise de identidade! ;))))))


Quanto a essas faltas de educação de falar "estrangeiro" na presença biglotas lamente informar mas hoje em dia o babrlfish traduz tudo! ;)))

Nota para gajos como eu, que a única palavra de alemão de sabem é Wolksvagem e LSD:

O FDL disse: "five stars for your criterion!"

E a andorinha retorquiu: "We understand ourselves very well. That makes me happy."

(Espero não estar a "desvendar" nenhum tipo de ligação secreta! :P)

Já agora..sabiam que o conceito "babelfish" vem da obra de Douglas Adams "The Hitchhiker's Guide to the Galaxy". No livro lê-se: "The Babel fish is small, yellow and leechlike, and probably the oddest thing in the Universe. It feeds on brainwave energy received not from its own carrier but from those around it. It absorbs all unconscious mental frequencies from this brainwave energy to nourish itself with. It then excretes into the mind of its carrier a telepathic matrix formed by combining the conscious thought frequencies with nerve signals picked up from the speech centres of the brain which has supplied them. The practical upshot of all this is that if you stick a Babel fish in your ear you can instantly understand anything said to you in any form of language. The speech patterns you actually hear decode the brainwave matrix which has been fed into your mind by your Babel fish."

;)))))

thorazine disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
andorinha disse...

Cêtê,
:)))
O "culpado" é o FDL que me falou em Alemão:)
Eu já lhe tenho dito que isso pode dar origem a mal-entendidos:) Looool
Não é o caso porque o Thora (sempre atento) traduziu direitinho:)

Thora,
:)))
"...nunca enganas ninguém."
E não é bom ser assim?
Comigo as pessoas sabem sempre com o que podem contar, para o bem ou para o mal:)

Penitencio-me pela minha falta de educação em ter falado "estrangeiro", mas como já disse, o "culpado" é o FDL:)))
Prometo não repetir...
E claro que não revelaste nenhum tipo de relação secreta:))))
Mente mal-intencionada a tua. Já uma tipa não pode simplesmente ser simpática:)))))))) Looooooool

thorazine disse...

Andorinha,
;))))))))

"Penitencio-me..."

Mas como? Com direito a fatos de couro, fivelas bem apertadas e chibatadas? ;))

(Isto soa a FDL, diz lá.. :P)

NARNIA disse...

Humm... "Adoro alimentar o meu prazer no seu" Que delicia ;))

Tangerina disse...

... um Slims, please?!

noiseformind disse...

Andorinha,
Eu sou manso e ledo, isso é facto comunamente conhecido. Mas há que chamar os bois pelos nomes. Acabo de ler um livro atirado do lado daí da Muralha de Viriato intitulado "Fantasias eróticas - Segredos das mulheres portuguesas". A supostamente mais satisfeita (do 95 questionários respondidos) criatura diz que (maluca!!!!!) uma vez (uma, que isto de uma vez não são vezes!!!!!) atingiu 6 orgasmos num acto sexual. 6 orgasmos inteirinhos!!!!!! Doidona!!!!! E 70% das "doidonas" do livro depois de dizerem maravilhas d@ s@@ parceir@ lá dizem, em arrufo triunfal que lá o vão fazendo três vezes por mês, em média!!!! Estamos a falar, atente-se, em testemunhos realizados em questionários!!!!!

O que é um problema. Não por elas estarem satisfeitas. O problema é que no mesmo universo de referência total não pode existir "completamente satisfeita" e "3 vezes por mês". Pq isso está a anos-luz da realização potencial da mulher média. Portanto é um daqueles problemas da máquina do tempo. Temos portuguesas a responderem a questionários modernos a partir de referenciais estatísticos para o estado assumido (neste caso, o estado de satisfação sexual) de há 40 anos nos EUA ou 60 na Islândia!

Mas o livro lá terá algo de benéfico: a esposa média irá rejubilar por estar tão próxima da satisfação média e estarmos juntos com muita gente tem sempre essa envolvente acolhedora.

DISCLAIMER - A bem da verdade bloguística faço uma declaração de interesses. O meu conhecimento da responsividade sexual média da mulher portuguesa é extremamente limitado pois só conheci intimo-genitalmente pouco menos que duzentas portuguesas tendo assim conhecimento in locco do seu potencial e portanto diferença entre o "satisfeitas" deste livro e do que ouvia em terapia e o satisfeitas do tipo satisfeitas do tipo "eu gostava imenso de ir à casa de banho mas as minhas pernas não reagem" numa pequena populaçãod e controlo (apesar de ser mais do dobro da questionada para o livro e muitas através de verificação em video para prova futura). Ora este conhecimento, num universo de 6 milhões de portuguesas (exceptuando claro todas as que estiverem fora da idade legal actual e as cotas além de uma idade decente em que não se partam ossos numa posição de cavalgada mais agressiva) é uma experiência muito, muito reduzida e limitada (entre uma noite e 6 anos de contacto com as mulheres em causa) e portanto as minhas afirmações não devem ser consideradas vinculativas de uma ideia geral da Lusa Feminis.

Aliás, eu ouço diariamente aqui em Barça casais virem ao terapeuta... pq fazem sexo uma vez por semana!!!! Preocupadíssimos!!! ; ))) Imagino que em Portugal a bitola seja 3 meses desde a última queca. E o que eu acho ainda mais inocentemente alarmante neste livro é que as mulheres dizem sempre "fazemos sexo de x em x tempo" mas nunca dizem quando é que foi o último orgasmo, mesmo quando se metem a dizer (a pensar que só parvos é que vão ler aquilo) que têm imensas vezes o orgasmo. Meninas: se querem convencer um sex-psi actualizado numa sessão de terapia não digam quanto tempo passou desde a última vez que fizeram sexo, isso é já admitir em grande parte a porcaria de sexo que fazem. Digam sim a última vez desde que tiveram o último orgasmo. Ou se nunca tiveram e aquilo é mesmo pq o rapaz precisa e até ficam com a respiração aos saltos (como tanta santinha muitas vezes falsamente descrebe o seu "o" na cama) digam pelo menos quando é que o sexo para vocês não foi apenas um estar muito quietinhas debaixo do hombre ; )))))

Filomena,
"Francamente! tu falas assim porque nunca soubeste como eles são na realidade, só sabes na teoria:))))))))"

????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????
????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????
????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????
????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????
????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????
????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????
????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????
????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????

Desejas-me tão mal?????????????????? Tenho de ir para a cama com um português para saber o que custa????????????????????
O máximo que concedi na minha vida sexual a esse tipo de investigação foram 3 tentativas de sexo a 3 com uma mulher e outro homem (tentativas pq os sujeitos em causa chegada a hora permaneceram flat por mais esforços empreendidos) e do que via em situações de sexo em grupo, em que me habituei sempre a ter quarto reservado ao lado da sala mais ampla onde decorriam as festividades "comunitárias" ; )))) não eram de modo nenhum festas que se mantivessem pela noite dentro, normalmente passado uma horita a malta já estava toda a ver uns filmes, fumar um cigarrinho e a pedir ceia tardia num restaurante ; ))))

noiseformind disse...

Cetê,
Algo me diz que para ti "ejaculação precoce" seja quando ao fim de um minuto o parceiro das outras mulheres se vem e "rapidinha" seja quando o teu parceiro se vem ao fim de um minuto. That's a big difference, à sort of... guess ; ))))))))))

andorinha disse...

Thora,
"Mas como? Com direito a fatos de couro, fivelas bem apertadas e chibatadas? ;))"

O quê?????????????????????????
Alguma vez eu quis saber pormenores sobre a tua vida sexual??!!!
Não te admito, ouviste?
Era o que faltava falar aqui da minha intimidade...

Depois diz que me "pico" facilmente.
Não se pode mesmo dar confiança a putos:(((

andorinha disse...

Noise,

Gosto muito de "interlocutar" contigo, mas o que tenho eu a ver com esse teu arrazoado?:)))

Aliás, tenho pensado muito e acho que estás a tirar as conclusões erradas.
As portuguesas é que são muito modestas e tímidas e não gostam de revelar, mesmo que em questionários, toda a satisfação que retiram da sua vida sexual.:)))))) Looooooooooooooool

AQUILES disse...

Como de costume, quase todos a atirarem ao lado do alvo, ou seja, ao lado do post.

AQUILES disse...

"Tocarmo-nos a quatro mãos. (...)O silêncio. Estamos. Bem. Saciados, mas com a selvagem certeza desta fome não ter fim."
Aqui está a chave sintese do texto.

AQUILES disse...

Desempenhos e records guiness é com o Noise que fala com propriedade do que muito bem sabe.

Pamina disse...

Boa noite.

Para mim, o que ressaltou neste texto foi o seu carácter educativo, pelo que me parece que ele se insere numa categoria que se poderia chamar de "poético-didática".
Nesta mini arte de amar, é salientado o importante papel da mulher como educadora do homem ("fui eu que lhe ensinei", "ele também era assim", etc.). O texto cobre vários aspectos, desde a importância da suavidade da pele e do toque ("as mãos dele suaves...pele cuidada a pensar nestes momentos"), até às fases dum coito que se pretende satisfatório para os dois. Julgo que a mensagem é essa: através desta acção mais lenta, conduzida pela mulher, ela e o parceiro só têm ambos a ganhar. Assim, caberá a elas não ser demasiado passivas e ensiná-los e a eles aprenderem.

thorazine disse...

andorinha,
Vida sexual???? Nem sugeri tal coisa!!

Eu até me referia a uma penitência confessada por um conhecido da Opus Dei.. :))

andorinha disse...

Thora,
:)
Ok, estás desculpado:)))))
Estava a brincar contigo e como já aqui disse, só brinco com as pessoas de quem gosto.

noiseformind disse...

Andorinha,
Nem em inquéritos anónimos ; )))) estas moças são umas prendadas...
E já fiquei com o 69

AQUILES disse...

Pamina

Excelente análise.

thorazine disse...

"Ok, estás desculpado:)))))"

Eu nem pedi desculpa..looooool

Pronto, desta vez desculpo-te eu a ti! ;))))))

A Menina da Lua disse...

Peter

Será que levaste mesmo a sério e à letra a minha obervação?????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????

Olha vou dormir...Fica bem pode ser que amanha tudo esteja mais calmo e bem disposto.

Professor

Estes seus postes deixam o Maralhal todo completamente com a cabeça à nora:)))))))))

moon disse...

Ena! 72 comentários... A malta gosta mesmo do tema!:)))))

moon disse...

Ainda bem que há "mulheres":)) a escreverem assim. Que dizer?...
Olhe, eu também queria!!!:))))

Maria disse...

Não consigo ver a beleza deste texto.Parece-me um pouco machista.Tendo em conta que é um homem que escreve,incarnando a mulher,no fundo ele está a elevar o seu ego.

andorinha disse...

Thora,
Pronto, desculpámo-nos mutuamente:))))))

Maria,
Não consegues ver a beleza deste texto??????????????????????????????????????????????????????

Machista????????????????????????
Como se consegue ler o que lá não está!!!!!!!

Até amanhã, malta.
E venham muitos textos machistas como este:)

Cristina disse...

Adorei o texto, professor. Delicioso! Erotismo e fantasia e prazer nas doses certas. Também não percebi o título no princípio mas depois li a explicação :)

Parabéns pelo blog!
Não é a primeira vez que leio, mas é a primeira vez que o felicito.

Filomena disse...

Noise
(10:03 PM)

Não percebi o teu comentário: "Filomena,
"Francamente! tu falas assim porque nunca soubeste como eles são na realidade, só sabes na teoria:))))))))"
Há aqui outra Filomena?
Se este comentário era para mim, o que foi que eu (não) disse?

noiseformind disse...

Filomena,
Então essa vista? N viste os : )))))) no fim? Snif, snif, snif... "ninguém, Filomena, ninguém! Se nem tu me reconheces!" como escrevia o outro.

Sempre que se fala dos orgasmos que a malta n anda a ter o nro de comentários dispara. É a chamada "tendência para bradar aos céus" lusa ; ))))))))))

Maria,
Ego ou a tranquilidade de um trabalho bem feito... pelo menos na apreciação dela.

noiseformind disse...

filomena,
O comentário é, obviamente, para a Filomena que conheço e tanto é assim entendido que ela me respondeu. Sou um rapaz tímido, n me meto com desconhecidas, pelo menos sem fazer sexo com elas. A minha mãe n criou um mal-educado... ; )

Filomena disse...

Noise,

Ainda bem para ti! A boa educação é sempre de louvar!
Assim sendo vamos continuar sem nos conhecer.
Filomena (a desconhecida e agora mais elucidada)

penelope disse...

E que tal criar uma comunidade murcónica no Second Life? ;)

Era giro ver os avatares interagindo (virtualmente, claro!) para além das conversas escritas.

CêTê disse...

Noise, estás enganado. Nunca o tempo (nessa perspectiva de compasso) ou o tamanho foi por mim medido: não terá sobrado nem excedido.
E se o à parte surgiu a propósito do "texto" ele relata tudo menos algo que tenha sido desprazenteiro. O texto (liiiindo!) podes lê-lo ao ritmo que quiseres e puderes tal como em tudo.
Quanto à "realidade" que dizes conhecer faço votos que te tenha calhado uma amostra não significativa. Porque a ser verdade não há ninguém equilibrado que venha nas próximas gerações a comandar os destinos deste país!;]-

Sirk disse...

MUAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAH

CêTê, não sabia que percebias tanto de inferência estatística!

Ah!, e fazes muito bem em não usar cronómetro.

:D

Estás no ponto pérola, pá.

:D

Sirk disse...

CêTê, a cena da pérola e aquela anedota dos monges, não!, não é pura coincidência.
LOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL

Hoje estou pró humor como o preservativo pró, pró ... trabalho.

(peço desculpa aos que não gostam disto)

Margarida disse...

Júlio
Já vou na segunda leitura do texto.
A 1º vez no cabeleireiro, a segunda aqui, e foi por acaso.
O professor sabe dista à brava!
"adoro alimentar o meu prazer no seu!..."um de regresso outro a levantar voo, é chegada a minha vez". Lindo lindo lindo.
Margarida

APC disse...

BRAVO!!!
(De 'bravo' mesmo).

Delicioso momento! Bom título!

Su disse...

amei este "estar"

jocas maradas

Isabel disse...

Custou-me acreditar que tão belo texto tivesse suscitado tão feia polémica.
Ler e comentar um texto não é sinónimo de ler e desrespeitar as palavras utilizando-as para comentar de forma pouco construtiva.
As palavras merecem respeito por si só.
Quem as escreve também merece todo o respeito independentemente de concordarmos ou não com o que escreveu.
A liberdade literária existe para isto... para que possamos escrever tudo, sobre tudo e para todos, para que possamos ler tudo, sobre tudo e escrito por todos e obviamente para que possamos tecer os nossos comentários e dar livremente as nossas opiniões. O facto de a liberdade nos ter sido dada para isso e nós a usarmos de forma feia faz com que estejamos a distorcer a beleza da palavra em si e o seu significado.

Quanto ao texto... belo!
Erótico
Intenso
Doce

Isabel

Flip disse...

"Que é que eu amo em ti? Não é o teu corpo, não é o teu espírito, mas a transfiguração de um pelo outro, a transcendência da tua carne frágil, a abordagem de quem tu és no mais profundo de ti; na posse compacta de toda tu, no espasmo de um punho cerrado - dorme. Não posso dormir, não quero. Como perder esta hora máxima de ser, de tocar toda a realidade secreta, drasticamente separada, segregada da minha ânsia em agonia? Porque tu eras para mim o puro irreal e imaginário, o subtil incorpóreo, a pura iluminação sem consistência, a aparência do não-ser, a terrível beleza intocável, a graça aérea imaterial. E agora estavas ao pé de mim, e eu estendo a mão devagar para condensar em realidade a tua imaterialização. Como dormir e perder-te e acordar depois - tu não estavas aqui e ser tudo fantástico de impossível?..."

Vergílio Ferreira in 'Para Sempre'