sexta-feira, dezembro 08, 2006

Ingenuamente (?) desonesto. E ridículo...

A sondagem dos homens grávidos Fernanda Cânciofernanda.m.cancio@dn.pt

Se estivesse grávido e atravessasse um momento de dificuldade ou dúvida sobre a gravidez, quereria abortar ou ajuda para levar a gestação a termo? A pergunta só pode ser retórica: toda a gente sabe que um homem grávido só pode querer dar à luz. Estão a ver o furor planetário, a chuva de talk shows, donativos e parangonas, a fama instantânea? Quem é que no seu juízo perfeito optaria pelo aborto? Isto sem esquecer, é claro, a alegria da, como chamar-lhe, pater-maternidade? Claro que, todos sabemos, isto não pode ser, pelo menos por enquanto. Quer dizer: todos, não. Há sempre gente que resiste, há sempre gente que diz não. São, precisamente, as pessoas portuguesas da Plataforma do Não, que se apresentaram esta semana com uma sondagem de três singelas perguntas, qualquer delas, assim como as opções de resposta, um prodígio de manipulação. A primeira pergunta é a já citada, sendo que a ficha técnica da sondagem (ver em www.nao--obrigada.org/sondagem) especifica que o universo de respondentes consistiu "nos residentes portugueses com 18 ou mais anos". Incluindo homens, portanto, que foram ques- tionados sobre o que fariam se estivessem "grávida". Parece a brincar, mas não é. As pessoas que encomendaram esta sondagem estão muito a sério. E felizes com o facto de entre três possíveis respostas - "Ser encaminhada para uma clínica onde lhe fizessem o aborto de imediato e sem risco para a saúde"; "Que o aborto fosse livre para poder abortar sem ser crime" ou "Ser ajudada e apoiada a manter a gravidez e poder manter o bebé" - a maioria, 75,6%, ter escolhido a última. A pergunta não é, note-se, sobre "não querer a gravidez". É sobre "dúvidas". Não fala em prazos. Não fala sobre perseguição penal ou sobre o que deve acontecer às mulheres que abortam. Nenhuma das perguntas o faz. Nenhuma incide sobre o que está em causa no referendo de 11 de Fevereiro: despenalizar a interrupção da gravidez até às dez semanas. Talvez não deva surpreender que haja quem encomende uma sondagem assim. Mas que um centro de sondagens que se apresenta como de referência - o da Universidade Católica - aceite fazê-la e a assine é um pouco chocante. Talvez se deva então assinalar um novo tipo de centros de sondagem. Os "de tendência".

17 comentários:

CêTê disse...

"Mas que um centro de sondagens que se apresenta como de referência - o da Universidade Católica - aceite fazê-la e a assine é um pouco chocante."- está a ser irónico, não? Apesar de não perceber nada de sondagens e à estatísitica e probabilidades nunca ter dedicado grande carinho há muito me parece que pouca isenção há nestes processos todos. E eu hoje até comi um delecioso frango (de churrasco)
boa noite

JFR disse...

Falando da sondagem:

INGÉNUO? Não;

DESONESTO? Não;

RIDÍCULO? Sim.

CêTê disse...

delicioso (corrigido ;])

até acho que deveria ser proibida a divulgação de sondagens. Que se façam sondagens para aferir campanhas eu ate endendo, acho legítimo mas divulga.las tem impacto- complexos efeitos que não excluí na minha "rasa" opinião um aumento da abstenção.

;]


Malta que partilha o mesmo ofício: como é que conseguem resistir a não virem opinar e preferir a esferográfica vermelhona?

Professor, loooool, se tivesse como mandava-lhe o Livro da Catarina Salgado- não deve haver nenhum antiFCP que resista a por-lhe o olho-nem que seja de viés. E o Santanita lá vai ficar também atrás desta nas vendas de Natal.

Fora-de-Lei disse...

Fernanda Câncio, namorada (?) de Sócrates, já começou a ver o que vai acontecer por causa do seu namorado (?) não ter querido / tido a coragem de aproveitar a maioria de Esquerda (?) na A.R. para legislar directamente sobre a despenalização do aborto.

andorinha disse...

Boa noite.

Eu bem digo que me vou irritar imenso até ao dia 11 de Fevereiro.
Os meus níveis de stress vão passar a ser altíssimos, portanto malta amiga, se eu desaparecer desta caixinha é porque algo de grave me aconteceu:)

Estou a tentar brincar, porque fico mesmo irritada com tanto disparate. E por aqui me fico...:(

Cêtê,
Como vês já opinei e já larguei a esferográfica vermelha, acabei:)))

Quanto ao livro dessa "senhora" já estava ontem aqui em todos os escaparates no Continente.
Ouvi-a no "Jornal da Noite" na SIC e até tive pena:) de Pinto da Costa.
Então ele não lhe pagou o suficiente? Ele não sabia que ela era uma p.... cara? Coitadinho do homem, tão ingénuo!
Não simpatizo nada com ele, mas a atitude dela é simplesmente repugnante.
Vês como consigo dizer mal das mulheres? Não me custa mesmo nada e estou-me a conter por estar neste cantinho:)

Bjs.

andorinha disse...

Fora de lei(11.35)
Apesar de tantos (?), concordo com o que dizes, evitava-se este triste espectáculo.
Como é possível haver um debate sério neste país?:(

Até amanhã, gente.
Fiquem bem:)

PAH, nã sei! disse...

Boa madrugada malta!

- Depois de um dia "dedicado" às celebrações do aniversário do local de trabalho da "je".

- Depois de ter parado (por hoje) com o vermelhão (quase duas semanas de braço direito ao peito... deixam mazelas... testes, testes, pilhas de testes atrasados :)

Concordarão que a paciência está no limite... e, antes de "explodir" a sério, um pedido:
Por favor... este assunto já está a passar das marcas!

Sinceramente, depois de hoje ter ouvido na homilia - cuja função é a de explicar aos presentes o significado dos vários elementos litúrgicos e a sua relação relativamente à situação para que o encontro se dá (hoje, supostamente sobre o aniversário e Dia da Imaculada Conceição padroeira do colégio) - o sacerdote, perante uma assembleia de "crentes" (a maioria crianças) a DISTORCER todo o significado deste "momento de partilha e conversa familiar" e assumir um discurso pró-vida e, claramente tentar uma lavagem ao cérebro dos presentes… poupem-me! Já não há paciência!

Frase do dia: “se houvesse aborto, naquela altura, Jesus Cristo não teria nascido”

Aspásia disse...

COMO ESTAMOS NUM REGISTO ANEDÓTICO...

(ANEDOTA AÍ DO PRIMEIRO QUARTEL DO SÉC. PASSADO, RECORDADA HOJE POR MEU PAI)

UMA SENHORA VAI A UMA DROGARIA E PEDE UMA ESCOVA DE DENTES.
-ENTÃO A SR.ª QUER A ESCOVA ASSIM MAIS PARA O MACIO... OU MAIS RIJA??

- OLHE, DÊ-ME A MAIS RIJA QUE TIVER... É QUE LÁ EM CASA SOMOS 6 PESSOAS...

(BONS TEMPOS EM QUE NÃO SE DISCUTIA O ABORTO... MAS SE LUTAVA PELA POSSE DA ESCOVA DE DENTES.. ;)))...

CoelhinhoMauDaFloresta disse...

Bom dia a todos!
Por experiência própria digo que difícil não é decidir no referendo, aliás perdoem-me o egoísmo, mas vou votar sim, fico enjoada com a campanha do não, mas quero distância deste assunto. Difícil é tomar a decisão se se faz ou não, difícil é o isolamento a solidão que se experimenta, é saber em quem confiar, difícil é arranjar o dinheiro para ir a um sítio onde haja alguma garantia de qualidade, é depois sair à rua a sentir um buraco cá dentro, a sentir que a vida nunca mais será a mesma e que cometemos um crime, que matamos um filho só para nos tentarmos salvar a nós. Eu a egoísta que tive a veleidade de achar que não estava preparada para o milagre da vida e que para castigo viverei eternamente a pensar que se calhar fiz mal…mas por outro lado, agora, à distância, até para mim é mais fácil avaliar qual seria a melhor opção, naquele momento, não.

Fora-de-Lei disse...

PAH, nã sei! 1:58 AM

"Frase do dia: se houvesse aborto naquela altura, Jesus Cristo não teria nascido”

Esta tem um certo mau gosto, não ?!

PAH, nã sei! disse...

FDL,

pois, apesar do mau gosto, não foi proferida por mim. Mas sim pelo Sr. Padre!

Fora-de-Lei disse...

PAH, nã sei! 1:10 PM

Qual Sr. Padre ? Quem foi essa besta-quadrada ?

prof disse...

Apesar de raríssimas vezes ir à missas, por razões excepcionais, fi-lo no mês passado e ouvi o padre rezar "Pelas crianças vítimas da fome, da guerra e do aborto." E esta?

Su disse...

mas q treta é esta-------------farta

jocas maradas

noiseformind disse...

Boss,
Se um dia tiveres interesse há um livro muito enriquecedor chamado "Abortion Wars: A Half Century of Struggle" onde este tipo de sondagem tb aparece referenciado nas campanhas anti-legalização... em 1970! ; ))))) portanto... nada de novo... nada de original. Aqui ninguém inventa a roda. Já temos o Alberto João, que é nosso e só nosso, até pq ninguém o quer.

Se olharmos para a forma como os homens olham em Portugal para a paternidade em termos de, por exemplo, divórcio, eu diria que fosse a gravidez coisa de homens e não haveria problema nenhum com o dito. Talvez houvesse uma diabolização maior das mulheres e mais uma justificação para o homícidio dentro do casamento. Do tipo um testemunho no Supremo Tribunal de Justiça: "eu sei que a esganei, Senhor Juíz, mas não é que a safada n me engravidou? Eu disse-lhe para ter cuidado e usar o preservativo. Mas ela n me ouviu e agora lá ia eu ter aquelas dores todas outra vez. E vai daí toca a tratar-lhe da saúde".

O livro da Carolina Salgado é um must. Por um lado fica bem exposto o lado basal de Pinto da Costa, um homem que, por melhor dirigente que seja (e estou a falar do meu clube) se apaixonou por uma vulgar prostitua e que a deslumbrou com umas viagens aqui e acolá. Palavras soltas em guardanapos de papel e o já famoso "um 100.000.000.000.000.000.000 de beijos". Nem umas sms? Tsc... tsc... tsc... mas tb... pró serviço que era n se podia ele ter ficado pelo pagamento e seguido em frente? Se calhar é esta a marca de água de do amor verdadeiro. As loucuras tão tangíveis que as pessoas fazem num momento de paixão ; )))))))))) só por isso Jorge Nuno tornou-se alguém mais... humano ; )
Pena os filhos da senhora terem de ir para a escola com todos os colegas a dizerem-lhe "a tua mãe é uma puta"... eles serão as vítimas tardias deste pueril ajuste de contas ; ((((((((((((((((((((((((

PAH, nã sei! disse...

Noise,

para já, lá pela escolinha, os miúdos da senhora ainda não ouvem dessas. Mas assistem às "figuretas" que a mami faz à porta :)

Viva disse...

Quanto ao tema da sondagem, prof. o que o sr. esperava da U. católica. Tanto em sondagens que metam politica ou questões religiosas a católica nunca me pareceu lá "muito católica", pois é sempre evidente a sua tendência.

Quanto aos machos praticarem aborto, claro que eles pudessem ficar grávidos, serim os primeiros a legalizar o aborto, pois como sabemos os meninos não precisam de passar pela dor para terem panico dela, bastam que um lhes fale da dor. Por isso não exisitiriam muitos papás a levar a gravidez a bom porto.

Quanto a Catarina, desculpem que lhe diga, mas está mesmo muito bem para o Pinto da Costa. São ambos do mesmo nivel na minha maneira de rotular ou nivelar pessoas.

:))