quarta-feira, janeiro 18, 2006

Reforma activa.

Maria,
O meu filho mais novo fez 29 anos. O outro vai a caminho dos 32. Fiz a minha parte. Apetece-me deslizar para os bastidores, sem ruído ou amargura, apenas com um telemóvel disponível. Rever a estrada. E Montségur. O marco singelo - als catars. Buscar ao longe o Mediterrâneo. Sem sucesso. Atribuir a culpa às nuvens, e assim ilibar a miopia, a vista cansada, a velhice jovem. Refugiar-me no teu sorriso curioso e ávido - "conta-me". Abraçar-te os ombros, rejuvenescer setecentos anos - "foi assim". E contigo percorrer os caminhos que trilhavam para fugir aos Inquisidores. Mais um dia, ainda um mês, com sorte um ano, até à inevitável fogueira. O fim da história. O silêncio. O nosso fogo homenageando o deles. Boa noite.

46 comentários:

River disse...

Caro Prof.
Boa noite, as minhas filhas ainda agoram fizeram 13 e 10 anos... E francamente ainda ñ consigo (e ainda bem ter o seu dicurso), mas imagino como será daqui a 10... 20 anos?!... Só desejo estar cá, para depois lhe contar eu! ;)

fique bem. bjs

dKin disse...

Precisava de um retiro assim, com o meu "Manel", mto embora ainda ñ tenha idade para reforma, nem um legado q me faça sentir realizada. Ainda estou a caminho, mas como todo o guerreiro, preciso de descanso, e nesta altura, era mesmo um descanso para a cabeça, q ñ pára...

O Sical disse...

Mas os netos, meu Deus, fazem-me sempre abreviar as fugas.

Anónimo disse...

Texto lindo, precioso.

Pretendo um dia alcançar essa serenidade.

Beijos,
Sara

fora-de-lei disse...

Quando os filhos já estão arrumados, é então tempo de voltar a afiar o lápis sem quaisquer constrangimentos. Mas o pior é que essa liberdade surge numa fase da vida em que costumam aparecer outros constragimentos em torno da função afiar o lápis. Com ou sem 'Marias Imaginárias', esta vida é mesmo uma merda... ;-))

nascitura disse...

mais Maria
mais refugios
mais sonhos...
...tão bonitos os teus sonhos

Blue C. disse...

Júlio, tenho-me escusado a comentários porque realmente quase sempre as suas palavras bastam. Hoje comento por uma causa que abracei há quase um ano. É lamentável que sejamos somente 39 mil dadores de medúla óssea. E há cada vez miúdos mais pequenos com leucemia. Por favor, passe pelo serhumano.blog.com e veja. Se achar conveniente, divulgue, por favor. Muitos beijinhos ( aver se consigo ir ao próximo jantar).

Idanhense disse...

Gostei do texto e aprecio moderadamente a suas aparições no pequemo ecrã.

Navel disse...

Conheço o "miúdo" de 29. Fomos companheiros de Contacto. Eu ainda nem sequer lá cheguei, mas existem paixões que se partilham mesmo quando "setecentos anos" nos separam. Não falo do seu filho :) Falo das palavras e das histórias, das Histórias, das pessoas.
Admiro-o.

Beijinhos
Um umbigo

ao sul disse...

A este texto de deslumbre acrescentaria, antes da função inevitável, um vislumbre de mediterrâneo, como E. A. Poe, com o desplante deste desapego:

Fair isle, that from the fairest of all flowers
Thy gentlest of all gentle names dost take,
How many memories of what radiant hours
At sight of thee and thine at once awake !
How many scenes of what departed bliss !
How many thoughts of what entombed hopes !
How many visions of a maiden that is
No more — no more upon thy verdant slopes !
No more ! — alas, that magical sad sound
Transforming all ! Thy charms shall please no more —
Thy memory no more! Accursed ground
Henceforth I hold thy flower-enamelled shore,
O, hyacinthine isle ! O, purple Zante !
Isola d'oro! Fior di Levante !

Anónimo disse...

Júlio,
Como sabes o meu filho também tem 29 anos.

Que tal Montségur no dia 14 de Março?

Tenho boas recordações de l'Oustal.

O jardim e o terraço com vista para o castelo encantam-me e trazem-me gratas recordações.

Maria

Ni disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
andorinha disse...

Boa tarde.

Júlio,
Já lhe disse isto, mas repito - é um felizardo por ter esta Maria ao seu lado.:)
E nós somos uns felizardos por podermos partilhar estes seus estados de alma.:)
"Apetece-me deslizar para os bastidores...apenas com um telemóvel disponível."
Isso não...então e o Murcon e o maralhal?:)))

P.S. Ontem não pude passar por aqui e senti a falta deste "contacto". Este cantinho já faz mesmo parte da minha vida.:)

Sical (9.02)
Tens razão, os netos fazem inverter o sentido de marcha.:)

Fora de lei (10.03)
"Esta vida é mesmo uma merda."
Então, homem, cheer up!:)
As coisas até estão a correr bem para o Glorioso, nem isso te anima???
Deixei-te um recadinho no post anterior.

Até mais logo, gente.

moon disse...

A sério, não acha que é um pouquinho cedo para a velhice (ainda que jovem)?!
Quanto ao apetecer-lhe, força!
Tem todo o direito e merece!
Filhotes criados, saúde, tempo livre e uma situação económica confortável... o que se pode desejar mais??
Só se for a Maria...!

noiseformind disse...

Moon,
Pára de misturar os teus receios com os do Mahatma ; )

Boss,
E porque não um aninho sabático em S. Tomé? Sabe Deus que eu preciso de ajuda por aquelas bandas e tu tens um gerente de hotel adormecido dentro de ti à espera de debutar no mundo do turismo de luxo. ; ) Just think about it! Era tipo férias activas com 3000 euros de complemento de reforma!!! E já temos lá internet!!!!!!!!!!!!!!!

Estrela do Mar disse...

Não se preocupe com a velhice que ela para si, ainda vai demorar a chegar, disse-me ela há uns dias: -"Aquele JMV não me agrada nada, tão cedo não lhe pego"
Por isso como vê não tem nada para se preocupar.
Aproveite antes a vida, sem preocupações filiais, e dê uns passeios para poder trazer uns presentes aos netos e depois ver-lhes as carinhas de satisfação. Quer alguma coisa melhor que isto??

Maite disse...

Sempre ternurentos estes seus textos.

A falar novamente dos Cátaros?! ou é impressão minha?!!
De repente lembrei-me de um texto seu quando andou por terras dos Cátaros (em Espanha) e em que falou de Belibasto. Eis uma pequena transcrição:
"Belibasto, último Perfeito cátaro, queimado em Villerouge-Termenès entre Setembro de 1321 e Novembro de 1322. (E chegado ao martírio depois de uma vida em que violou os preceitos das duas Igrejas: a cátara, a que pertencia, e a romana, que o perseguiu, prendeu e condenou."

Oops...eu ando muito para transcrições :)

Boa tarde

andorinha disse...

Noise,
E não precisam também de uma recepcionista?
Candidato-me ao lugar se for bem remunerado. Acho que tenho as qualificações exigidas.
Meto uma licença sem vencimento e está feito!:)))))))))))))))))))))

fora-de-lei disse...

andorinha 2:48 PM

"As coisas até estão a correr bem para o Glorioso. Nem isso te anima ???"

Mas eu não estava a falar por mim. E muito menos pelo Glorioso, o qual acabou de iniciar a rota da vitória em mais um campeonato... ;-))


Deixei-te um recadinho no post anterior.

Vou já lá ver que "recadinho" é esse. Espero não ter que (te) responder em conformidade... ;-))

noiseformind disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
noiseformind disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
andorinha disse...

Fora de lei,
Esperemos que sim.:)
Vejo que estás optimista, tal como eu.
Mas não vamos deitar foguetes antes da festa.

Quanto ao recadinho já viste que foi bem intencionado.:)

noiseformind disse...

Andorinha,
Uma recepcionista não sei, mas tu fazes falta, sempre ; )))) portanto é vires na mesma ; ))))

Fora-de-lei e Andorinha,
Isso dos recadinhos não é coisa de "putos"? Já sei, sexo em grupo tb é, dirão vocês em resposta ; ))))

Ni,
O asterisco é para q? Para repararmos no decote da foto? Quanto maior tem de ser o decote para mostrar o peito menos apetecível ele é, já dizia uma das Leis de Hefnner : )))

Nascitura,
Pagas o mesmo escrevas muito ou escrevas pouco, e não queres que o pessoal pense que só sabes telegrafar. Anda lá pá, solta-te.

Pamina disse...

Boa tarde.

Gostei muito da frase: "o nosso fogo homenageando o deles". O amor, o acto da vida contra a morte.

Anónimo disse...

Prof.

Porque não uma tréguas antes de caminhar para o fogueira?

Mariana

Anónimo disse...

Pamina 6:31 PM

Creio que não é esso o sentido.
Do pouco que sei sobre os cátaros, tb conhecidos por albigenses, estes, sitiados em Montségur por forças da igreja ortodoxa romana, recusaram abjurar as suas crenças e recusando todas as condições de rendição caminharam voluntariamente para a fogueira depois do equinócio da Primavera.

Francisca Diniz

CêTê disse...

O Noise está com ga-gaguez?
;]

Alguém ir/vir jantar? Aqui neste café bem que poderiam servir uns petiscos... Venho ler o texto mais tarde- pareceu-me uma delícia! (mas em autólisenão dá!)

Ameninadalua disse...

"Refugiar-me no teu sorriso curioso e ávido - "conta-me". Abraçar-te os ombros, rejuvenescer setecentos anos"...

Sendo ficcionada ou não, qualquer Maria iria adorar ouvir estas suas palavras; por serem belas, por criarem emoção mas tambem pelo conhecimento que duma forma subtil elas encerram...
Gostei mesmo...

Julio Machado Vaz disse...

Francisca,
Tem razão, os cátaros refugiados em Montségur e os que já lá viviam recusaram abjurar e reza a lenda que caminharam para as chamas cantando.

Julio Machado Vaz disse...

Maite,
Belibasto foi o último Perfeito conhecido, mas não o mais representativo dos valores defendidos pela Igreja Cátara:). Depois de Montségur, o "renascimento" do catarismo foi sobretudo obra dos Authié de Ax, notários que se foram ordenar às comunidades existentes na Itália do Norte e regressaram ao Languedoc. E às fogueiras... Belibasto foi traído pelo filho de uma antiga crente cátara que o atraiu até às mãos da Inquisição, jogando com a sua alegada avareza para o afastar de Morella, onde se refugiara.

Julio Machado Vaz disse...

Noise,
E uma estalagem mais pertinho?:).

Estrela,
Que Deus, o Diabo e o Acaso a ouçam.

Pamina disse...

Francisca (7.16),
Eu interpretei "o nosso fogo", como o fogo da nossa paixão, homenageando o fogo deles, ou seja o martírio deles pelo fogo, portanto, o amor contra a intolerância e a morte.

CêTê disse...

Pelo que oiço contar, é costume perto dos quarenta passarmos por um miradouro e sermos tentados a parar e aferir caminho. Como me sabia bem parar um pouco! Mas a multidão empurra-me numa rotina fazendo-me seguir um trajecto fácil. Ninguém me viu na beira das escarpa…mas também não entenderiam o meu descompasso. Afinal que faria eu ali, sobretudo agora? Pois, por motivo nenhum, que não a da contemplação e a satisfação de sonhos.
Apetecia-me percorrer as costas do mundo como um condor – fazer do tempo o que dele eu quisesse com ele fazer – até que o tédio me castigasse a gula. Faria como em criança nos tempos de chuva em que os becos eram interditos- esgotaria as brincadeiras por brincar e todas as outras que delas nasciam até adormecer no baloiço no embalo das cordas. Mesmo para vir ao café, há fintas a fazer. ; ]

Não sou Maria, (valha a verdade, nem do nome gosto ;] lembra-me um uniforme – sexista) mas, professor, que tudo o que partilha connosco me sabe a pouco! Quando partilha sinto-me às suas cavalinhas a fintar o tempo sem censura de horizontes! (bolas, bolas: não é efeito de n-OL, garanto) ;] .

nascitura disse...

noise,
mas eu só sei mesmo t e l e g r a f a r

Lusco_Fusco disse...

Mahatma
A Maria se existe deve precisar de lenços :o) a baba deve ser muita...

Mas deixe-me dizer-lhe
Nem parece português! Português que se preze presta serviços depois de reformado, em altos cargos, sem descontos... Estão até a pensar reformá-los no berço em linha sucessória. Lol
Onde pensava que ia, hein?! Lol
Eu dou-lhe solução para o rejuvenescimento de 700 anos. Convida a Maria para assessora. Junta o "útil" ao agradável.
Se os mandões reformados o lêem, está feito!
Depois não se socorra do Sousa. Ele não poderá trabalhar depois de reformado ou retiram-lhe a reforma. Vai ter de o apresentar como familiar que nasceu agarrado á "rosca" e que nem a idade o separa ;-)

Um abraço e não perca tempo. Reforma para quê? Se quem quer é a Maria?
MJ

Su disse...

gostei de ler, apesar de não gostar do fim do q quer q seja
jocas maradas

Margarida disse...

Uma proposta de visita:
http://luminosidadesaoentardecer.blogspot.com/
Jokas

O Sical disse...

Maralhal

Cuidado com o fogo, senão isto ainda acaba em Fénix renascida.

Marinhoto disse...

Caro Professor Júlio Machado Vaz... deixe-me tratá-lo assim, pois, embora o não conheça pessoalmente, sempre o conheci!...
Sou um pouco mais velho e tenho por si uma admiração particular. Ouço diariamente os seus cinco minutos com a Ana Mesquita... ando a ler um dos seus livros e frequento, com uma certa assiduidade o Murcon... Escusado será dizer que aprecio os seus textos e também leio com bastante interesse muitos dos comentários que os 'membros do seu clube' ali debitam.
Hoje, pela primeira vez, resolvi deixar aqui esta notazinha e isto por uma razão muito simples: Os meus filhos têm 38 e 32 e um deles já me deu uma netinha (a Petra) com os três anos mais espevitados que eu jamais vi!... A minha fase de 'balanço' já começou há algum tempo e o seu texto de hoje despoletou em mim um 'clic' muito especialmente sentido!!
Que vá encontrando inspiração para continuar a oferecer-nos propostas como a de hoje e que eu possa ir lendo aquilo que escreve...
Daqui da Marinha Grande, um abraço de um 'outsider' que não resistiu à tentação de por aqui um (talvez desajustado) comentário...

Olhar disse...

Como troca pela beleza da suavidade de sua prosa, gostava de lhe propor ver/comentar "Chérche" avec Mademoiselle Julliette Binoche, que, para além da Maria também não faz segredo muito gostar:)))
(acabei por vir de lá,ruminando...)
A dureza daquela incrível banda sonora transportou-me distraidamente à infância, e vi que "perdi" os promenores do quarto de um rapazinho e o princípio de uma conversa no canto esquerdo do écran, esta última quando já passava o genérico...:(
Como eu, mais três da meia dúzia de espectadores, entreolhámo-nos com o acender das luzes e soltaram--se línguas pa falar do filme, mas quando convido uma das senhoras para tomar chá ou café e continuar o que me estava dizendo ter visto, ela olha para mim como se lhe estivesse fazendo uma proposta indecente e "pira-se" atarefadíssima...:(((((((
Enfim...

Sousa disse...

Ó patrãozinho!!!! Esse escritório anda a dar cabo do sr. homem! Valha-me Deus. Ou será que o vírus da Saramago anda a contaminá-lo? Ou então... são os ares de Espanha. Olhe que diz o ditado "de Espanha.... nem bos ventos nem bons apartamentos". O patrão arribe. Então agora com o seu Glorioso é que lhe deu para pensar nos anos que tem? O sr. está como o Vinho do Porto! O que não vai pensar a Maria se ela receber a sua carta?! "Reforma activa"! Olhe sabe que mais, patrão? Eu só quero chegar activo à Reforma. Pois como isto está... Parece que estou a ver: o doutor numa cama articulada a ir ver a bola e eu a conduzi-lo num carro adaptado ao meu estado!
Olhe... hoje este leitinho tem um brinde... uma formiga! Pensava agora que era outra coisa! Hoje deixo-lhe o rafeiro para lhe aquecer os pés- este cão tem cá um juizo... ´percebe tudo.

Então. Boa Noite.

a sul disse...

ó sosa, ó sancho, trata lá bem desse quixote cabisbaxo

Anónimo disse...

olá

Ameninadalua disse...

Caro Marinhoto

Seja bem vindo a este nosso espaço de convívio e não só...até porque tendo já, como diz, entrado na sua fase dos "balanços" quem sabe não nos presenteia, partilhando alguns deles connosco!!!...
Quanto ao suposto "desajustado comentário" é só modéstia sua...porque de desajustado não tinha mesmo nada:)))

Olhar disse...

Ó diabo!!!! isto foi um lapso, daqueles...:)
Em vez de Cherche a o filme chama-se "Caché"
A todos incluíndo Michael Haneke o meu sincero pedido de desculpas...:(

QQcoisa disse...

Não acredito que ache que os seus filhos são obra acabada! Lá porque ficam independentes e/ou casam, e/ ou têm filhos e/ou se formam... lá pensam os pais em se descartar das "obras-feitas". Isso não me parece certo. :[