domingo, maio 06, 2007

Nunca são rumos como quaisquer outros:).

"Estava, calculou num balanço rápido, lixado, fascinado e só. Nessas condições, aquela mulher era um rumo tão bom como qualquer outro".

Arturo Pérez-Reverte, O cemitério dos barcos sem nome.

39 comentários:

andorinha disse...

Boa noite.

Este post vale pelo título.
Concordo consigo, Júlio.
Não somos, não:)

Fora-de-Lei disse...

andorinha 11:07 PM

"Não somos, não."

Pois não. E, ainda por cima, há o risco de serem um rumo sem retorno...

andorinha disse...

Fora de lei,

Fico contente por concordares comigo comigo:)
Mas essa do "rumo sem retorno" não percebi bem.
Isso é bom ou mau? Ou depende da perspectiva de cada um?

andorinha disse...

Sorry! Só precisas de concordar comigo uma vez:)))))))))))))))

Cristina Seabra disse...

Perdida por 100, perdida por 1000...curioso...barcos...rumos..."estar lixado..."...em contexto totalmente diferente acabei de debitar sobre outras derivas no meu cantinho (sem a notável capacidade de síntese do professor, que por acaso agora muito jeito me daria).
Graças aos deuses que não há dois rumos iguais. De qualquer forma parece-me que a viagem vale por si só, independentemente da direcção e do destino onde possamos (ou não) aportar. E se valer a pena...que seja infinito enquanto dure...dure uma vida ou uma estação...
Boa semana a todos!

Idiota disse...

Não sei ainda sinceramente...mas se nãos se conhece o caminho, como pode não ser um rumo como qualquer outro???... para mim parce-me tudo igual... é tudo uma questão de vontades mutuas...

APC disse...

Sabemos (temos que o saber!:-) que há uma dupla perspectiva... Para quem o sente, é o que é. E, "nessas condições, aquela mulher era um rumo tão bom como qualquer outro". :-)

... Mas o gesto é tudo! ;-)

A Menina da Lua disse...

Bom dia

Nunca mas nunca um rumo pode ser igual a qualquer outro; separam-nos "abismos" de realidades diferentes em cada um de nós que nos movem e nos fazem realizar a dois combimações sem fim...

No entanto penso que se nos posicionarmos apenas numa postura existencial de "cumprir um caminho" na vida, qualquer um é válido como qualquer outro principalmente se não houver em cada um o rumo, o objectivo e a esperança que os faça destinguir...

Hoje e passados estes anos julgo que muito do que nos acontece na vida é fruto de cruzamentos de dinâmicas pessoais, de acasos, de azares e de sortes mas no fundo no fundo existe sempre um certo "fio condutor", às vezes quase impreceptível:) que nos assiste, que nos acompanha e nos dá sentido à nossa própria vida...

lobices disse...

"...Estava, calculou num balanço rápido, lixado, fascinado e só. Nessas condições, aquela mulher era um rumo tão bom como qualquer outro...".
...
...numa "situação" em que se está lixado e só (apesar de fascinado),
"qualquer" mulher seria um rumo tão bom (ou mau) como outro qualquer rumo
...dependerá, obviamente, do contexto; neste caso, no contexto do resto da descrição literária que, lamento, mas não conheço
...
...tá tudo bem?
...como é que anda a malta murcónica?
...bem disposta?
...abreijos

cdgabinete disse...

Concordo... as pessoas (mulheres ou homens) nunca podem ser rumos como quaisquer outros.... não interessa qual a dimensão da desorientação nem o quão partida esteja a bussola que habitualmente usamos!

Fora-de-Lei disse...

andorinha 11:18 PM

Se for preciso, eu concordo contigo as vezes que tu quiseres. Es hängt von Dir ab... ;-)

andorinha disse...

Boa tarde.

Lobices,

Sê bem aparecido, homem!:)
A malta murcónica está bem e recomenda-se.:))))

Cdgabinete,

Concordo...com a tua concordância:)

Fora de lei (12.22)

Depende de mim?????????????????
Essa é boa!:)
Tinha que pensar da forma que tu pensas, não?
Vieste bater à porta errada:))))

Até mais logo, malta.

yulunga disse...

Bom dia maralhal.
A mim parece-me ser qualquer coisa do género:
Quando se está à deriva qualquer corrente serve para se chegar a algum lado.
Como a Cristina Seabra disse: perdida por cem, perdida por mil.
Abstenho-me.

maiaToRga disse...

O rumo raramente é igual realmente, agora chega-se sempre a um porto onde não se programou chegar, seja ele qual for.

Idiota disse...

"chega-se sempre a um porto onde não se programou chegar, seja ele qual for."-Eu concordo com isto...
Por isso, se não se sabe onde se vai chegar, como pode ser assim "um rumo "não"tão bom como qualquer outro". Para mim não passa por empatias, vontades mutuas e quereres temporais semelhantes...
Mesmo ficando só não se sabe onde se vai parar, tem se um poder maior sobre o rumo...
Por isso parece-me que estando..."fascinado e só. Nessas condições, aquela mulher era um rumo tão bom como qualquer outro..."

Fora-de-Lei disse...

andorinha 1:23 PM

Knock-knock-knockin' on heaven's door...

Filomena disse...

Leiam o livro!

"A mulher, por tantos séculos de olhar em silêncio, vê mais do que o homem vê. Ela não se pode enganar como o homem frente à dor e ao horror, é incomparavelmente mais consciente. Isso faz com que seja uma espécie de soldado perdido em território inimigo."

Arturo Pérez-Reverte sobre "O cemitério dos barcos sem nome"

noiseformind disse...

Boss,
Nas condições apresentadas pelo meliante em causa, lixado fascinado e só, acredito que a procura de uma base protectora de auto-estima se sobreponha a um possível e até desejável interesse complexo no par de mamas em causa ; )))

Aspásia disse...

PROF.

TODOS TÊM OS SEUS PROBLEMAS... MAS SE CALHAR UNS MAIS QUE OUTROS...

CRISTINA SEABRA - UM TESTEMUNHO QUE FAZ PENSAR. TERÁ A VER COM UM PAÍS À DERIVA?

PORTUGAL É UM PAÍS LIXADO!!! UMA PESSOA COMO A CRISTINA NÃO ARRANJA EMPREGO... MAS AÍ OS "JOBS FOR THE BOYS" ESTÃO CHEIOS DE CRETINOS...

yulunga disse...

Aspásia
No outro dia nem te respondi. Desculpa.
Está tudo bem, obrigada.

Fora-de-Lei disse...

noiseformind 3:09 PM

Muito bem visto...!

Laura disse...

Não fosse talvez o "lixado", poderia ter sido escrito pelo Mário de Sá-Carneiro, no verso de um qualquer ticket da mesa do café
em Montparnasse (tinha a mania de sair de si próprio... e não era capaz de se decidir nas inclinções:):)

Rumos e não-rumos...que chatice de vida :).

«Basta a fé no que temos?
Basta a esperança naquilo
Que talvez não teremos?
Basta que a alma demos?
...
Chegamos? Não chegamos?»

(Um rumo para base protectora da auto estima parece-me ainda mais desumano que a alternativa...)

CêTê disse...

Bem... vou render-me ao livro na próxima visita à livraria. Quando um homem está "lixado" da vida é capaz de pensamentos profundos!;]

Mas tenho sentido aqui a falta de produções próprias- se bem que em qualquer citação há muito de quem a faz.:]

abraços

Pamina disse...

Boa noite.

Nunca li nada do autor, embora, tenha cheirado no outro dia alguns livros dele na Casa del Libro. Pelos títulos, pareceu-me um herdeiro de Dumas. Por razões óbvias, interessei-me por um "qualquer coisa de Breda".

Quanto a esta frase específica, é difícil de avaliar fora do contexto. Talvez devido a ter estado a ouvir ontem uma gravação de ópera, veio-me à ideia uma ária do Rigoletto:"Questa o quella per mi pari sono..."
Voltando aos perfumes, sinto, assim, uns odores a coisa de macho latino (e não só):)).

PAH, nã sei! disse...

Já dizia Rita Lee:
"Por mim, acho que só as mulheres podem desarmar a sociedade, até porque elas são desarmadas pela própria natureza (...)"

Mas, possuiremos a capacidade de oferecer um ruma, um caminho, um destino?

moon disse...

Hello!

A trabalheira que dá 'postar'...
Mudaram as regras e eu sem dar por isso e sem perceber por que raio isto não dava... Afinal bastava uma nova conta do google, dahh.....
Bem, só queria mesmo desabafar...
-Ah, giraço!...
Pronto, já estou mais calma:)))))))
Isto é apenas um efeito secundário da 4ª produção...:))))))

moon disse...

Quanto à 4ª produção, agrada-me ver o professor trazer à luz temas por onde tão poucos se aventuram, desmistificando-os.
Desde a primeira vez que o vejo nesse papel que desempenha com caracter de excelência. Digamos que para além de filantropo é um professor adorável...:)))))))

Idiota disse...

Não li o livro peço imensa desculpa... mas tenho a minha (idiota) opinião sobre uma frase... só da frase do titulo e não do contexto...

Isabel disse...

À deriva, fascinado e só o rumo é, talvez, o que menos interessa.
Não li o livro mas, deixou-me curiosa.
Uma boa semana

thorazine disse...

Andorinha 11.07

"Não somos, não."

O teu feminismo às vezes é mesmo extremista. :) Acho que aqui a mulher pode ser um rumo sem existir nenhum tipo de ofensa ao género. Penso que o autor descreve o que lhe ocorre "naquelas" condições. ;))

noiseformind disse...

Fora-de-lei,
Isto são muitas rondas pela calle com o Pierre Woodman ; ))))) ele é bom rapaz e deu uma festa de anos de arromba no Mónaco há uma semanita. Uma boa influência e além de excelente marido um actor/realizador/argumentista/produtor porno exemplar...

P.S. Por arromba entenda-se que metade das principais actrizes porno do momento estiveram presentes. Se caísse ali uma bomba passariam-se anos até o cheiro de silicone queimado assentar ; ))))

Laura,
Laura, laura, laura. Quando é que a malta percebe que se é para se ser usado ao menos que seja por alguém suficientemente em baixo para nos tratar muito acima do nosso real valor. Talvez um dia, talvez nunca ; ))))))

Thora,
Já "recuperado" da procissão a Santa Catarina? Ou era a São Charro?
Queria salientar o conflito ético que se me vislumbrou quando vi o dono daquela loja canábica na frente do cortejo. Seria como ter uma manifestação contra o cancro com os chefes da indústria médica à cabeça. Mas, pensando melhor, ele não faz parte do grande capital mas sim do artesanato ; )))))))

andorinha disse...

Boa tarde.

Thora (2.00)

Extremista, eu???
Tu não me insultes, miúdo:)))
Limitei-me a concordar com o Júlio...e também concordo com o que dizes agora e não há aqui nenhuma contradição:)

Noise,
"Quando é que a malta percebe que se é para se ser usado ao menos que seja por alguém suficientemente em baixo para nos tratar muito acima do nosso real valor."

Quanto cinismo, miúdo!
Tu não eras assim...:)))))

E agora que já falei com os catraios:), vou almoçar.

Fora-de-Lei disse...

andorinha 12:40 PM

"Limitei-me a concordar com o Júlio... e também concordo com o que dizes agora e não há aqui nenhuma contradição."

E - se for preciso - eu também concordo contigo. Abber es hängt von Dir ab... ;-)

thorazine disse...

Sabes bem que o pessoal da ganza é mitra e não tem dinheiro para manifs. É assim que começam os lobbies...nisso tens razão..

Fortunata Godinho disse...

Só tomei conhecimemto deste Senhor há pouco mais de um ano, quando me ofereceram "O Hussardo". Diferente das coisas que li antes, não achei contudo brilhante, pelo menos aquele livro e pelo menos para mim! Agora, admito que este excerto me deixou de água na boca... Quando pousar "O cemiterio de pianos" se calhar viro-me outra vez para ele...

thorazine disse...

fortunara godinho,
vejo que gosta de apreciar ossadas.. :))

andorinha disse...

Fora de lei (2.04)

Vai gozar com outra, tá bem?:)))))))

Thora,
"...vejo que gosta de apreciar ossadas..."
Loooooooooooooooool.

Tangerina disse...

Às vezes acontece isso...

Lixados,sós e a teimarmos no fascínio.

Há também quem peregrine rumo a Fátima.

Não são rumos, são perdições.

Tolices...

Fortunata Godinho disse...

Thorazine:
Não, não!!! De modo algum!!! Credo! E ainda bem que não! Mas é engraçado dizer isso pq li "cemitério..." e pensei o mesmo, e que foi por acaso exactamente o mesmo que pensei deste título, que como referi, agora tenho em mãos... Mas não. Às vezes um titulo é muito mais que aquilo que se nos associa de imediato.