sexta-feira, maio 11, 2007

Dúvida académica.

Maria,
Que chamar a um Deus que deposita o futuro do amor nas mãos esburacadas dos amantes?

Distraído?
Irónico?
Cruel?
...
...
...
Ou simplesmente invejoso?
Dorme bem.

43 comentários:

Fora-de-Lei disse...

Eu chamar-lhe-ia "taralhoco"...

A Menina da Lua disse...

Olá boa noite!

Acho mais graça à última hipótese:)

E não só pelo optimismo...mas porque deixa mais espaço à esperança futura...:)

(Gostei deste seu exercício de escrita:) no mínimo criativa:)

JFR disse...

Confesso não conseguir comentar, sem perceber o alcance de "...nas mãos esburacadas..."

Vou aguardar melhores intérpretes.

Maria disse...

As mãos esburacadas, juntas podem complementar-se e formar uma mão cheia.
Eu chamar-lhe-ia crente.

Patrícia disse...

lindo...mesmo...
o verdadeiro retrato daquilo que os Homens fazem com o amor que Deus lhes ofereceu.

Tangerina disse...

Se deus existisse, eu dizia-lhe ( na cara, se ele me-la desse!), que é requintadamente irónico, por vezes odioso.

É isso.

thorazine disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
thorazine disse...

Deus pensa em binário. É a mesma lógica que usa no jogo de gamão! :)))

maiaToRga disse...

LOL Thorazine...

Se Deus existisse, eu diria impotente! Ora, cria os anjos sem matéria (penso eu), depois cria os elementos e o universo (imaginem-se a juntar neutrão por neutrão, protão por protão e electrão por electrão), depois resolve criar a vida, sempre por geração espontânea. Se ele mesmo criou o sexo e não disfruta dele, é definitivamente impotente, dado que a fertilidade é indiscutível.

Pamina disse...

Ou talvez sábio e generoso...

porque se concedesse o Amor de mão beijada, se fosse fácil, não só não lhe saberíamos dar valor, mas também os amantes ficariam privados da, porventura árdua, mas estimulante tarefa de o construir juntos.

Boa noite para todos.

Laura disse...

-Libertador... como sempre? :):)
______________________________

Professor, isso deve ser sânscrito... mas eu arrisco a tradução em cascata...

"Depositar" não é semelhante a "devolver"?
E devolver não é um acto de suprema tolerância que convoca a auto determinação?
(não a do rebanho, mas a dos homens, mesmo...)
E tolerar não é confiar, aceitar, entender e outras atitudes inteligentes e amistosas quejandas?
E tudo isso não é afinal sinónimo de "não querer julgar"? A suprema forma (bem pouco humana)...que conheço de dar a mão?
:):)

Está bem, admito que não seja este "Deus paritário" que corresponde ao nosso imaginário:):)
Mas a tradução era livre e, pelo menos para já (visto que enquanto não há tratado constitucional sabe-se lá onde irá parar o contorno do velho continente...)o sânscrito não faz parte das línguas oficiais da UE.

Ouf, posso chumbar à vontade:):)

lobices disse...

...inábil

cdgabinete disse...

Se pudesse, chamar-lhe-ia... todos os nomes!
Ou talvez só... trengo!

JFR disse...

Pamina:

Belíssimo o seu ponto e vista!

JFR disse...

Corrijo "de vista".

Mãe&Advogada disse...

"O Homem, como qualquer organismo vivo, luta desde o princípio dos princípios para sobreviver, e nessa luta, aprendeu o jogo do poder ! inventou a propriedade, os contratos, o público e o privado, e muitas outras regras... mas há uma coisa que nunca poderá regular - o amor ! o amor será sempre a sua maior força, e a sua maior fraqueza ! coração humano de " mãos esburacadas " ...

don't worry, be happy ! http://www.youtube.com/watch?v=AhAjrIAFiJ0

what a wonderful world http://www.youtube.com/watch?v=vnRqYMTpXHc

Filomena disse...

“Leio o teu nome
Na página da noite:
Menino Deus...
E fico a meditar
No milagre dobrado
De ser Deus e menino.
Em Deus não acredito.
Mas de ti como posso duvidar?
Todos os dias nascem
Meninos pobres em currais de gado.
Crianças que são ânsias alargadas
De horizontes pequenos.
Humanas alvoradas...
A divindade é o menos”.

(Miguel Torga Diário X)

O título é Natal, mas, Natal é quando um Homem quiser e o meu melhor Natal aconteceu em Outubro, no dia em que o meu filho nasceu.

Perante alvoradas humanas, realmente a divindade é o menos. O mesmo em relação ao amor de que se fala aqui, também uma humana alvorada no sentido de ser um milagre a nascer.

“Em Deus não acredito.
Mas de ti (Amor) como posso duvidar?”

andorinha disse...

Bom dia.

Não concebo o futuro do amor sem ser nas mãos dos amantes, sejam elas esburacadas ou não.
Nesse sentido concordo totalmente com a Pamina.
Agora que chamar a esse Deus?
Como não O tenho em muito boa conta, talvez invejoso, esperando que a coisa dê para o torto.:)

A Menina da Lua disse...

Bom dia!

O meu optimismo atrás referido acenta na ideia de que o Deus sabe que a nossa natureza é capaz de tudo... até de sublimes actos de amor de lhe causar inveja:) Contudo está nas mãos mesmo que "espuracadas " dos amantes, fazerem em liberdade o que bem quiserem dele(amor)...

Assim sendo e tal como o poeta dizia "tudo vale a pena se a alma não é pequena" até ter esperança futura...


Vá lá isto do Amor é fácil:)

Basta Amar:))

blogico disse...

eu chamar-lhe-ia experimentalista, mas não é suposto a cobaia questionar o cientista, certo? :)

já agora aproveito para recomendar este livro.
para além de ser genuinamente gratuito, possui uma visão interessante sobre deus e o universo.

bom fim de semana para todos

blogico disse...

ooops

aqui está o link correcto:

god's debris

nina disse...

Cândido - O Optimista! Mesmo sabendo que no amor os "planos" (dos amantes) saiem quase sempre(esburacados) furados.

yulunga disse...

Bom dia maralhal.
Pra já, pra já diria que é muito feio chamar nomes às pessoas.
Mas também estou como o jfr, não alcanço o sentido de "mãos esburacadas". Se for o mesmo que o de uma gaiola com a porta sempre aberta, se calhar limitava-me a agradecer-lhe.

andorinha disse...

Blogico,

Já dei uma espreitadela e pareceu-me, de facto, interessante.
Já o "downloadei" para o ler em breve.
Como lá diz para posteriormente partilharmos a leitura com amigos à volta duns copos, falta depois combinar essa parte:)))))

Obrigada pela dica.:)
Bom fds.

moon disse...

"Deus dá nozes a quem não tem dentes"?!

Talvez Deus ainda não tenha perdido a fé na humanidade...:))))

APC disse...

Sarcástico!

o Deus, claro! :-)

thorazine disse...

blogico,
também suspeito que por vezes o murcon é um enorme tubo de ensaio! :))))))))))

Sérgio Alexandre disse...

Irresponsável? Acho que quis limpar a água do capote... Seria, então, Deus, Português? Um abraço desde Espinho, à beira-mar verdadeiramente plantado, para uma das primeiras pessoas que oiço (pôrra...será ouço?) mal acordo. (para desfazer dúvidas, no carro, na rádio, de manhã...ok? Ah, o Prof e a minha conterrânea africana)

Afectos disse...

Como sempre perfeito o seu raciocínio.

CêTê disse...

;]
Disses-te um dia… que Deus se torna nos homens que se anunciam sendo Ele, enquanto outros, deambulam na sua mais genuína forma ,pelas enfermarias- uns e outrosde mãos vazias. Pediste-me depois para nunca evocar o seu nome. Nunca! em momento algum. Assim o farei.


bom fds

Tangerina disse...

Há pessoas com fé.
Eu, por exemplo, acredito no Peter Pan:)

deeper disse...

"O mistério não se diz, o mistério sugere-se"
Fernando Pessoa

Su disse...

se ele existe----

é mais que invejoso.............

jocas maradas

António José Ramos disse...

Amor é...
pensar que a "dúvida académica" poderá dar o título já amanhã.
Depois falamos "prof"...
Um Abraço

Sirk disse...

Invejoso, sem dúvida.

Lembrei-me desta música quando li isto, Maria. ;)

CêTê disse...

És tu, sirk?pá? ;]
Deixo-te um café pago no balcão.

Sirk disse...

Claro que sou, CêTê. Travei uma luta com o Blogger. Teimava em não me deixar aceder aos meus 30000000000 blogs, mas... uf!, cá estou eu.
:)
Então e o tal café? É para hoje ou para amanhã?

andorinha disse...

Sirk,
És tu mesmo? Aquela Sirk "maluca" que aparece nas Catarses?!:)

Bem vinda a este cantinho.
Há sempre espaço para pessoas como tu:)))))

Sirk disse...

Sim sou eu, Andorinha. :)
Não sei se estarei à altura do cantinho, costumo teclar sentada, mas pronto, vou tentar comportar-me bem (piu).

[epá, a cena das aspas é que foi tramada! ;)]

isabel victor disse...

Tudo é criação ...

as mãos esburacadas
os amantes

e ...

Deus.

BlogAbraço a TODOS que por aqui passam

isabel victor disse...

E ... sobretudo ao criador (deste inquietante e afável espaço )

Lá no meu " Caderno De campo ", mais a Sul, vou anotando ...

Cristina Seabra disse...

Muitas vezes dou por mim a pensar que Deus deve ter um perverso sentido de humor :))- pensando, por ex, naquelas situações que seriam promissoras se não vissemos logo que eram estradas cujo fim a gente antevê (becos sem saída) com triste lucidez- isto porque as pessoas se sentem atraidas e gostam uma da outra. E que dizer dos amores trocados?!?? Que pena não podermos verdadeiramente escolher de quem gostamos! Não faço a menor ideia se existe Algo de Superior a tudo o que conhecemos ou não. Mas acredito no melhor dos Homens e Mulheres de Boa Vontade. Mal de mim se deixasse de acreditar. De qualquer modo se Ele existe, segundo os meus amigos (ainda) católicos, deixa a construção da vida nas nossas mãos e dá-nos livre arbítrio, por isso não me posso zangar com Ele por causa dos disparates, nem com barbáries e injustiças feitas pelos homens.
Independentemente de Deus, acredito que vale a pena todo o projecto de amor, individual ou "colectivo" - como tudo o que visa melhorar a justiça social e qualidade de vida das pessoas, por exemplo.
O poema de Natal de Torga, referido pela Filomena é para mim "emblemático". Conheço-o muito bem,adoro, já foi a minha msg de boas festas durante muitos anos :-) É isso mesmo que importa: as pessoas e o mundo!Cultivar valores como a generosidade e solidariedade num mundo que cada vez mais "peca" pela apatia e indiferença. Talvez o pior das pessoas como nós não seja o que fazemos de "errado", mas mais aquilo que de BOM QUE REALISTICAMENTE ESTÁ AO NOSSO ALCANCE FAZER e não fazemos por preguiça, egoísmo ou letargia. d
Digo eu. Mas já se sabe a malta que fz volunriado é sempre suspeita:)
E por falar nisso, pergunto-me se o civismo de todo o indivíduo não deveria incluir esta vertente...pelo menos uma experiêcia temporária. Vos garanto que se mais pessoas se empenhassem em variadas causas isso faria uma diferença bem grande para melhor!

Cristina Seabra disse...

corecção: voluntariado (como serviço livremente prestado à comunidade)- com ou sem Deus, que diferença faz? O inferno é já aqui, mas está em parte nas n. mãos lutar contra ele, e "fabricar" paraísos, na relação com o outro e com o mundo. Enfim...divagações...