terça-feira, dezembro 19, 2006

Dores de crescimento.

Ninguém consegue proteger alguém para sempre.


Arturo Pérez-Reverte, O Cemitério dos Barcos sem Nome.

60 comentários:

noiseformind disse...

... especialmente de si próprio, digo eu ;)

DarkViolet disse...

A frase na sua génese já está errada. A protecção advém dum escudo inviolável. Há isso? não.

noiseformind disse...

Boss,
E já que estamos a falar de putos fica a acha para a fogueira: 5,4% de consumidores de drogas entre os adolescentes no último mês nas classes sociais médias ou altas, 3,2% nas classes baixas, diz o estudo mais recente do IDT. E para não se estar aqui com a treta de que os pais de agora são melhores que os de antigamente, o indicador de confiança e comunicação com os pais atingiu o seu ponto mais baixo nesta última sondagem. Com tantos livros do Daniel Sampaio à venda? Impossível!!!

andorinha disse...

Bom dia.

Uma verdade insofismável.
Eu diria, felizmente; proteger alguém para sempre não seria muito "saudável", deve haver espaço para o crescimento a todos os níveis.
Entrando já um bocado na esfera psi:), concordo com o primeiro comentário do Noise.

Noise,
Os livros até estão à venda, as pessoas é que não os compram, têm outras prioridades.
Já te esqueceste que estamos na Tuga?:)

Até mais logo, gente:)

noiseformind disse...

Andorinha,
Sendo portanto o teu livro favorito do Daniel Sampaio...?

noiseformind disse...

...qual?

thorazine disse...

Vivemos livres numa prisão?

As redomas vitalícias existem! A minha ama ainda vive com o pai, e pede autorização para tudo! :)

noiseformind disse...

E, para que fique registado, eu estava a ser irónico!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Não encontro na prosa Danielo-sampaística mais do que paliativos teóricos do tipo "deve-se negociar, deve-se manter a calma, deve-se...". Uma espécie de manual para pais passivos e filhos naturalmente bem-comportadinhos.

thorazine disse...

ahh.. esqueci-me de dizer que ela tem 55 anos.. :)

thorazine disse...

"Manual para pais" que tenha resultado prático tb n acredito que existe! É preciso ir moldando com o barro que se tem! :)))

andorinha disse...

Noise,
Afinal ainda cá voltei...
Não tenho nenhum livro favorito do Daniel Sampaio. Já li alguns, mas mais aqueles que têm a ver com os adolescentes e os seus problemas, incluindo o suicídio e não propriamente esses "manuais" para pais.
Esses, por razões óbvias, não me interessam tanto.

E percebi que estavas a ser irónico, é o teu registo sempre que falas de Daniel Sampaio.
E como diz o Thora, Manual para pais que tenha resultado prático também não acredito que exista.

E agora tenho mesmo que ir ou ainda chego atrasada à reunião:)

P.S. Miúdo, estás a organizar um catálogo compilando os meus gostos a nível de música, livros, etc?:)))))))))))))))))))))

Ameninadalua disse...

Bom dia!

"Ninguém consegue proteger alguém para sempre." e principalmente se os outros não quiserem...:)

A dependência tem custos que podem ser elevados para ambos os lados:

Para quem protege, quando a responsabilidade pesa... na sua propria incapacidade.

Para quem é protegido, porque deixa por vezes de ter capacidade de olhar livremente o diferente e principalmente de ter oportunidade de aprender com as quedas dos seus próprios voos...

Contudo ser cuidadoso com os outros e principalmente com quem se ama é algo muito importante e gerador da confiança tão necessária ao envolvimento e à relação entre as pessoas...

Quanto à incapacidade de não nos protegermos de nós próprios...penso que não é mais do sermos capaz de nos aceitar e de nos darmos à oportunidade de sermos aquilo que verdadeiramente somos...

Professor

Gosto destes seus desafios para a reflexão:)

Mário Santos disse...

Concordo inteiramente. No caso dos nossos filhos nós esperamos que eles vão aprendendo a proteger-se por si. Quer queiramos quer não a nossa protecção vai desaparecendo à medida que eles crescem, de modo que a nossa única opção é ir tentando ensiná-los a protegerem-se.

Protecção a mais não é protecção, mas sim um impedimento a que o outro cresça e quando, inevitavelmente, a nossa "protecção" desaparece o outro fica à mercê do que vier.

Por outro lado, o apoio nunca desaparece. Nós podemos estar sempre ao lado dos que mais gostamos, nem que seja apenas com a nossa presença amiga.

p.s.: tenho andado afastado do murcon, mas não o tenho esquecido. A ver se consigo manter o contacto mais assiduamente com o maralhal :)

Aspásia disse...

A)

PROTEGER E AMAR NÃO DEVEM SER SINÓNIMOS NA VIDA, COMO NÃO O SÃO NA GRAMÁTICA.

EU CHAMAR-LHES-IA ACÇÕES COMPLEMENTARES DE AFECTO... PORQUE NÃO?

E JÁ QUE AS CLASSIFICAÇÕES GRAMATICAIS - ALÉM DA PRÓPRIA LÍNGUA PORTUGUESA QUE JÁ ESTÁ HÁ MUITO TEMPO NO PELOURINHO DO MAL
FALAR/ESCREVER - SÃO AGORA TAMBÉM VÍTIMAS DOS TRATOS DE POLÉ DE NÃO SEI BEM QUE TRANSFORMISTAS GRAMATICÓLOGOS DA FACHADA DO QUE ESTAVA MUITO BEM COMO ESTAVA...

thorazine disse...

http://www.globalorgasm.org/

The Event

WHO? All Men and Women, you and everyone
you know.

WHERE? Everywhere in the world, but especially in countries with weapons of mass destruction.

WHEN?
Winter Solstice Day - Friday, December 22nd,
at the time of your choosing, in the place of your choosing and with as much privacy as you choose.

WHY? To effect positive change in the energy field of the Earth through input of the largest possible surge of human energy a Synchronized Global Orgasm. There are two more US fleets heading for the Persian Gulf with anti-submarine equipment that can only be for use against Iran, so the time to change Earth’s energy is NOW!

About Us

Donna Sheehan and Paul Reffell co-founded the anti-war
organization Baring Witness www.BaringWitness.org, a worldwide collective of peace activists who are alarmed enough to spell peace publicly with their naked bodies. The Global Orgasm is a way for even more men and women to be involved in changing the way human affairs are conducted in the world.

Donna and Paul conduct Redefining Seduction (www.RedefiningSeduction.com) workshops, teaching women to give themselves permission to initiate courtship and create partnership, while saving men from the damage of rejection. They have co-written the book, Redefining Seduction, and also a personality profiling system that uses physical genetic indicators of left/right brain traits, called BrainLines (www.BrainLines.com). At present they are co-producing the feature-length documentary film Baring Witness and a stage play.

Gabe Lipman is the multimedia director for Global O. He has been
working with computers since age 11, and in 1997 started SVC
Multimedia. His company creates works in all realms of the
multimedia spectrum, including web, print, advertising, and film. He
specializes in Flash animation and design. He is also a musician and
has worked as both a firefighter and professional chef. You can visit
his site at www.svcmulti.com.

---
:))
Faltam 3 dias! Vá lá, não custa nada...só é preciso um WC para participar.. ;))))

Aspásia disse...

B)

AGORA NUM REGISTO HUMORISTA-NATALÍCIO.

SUPONHAMOS QUE NOSSA SENHORA TINHA PROTEGIDO O MENINO JESUS, MANTENDO-O ALI NA CARPINTARIA DO PAI JOSÉ, A FAZER TODA A VIDA MESINHAS DE CABECEIRA,CARRINHOS DE CHÁ E PSICHÉS PARA OS CALDEUS, OS ARAMAICOS, OS NABATEUS, OS CORÍNTIOS E OS ROMANOS RICAÇOS DAQUELE TEMPO.

ASSIM O MENINO JESUS TERIA VIVIDO ATÉ AÍ AOS 105 ANOS, PARA MAIS COM A VIDINHA REGRADA QUE LEVAVA, COMIDINHAS LEVES E A HORAS, NADA DE NAMOROS, A NÃO SER UNS POEMAZITOS EM GREGO ESCRITOS NUNS PAPIROS À MARIA MADALENA E OUTROS À SAMARITANA. E MORANDO AMBAS PARA LÁ DE CANAÃ UMAS BOAS LÉGUAS, SÓ OS DECEDBIAM DE 6 EM 6 MESES QUANDO PASSAVA A CARAVANA DE CARTAGO PARA TEBAS.
E ALÉM DISTO COMO POUPAVA MUITO A CABEÇA E A VISTA VISTO NÃO PASSAR NOITADAS NA BLOGOSFERA E SE LEVANTAVA AO ASSOBIAR MATINAL DA CASCAVEL DO DESERTO DA JUDEIA, CLARO QUE JESUS, TENDO SEMPRE VIVIDO COM MARIA SUA MÃE ATÉ QUE ESTA FALECEU JÁ AI PELOS 98, ALGO TRISTE POR NÃO TER NETOS, MAS CONFORMADA COM OS DESÍGNIOS DO SENHOR... CLARO QUE JESUS VIVERIA ATÉ AOS 105 PELO MENOS...

E HOJE NÃO TERÍAMOS EM TODA A ARTE PLÁSTICA REPRESENTADO UM GUAPO MANCEBO MORENAÇO OU LOURAÇO, ELEGANTÍSSIMO E DE LINDOS OLHOS, QUE MUITO ATRAI TANTAS MENINAS E SENHORAS À FÉ CATÓLICA, VENDE QUADROS, CANECAS E T-SHIRTS, FAZ BELOS FILMES E LIVROS, ENFIM, UM GOSTO!!!

ORA ACHAM QUE UM VELHINHO DE 105 ANOS, E SUPERPROTEGIDO PELA MAMÃ ATÉ AOS 84, TINHA ATRAÍDO TANTA GENTE À FÉ???

P.S. - DESCULPA LÁ, Ó JESUS, ISTO FOI A BRINCAR E NÃO A GOZAR... NÃO SÃO SINÓNIMOS... E ATÉ VEJO QUE JÁ ESTÁS A SORRIR NAS PALHINHAS!!!

*<;)>

Aspásia disse...

ONDE ESTÁ "DECEDBIAM", QUE COMO VÊEM É NABATAICO, LEIA-SE "RECEBIAM".

:))

CêTê disse...

O que os pais precisam não é de lerem livros mas sim de passarem mais tempo com os filhos. As conversas mais significativas só surgem passado n-tempo de convivio (é como a perda calórica numa caminhada)e o tempo que se passa junto deles vale mais do que mil estratégias de manual.

Bjnhs

Aspásia disse...

OH THORA...

ENTÃO TU METES-ME UM ORGASMO ANTES DA VIDA ALTERNATIVA DE JESUS???

PRONTO!!! JÁ NÃO VAIS RECEBER NO TÉNIS ADIDAS AQUELE IPOD PICO QUE TANTO QUERIAS...

ORA DEIXA LÁ... TAMBÉM UMA COISA TÃO PEQUENA, IAS PERDÊ-LA A TODA A HORA... JÁ BEM TE BASTA COM AS LENTES DE CONTACTO...

E SE TE PORTARES BEM ATÉ AO DIA 24, TALVEZ AINDA RECEBAS UM RADIOZITO DE GALENA!!!...

(NANO=10 ELEVADO A -9; PICO=10 ELEVADO A -12)

;9>...

Aspásia disse...

CÊTÊ
a perda calórica numa caminhada

AI MINHA QUERIDA AINDA BEM QUE ME LEMBRAS DISSO... VOU JÁ NESSA ANTES QUE O SOL SE PONHA...

ENTÃO E ONTEM QUE FUI A UMA ALMOÇARADA DE UM ANIVERSARIANTE DE 90 ANOS COMPADRE DO MEU PAI... AINDA NÃO FIZ A DIGESTÃO...

TU VAIS RECEBER DECERTO UM FATO DE TREINO TODO BORDADO A LANTEJOULAS!!! VOU PEDIR AO MENINO JESUS PARA TI...

BJOKAS...

;)))

CêTê disse...

Aspásia,
eu gosto de coisas confortáveis ;/

thorazine disse...

Aspásia,
nem ténis nem picoipod! Já tenho as minhas sandálias de pele (tipo Jesus) e o meu leitor de vinil portatil! LOL

Este natal pedi um cãozinho, pastor alemão se possível! hehehe

Ameninadalua disse...

Mario Santos

"p.s.: tenho andado afastado do murcon, mas não o tenho esquecido. A ver se consigo manter o contacto mais assiduamente com o maralhal :) "

Pois apareça!...nada melhor que a diversidade de opiniões para quebrar a monotonia:)...

thorazine disse...

Dr. Ecstasy

Será que as drogas nos podem ajudar a encontrar Deus? Alexander Shulgin pensa que sim e é muito possível que ele tenha mais autoridade no assunto do que qualquer outra pessoa, viva ou morta. Uma conversa com o homem que deu ao mundo o ecstasy
Alterar tamanho

CORBIS

EXPERIÊNCIAS. Shulgin continua a investigar num laboratório minúsculo e sombrio

Shulgin, Sasha para os amigos, recebe-nos no seu jardim, onde estão plantados dezenas de cactos alucinogénicos. Usa uma camisa azul estampada de manga curta e sandálias abertas. «Desculpe se pareço um tanto cansado, acabamos de chegar do Burning Man», diz ele. Alguns poderiam pensar que esta afirmação seria uma chave para conhecer a personalidade do dr. Shulgin. Burning Man é um festival de artes alternativo que se realiza anualmente no Deserto Black Rock, do Nevada, e que se anuncia como «uma experiência em comunidade, auto-expressão radical e auto-suficiência radical».

«Um hippie velhote», sentimo-nos tentados a dizer. Mas o amor livre não é o que motiva Shulgin, 81 anos, quase 1,90 metros de altura e um mordaz sentido de humor. A química é a sua paixão desde os 16 anos, quando ganhou uma bolsa de estudo para Harvard. É um investigador consumado e pioneiro com um enfoque singular: as drogas psicadélicas. Sintetizou cerca de 200 compostos que alteram a mente, experimentou todos em si próprio e calcula que fez mais de 4000 «viagens» induzidas por drogas.

Acredita firmemente que os seus compostos têm capacidade para tratar a esquizofrenia ou a amnésia, bem como problemas psicológicos como a paranóia e a depressão. Mas as suas convicções entraram em conflito com o governo federal, que por duas vezes lhe invadiu o laboratório, o privou da autorização para investigar e colocou todos os compostos que ele criou na lista das drogas proibidas, de que um dos critérios é não terem «qualquer benefício médico conhecido».


JOSÉ VENTURA

O ECSTASY chegou às discotecas depois de ser usado em gabinetes de psicoterapeutas devido ao seu efeito desinibidor

É fácil ver por que razão as autoridades olham o seu trabalho com tanto cepticismo. Ele aparenta divertir-se em demasia para poder ser levado a sério. Para começar, insiste em experimentar pessoalmente cada uma das drogas que produz. «É a única atitude responsável», diz. «Um dos objectivos da minha investigação é desenvolver ferramentas para estudar a mente. Não se pode fazer isso em animais. Ou será que eles têm mente?»

«Encontrei a minha via de aprendizagem» aos 35 anos, reconhece, depois de ter tomado pela primeira vez mescalina, o ingrediente activo da planta peiote, que os nativos americanos utilizaram nas cerimónias religiosas durante milhares de anos. Recorda a experiência com um sentimento de êxtase e alegria.

«Vi um mundo que se apresentava com aspectos diversos. Tinha cores maravilhosas, o que para mim foi uma sensação sem precedentes porque nunca tinha reparado especialmente no mundo das cores... Nunca mais esqueci. Esse mundo também era maravilhoso nos seus detalhes. Pude ver a estrutura íntima de uma abelha a pôr qualquer coisa num saco na sua pata posterior para levar para a colmeia; contudo, eu estava completamente em paz com a proximidade entre a abelha e a minha cara. O mundo era uma maravilha de lucidez interpretativa. Via as pessoas como caricaturas que revelavam tanto as suas dores como as suas esperanças e que pareciam não se importar com o facto de eu as ver dessa maneira. Mais do que qualquer outra coisa, o mundo espantava-me porque o via tal como quando era criança...»


CORBIS

LABORATÓRIO. Shulgin construiu-o num bosque por detrás da sua casa

Shulgin considera que essas experiências o aproximaram de Deus, mas o que verdadeiramente o fascinou foi o facto dessa «evocação assombrosa ter sido provocada por uma fracção de um grama de um produto sólido branco», «Mas de forma alguma se podia afirmar que estas recordações estavam contidas dentro deste produto sólido branco. Tudo o que eu reconhecia vinha das profundezas da minha memória e do meu espírito. Compreendi que todo o nosso universo está contido na mente e no espírito. Podemos optar por não descobrir o acesso a ele, podemos até negar a sua existência, mas está de facto dentro de nós e há produtos químicos que nos podem ajudar a catalizar a sua disponibilidade».

A partir desse momento decidiu dedicar-se à procura desses produtos químicos. A princípio tinha uma grande liberdade para o fazer. A trabalhar como investigador para a Dow Chemicals, inventou o primeiro pesticida biodegradável, o Zectran. A Dow pagou-lhe apenas um dólar pela sua patente, mas deu-lhe um laboratório e liberdade para prosseguir a investigação que ele desejasse.

Desenvolveu rapidamente um protocolo para análise dos seus compostos, mantendo um registo meticuloso. Ao fazê-lo, compreendeu de imediato que teria de ser brutalmente honesto, mesmo quando as drogas revelavam aspectos menos agradáveis da sua natureza. Por exemplo, com o composto a que chamou Aleph-1 experimentou «a mais deliciosa mistura de presunção, paranóia e egoísmo». Imaginou-se uma «supernova intelectual».

Com o tempo, acabou por recrutar um grupo de amigos para testarem os seus compostos e assim poder registar reacções múltiplas. As drogas que criou deram azo a uma série de reacções. Uma fê-lo extremamente belicoso, outra revelou-se afrodisíaca, outra ainda alterou tão profundamente o seu sentido do tempo que lhe provocou um ataque de pânico. Uma alterou a sua percepção de som - considera que este composto, o DIPT, «acede a algum lugar no cérebro funcional que determina a percepção da audição e pode mudar a interpretação do que estamos a ouvir. Se podemos fazer isso, não é insensato assumir que podemos descobrir um produto químico que acederá à parte do cérebro onde o esquizofrénico ouve a voz de Deus dizendo-lhe para fazer qualquer coisa terrível e alterar aquilo que ele está a ouvir».

Mas foi a sua defesa de uma droga não inventada por ele que o tornou mais conhecido, pelo menos na cultura popular. Em 1976, um estudante chamou a sua atenção para um composto a que chamou MDMA, patenteado pela primeira vez pela Merck em 1914, e que foi rejeitado, por ser considerado inútil, e esquecido. Shulgin experimentou-o em si e em amigos e acabou por acreditar que tinha um grande potencial como desinibidor, especialmente para ajudar as pessoas a aceder aos «pensamentos mais íntimos» durante a psicoterapia. Publicou um artigo de investigação com um colega e convenceu Leo Zeff, um amigo psicoterapeuta, a experimentá-lo. O seu uso em breve se generalizou entre os terapeutas de todo o mundo. Também fez caminho até às discotecas, onde se tornou conhecido como ecstasy.

Muito antes disto, a Dow tinha começado a sentir-se incomodada com o que ele publicava em revistas científicas, numa altura em que os adolescentes americanos começavam a fazer das drogas psicadélicas uma parte da contracultura. Assim, abandonou a Dow e construiu um pequeno laboratório num bosque por detrás da sua casa, nas montanhas perto de São Francisco. O laboratório - um lugar minúsculo e sombrio que, no dia em que lá fomos, começava a recompor-se de um ataque por um bando de esquilos -ainda lá está. E funciona.

Shulgin continuou a ganhar a vida, agora como testemunha especializada em casos de tribunal envolvendo drogas psicotrópicas, por vezes testemunhando a favor da acusação pública, embora mais frequentemente a favor da defesa. Também fez palestras para agentes da Drug Enforcement Agency (DEA, o departamento norte-americano da luta contra a droga) sobre como reconhecer essas drogas e os laboratórios onde estavam a ser sintetizadas.

A experiência ilustra a forma como conseguiu manter um pé no «establishment», mesmo quando o seu trabalho o impelia a rebelar-se contra ele. Um dos seus melhores amigos durante muitos anos foi Bob Sager, chefe do Western Laboratory da DEA, que se casou na quinta de Shulgin. Shulgin é também um experiente tocador de viola, o que lhe deu entrada no Bohemian Club, que tem orquestra própria e onde entre os sócios maioritariamente conservadores se encontram alguns dos homens mais ricos e poderosos da costa Oeste.

Apesar destas protecções, Shulgin percebeu em que direcção sopravam os ventos políticos: a Administração Reagan intensificava a guerra às drogas, as revistas científicas recusavam os seus artigos e ele começou a ler sobre cientistas do passado que tinham visto o seu trabalho ser suprimido e destruído. Receando que o mesmo lhe pudesse acontecer, decidiu publicar os frutos do seu labor. O resultado foi um livro chamado PiHKAL, A Chemical Love Story, que significa «Phenethylamines I Have Known And Loved» (Fenetilaminas que eu conheci e amei). O livro é uma mistura bizarra: uma autobiografia em duas partes, da sua mulher, Ann, e dele próprio, seguida de uma colecção de receitas explicando meticulosamente como sintetizar 179 fenetilaminas, que doses consumir e que tipo de reacção esperar. Publicou o livro às suas custas em 1991 e vendeu mais de 40 mil exemplares - um número elevado para um livro publicado pelo autor.

As autoridades não gostaram. Em 1993, a DEA saqueou-lhe a quinta e o laboratório, apreendeu os materiais, multou-o em 25 mil dólares e tirou-lhe a licença de investigador.

Contudo, em anos recentes, numerosos estudos sérios em todo o mundo começaram a utilizar alguns dos seus compostos para tratar doenças como o stresse pós-traumático, a paranóia em doentes terminais de cancro e enxaquecas. Lester Grinspoon, professor de Psiquiatria na Universidade de Harvard, diz: «se as fenetilaminas se tornarem tão importantes no futuro como eu acredito, este livro será visto como um tesouro de importância histórica».

Em qualquer caso, Shulgin não se deixa desanimar: publicou em 1997 um segundo livro, TiKHAL (Triptamines I Have Known And Loved) (Triptaminas que eu conheci e amei), e continua a sintetizar novas drogas com base num argumento simples - que as novas invenções (ainda) não são ilegais. Mas a experiência transformou-o num libertário fervoroso.

Argumenta que os regulamentos da DEA são inconstitucionais e anti-intelectuais - um dos regulamentos propostos criminaliza preventivamente todas as potenciais drogas análogas por ele sintetizadas, cerca de meio milhão de compostos ainda não existentes e sem nome.

É positivamente injurioso ao falar da administração Bush. Considera que a legislação sobre medicamentos é racista e destinada acima de tudo a defender os interesses dos grandes laboratórios. «Quem é o dono do governo?», pergunta ele. «Não é preciso uma lucidez psicadélica para responder a isso».


---
Já que é hábito a malta copy/pastar notícias, eu imitei! Apesar de o texto estar um pouco mal redigido é o primeiro em português que foca sobre o tema e depois já que paguei para ter acesso a ele convém partilhar para o saber não ficar do lado do capitalismo! LOLOLOL

E ligando ali ao post do noise, será que por os pais não proibirem os filhos de consumirem certos tipos de drogas não os protegem? 99,99% da humanidade já teve pelo menos contacto com uma droga (legal ou ilegal). Proteger é tentar ocultar que elas existem e que não fazem parte da realidade actual! :P

Ameninadalua disse...

Aspásia:)))

"OH THORA...

ENTÃO TU METES-ME UM ORGASMO ANTES DA VIDA ALTERNATIVA DE JESUS???"

Tu não existes!:))))

thorazine disse...

*Proteger não é...

AQUILES disse...

Thora

Se as drogas não ajudam a encontrá-Lo, ajudam de certeza a alcançá-Lo

lobices disse...

...ninguém consegue proteger alguém para sempre
...é um facto!
...mas
...não uma noção básica; ou seja, no subconsciente de muitos a noção de protecção dos seus, acompanha-os sempre até ao momento em que são eles a precisarem de protecção
...ou seja:
...a minha mãe tem 91 anos e sou eu que trato dela; sou eu que faço toda a "gestão" da minha vida e da dela, não no sentido de a proteger mas no sentido de fazer o que tem de ser feito, não por vocação nem devoção mas por obrigação (e esta é a que mais custa) e por humanidade
...porém:
...no subconsciente dela, é ela que ainda está a "tratar" de mim; é ela ainda que está a "tomar conta" do seu filho; no seu subconsciente ainda é ela que me protege, que existe por minha causa
...no subconsciente dela, existe uma noção de eterna protecção do seu filho, ou seja, ela está "convencida" que vai "tratar" de mim até -eu- morrer... ela, não vai morrer porque a "missão" dela é tratar de mim
...deixo-a viver nessa ilusão (por muito que me custe mas nada adianta tentar convencê-la que não é como ela pensa; não adianta tentar convencê-la que sou eu que trato dela e que a protejo, até ela morrer ou até eu morrer primeiro, como saber?...)
...por isso
...o facto de ninguém proteger alguém para sempre é apenas isso mesmo: um facto mas não uma ideologia
...ninguém consegue proteger outrém para sempre pois só o consegue fazer até ao momento em que se torne protegido
...

Olhar disse...

Lobices 5:20 PM
"...o facto de ninguém proteger alguém para sempre é apenas isso mesmo: um facto mas não uma ideologia
...ninguém consegue proteger outrém para sempre pois só o consegue fazer até ao momento em que se torne protegido."

Sei do que fala. Precisamente.
Às vezes,o ofício de alguns Pais, é para sempre, mesmo até que o não possa já ser...

Olhar disse...

Ninguém consegue proteger alguém para sempre.

Professor, esta frase,
assim,
despida,
parece saber a amargo
desistir...(?)

Aspásia disse...

THORA

OH FILHO... ENTÃO TU ESTÃS A FAZER O PRÉ-ESTÁGIO PARA O PÓS-DOUTORAMENTO COM ESSE PROF. QUE CITAS (NÃO POSSO LER ISSO TUDO)... DE SANDÁLIAS???

VAI JÁ COMPRAR UNS SAPATINHOS DE VERNIZ PRETO E UMA TOGA... TOGA, NÃO TÚNICA!!!

;9>

MENINADALUA

"NADA EXISTE MAIS DO QUE AQUILO QUE NÃO EXISTE".

STENDHAL (?)

;))

andorinha disse...

Malta, I'm back:)

Uns pequenos apontamentos começando por ordem cronológica.

Mário santos (2.17)
"p.s.: tenho andado afastado do murcon, mas não o tenho esquecido. A ver se consigo manter o contacto mais assiduamente com o maralhal :)"

Quando se gosta não se esquece, não é?:)
Sim, sim, vê se melhoras a assiduidade:)))

Cêtê (2.59)
Lá vou ter de dizer mais uma vez que estou totalmente de acordo contigo. Que chatice!:)))

Thora (3.44)
Bolas! Que testamento!
(Ai, não posso dizer isto, estou a cercear a tua liberdade de expressão)Loooooooooooooooooooool
Mas se não digo, cerceio a minha e então como resolvemos este dilema?:))))))))))))))

E ainda bem que puseste a errata, já te ia cair em cima( salvo seja):)))

Olhar (5.57)
Desistência?
Não, realismo, apenas:)

thorazine disse...

aquiles,
depende sempre da prespectiva.. ;)

aspásia,
a sandália mantêm os pés arejados e evita fungos! :)))))))

andorinha,
não te acanhes! Não é dilema nenhum, deita tudo cá para fora..
É testamento, eu sei, mas era só para mostrar como nem as drogas nem os consumos o são todos iguais. O senhor ainda faz pesquisa na área, ainda publica artigos e vai lançar um livro! Aos 81 anos! Penso que a minha avó, com a mesma idade, não tem a lucidez que este senhor aparenta ter! É giro! :)

Aspásia disse...

THORA

A SANDÁLIA MANTÉM O PÉ AREJADO, LÁ ISSO É VERDADE... MAS QUANTO AOS FUNGOS PODE ATÉ PROVOCÁ-LOS, POIS SE AS USARES COM ESTE FRIOZECO, APANHAS DE CERTEZA UMA CONSTIPAÇÃO E LÁ VAIS PASSAR O NATAL DE MOLHO E A FUNGAR...

A NÃO SER QUE DESCENDAS DE ALGUMA NOBRE CASTA DE CARMELITAS DESCALÇAS, HABITUADAS AO PÉ NU SOBRE O FRIO LAGEDO DAS CRIPTAS... SERÁS TU, QUEM, SABE O HEPTANETO DE SOROR MARIANA E DO CHAMILLY???

MAS ESTÁ DESCANSADO, PELO SIM PELO NÃO, VOU MANDAR-TE UMA CAIXA DE KLEENEX E UM FRASCO DE "FORMITROL"...

;)))

Aspásia disse...

E CLARO QUE A TUA AVÓ NÃO APARENTA A LUCIDEZ DESSE LUMINAR DA CIÊNCIA, POR MOR DOS DESGOSTOS QUE O NETO LHE DÁ...

;9

Aspásia disse...

E AGORA VOU RECOLHER À MINHA CELA...

TENHO A ILUMINURA DO PENTATEUCO MUITO ATRASADA...

AVE FRATES...

Aspásia disse...

"SERÁS TU, QUEM, SABE" -> "SERÁS TU, QUEM SABE"...

SABE DEUS!!!

Manolo Heredia disse...

Frase cifrada, só a entende quem souber a chave!
E se calhar não, se calhar é mais um caso daqueles que se servem apregoando servir (proteger).
Com amigos destes quem precisa de inimigos?

thorazine disse...

Ohh...e não! Ela diz-me sempre que eu sou o neto que mais atenção lhe dou! :))

..ou talvez se esqueça que tem outros no momento que o diz..lol

Quanto aos pés basta manter um ph básico..ou como se diz "lá para cima", basta aproveitar a primeira urina da manhã! LOLOLOL

CêTê disse...

Thora,
Como diz o prof. "Ninguém consegue proteger alguém para sempre." ;]

Ocorre-me perguntar que credibilidade pode ter alguém na comunidade científica que consome os cocktails psicadélicos, alucinogénicos ou em que é que o facto de ele os experimentar lhe acrescenta propriedades: 1º Por que é ele que os produz 2ºpelos efeitos que induzem, 3º pela sinergia que se desconhece.
Ainda bem que o pesticida "Zectran" (?) lhe foi inofensivo. ;]]]]]

A única coisa que vejo é um convite descarado ao consumo, tipo "Não mata, como vês estou vivo".
Faço votos sim para que os produtos que ele combinada (não discuto: com sabedoria)sejam como o viagra: isto é não sirvam para seres feliz mas para fazer alguém feliz.
beijos

CêTê disse...

beijos, não foi um cumprimento adequado (foi um acto falhado que nada tem a ver contigo) sorry

Su disse...

prof..todos nós aprendemos isso ...com o tempo e muito buaaaa

jocas maradas e natalicias

thorazine disse...

:)))
Tens de lhe perguntar, não sou advogado de niguém! ;)
Mas não concordo que a existência dele ser um convite descarado ao consumo! O senhor só lutou, ou procurou aquilo que lhe despertou curiosidade e por acaso não teve nenhum condição genética e nenhum factor exterior que lhe provocasse a morte, até então! Só referi a idade porque normalmente os "drógados" são criaturas que morrem cedo!

Porque é que ele os produz? Isso é difícil! Porque é que fizeste esta questão? Talvez porque se criaram condições e havia "espaço" para a poderes colocare! AS descobertas científicas penso também serem assim! O senhor tinha a curiosidade sobre os compostos, tinha tecnologia para "matar" a sua curiosidade, porque não proseguir o seu trabalho? A ciência é neutra! "Armas não matam pessoas, pessoas matam pessoas"! Nunca morreu ninguém directamente por "overdose" por estas substancias, já morreram sim devido ao desconhecimento dos seus efeitos (,talvez por serem ilegais a informação é distorcida no mercado negro!)

Na área a energia nuclear a "Euratom" teve de ser criada para controlar e prosseguir os estudos neste campo. Nesta área sempre foi tentado, como tu defendes, proibir a descobertas de tais poções hereges! MAs isso é impossível, e mesmo que o slogan "droga, loucura, morte" ainda faça parte da realidade de muitas pessoas, outras tantas vão continuar a querer usa-las, a querer explora-las e a querer partilhar informação sobre elas. O perigo é de não haver infomação e eu ver pessoal da minha idade ( e cada vez mais novos) a estragarem o corpo e a cabeça simplesmente porque a malta quer "combater" e acabar com essa "raça"!

Na comunidade ciêntifica ele não era credivel, como tu dizes, mas quando era preciso fazer exames toxicológicos (nos anos 70) era ele que era chamado, quando era precisos peritos em subtâncias na corte ele é que era chamado (até para Australia, onde o livro dele era censurado! O estado financia os projectos que quer, e a multinacionais têm que ir a trás...sabes disso tão bem como eu! ;))

Mas acredita que já fez muita gente feliz as droguices do senhor, e não é o "delirum tremens", é mesmo "purgarem-se" dos seus males psicológicos!

Mas no fim desta conversa toda droga é droga, não é? É um fim normal destas conversas! ;)))

Beijos! (mas estes são mesmo para ti! :)

thorazine disse...

Olha um exemplo disso: http://www.maps.org/news-letters/v16n1-html/my_daughters_good_death.html

Só arranjo em inglês.. ;(

CêTê disse...

Thora,
eu não perguntei: eu questionei a objectividade da avaliação que tu dizes ele ter feito sobre as poções que ele criou e experimentou.
Mas eu também não percebo nada de drogas, confesso. Nunca tive grande curiosidade e tenho algumas reservas sobre alguns tipos de fármacos. Portanto dá-me o desconto de quem conhece só conhece a embalagem da "coisa".
qt às beijocas...a velhota de 69 (loool) anos que vive dentro de mim "alambusou-se" ;]

andorinha disse...

Thora,
Claro que não é dilema nenhum, estava a brincar:)
Quanto a esse senhor deram recentemente, penso que na RTP, uma pequena entrevista com ele. Ele dizia precisamente que para melhor compreender o fenómeno das drogas e melhor poder saber os seus efeitos tinha que as experimentar nele próprio.
Confesso que não ouvi com muita atenção porque estava a fazer também outras coisas, mas penso que estamos a falar da mesma pessoa.

Não interpretei o que ele disse como um convite descarado ao consumo, pareceram-me lógicos os motivos que ele apresentou.

Cêtê,
Até que enfim que discordo de ti, vês?:))))))
Isto só prova que temos personalidades próprias. Loooool

P.S. Não ligues, os CT estão a dar comigo em doida:)
Jinhos

CêTê disse...

Andorinha,
Esta semana é que vou jogar no Euromilhões. LOOOOOOOOOL~
Depois dos beijos do Thora terias de discordar de mim. LOOOOOOL
Eu até estive para lhe recomendar partilhá-los contigo mas contive-me.looooooool

CêTê disse...

E já agora apetece-me declarar que estou a trabalhar ao mesmo tempo que passo por aqui. Que eu sou fêmea loooool Não percebendo nada de carros sei fazer muita coisa ao mesmo tempo.

andorinha disse...

Cêtê,
Joga, pá! Quem não arrisca, não petisca.

Já quanto a partilhar beijos, não sei...:)))))))))

Mais Vale Só Que Mal Acompanhado... disse...

Boa noite

Dependemos totalmente de protecção ao nascermos. O gráfico da nossa curva existencial começa a subir do zero...
E vamos precisar de alguma ou muita protecção se chegarmos a uma idade avançada... a nossa curva existencial já é descendente e vai muito lentamente (esperemos!) tender para zero...

Enquanto atravessamos a fase de "planalto"... e se nada de grave nos acontecer, caso de uma doença, uma deficiência... aí teremos de ser nós os nossos próprios e mais bem prevenidos protectores... enquanto, também temporariamente, poderemos estar a proteger outros... e a passagem do testemunho da protecção deverá continuar pelas gerações e pelos tempos... enquanto a humana maratona da espécie não atingir, ela própria, o seu inevitável términus...

alquimista disse...

Dói em locais diferentes, conforme os que crescem ou os que tentam impedi-lo. Nas articulações os primeiros, nos neurónios os segundos...

Lusco_Fusco disse...

Boa noite!
Como era bom termos esse poder e disponibilidade...
Um abraço
MJ

thorazine disse...

andorinha,
eu sei como é..as mulheres têm a mania do "multi-task" e depois há sempre uma ou outra coisa que fica mal feita...hehehehe

cêtê,
joga, joga! Pode ser que depois sobre uns trcos para ires tirar um curso de "shamanismo enteógeno" na Amazónia! Quiça um dia chegas a curandeira..:]]
Ahh..e nada de te pores a picares-me! Eu caso-te já! E com o FDL, é que eu já reparei que já sentiste saudade daquele feitiozinho difícil! ;););)

CêTê disse...

Thora, loool
Gostei para o sítio onde me mandaste não percebendo no entanto a fazer o quê? (que coisa é esa de "shamanismo enteógeno"????? aguardo, pacientemente, explicações)lol


Quanto ao resto, eu percebo o golpe defensivo ;))))) mas olha que eu não te estava a casar com a andorinha!;]]]]]]]
bjtos


ESTOU DE FÉRIASSSSSSSSSSSSSSSSSSS

thorazine disse...

Eu não tenho lá muito jeito para explicações, por isso, aqui vai por partes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Shamanismo

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ente%C3%B3gena



Amazónia é o objectivo! O meu avozinho fala maravilhas daquilo...e eu sempre a roer-me de IMBEJA! ;))))))))

andorinha disse...

Cêtê,
Agora metes-me ao barulho em tudo?
Então eu não tenho vontade própria?!
Ai, estamos mal....estamos:)))

TAMBÉM EUUUUUUUUUUU!:)

particula-RG disse...

"Desde sempre."

Cimbalina disse...

mui bien...

Lord of Erewhon disse...

Ámen! :)

sete e picos disse...

no primeiro dia em que a minha filha entrou para a escolinha, mal a vi passar a porta que a iria separar de mim por muitas horas, que a separava do espaço protegido que lhe tinha dado até aí, chorei desalmadamente, deu-me um aperto enorme no ventriculo esquerdo e no direito também... Acho que foi aí que percebi esta frase que agora li nesta posta.