terça-feira, julho 05, 2005

Há solidões e solidões.

"...estava fisicamente desfeito mas moralmente inteiro. Talvez porque já estava para além da dor. Para lá também da esperança. Num deserto de solidão, ou melhor, de solidariedade solitária".

(Semprún, Vinte anos e um dia.)

92 comentários:

lobices disse...

...não conheço de onde vem essa citação; mas, porque não me rever nela?...
...ahh, o costume, porém: um BOM DIA à tutti
abreijos

Papo-seco disse...

O contrário é possível?

PortoCroft disse...

Caro Prof. m8,

'Coffee Break'.;)

E quando se está moralmente desfeito e fisicamente inteiro, mantendo a esperança e, sem que deixe de ser solidário, solitário por entre as multidões?

Com a quantidade de autores que o Prof. refere, vou à falência. Não ganho para livros.;) Mas, ainda bem que o faz. São-me referências preciosas.

Papo-seco disse...

Não acredito no moralmente desfeito e fisicamente "inteiro", ou não é a moral que comanda o fisico?

lunema disse...

Bom dia Professor

Já vivi a dor pela dor e pela (falta) esperança. Mas será possível viver a solidão sem qualquer dor, cansado e feliz?

António Pedro Ribeiro disse...

Este "blogue" especializa-se, cada vez mais, em sentimentos, amor e sexualidade. Confesso que, quando pela primeira vez ouvi a notícia de que tinha um blogue, tive a nostalgia de que se chamaria "sexo dos anjos". Não é no título, é no conteúdo. Bem haja!

António Pedro Ribeiro disse...

P.S: Já repararam que o "Som do Muecon" não funciona? Ou será problema do meu aparelho? Portocroft, conseguirá esclarecer-me isto?

PortoCroft disse...

António Pedro Ribeiro,

Tanto quanto sei, está a funcionar na perfeição. Aqui está. Mas, já verifico se há alguma anomalia. E só lhe acontece aqui?;)

lunema disse...

Pensando melhor, talvez essa solidão que fala na citação seja a tranquilidade que se ganha depois de viver um profundo tormento. Apesar de o sentimento continuar a existir, acaba por adormecer lentamente e quando acordamos estamos de novo inteiros - ainda que mais velhos.

Para quem gosta de musica clássica, literatura, arte e cinema consulte o site: El poder de la palabra

Esoen disse...

Fisicamente desfeitos mas moralmente inteiros, ou fisicamente inteiros e moralmente desfeitos, parecem-me variações em torno dos alguéns que não são predominantemente esquizofrénicos - quase todos, aliás.

Sustentados por solidariedades mais ou menos solitárias, em encontros reais ou virtuais, em blogs, em coffee breaks, em vernissages, na mesa, no colchão, nas nuvens ou no chão.

Sofrega ou lentamente aproximando-nos de climaxs que inventamos.

insensivel disse...

Talvez seja preferível estar moralmente inteiro... quando a alma quebra e apenas a matéria se suporta a razão de existir esvai-se, pouco a pouco, lenta e penosamente até que o fracasso dê coragem para optar: reconstruir ou desistir, de vez, de tudo!

Eu já desisti, mais do que uma vez, de tudo menos do corpo que nunca me quis abandonar... Afinal, sobrevive-se só com um corpo ainda que moribundo... até que algo possa renascer! E renasce, vezes e vezes sem conta, enquanto o corpo não aceitar morrer!

E a dor era a única prova de que ainda tinha ar nos pulmões e sangue a correr nas veias...

Mário disse...

Não pude deixar de me lembrar de João Paulo II nos seus derradeiros dias. Tendo por ele uma enorme ambivalência de sentimentos não pude deixar de ficar tocado pela forma como ele viveu os seus últimos momentos, certamente desfeito físicamente, mas espiritualmente (permitam-me a pequena alteração) inteiro. Estes últimos dias devem ter feito mais por todos os doentes do que todos os discursos proferidos sobre o assunto.

RAM disse...

O Som do Murcon funciona...


... excepto em minha casa :////!!!!!!

RAM disse...

Só para deixar cumprimentos a todos...

Voltarei mais tarde, em regime pós-prandial!!! :))))

António Pedro Ribeiro disse...

Portocroft:
Agora já condigo ouvir. Muchas gracias!

PortoCroft disse...

António Pedro Ribeiro,

Não tem de quê. Disponha.;)

Tão só, um pai disse...

Nem todos os infernos que vivemos interiormente são partilháveis e, como tal, temos de carregá-los em solidão. A velha história do "só, no meio da multidão", de gente, que já não nos diz ou muito, ou nada.

Rataplan disse...

Olá maralhal,
Por falar em inferno, vou ter que ir a uma repartição de finanças, mas volto! Espero eu! Lol
Uma boa tarde para todos.

circe disse...

God save the Queen, perdão, O PortoCroft que sempre cuida dos nossos sustos tecnológicos, RAM ;)


Olha, depois não te espantes com
a conta ao fim do mês...LOL


A não ser que se queira pagar com o corpinho, já que o dinheiro não
vale a ponta de um corno;)

Ora saia mais um papo seco e uma
green sands prá mesa do canto, faxavor;
E agradeçamos ao Patrão pelo perdão das dívidas, daqueles (eu não, que ideia) que às vezes mandam vir e depois não pagam...os calotes;)

Ontem lanchei num tasquinho bera que tem uns azulejos na parede;
Com a licença do simpático velhote, fotografei um :

POR CULPA DE ALGUÉM
NÃO SE FIA A NINGUÉM


Bem, mas há sempre o recurso ao crédito imediato, balha-nos a Minha
Nossa Senhora;)))))))))LOL

Julio Machado Vaz disse...

Muitos de vocês rodam - e bem! - à volta da distinção entre estar sozinho e só. Por isso gostei tanto da expressão "solidariedade solitária".

Julio Machado Vaz disse...

Muitos de vocês rodam - e bem! - à volta da distinção entre estar sozinho e só. Por isso gostei tanto da expressão "solidariedade solitária".

lobices disse...

...claro que é distinto o estar só do estar sozinho
...a dificuldade talvez resida na definição:
...o que é estar só?
...o que é estar sozinho?
...e
...não poderemos estar sós e sozinhos ao mesmo tempo?
...

Maite disse...

Olá Maralhal e Professor

Será que a "solidariedade solitária" não é uma armadilha? Daquelas que nos fazem regressar constantemente ao centro do nosso eu, não para reflectir e "crescer", mas para nos auto-elogiarmos de forma narcisista. Não acredito, de forma positiva, em solidariedades solitárias. Teremos sempre a tendência de sermos "solidários" com as nossas fraquezas.

Zero disse...

Sinto-me assim quando estou de férias e tenho que aturar os putos. E só já faltam 24 dias...

mia disse...

Já alguém disse que devíamos aproveitar as vantagens da solidão? De uma certa solidão, claro. Daquela de que nós próprios construímos por já só sabermos viver sózinhos. Se não a encararmos como castigo, julgo mesmo podermos tirar partido disso.

lunema disse...

"O canal do parto e o caixão são dois espaços desenhados para um só corpo." "E isto...para mim, quer dizer que nascemos sós e morremos sós. Esta ideia, tão assustadora do meu ponto de vista, é talvez a lição mais dura que tive de aprender ao longo do meu próprio crescimento."
Jorge Bucay-deixa-me que te conte

lunema disse...

"O canal do parto e o caixão são dois espaços desenhados para um só corpo." "E isto...para mim, quer dizer que nascemos sós e morremos sós. Esta ideia, tão assustadora do meu ponto de vista, é talvez a lição mais dura que tive de aprender ao longo do meu próprio crescimento."
Jorge Bucay-deixa-me que te conte

escrevinhador disse...

Saudações do dia! A propósito da distinção entre estar sozinho e estar só, o Vergílio Ferreira diz algures algo muito interessante. Encontrnado-o, cá o ponho.

melganoturno disse...

Maite,

Mas o MM nem pode dormir a sesta descansado, que lá vêm as melgas
a zunir:
Pois claro, k raio ker dizer esta m****?
o solitário NÃO é solidário.
Escreveu um tal Lipovetski in "A Era do Vazio" k este culto da individualidade e o carpir masoquista da solidão vai levar-nos a um túnel sem saída LOL e o gajo nem era tripeiro nem nada.

Solidão já eu soube o k era, sim:
quando dormia com o inimigo (e o
gajo nem ressonava nem cheirava mal dos pés, carago) e me empatou a loja durante 8 anos, e tou à vontade pra dizer isto pk ele é analfabeto e nem leu o Alexis da Yourcenar, e sumiu pela calada da
manhã e nunca mais telefonou seker
a pedir desculpa por ter ido tão
tarde...LOL

Mas, como é sempre feliz quem mais amou, já eskeci, já perdoei tb,
pois a minha casa está sempre aberta para os que me querem o corpo e não ousem seker apalpar-me a alma, quanto mais tentarem roubar-ma, canudo.

E há sempre os peelings e os exfoliantes, e tempo e lugares para a folia;)

ooops, ala k se faz tarde, sair é preciso, e pela sombra;;;;;;;;))))))

melganoturno disse...

Lunema,

NINGUÉM MORRE SÒZINHO

E agora, fui

andorinha disse...

Olá Júlio e maralhal,

Gostei sobretudo do título do post - há solidões e solidões.
A solidão que se escolhe e com a qual se convive optimamente e a terrível solidão de quem perdeu as "pontes" com o mundo e se sente um náufrago no meio do oceano.

Júlio (2.00)
Essa distinção é fulcral.
Os anglo-saxónicos tornam isto muito mais evidente através de duas palavras: pode-se estar sozinho( alone) e não estar só( lonely), assim como se pode estar só e não estar sozinho.

Lobices (2.05)
Podemos, de facto, estar sós e sozinhos ao mesmo tempo e será infelizmente o mais comum.

Mia (2.56)
Sou da mesma opinião.
Apreciar e aproveitar a solidão pode ser extremamente compensador.
O que acontece é que hoje em dia o ser humano tem medo do encontro consigo mesmo...

escrevinhador disse...

Andorinha:
Porquê "hoje em dia"? Não me seduzem os saudosismos do "antigamente é que era". No essencial, como já dizia o velho Freud, o Homem de hoje assemelha-se ao Homem das cavernas. Nada de novo debaixo do sol.

RAM disse...

Caríssim@s,


Pois bem...
A solidão a que se refere Jorge Semprún creio ser a solidão de um resistente.
A solidão imposta pelas circunstâncias e não a solidão por opção. A coerência nas convicções, a integridade moral, na vivência agreste da solidão, quando parece que o mundo nos abandonou, levando-nos a questionar o porquê de a fidelidade.

Semprún dá-nos a resposta: por solidariedade para com uma imensa minoria de outros solitários que permanecem fiéis à sua ética.

Mas solidão também pode ser sinónimo de (des)amor:

"Procuro-te na minha solidão
Na penumbra de um quarto
Numa noite de Verão.

Frágil, no silêncio que me envolve, escuto
Os intentos frustrados de uma borboleta nocturna
Batendo no vidro da janela semiaberta,
Intentando alcançar os pontos de luz dispersos
Que a atraem
E que enchem as paredes com as delicadas sombras
Estáticas da minha concentração,
Interrompidas pelos fugazes momentos
Em que me movimento e pelo
Flamejar intermitente das velas.

Sombras de quem sou
Projectadas a negro na parede.
Imagens de uma alma apenas...

A borboleta continua a bater
Contra o vidro da janela...
Frágil ser, arranca-me à inquietude do meu silêncio,
Em busca de conhecer o brilho que a tirará da escuridão."

RAM disse...

Desculpem os longos textos!!! :(((

RAM disse...

Circe (1.57),

Subscrevo o voto de louvor ao PortoCroft.

RAM disse...

Grande Chefe Indío disse,

"Muitos de vocês rodam - e bem! - à volta da distinção entre estar sozinho e só."

Senti-me um hamster! :)))))))

Anónimo disse...

"6000 Educadoras foram exoneradas da Função Pública devido a erros no Concurso, da responsabilidade do ministério da Educação. Está tudo no Segredo dos deuses, há uma cumplicidade do Ministério e um aproveitamento dos Sindicatos. Está a ser preparado um despacho para as reintegrar outra vez. Os Sindicatos têm assim um trunfo para negociar os Destacamentos dos amigos." - S.I.R. (Serviços de Informações da RIAPA).

Mais sobre o caso em www.riapa.pt.to

lobices disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
lobices disse...

Há um silêncio absoluto aqui até mesmo dentro de mim.
Estou só, acompanhado apenas da minha solidão; por isso, não estou sozinho; estou acompanhado, logo não estou só.
Estranho.
O silêncio penetra dentro de mim sem pedir licença; também não sou capaz de lhe impedir a entrada; ele é tão livre quanto eu e eu, possuidor dessa liberdade, deixo-o entrar e sinto que a excitação que ele me provoca é sinal de prazer.
Um prazer proveniente da paz que ele, o silêncio, alberga.
Com ele, vem apenas o som da deslocação do ar quando ele chega sem avisar.
É que, de repente, só (estando só) o sinto quando ouço o silêncio da sua chegada.
Senta-se aqui ao meu lado e vejo perfeitamente que ele me olha de soslaio; mas não lhe ligo importância; quem se julga ele? Alguém de muito especial? Devo-lhe alguma deferência?
Não. Não lhe franqueio sempre a entrada? Então, que mais ele quer? Que lhe dirija a palavra? Não! Mil vezes não! Se o deixo penetrar-me é porque assim o desejo e o quero, em silêncio, em paz, ouvindo-o sem o ouvir; sabendo apenas que ele está aqui.
A solidão, por seu lado, essa não se importa muito pela presença dele; já está habituada. Olha-o com desdém como se ele, o calado silêncio, fosse ninguém. Sabe muito bem que ele não me faz mossa; sabe perfeitamente que ela, a solidão, é que é a minha amante preferida, hoje cinzenta (pode ser) mas amanhã, quem sabe, se colorida.
É apenas a paz que me traz sereno e me faz sentir o seu frio ameno; é que o silêncio tem temperatura, ora é doce e quente, ora azedo e frio; mas já reparei imensas vezes que quando é azedo se sente um frio ameno; não enregela nem me estremece o corpo; amorna-me a alma e deixo-me ficar na mordomia da sua presença.
É tudo apenas um estado de solidão a sós com o silêncio que me faz companhia.
Por isso, não esfria.
Deixa-me estar como quero.
E ele se queda também e fica.
Não incomoda.
Sabe que a qualquer momento que eu queira, o mando embora; sabe que um grito forte pode, num ápice, cortar o ar que ele deslocou ao chegar. Ele sabe isso e por isso não se preocupa comigo.
Mantém apenas um vago olhar.
Como quem não sabe se parta ou se deve ficar.
Depende apenas e só do meu grito; se este, o grito, do meu peito sair com força, com ânimo, com desejo de ser quem sou e não quem quero parecer ser.
O problema com que me debato é saber o que sou ou mesmo até quem sou. Serei eu próprio o silêncio?

Anónimo disse...

Aquele que conhece a arte de viver consigo proprio ignora o aborrecimento .

Maria Ana

Anónimo disse...

Precisava de gritar tanto?

__
D.

Anónimo disse...

Não, não era para a Maria Ana, que tem uma voz doce...
__
D.

Pamina disse...

Bom fim de tarde JMV e maralhal,

Depois de ler o que os outros comentadores disseram, gostaria de dizer o seguinte:
Obrigada Andorinha(4.21) pela achega dos termos ingleses. Realmente é mais fácil de distinguir entre as "solidões" em inglês. Parafraseando parte de um título dum post anterior, penso que em matéria de solidão, há de tudo.
Há pessoas "alone" que não estão "lonely", há pessoas acompanhadas que se sentem terrivelmente "lonely" e, claro, há quem esteja "alone" e "lonely".
À primeira vista esta poderia parecer a situação "pior", mas, na minha opinião a anterior causa ainda maior sofrimento. Não há nada mais terrível do que sentirmo-nos sós ("lonely") no meio daqueles com quem vivemos.

Concordo com a apreciação do Ram sobre este texto, dado o contexto do livro(6.06). Penso que ele expressou muito bem o sentido nos 2 parágrafos iniciais.

Destaco ainda o comentário da Mia(2.56).
Ela fala em aproveitar as vantagens da solidão e diz:"Se não a encararmos como castigo, julgo mesmo podermos tirar partido disso." Notei particularmente o uso da palavra "castigo". O sentir a solidão como castigo, parece-me uma ideia muito interessante para uma discussão sobre este assunto. Penso que realmente estamos tão condicionados para uma vida "a dois" ou "a 2 mais filhos" que poderemos, caso nos encontremos sós, perguntar-nos "que fiz eu de errado" para não ter "conseguido" formar (ou manter) uma família e encarar esta situação como um eventual "castigo" por qualquer falta por nós cometida.

andorinha disse...

Escrevinhador (5.13)

Tens toda a razão, retiro o "hoje em dia" ( está a mais)

E não sou saudosista do antigamente.:)

andorinha disse...

Pamina,
Realmente é mais fácil distinnguir entre as "solidões" em Inglês.

"Não há nada mais terrivel do que sentirmo-nos sós no meio daqueles com quem vivemos".
Totalmente de acordo.

Quanto ao teu comentário em relação ao comentário da Mia, mais uma vez as nossas opiniões coincidem.:)

Olhar disse...

Se calhar já conhecem.., mas,desde já agradecendo,a vossa companhia, às vezes, para deleite do olhar de meus neurónios...,:)para todas as solidões, acompanhadas ou não,filharada incluída:)aqui vai presente:(bom..., espero, que, pelo menos alguns, gostem;) )

A Aol fez parceria online com o concerto Live 8 em:

music.channel.aol.com

P.S. Como sou uma besta nas novas tecnologias e meu velho equipamento não ajuda, só o consegui abrir, com ajuda do Google. Mas valeu a pena:)))

katraponga disse...

:) Adoro o Semprún. Conhece o Suárez Carreño, professor? Sobre a solidão:

"La soledad de la noche es dura como la piedra de las rocas,
Siglos mudos, oscura y lenta materia,
Luz de luna sin destino, fría y sin amor desierta,
Luz que se pierde en las hondas masas del frío,
La sierra sin nadie, la luna sola, en el bosque la madera,
El viento se pierde lejos, ave triste,
Angustia lenta que no es el cielo ni el monte,
Que no es carne, luz, ni piedra"

El viento lejano, José Suárez Carreño

Julio Machado Vaz disse...

O terceiro ponto da Pamina é muito importante. Cada vez mais pessoas vivem "solidões acompanhadas", mas permanece uma ideologia que as decreta "marginais" por não seguirem o preceito clássico: casal heterossexual vivendo debaixo do mesmo tecto e com filhos.

Anónimo disse...

lucília
ouviste o professor?...

Débora disse...

Olá Prof. e restantes,

O seu último comentário, suscita-me uma observação:
considerando a solidão de um dos membros do casal heterossexual vivendo debaixo do mesmo tecto e com filhos, ela não é tão penosa como as outras solidões?
Tenho para mim que é preferível estar sozinha comigo própria (faço-me boa companhia!), do que acompanhada e só.
Saudações.
Débora

Lyra disse...

Para lá também da esperança,num deserto de solidão não existe moral. não existe nada. a não ser a linha limite que se trespassa ou não.

Tão só, um pai disse...

Sendo um facto, a existência de solidões dentro de casais, talvez isso não tenha que ser, de forma generalizada, encaradao como uma indiferença afectiva, ou uma afectividade morta. De resto, existirá sempre o nosso "Eu" que, mesmo no contexto de uma afectividade bem viva, será, de sempre de alguma forma, solitário.

yulunga disse...

Bom dia maralhal.
Acho que o post anterior se encadeia muito bem com este.
Há solidões e solidões; a anulação é uma delas.

lobices disse...

...e hoje, dia 6, aqui vai o meu habitual BOM DIA à tutti...
...aí vai ele dar a voltinha às pernas...
abreijos

Delírio da Loirinha disse...

O pior de tudo é estar acompanhada e por vezes sentir-me so...
A banda sonora do blog está excelente...
Beijinhos doces

lunema disse...

Bom dia,

Lobices
O seu "silêncio" das 7:19 de ontem é absolutamente belo. É o pensamento transformado em arte através da escrita. O grito desfaz o silêncio, mas a solidão... essa teima em ficar!

circe disse...

Bom dia, MM e maralhal,

Só passei para ver se estava tudo
calmo...eh eh eh .

Lobices, gostei d'" O Elogio da Preguiça", em novo formato para lobos.

Afagos, em geral;)

Mário disse...

Olá malta,

Lobices, gostei muito do seu silêncio.

abraço

Anónimo disse...

Em minha opinião, estar sozinho é - mais do que nunca - uma opção (não forçada) das pessoas.

Na minha Lisboa, onde todos se conheciam (lá dizia a a canção "dizem que a cidade é grande, sei lá / mas se é grande não parece / de Benfica a S.Vicente toda a gente se conhece"), hoje ninguém se conhece. Porque será ?

Será porque a cidade está maior ou porque o ritmo de vida é outro ? Não... nada disso. Ninguém se conhece porque conhecer implica dar-se a conhecer ! No tempo em que quase todos quase nada tinham, as pessoas eram solidárias. Hoje, que as pessoas já têm algo mais, ninguém quer expôr as suas "fraquezas". E esta atitude é claramente extrapolável para todas as vertentes da vida.

Estar sózinho é uma opção das pessoas. Mas depois não venham queixar-se que se sentem sozinhos...

lunema disse...

Estamos sós porque aquilo que precisamos receber dos outros não é o igual ao que nos dão.

Vidas sem Vida disse...

Tenhamos o cuidado para assegurarmos e respeitarmos, até nos relacionamentos afectivos, os nossos momentos de tão desejada solidão. Há equilíbrios que só se vislumbram assim.

Anónimo disse...

solidão

Preciosa disse...

A pior das solidões é não nos sentirmos preenchidos e felizes...na nossa própria companhia.

Preciosa

Vampiria disse...

Solidão...uma forma de estar, ser, uma condição imposta, uma escolha, uma obrigação...tanta coisa. Fez-me lembrar uma música que gosto particularmente, que a certa altura diz "I was afraid to be alone, now i'm scared that's how i like to be" (Azure Ray, em November).

Um abraço enorme e considerem-se todos convidados a visitar o meu cantinho:) (como quem diz, blog).
bj*

Anónimo disse...

solidões e solidões: solidão querida e bem amada; solidão-tristeza; solidão-dor e até solidão-cansaço...

Anónimo disse...

Solidão acompanhada! Sei bem o que isso é. Há quanto tempo!!!!

Sou casado, médico, bem na vida, tenho dois filhos adultos, encantadores, mas estou mal comigo mesmo. Conheci há anos uma mulher na net, com a qual contactei via email durante muito tempo. Foi maravilhoso e ainda mais maravilhoso, depois de nos conhecermos. Renasci, está tudo dito!Fui cobarde e não tive coragem de deixar a minha mulher que não amo de todo. Tive medo do amor, o verdadeiro. Diria até o meu primeiro grande amor!Tive medo e tentei afastar-me, imaginem!Quão difícil foi.
A Y partiu e eu fiquei de rastos.
Vivo e viverei com ela em pensamento, numa casa "vazia". Lá está, vivo acompanhado, mergulhado num vazio asséptico. Todos os dias penso, por que raio não fui ter com ela!

lobices disse...

...ó querido amigo médico at 5.58 PM:
...
...ainda estás a tempo!
...se a Y não "desapareceu", vôa, homem, vôa... busca... parte na demanda...
..."ficar" é morrer

Tão só, um pai disse...

Um dia, escrevi isto num dos meus "cantos". Como já muitos o disseram, é, e apenas, mais uma perspectiva.

"Solidão

É entrar, e não ter alegria, chegar a casa, vazia, fria. Chorar por dentro. E rir por fora. É procurar, olhar. E não encontrar. Quem queremos e não temos. Ver, por ver, sem contar. Sem dar. É estar, sem ser. É viver, às vezes sem saber, ou querer, assim."

69 disse...

hoje sou eu o 69 (este nunca está só)

andorinha disse...

Olá Júlio e maralhal!

Interpreto o comentário do Júlio às 23.47 numa perspectiva diferente das que vi até aqui.
Para mim uma "solidão acompanhada" é uma forma diferente de vida a dois.
Cada um mantém o seu espaço apesar de existir uma relação.
Para mim é a forma ideal de vida.
Ando à procura disso há vinte anos.:)

A ideologia dominante decreta-nos "marginais"? Que me importa isso!
As pessoas devem viver da forma como se sentem mais felizes, independentemente de isso fugir ao padrão mais clássico de relacionamento.
Seria burrice não o fazer...

Anónimo disse...

lobices 6:03 PM

Ó lobices, vc é um amigalhaço do caraças... só dá é bons conselhos. Então a mulher e os filhos do médico não contam para o totobola ? Só a felicidade dele é que conta ? Então mas que raio de egoísmo é esse ? Nessa linha de raciocínio, eu já tinha deixado a minha mulher e o meu filho há que tempos. Eu e muito mais gente...!

lobices disse...

..ao anónimo das 6.34 PM:
...
...claro que sim... devemos "perseguir" o caminho que pensamos ser o melhor; devemos prosseguir para onde enetendermos que devemos caminhar
...devemos TENTAR ser felizes e não, por OBRIGAÇÃO, passar uma vida num casamento de fachada
...

Vidas sem Vida disse...

Aqui para nós, o médico pode não amar, mas não sente estar num inferno com a mulher que tem. Até lhe foi despudoramente infiel. Se não arriscou um salto no desconhecido foi porque está contente com o que tem. Porque se a relação é tão seca e vazia, também se arrisca-se a, num destes dias, chegar a casa e ter uma cartinha de um advogado.

Anónimo disse...

lobices 6.44 PM

O melhor caminho deverá ser sempre aquele que garante a felicidade e o bem-estar dos nossos filhos. Quando o único caminho a seguir - com esse objectivo em vista - fôr o fim do casamento, então tudo bem. Mas até lá...

lobices disse...

...para que o Homem seja feliz há uma condição sem a qual ele nunca o será: essa condição é ser EGOÍSTA
...alto e pára o baile: eu explico
...como já tenho escrito muito sobre isso, volto a repetir:
...amar é dar
...amar é desejar que o "outro" esteja feliz e eu sou feliz quando sei que o "outro" está bem
...para eu estar bem, para eu ser feliz tenho de deixar de "possuir" o que quer que seja, excepto ser "dono" da minha escolha; a capacidade de escolher é a única "coisa" que é de nossa propriedade; o resto não é nosso; nada possuimos...
...sendo assim, eu devo escolher o "meu" caminho, e o meu caminho deve ser a procura da felicidade que não existe "ali" mas sim que está dentro de mim
...se ela, a felicidade, está dentro de mim, se eu escolher o meu caminho e me sentir bem, eu vou (ao estar bem) fazer bem aos que me rodeiam...
...se eu estiver "infeliz" eu só faço mal aos que me rodeiam
...logo, manter um casamento só para não "largar a mulher e os filhos", é um insulto à minha única capacidade de escolher a minha felicidade
...vou, vivendo dessa forma, apenas provocar negatividade à minha volta
...então, é preferivel assumir que aquele não é o caminho e, por tal, prosseguir a viagem: caminhar
...procura constante
...sempre
...eternamente, se for preciso

andorinha disse...

Lobices (6.53)
Genial, homem!
Assino por baixo.:)

Vidas sem vida disse...

Andorinha, eu também acho que uma vida de solidões acompanhadas será algo de muito adequado. É quase como estar num supermercado. Quando dá jeito, servimo-nos. Deitamos a mão à prateleira e, só então, nos lembramos de que é preciso que a outra solidão também esteja interessada. Caso contrário, teremos que aguardar por melhores dias. E assim, lá se trocam uns afectos de dez em dez anos. Não está mal visto.

lobices disse...

...to anónimo at 6:52 PM:
...cito:
O melhor caminho deverá ser sempre aquele que garante a felicidade e o bem-estar dos nossos filhos...
...
...mesmo que para isso se mantenha a dor de não nos sentirmos bem?
...mesmo que para isso seja preciso mostrar aos nossos filhos o quanto estamos a sofrer?
...julgas que eles não percebem?
...julgas que eles não vêem?
...não sentem?
...não sofrem?
...

Vidas sem vida disse...

Se nenhum amor é duradouro, porque andar constantemente á procura dele, como quem procura trocar de carro de cinco em cinco anos? E que tal se formos cuidando do carro, mudando umas peças, reconstruindo o motor, arranjando a chapa, mudar a cor da pintura, dar-lhe outro charme ...

yulunga disse...

O Dr. Médico Solitário se não ama a mulher com quem vive para além de perder a possibilidade de ser feliz, também impede a felicidade dela ser verdadeiramente amada.
Se não fôr feliz também não conseguirá transmitir grande felicidade aos filhos, que sendo já adultos há muito que as asas lhes cresceram e já andarão em altos voos.
Dr. já desmontei da motoreta. Faça o favor de montar nela e acelere enquanto é tempo.

lobices disse...

...to Yulunga at 7:22 PM:
...
...exacto!...

andorinha disse...

Vidas sem vida (7.01)

Tu vives a vida da forma que entenderes ( não tenho nada a ver com isso)e eu da forma que entendo, foi isso que eu disse.
É tão simples quanto isto!

lobices disse...

...to vidas sem vida at 7:16 PM:
...
...o amor é um sentimento e como tal está sempre em mutação!...
...bolas: percebam isso!... O amor não é estático...
...
...AMAR, sim!... Ou se ama ou não se ama; amar é uma acção; actua-se, amando, dando-nos, querendo o bem dos outros, amando sem posse nem destino num amor incondicional
...no amor, e exactamente, porque ele é mutável é que lhe mudas a pintura ou a chapa ou os pistons ou o óleo mas, a máquina está lá e é sempre a mesma em manutenção pela simples razão de que não procuras a tua própria "forma" de amar; apenas pensas num amor...
...isso é, na verdade, amor; um amor que se fixa, que se mantém e não vive, não expande, não exulta, bem pelo contrário, vai morrendo lentamente...
...amar, é algo diferente; é viver a forma que escolhemos para sermos felizes... isso sim, é o verdadeiro AMOR... amando!...
...
...amor é uma coisa
...amar é outra coisa
...não confundam
...sejam felizes

yulunga disse...

Lobices, não tivesse eu medo de picas e receio de que os enteados fossem melhores que o pai ainda tentava fazê-lo feliz. Como tal limito-me a emprestar algo que lhe permita correr contra o tempo.

Até mais ver maralhal.

circe disse...

Hey, Yulunga,

Dás-me boleia?

Bolas, já nem a poeira se vê no ar,
carago :(

Vou ter que esperar por amanhã, cool, mais cedinho ;)

Débora disse...

Caro médico da “solidão acompanhada”,

Perante a exposição do seu caso, ocorreu-me a célebre quadra de António Aleixo:
“quem prende a água que corre é por si próprio enganado; o ribeirinho não morre, vai correr por outro lado”.

Para onde terá ido correr o ribeirinho?

Claro que isto é uma forma “ligeira” de ver a questão.

É incontornável que os casamentos desfeitos têm uma série de implicações de vária ordem. Desde logo, pessoais e familiares, entre outras. Há, portanto que ponderar muito bem o assunto. Não é algo que penso poder decidir-se de ânimo leve.
Há no entanto que equacionar muito bem “ganhos” e “perdas” para todos os intervenientes.
Por vezes é mais penoso para todos manter as aparências, do que “correr” atrás do sonho.

Colocada nessa situação, sei que teria muita dificuldade em dar o passo – tenho filhos, por exemplo e isso teria um peso enorme. Excepto, se a decisão fosse tomada no limite – má vivência, maus tratos, etc. Situações afins não me suscitariam sequer dúvidas.

No seu caso, com os filhos adultos, poderá ser diferente – penso que os nossos filhos não desejam a nossa infelicidade. E o cônjuge teria que compreender, penso.

Sei que, na prática, as coisas não assim tão simples. Pareço retrógrada? Sou apologista de que devemos sempre que possível, perseguir o sonho, porque o sonho é gerador das nossas expectativas para a vida. E vida e só temos uma (que saibamos). Não o tentar, seria deixar a vida para segundo plano. Quem sabe, ainda vai a tempo de encontrar o ribeirinho …

Tentei amenizar a sua tormenta, mas duvido dos resultados – sou inábil nesta matéria e seguramente ignorante.

Saudações
Débora

Anónimo disse...

Muito obrigado a todos. Afinal, ainda, existe solidariedade humana que quebra um pouco a dita solidão acompanhada!!!!
Meus caros amigos o que escrevi foi um desabafo.
Existem vários problemas graves, que penso que se venham a resolver no tempo.
Por outro lado a Y, dado o meu comportamento inverso ao que realmente sentia por ela, partiu. Às vezes quando de facto se ama voltamos a ser desajeitados como quando tinhamos 15 anos! É mais fácil fingir que gostamos!!!
Em suma, dedico-me de corpo e alma à minha profissão que gosto muito. Aos meus filhos, daqui a nada aos meus netos, aos meus doentes, aos meus alunos.
Um abraço a todos

mia disse...

ao anónimo médico:
quero acrescentar: "a mim" (no caso a si).
daqui a pouco todos terão uma vida própria e independente... o meu caro anónimo, nessa altura, sentir-se-à num conflito tremendo, dividido entre o que devia ter feito e o que fez (na inversa realidade no seu conceito tradicional). Então, sim, talvez diga que valeria a pena ter ultrapassado o medo. Ou não...
Um abraço.

mia disse...

Bolas! Caro coega: (já escrevi uma vez, mas isto parece que se foi...) - já que não me responde à problemática do amo«r, fale-me da nossa saúde ...

CB disse...

Não conhecia a autora...fale-me mais sobre ela

catarina disse...

Acho a solidão ,sem duvida , a "fobia" destes tempos.Eu propria tenho medo dela.Não será esse medo consequencia da vontade de acelarar tudo..até a nossa vida..?A solidão pode ser ultrapassda..já alguem pensou nisso?

Anónimo disse...

What a wonderful invention it is, this thing we call the Internet!