sexta-feira, maio 09, 2014

Flash back.

Flash back.

Hoje foi um dia bom. As minhas colegas Lurdes Couto, Isabel Sousa e - ups! - mil desculpas , convidaram-me e ao Pedro Vendeira para um workshop sobre Sexualidade, inserido no Sexto Encontro das USF. Como bónus levei o meu herdeiro profissional e filho de afecto, Pedro Fernandes. Elas fizeram um óptimo trabalho e nós ajudámos no que pudemos, o que já me poria a abanar a cauda. Mas acontece que havia tantos candidatos de última hora como inscritos e tiveram a gentileza de me pedir opinião. Senti-me trinta anos atrás no ICBAS e respondi - "quem não se importar de ficar de pé ou sentado no chão, que entre". E assim aconteceu! Momentos destes fazem-nos acreditar que uma vida inteira valeu a pena. Cereja em cima do bolo - alguns deles tinham sido meus alunos e recordaram-mo, sem amuar com a minha falta de memória .
Hoje foi um dia bom. Obrigado.

18 comentários:

andorinha disse...

"Momentos destes fazem-nos acreditar que uma vida inteira valeu a pena."


Eu não diria acreditar, diria tomar cada vez mais consciência :)))

É bom "vê-lo" assim.

Beijinho

Anfitrite disse...

Professor,

Tem a certeza de que não bebeu nada?

Deve ser a primeira vez que o vejo de bem com a vida. Melhor teria ficado se tivesse dado o assento para alguém e o senhor se sentasse no chão em posição de lótus. O esqueleto agradecia.

Já agora aprenda um pouco de Economia que também não faz mal nenhum (era o que eu vinha aqui pôr).

"Curso rápido de Economia"

Isto é o que Alemanha já fez com a Grécia, emprestando dinheiro para que a Grécia pagasse aos bancos alemães, que por sua vez pagaram ao estado alemão.




"Curso rápido de Economia...

Um viajante chega a um hotel para dormir, mas pede para ver o quarto.

Entretanto, entrega ao recepcionista duas notas de 100 euros.

Enquanto o viajante inspecciona os quartos, o gerente do hotel sai a correr com as duas notas de 100€, e vai à mercearia ao lado pagar uma dívida antiga,... exactamente de 200 euros.

Surpreendido pelo pagamento inesperado da dívida, o merceeiro aproveita para pagar a um fornecedor uma dívida que tinha há muito... também de 200 euros.

O fornecedor, por sua vez, pega também nas duas notas e corre à farmácia, para liquidar uma dívida que aí tinha de... 200,00 euros.

O farmacêutico, com as duas notas na mão, corre disparado e vai a uma casa de alterne ali ao lado, liquidar uma dívida com uma prostituta.... coincidentemente, a dívida era de 200 euros.

A prostituta agradecida, sai com o dinheiro em direcção ao hotel, lugar onde habitualmente levava os seus clientes e que ultimamente não havia pago pelas acomodações.

Valor total da dívida: 200 euros.

Ela avisa o gerente que está a pagar a conta e coloca as notas em cima do balcão.

Nesse preciso momento, o viajante retorna do quarto, diz não ser o que esperava, pega nas duas notas de volta, agradece e sai do hotel.

Ninguém ganhou ou gastou um cêntimo, porém agora toda a cidade vive sem dívidas, com o crédito restaurado e começa a ver o futuro com confiança!

MORAL DA HISTÓRIA:

NINGUÉM ENTENDE A ECONOMIA!
(nem o gajo que escreveu isto!)


MAS FICOU TUDO SALDADO E SEM RECURSO AOS TRIBUNAIS!!! SAFA!!!!!»











bea disse...

Faz-nos bem ver o professor:) (ver é um acto complexo-simples para o qual nem só os olhos são convocados)

Eis a vocação de professor. No meio de tanta reviravolta que damos na vida, teve o bom gosto e o bom senso de a praticar sem abandonos, de a levar consigo nos vários caminhos. E, de vez em quando, os frutos ressurgem. Tão bom quando acontece! Paira por aqui o ter valido a pena que é um arzinho de graça divina emprestado ao homem e dá pelo nome de efémera beatitude. Vale ainda a pena. Que o seu bom senso é inteligente, vai continuar sendo um professor. Até ao fim.

Tenham um Dia BOM

Julio Machado Vaz disse...

Anfi,

Não se lhe pode esconder nada!:). Ao jantar bebi o meu tintito alentejano...

andorinha disse...


Bom dia, gente:)


Realmente ninguém entende a economia, Anfy. Eu já estava a ficar confusa com as andanças das notas:)))))))


Não é o tinto que faz bem ao coração, Júlio? Então, siga...:)


bea disse...

O dinheiro é uma grande de uma chatice; mas faz falta. A economia é outro assunto enfadonho; mas tb faz falta. Mas não me curvo a tais distraímentos.

Anphy

à bocado esqueci-me de lhe agradecer a conversa da nota que até é engraçada. Muita volta dá o dinheiro. É de circular. Portanto.
Acho que nunca vi uma nota de 200€; não sei, talvez tenha visto, não ligo muito a notas que estejam fora de ser recados, ajudas de memória, coisas que num momento dado escrevemos para não esquecer.

Impio Blasfemo disse...

Prof JMV

In vino veritas. Que garrafa abrimos hoje? Ando pelo VILA REAL e o prof pelo ALENTEJO. É assim, o NORTE gosta de viajar até ao SUL e vice-versa. Vantagens de sermos um pequeno país com muitos produtores de vinhos.

Mas, por falar em Alentejo, por Mértola, há uma Herdade que dá por nome de Bombeira cuja visita aconselho.

Anfi

O problema que coloca tem a ver com o papel do dinheiro na economia. A não existir voltaríamos às trocas directas.
Podemos em alternativa inventar outros esquemas como o da MERCEARIA SOLIDÁRIA

http://www.jn.pt/paginainicial/pais/concelho.aspx?Distrito=Coimbra&Concelho=Soure&Option=Interior&content_id=1500099

Abraço
IMPIO

andorinha disse...


Impio,

Eu como não sou perita em vinhos, alinho naquele em que vocês alinharem.
Um bom vinho e uma bela companhia...que mais se pode desejar?:))))


Abraço

Bom fds:)

Anfitrite disse...

Vocês não percebem nada da ingrícula.

Os melhores vinhos, nos tempos correntes, estão quase todos a Sul do Tejo.

A muita água no Norte torna o vinho mijão.

Ó Ímpio nos tempos que a gente estudou, chama-se permuta directa. As trocas e baldrocas vieram depois. A mercearia solidária é um neologismo da América latina, para lixar mais quem trabalha. Entretanto a "Monsanto", vai espalhando as sementes, geneticamente modificadas, que produzem muito mais no primeiro ano, mas não se reproduzem, que é para eles venderem de novo, assim como os pesticidas que criaram e que acabam com tudo que era autóctone, klms à volta. E assim vai o mundo.
Andorinha, uma companhia a seco, às vezes é muito difícil de engolir. E beber a surrapa que normalmente escolhem em jantares de grupo, não dá muito gozo.
Tenho tanta pena que tivesse acabado uma casta de Lagoa, que mal me entrava nas goelas, já estava nas curvas (dos joelhos entenda-se).
Hoje como raramente vou jantar fora, aproveito para comer um bom peixinho grelhado. E aí tem se ser acompanhado por um bom branco, bem sequinho. Essa de que só os tintos é que eram bons também já foi chão que deu uvas.
Bea, a sua sorte é que está como incógnita. Não sabe que é proibido escrever nas notas? Para mim a nota mais bonita que houve foi a de 500 escudos, com a rosa-dos- ventos.
E o que é que lhe deu agora para ignorar o agá do verbo HAVER? É para não deixar o JP mal visto? Aqui só eu tenho o direito de escrever mal. Aos outros nada perdoou. Confundir uma preposição, ou contracção de ,com um verbo não é digno duma filosofa esfarrapada.

https://www.google.pt/search?hl=pt-PT&source=hp&q=tuareg+pps+traduzido&gbv=2&oq=tu&gs_l=heirloom-hp.1.1.35i39l2j0l8.2219.3625.0.7188.2.2.0.0.0.0.188.360.0j2.2.0....0...1ac.1.34.heirloom-hp..0.2.360.WjuQmQSbhoA

Entretanto, não se façam de néscios, para ver esta maravilha têm de copiar o endereço para um lugar qualquer. Pode ser o bloco de notas. Depois põem o endereço no topo do navegador (google, etc) e abram o primeiro ficheiro que aparece. É um pps lindo. Depois não digam que eu não ensinei. E os de imaginação mais fértil imaginem-se na Babilónia.

andorinha disse...

RAP, hilariante!


http://m.visao.sapo.pt/pesquisa/todos/artigo/779705


Anfy,

Kéisso? A corrigir a Bea?
Todos nós erramos ou temos lapsos...

Por exemplo tu: "Aos outros nada perdoou" Kéisto??????????

Perdoo, 1ª pessoa do singular, presente do indicativo

Perdoou, 3ª pessoa do singular do pretérito ou lá como é que estas coisas se chamam agora:) Loooooooooooool

andorinha disse...

Filósofa esfarrapada???

Tu não estás bem...:))))))))))))


Em jantares de grupo escolhemos zurrapas? Olha outra, escreveste "surrapa" lol
Vês? Se não falasses nos erros, às tantas eu nem dava por ela...

Há companhias que são óptimas, quer a seco quer regadas:)

Vou...bom fds:)

Depois vejo o pps

Biépi

Anfitrite disse...

A seco nem na praia!

Eu já disse que quem tem direito a errar sou só eu. ponto final.

Que pena que não percebam as minhas ironias.

O PPS era o mais importante. Não tens mesmo prioridades. Até nem percebes um vídeo em que um negro é atropelado na rua e quem o atropela vem acabar com ele.

bea disse...

Boa Noite:)

Anphy

quanto ao erro tem razão. Estou até envergonhada, uma professora primária...enfim.

Quando escrevi "à bocado" devia ter escrito "há bocado".
Peço desculpa a quem leu. E o pior é que julguei que estava bem. Ando um cado patachoca. O que não me desculpa.

Deus me livre de escrever nas notas. detesto aquele material, não há palavra que mereça cama tão reles. Tá farta de saber que tenho sérios problemas com mexer em dinheiro, sei lá porquê.

É assim, eu não sou filósofa, Anphy. Enganou-se no substantivo.
Se penso na filosofia que sei, no que aprendi com ela, verifico que nunca saí do mesmo lugar, sou aprendiz.

Boa noite e bom fim de semana para a andorinha que anda a molhar o bico e deixou uma carta de Passos Coelho formalmente extraordinária de engraçada, pena que a matéria seja real.

andorinha disse...


Anfy,

Que sabes tu das minhas prioridades, mulher? :)))

Fui rever o video. Foi atropelado?????
Ele é apanhado de raspão na rua e depois o carro sobe o passeio propositadamente para o atropelar. E não contentes ainda o vão esbofetear? E há gente a ver? Só falta aplaudirem...
É tudo tão estranho que a minha primeira reacção ao ver foi de total incompreensão...


Bea,

Ando a molhar o bico para ver se me passam as dores de cabeça:)))))))

Respondi-te no andar de baixo. Aguardo contra resposta.

Bom fds 4 u ól:)

bea disse...

Andorinha estou a descer a escada

andorinha disse...


:)

Impio Blasfemo disse...

Ofereceram o livro "Bute daí, Zé!" da Filomena Marona Beja. Começa assim:
"Um dia e dois e argolinha
Finca o pé na pampolinha
Ó rapaz, que jogo faz?
faz o jogo do capão,
A capão, José, João!
Diz à velha do cordão
Que recolha o seu pezinho
Que recolha o seu pezão"
De repente a sineta! Acabara o recreio.......

Isto promete, digo eu!

Saravá
IMPIO

E O N D O I C disse...

Os Desporto Colectivos São Religião De Muito Par Só Um Em Campo Sabe Que A Bola Pode Não Ser Redonda